A história de Jesus Cristo foi fabricada para pacificar
os pobres, afirma controverso erudito bíblico.

O cristianismo foi...
Na conferência Covert Messiah a ser realizada no Conway Hall em Holborn, o Sr. Atwill
apresentará sua teoria de que o Novo...
Estas teorias normalmente incluem a sugestão de que sociedades secretas, escolas de mistério e
outras religiões usaram a h...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

JESUS, HISTÓRIA FABRICADA

421 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
421
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

JESUS, HISTÓRIA FABRICADA

  1. 1. A história de Jesus Cristo foi fabricada para pacificar os pobres, afirma controverso erudito bíblico. O cristianismo foi um sofisticado exercício de propaganda governamental usado para pacificar os súditos do Império Romano, afirma erudito. Um controverso erudito bíblico americano está pronto para fazer sua primeira aparição na semana que vem em Londres para apresentar uma descoberta que ele afirma provar que a história de Jesus Cristo foi inventada como sistema de controle mental para escravizar os pobres. Joseph Atwill, autor do livro intitulado Caesar's Messiah: The Roman Conspiracy to Invent Jesus (O Messias de Cesar: A Conspiração Romana para Inventar Jesus), afirma que o cristianismo não começou como religião, mas foi na realidade um sofisticado exercício de propaganda governamental usado para pacificar os súditos do Império Romano.
  2. 2. Na conferência Covert Messiah a ser realizada no Conway Hall em Holborn, o Sr. Atwill apresentará sua teoria de que o Novo Testamento foi escrito por aristocratas romanos do primeiro século e que eles fabricaram inteiramente a história de Jesus Cristo. O Sr. Atwill afirma que atos de insurreição por Judeus os quais esperavam a vinda do assim chamado “Messias guerreiro” na Palestina, era um problema perpétuo para o Império Romano e depois de o Império exaurir todos os métodos tradicionais para lidar com este problema eles recorreram para a guerra psicológica. “Eles se deram conta de que a maneira de parar com a fervorosa atividade mossionária judaica seria criar um sistema de crença competitivo” disse Atwill. “Foi quando a história do pacífico Messias foi inventada. Ao contrário de fomentar guerra, este Messias estimulou o pacifismo de dar o outro lado da face e encorajou os judeus a dar a César o que é de César e pagar as taxas a Roma”. O Sr. Atwill continua: Ainda que o cristianismo seja um conforto para alguns, ele também pode ser muito danoso e repressivo, uma insidiosa forma de controle de mente que levou a uma cega aceitação de servidão, pobreza e guerra através da história. Até hoje, especialmente nos Estados Unidos, é usado para gerar suporte para a guerra no Oriente Médio. Em outro lugar o Sr. Atwill também escreve: “De fato, Jesus é o único personagem fictício da literatura cuja vida inteira pode ser traçada em outras fontes. Assim que essas outras fontes são desnudadas, nada é esquecido. Atwill afirma que fez suas descobertas quando estudando o Novo Testamento comparando com Guerra dos Judeus de Josephus – o único registro de primeira mão histórico da Judéia do primeiro século. O Sr. Atwill afirma que começou a verificar uma sequência de paralelos entre os dois textos. “O que parece ter iludido muitos eruditos é que a sequência de eventos e localidades do ministério de Jesus são mais ou menos os mesmos da sequência de eventos e localidades da campanha militar do Imperador Titus Flavius como descrito por Josephus”, Atwill afirma. “Isto é uma clara evidência de um padrão de construção deliberado”, afirma ele. “A biografia de Jesus é na realidade construída, de cabo a rabo, em histórias anteriores, mas especialmente na biografia do César Romano”. A teoria do Sr. Atwill é simplesmente uma de muitas outras conhecidas como teorias de conspiração bíblica
  3. 3. Estas teorias normalmente incluem a sugestão de que sociedades secretas, escolas de mistério e outras religiões usaram a história fictícia de Cristo para unificar o Império Romano em uma única religião de Estado.

×