MORTE DE LORD LICHFIELD LIGADA A SEGREDOS DE OCÓDIGO DA VINCI?Enquanto a morte em 11 de novembro 2005 do primo da Rainha d...
about to reveal information about the fabled secret society, the Priory of Sion, referred to in thenovel.Director Bruce Bu...
Contudo, assim que ele tentou desvendar a verdade sobre o Priorado de Sião, ele tropeçou em váriosobstáculos. E, logo após...
Embora Burgess não tenha mencionado em seu filme documentário este corpo de evidência, eleexiste como forma de apoiar a po...
O autor da pintura Les Bergers d’Arcadie (Os Pastores da Arcádia), Nicolas Poussin, vivia emRoma quando em 1656 fora visit...
Mansão Shugborough nos anos de 1820Mansão Shugborough atualmente
Esta modesta residência, adquirida pela família Anson em 1697 e herdada pelo lorde Lichfield, cujomármore em baixo relevo ...
A propósito, por falar na família Cavendish dos duques de Devonshire, na hierarquia da nobrezabritânica, os duques são o m...
Cavendish (ancestral de Diana) e William Cavendish, 4Oduque de Devonshire (ancestral deCharles).William Cavendish, 3ODuque...
Por que mencionei os parentescos entre os Spencer? Porque lendo o livro de David Ickeintitulado The Biggest Secret (O Maio...
abriram, visitantes ficaram surpreendidos. Foi somente depois da comunicação de que asestrelas estavam invertidas, feita p...
Estivesse o diagrama no chão ou no alto sendo lido através do fino papel como menciona oartigo do New York Times, ainda as...
2. Quando a família Vanderbilt tomou conhecimento de que o céu havia sido pintado invertido,eles afirmaram que o céu refle...
César Helleu para tal empreendimento, um artista cuja musa favorita era justamente ConsueloVanderbilt, a ligação entre as ...
MORTE   DE   LORD   LICHFIELD   /  SEGREDOS   DE  O   CÓDIGO   DA   VINCI
MORTE   DE   LORD   LICHFIELD   /  SEGREDOS   DE  O   CÓDIGO   DA   VINCI
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

MORTE DE LORD LICHFIELD / SEGREDOS DE O CÓDIGO DA VINCI

577 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
577
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MORTE DE LORD LICHFIELD / SEGREDOS DE O CÓDIGO DA VINCI

  1. 1. MORTE DE LORD LICHFIELD LIGADA A SEGREDOS DE OCÓDIGO DA VINCI?Enquanto a morte em 11 de novembro 2005 do primo da Rainha da Inglaterra,Thomas Patrick John Anson, 5Oconde de Lichfield, mais conhecido comoLorde Lichfield, foi tida oficialmente como de causas naturais (hemorragiacerebral), Bruce Burgess, em seu documentário de 2008 Bloodline (Linhagem)apresenta uma nova e possível versão para a morte do lorde: a de que elepoderia ter morrido não por causas naturais, e sim, por assassinato por meio deenvenenamento, como forma de evitar apresentação de documentos envolvendosegredos vitais de O Código da Vinci de Dan Brown.É claro que os descrentes da teoria de Dan Brown descartam a priori qualquercoisa relacionada com sua novela como é o caso do comentário que segue:... Burgess também usou o truque de bons efeitos dramáticos com a morte do lorde Lichfield,afirmando que estava prestes a encontrar o lorde para receber importantes informações e,então, o lorde repentinamente morreu.É importante deixar claro que Burgess em nenhum momento afirmou assassinato no caso deLichfield, tão somente abriu a possibilidade para que assim o fosse. Na dúvida, venho aquiapresentar motivos razoáveis para que a versão de assassinato se torne plausível através demotivos históricos irrefutáveis referentes aos antecedentes familiares do lorde e que não forammencionados por Burgess em seu documentário. Segue abaixo resumo de notícia da morte do lordeseguido da tradução da mesma, seguindo-se então a minha exposição de motivos baseada em fatosreais.Lichfield ‘murder’ claim over Da Vinci Code secretsLICHFIELD ‘MURDER’ CLAIM OVER DA VINCI CODE SECRETSWednesday April 23,2008WAS the Queen’s cousin Lord Lichfield (pictured)murdered because he was about to reveal the real lifesecrets of the theories in the best-selling novel The DaVinci Code?The society photographer died in hospital aged 66 of a brainhaemorrhage in 2005 hours after collapsing at a friend’sshooting party in Oxfordshire.Although his death was stated to be from natural causes, evidence unveiled in a new filmdocumentary, Bloodline, suggests Lichfield may have been killed by poisoning because he was
  2. 2. about to reveal information about the fabled secret society, the Priory of Sion, referred to in thenovel.Director Bruce Burgess got wind of the conspiracy theory regarding Lichfield during his three-yearinvestigation into the novel’s claims that Mary Magdalene was Christ’s wife and was pregnant withhis child when he was crucified and had later fled to France.Burgess took on the study after associates told him that much of Dan Brown’s story was true, andthat “a body of evidence” proves the bloodline of Jesus and Mary exists in a tomb beneath a Frenchchurch.But, as he attempted to uncover the truth about the Priory of Sion, he came up against a number ofhurdles. And soon after Lord Lichfield offered to show him “vital” documents that would aid hisresearch, he suddenly died.Burgess states in the film: “A man we were going to meet, Lord Lichfield, died last night at a party.Apparently he died of a cerebral haemorrhage. He was going to show us some papers he hadconnected to the Priory and this whole mystery.”TRADUÇÃO“ASSASSINATO” DE LICHFIELD CREDITADO A SEGREDOS SOBRE OCÓDIGO DA VINCIO primo da Rainha, lorde Lichfield, (na foto) foi assassinado por estar prestes a revelar reaissegredos sobre as teorias da novela best seller O Código Da Vinci?O fotógrafo da sociedade, de 66 anos, morreu em 2005 de hemorragia cerebral no hospital, horasdepois de colapso numa caçada com amigos em Oxforshire.Embora sua morte tenha sido declarada de causas naturais, evidências reveladas em um novo filmedocumentário, Bloodline (Linhagem), sugere que Lichfield pode ter sido assassinado porenvenenamento, porque estava prestes a revelar informações sobre a famosa sociedade secreta, oPriorado de Sião, referido na novela.O diretor Bruce Burgess tomou conhecimento da teoria de conspiração com relação a Lichfielddurante sua investigação de 3 anos sobre as afirmações da novela de que Maria Madalena era aesposa de Cristo e estava grávida quando ele foi crucificado e, depois fugiu para a França.Burgess assumiu o estudo depois que associados lhe disseram que muito da história de Dan Brownera verdade, e que “um corpo de evidência” prova que a linhagem de Jesus e Maria existe em umatumba sob uma igreja francesa.
  3. 3. Contudo, assim que ele tentou desvendar a verdade sobre o Priorado de Sião, ele tropeçou em váriosobstáculos. E, logo após lorde Lichfield oferecer apresentar-lhe documentos “vitais” que ajudariamem sua pesquisa, Lichfield repentinamente morreu.Burgess declara em seu filme: “Um homem com quem iríamos encontrar, lorde Lichfield, morreu nanoite passada. Aparentemente ele morreu de hemorragia cerebral. Ele iria nos apresentar algunsdocumentos que possuía e que conectavam o Priorado com todo este mistério.” (O comentário naíntegra pode ser lido no link: http://www.express.co.uk/posts/view/42203/Lichfield-murder-claim-over-Da-Vinci-Code-secretsOS MOTIVOSÉ sabido que a novela de Dan Brown é baseada no livro O Santo Graal e a Linhagem Sagrada que,por sua vez, foi inspirado em um mistério acontecido na região do Languedoc, sul da França, maisprecisamente no vilarejo Rennes-le-Chateau. Este mistério teve como protagonista o abade BèrengerSaunière, pároco da igreja de Rennes.Por sua vez, o mistério do pároco é fortemente baseado em uma pintura de Nicolas Poussin,intitulado Les Berger D’Arcadie (Os Pastores da Arcádia) apresentado abaixo, que atualmenteencontra-se no museu do Louvre. Nesta segunda versão da pintura, há uma inscrição latinaenigmática, Et in arcádia ego... Segundo pensa-se, e muitos desacreditam, tanto o quadro quantoesta inscrição encerram informação criptográfica sobre a base do segredo de Saunière e que tornou-se inspiração para o livro, para o filme, e, na esteira destes, para muitos outros trabalhos incluindo oBloodline (Linhagem) de Burgess.Apesar de muitas refutações sobre a veracidade do mistério sobre pároco Saunière, existe um corpode evidências que não pode ser contestado e que está relacionado com a pintura acima de Poussin.Et in Arcadia Ego de Nicolas Poussin (segunda versão)Museu do Louvre, Paris
  4. 4. Embora Burgess não tenha mencionado em seu filme documentário este corpo de evidência, eleexiste como forma de apoiar a possibilidade de assassinato de Lichfield como Burgess afirma. Estaevidência é uma peça misteriosa do quebra-cabeça de Rennes-le Chateau e se situa na Grã-Bretanha,em Staffordshiere.Como nos conta O Santo Graal e a Linhagem Sagrada, “quando Charles Radclyfe, suposto grão-mestre do Sinai, escapou da prisão de Newgate em 1714, ele foi ajudado por seu primo, o conde deLichfield. Mais tarde, no mesmo século, a linhagem do conde de Lichfield se extinguiu e seu títuloentrou em declínio. Ele foi comprado no início do século XIX por descendentes da família Anson,cujos membros são atualmente condes de Lichfield”.Dentre os descendentes da família Anson na época da morte de Lichfield, um deles era o primo deSua Majestade, Thomas Patrick John Anson, 5Oconde de Lichfield; isto mesmo, o próprio condeque supostamente entregaria os documentos vitais ao produtor do filme, Bruce Burguess.O 5Oconde de Lichfield, Thomas Patrick John Anson, era filho de Anne Ferelith Fenella BowesLyon, que era filha de John Herbert Bowes Lyon, que era filho de Claude George Bowes Lyon eNina Cecilia Cavendish Bentinck. Estes, Claude George e Nina Cecília eram também os pais deElizabeth Angela Marguerite Bowes Lyon, a Rainha Mãe, esposa do Rei da Inglaterra George VI.Isto coloca Lichfield como primo de Sua Majestade, a Rainha Elizabeth II e também comodescendente da família Cavendish que voltará a ser mencionada.Claude George Bowes Lyon, 14Oconde de Strathmore e KinghomeNina Cecilia Cavendish Bentinck, condessa de StrathmoreLady Elizabeth Angela Marguerite Bowes-Lyon John Herbert "Jock" Bowes-LyonA Rainha Mãe Honorável Fenella Hepburn-Stuart-Forbes-TrefusisGeorge VI, Rei da InglaterraElizabeth Alexandra Mary de Windsor, Rainha da Inglaterra Anne Ferelith Fenella Bowes-Lyon,Príncipe Philip Mountbatten, duque de Edimburgo Princesa da DinamarcaThomas William Arnold Anson,Viscount AnsonCharles Philip Arthur George, príncipe de Gales(1) Diana Frances Spencer(2) Camilla Parker Bowles Thomas Patrick John Anson, 5Oconde LichfieldPrimos 2OPrimos 1O, uma vez removidos
  5. 5. O autor da pintura Les Bergers d’Arcadie (Os Pastores da Arcádia), Nicolas Poussin, vivia emRoma quando em 1656 fora visitado pelo abade Louis Fouquet, irmão de Nicolas Fouquet,superintendente das finanças do rei da França, Luís XIV. De Roma o abade Fouquet enviara umacarta a seu irmão superintendente do Rei. Parte da carta afirma:Nós discutimos [com Poussin] certas coisas que devo sem óbice ser capaz de explicar-lhe emdetalhes – coisas que lhe darão, através do Senhor Poussin, vantagens que mesmo reis teriamdificuldades em obter e que, segundo ele, é possível que ninguém mais venha a redescobrirnos próximos séculos. São coisas tão difíceis de descobrir que nada sobre a Terra, hoje, podesignificar melhor ou igual fortuna.1Nicolas Fouquet, em 1653, havia se tornado o superintendente de finanças do rei Luís XIV, e, nosanos que se seguiram se tornou a pessoa mais rica e poderosa da França além do inimigo maispoderoso do cardeal Mazarin, o primeiro-ministro de Luís XIV e sucessor do seu mentor, o cardealRichelieu. Logo após o recebimento da carta, o superintendente fora detido sem explicação algumasofrendo prisão perpétua em isolamento total e sem instrumentos de escrita que lhe foram proibidos.Todos os soldados que falaram com ele foram presos ou enforcados.Durante os anos que se seguiram Luís XIV tentou com insistência, através de seus agentes, obter apintura de Poussin que finalmente conseguiu em 1685, após o que, a pintura não foi exposta nemmesmo na residência real, permanecendo guardada nos apartamentos privados do rei onde ninguémpodia vê-lo sem autorização do rei.Curiosamente, esta pintura de Poussin, de história extremamente bizarra, que se encontra hoje noLouvre, possui uma réplica em baixo-relevo como imagem especular (invertida) num mármore damansão Shugborough em Staffordshire, Inglaterra, justamente a mansão herdada pelo fotógrafoconhecido por lorde Lichfield, o primo da Rainha, Thomas Patrick John Anson, 5Oconde deLichfield. E isto não é tudo, nesta réplica em imagem especular existe uma misteriosa inscrição quejamais foi decifrada: O. U. O. S. V. A. V. V.1Lépinois, Eugène de Buchère de; Montaiglon, Anatole de; artigo intitulado Nicolas Poussin.Lettres de Louis Fouquet à son frère Nicolas Fouquet (1655-1656), Archives de lart français (Paris,France : 1851) 22 cm. 2. sér., t. 2, p. [267]-309.
  6. 6. Mansão Shugborough nos anos de 1820Mansão Shugborough atualmente
  7. 7. Esta modesta residência, adquirida pela família Anson em 1697 e herdada pelo lorde Lichfield, cujomármore em baixo relevo fora executado a pedido da família Anson entre 1761 e 1767, serviu demoradia para o irmão do famoso almirante que circunavegou o globo, George Anson. Quando estemorreu, em 1762, segundo O Santo Graal e a Linhagem Sagrada, um poema elegíaco foi lido noparlamento britânico no qual um trecho dizia:Sobre aquele histórico mármore lança teu olho.A cena comanda um suspiro moralizador.Nos abençoados vales elísios da Arcadia,Entre sorridentes ninfas e cisnes esportivos,Veja evanescer o gozo festivo, com liquescente graça,E a piedade visita a face esboçando um sorriso;Onde agora a dança, a luta, a festa nupcial,A paixão pulsando no peito do amante,Emblema da vida aqui, juventude e primavera,Mas o dedo da razão apontando para a tumba.E os autores de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada comentam: “Parece uma alusão explícita aoquadro de Poussin e à inscrição Et in Arcadia Ego – até o ‘dedo apontando para a tumba’”.Mais curioso que a evidência descrita e que abre espaço para o possível assassinato do lordeLichfield, devido ao possível conhecimento de segredos vitais da pintura de Nicolas Poussin herdadode sua família em conexão com O Código da Vinci de Dan Brown, é o destino da primeira versão dapintura de Poussin com a mesma inscrição Et in Arcadia Ego que encontra-se hoje na mansãoChatsworth, de propriedade da família Cavendish onde se assenta o duque de Devonshire.Lembremo-nos que a família Cavendish é também, como foi afirmado anteriormente, ancestral dolorde Lichfield.Et in Arcadia Ego de Nicolas Poussin (primeira versão;notem também uma pastora e três pastores, um dos quaisapontando para a inscrição da tumba.)
  8. 8. A propósito, por falar na família Cavendish dos duques de Devonshire, na hierarquia da nobrezabritânica, os duques são o mais alto nível na realeza, estando em segundo lugar somente por causa daprópria monarquia. O duque de Devonshire está no centro das famílias interligadas dos Cecil,Salisbury e McMillan, que dirigem a política britânica desde a rainha Elizabeth I (1558-1603).Por outro lado, os Spencer – família da qual a princesa Diana Frances Spencer pertencia – sãotambém uma família de linhagem da elite. Eles são primos dos Spencer-Churchill e primos dafamília Malborough do palácio Blenheim em Oxfordshire, onde Winston Churchill nasceu. Afamília Spencer herdou uma fortuna considerável de Sarah, duquesa de Malborough. Eles também secasaram com a família Cavendish, dos duques de Devonshire da casa Chatsworth, e este ramotornou-se conhecido como Spencer-Cavendish. Diana compartilhou ancestrais comuns com opríncipe Charles através do terceiro duque de Devonshire. Charles e Diana são primos por diferenteslinhas, entretanto, a mais próxima é a de sétimos primos uma vez removidos: eles são descendentesdo 3Oduque de Devonshire, William Cavendish por intermédio dos filhos deste, Lady ElizabethMansão Chatsworth, propriedade da família Cavendish e assento do duque de Devonshire.
  9. 9. Cavendish (ancestral de Diana) e William Cavendish, 4Oduque de Devonshire (ancestral deCharles).William Cavendish, 3ODuque de DevonshireCatherine Hoskins| |Lady Elizabeth Cavendish William Cavendish, 4ODuque de DevonshireJohn Ponsonby Charlotte Elizabeth Boyle| |William Barbazon (Brabazon) Ponsonby Lady Dorothy Cavendish, 1750 – 1794Louisa Molesworth William Henry Bentinck, 3ODuque de Portland,| 1736 – 1809; P.M.; K.G.;Mary Elizabeth Ponsonby |Charles Grey, 2OConde Grey, Primeiro Lorde do Lorde William Charles Augustus Cavendish-Tesouro, 1764? – 1845; K.G. (Knight of Order of Bentinck, 1780 – 1826; Tenente-coronelthe Garter) Anne Wellesley, 1788 – 1875| |Lady Elizabeth Grey Reverendo Charles William FrederickJohn Crocker Bulteel, 1793? – 1843 Cavendish-Bentinck, 1817 – 1865| Caroline Louisa Burnaby, 1833 – 1918Louisa Emily Charlotte Bulteel, 1839 – 1892 |Edward Charles Baring, Primeiro Barão Nina Cecilia Cavendish-Bentinck, 1862 - 1938Revelstoke, 1828 – 1897 Claude George Bowes-Lyon, 14OConde de| Strathmore & Kinghorne , 1855 - 1944; K.G.Honorável Margaret Baring |Charles Robert 6OConde Spencer, Lady Elizabeth Angela Marguerite Bowes-1857 - 1922; K.G. Lyon, 1900 – 2002; Rainha Mãe da Inglaterra; K.G.| (Albert Frederick Arthur) George VI Windsor,Albert Edward John, 7oConde Spencer Rei da Inglaterra, 1895 – 1952Lady Cynthia Elinor Beatrix Hamilton, |1897 - 1972; D.C.V.O. (Dame Commander Elizabeth II Alexandra Mary Windsor, Rainha daof the Royal Victorian Order) Inglaterra, 1926; Rainha do Reino Unido da| Grã-BretanhaEdward John 8oConde Spencer, Honorável Philip Mountbatten, Príncipe da Grécia &Frances Ruth Burke, Roche, 1936 - 2004 Dinamarca, Duque de Edinburgh, 1921; K.G.| |Lady Diana Frances Spencer, Charles Philip Arthur George Windsor,24/1/1961 - 31/8/1997 Príncipe de Gales, 1948Príncipe William
  10. 10. Por que mencionei os parentescos entre os Spencer? Porque lendo o livro de David Ickeintitulado The Biggest Secret (O Maior Segredo), encontrei um comentário deste autordizendo que é amigo de uma pessoa que também era muito amigo da princesa Diana oqual lhe contara que Diana, freqüentemente, telefonava à pessoas de telefones públicos,particularmente de uma loja de departamentos em Kensingston, quando queriaassegurar-se que não interviriam na conversação (grampos). Ele comentou que Dianadisse para esse amigo que tinha algo para revelar que sacudiria o mundo e queria seuconselho sobre como fazê-lo melhor. Ele não revelara o que ela lhe disse, mas quandocomentou de seu conhecimento da conexão dos Windsor ao tráfico de drogas mundial, aprincesa disse: “Oh, não, é muito pior que isso”.O que poderia sacudir o mundo e ser muito pior que o tráfico mundial de drogas? E sefor este realmente o caso, a princesa Diana pode muito bem ter sido assassinada paraevitar tal revelação bombástica da mesma forma que a possibilidade levantada porBurgess de assassinato do primo da Rainha, lorde Lichfield. Mas o que poderia ligar a princesaDiana com o lorde Lichfield?Pensando sobre a curiosa inversão da pintura de Poussin no mármore do saguão da mansãoShughborough em Stafordshire herdada pelo primo da Rainha, lorde Lichfield, é natural concluir-seque o lorde deva ter herdado também o segredo contido nesta inversão. Foi pensando sobre isto queeu descobri um outro mistério tido como insolúvel e que algumas pessoas tentam solucionar comexplicações banais. Na principal entrada da Grand Central Terminal em Nova York há um grandemural astronômico cujo design pertence ao pintor francês Paul César Helleu. Abrangendo cerca de7.400 metros quadrados da entrada principal, esta pintura extraordinária apresenta o céu doMediterrâneo com o zodíaco e 2500 estrelas. Contudo, se olharmos detidamente, existe um mistérioinsolúvel envolvendo este mural. Sobre o mistério deste mural um artigo de 1995 de Jesse Mckinleyno New York Times comenta:As estrelas na entrada do terminal que foram tidas por serem precisas o bastante para ensinarcrianças de escola sobre o firmamento, são de fato invertidas norte por sul, com exceção daconstelação de Orion. A maneira que elas foram colocadas assim são matéria de considerávelespeculação, de acordo com um relatório de 1994 por Deborah Rau sobre a história do teto.Em primeiro lugar, a existência das estrelas, escreve a Sra. Rau, foi mais uma questão de faltade dinheiro do que design estético. Planos originais para o terminal, inaugurado meia-noite de2 de fevereiro de 1913, pedia uma clarabóia no teto para prover luz natural para os viajantes.Quando o tempo e dinheiro começaram a se esgotar, o teto suspenso foi completado semclarabóia enquanto os projetistas pensavam em como decorá-lo. O arquiteto Whitney Warrenteve a idéia das estrelas e contratou os serviços do artista francês Paul Helleu para desenhar asconstelações e luzes que as acompanhavam para emular o céu noturno enquanto a pintura baseera azul da cor do céu para representar o céu diurno. A paisagem das estrelas foi baseada emum esquema do professor de astronomia da Universidade de Colúmbia, Harold Jacoby, e erasupostamente precisa abaixo da linha equatorial em dourado. De fato, quando as portas se
  11. 11. abriram, visitantes ficaram surpreendidos. Foi somente depois da comunicação de que asestrelas estavam invertidas, feita por um viajante anônimo um mês depois que as teoriascomeçaram a aparecer. Um embaraçado professor Jacoby acusou o artista que pintou asestrelas, seu amigo australiano Charles Basing, de ter colocado o diagrama aos seus pésenquanto pintava, ao invés de olhar através do fino papel do desenho. Outros rumoressugeriram que o desenho invertido foi derivado de um diagrama medieval, no qual aperspectiva era de Deus, oposta a perspectiva dos homens. A mais clara e irreverenteexplicação pode ter vindo de Charles Gulbrandsen, que trabalhou como assistente no trabalhooriginal e foi empregado para repintar as estrelas, de novo incorretamente, em 1944. “Asconstelações estão no norte. Deveriam estar no sul. O teto é decoração, não um mapa,” disse oSr. Gulbrandsen em 1944.Abaixo está a foto do mural do teto da entrada do Grand Central Terminal de Nova York:No artigo do New York Times, Jesse Mckinley, na parte intitulada Complications, afirma noitem número 4 (Complications # 4):Leste Oeste
  12. 12. Estivesse o diagrama no chão ou no alto sendo lido através do fino papel como menciona oartigo do New York Times, ainda assim não explica o motivo da inversão. Tanto olhando odiagrama para baixo ou segurando-o no alto para vê-lo através do fino papel, ele ainda estarána direção que foi desenhado. Ainda que o diagrama tenha sido invertido e as constelaçõestenham sido desenhadas na linha do equador, Câncer deveria ter sido colocado onde Aquárioestá, no lado Leste, e Aquário no lado Oeste. Assim sendo, a teoria da posição do diagramamencionada falha.A carta celeste abaixo (Atlas Celeste – Ronaldo Rogério de Freitas Mourão) representa o aspecto docéu para um observador voltado para o norte, quando então o leste está à direita e o Oeste àesquerda. Convém lembrar que as estrelas nascem a Leste e se põem a Oeste. No caso da cartaabaixo, as estrelas, no decorrer das observações, deslocam-se do lado direito para o esquerdo pois oobservador está voltado para o Norte.Como o lado esquerdo da pintura do teto da Grand Central Terminal apresentada anteriormente estávoltada para o Leste, é ali, no Leste, que deveria se encontrar a constelação de Câncer, da mesmaforma que na carta celeste acima.Qual então o motivo real da inversão do mural astronômico da Grand Central Terminal de NovaYork? Duas das explicações banais para esta inversão do mural são:1. A mais comum é a de que a imagem foi invertida simplesmente por acidente;
  13. 13. 2. Quando a família Vanderbilt tomou conhecimento de que o céu havia sido pintado invertido,eles afirmaram que o céu refletia a visão de Deus do céu, e não a dos homens, ou seja, que océu estava sendo visto por Deus de fora do universo.E daí? Qual a ligação entre a pintura de Nicolas Poussin invertida no mármore da mansão herdadapor Lichfield e a inversão do mural astronômico da GCT de NY? E o que a família Vanderbilt tem aver com estas inversões?Ora, a paisagem das estrelas do mural foi baseada em um esquema do professor de astronomia daUniversidade de Colúmbia, Harold Jacoby, o artista que pintou as estrelas foi um amigo de Jacoby, oaustraliano Charles Basing e o arquiteto da Grand Central Terminal Whitney Warren, que, por suavez, contratou os serviços do artista francês Paul Helleu para desenhar as constelações. A perguntaque deve ser feita aqui é: se eles já tinham o arquiteto, se já tinham um professor de astronomiaresponsável pela paisagem das estrelas do mural e se já tinham o artista que pintou as estrelas, porque o arquiteto contratou os serviços do artista francês Paul Helleu? O elo de ligação é a rica famíliaVanderbilt do império ferroviário norte-americano do século 19, mais precisamente o fundador doimpério, Cornelius Vanderbilt, e é aqui que os pontos da teia se unem.Cornelius Vanderbilt adquiriu controle sobre a New York CentralRailroad em 1867 e construiu entre 1903 e 1913 a estação ferroviáriaque leva o nome desta ferrovia. Cornelius era pai de William HenryVanderbilt, que era pai de William Kissam Vanderbilt, que era paide Consuelo Vanderbilt. Consuelo casou-se em 1895, com CharlesSpencer-Churchill, 9ODuque de Marlborough, tornando-se duquesade Marlborough. Por outro lado, Paul Helleu, dentre outrasatividades na área artística era pintor de retratos de elegantesmulheres da elite da sociedade parisiense, arte pela qual ele é maislembrado atualmente. Dentre essas mulheres uma de suas favoritasmusas era justamente a duquesa de Marlborough, ConsueloVanderbilt.Examinando-se todo este quadro só podemos chegar a umaconclusão plausível: Paul Helleu era totalmente dispensável para a realização do mural no teto doGrand Central Terminal. Por que ele foi contratado? Para fazer justamente o que fez, inverter asconstelações da mesma forma que a imagem invertida no mármore da mansão herdada pelo lordeLichfield. Levando-se em conta que Cornelius Vanderbilt não era o tipo de homem que lhe faltassemrecursos, ao contrário, possuía uma das maiores fortunas americanas na época, eu duvido que omural tenha sido, como alguns afirmam, uma alternativa para a falta de recursos para a construçãoda clarabóia.Evidentemente, Vanderbilt não podia pedir ou ordenar para qualquer das pessoas envolvidas na artedo mural que as constelações fossem invertidas. A única saída foi usar uma pessoa intermediáriapara tal função; e esta pessoa, ainda que não conhecesse o segredo da inversão, deveria ser umapessoa conhecedora do assunto, uma pessoa com ligações com os Spencer, com os Spencer-Churchill (duques de Malborough), com os Cavendish (duques de Devonshire), com os Spencer-Cavendish, com os Cavendish-Bentinck e que fosse também artista. Existia pessoa melhor que PaulA Duquesa de Marlborough,c. 1903, por Paul César Helleu
  14. 14. César Helleu para tal empreendimento, um artista cuja musa favorita era justamente ConsueloVanderbilt, a ligação entre as duas célebres famílias, Vanderbilt e Spencer-Churchill?Ainda que o possível assassinato do lorde Lichfield seja somente uma especulação de Burgess, éuma ótima especulação. E nesta especulação pode-se acrescentar a morte da princesa Diana quepode muito bem ter sido assassinada por ter tomado conhecimento do mesmo segredo detido porLichfield pois é inaceitável que o lorde tenha herdado a mansão sem conhecimento do segredoenvolvendo o mármore com a inversão mandada fazer por seu ancestral Anson da pintura LesBergers d’Arcadie (Et in Arcádia Ego).Somente como exercício mental eu tentei encontrar o significado da misteriosa inscrição contida nomármore da mansão Shughborough, relembrando O.U.O.S.V.A.V.V.Bletchley Park, também conhecido como Station X é o nome de uma antiga instalação militarsecreta localizada na cidade de Bletchley em Buckinghamshire, Inglaterra, 80 km norte de Londres,na qual se realizaram os trabalhos de decifração de códigos alemães durante a Segunda GuerraMundial. Os especialistas matemáticos de lá afirmam que é impossível decifrar a misteriosainscrição pela insuficiente quantidade de letras. Contudo eles também informam que ajudaria muitose ao menos o contexto desta inscrição fosse conhecido. Partindo dessa premissa e baseando-me emdeterminado contexto, eu encontrei a seguinte possível solução:Our Universe Our Sun Virtually Are Vice-Versa

×