WALL STREET E A ASCENSÃO DE            HITLER         ANTONY C. SUTTONFinalmente, um estudioso penetrou noacobertamento da...
WALL STREET E AASCENSÃO DE HITLER  ANTONY C. SUTTON
Dedicatória  Dedicado à memória de Floyd Paxton − empreendedor,inventor, escritor e Americano, o qual acreditava em, etrab...
CONTEÚDOPrefácio.............................................................................................................
Fanciamento de Hitler nas Eleições de 1933...........................................................As Contribuições Polí...
PREFÁCIOEste é o terceiro e último volume de uma trilogia que descreve o papel de socialistas corporativosamericanos, conh...
INTRODUÇÃOFACETAS INEXPLORADAS DO NAZISMODesde o início dos anos 20, relatórios desprovidos de conteúdo têm circulado, com...
pesquizadores tecnicamente competentes. Alguma pesquisa já foi escrita em francês; provavelmentea melhor introdução em ing...
tem três aliadas na Alemanha que estão ajudando nos negócios de armamento. Sua aliada          chefe é a IG Farben Company...
Carrol Quigley tem mostrado que o clímax deste sistema de controle financeiro internacional antesda Segunda Guerra Mundial...
PARTE 1WALL STREET CONSTRÓI A    INDÚSTRIA NAZI
CAPÍTULO 1WALL STREET PAVIMENTA O CAMINHO PARAHITLERO Plano Dawes, adotado em agosto de 1924, encaixava-se perfeitamente n...
automóveis americanas construíram plantas na Alemanha com o propósito de vender ao          mercado europeu, sem os encarg...
plano arranjou uma série de empréstimos exteriores, totalizando 800 milhões de dólares, que fluiupara a Alemanha. Estes em...
Fritz Thysen declara que:          Eu me voltei para o Partido Nacional Socialista depois de tornar-me convencido de que a...
esticadas, seus olhos fixos diretamente em mim. Como é meu hábito, quando propondo           tais argumentos, eu andava de...
Um exemplo prático das finanças internacionais operando por trás das cenas para construir emanipular sistemas político-eco...
Depois de meados da década de 1920, os dois maiores cartéis alemães combinados da IG Farben eVereinigte Stahlwerke dominar...
Não obstante, a asistência americana ao esforço de guerra Nazi, estende-se à outras áreas. As duasmaiores produtoras de ta...
CAPÍTULO 2O IMPÉRIO DA I. G. FARBENFarben era Hitler e Hitler era Farben.Senador Homer T. Bone ao Comitê de Assuntos Milit...
fotográficas de que a IG Farben contribuiu com 400.000 RM (Reichsmark) para o fundo político deHitler. Foi este fundo secr...
Em 1939, dentre os 43 principais produtos fabricados pela IG, 28 eram de importância primáriapara as Forças Armadas alemãe...
Pergunta: O que você fez quando eles lhe disseram que os produtos químicos da IG                  estavam sendo usados par...
Com o estouro da guerra em 1939, os empregados da VOWI foram mandados para a Wehrmacht,mas de fato, continuaram a realizar...
P: Você estava presente na reunião de Hague quando o Sr. Howard (da Standard Oil)           esteve nela em 1939?          ...
aos Ministérios da Guerra e da Economia. Em 1935-36, os jogos de guerra estavam sendo mantidosem instalações da IG Farben,...
De 1929 em diante, Ivy Lee tornou-se consultora de relações públicas para a IG Farben nos EstadosUnidos. Em 1934, Ivy Lee ...
Sr. Dickstein: Posso assumir que alguém em seu escritório poderia ir além, e ver o que          eles eram?          Sr. Le...
Por 1925, a General Dyestuff Corporation foi estabelecida como agente exclusivo de vendas deprodutos fabricados pela Gasse...
“clímax” do sistema de controle financeiro internacional. Ele permanaceu como chairman da juntade diretores de 1936 a 1939...
Entre 1929 e 1939, houveram mudanças na formação da junta da American IG. O número dediretores variou de tempos em tempos,...
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON

7.719 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Eita até Wall Street, não se pode duvidar de nada!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.719
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.988
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
159
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER - ANTONY C. SUTTON

  1. 1. WALL STREET E A ASCENSÃO DE HITLER ANTONY C. SUTTONFinalmente, um estudioso penetrou noacobertamento da falsidade, decepção eduplicidade que por mais de trinta anos temprotegido um dos mais incríveis segredos daSegunda Guerra Mundial: o apoio definancistas chaves de Wall Street e outrosbanqueiros internacionais no subsídio daascensão de Hitler ao poder.O Professor Antony C. Sutton prova que aSegunda Guerra Mundial foi não somenteinevitável, como foi extremamente lucrativva −para um seleto grupo de financistas insiders.Cuidadosamente, traçando este muito bemguardado segredo através de documentosoriginais e testemunhas oculares, Suttonconclusivamente estabelece sua tese: “Acontribuição feita pelo capitalismo americanoàs preparações de guerra da Alemanha sópode ser descrita como fenomenal. Ela foicertamente crucial à capacidade militar daAlemanha”.E este diligente pesquisador continua: “Não foisomente um setor influente dos negóciosamericanos conhecedor da natureza doNazismo, mas para seus próprios objetivosapoiaram o Nazismo sempre que possível (elucrativo) − com total conhecimento de que oprovável resultado seria guerra envolvendo aEuropa e os Estados Unidos.”Aqui está o registro totalmente documentadodo papel de J. P. Morgan, T. W. Lamont, osinteresses de Rockefeller, General ElectricCompany, Standard Oil, National City Bank,os bancos Chase e Manhattan, Kuhn Loeb andCompany, General Motors, a Ford MotorCompany e outros bem sucedidos homens denegócios elitistas, no apoio financeiro à maissangrenta e destrutiva guerra da história.A publicação de Wall Street e a Ascensão deHitler, marca o término da trilogia doProfessor Sutton sobre o papel de insidersamericanos corporativos no financiamento dosocialismo internacional.Seu novo livro por certo detonará inflamadasnegações e acalorados debates. Wall Street e aAscensão de Hitler torna todos os prévios livrossobre Segunda Guerra Mundial obsoletos.
  2. 2. WALL STREET E AASCENSÃO DE HITLER ANTONY C. SUTTON
  3. 3. Dedicatória Dedicado à memória de Floyd Paxton − empreendedor,inventor, escritor e Americano, o qual acreditava em, etrabalhava para, os direitos individuais em uma sociedade livre sob a Constituição.
  4. 4. CONTEÚDOPrefácio....................................................................................................................IntroduçãoFacetas Inexploradas do Nazismo........................................................................... PARTE 1: Wall Street Constrói a Indústria NaziCapítulo 1Wall Street Pavimenta o Caminho para Hitler........................................................1924: O Plano Dawes...............................................................................................1928: O Plano Young...............................................................................................BIS − O Clímax do Controle..................................................................................Construindo os Cartéis Alemães..............................................................................Capítulo 2O Império da IG Farben..........................................................................................O Poder Econômico da IG Farben...........................................................................Polindo a Imagem da IG Farben..............................................................................A American IG Farben.............................................................................................Capítulo 3A General Electric Financia Hitler..........................................................................A General Electric na Alemanha de Weimar...........................................................A General Electric e o Financiamento de Hitler......................................................Cooperação Técnica com a Krupp...........................................................................AEG Evita Bombardeio na Segunda Guerra Mundial.............................................Capítulo 4A Standard Oil Abastece a Segunda Guerra Mundial.............................................Chumbo Etílico para a Wermacht............................................................................Standard Oil e a Borracha Sintética.........................................................................Deutsche-Amerikanische Petroleum AG.................................................................Capítulo 5A ITT Trabalha para os Dois Lados da Guerra......................................................O Barão Kurt von Schröder e a ITT.........................................................................Westrick, Texaco e ITT...........................................................................................A ITT em Tempo de Guerra na Alemanha.............................................................. PARTE 2: Wall Street e os Fundos para HitlerCapítulo 6Henry Ford e os Nazis..............................................................................................Henry Ford: Primeiro Banqueiro Estrangeiro de Hitler...........................................Henry Ford Recebe uma Medalha Nazi...................................................................Ford Suporta o Esforço de Guerra Alemão..............................................................Capítulo 7Quem Financiou Adolf Hitler?................................................................................Alguns Antigos Suportes de Hitler..........................................................................Fritz Thyssen e a W. A. Harriman Company..........................................................
  5. 5. Fanciamento de Hitler nas Eleições de 1933...........................................................As Contribuições Políticas de 1933.........................................................................Capítulo 8Putzi: Amigo de Hitler e de Roosevelt.....................................................................O Papel de Putzi no Incêndio do Reichstag.............................................................O New Deal de Roosevelt e a Nova Ordem de Hitler.............................................Capítulo 9Wall Street e o Círculo Interno Nazi........................................................................O Círculo de Amigos da SS.....................................................................................IG Farben e o Círculo Keppler................................................................................Wall Street e o Círculo SS.......................................................................................Capítulo 10O Mito de “Sidney Warburg”..................................................................................Quem foi “Sidney Warburg”?.................................................................................Sinopse do Suprimido Livro “Warburg”.................................................................Declaração Juramentada de James Paul Warburg...................................................Algumas Conclusões sobre a Estória “Warburg”....................................................Capítulo 11Colaboração Wall Street-Nazi na Segunda Guerra Mundial..................................American IG na Segunda Guerra Mundial..............................................................Culpados por Crimes de Guerra?.............................................................................Capítulo 12Conclusões...............................................................................................................A Dispersa Influência de Banqueiros Internacionais...............................................São os Estados Unidos Dirigidos por Uma Elite Ditatorial?...A Elite de Nova York como Força Subversiva........................................................A Lenta Emergência da Verdade Revisionista.........................................................Apêndice APrograma do Nacional Socialismo Alemão.............................................................Partido dos Trabalhadores........................................................................................Apêndice BDeclaração Juramentada de Hjalmar Schacht........................................................Apêndice CMovvimentação da Conta “Nationale Treuhand”..................................................Apêndice DCarta do Departamento de Guerra dos Estados Unidos à Ethyl Corporation.......Apêndice EErcerto do Diário de Morgenthau (Alemanha).......................................................Notas .......................................................................................................................Bibliografia..............................................................................................................
  6. 6. PREFÁCIOEste é o terceiro e último volume de uma trilogia que descreve o papel de socialistas corporativosamericanos, conhecidos também por Elite Financista de Wall Street ou por Establishment Liberal daCosta Leste (Eastern Liberal Establishment) em três significantes eventos históricos do século XX:a Revolução de Lênin-Trotsky na Rússia em 1917, a eleição em 1933 de Franklin Delano Rooseveltnos Estados Unidos e a subida ao poder em 1933 de Adolf Hitler na Alemanha.Cada um destes eventos introduziu alguma variante de socialismo num grande país − Isto é,socialismo Bolchevista na Rússia, socialismo New Deal nos Estados Unidos e Nacional-Socialismona Alemanha.Trabalhos acadêmicos contemporâneos, talvez com a única exceção de Tragedy and Hope(Tragédia e Esperança) de Carroll Quigley, ignoram esta evidência. Por outro lado, écompreensível que universidades e organizações de pesquisa, dependentes de ajuda financeira porparte de fundações controladas por esta mesma elite financista de Nova York, dificilmenteapoiariam e publicariam pesquisas sobre estes aspectos de políticas internacionais. Aos financistasnão é conveniente cortar a mão que alimenta suas organizações.Está também eminentemente claro pela evidência mostrada nesta trilogia que, “homens de negócioscom espírito público” não viajam à Washington como lobistas e administradores com o propósitode servir aos Estados Unidos. Eles estão em Washington para servir à maximização de seus próprioslucros e interesses. Seus objetivos não são aumentar a competitividade, economia de livre mercado,mas manipular um regime politizado, chame a isto o que quizer, para suas próprias vantagens.É sobre a manipulação de negócios na ascensão de Hitler ao poder em março de 1933 o tópico destelivro. Antony C. SuttonJulho de 1976
  7. 7. INTRODUÇÃOFACETAS INEXPLORADAS DO NAZISMODesde o início dos anos 20, relatórios desprovidos de conteúdo têm circulado, com relação ao fatode que não somente industriais alemães, mas também financistas de Wall Street, tiveram algumpapel na trama − possivelmente papel substancial − de ascensão de Hitler e do Nazismo. Este livroapresenta evidências previamente não publicadas, uma grande quantidade de registros dos TribunaisMilitares de Nuremberg (Nuremberg Military Tribunals), que suportam esta hipótese. Contudo, oimpacto total desta evidência não pode ser visto pela leitura apenas deste livro. Dois livros préviosdesta série, Wall Street and the Bolshevik Revolution (Wall Street e a Revolução Bolchevista) e WallStreet and FDR (Wall Street e FDR) (FDR = Franklin Delano Roosevelt − N.T.), descreveram astramas das mesmas empresas, e sempre os mesmos indivíduos e seus membros diretores,trabalhando duro na manipulação e assistência da Revolução Bolchevista na Rússia em 1917,suportando Franklin Delano Roosevelt para a Presidência dos Estados Unidos em 1933, assim comoajudando a ascensão de Hitler na Alemanha pré-guerra. Em resumo, este livro é parte de um estudomais extenso sobre a ascensão do moderno socialismo e do corporativismo socialista.Este grupo politicamente ativo de Wall Street é mais ou menos o mesmo círculo elitista conhecidogeralmente entre os conservadores como “Establishment Liberal”, entre os liberais (por exemplo, G.William Domhof) como “Classe Dirigente”, e entre os teóricos da conspiração como Gary Allen eDan Smoot como “Insiders (os que agem por dentro − N. T.)”. Mas qualquer que seja a forma pelaqual designemos este auto-perpétuo grupo elitista, é visível sua fundamental significância nadeterminação dos relacionamentos mundiais, num nível muito escondido e acima daquele dospolíticos eleitos.A influência e o trabalho deste mesmo grupo na ascensão de Hitler e da Alemanha Nazista é otópico deste livro. Esta é uma área de pesquisa histórica quase totalmente inexplorada pelo mundoacadêmico. É um campo minado para os desatentos e descuidados, não alertas aos intrincadosprocedimentos de pesquisa. Os soviéticos, há muito que acusam os banqueiros de Wall Street desuportarem o fascismo internacional, mas seus próprios registros de acuidade histórica dificilmenteemprestam às suas acusações muito crédito no Ocidente, e eles, é claro, não criticam o suporte parao seu próprio tipo de fascismo.Este autor enquadra-se num campo diferente. Previamente acusado de ter sido excessivamentecrítico sobre o regime soviético e o socialismo doméstico (nos Estados Unidos − N. T.), ignorandoWall Street and the Rise of Hitler (Wall Street e a Ascensão de Hitler), este livro, esperamos,corrigirá um desequilíbrio filosófico incorreto e assumido, e enfatizará o real problema: qualquerque seja a forma de designar sistema coletivista − nacionalismo soviético, socialismo New Deal,socialismo corporativo, ou nacional-socialismo − é o cidadão médio, a pessoa comum, querealmente perde para as pessoas que dirigem as operações do topo. Cada sistema em sua própriaforma é um sistema de pilhagem, um dispositivo organizacional para que cada um viva (ou tenteviver) às custas de outro, enquanto os líderes elitistas, os dirigentes e políticos, escalpelam a melhorparte.A trama desta elite de poder americana na ascensão de Hitler poderia também ser vista em conjuntocom um aspecto pouco conhecido do Hitlerismo, somente agora sendo explorado: as origensmísticas do Nazismo, e suas relações com a Sociedade Thule e com outros grupos conspiracionais.Este autor não é especialista em ocultismo ou conspiração, mas é óbvio que as origens místicas, asraízes históricas neo-pagâs do Nazismo, os Iluminados da Bavária (Bavarian Illuminati) e aSociedade Thule (Thule Society), são áreas relativamente desconhecidas a serem exploradas por
  8. 8. pesquizadores tecnicamente competentes. Alguma pesquisa já foi escrita em francês; provavelmentea melhor introdução em inglês é a tradução de Hitler e la Tradicion Cathare (Hitler e a TradiçãoCátara) por Jean-Michel Angebert (Publicado em inglês como The Occult and the Third Reich –The Mystical Origins of Naziism and the Search for the Holy Grail [O Ocultismo e o TerceiroReich-As Origens Místicas do Nazismmo e a Busca do Santo Graal], New York: The MacmillanCompany, 1974. Veja também de Reginald H. Phelps, Before Hitler Came: Thule Society andGermanen Orden [Antes da Vinda de Hitler: Sociedade Thule e a Ordem Germânica] no Journal ofModern History (Jornal de História Moderna), Setembro de 1963, No. 3).Angebert revela a cruzada de 1933 do membro da Schutzstaffel [SS], Otto Hahn, na busca do SantoGraal, o qual estava supostamente localizado na fortaleza cátara de Montesegur, no sul da França.Os primeiros da hierarquia Nazi (Hitler e Himmler, como também Rudoph Hess e Rosenberg)foram levados a uma teologia neo-pagã, em parte associada com a Sociedade Thule, cujos ideaiseram muito chegados aos daqueles dos Iluminados da Bavária. Esta foi uma força submersadirigindo ocultamente o Nazismo, com um poder místico muito seguro no coração da fé SS(Schutzstaffel). Nossos historiadores contemporâneos do establishment, dificilmente mencionamestas origens ocultas; consequentemente, eles perdem um elemento igualmente tão importantequanto as origens financeiras do nacional-socialismo.Em 1950, James Stuart Martin, publicou um livro muito lido, All Honorable Man (Todos osHomens Respeitáveis), descrevendo suas experiências como Chefe da Seção Econômica de Guerra(Chief of the Economic Warfare Section) do Departamento de Justiça, investigando a estrutura daindústria Nazi. Martin declara que homens de negócios americanos e britânicos indicaram-se a simesmos para posições chaves nesta investigação pós-guerra para distrair, obstruir e camuflar ainvestigação dos industriais Nazis e assim manter escondido seu próprio envolvimento. Umfuncionário britânico foi sentenciado por corte marcial à dois anos na cadeia, por proteger um Nazi,e muitos oficiais americanos foram removidos de suas posições. Por que homens de negóciosamericanos e britânicos queriam proteger homens de negócios Nazi? Em público elesargumentaram que estes eram meramente homens de negócios alemães que não tinham nada a vercom o regime Nazi e eram inocentes de cumplicidade nas conspirações Nazi. Martin não exploraestas explicações em profundidade, mas está obviamente insatisfeito e cético acerca do caso. Aevidência sugere que houve combinação de esforços não somente para proteger homens de negóciosNazi, mas também para proteger elementos colaboradores dos negócios americanos e britânicos.Os homens de negócios alemães poderiam ter revelado muitos fatos desconfortáveis. Por proteção,em resposta, eles disseram muito pouco. Não é coincidência, indubitavelmente, que os industriaisde Hitler no julgamento de Nuremberg tenham recebido menos que uma algema no pulso. Nósleventamos a questão, se não seria o caso do julgamento de Nuremberg não ter sido fiel àWashington − com alguns proeminentes homens de negócios dos Estados Unidos assim comohomens de negócios Nazi atrás das grades.Dois excertos de fontes contemporâneas introduzirão e sugerirão o tema a ser expandido. Oprimeiro excerto vem dos próprios registros de FDR (Franklin Delano Roosevelt − N. T.). Oembaixador americano na Alemanha, William Dodd, escreveu de Berlim para FDR em 19 deoutubro de 1936 (três anos depois de Hitler chegar ao poder), com respeito a industriais americanose sua ajuda aos Nazis: Tanto mais eu acredito em paz como nossa melhor política, tanto menos eu posso evitar os medos os quais Wilson enfatizou mais de uma vez em conversações comigo, em 15 de agosto de 1915 e depois: a quebra da democracia em toda a Europa será um desastre para o povo. Mas o que pode você fazer? No presente momento, mais de uma centena de corporações americanas têm subsidiárias aqui ou entendimentos corporativos. A DuPont
  9. 9. tem três aliadas na Alemanha que estão ajudando nos negócios de armamento. Sua aliada chefe é a IG Farben Company, a qual é parte do governo e que doa 200.000 marcos por ano para uma organização de propaganda que opera na opinião americana. A Standard Oil Company (sub-companhia de Nova York) enviou dois milhões de dólares para cá em dezembro de 1933 e tem feito envios de 500.000 dólares por ano na ajuda aos alemães na fabricação de gás Ersatz com finalidades bélicas; mas a Standard Oil não pode retirar seus lucros para fora do país exceto em mercadorias. Eles fazem pouco disto, relatam seus investidores em casa, mas não explicam os fatos. O presidente da International Harvester Company disse-me que seus negócios aqui cresceram 33% ao ano (manufatura de armas, acredito eu), mas eles não podem retirar nada do país. Até mesmo nosso pessoal de aviões tem arranjos secretos com a Krupp. A General Motors Company e Ford fazem negócios enormes (sic) aqui, através de suas subsidiárias e não retiram nenhum lucro para fora do país. Eu menciono estes fatos porque eles complicam as coisas e aumentam o perigo de guerra.Segundo, uma citação do diário do mesmo embaixador dos Estados Unidos na Alemanha. O leitordeve ter em mente que um representante da citada Vacuum Oil Company − assim comorepresentantes de outra firma americana Nazi-suportada − foram indicados para a Comissão deControle do pós-Guerra para desnazificar os Nazis: 23 de janeiro. Quinta-feira. Nosso representante comercial da embaixada trouxe o Dr. Engelbrecht, chairman da Vacuum Oil Company a Hamburgo para ver-me. Engelbrecht repetiu o que tinha dito um ano antes: “A Standard Oil Company of New Jersey, a companhia mãe da Vacuum, tem gasto 10 milhões de marcos na Alemanha, tentando encontrar fontes de óleo e construindo uma grande refinaria perto de Hamburg Harbor”. Engelbrecht está ainda perfurando poços, e encontrando um bom meio de arranjar óleo cru na região de Hanover, mas ele não espera grandes depósitos. Ele espera que o Dr. Schacht subsidie sua companhia como ele faz com algumas companhias alemães que não têm encontrado óleo cru. A Vacuum gasta tudo que lucra aqui, emprega 1.000 homens e nunca envia para casa qualquer quantia de seu dinheiro. Eu poderia não encorajar-lhe...E mais: Estes homens estiveram fora do prédio antes do advogado vir novamente para relatar suas dificuldades. Eu não pude fazer nada. Contudo, perguntei a ele: Por que a Standard Oil Company of New Jersey enviou para cá em dezembro de 1933, 1 milhão de dólares para ajudar os alemães na fabricação de gasolina derivada de carvão macio (betuminoso) para emergências de guerra? Por que o pessoal da Interrnational Harvester continua a fabricar na Alemanha quando suas companhias não retiram lucro do país e quando falharam em coletar suas perdas de guerra? Ele entendeu minha dúvida e concordou que parecia loucura e que aquilo somente significaria perdas maiores se outra guerra terminasse perdida.A aliança entre a força política Nazi e os “Big Business” americanos bem podem ter parecidoloucura para o embaixador Dodd e o procurador questionado por ele. Na prática, é claro, “BigBusiness” pode ser qualquer coisa, menos loucura quando ele vem para promover seus própriosinteresses. Investimentos na Alemanha Nazi (similares a investimentos na União Soviética) foi umreflexo de altas políticas, com muito mais do que lucros imediatos em jogo, mesmo que os lucrosnão pudessem ser repatriados. Para rastrear estas “altas políticas”, tem-se que penetrar no controlefinanceiro das corporações multi-nacionais, porque aqueles que controlam o fluxo financeiro, emúltima análise controlam as políticas dia-a-dia.
  10. 10. Carrol Quigley tem mostrado que o clímax deste sistema de controle financeiro internacional antesda Segunda Guerra Mundial era o Bank for International Settlements (Banco para CompensaçõesInternacionais), com representantes de firmas bancárias internacionais da Europa e dos EstadosUnidos, num arranjo que continuou através da Segunda Guerra Mundial. Durante o período Nazi, orepresentante alemão no Bank for International Settlements era o gênio financeiro de Hitler epresidente do Reichsbank (Banco do Reich), Hjalmar Horace Greeley Schacht.HJALMAR HORACE GREELEY SCHACHTO envolvimento de Wall Street com a Alemanha de Hitler nos mostra dois alemães com ligaçõescom Wall Street − Halmar Schacht e “Putzi” Hanfstaengl. Este último era amigo de Hitler e deRoosevelt e teve papel suspeito e proeminente no incidente que levou Hitler ao pico do poderditatorial − o incêndio do Reichstag (Parlamento alemão − N. T.) em 1933.A história anterior de Hjalmar Schacht, e em particular seu papel na União Soviética depois daRevolução Bolchevista de 1917, foi descrito em meu livro anterior, Wall Street and the BolshevikRevolution (Wall Street e a Revolução Bolchevista). O pai de Schacht tinha trabalhado no escritóriode Berlim da Equitable Trust Company de Nova York no início do século XX. Hjalmar nasceu naAlemanha ao invés de Nova York somente por causa da doença de sua mãe, que fez com que afamília retornasse para a Alemanha. O irmão, William Schacht, era cidadão nascido na América.Para registrar a origem americana de Hjalmar Schacht, seu nome do meio era “Horace Greeley”, dobem conhecido político democrata americano. Consequentemente Hjalmar falava inglês fluente e oseu interrogatório de pós-guerra no Projeto Dustbin foi conduzido tanto em alemão quanto eminglês. O fato importante é que a família Schacht tinha suas origens em Nova York, trabalhou para aproeminente casa financeira Equitable Trust de Wall Street (a qual era controlada pela firmaMorgan), e durante sua vida, Hjalmar manteve estas conexões com Wall Street. Jornais e fontescontemporâneas registram repetidos encontros com Owen Young da General Electric, Farish,chairman da Standard Oil Company of New Jersey e suas contrapartes banqueiras. Em resumo,Schacht era um membro da elite financeira internacional que manipulava seu poder por trás dascenas através do aparato político de uma nação. Ele é a ligação chave entre a elite de Wall Street e ocírculo interno de Hitler.Este livro é dividido em duas partes. A Parte 1 registra a construção dos cartéis alemães através dosPlanos Dawes e Young nos anos 20. Estes cartéis foram os principais apoios de Hitler e doNazismo, e foram diretamente responsáveis por levar os Nazistas ao poder em 1933. Os papéis daAmerican IG Farben, General Electric, Standard Oil Company of New Jersey, Ford e outras firmasamericanas é descrito. A Parte 2 apresenta a evidência documental completa conhecida sobre ofinanciamento de Hitler, com reproduções fotográficas dos recibos de transferência bancária, usadosnas transferências de fundos da Farben, General Electric e outras firmas a Hitler, através de HjalmarHorace Greeley Schacht.
  11. 11. PARTE 1WALL STREET CONSTRÓI A INDÚSTRIA NAZI
  12. 12. CAPÍTULO 1WALL STREET PAVIMENTA O CAMINHO PARAHITLERO Plano Dawes, adotado em agosto de 1924, encaixava-se perfeitamente nos planos do staffgeral alemão dos economistas militares.Testemunho ante o Senado dos Estados Unidos, Comitê de Relações Militares (Committee onMilitary Affairs ), 1946.O Comitê Kilgore do Senado dos Estados Unidos de pós-Segunda Guerra Mundial ouviu detalhadaevidência dos funcionários do governo, de que, ...quando os Nazis assumiram o poder em 1933, viram que um longo caminho havia sido percorrido desde 1918, na preparação da Alemanha para a guerra, do ponto de vista econômico e industrial.Esta construção para a guerra européia tanto antes quanto depois de 1933, foi em grande partedevida a asistência financeira de Wall Street nos anos 20, para criar o sistema de cartel alemão, etambém a assistência técnica por parte de bem conhecidas firmas americanas, as quais serãoidentificadas a seguir, para construir a Wehrmacht alemã. Mesmo que esta assistência técnica efinanceira seja tida como “acidental” ou devida a “curta visão” de homens de negócios americanos,a evidência apresentada a seguir, sugere fortemente algum grau de premeditação por parte destesfinancistas americanos. Similares e inaceitáveis desculpass de “acidente” foram feitas no caso definancistas e industriais americanos, no semelhante exemplo de construção do poder militar daUnião Soviética, de 1917 em diante. Ainda, estes mesmos capitalistas americanos, estavamdesejosos para financiar e subsidiar a União Soviética enquanto a guerra do Vietnã estava emandamento, sabendo que os soviéticos estavam suprindo o outro lado.A contribuição feita pelo capitalismo americano para a preparação de guerra da Aalemanha antes de1940, pode somente ser descrita como fenomenal. Foi certamente crucial para a capacidade militaralemã. Por exemplo, em 1934, a Alemanha produziu domesticamente 300.000 toneladas deprodutos derivados de petróleo natural e menos de 300.000 toneladas de gasolina sintética; adiferença foi importada. Ainda, 10 anos depois, na Segunda Guerra Mundial, depois datransferência pela Standard Oil Company of New Jersey das patentes e tecnologias de hidrogenaçãopara a IG Farben (usadas para produzir gasolina sintética derivada do carvão), a Alemanha produziucerca de 6 ½ milhões de toneladas de óleo --- das quais 85% (5 ½ milhões de toneladas) eram óleosintético usando o processo de hidrogenação da Standard Oil. Mais ainda, o controle da produção deóleo sintético alemã estava nas mãos da subsidiária da IG Farben, a Braunkohle-Benzin AG, e estepróprio cartel Farben foi criado em 1926 com assistência financeira de Wall Street.Por outro lado, a impressão geral deixada para o leitor, por historiadores modernos, é a de que estaassistência técnica americana foi “acidental” e que industriais americanos eram inocentes pelo queestavam fazendo de errado. Por exemplo, o Comitê Kilgore declarou: Os Estados Unidos acidentalmente tiveram papel importante no armamento técnico da Alemanha. Embora os planejadores militares alemães tivessem pedido e persuadido corporações industriais a instalar equipamento moderno para produção em massa, nem os economistas militares, nem os das corporações pareceram constatar a total extensão do que aquilo significava. Seus olhos arregalaram-se quando duas das grandes fabricantes de
  13. 13. automóveis americanas construíram plantas na Alemanha com o propósito de vender ao mercado europeu, sem os encargos de fretes oceânicos e altas tarifas alemães. Os alemães foram trazidos para Detroit para aprender as técnicas de produção especializada de componentes, e montagem em linha de produção. O que eles aprenderam causou posteriores reorganizações e adaptações de outras instalações chaves de guerra alemã. As técnicas aprendidas em Detroit foram eventualmente usadas para construir os aviões bombardeiros de mergulho Stukas... Em um período posterior, representantes da IG Farben neste país, capacitaram uma quantidade de engenheiros alemães a visitar não somente indústrias de aviação, mas outras de importância militar, nas quais aprenderam um grande número de dettalhes que foram eventualmente usados contra os Estados Unidos.Seguindo estas observações, que enfatizam a “acidental” natureza da assistência, tem sido concluídopor alguns escritorres acadêmicos, como Gabriel Kolko, que não é usualmente suporte de BigBusiness, que: É quase supérfluo indicar que os motivos das firmas americanas, restrito ao que diz respeito a contratos com a Alemanha, não foram pró-Nazi, no mais podem ter sido.Ainda, Kolko, ao contrário, analisando a imprensa comercial contemporânea americana, confirmaque jornais de comércio e jornais de notícias estavam completamente conscientes das más intençõesNazi e de sua natureza, enquanto alertavam seus leitores com respeito a preparação de guerra alemã.E até Kolko admite que: A imprensa de negócios [nos Estados Unidos] estava consciente, de 1935 em diante, que a prosperidade da Alemanha estava baseada em preparações de guerra. Mais importante, estava consciente do fato de que a indústria alemã estava sob controle dos Nazis, e estava sendo direcionada ao rearmamento alemão, e a firma mais freqüentemente mencionada neste contexto era o gigante império químico IG Farben.Ainda mais, a evidência apresentada a seguir, sugere que não somente um influente setor denegócios da América estava consciente da natureza do Nazismo, mas, para suas própriasfinalidades, ajudaram o Nazismo sempre que possível (e lucrativo) --- com total conhecimento deque o provável resultado poderia ser guerra envolvendo Europa e Estados Unidos. Como veremos,as desculpas de inocência não se encaixam nos fatos.1924: O PLANO DAWESO Tratado de Versalhes, após a Primeira Guerra Mundial, impôs uma carga muito pesada para aAlemanha perdedora. Esta carga financeira − a causa real do descontentamento alemão que levou aaceitação de Hitler − foi utilizada pelos banqueiros internacionais para seus próprios benefícios.Nos Estados Unidos, a oportunidade para utilizar empréstimos lucrativos aos cartéis alemães, foiapresentada pelo Plano Dawes e mais tarde pelo Plano Young. Ambos os planos foram engendradospor banqueiros, os quais manipularam os comitês no sentido de obterem vantagens financeirras emseus próprios benefícios, e ainda que, tecnicamente, os comitês não fossem indicados pelo governodos Estados Unidos, seus planos resultantes eram de fato aprovados e patrocinados pelo governo.As negociações do pós-guerra, entre políticos e financistas, fixaram os pagamentos das reparações deguerra da Alemanha em 132 bilhões de marcos ouro anuais. Isto representava cerca de um quarto detodas as exportações da Alemanha em 1921. Quando a Alemanha tornou-se incapaz de cumprir comeste aviltante pagamento, a França e a Bélgica ocuparam o Ruhr para retirar à força aquilo que nãopodia ser obtido voluntariamente. Em 1924, os Aliados designaram um comitê de banqueiros(chefiado pelo banqueiro americano Charles G. Dawes) para desenvolver um programa de pagamentode reparações. O Plano Dawes resultante era, segundo o professor de Relações Internacionais daUniversidade de Georgetown, Carroll Quigley, amplamente uma produção de J. P. Morgan. Este
  14. 14. plano arranjou uma série de empréstimos exteriores, totalizando 800 milhões de dólares, que fluiupara a Alemanha. Estes empréstimos são importantes para nosso assunto pois, o dinheiro levantado,em grande parte por investidores americanos, foram utilizados nos anos 20 para criar e consolidar agigantesca combinação entre química e aço da IG Farben e Vereinigte Stahlwerke, respectivamente.Entre 1924 e 1931, sob o Plano Dawes e o Plano Young, a Alemanha pagou aos Aliados cerca de 36bilhões de marcos em reparações. Ao mesmo tempo, a Alemanha pediu emprestado, a vários países,principalmente aos Estados Unidos, cerca de 33 bilhões de marcos − perfazendo então um pagamentolíquido de somente 3 bilhões de marcos em reparações. Conseqüentemente, o peso das reparaçõesmonetárias da Alemanha aos Aliados, foi efetivamente pago por subscritores estrangeiros dos títulosalemães, emitidos por casas financeiras de Wall Street − com lucros significativos, para elas próprias,é claro. E, deve ser ainda observado, estas firmas eram de propriedade dos mesmos financistas osquais periodicamente retiravam a cobertura bancária e forneciam-nas novamente, para com isto,tornarem-se “influentes” no Estado. Com esta “influência”, eles formularam o Plano Dawes e o PlanoYoung, para “resolver” o “problema” das reparações. Como banqueiros, eles flutuavam as taxas dosempréstimos. Como Carroll Quigley mostra: É importante notar, que este sistema foi montado pelos banqueiros internacionais, e que os subseqüentes empréstimos de dinheiro de outras pessoas para a Alemanha, eram muito lucrativos para estes banqueiros.Quem eram os banqueiros internacionais de Nova York que formaram essas comissões dereparações?Os especialistas dos Estados Unidos, do Plano Dawes de 1924, foram os banqueiros Charles Dawese o representante de Morgan, Owen Young, que foi presidente da General Electric Company.Dawes foi chairman do Comitê Aliado de especialistas em 1924. Em 1929, Owen Young tornou-sechairman deste mesmo comitê, apoiado pelo próprio J. P. Morgan, com alternancia de T. W.Lamont, parceiro de Morgan, e T. N. Perkins, banqueiro com associações com Morgan. Em outraspalavras, as delegações dos Estados Unidos eram pura e simplesmente, como Quigley mostrou,delegações de J. P. Morgan, usando a autoridade e o selo dos Estados Unidos para promover planosfinanceiros em seu próprio benefício. Como resultado, de acordo com Quigley, os banqueirosinternacionais sentaram-se no céu, sob uma chuva de pagamentos especiais e comissões.Os membros alemães do comotê de especialistas foram igualmente interessantes. Em 1924, HjalmarSchacht era presidente do Reichsbank (Banco do Reich) e ocupou-se de uma promissora trama notrabalho de organização do Plano Dawes; da mesma forma o fez o banqueiro alemão Carl Melchior.Um dos delegados alemães de 1928 era Albert Voegler, do cartel de aço alemão VereinigteStahlwerke. Resumindo, os dois países significativos envolvidos − Estados Unidos e Alemanha −foram representados pelo banqueiro Morgan de um lado, e por Schacht e Voegler do outro, ambospeças chave na ascensão de Hitler ao poder na Alemanha e subseqüentemente no rearmamentoalemão.Finalmente, os membros e conselheiros das comissões Dawes e Young, eram não somenteassociados a casas financeiras de Nova York mas, como veremos mais tarde, eram diretores defirmas dentro dos cartéis alemães que ajudaram Hitler a ganhar poder.1928: O PLANO YOUNGDe acordo com o gênio das finanças de Hitler, Hjalmar Horace Greeley Schacht, e o industrialNazista Fritz Thyssen, foi o Plano Young de 1928 (sucessor do Plano Dawes), formulado peloagente de Morgan, Owen D. Young, que trouxe Hitler ao poder em 1933.
  15. 15. Fritz Thysen declara que: Eu me voltei para o Partido Nacional Socialista depois de tornar-me convencido de que a luta contra o Plano Young seria inevitável se o completo colapso da Alemanha fosse para ser evitado.A diferença entre o Plano Young e o Plano Dawes era que, enquanto o Plano Dawes requeriapagamentos em bens produzidos na Alemanha financiados por empréstimos no exterior, o PlanoYoung requeria pagamentos monetários e, “Em meu julgamento − escreveu Thyssen − o débitofinanceiro assim criado seria pesado o suficiente para desmantelar toda a economia do Reich”.O Plano Young foi acertadamente um dispositivo para ocupar toda a Alemanha com capitalamericano, e deixar todas as propriedades da Alemanha presas por uma giganteasca alienação aosEstados Unidos. É importante notar, que as firmas americanas com filiais na Alemanha escaparamao plano por meio de um dispositivo temporário de “propriedade externa”. Conseqüentemente, aAEG (General Electric Alemã), filial da General Electric dos Estados Unidos, foi vendida para umacompanhia holding franco-belga e escapou das condições do Plano Young. Deve-se notar ainda queOwen Young foi o principal suporte financeiro para Franklin Delano Roosevelt no risco UniãoEuropéia quando Roosevelt, como iniciante em Wall Street, aventurou-se em obter vantagens dahiper-inflação da Alemanha em 1923. O risco da União Européia foi um veículo de especulação elucros sob a imposição do Plano Dawes, e é claramente evidente que investidores privados(incluindo Franklin Delano Roosevelt) usaram o poder do Estado para satisfazer seus própriosinteresses manipulando a política externa.Schacht, comparando, acusa Owen Young de responsável pela ascensão de Hitler, aproveitando-seda situação obviamente, e esta comparação está registrada num relatório da Inteligência do governodos Estados Unidos, que relata o interrogatório do Dr. Fritz Thyssen em setembro de 1945: A aceitação do plano Young e seus princípios financeiros, aumentaram os desempregados mais e mais, até que cerca de 1 milhão estivessem desempregados. As pessoas estavam desesperadas. Hitler disse que poderia acabar com o desemprego. O governo no poder naquele tempo, estava muito mal, e a situação do povo foi piorando. Aquilo foi realmente a razão do enorme sucesso que Hitler obteve nas eleições. Quando a última eleição veio, ele obteve cerca de 40 % dos votos.Contudo, foi Schacht, e não Owen Young, que concebeu a idéia que mais tarde veio a ser o Bancopara Compensações Internacionais (Bank for International Settlements − BIS). Os detalhes destebanco foram discutidos numa conferência presidida por Jackson Reynolds, “um dos maioresbanqueiros de Nova York” juntamente com Melvin Traylor do First National Bank of Chicago, SirCharles Addis, o primeiro homem da hierarquia do Hong Kong and Shanghai Banking Corporation(HSBC), e vários outros banqueiros da França e Alemanha. O BIS (Bank for InternationalSettlements) foi essencial para o Plano Young como meio de fornecer um instrumento rápido para apromoção de relações financeiras internacionais. De acordo com suas próprias declarações, Schachttambém deu a Owen Young a idéia, que mais tarde, depois da Segunda Guerra Mundial, veio a sero Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (International Bank forReconstruction and Development): “Um banco deste tipo demandará cooperação financeira entre vencidos e vencedores que levará à comunidade, interesses que redundarão em aumento de mútua confiança e entendimento, conseqüentemente promovendo e assegurando a paz”. Eu posso vivamente lembrar-me do ambiente no qual esta conversação teve lugar. Owen Young estava sentado em sua cadeira de braço, bafejando seu cachimbo, suas pernas
  16. 16. esticadas, seus olhos fixos diretamente em mim. Como é meu hábito, quando propondo tais argumentos, eu andava de um lado para o outro na sala. Quando terminei houve uma breve pausa. Em seguida toda sua face brilhou e sua decisão foi dita com as seguintes palavras: “Dr. Schacht, você me deu uma ótima idéia e vou vendê-la ao mundo”.BIS --- O CLÍMAX DO CONTROLEEsta troca de idéias e compreensão entre Hjalmar Schacht na Alemanha, e, através de Owen Young,os interesses de J. P. Morgan em Nova York, foi somente uma faceta de um vasto e ambicioso sistemade cooperação e aliança internacional para controle do mundo. Como descrito por Carroll Quigley,este sistema era “... nada menos do que criar um sistema mundial de controle financeiro, em mãosprivadas, capaz de dominar o sistema político de cada país e a economia do mundo como um todo”.Este sistema feudal funcionou nos anos 20, assim como funciona hoje, através de bancos centraisprivados em cada país, os quais controlam o suprimento de dinheiro nacional de economiasindividuais. Nos anos 20 e 30, o sistema da Reserva Federal de Nova York, o Banco da Inglaterra, oReichsbank da Alemanha e o Banco da França, também mais ou menos influenciavam o aparatopolítico de seus respectivos países, indiretamente, através do controle do suprimento de dinheiro e acriação do ambiente monetário. Influência mais direta era realizada suprindo fundos políticos para,ou retirando os mesmos de, políticos e partidos políticos. Nos Estados Unidos, por exemplo, oPresidente Herbert Hoover expressou desaprovvação por sua derrota, indicando como causa aretirada de apoio por parte de Wall Street e a mudança deste apoio para Franklin Delano Roosevelt.Políticos interessados em objetivos de capitalismo financeiro, e acadêmicos prolíficos com idéiaspara controle do mundo, úteis aos banqueiros internacionais, são mantidos em fila com um sistemade prêmios e penalidades. No início dos anos 30, o veículo guia para este sistema internacional decontrole financeiro e político, chamado por Quigley de “clímax do sistema”, era o Banco paraCompensações Internacionais (Bank for International Settlements − BIS), baseado em Basle, Suíça.O clímax BIS continuou seu trabalho durante a Segunda Guerra Mundial como o meio pelo qual osbanqueiros − os quais aparentemente não estavam em guerra uns contra os outros − continuaramuma mútua e benéfica troca de idéias, informações e planejamento para o mundo do pós-guerra.Como um escritor observou, a guerra não fez diferença para os banqueiros internacionais. O fato de que o Banco [BIS] possuía um verdadeiro staff internacional, tornou presente, com certeza, uma situação altamente anômala em tempo de guerra. Um presidente americano fazia transações de negócios diários do banco através de um gerente geral francês, que tinha um assistente alemão, enquanto o secretário geral era italiano. Outras nacionalidades ocupavam outros cargos. Estes homens estavam, é claro, em contato pessoal diário uns com os outros. Exceto pelo Sr. Kittrick, eles estavam é claro, situados permanentemente na Suíça durante este período e não era de se esperar que estivessem sujeitos às ordens de seu governo em tempo algum. Contudo, os diretores do banco permaneciam, é claro, em seus respectivos países e não tinham contato direto com o pessoal do banco. Alega-se, contudo, que Hjalmar Schacht, presidente do Reichsbank, mantinha um representante pessoal em Basle durante a maior parte deste tempo. Foram tais reuniões secretas, “... reuniões mais secretas que as reuniões do Círculo Real dos Maçons (Royal Ark Masons) ou as da Ordem Rosacruz (Rosacrucian Order)...” entre os banqueiros centrais no “clímax” do controle, que tanto intrigou jornalistas contemporâneos, embora eles rara e rapidamente penetrassem atrás da máscara de segredo.CONSTRUINDO OS CARTÉIS ALEMÃES
  17. 17. Um exemplo prático das finanças internacionais operando por trás das cenas para construir emanipular sistemas político-econômicos é encontrado no sistema de cartel alemão. Os três maioresempréstimos manipulados por banqueiros internacionais de Wall Street para os alemães nos anos de1920 sob o Plano Dawes, foram para o benefício de três cartéis alemães os quais poucos anosdepois ajudaram Hitler e os Nazis a chegarem ao poder. Financistas americanos eram representadosdiretamente nas juntas de dois destes cartéis. Esta assistência americana aos cartéis alemães temsido descrita por James Martin como segue: “Estes empréstimos para reconstrução tornaram-se umveículo para arranjos que fizeram mais pela promoção da Segunda Guerra Mundial do que paraestabelecer a paz depois da Primeira Guerra Mundial”.Os três cartéis dominantes, as quantias tomadas emprestadas e o sindicato flutuante de Wall Streetque colocou os títilos alemães no mercado foram como segue: Cartel Alemão Sindicato de Wall Street Valor EmitidoAllgemeine Elektrizitäts-Gesellschaft National City Company US$ 35.000.000(AEG) (General Electric Alemã)Vereinigte Stahlwerke (United Dillon, Read & Co. US$ 70.225.000Steelworks)American IG Chemical (IG Farben) National City Company US$ 30.000.000Olhando todos os empréstimos emitidos, vemos que somente as grandes casas financeiras de NovaYork manipularam as finanças de reparações alemães. Três casas − Dillon, Read & Co.; Harris,Forbes & Co. e National City Company − emitiram quase três quartos da quantia total deempréstimos e recuperaram a maior parte de seus lucros:Sindicato de Wall Street Participação em atividades industriais Lucros % do alemães no mercado de capitais dos sobre total EEUU empréstimos alemães *Dillon, Read & Co. US$ 241.325.000 US$ 2,7 29,2Harris, Forbes & Co. US$ 186.500.000 US$ 1,4 22,6National City Co. US$ 173.000.000 US$ 5,0 20,9Speyer & Co. US$ 59.500.000 US$ 0,6 7,2Lee, Higginson & Co. US$ 53.000.000 N.A. 6,4Guaranty Co. of New US$ 41.575.000 US$ 0,2 5,0YorkKuhn, Loeb & Co. US$ 37.500.000 US$ 0,2 4,5Equitable Trust Co. US$ 34.000.000 US$ 0,3 4,1 TOTAL US$ 826.400.000 US$ 10,4 99,9Fonte: Veja Apêndice A*Robert R. Kuczynski, Bankers Profits from German Loans (Lucros Bancários sobre EmpréstimosAlemães(Washington, D.C.: Brookings Institution, 1932), p. 127
  18. 18. Depois de meados da década de 1920, os dois maiores cartéis alemães combinados da IG Farben eVereinigte Stahlwerke dominaram o sistema de cartéis de química e aço, criados por estesempréstimos. Embora estas firmas tivessem importância nos cartéis apenas para dois ou trêsprodutos, elas eram capazes − através do controle destes três básicos − de forçar o seu objetivo nocartel. A IG Farben era a maior produtora de produtos químicos básicos usados por outras empresasde processamento químico, de forma que o seu poder econômico não pode ser medido somente porsua capacidade de produzir alguns produtos básicos. Similarmente, a Vereinigte Stahlwerke, comuma capacidade de ferro fundido maior que a de todos os outros produtores de ferro e aço daAlemanha combinados, era capaz de exercer muito mais influência nos cartéis de produtos semi-acabados de ferro e aço do que a sua própria capacidade de produção de ferro fundido sugere.Mesmo assim, a percentagem destes cartéis para todos os produtos era significante: Produtos da Vereinigte Stahlwerke Porcentagem da produção total alemã em 1938 Ferro fundido 50,8% Tubos 45,5% Chapas duras 36,0% Explosivos 35,0% Carvão betuminoso 33,3% Aço em barra 37,1% Produtos da IG Farben Porcentagem da produção total alemã em 1937 Metanol sintético 100,0% Magnésio 100,0% Nitrogênio químico 70,0% Explosivos 60,0% Gasolina sintética (alta octanagem) 46,0% (1945) Carvão marrom 20,0%Dentre os produtos que fizeram com que a IG Farben e a Vereinigte Stahlwerke trabalhassem emcolaboração mútua, estavam o betume de carvão e o nitrogênio químico, ambos de primeiraimportância para a fabricação de explosivos. A IG Farben tinha uma posição no cartel queassegurava domínio na fabricação e venda de nitrogênio químico, mas tinha apenas um por cento dacapacidade de produção de coque da Alemanha. Portanto um acordo foi feito sob o qual, assubsidiárias de explosivos da IG Farben obtinham benzol, tolueno e outros produtos primáriosderivados de betume de carvão nos termos estabelecidos pela Vereinigte Stahlwerke, enquanto assubsidiárias de explosivos da Vereinigte Stahlwerke eram dependentes de seus nitratos nos termosestabelecidos pela Farben. Sob este sistema de colaboração mútua e interdependência, os doiscartéis, IG Farben e Vereinigte Stahlwerke, produziam 95% dos explosivos da Alemanha em 1937-38 no início da Segunda Guerra Mundial. Esta produção devia-se à capacidade construída pelosempréstimos americanos e em alguma extensão por tecnologia americana.A cooperação IG Farben-Standard Oil para produção de óleo sintético derivado do carvão, deu aocartel da IG Farben o monopólio alemão na produção de gasolina durante a Segunda GuerraMundial. Em 1945, metade da gasolina alemã de alta octanagem era produzida diretamente pela IGFarben e a maior parte do restante por suas companhias afiliadas.Em resumo, em gasolina sintética e explosivos (dois dos mais básicos produtos da guerra moderna),o controle da Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, estava nas mãos de duas empresasalemães combinadas, criadas por empréstimos de Wall Street sob o Plano Dawes.
  19. 19. Não obstante, a asistência americana ao esforço de guerra Nazi, estende-se à outras áreas. As duasmaiores produtoras de tanques de guerra da Alemanha de Hitler eram a Opel, uma subsidiáriatotalmente pertencente a General Motors (controlada pela firma de J. P. Morgan), e a Ford AG,subsidiária da Ford Motor Company de Detroit. Os Nazis autorizaram status de isenção de impostospara a Opel em 1936, para facilitar a General Motors a expandir suas instalações de produção. Comisto, a General Motors obrigatoriamente tinha que reinvestir os lucros resultantes na indústriaalemã. Henry Ford foi condecorado pelos Nazis por seus serviços ao Nazismo. A Alcoa e a DowChemical, trabalharam juntas com a indústria Nazista fornecendo inúmeras transferências de suastecnologias domésticas americanas. A Bendix Aviation, da qual a empresa controlada por J. P.Morgan, General Motors, possuía a maior quantidade de ações, supriu a Siemens & Halske AG naAlemanha com dados sobre pilotos automáticos e instrumentação de aviação. Já em 1940, durante a“guerra não oficial”, a Bendix Aviation forneceu dados técnicos completos a Robert Bosch para usoem aviação e motores de arranque para motores diesel e recebeu pagamentos de royaltys comoretorno.Em resumo, companhias americanas associadas a banqueiros de investimento internacionais deMorgan-Rockefeller − não, a vasta gama de industriais americanos independentes, deve ser notado− estavam intimamente relacionados com o crescimento da indústria Nazi. É importante notar,durante o desenvolvimento de nossa história, que a General Motors, Ford, General Electric, DuPonte uma quantidade enorme de companhias americanas intimamente envolvidas com odesenvolvimento da Alemanha Nazista eram − com exceção da Ford Motor Company − controladaspela elite de Wall Street − a firma de J. P. Morgan, o Rockefeller Chase Bank e numa extensãomenor, o Warburg Manhattan Bank (em 1956, os Chase Bank e Manhattan Bank uniram-setornando-se o Chase Manhattan Bank, ou seja, uma união entre Rockefeller e Warburg, que emanos recentes juntou-se novamente com o J. P. Morgan Bank, formando o J. P. Morgan ChaseBank, o qual estava envolvido com a quebra do companhia Enron − N. T.) Este livro não é umaacusação de todas as finanças e indústria americanas. É uma acusação do “clímax” − aquelas firmascontroladas através de grandes casas financeiras, o sistema do Banco da Reserva Federal (FederalReserve Bank), o Bank for International Settlements (BIS), e seus arranjos e cartéis contínuos decooperação internacional na tentativa de controlar o curso político e econômico do mundo.
  20. 20. CAPÍTULO 2O IMPÉRIO DA I. G. FARBENFarben era Hitler e Hitler era Farben.Senador Homer T. Bone ao Comitê de Assuntos Militares (Committee of Military Affairs) doSenado, 4 de junho de 1943.No início da Segunda Guerra Mundial o complexo químico da IG Farben era o maiorempreendimento de fabricação de produtos químicos do mundo, com uma extraordinária forçapolítica, econômica e influência dentro do Estado Nazi Hitlerista. A IG Farben tem sidocorretamente descrita como “um Estado dentro de um Estado”O cartel Farben data de 1925, quando o gênio organizador Hermann Schmitz (com assistênciafinanceira de Wall Street) criou o super-gigante empreendimento químico das seis companhiasquímicas gigantescas já existentes na Alemanha − Badische Anilin, Bayer, Agfa, Hoechst, Weiler-ter-Meer e Grieshein-Elektron. Estas companhias foram unidas para tornarem-se InternationaleGesellschaft Farbenindustrie Aktien Gesellschaft − ou IG Farben AG abreviadammente. Vinte anosdepois, o mesmo Hermann Schmitz foi colocado no Julgamento de Nuremberg por crimes de guerracometidos pelo cartel IG Farben. Outros diretores da IG Farben foram também colocados noJulgamento, mas os afiliados americanos da IG Farben e os diretores americanos da própria IGforam rapidamente esquecidos; a verdade foi burlada nos arquivos.São estas conexões com os Estados Unidos em Wall Street que nos interessa. Sem o capitalfornecido por Wall Street, em primeiro lugar, poderia não ter existido IG Farben e certamente nemAdolf Hitler nem Segunda Guerra Mundial.Os banqueiros alemães da Farben Aufsichsrat (a junta de diretores supervisora) no fim dos anos 20,incluiram o banqueiro de Hamburgo Max Warburg, cujo irmão Paul Warburg foi o fundador do Sistemada Reserva Federal (Federal Reserve System) dos Estados Unidos (Congresso dos Estados Unidos.Senado. Audiências ante o Sub-comitê do Comitê de Assuntos Militares. Eliminação de RecursosAlemães para a Guerra. Relatório de acordo com S. Res. 107 e 146, 2 de julho de 1945, Parte 7, [78º.Congresso e 79º. Congresso], [Washington: Escritório de Impressão do Governo, 1945], daqui por diantecitado como Eliminação de Recursos Alemães) . Não coincidentemente, Paul Warburg estava também najunta de diretoria da American IG Farben, subsidiária americana totalmente pertencente a Farben. Além deMax Warburg e Hermann Schmitz, os cabeças da criação do império Farben, a antiga Farben Vorstand,incluía Carl Bosch, Fritz ter Meer, Kurt Oppenheim e George von Schnitzler. Todos com exceção de MaxWarburg foram condenados por “crimes de guerra” depois da Segunda Guerra Mundial.Em 1928, as holdings (matrizes − N. T.) americanas da IG Farben (i.e,a Bayer Company, GeneralAniline Works, Agfa Ansco e Winthrop Chemical Company) foram organizadas em uma holdingsuíça, a IG Chemie (Internationale Gesellschaft für Chemische Unternehmungen AG), controladapela IG Farben da Alemanha. No ano seguinte estas firmas americanas juntaram-se tornando-seAmerican IG Chemical Corporation, mais tarde renomeada para General Aniline & Film. HermannSchmitz, organizador da IG Farben em 1925, tornou-se proeminente Nazi e suporte de Hitler, assimcomo chairman da suíça IG Chemie e presidente da American IG. Depois, ambos os complexos daFarben, na Alemanha e nos Estados Unidos, desenvolveram-se como parte integral na formação eoperação da máquina de Estado Nazista, a Wehrmacht e a SS.A IG Farben é de peculiar interesse na formação do Estado Nazi porque os diretores da Farbenajudaram materialmente Hitler e os nazis na ascenção ao poder em 1933. Temos evidências
  21. 21. fotográficas de que a IG Farben contribuiu com 400.000 RM (Reichsmark) para o fundo político deHitler. Foi este fundo secreto que financiou os Nazis para assumir o controle em março de 1933.Muitos anos antes, a Farben tinha obtido de Wall Street, fundos para a formação e a expansão docartel na Alemanha em 1925 e, em 1929, USS$ 30.000.000 (30 milhões de dólares) para a AmericanIG, e tinha diretores de Wall Street na junta de diretoria da Farben. Deve-se notar que, estes fundosforam levantados e diretores indicados, anos antes de Hitler ser promovido a ditador alemão.O PODER ECONÔMICO DA FARBENObservadores qualificados tem argumentado que a Alemanha poderia não ter ido à guerra em 1939 sema IG Farben. Entre 1927 e o início da Segunda Guerra Mundial, a IG Farben dobrou em tamanho, umaexpansão em grande parte possívvel pela assistência técnica americana e pela emissão de títulos nomercado americano, como aquele de 30 milhões de dólares oferecido pelo National City Bank. Por voltade 1939, a IG adquiriu participação e influência gerencial em cerca de outras 380 firmas alemães e maisde 500 firmas estrangeiras. O império Farben possuía suas próprias minas de carvão, suas própriascentrais elétricas, unidades de ferro e aço, bancos, unidades de pesquisa e numerosos empreendimentoscomerciais. Existiam mais de 2.000 acordos entre a IG e firmas estrangeiras − incluindo Standard Oil ofNew Jersey, DuPont, Alcoa, Dow Chemical e outras nos Estados Unidos. A estória completa da IGFarben e sua atividade mundial antes da Segunda Guerra Mundial nunca poderá ser conhecida, poisarquivos-chave da Alemanha foram destruídos em 1945, em antecipação à vitória Aliada. Contudo, uminvestigador de pós-guerra do Departamento de Guerra dos Estados Unidos concluiu que: Sem as imensas facilidades produtivas da IG, suas intensas pesquisass e vastas ligações internacionais, o prosseguimento da guerra pela Alemanha teria sido impensável e impossível; a Farben não somente dirigiu suas energias no sentido de armar a Alemanha, mas também concentrou-as no sentido de enfraquecer o inimigo, e esta dupla tentativa de expandir o potencial alemão para a guerra e restringir o do resto do mundo, não foi concebido e executado “pelos caminhos normais dos negócios”. A prova está fortemente confirmando que os funcionários da IG Farben tinham total conhecimento do plano alemão de conquista do mundo e de cada ato específico deslanchado depois...Os diretores das firmas Farben (i.e., os “funcionários da IG Farben” referidos na invstigação) incluíam nãosomente alemães, mas também proeminentes financistass americanos. Esta conclusão do relatório doDepartamento de Guerra dos Estados Unidos de 1943, foi de que os compromissos da IG de Hitler noperíodo pré-guerra foram para tornar a Alemanha auto-suficiente em borracha, gasolina, óleos lubrificantes,magnésio, fibras, graxas, explosivos, etc. Para realizar plenamente esses compromissos, vastas somas foramgastas pela IG em processos para extrair esses materiais de regiões nativas da Alemanha, ainda nãoexploradas --- em particular os ricos recursos alemães de carvão. Quando esses processos eram impossíveisde serem desenvolvidos na Alemanha, eram adquiridos fora do país por arranjos do cartel. Por exemplo, oprocesso de iso-octana, essencial para combustível de aviação, foi obtido dos Estados Unidos: De fato, inteiramente dos americanos, e ficou sendo conhecido para nós em detalhes os seus vários estágios, através de nossos acordos com eles (Standard Oil of New Jersey), e está sendo usado extensivamente por nós.O processo para a fabricação de chumbo tetra-etílico, essencial para gasolina de aviação, foi obtidodos Estados Unidos pela IG Farben, e em 1939, a IG comprou 20 milhões de dólares em gasolina deaviação de alta qualidade da Standard Oil of New Jersey. Até antes da Alemanha fabricar chumbotetra-etílico pelo processo americano, ela foi capaz de tomar emprestado 500 toneladas da EthylCorporation. Este empréstimo de chumbo tetra-etílico não foi devolvido, e a IG foi obrigada a pagaro seguro de 1 milhão de dólares. Depois, a IG comprou grandes estoques de magnésio da DowChemical para bombas incendiárias, e também, de fora do país, comprou explosivos paramineração, estabilizantes, fósforo e cianetos.
  22. 22. Em 1939, dentre os 43 principais produtos fabricados pela IG, 28 eram de importância primáriapara as Forças Armadas alemães. O controle da economia de guerra alemã pela Farben, adquiridodurante os anos 20 e 30 com assistência de Wall Street, pode ser melhor analisado pelo exame daporcentagem de material de guerra alemão produzido pelas fábricas da Farben em 1943. A Farbennaquele tempo produzia 100% da borracha sintética alemã, 95% de gases tóxicos ou venenosos daAlemanha (incluído todo o Ziklon B usado nos campos de concentração), 90% dos plásticos daAlemanha, 88% do magnésio alemão, 84% dos explosivos alemães, 70% de explosivos para armas,46% de gasolina de alta octanagem (aviação) e 33% de gasolina sintética alemã. (Veja Tabela 2-1 eGráfico 2-1) TABELA 2-1: DEPENDÊNCIA DAS FORÇAS ARMADAS ALEMÃES (WEHRMACHT) DA PRODUÇÃO DA IG FARBEN (1943): Produto Total da Produção Alemã Percentagem de Produção pela IG Farben Borracha sintética 118.600 toneladas 100% Metanol 251.000 toneladas 100% Óleo lubrificante 60.000 toneladas 100% Corantes 31.670 toneladas 98% Gases tóxicos --------- 95% Níquel 2.000 toneladas 95% Plásticos 57.000 toneladas 90% Magnésio 27.400 toneladas 88% Explosivos 221.000 toneladas 84% Pólvora para armas 210.000 toneladas 70%Gasolina de alta octanagem (aviação) 650.000 toneladas 46% Ácido sulfúrico 707.000 toneladas 35%O Dr. Von Schnitzler, da IG Farben Aufsichsrat, fez a seguinte declaração pertinente em 1943: Não é exagero dizer que sem os serviços alemães de química realizados sob o Plano de Quatro Anos, o prosseguimento da moderna guerra poderia ser impensável.Infelizmente, quando provamos as origens técnicas dos mais importantes destes materiais militares− desconsiderando-se o suporte financeiro a Hitler − encontramos canais ligados à indústriasamericanas e a homens de negócios americanos. Houvera numerosos arranjos da Farben com firmasamericanas, incluindo arranjos cartelizados de mercados, acordos de patentes e trocas de tecnologiacomo exemplificado no caso mencionado acima de transferência de tecnologia da Standard Oil eEthyl. Estes arranjos foram usados pela IG para espalhar a política Nazi, coletar informaçõesestratégicas e consolidar seu cartel químico no mundo.Um dos mais horrorosos aspectos do cartel da IG Farben, foi a invenção, produção e distribuição dogás Ziklon B, usado nos campos de concentração Nazi. Ziklon B era puramente ácido prússico, umtóxico letal produzido pela IG Farben Leverkusen e vendido pelos escritórios de vendas da Bayer,através da Degesh, uma detentora independente de licença. As vendas de Ziklon B atingiam quasetrês quartos dos negócios da Degesh; gás bastante para matar 200 milhões de seres humanos foramproduzidos e vendidos pela IG Farben. O relatório do Comitê Kilgore de 1942, torna claro que osdiretores da IG Farben tinham perfeito conhecimento dos campos de concentração nazistas e do usode produtos químicos da IG. Este conhecimento anterior torna-se significante quando mais tardeconsideramos o papel dos diretores americanos na subsidiária americana da IG. O interrogatório de1945 do diretor da IG Farben, Schnitzler diz:
  23. 23. Pergunta: O que você fez quando eles lhe disseram que os produtos químicos da IG estavam sendo usados para matar, para assassinar pessoas presas nos campos de concentração? Resposta: Eu fiquei horrorizado. P: Você fez alguma coisa com respeito aquilo? R: Eu guardei isso para mim porque era terrível...Eu perguntei a Muller Cunradi “é do seu conhecimento, e de Ambros, e de outros diretores em Auschwitz, que os gases e os produtos químicos estão sendo usados para assassinar pessoas?” P: O que ele disse? R: Sim. É do conhecimento de todos os diretores da IG em Auschwitz.Não houve nenhuma tentativa da IG Farben de parar a produção dos gases − a melhor maneira queVon Schnitzler encontrou para expressar-se com respeito a vidas humanas foi, “porque era terrível”.O escritório da IG Farben de Berlim em NW 7, era o centro chave da espionagem nazista para oexterior. A unidade operava sob a direção do diretor da Farbem, Max Ilgner, sobrinho do presidenteda IG Farben, Hermann Schmitz. Max Ilgner e Hermann Schmitz estavam na junta da American IG,com os membros diretores Henry Ford da Ford Motor Company, Paul Warburg, do Banco deManhattan (Bank of Manhattan) e Charles E. Mitchell do Banco da Reserva Federal de Nova York(Federal Reserve Bank of New York).O assim chamado Departamento de Estatística da NW 7 (conhecido como VOWI) foi criado em1929 e evoluiu como um braço da Inteligência econômica da Wehrmacht. GRÁFICO 2: DEPENDÊNCIA DO EXÉRCITO ALEMÃO DA PRODUÇÃO I. G. FARBEN (1943) PORCENTAGEM LUBRIFICANTE GASOLINA DE OCTANAGEM EXPLOSIVOS AVIAÇÃO DE VENENOSOS SULFÚRICO BORRACHA PLÁSTICOS MAGNÉSIO CORANTES SINTÉTICA METANOL PÓLVORA NÍQUEL ÁCIDO GASES ÓLEO ALTA
  24. 24. Com o estouro da guerra em 1939, os empregados da VOWI foram mandados para a Wehrmacht,mas de fato, continuaram a realizar o mesmo trabalho como quando estavam nominalmente sob aIG Farben. Um dos mais proeminentes nomes destes funcionários da Inteligência Farben da NW 7,foi o príncipe Bernhard (Bernardo, consorte da rainha Juliana − N. T)) da Holanda, que juntou-se aFarben no início dos anos 30 depois de completar um período de 18 meses de serviços emuniformes negros SS (Conselho de Controle de Grupo dos Estados Unidos [Alemanha], Escritóriodo Diretor de Inteligência, Relatório de Inteligência No. EF/ME/1, 4 de setembro de 1945).O braço da malha de Inteligência da VOWI nos Estados Unidos, era a Chemnyco, Inc., de acordocom o Departamento de Guerra.Utilizando negócios normais para contato, a Chemnyco foi capaz de transmitir para a Alemanha,tremendas quantidades de material, desde fotografias e diagramas (blueprints) até descriçõesdetalhadas de todas as instalações industriais.O vice presidente da Chemnyco em Nova York, era Rudolph Ilgner, cidadão americano e irmão do diretorda American IG Farben, Max Ilgner. Em resumo, a Farben operava a VOWI, a operação externa deInteligência Nazi, antes da Segunda Guerra Mundial e as operações da VOWI estavam associadas amembros proeminentes do establishment de Wall Street, através da American IG Farben e Chemnyco, Inc.O Departamento de Guerra dos Estados Unidos também acusou a IG Farben e suas associadasamericanas, de serem ponta-de-lança dos programas de guerra psicológica e econômica Naziatravés da disseminação de propaganda via agentes da Farben, espalhados pelo mundo, e de proverintercâmbio externo para esta propaganda Nazi. Os arranjos do cartel da Farben promoveram aeconomia de guerra Nazi --- sendo o melhor exemplo, a voluntária restrição da Standard Oil of NewJersey, no desenvolvimento de borracha sintética nos Estados Unidos, por ordens da IG Farben.Como foi colocado pelo relatório do Departamento de Guerra: Para encurtar estória, a determinação da Standard Oil de manter monopólio absoluto no desenvolvimento de borracha sintética nos Estados Unidos, estava totalmente de acordo com a intensão da IG de impedir a produção nos Estados Unidos, dissuadindo companhias de borracha americanas de assumirem pesquisas independentes no desenvolvimento de processos para fabricação de borracha sintética.Em 1945, o Dr. Oskar Loehr, procurador chefe da IG “Tea Buro”, confirmou que a IG Farben e aStandard Oil of New Jersey operavam um “plano pré-concebido” para suprimir o desenvolvimentoindustrial de borracha sintética nos Estados Unidos, para vantagem da Wehrmacht alemã edesvantagem dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial.O testemunho do Dr. Loehr diz (em parte) o seguinte: Pergunta: É verdade que durante o atraso na divulgação de processos para fabricação de buna (borracha sintética --- N. T.) para as companhias de borracha americanas, a Chemnyco e a Jasco estavam neste meio tempo, mantendo a IG bem informada com respeito ao desenvolvimento de borracha sintética nos Estados Unidos? Resposta: Sim. P: De forma que durante todo o tempo a IG estava completamente à par do estado da indústria americana de borracha sintética? R; Sim.
  25. 25. P: Você estava presente na reunião de Hague quando o Sr. Howard (da Standard Oil) esteve nela em 1939? R: Não. P: Quem estava presente? R: O Sr. Ringer, acompanhado pelo Dr. Brown da Ludwigshafen. P: Eles lhe falaram sobre as negociações? R: Sim, tanto quanto a buna fazia parte delas. P: É verdade que o Sr. Howard nesta reunião falou para a IG que o desenvolvimento nos Estados Unidos tinha atingido tal estado, que não seria por mais tempo possível para ele ocultar a informação, com respeito aos processos de fabricação de buna das empresas americanas? R: O Sr. Ringer relatou isso. P: Foi esta, nesta reunião, a primeira vez que o Sr. Howard disse para a IG que as companhiass americanas teriam de ser informadas com respeito aos processos, e que ele garantiu à IG que a Standard Oil controlaria a indústria de borracha sintética nos Estados Unidos? Está correto? R: Está correto. Este é o conhecimento que eu obtive através do Sr. Ringer. P: De forma que em todos esses arranjos, desde o início do desenvolvimento da indústria de borracha sintética, a supressão de informações para a indústria dos Estados Unidos foi parte de um plano pré-concebido entre a IG por um lado e o Sr. Howard da Standard Oil por outro? R: Esta é a conclusão que pode ser tirada dos fatos prévios.A IG Farben era a maior credora da Alemanha no comércio exterior pré-guerra, e este comércio exteriortornou possível para a Alemanha a compra de matérias primas estratégicas, equipamento militar,processos técnicos e financiamento de seus programas externos de espionagem, propaganda e variadasatividades políticas e militares precedentes a Segunda Guerra Mundial. Atuando como suporte do EstadoNazi, a Farben ampliou seus horizontes em escala mundial, o qual mantinha relações estreitas com oregime Nazi e a Wehrmacht. Um escritório de ligações ilícitas, o Vermittlungsstelle W, foi estabelecidopara manter ligações entre a IG Farben e o Ministério da Guerra alemão: O objetivo deste trabalho é a construção de uma organização coesa para armamentos dentro da IG, a qual poderia ser inserida sem dificuldades na existente organização da IG e em fábricas individuais. No caso de guerra, a IG será tratada pelas autoridades ligadas as questões armamentistas como uma grande fábrica, a qual, em suas tarefas armamentistas, tanto quanto possível do ponto de vista técnico, regular-se-á por si mesma sem nenhuma influência organizacional externa (o trabalho com este objetivo estava em princípio, em concordância com o Ministério da Guerra Wehrwirtschaftsant) e, deste escritório, com o Ministério da Economia. Ao campo de trabalho da Vermittlungsstelle W pertence, além de ajustes organizacionais e planejamentos de longo prazo, a contínua colaboração com respeito a armamento e questões técnicas com as autoridades do Reich e com os planos da IG.Infelizmente, os arquivos dos escritórios da Vermittlungsstelle W foram destruídos antes do final daguerra, embora seja conhecido por outras fontes que, de 1934 em diante, uma complexa teia detransações evoluíram entre a IG e a Wehrmacth. Em 1934, a IG Farben começou a mobilizar-separa a guerra, e cada instalação da IG preparou seus planos de produção de guerra e os submeteu
  26. 26. aos Ministérios da Guerra e da Economia. Em 1935-36, os jogos de guerra estavam sendo mantidosem instalações da IG Farben, e procedimentos técnicos de guerra vinham sendo pesquisados. Osjogos de guerra foram descritos por Dr. Struss, chefe do Secretariado do Comitê Técnico da IG: É verdade que desde 1934 ou 1935, logo após o estabelecimento da Vermittlungsstelle W nos diferentes trabalhos, instalações de jogos de guerra teóricos tinham sido arranjados para examinar qual seria o efeito de bombardeio em certas fábricas. Foi particularmente levado em consideração o que poderia acontecer se 100 ou 500kg de bombas caíssem em uma certa fábrica, e qual poderia ser o resultado disto. É também certo que a palavra Kriegsspiele foi usada para isto. A Kriegsspiele foi preparada pelo Sr. Ritter e pelo Dr. Eckell, depois, em parte pelo Dr. von Brunning por ordens pessoais e de iniciativa própria do Dr. Krauch ou por ordem da Força Aérea (Luftwaffe --- N. T.), mas não é conhecido por mim. As tarefas eram parcialmente dadas pela Vermittlungsstelle W e parcialmente pelos escritórios da Força Aérea. Um quantidade de oficiais de todos os grupos da Wehrmacht (Marinha, Força Aérea e Exército) participaram destas Kriegsspiele. Os lugares os quais fossem atingidos pelas bombas eram marcados num mapa da instalação, de forma que pudesse ser assinalado quais as partes da instalação haviam sido danificadas, por exemplo, um medidor de gás ou uma importante linha de produção. Tão cedo o ataque terminasse, o gerenciador da instalação assinalava os danos, e relatava qual parte da instalação deveria parar de trabalhar; depois eles relatavam qual o tempo requerido para proceder ao reparo dos danos. Numa reunião posterior, as conseqüências da Kriegsspiele eram decritas, e foi assinalado que, no caso de Leuna (Instalação), os danos envolvidos foram consideravelmente altos; foi especialmente verificado, que alterações na linha de produção deveriam ser feitas à considerável custo.Conseqüentemente, durante os anos de 1930, a IG Farben fez mais do que somente concordar comordens do regime Nazi. A Farben foi uma iniciadora e operadora dos planos Nazistas para conquista domundo. A Farben atuou como uma organização de pesquisa e Inteligência para as Forças Armadas daAlemanha e voluntariamente iniciou projetos da Wehrmacht. De fato, as Forças Armadas só raramentetinham que se aproximar da Farben; é estimado que cerca de 40 a 50% dos projetos da Farben foraminiciados pela própria Farben. Em resumo, nas palavras do Dr. Von Schnitzler: Então, agindo como ela agiu, a IG assumiu uma grande responsabilidade e tornou-se de substancial ajuda no domínio da química e decisiva na ajuda da política externa de Hitler, a qual levou guerra e ruína à Alemanha. Então, devo concluir que a IG é realmente responsável pela política de Hitler.POLINDO A IMAGEN PÚBLICA DA IG FARBENEste quadro miserável de preparação militar pré-guerra, foi conhecido em todo o mundo e teve queser vendido − ou maqueado − para o público americano de forma a facilitar para Wall Street olevantamento de fundos e asistência técnica em defesa dos interesses da IG Farben nos EstadosUnidos. Uma proeminente firma de relações públicas foi escolhida para o trabalho de vender aimagem da IG Farben, para combinar com a América. A mais notável firma de relações públicasnos anos de 1920 e 1930 era a Ivy Lee & T. J. Ross de Nova York. A Ivy Lee tinha previamenterealizado a campanha de relações públicas para os Rockefeller, com o objetivo de tornar o nomeRockefeller imaculado entre o público americano. Esta firma tinha também produzido um livroescandaloso intitulado “URSS”, realizando a mesma tarefa de limpeza para a União Soviética −mesmo enquanto os campos de trabalho estavam em pleno funcionamento nos anos 20 e 30.
  27. 27. De 1929 em diante, Ivy Lee tornou-se consultora de relações públicas para a IG Farben nos EstadosUnidos. Em 1934, Ivy Lee apresentou testemunho ao Comitê House de Atividades Anti-Americanassobre este assunto para a Farben. Lee testemunhou que a IG Farben era afiliada da American Farben e“a American IG é uma companhia holding com diretores como Edsel Ford, Walter Teagle e um dosfuncionários do City Bank...”. Lee explicou que a ele era pago 25 mil dólares por ano por um contratofeito com Max Ilgner da IG Farben. Seu trabalho era refutar as críticas contra a IG Farben dentro dosEstados Unidos. O conselho dado por Ivy Lee para a Farben, sobre este problema foi bastante aceitável: Em primeiro lugar, eu tinha dito para eles, que jamais no mundo poderiam ter o povo americano reconciliado com o tratamento dispensado por eles aos judeus: que aquilo estava fora da mentalidade americana e jamais poderia ser justificado perante a opinião pública americana, e que não haveria efeito se fosse tentado. Em segundo lugar, que qualquer coisa que cheirasse a propaganda Nazi neste país era um erro, e passível de não ser aceito. Nosso povo olha isto como uma interferência em assuntos de relações americanas, e isto era mau negócio.O pagamento inicial de 4.500 dólares para Ivy Lee por este contrato foi feito por Hermann Schmitz,chairman da IG Farben na Alemanha. Foi depositado no New York Trust Company sob o nome daIG Chemie (ou seja, da IG suíça, como Ivy Lee determinou). Contudo, o segundo e maiorpagamento de 14.450 dólares foi feito por William von Rath da American IG e também depositadopor Ivy Lee no New York Trust Company, para crédito em sua conta pessoal (a conta da firma erado Chase Bank). Este ponto, com respeito a origem dos fundos, é importante quando consideramosa identidade dos diretores da American IG, porque pagamentos feitos pela American IG significavaque o volume dos fundos para propaganda Nazista não era de origem alemã. Eram fundosamericanos, adquiridos nos Estados Unidos e sob controle de diretores americanos, emborausados para propaganda Nazista nos Estados Unidos.Em outras palavras, muitas das propagandas Nazistas manipuladas por Ivy Lee não eramimportadas da Alemanha. A finalidade destes fundos americanos foi levantada em questão, peloComitê House da Atividades Anti-Americanas: Sr. Dickstein: Se eu o entendo, você testemunhou que não recebeu propaganda alguma, e que não tinha nada a ver com a distribuição de propaganda neste país? Sr. Lee: Eu não testemunhei que não recebi nada Sr. Dickstein. Sr. Dickstein: Eu vou eliminar esta parte da pergunta, então. Sr. Lee: De qualquer modo, eu testemunhei que não disseminei nenhuma. Sr. Dickstein: Você recebeu, ou sua firma recebeu alguma literatura de propaganda, da Alemanha, alguma vez? Sr. Lee: Sim, senhor. Sr. Dickstein: E quando foi isso? Sr. Lee: Oh, temos recebido --- é uma questão de o que o senhor chama de propaganda. Temos recebido uma imensa quantidade de literatura. Sr. Dickstein: Você não sabe qual literatura era, e o que ela continha? Sr. Lee: Temos recebido livros e panfletos além de reportagens de jornais e documentos sem fim.
  28. 28. Sr. Dickstein: Posso assumir que alguém em seu escritório poderia ir além, e ver o que eles eram? Sr. Lee: Sim, senhor. Sr. Dickstein: E então, depois de você descobrir o que eles eram, posso assumir que você manteve cópias deles? Sr. Lee: Em alguns casos sim; noutros, não. A grande maioria deles, é claro, era em alemão, e eu tinha os que o meu filho me enviou. Ele disse que eram interessantes e significantes, e aqueles que eu traduzi, ou excertos deles o eram.Finalmente, Ivy Lee empregou Burnham Carter para estudar relatórios de jornais americanos naAlemanha e preparar respostas pró-Nazistas apropriadas. Seria de se observar que esta literaturaalemã não era literatura Farben, era literaturra oficial de Hitler: Sr. Dickstein: Em outras palavras, você recebe este material que lida com condições atuais da Alemanha. Você os examina e os aconselha. Eles não tem nada a ver com o Governo alemão, embora o material, a literatura, seja literatura oficial do regime de Hitler. Isto é correto, ou não? Sr. Lee: Bem, uma boa parte da literatura não era oficial. Sr. Dickstein: Não era literatura da IG, era? Sr. Lee: Não; a IG a enviou-me. Sr. Dickstein: Você pode nos mostrar um fragmento de papel que veio parar aqui, o qual tinha algum relacionamento com a IG? Sr. Lee: Oh, sim. Eles requisitaram uma boa parte da literatura. Mas eu não quero me evadir da questão. Não há qualquer dúvida de que sob a autoridade deles eu tenho recebido uma imensa quantidade de material provinda de fontes oficiais e não oficiais. Sr. Dickstein: Exatamente. Em outras palavras, o material que foi enviado para cá, pela IG, era material de divulgação − poderíamos chamá-lo propaganda − por autorização do Governo alemão. Mas a distinção que você fez em seu depoimento é, como eu entendo, de que o Governo alemão não o enviou para você diretamente; que lhe foi enviado pela IG. Sr. Lee: Certo. Sr. Dickstein: E aquilo não tinha nada a ver com as relações de negócios deles até agora. Sr. Lee: Está correto.AMERICAN IG FARBENQuem eram os proeminentes financistas do establishment de Wall Street que dirigiram as atividadesda American IG Farben, a IG Farben afiliada dos Estados Unidos, promotorra de propaganda Nazi?Os diretores da American IG Farben incluiam alguns dos mais proeminentes membros de WallStreet Os interesses alemães reentraram nos Estados Unidos depois da primeira Guerra Mundial, ecom sucesso sobrepassaram as barreiras construídas para manter a IG fora do mercado americano.Nem a nacionalização de patentes alemães, nem o estabelecimento da Chemical Foundation(Fundação de Química), nem as altas barreirras tarifárias foram de maior problema.
  29. 29. Por 1925, a General Dyestuff Corporation foi estabelecida como agente exclusivo de vendas deprodutos fabricados pela Gasselli Dyestuff (renomeada General Analine Works, Inc., em 1929)e importada da Alemanha. As ações da General Analine Works foram transferidas em 1929para a American IG Chemical Corporation e depois em 1939 para a General Analine & FilmCorporation, quando a American IG e a General Analine Works foram unidas. A American IG esua sucessora, General Analine & Film, são as unidades através da qual o controle doempreendimento IG nos Estados Unidos era mantido. A autorização para lançamento de açõesda American IG foi para três milhões de ações ordinárias A e três milhões de ações ordináriasB. Como retorno pelos interesses da General Analine Works e da Agfa-Ansco Corporation, a IGFarben da Alemanha recebeu todas as ações B e 400.000 ações A. Trinta milhões de dólares emtítulos conversíveis foram vendidos para o público americano e garantidos pela IG Farbenalemã, que recebeu uma opção para a compra adicional de mais 1.000.000 das ações A. TABELA 2-2: DIRETORES DA AMERICAN IG EM 1930Diretor da American Cidadania Outras associações principais IG Carl Bosch Alemanha Ford Motor Company AG Edsel B. Ford EEUU Ford Motor Company-Detroit Max Ilgner Alemanha Diretor da NW 7 (escritório de Inteligência) da IG Farben – culpado nos julgamentos de Nuremberg por crimes de guerra F. ter Meer Alemanha Culpado nos julgamentos de Nuremberg por crimes de guerra H. A. Metz EEUU Diretor da IG Farben alemã e do Banco de Manhattan (Bank of Manhattan) – EEUU C. E. Mitchell EEUU Diretor do Banco da Reserva Federal de Nova York (Federal Reserve Bank of New York) e do National City Bank Hermann Schmitz Alemanha Junta de diretores da IG Farben (Alemanha) – Deutsche Bank (Alemanha) e Bank for International Settlements – culpado nos julgamentos de Nuremberg por crimes de guerra Walter Teagle EEUU Diretor do Banco da Reserva Federal de Nova York (Federal Reserve Bank of New York) e da Standard Oil of New Jersey W. H. von Rath Naturalizado Diretor da German General Electric (AEG) EEUU Paul M. Warburg EEUU Primeiro membro do Banco da Reserva Federal de Nova York (Federal Reserve Bank of New York) e Banco de Manhattan (Bank of Manhattan) W. E. Weiss EEUU Sterling ProductsFonte: Moody`s Manual of Investment (Manual Moody de Investimento); 1930, p. 2149Nota: Walter Duisberg (EEUU), W. Grief (EEUU), e Adolf Kuttroff (EEUU) foram tambémdiretores da American IG Farben neste período.O gerenciamento da American IG (depois General Analine) era dominado pela IG ou funcionáriosda IG. Hermann Schmitz serviu como presidente de 1929 a 1936, e foi depois sucedido por seuirmão, Dietrich A. Schmitz, que foi também diretor do Bank for International Settlements (BIS), o
  30. 30. “clímax” do sistema de controle financeiro internacional. Ele permanaceu como chairman da juntade diretores de 1936 a 1939.A junta de diretores original incluia nove membros que eram, ou tinham sido, membros da junta daIG Farben da Alemanha (Hermann Schmitz, Carl Bosch, Max Ilgner, Fritz ter Meer e WilfredGrief), ou tinham sido previamente empregados da IG Farben da Alemanha (Walter Duisberg,Adolf Kuttroff, W. H. von Rath, Herman A. Metz). Herman A. Metz era cidadão americano, deprincípio político democrata e primeiro controlador da cidade de Nova York. Uma décima pessoa,W. E. Weiss, tinha estado sob contrato da IG.Os diretores da American IG não eram somente proeminentes em Wall Street e na indústriaamericana, mas, mais significativamente, foram investidos de poder nas mais influentes instituições. GRÁFICO 2-1: DEPENDÊNCIA DAS FORÇAS ARMADAS ALEMÃES DA PRODUÇÃO DA IG FARBEN (1943) Banco da Reserva Ford Motor Federal de Nova Company York Charles E. Mitchell Edsel B. Ford Walter Teagle Carl Bosch Paul M. Warburg IG FARBEN E AMERICAN IG Bank of Standard Oil Manhattan of New Jersey H. A. Metz Paul M. Warburg Walter TeagleOs restantes quatro membros da junta da American IG eram cidadãos americanos proeminentes emembros da elite financeira de Wall Street: C. E. Mitchell, chairman do National City Bank e doBanco da Reserva Federal de Nova York (Federal Reserve Bank of New York); Edsel B. Ford,presidente da Ford Motor Company; W. C. Teagle, outro diretor da Standard Oil of New Jersey; ePaul Warburg, primeiro membro do Federal Reserve Bank of New York e chairman do Banco deManhattan (Bank of Manhattan Company).
  31. 31. Entre 1929 e 1939, houveram mudanças na formação da junta da American IG. O número dediretores variou de tempos em tempos, embora a maioria sempre tivesse conexões com a IG, enunca teve menos do que quatro diretores americanos. Em 1939, − presumivelmente olhando àfrente para a Segunda Guerra Mundial − um esforço foi feito para dar a junta uma maiorcomplexidade americana, mas, mesmo a despeito da renúncia de Hermann Schmitz, Carl Bosch eWalter Duisberg, e a indicação de sete novos diretores, sete membros ainda pertenciam ao grupoIG. Esta predominância na IG aumentou durante 1940 e 1941, quando diretores americanos,incluindo Edsel Ford, deram-se conta das intenções políticas da IG e renunciaram.Muitas observações básicas podem ser feitas a partir desta evidência. Primeiro, a junta da AmericanIG tinha três diretores do Federal Reserve Bank of New York, o mais influente dos vários bancos doFederal Reserve. A American IG também tinha ligações com a Standard Oil of New Jersey, com aFord Motor Company, com o Bank of Manhattan (depois tornando-se Chase Manhattan) e com aAEG (General Electric Alemã). Segundo, três membros da junta desta American IG foramconsiderados culpados nos Julgamentos de Nuremberg por crimes de guerra. Estes eram alemães,não os membros americanos. Dentre estes alemães estava Max Ilgner, diretor do escritório NW 7 daIG Farben em Berlim, isto é, o escritório de Inteligência Nazi pré-guerra. Se os diretores de umacorporação são coletivamente responsáveis pelas atividades da corporação, então, os diretoresamericanos deveriam também ter sido colocados nos Julgamentos de Nuremberg, junto com osdiretores alemães --- isto é, se a finalidade dos Julgamentos era determinar culpados de guerra. Semdúvida, se a finalidade dos Julgamentos tinha sido de desviar a atenção do envolvimento americanona ascensão de Hitler ao poder, eles saíram-se muito bem em tais objetivos”.

×