DUQUE ESTRADA – ORIGEM DO SOBRENOME
Por eu ser um descendente da família Duque Estrada, conheço a origem deste sobrenome e...
Heristal que foi prefeito do palácio merovíngio de Austrásia, e era conhecido como Pepin, o Gordo
(the Fat), de Heristal, ...
O ducado de Brabante, como eu demonstrarei aqui baseado em livro histórico, entrou em
existência quando um descendente tro...
Que em campo de ouro se banha
Siendo negro su color
Ramo es de tronco Real
E de los Duque de Estrada
De solar principal
Em...
Pepin II de Herstal e sua esposa Plectrudes tiveram os filhos Grimoaldo II e Drogon. Por sua vez,
Grimoaldo II e sua espos...
Corrigindo os genealogistas, quem fugiu para a Espanha não fora Grimoaldo, e sim, seu filho, o
Otton que não consta em lis...
Segue texto das páginas 422 e 423 (dependendo do livro pode ser páginas 607 e 608) onde se
encontra parte da genealogia Du...
Eu já encontrei muitos fóruns na Internet sobre a família Duque Estrada e muitas opiniões
divergentes e todo o tipo de inf...
Peço que repassem isto à mps, já que tem gente lá interessada nos Duques Estradas.
Gdes abcs,
Não me foi difícil identific...
se lhe dê crédito algum”. Teria o Padre Carvalho a audácia de colocar em seu livro a cópia de uma
genealogia falsificada a...
Arnulf, bispo de Metz, m. 641=>
Dobo (Dode ou Doda) da Saxônia
|
Anseguis, Senhor de Brabante =>
Margrave de Scheldt, m. 6...
Matilda de Saxe
|
Arnulfo II de Flandres, conde de Flandres =>
Rozela (Susanna) da Itália
|
Balduíno IV, o Barba Loura, de...
|
Henry de Percy =>
Elizabeth Mortimer
|
Henry de Percy =>
Eleanor de Neville
|
Henry de Percy =>
Eleanor Poynings
|
Marga...
Robert Hodgson de Congleton
Primos 10 |
Robert Rodgson, deão de Carlisle =>
Mary Tucker
Primos 11 |
Henrietta Hodgson =>
O...
York, em 1923 que só se tornaria rei da Inglaterra em 1936 como George VI. Também,
diferentemente de Kate Middleton, a Rai...
O rei Rabodo da Frísia é também ancestral da família Duque Estrada por ser pai de Teodosinda,
esposa de Grimoaldo II, logo...
2
Nesta foto do castelo Duque Estrada (Castelo do Rei ou de São Vicente de La Barquera) existe
um comentário que afirma qu...
DUQUE ESTRADA- ORIGEM DO SOBRENOME PARTE 1
DUQUE ESTRADA- ORIGEM DO SOBRENOME PARTE 1
DUQUE ESTRADA- ORIGEM DO SOBRENOME PARTE 1
DUQUE ESTRADA- ORIGEM DO SOBRENOME PARTE 1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

DUQUE ESTRADA- ORIGEM DO SOBRENOME PARTE 1

3.150 visualizações

Publicada em

DUQUE ESTRADA- ORIGEM DO SOBRENOME PARTE 1

  1. 1. DUQUE ESTRADA – ORIGEM DO SOBRENOME Por eu ser um descendente da família Duque Estrada, conheço a origem deste sobrenome e afirmo que nunca existiu um ducado Estrada e muito menos um Duque Estrada. Para aqueles que possuem dúvidas sobre este sobrenome familiar segue abaixo um e-mail que eu sem querer encontrei na Internet e que apresenta uma especulação incorreta sobre tal sobrenome familiar: No e-mail acima e dentro da área ressaltada em amarelo existe a especulação de que Duque de Duque Estrada pode ser uma corrupção da palavra holandesa Djik ou Duek/Duwek. Esta sugestão de David Kelley é bem a propósito pois a palavra Duque do sobrenome Duque Estrada é de fato a corrupção de uma palavra holandesa mas nenhuma relação com as palavras sugeridas por Kelley. Aí vai então a minha explicação do tão polêmico sobrenome Duque Estrada. A antiga Gália (atual França), era o reino merovíngio e os reis merovíngios não administravam suas propriedades. As propriedades merovíngias eram administradas pelos prefeitos dos palácios ou mordomos-mor (Mayors of the Palace) merovíngios. Um destes prefeitos foi Pepin II de
  2. 2. Heristal que foi prefeito do palácio merovíngio de Austrásia, e era conhecido como Pepin, o Gordo (the Fat), de Heristal, como pode ser visto abaixo. Acontece que Pepin II, o Gordo, de Heristal, era prefeito do palácio merovíngio de Austrásia, região norte do reino merovíngio e que hoje é a Bélgica e que também é conhecida como Flandres, cuja língua é o holandês. Sendo assim, o cognome “o Gordo” de Pepin II de Heristal era, na língua holandesa, de Dikke (o Gordo), como pode ser comprovado abaixo. Sendo assim, Pepin II em holandês era Pepin II, de Dikke van Herstal. Em alemão ele era Pepin II der Dicke von Herstal. Em espanhol, a palavra Dikke se corrompeu para Duque e a palavra Herstal para Eristrala que depois se corrompeu novamente para Estrada, daí que Pepin ficou conhecido na Espanha e em Portugal como Pepin Duque Estrada. Como consequência direta, os descendentes de Pepin passaram a ser conhecidos na Espanha e em Portugal pelo sobrenome Duque Estrada, ou seja, nunca existiu um ducado Estrada e nem mesmo um Duque Estrada. Entretanto, Pepin II der Dicke von Herstal era Duque de Brabante, ducado famoso por ser o palco da novela medieval do cavaleiro do Santo Graal Lohengrin (filho de Parsifal) de Wolfram von Eschenbach, depois musicado em ópera pelo reconhecido e renomado Richard Wagner, no qual os protagonistas são os personagens Lohengrin e Elza, Duquesa de Brabante.
  3. 3. O ducado de Brabante, como eu demonstrarei aqui baseado em livro histórico, entrou em existência quando um descendente troiano, descendente do rei Príamo de Tróia, chamado Bravon Sálvio, recebeu como presente de casamento do então ditador romano Júlio César as terras que se tornaram o ducado e que levou o seu nome Bravancia/Bravante/Brabante. Como eu afirmei anteriormente, os descendentes de Pepin II, na Espanha e em Portugal, passaram a ser conhecidos pelo sobrenome Duque Estrada. Um dos netos de Pepin II chamado Otton, fugiu para o que hoje é a Espanha, na época, principado de Astúrias, posteriormente elevado para reino e lutou contra os mouros ao lado do primeiro rei das Astúrias, o rei Pelágio. Nas Astúrias, Otton fundou a Casa e Solar Duque Estrada. Otton teve descendência, Dom Sancho de Estrada, Duque de Santilhana que se casou com D. Enéia, bisneta do rei Pelágio e tiveram o filho Osório, Duque de Santilhana, fundador do Castelo de São Vicente de La Barquera. Neste castelo, Osório, Duque de Santilhana, mandou gravar por brazão os seguintes versos: Yo soi la casa de Estrada Fundada nestes penhascos Mais antigos que Velascos E a El-rey no deve nada El gothico de Alemanha Primo del Emperador El Aguila truvo a Espanha
  4. 4. Que em campo de ouro se banha Siendo negro su color Ramo es de tronco Real E de los Duque de Estrada De solar principal Em Astúrias respetado Para mais informações e fotos do castelo Duque Estrada clicar aqui2 , aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
  5. 5. Pepin II de Herstal e sua esposa Plectrudes tiveram os filhos Grimoaldo II e Drogon. Por sua vez, Grimoaldo II e sua esposa Teodosinda tiveram os filhos Teodoaldo, Arnoldo e Otton. Infelizmente, não encontrei o filho Otton constando de nenhuma lista genealógica oficial de Grimoaldo II e nem na Internet. Por outro lado, os livros de genealogia afirmam corretamente que a família Duque Estrada descende de Grimoaldo mas, ao mesmo tempo, erram quando afirmam que Grimoaldo fugiu para a Espanha por motivo de desavenças com seu tio Carlos Martel. Parece-me que alguns genealogistas não estudam história. Se estudassem, em primeiro lugar, saberiam que Grimoaldo não era sobrinho de Carlos Martel, e sim, seu meio irmão. Sim, porque, Pepin II de Herstal tinha Plectrudes por legítima esposa que dera à luz o legítimo filho Grimoaldo, enquanto, e ao mesmo tempo, tinha uma concubina chamada Alpaida que dera à luz o filho bastardo de Pepin, Carlos Martel. Em segundo lugar, saberiam que Grimoaldo não poderia ter fugido para a Espanha, porque enquanto casado com Teodosinda e por manter um relacionamento ilícito com outra donzela, fora assassinado a mando de seu sogro, o rei da Frísia, Rabodo1 . A seguir, alguns exemplos genealógicos incorretos: 1 Conta uma lenda que o rei Rabodo da Frísia era hostil para com a religião cristã e tentava restaurar as práticas religiosas de seus antepassados. Ele foi finalmente persuadido pelo bispo Wulfram a aceitar a fé cristã dos francos e se batizar. Quando Rabodo colocou um pé na pia batismal falou: Só mais uma pergunta bispo, onde está a maioria dos meus ancestrais, no paraíso ou no inferno? O bispo respondeu que seus ancestrais pagãos estavam sem dúvida alguma no inferno. “Prefiro então ir para o inferno junto de meus ancestrais com Votan do que ficar com vocês, francos, no Céu, respondeu o rei Rabodo que se recusou a continuar com a cerimônia de batismo. Inspirada nesta lenda, a banda holandesa Heidevolk gravou uma música intitulada Koning Radboud (Rei Rabodo) em seu álbun de 2008 Walhalla Wacht que pode ser vista no link do YOUTUBE http://www.englisc-gateway.com/bbs/topic/34119-king-radbod-the-successor-a- strong-frisian-king-680-ad-719ad/
  6. 6. Corrigindo os genealogistas, quem fugiu para a Espanha não fora Grimoaldo, e sim, seu filho, o Otton que não consta em lista oficial nenhuma. Entretanto, eu encontrei um livro publicado entre 1706 e 1712 intitulado Corografia Portuguesa de autoria do Padre Antonio Carvalho da Costa que, além de sacerdote dedicou sua vida ao estudo da astronomia e geografia e, tendo escrito vários livros, compilou todas as notícias que pode sobre as inúmeras localidades portuguesas. A obra do Padre Carvalho da Costa, composta em vários tomos, ainda hoje considerada como uma das mais importantes e de proveitosa consulta na sua especialidade, mormente no que respeita à corografia antiga portuguesa, encontra-se disponível na Biblioteca Alderman da Universidade da Virgínia, Charlottesville, e foi digitalizada pelo Google podendo ser consultada pela Internet no link: http://books.google.com.br/books?id=wKFCAAAAYAAJ&pg=PP17&lpg=PP17&dq=COROGR AFIA+PORTUGUESA&source=bl&ots=jMM8YpPyB2&sig=ex0BkQfJI3MgEQYvysqtU86p_Fc &hl=pt- BR&sa=X&ei=jbLlUsuZF83okAeYqoAw&ved=0CEAQ6AEwBDgK#v=onepage&q=COROGR AFIA%20PORTUGUESA&f=true Importante observar que esta obra do padre Carvalho da Costa composta em vários tomos, cujo terceiro tomo trata da genealogia Duque Estrada e cuja página de rosto encontra-se abaixo, não é uma obra qualquer, foi oferecida a ninguém menos que a Sereníssima Senhora Dona Mariana (Maria Ana) de Áustria, Rainha consorte de Portugal de 1708 a 1750 durante o reinado de seu marido o rei de Portugal D. João V, avô de D. João VI e bisavô de D. Pedro de Alcântara, o D. Pedro I do Brasil.
  7. 7. Segue texto das páginas 422 e 423 (dependendo do livro pode ser páginas 607 e 608) onde se encontra parte da genealogia Duque Estrada ressaltada em amarelo até os mordomos-mor (mayors ou prefeitos dos palácios de França) passando por Otton, sobrinho de Carlos Martel e primo do Imperador Carlos Magno e por seu pai, Grimoaldo.
  8. 8. Eu já encontrei muitos fóruns na Internet sobre a família Duque Estrada e muitas opiniões divergentes e todo o tipo de informação, inclusive, uma que infelizmente eu não lembro o endereço do site, afirmando que a genealogia Duque Estrada fora forjada pelo marquês de Pombal. Por que o marquês de Pombal falsificaria uma genealogia? Lá não especificava o motivo. Contudo, no mesmo site do e-mail citado no início deste trabalho, o e-mail que cita a sugestão do David Kelley sobre as palavras holandesas Djik/Duek/Duwek, serem possíveis origens de Duque de Duque Estrada (http://www.genealogiafreire.com.br/tex_informacoes_genealogicas.htm), existe outro e-mail que afirma: Tenho mais referências documentais; quem fez parte dessa pesquisa foi Gilson Nazareth, que me passou seus dados. O pedigree falso dos Duques `Estradas' foi clonado de um pedigree igualmente fantasioso que Gayo tem no tit. Sotomayores. Autor da façanha, provavelmente Don Tivisco.
  9. 9. Peço que repassem isto à mps, já que tem gente lá interessada nos Duques Estradas. Gdes abcs, Não me foi difícil identificar esse tal de Don Tivisco como sendo D. Tivisco de Nasao Zarco y Colona, o pseudônimo de Manuel de Carvalho e Ataíde autor do Theatro Genealógico. Acontece que Manuel de Carvalho ou Don Tivisco do Theatro Genealógico não é outro senão o pai de Sebastião José de Carvalho e Melo, o famoso marquês de Pombal, título este instituído por decreto do rei D. José I de Portugal em 16 de Setembro de 1769. Isto, em princípio, me levou a crer na possibilidade de que a genealogia Duque Estrada pudesse ter sido forjada não pelo marquês de Pombal, e sim por seu pai, Don Tivisco. Contudo, esta possibilidade de falsificação, seja do marquês de Pombal ou de seu pai Don Tivisco, me parece frágil. Se Don Tivisco lançou esta genealogia em seu livro, é possível que a tenha copiado do livro do Padre Antonio Carvalho. Ainda resta a possibilidade do contrário, a de que o Padre Carvalho a tenha copiado de Don Tivisco, o que não me parece crível já que o Padre dedicou seu livro a Sereníssima Senhora Dona Mariana (Maria Ana) de Áustria, Rainha consorte do Rei de Portugal D. João V, pais do Rei José I de Portugal, justamente o Rei que outorgou o título de marquês de Pombal ao filho de Don Tivisco, Sebastião José de Carvalho e Melo, em contraste com o livro de Don Tivisco que foi proibido em 1703 por ordem do rei D. Pedro II de Portugal, antecessor de D. João V, por “conter notórios erros contra a vontade do fato, não é conveniente que corra, nem que
  10. 10. se lhe dê crédito algum”. Teria o Padre Carvalho a audácia de colocar em seu livro a cópia de uma genealogia falsificada apresentada por Don Tivisco em seu livro que fora proibido pelo rei e, ainda assim, dedicá-lo à Rainha consorte do rei sucessor? Herstal (hĕr`stäl), Francês Héristal, município da região da Valônia, provincia de Liège, Bélgica na margem do rio Meuse, subúrbio industrial de Liège. Herstal é um centro belga de indústria armamentista. Outras indústrias incluem veículos automotores, motores de aviões e equipamento elétrico. Esta cidade foi no passado a residência dos primeiros prefeitos do palácio Carolíngios, incluindo Pepin II, que nasceu lá. No século 7, Héristal deu seu nome ao fundador da família que estabeleceu a dinastia Carolíngia. Pepin, lorde de Héristal, o poderoso prefeito do palácio de Austrasia e Neustria sob o rei merovíngio Teodorico III, provavelmente escolheu este lugar como sua principal residência por sua proximidade de grandes cidades como Tongeren, Maastricht e Liège. Pepin foi o pai de Carlos de Héristal, vencedor da decisiva batalha de Tours que parou o avanço árabe-muçulmano na Europa o qual lhe rendeu o apelido Martelo (the Hammer) e logo Martel. Carlos Martel por sua vez, foi o pai de Pepin, o Baixo, que, por sua vez foi o pai de Carlos Magno, também, supostamente nascido em Héristal, onde viveu por pelo menos 15 anos. Carlos Magno depois estabeleceu sua capital em Aachen, pondo fim ao glorioso período medieval de Héristal como capital do império. Meroveu, fundador da => dinastia merovíngia m. 456 | Childeric, m. 481=> Basina II da Turíngia => | Clovis I, m. 511=> Clotilde de Borgonha => | Lotário (Chlothar)I, m. 561=> Ingund => | Blitildis => Ansbert, m. 570 => | | Arnoald de Scheldt, m. 601=> Princesa Dua da Suábia |
  11. 11. Arnulf, bispo de Metz, m. 641=> Dobo (Dode ou Doda) da Saxônia | Anseguis, Senhor de Brabante => Margrave de Scheldt, m. 685 Begga de Brabante, filha de Pepin de Landen e Santa Ita da Suábia => | Pepin II (o Gordo) de Herstal => Prefeito dos palácios de Neustria, Austrasia e Borgonha m.714 <= Plectrudes (legítima esposa) Alpais ou Alpaida (concubina) => | | <= Grimoaldo de Hérstal Carlos Martel, m.741 <= Teodosinda, filha do rei Rabodo da Frísia Prefeito dos palácios de Austrasia, | Neustria e Borgonha Otton de Hérstal | | Pepin, o Baixo, m. 768 Don Sancho de Estrada, duque de Santilhana Prefeito do palácio de Neustria Dona Enéia, filha do infante Vimarano, filho Rei da França, 751-768 do rei D. Afonso, o Católico de Leão Princesa Bertha (Pé Grande) | | Ozório, duque de Santilhana, fundador Carlos Magno, o Grande, rei da França do castelo de São Vicente de la Barquera Imperador Carlos I, 800-814 Filha do rei D. Afonso III de Castela Hildegarde of Vinzgau | | Guterre Ozório, rico homem do rei Luis I, o Piedoso, da Aquitânia, rei da França => Bermudo II Judith da Bavaria | | João Duque de Estrada Carlos II, o Calvo, rei dos Francos do Oeste => Dona Branca de Cantábria, da Ermentrude de Orléans casa dos príncipes de Biscaya | Princesa Judith de Flandres Balduíno I de Flandres, conde de Flandres => Para a família Duque Estrada no Brasil | Balduíno II, o Calvo, de Flandres, conde de Flandres => Elfrida de Essex, filha do rei Alfredo de Wessex | Arnulfo I o Grande de Flandres, conde de Flandres => Adela (Alice) de Vermandois | Balduíno III de Flandres, conde de Flandres =>
  12. 12. Matilda de Saxe | Arnulfo II de Flandres, conde de Flandres => Rozela (Susanna) da Itália | Balduíno IV, o Barba Loura, de Flandres, conde de Flandres => Ogive de Luxemburg | Balduíno V, o Piedoso, de Flanders, conde de Flandres => Princesa Adela (Alix) Capeto da França | Matilda de Flanders Guilherme I o Conquistador, rei da Inglaterra => | Henrique I, rei da Inglaterra => Matilda (Edite), filha do rei da Escócia Malcolm III Canmore | Matilda Godofredo V, conde de Anjou e Maine => | Henrique II, rei da Inglaterra => Eleanor de Aquitânia, divorciada de Luís VII, rei da França | John Lackland (Sem-Terra), rei da Inglaterra => Isabella, filha do conde de Angoulème | Henrique III, rei da Inglaterra => Eleanor, filha do conde de Provença | Edmund, conde de Lancaster => Blanche d`Artois | Henry Lancaster Plantagenet => Maud Chaworth | Mary Plantagenet => Henry de Percy => | Henry de Percy => Margaret de Neville
  13. 13. | Henry de Percy => Elizabeth Mortimer | Henry de Percy => Eleanor de Neville | Henry de Percy => Eleanor Poynings | Margaret Percy => William Gascoigne | Irmãs Elizabeth Gascoigne George Talboys => Primos | Anne Talboys => Edward Dymoke Primos 2 | Frances Dymoke => Thomas Windebank Primos 3 | Mildred Windebank => Robert Reade, n. c. 1575 Primos 4 | George Reade => Elizabeth Martiau Primos 5 | Mildred Reade => Augustine Warner Primos 6 | Mary Warner => John Smith de Porton Primos 7 | Mildred Smith => Robert Porteus de Newbottle Primos 8 | Robert Porteus => Judith Cockayne Primos 9 | Mildred Porteus => <= Agnes Gascoigne <= Sir Thomas Fairfax | <= William Fairfax ? | <= William Fairfax Lucy Goodman | <= John Fairfax Mary Birch | <= Benjamin Fairfax Sarah Galliard | <= Benjamin Fairfax Bridget Stringer | <= Sarah Fairfax John Meadows | <= Philip Meadows Margaret Hall | <= Sarah Meadows David Martineau | <= Thomas Martineau Elizabeth Rankin
  14. 14. Robert Hodgson de Congleton Primos 10 | Robert Rodgson, deão de Carlisle => Mary Tucker Primos 11 | Henrietta Hodgson => Oswald Smith de Blendon Hall Primos 12 | Frances Dora Smith => Claude Bowes-Lyon, 13O conde de Strathmore e Kinghome Primos 13 | Claude George Bowes-Lyon, 14O conde de Strathmore e Kinghome => Nina Cecilia Cavendish-Bentinck, condessa de Strathmore Primos 14 | Lady Elizabeth Angela Marguerite Bowes-Lyon A Rainha Mãe, 1900-2002 => George VI, rei da Inglaterra Primos 15 | Elizabeth Alexandra Mary de Windsor rainha Elizabeth II da Inglaterra de 1952 até hoje, nascida em 1926 => Como Kate Middleton está uma geração depois da Rainha, ela é 15a prima uma vez removida (uma geração após) da Rainha. Assim sendo, Kate Middleton, aquela que a grande mídia insiste em chamar de plebéia, é tão plebéia quanto a Rainha pois o último ancestral rei de ambas por esta linha genealógica (existem outras) foi Henrique III da Inglaterra. Pode-se argumentar que, diferentemente da duquesa de Cambridge, a Rainha é filha do rei GeorgeVI, entretanto, não há argumento para a Rainha Mãe, que se casou com Albert Frederick Arthur George, o duque de | <= Elizabeth Martineau Thomas Michael Greenhow | <= Frances Elizabeth Greenhow Francis Lupton | | <= Francis Martineau Lupton Harriet Albina Davis | | <= Olive Christina Lupton Richard Noel Middleton | | | <= Peter Francis Middleton Valerie Glassborow | | <= Michael Francis Middleton Carole Elizabeth Goldsmith | <= Catherine “Kate” Elizabeth Middleton, duquesa de Cambridge
  15. 15. York, em 1923 que só se tornaria rei da Inglaterra em 1936 como George VI. Também, diferentemente de Kate Middleton, a Rainha Mãe recusara por duas vezes a proposta de casamento com o futuro rei. Como coloca a Wikipédia, e que pode ser lido aqui: Em uma época em que a realeza era esperada casar dentro da realeza, era incomum que Albert tivesse grande liberdade na negociação de escolha de uma futura esposa. Em 1920, ele se encontrou pela primeira vez desde a infância com Lady Elizabeth Bowes-Lyon, a filha mais nova dos condes de Strathmore and Kinghorne. Ele ficou determinado a se casar com ela. Ela rejeitou sua proposta por duas vezes, em 1921 e 1922, declaradamente porque ela estava relutante em fazer os sacrifícios necessários para se tornar membro da família real. Nas palavras da mãe de Lady Elizabeth, Albert poderia ser “feito ou estragado” por sua escolha de esposa. Depois de um prolongado cortejo, Elizabeth concordou em se casar com ele. Neste monumento, Pepin de Hérstal, Santa Begga, Pepin de Landen (pai de Santa Begga) são ancestrais da família Duque Estrada. Os outros são parentes distantes. Estátua de Carlos Magno no centro de Liège, Bélgica, esculpida por Louis Jéhotte. Em torno da base da estátua, pode-se ver estátuas menores representando 6 ancestrais de Carlos Magno originários de Liège: Santa Begga, Pepin de Herstal, Carlos Martel, Bertruda, Pepin de Landen e Pepin o baixo.
  16. 16. O rei Rabodo da Frísia é também ancestral da família Duque Estrada por ser pai de Teodosinda, esposa de Grimoaldo II, logo, avô materno de Othon de Hérstal, admitindo, é lógico, que Othon seja filho de Teodosinda, e não de uma amante, quem sabe aquela que, por causa do relacionamento ilícito fora a causa do assassinato de Grimoaldo a mando de seu sogro, o rei da Frísia Rabodo. Se assim for, é bem possível que Othon seja na realidade um filho bastardo de Grimoaldo justificando sua ausência nas genealogias oficiais, ainda que assim cause muita estranheza já que os filhos de Grimoaldo constantes de genealogias oficiais são Arnoldo e Teodoaldo, e este, era um filho ilegítimo cuja identidade materna, até onde eu sei, é desconhecida. Contudo, ao contrário de Othon que fugira para Astúrias, facilitando assim seu esquecimento não o colocando nas listas oficiais, Teodoaldo não podia ser esquecido pois estranhamente fora por algum tempo, depois da morte de seu avô, Pepin de Hérstal, mordomo (mayor) dos palácios merovíngios de Austrasia e Neustria. Digo estranhamente porque Teodoaldo, por algum motivo não explicado historicamente, era protegido de Carlos Martel, ao contrário de Othon que, por ser legítimo herdeiro de seu falecido pai Grimoaldo, fugira para Astúrias para se livrar do risco de morte oferecido por seu tio usurpador Carlos Martel. Como coloca a Wikipédia, e que pode ser lido aqui: Teodoaldo foi mordomo do palácio da Austrásia e da Nêustria, brevemente e sem oposição em 714 até Ragenfrido ser aclamado na Nêustria e Carlos Martel na Austrásia pela nobreza, após a morte de seu avô, Pepino de Herstal. Ele era filho ilegítimo de Grimoaldo II, mas sua avó Plectrude tentou de todas as formas que ele fosse reconhecido pelo seu avô como herdeiro legítimo de todas as terras pipinidas, no lugar do ilegítimo Carlos Martel. (...) Ele morreu, provavelmente assassinado, por volta de 741, após a morte de seu tio e protetor, Carlos Martel. É notável que apesar de ter sido proclamado herdeiro de Pepino de Herstal e do tamanho de seu poder, Carlos Martel permitiu que seu sobrinho permanecesse vivo, ao invés de assassiná-lo, como era o hábito na Idade Média. Rei Rabodo (Radboud) por Pier Winsemius em Chronique ofte Historische geschiedenisse van Vrieslant (1662)
  17. 17. 2 Nesta foto do castelo Duque Estrada (Castelo do Rei ou de São Vicente de La Barquera) existe um comentário que afirma que o castelo foi construído no ano de 1210. Entretanto, seguindo, o mesmo comentário afirma que “é suposta uma origem mais lendária, em meados do século 8, quando o rei de Astúrias Alfonso I realizou a primeira repovoação da vila (de São Vicente de La Barquera). Assim sendo, a suposta origem “lendária” em meados do século 8 é muito mais provável e, as evidências que apóiam esta origem são muitas: 1. Otton de Héristal, que fundou a Casa e Solar Duque Estrada em Astúrias sob Dom Pelajo, era primo segundo de Pepin, o Baixo, que morreu no ano de 768, ou seja, Otton viveu nesta época que era aproximadamente a metade do século 8. 2. O fundador do castelo de São Vicente de La Barquera (castelo Duque Estrada), Ozório, duque de Santilhana, que era neto de Otton, era contemporâneo (terceiro primo uma vez removido) de Carlos Magno que foi rei da França do ano 771 até sua morte em 814. Portanto, viveu também aproximadamente na metade do século 8. 3. O comentário afirma que a origem “lendária” do castelo, em meados do século 8, foi quando o rei de Astúrias Alfonso I realizou a primeira repovoação da vila de São Vicente de La Barquera; o rei Alfonso I era casado com Ermesenda Baltes das Astúrias (Emesinda), que era filha do rei Dom Pelájo de Astúrias; Otton de Héristal quando fugiu da Austrasia de Carlos Martel, foi para Astúrias ajudar Dom Pelajo na guerra contra os mouros e, foi sob Dom Pelajo que Otton fundou a Casa e Solar Duque Estrada. 4. O rei Alfonso I era filho de Pedro de Cantábria que era duque de Cantábria. O castelo é localizado em Cantábria; e um descendente do fundador do castelo era João Duque Estrada, que se casou com Dona Branca de Cantábria Tudo, portanto, aconteceu no mesmo período, em meados do século 8 e na mesma região de Cantábria: Será tudo uma grande coincidência? Ainda que o castelo esteja registrado no Ministério do Interior Espanhol sob o nome Castillo de San Vicente de la Barquera, uma das fotos aqui apresentadas é descrita como Castelo Duque Estrada (Duque of Estrada’s Castle): Por que? IR PARA PARTE 2

×