SlideShare uma empresa Scribd logo

Gênero textual

T
thiagokrek

O documento descreve o gênero textual dos blogs, definindo-o como um diário online onde usuários publicam conteúdo e interagem uns com os outros. Discorre sobre como blogs são produzidos em vários contextos sociais e objetivos, e sua estrutura com cabeçalho, laterais, texto principal e espaço para comentários.

1 de 5
Baixar para ler offline
Gênero Textual
               Nomes:
   Guilherme Travieso Di Domenico
        Thiago Vaghetti Giongo
                Curso:
 Leitura Produção e Revisão de Textos
Gêneros textuais
      Gêneros textuais são tipos específicos de textos de qualquer
natureza, literários ou não literários.
      Modalidades discursivas constituem as estruturas e as funções
sociais (narrativas, discursivas, argumentativas) utilizadas como
formas de organizar a linguagem. Dessa forma, podem ser
considerados exemplos de gêneros textuais: anúncios, convites,
atlas, avisos, programas de auditórios, bulas, cartas, cartazes,
comédias, contos de fadas, crônicas, editoriais, ensaios, entrevistas,
contratos, decretos, discursos políticos, histórias, instruções de uso,
letras de música, leis, mensagens, notícias. São textos que circulam
no mundo, que têm uma função específica, para um público
específico e com características próprias. Essas características
peculiares de um gênero discursivo nos permitem abordar aspectos
da textualidade, tais como coerência e coesão textuais,
impessoalidade, técnicas de argumentação e outros aspectos
pertinentes ao gênero em questão.
Blog: um gênero textual digital
       Blog vem da abreviação de weblog: web (tecido, teia, também usado para a
designar o ambiente de Internet) e log (diário de bordo). É uma ferramenta do mundo
virtual que permite aos usuários colocar conteúdo na rede e interagir com outros
internautas. Os blogs surgiram em agosto de 1999 com a utilização do software Blogger,
da empresa do norte-americano Evan Williams. O software fora concebido como uma
alternativa popular para a publicação de textos online, uma vez que a ferramenta
dispensava o conhecimento especializado em computação. A facilidade para a edição,
atualização e manutenção dos textos em rede foi, e são, os principais atributos para o
sucesso e a difusão dessa chamada ferramenta de auto-expressão.
       Vários blogs são pessoais, exprimem ideias ou sentimentos do autor. Outros são
resultados da colaboração de um grupo de pessoas que se reúne para atualizar um
mesmo blog. Alguns blogs são voltados para a diversão, outros para o trabalho , outros,
ainda, para pesquisas e há, até mesmo, os que misturam tudo.
       Hoje a globalização nos coloca frente a frente com uma nova ordem mundial: a
tecnocracia, que nos coloca como desafio de uma forma, no mínimo diferente, de
abordar os materiais legíveis e, por conseguinte, interpretar o mundo.
Na escala sócio-histórica os textos são produtos da atividade de linguagem em
    funcionamento permanente nas formações sociais em função de seus objetivos e
    interesses; essas informações elaboram diferentes espécies de textos, que apresentam
    características relativamente estáveis: os gêneros textuais. Os gêneros de textos ficam
    disponíveis no intertexto como modelos indexados, para os contemporâneos e para as
    gerações posteriores sendo assim, o blog já se encontra indexado com valores sociais
    (ideológicos) que lhe são atribuídos pela sociedade onde circulam.
    Segundo Bronckart (1997/2003) pode-se considerar todo gênero por três dimensões
    essenciais:
•   1) os conteúdos que são dizíveis por meio dele (referentes); a estrutura composicional
    particular dos textos pertencentes ao gênero;
•   2) as configurações específicas das unidades de linguagem, que são traços do
    enunciador,
•   3) os conjuntos particulares de sequencias textuais e de tipos discursivos que formam
    sua leitura.
           A comunicação pelas tecnologias digitais é de grande interesse nos mais variados
    campos de estudo. No campo da Linguística, por exemplo, vários estudos já foram feitos
    a respeito de e-mails, bate-papos virtuais, aulas virtuais, home-pages. Mas há, ainda,
    muito a ser estudado e explorado pela Linguística Aplicada, em termos de sua influência
    positiva no aprendizado de nossos alunos.
Gênero textual dos blogs
              Para entendermos o gênero textual dos blogs devemos, primeiramente, analisar as condições em que o texto é produzido. O blog
    se inscreve no quadro das atividades de uma formação social , isto é, no quadro de uma interação comunicativa que implica o mundo
    social (normas, valores, regras, etc.) e, o mundo subjetivo (imagem que o agente dá de si ao agir). Esse contexto sócio subjetivo também
    pode ser decomposto em quatro parâmetros principais:
•              O lugar social em que a interação o texto é produzido: escola, família, mídia, igreja, interação comercial, interação do cotidiano,
    etc. Os blogs são produzidos tanto em casa, quanto na escola, num cybercafe ou em lanhouses. Podendo ser modificado diariamente ou
    conforme o blogger achar melhor.
•              Posição social do emissor, que agora lhe dá o estatuto de enunciador. Qual o papel social que o emissor desempenha na
    interação em curso: de professor? De pai? De aluno? De superior hierárquico? De amigo? Na maioria dos casos estudados, o emissor tem a
    posição de amigo, mesmo quando há uma relação professor aluno, pois a linguagem e a informalidade fazem com que isso seja possível.
    Mas cabe ressaltar que qualquer pessoa pode interagir num blog, desde que possua as habilidades e ferramentas necessárias para tal.
•              A posição social do receptor que lhe dá seu estatuto de destinatário. Qual é o papel social atribuído ao receptor do texto: papel
    de aluno? De filho? De amigo? De subordinado? Aqui cabe o que foi dito sobre a posição social do emissor, com relação aos blogs.
•              O objetivo da interação: qual é, do ponto de vista do enunciador, o(s) efeito(s) pretendido(s) que o texto pode produzir no
    destinatário. No caso do blog, os efeitos variam de acordo com o assunto em questão. Pode-se provocar diversos tipos de reação e estes
    podem variar de acordo com quem lê, já que o conteúdo é aberto para toda a rede.
              A partir dessas considerações, pode-se descrever o plano textual do blog que, para Bronckart, refere-se à organização de conjunto
    do conteúdo temático, mostrando-se visível no processo de leitura.
              Em relação ao gênero blog, o plano geral se apresenta assim:
•   a) No cabeçalho é apresentado o nome e um resumo do tema do diário.
•   b) As laterais são usadas, em geral, para mostrar o perfil do dono do blog e seus contatos e, ainda, arquivos de textos e fotos já publicados,
    além de endereços e comentários recomendados pelo blogueiro.
•   c) O texto que se apresenta vem acompanhado de assinatura, data e horário em que foi escrito. O dono do blog coloca também atalhos
    para que o leitor possa encontrar outros textos com o mesmo tema, ou aos quais o texto principal faz alusão.
•   d) Há um espaço para que o leitor do blog deixe seu comentário.
              Os blogs podem apresentar muitos desenhos, figuras, letras “animadas”, inúmeros tipos de recursos são oferecidos aos
    blogueiros, e estão ao alcance de todos que procuram um site para a construção do seu próprio blog. Os temas encontrados nos blogs são
    tão diversos quanto o horizonte ideológico de “autores”, tudo depende da faixa etária do blogueiro e da intenção que ele teve ao criar o
    seu blog. Para alguns é mais uma forma de divertir-se e comunicar-se através da Internet, para outros uma ferramenta de trabalho e um
    espaço a mais para divulgações e discussões.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesaPacatubaLei
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Cartaguest4f8ac9b
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxNatália Moura
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoJuliana Oliveira
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosLeisiane Jesus
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosma.no.el.ne.ves
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas7 de Setembro
 

Mais procurados (20)

Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Ortografia – Uso De X E Ch
Ortografia – Uso De X E ChOrtografia – Uso De X E Ch
Ortografia – Uso De X E Ch
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Acentuacao
AcentuacaoAcentuacao
Acentuacao
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativo
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 

Destaque

Gêneros , tipologia textual, descritores e distratores
Gêneros , tipologia textual, descritores e distratoresGêneros , tipologia textual, descritores e distratores
Gêneros , tipologia textual, descritores e distratoresRenato Rodrigues
 
Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02
Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02
Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02Edileusa Camargo
 
Descritores e distratores
Descritores e distratoresDescritores e distratores
Descritores e distratoreslouisacarla
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisElaine Cruz
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de textoElia Rejany
 

Destaque (11)

Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gêneros textuais
Gêneros textuais Gêneros textuais
Gêneros textuais
 
Gêneros , tipologia textual, descritores e distratores
Gêneros , tipologia textual, descritores e distratoresGêneros , tipologia textual, descritores e distratores
Gêneros , tipologia textual, descritores e distratores
 
Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02
Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02
Descritoresedestratores 100920191418-phpapp02
 
Descritores e distratores
Descritores e distratoresDescritores e distratores
Descritores e distratores
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 

Semelhante a Gênero textual

Semelhante a Gênero textual (20)

Blogeducacionalsbie2005
Blogeducacionalsbie2005Blogeducacionalsbie2005
Blogeducacionalsbie2005
 
3. Blog InteraçãOescritacolaborativa Maria De FáTima Franco 2
3. Blog InteraçãOescritacolaborativa   Maria De FáTima Franco   23. Blog InteraçãOescritacolaborativa   Maria De FáTima Franco   2
3. Blog InteraçãOescritacolaborativa Maria De FáTima Franco 2
 
2919 12996-1-pb
2919 12996-1-pb2919 12996-1-pb
2919 12996-1-pb
 
Apresentaçaõ da unidade 3
Apresentaçaõ da unidade 3Apresentaçaõ da unidade 3
Apresentaçaõ da unidade 3
 
Slide blog
Slide blogSlide blog
Slide blog
 
Slide blog
Slide blogSlide blog
Slide blog
 
Apresentação seminário cn pq fapesp_maio2011
Apresentação seminário cn pq fapesp_maio2011Apresentação seminário cn pq fapesp_maio2011
Apresentação seminário cn pq fapesp_maio2011
 
SLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptxSLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptx
 
O blog “na era da informação” como...
O blog “na era da informação” como...O blog “na era da informação” como...
O blog “na era da informação” como...
 
Oficina blog
Oficina blogOficina blog
Oficina blog
 
Blog Ritmos Virtuais
Blog Ritmos VirtuaisBlog Ritmos Virtuais
Blog Ritmos Virtuais
 
Adriana da silva.pdf blog no ensino
Adriana da silva.pdf blog no ensinoAdriana da silva.pdf blog no ensino
Adriana da silva.pdf blog no ensino
 
Blo gs
Blo gsBlo gs
Blo gs
 
Blo gs
Blo gsBlo gs
Blo gs
 
Modulo 2
Modulo 2Modulo 2
Modulo 2
 
Modulo 2
Modulo 2Modulo 2
Modulo 2
 
Línguas e Linguagens - Blogs
Línguas e Linguagens - Blogs Línguas e Linguagens - Blogs
Línguas e Linguagens - Blogs
 
Blogs
BlogsBlogs
Blogs
 
Aula 07: Hipertexto, Conversação e Pesquisa
Aula 07: Hipertexto, Conversação e PesquisaAula 07: Hipertexto, Conversação e Pesquisa
Aula 07: Hipertexto, Conversação e Pesquisa
 
Gênero Digital : Uma análise da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Gênero Digital : Uma análise  da pluralidade linguística nos blogs katylene e...Gênero Digital : Uma análise  da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Gênero Digital : Uma análise da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
 

Gênero textual

  • 1. Gênero Textual Nomes: Guilherme Travieso Di Domenico Thiago Vaghetti Giongo Curso: Leitura Produção e Revisão de Textos
  • 2. Gêneros textuais Gêneros textuais são tipos específicos de textos de qualquer natureza, literários ou não literários. Modalidades discursivas constituem as estruturas e as funções sociais (narrativas, discursivas, argumentativas) utilizadas como formas de organizar a linguagem. Dessa forma, podem ser considerados exemplos de gêneros textuais: anúncios, convites, atlas, avisos, programas de auditórios, bulas, cartas, cartazes, comédias, contos de fadas, crônicas, editoriais, ensaios, entrevistas, contratos, decretos, discursos políticos, histórias, instruções de uso, letras de música, leis, mensagens, notícias. São textos que circulam no mundo, que têm uma função específica, para um público específico e com características próprias. Essas características peculiares de um gênero discursivo nos permitem abordar aspectos da textualidade, tais como coerência e coesão textuais, impessoalidade, técnicas de argumentação e outros aspectos pertinentes ao gênero em questão.
  • 3. Blog: um gênero textual digital Blog vem da abreviação de weblog: web (tecido, teia, também usado para a designar o ambiente de Internet) e log (diário de bordo). É uma ferramenta do mundo virtual que permite aos usuários colocar conteúdo na rede e interagir com outros internautas. Os blogs surgiram em agosto de 1999 com a utilização do software Blogger, da empresa do norte-americano Evan Williams. O software fora concebido como uma alternativa popular para a publicação de textos online, uma vez que a ferramenta dispensava o conhecimento especializado em computação. A facilidade para a edição, atualização e manutenção dos textos em rede foi, e são, os principais atributos para o sucesso e a difusão dessa chamada ferramenta de auto-expressão. Vários blogs são pessoais, exprimem ideias ou sentimentos do autor. Outros são resultados da colaboração de um grupo de pessoas que se reúne para atualizar um mesmo blog. Alguns blogs são voltados para a diversão, outros para o trabalho , outros, ainda, para pesquisas e há, até mesmo, os que misturam tudo. Hoje a globalização nos coloca frente a frente com uma nova ordem mundial: a tecnocracia, que nos coloca como desafio de uma forma, no mínimo diferente, de abordar os materiais legíveis e, por conseguinte, interpretar o mundo.
  • 4. Na escala sócio-histórica os textos são produtos da atividade de linguagem em funcionamento permanente nas formações sociais em função de seus objetivos e interesses; essas informações elaboram diferentes espécies de textos, que apresentam características relativamente estáveis: os gêneros textuais. Os gêneros de textos ficam disponíveis no intertexto como modelos indexados, para os contemporâneos e para as gerações posteriores sendo assim, o blog já se encontra indexado com valores sociais (ideológicos) que lhe são atribuídos pela sociedade onde circulam. Segundo Bronckart (1997/2003) pode-se considerar todo gênero por três dimensões essenciais: • 1) os conteúdos que são dizíveis por meio dele (referentes); a estrutura composicional particular dos textos pertencentes ao gênero; • 2) as configurações específicas das unidades de linguagem, que são traços do enunciador, • 3) os conjuntos particulares de sequencias textuais e de tipos discursivos que formam sua leitura. A comunicação pelas tecnologias digitais é de grande interesse nos mais variados campos de estudo. No campo da Linguística, por exemplo, vários estudos já foram feitos a respeito de e-mails, bate-papos virtuais, aulas virtuais, home-pages. Mas há, ainda, muito a ser estudado e explorado pela Linguística Aplicada, em termos de sua influência positiva no aprendizado de nossos alunos.
  • 5. Gênero textual dos blogs Para entendermos o gênero textual dos blogs devemos, primeiramente, analisar as condições em que o texto é produzido. O blog se inscreve no quadro das atividades de uma formação social , isto é, no quadro de uma interação comunicativa que implica o mundo social (normas, valores, regras, etc.) e, o mundo subjetivo (imagem que o agente dá de si ao agir). Esse contexto sócio subjetivo também pode ser decomposto em quatro parâmetros principais: • O lugar social em que a interação o texto é produzido: escola, família, mídia, igreja, interação comercial, interação do cotidiano, etc. Os blogs são produzidos tanto em casa, quanto na escola, num cybercafe ou em lanhouses. Podendo ser modificado diariamente ou conforme o blogger achar melhor. • Posição social do emissor, que agora lhe dá o estatuto de enunciador. Qual o papel social que o emissor desempenha na interação em curso: de professor? De pai? De aluno? De superior hierárquico? De amigo? Na maioria dos casos estudados, o emissor tem a posição de amigo, mesmo quando há uma relação professor aluno, pois a linguagem e a informalidade fazem com que isso seja possível. Mas cabe ressaltar que qualquer pessoa pode interagir num blog, desde que possua as habilidades e ferramentas necessárias para tal. • A posição social do receptor que lhe dá seu estatuto de destinatário. Qual é o papel social atribuído ao receptor do texto: papel de aluno? De filho? De amigo? De subordinado? Aqui cabe o que foi dito sobre a posição social do emissor, com relação aos blogs. • O objetivo da interação: qual é, do ponto de vista do enunciador, o(s) efeito(s) pretendido(s) que o texto pode produzir no destinatário. No caso do blog, os efeitos variam de acordo com o assunto em questão. Pode-se provocar diversos tipos de reação e estes podem variar de acordo com quem lê, já que o conteúdo é aberto para toda a rede. A partir dessas considerações, pode-se descrever o plano textual do blog que, para Bronckart, refere-se à organização de conjunto do conteúdo temático, mostrando-se visível no processo de leitura. Em relação ao gênero blog, o plano geral se apresenta assim: • a) No cabeçalho é apresentado o nome e um resumo do tema do diário. • b) As laterais são usadas, em geral, para mostrar o perfil do dono do blog e seus contatos e, ainda, arquivos de textos e fotos já publicados, além de endereços e comentários recomendados pelo blogueiro. • c) O texto que se apresenta vem acompanhado de assinatura, data e horário em que foi escrito. O dono do blog coloca também atalhos para que o leitor possa encontrar outros textos com o mesmo tema, ou aos quais o texto principal faz alusão. • d) Há um espaço para que o leitor do blog deixe seu comentário. Os blogs podem apresentar muitos desenhos, figuras, letras “animadas”, inúmeros tipos de recursos são oferecidos aos blogueiros, e estão ao alcance de todos que procuram um site para a construção do seu próprio blog. Os temas encontrados nos blogs são tão diversos quanto o horizonte ideológico de “autores”, tudo depende da faixa etária do blogueiro e da intenção que ele teve ao criar o seu blog. Para alguns é mais uma forma de divertir-se e comunicar-se através da Internet, para outros uma ferramenta de trabalho e um espaço a mais para divulgações e discussões.