SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
FONTE:
LÜCK, Heloísa. O desenvolvimento de redes escolares. Revista Gestão em
Rede, nº 23, set/ 2000, p. 18-21.



              O DESENVOLVIMENTO DE REDES ESCOLARES


                                           Heloísa Lück
                       CEDHAP – Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado



       O presente artigo tem por objetivo apresentar as bases para o
desenvolvimento de redes de gestão entre escolas, como estratégia fundamental
para que possam não apenas apoiar-se reciprocamente, na realização de seus
objetivos    educacionais,    como     também      possam      desenvolver-se
organizacionalmente, transformando continuamente suas práticas, condição
fundamental para responder às constantes necessidades de adaptação à
evolução do ambiente sócio-econômico- cultural.

        São analisadas mudanças no mundo das organizações, que estabelecem
as redes como necessárias, assim como pressupostos e princípios orientadores
do estabelecimento dessas redes. Os gestores escolares, ao defrontarem-se com
novos desafios à sustentabilidade de suas escolas e desenvolvimento da
qualidade do seu ensino, em vez de se voltarem para dentro de suas
organizações, como estratégia para para esse enfrentamento, devem voltarem-se
para o meio ambiente, que também se defronta com os mesmos desafios. Essa
estratégia depende, no entanto, para seu sucesso, da prática de uma cultura de
rede, que pressupõe um contínuo intercâmbio e interrelação, para o
desenvolvimento de um dieário conjunto. Estas quastões são analisadas neste
artigo.

O mundo em transformação demanda a formação de redes

       Até há bem pouco tempo, uma organização de sucesso era aquela que,
fechada em si mesma, procurava preservar e perpetuar seus padrões de
qualidade, de modo individual e zeloso. Tal modelo de organização funcionou
bem durante décadas, quando havia muito mais estabilidade e verticalização na
sociedade.

       O isolamento, o hermetismo, a conservação e a preservação de padrões
de administração constituiam-se em modus operandi comum. As organizações
tinham reserva de mercado, eram protegidas da competição, pela tradição e
espírito de lealdade construídos ao longo do tempo e podiam sobreviver
tranqüilamente, sem mudar seus padrões de funcionamento. Isto é, podiam ser
conservadoras, não se importando muito com o que acontecia ao seu redor.
Os tempos porém mudaram. Mudaram os paradigmas, alteraram-se as
demandas sobre as organizações, exigindo delas uma mudança de posturas e
de práticas. Peter Drucker, um dos maiores teóricos da administração de
empresas dos nossos tempos, afirma que tudo que deu certo até agora, está
fadado ao fracasso no novo contexto das empresas, orientado pela dinâmica, pela
tecnologia e pelo conhecimento e pela agregação de valor, como uma condição
de sobrevivência.

        O estabelecimento de redes e de parcerias passa a constituir-se em uma
necessidade. Organizações que eram competidoras entre si reconhecem que seu
isolamento é muito mais um problema do que uma solução. Precisam associar-se,
não apenas para sobreviver, mas para também desenvolver-se. Assim é que se
registram histórias diversas de sucesso entre empresas que se associaram.
Quando os problemas são comuns a todos, não faz sentido isolar-se na busca de
sua solução, para ver quem resolve primeiro, nem melhor. Iso porque, problemas
são uma constante, são recorrentes, cada vez mais complexos e exigindo maior
sofisticação; a duplicação de esforços e a lógica de reinventar a roda apenas
provoca aumento de custo, retardamento e enfreaquecimento de resultados.

       As organizações educacionais não podem ser diferentes das demais. Os
desafios de desenvolvimento e de gestão para esse fim são os mesmos, embora
os objetivos específicos do seu trabalho sejam diferentes.

       Assim é que as escolas, ou se associam, formando uma rede de apoio
mútuo para enfrentarem os novos desafios e alcançarem um crescimento
conjunto, ou correm o risco de perderem espaço e de passarem por sérios
problemas de sustentação. Isolado ninguém sobrevive, num mundo em
globalização. A sociedade está cada vez mais exigente sobre os resultados
educacionais. Por outro lado, os seus processos estão se tornando cada vez mais
complexos, tendo em vista uma série de fatores, como o stress social que
repercute nas famílias, nas crianças, nos profissionais da educação. A formação
profissional, a inovação dos mecanismos de gestão, a dinamização do currículo
escolar, o marketing institucional, a relação família-escola, estas são algumas
das questões sobre as quais os estabelecimentos de ensino podem, com muito
proveito cooperar.

      “A sinergia é um elemento muito importante para o desenvolvimento. É
      difícil manter o entusiasmo sozinhos. É preciso conversar, trocar idéias e
      construir, em conjunto, condições para que o nosso ensino seja atraente
      para os jovens de hoje”.


O significado de rede

       A concepção de rede corresponde a uma nova metáfora iluminadora da
realidade, que procura apreender as relações características entre elementos,
atores, ambientes e cenários que a constituem. Essa metáfora faz parte de um
conjunto de novas concepções sobre a realidade, ao qual estão associados
conceitos como ecologia, interdisciplinaridade e a própria gestão. A idéia de rede
tem como pano de fundo a compreensão da realidade como um sistema, no qual
todos os elementos estão interligados, de maneira que o que acontece em um
elemento do sistema, afeta a todos os demais elemento que o compõem.

      Trata-se não de uma estratégia ou de uma solução técnica a problemas de
gestão, mas sim de uma concepção maior e mais profunda, que emana de um
novo paradigma, uma nova concepção de mundo, uma nova epistemologia pela
qual se compreende a realidade e se age sobre ela. Diz respeito a um novo
norteamento de ações que se traduzem em todos os âmbitos e áreas de
atuação. Através dele, busca-se não apenas a maior eficácia e eficiência em
ações, mas sobretudo, a transformação de práticas para transformar instituições,
de modo a tornarem-se mais plenas e autênticas no empreendimento humano
que desenvolvem.


Pressupostos que embasam as ações em rede

       É importante compreender os pressupostos que sustentam a idéia de rede,
de modo que, ao se procurar construí-la, fazê-lo de modo mais adequado e
efetivo. Podem ser citados como sustentadores da idéia de rede:

      O reconhecimento de que, na realidade, todos os elementos são
      interligados, funcionando em cadeia, fazendo parte de um sistema, uma
      vez que nada é isolado.

      A compreensão de que a proatividade e a ótica do ganha-ganha é
      produtiva, enquanto que a reatividade e a ótica do perde-ganha é
      negativa, por promover o enfraquecimento geral do sistema.

      A realidade social é construída socialmente, mediante a interação dos
      agentes sociais que a compõem.

      As transformações das organizações e das pessoas ocorre a partir da
      interação sinérgica entre elas.


A constituição de parcerias e a formação de rede

        Comumente, quando se fala em redes, fala-se também em parcerias.
Parcerias e redes são dois conceitos comuns que estão mobilizando a atenção
das organizações. Muitas vezes, eles são tomados como similares. Mas têm
significado e alcance diferente, que vale a pena analisar. Torna-se necessário
esclarecer o significado desses conceitos, de modo a, pela sua clareza, tirar
melhor proveito das ações por eles orientadas.
A parceria diz respeito à associação que as organizações estabelecem
entre si, com o objetivo de se apoiarem reciprocamente, e tirarem vantagem
dessa associação. Por exemplo, um colégio de ensino fundamental e pré-escolas
podem fazer parcerias pelas quais, a pré-escola compromete-se a encaminhar
alunos de suas escolas, para estudarem no colégio de ensino fundamental, em
troca de orientação pedagógica para seus professores, de alguma forma de
marketing e consultoria periódica. Ambas as escolas ganham alguma coisa, mas
não se transformam, mantendo um certo distanciamento entre si, preservando a
sua individualidade. Eventualmente, podem romper a parceria a qualquer
momento, uma vez que sintam que seus interesses não estão sendo atendidos
com a associação. Os seus vínculos tendem a ser formais e superficiais, uma vez
que centrados em ações específicas.

       As parcerias são feitas com número fechado de parceiros, mediante
contratos em que são estabelecidos os objetivos e os resultados pretendidos de
parte a parte. Cada uma das organizações tem seus objetivos específicos,
diferentes da(s) outra(s).

       Uma forma de parceria mais ou menos rápida e eventual é a do
“benchmarking”, ou apoio recíproco na busca de referências positivas para a
realização de seu trabalho. Buscam-se em outros colégios práticas promissoras,
cuja metodologia esses colégios disponibilizam e dão a conhecer. Por exemplo,
um colégio que teve sucesso com a realização de maratonas intelectuais com os
seus alunos e com essa prática aumentou a motivação e o comprometimento
deles para os estudos, disponibiliza informações e orientações sobre essa prática.
Em troca, poderá receber, mesmo de outro colégio, informações sobre programa
de estreitamento da relação escola – pais.

      Parcerias podem ser formadas a partir do objetivo de realizar capactiação
de seus profissionais em conjunto, de modo a maximizar recursos. Para uma
escola pode ser muito caro e impraticável contratar um curso para um número
pequeno de seus profissionais, porém, juntando-os com os de outra escola,
poderão ter a possibilidade de organização e sustento de tal cusro, como também
a vantagem da troca de experiências entre os profissionais, estratégia que é muito
enriquecedora profissionalmente.

       A rede, por sua vez, diz respeito à intercomunicação constante entre
organizações e profissionais, que comungam dos mesmos propósitos e ideais,
no sentido de construirem em conjunto uma ação social, em vista do que estão
continuamente torcando idéias a respeito de como podem se apoiar
reciprocamente para realizarem os objetivos comuns.

       As redes são abertas e dinâmicas. São iniciadas a partir do
reconhecimento de propósitos e do entendimento comum de que querem juntos
alcançar uma transformação e se propõem a apoiar-se reciprocamente na
realização desses objetivos. Portanto, não são pontuais, eventuais e
estabelecidas a partir de interesses conservadores e limitados.
Princípios para o funcionamento de redes

       Não basta, no entanto, o estabelecimento de objetivos e propósitos
comuns, para se construir a rede. Torna-se necessário que se dedique
continuamente e com atenção especial, ao seu funcionamento. A rede só existe
pela ação constante de comunicação, associação, intercâmbio e reforço recíproco
que fazem entre si as partes componentes das redes, no sentido de sustentar,
alimentar e promover o seu ideário comum.

      A seguir são lembrados alguns princípios importantes a serem assumidos
para sua efetivação.

      Identificação, por parte dos estabelecimentos de ensino, de que fazem
      parte de um sistema, pelo reconhecimento de que o que acontece em um,
      afeta os demais e o conjunto todo.

      Reconhecimento de igual valor              entre todos os colégios,
      independendentemente de seu tamanho, tempo de existência e
      localização, de modo a se evitar a concepção de hierarquia entre eles.

      Aproveitamento das riquezas, valores e experiências recíprocas, que são
      importantes, do ponto de vista cultural, idependentemente de sua
      localização e abrangência.

      Identificação de necessidades comuns, de caráter construtivo e
      estratégico, como elemento concreto de manutenção do ideário de rede.

      Estabelecimento de um compromisso conjunto para o atendimento dessa
      necessidades e cultivo de entusiasmo e práticas de intercâmbio e
      reciprocidade.


Estratégias

   1. Realização de projetos especiais de desenvolvimento de inovações em
      gestão, segundo os princípios da participação, proatividade, competência e
      promoção de resultados avançados.

   2. Manutenção de contactos contínuos com profissionais e instituições como
      forma de troca de experiência e dinamização de sub-projetos conjuntos, a
      partir de referenciais mais avançados.

   3. Estabelecimento de intercâmbio entre outros sistemas de ensino e
      instituições, na busca de referências positivas para a transformação do
      próprio trabalho.
4. Promoção de seminários e cursos de atualização sobre desdobramentos
      significativos da gestão do sistema em conjunto.

   5. Formação de grupos de estudo e reflexão sobre sobre assuntos de
      gestão, tendo por base a análise de experiências diversificadas e
      inovadoras na área, bem como a expansão do seu significado e de sua
      aplicação.

   6. Divulgação de conhecimentos produzidos no contexto da Rede e fora dela,
      de modo a incentivar a construção de conhecimento a partir das bases,
      seguindo o princípio de que a autonomia se faz com o desenvolvimento da
      competência e autoria.

   7. Promoção de visitas de estudo e intercâmbio de experiências em
      instituições de ensino de alto nível e centros de estudos em gestão
      educacional, nacionais e internacionais.

   8. Participação em eventos nacionais e internacionais de educação e gestão
      educacional e disseminação de seus resultados na rede.

   9. Realização de Fóruns temáticos, visando o debate o melhor entendimento
      e o encaminhamento para a resolução de problemáticas específicas.

   10. Manutenção de intercâmbio constante, troca de informações e divulgação e
       intercomunicação, por meio de correspondência, newsletters, fax, telefone
       e e mail.



Conclusão

       A formação de redes não é necessáriamente fácil. Para estebelecer esta
cultura, é necessário que se cultive um espírito de colaboração recíproca,
marcado pela lógica do ganha-ganha, pela qual entendemos que, para
ganharmos alguma coisa que possa ser útil, sustentável e duradoura, é
necessário que os mesmos benefícios que desejamos para nós, sejam
compartilhados com as instituições e os profissionais que formam o nosso
ambiente. E esse ganhar significa construir novas realidades e novas dimensões
de trabalho profissional e institucional.

        É necessário, também, que nos mantenhamos em contínua comunicação
e interação, trocando informações, criando sinergia e            estimulando-nos
reciprocamente na realização dos objetivos comuns de contribuir para a formação
da sociedade brasileira, a partir daquela de que imediatamente fazemos parte, em
estreita interligação com as demais.

      Atuar em rede é reconhecer o fato de que juntos, mediante a combinação
dos nossos talentos e energia, podemos construir muito mais e melhor do que
isolados. A troca e a reciprocidade são elementos substanciais para a necessária
formação de sinergia que transforma organizações e lhes dá vitalidade.




              O DESENVOLVIMENTO DE REDES ESCOLARES


                           TRABALHO EM EQUIPE


   1. Quais são as ameaças que os colégios particulares confessionais estão
      enfrentando hoje em dia, que afetam a sua sobrevivência?


   2. Quais são suas oportunidades e perspectivas de desenvolvimento?


   3. Como a formação de rede pode ajudar esses colégios, em conjunto, a
      superar suas ameaças e aproveitar melhor suas oportunidades?


   4. Quais as vantagens que a formação de rede oferece para os colégios?


   5. Como tirar melhor proveito delas?


   6. Que cuidados se deve tomar para que elas funcionem?
This document was created with Win2PDF available at http://www.daneprairie.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exit 24 Formacao para o Terceiro Sector
Exit 24 Formacao para o Terceiro SectorExit 24 Formacao para o Terceiro Sector
Exit 24 Formacao para o Terceiro SectorDianova
 
Gestao do conhecmiento e cultura organizacional
Gestao do conhecmiento e cultura organizacionalGestao do conhecmiento e cultura organizacional
Gestao do conhecmiento e cultura organizacionalpitanguinhass
 
Artigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismo
Artigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismoArtigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismo
Artigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismofabiofm
 
EDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURA
EDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURAEDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURA
EDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURAorganizareventos
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimentoCarlos Alves
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...A. Rui Teixeira Santos
 
Aprendizagem Organizacional
Aprendizagem Organizacional Aprendizagem Organizacional
Aprendizagem Organizacional Paulo Lopes
 
Xv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimento
Xv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimentoXv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimento
Xv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimentoFernando Luiz Goldman
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...A. Rui Teixeira Santos
 
Atps gestão do conhecimento
Atps gestão do conhecimentoAtps gestão do conhecimento
Atps gestão do conhecimentoSIMONE GOUVEA
 
Desafio Da Parceria Sinergica
Desafio Da Parceria SinergicaDesafio Da Parceria Sinergica
Desafio Da Parceria SinergicaSergio Lins
 
Atps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimentoAtps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimentoRamon Wilker
 
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalhoAlgumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalhogilfaca158
 
Como tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide share
Como tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide shareComo tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide share
Como tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide shareAlexandre Gracioso
 
Artigo comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...
Artigo   comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...Artigo   comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...
Artigo comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...Roberto Nicolini Júnior
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação internaCarlos Alves
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...A. Rui Teixeira Santos
 

Mais procurados (20)

Exit 24 Formacao para o Terceiro Sector
Exit 24 Formacao para o Terceiro SectorExit 24 Formacao para o Terceiro Sector
Exit 24 Formacao para o Terceiro Sector
 
Gestao do conhecmiento e cultura organizacional
Gestao do conhecmiento e cultura organizacionalGestao do conhecmiento e cultura organizacional
Gestao do conhecmiento e cultura organizacional
 
Artigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismo
Artigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismoArtigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismo
Artigo congresso metodista-gestao_conhecimento_como_aliado_ao_empreendedorismo
 
Cops1
Cops1Cops1
Cops1
 
EDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURA
EDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURAEDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURA
EDUCAÇÃO CORPORATIVA NATURA
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
Aprendizagem Organizacional
Aprendizagem Organizacional Aprendizagem Organizacional
Aprendizagem Organizacional
 
Xv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimento
Xv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimentoXv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimento
Xv simpep um modelo estruturado para implantação de gestão do conhecimento
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
Atps gestão do conhecimento
Atps gestão do conhecimentoAtps gestão do conhecimento
Atps gestão do conhecimento
 
Desafio Da Parceria Sinergica
Desafio Da Parceria SinergicaDesafio Da Parceria Sinergica
Desafio Da Parceria Sinergica
 
Atps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimentoAtps gestao do conhecimento
Atps gestao do conhecimento
 
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalhoAlgumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
 
Como tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide share
Como tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide shareComo tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide share
Como tirar maior proveito dos esforços de treinamento slide share
 
Artigo comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...
Artigo   comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...Artigo   comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...
Artigo comprometimento pessoal para o trabalho em equipe dentro das organiz...
 
Atps gestão do conhecimento.
Atps   gestão do conhecimento.Atps   gestão do conhecimento.
Atps gestão do conhecimento.
 
Comunicação interna
Comunicação internaComunicação interna
Comunicação interna
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
Grli chamado ao engajamento portuguese 2005
Grli chamado ao engajamento portuguese 2005Grli chamado ao engajamento portuguese 2005
Grli chamado ao engajamento portuguese 2005
 

Destaque

Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...
Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...
Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...idsecconf
 
Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015
Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015
Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015mrorodriguez
 
Carp Road Landfill 101
Carp Road Landfill 101Carp Road Landfill 101
Carp Road Landfill 101colaottawa
 
Definiciones de creatividad
Definiciones de creatividadDefiniciones de creatividad
Definiciones de creatividadselsi301012
 
Defining Success in Australian Retail using Social Media
Defining Success in Australian Retail using Social MediaDefining Success in Australian Retail using Social Media
Defining Success in Australian Retail using Social MediaDave Goodfellow
 
Atomic scale(molecular dynamic) simulationa
Atomic scale(molecular dynamic) simulationaAtomic scale(molecular dynamic) simulationa
Atomic scale(molecular dynamic) simulationaMekete Mulualem
 
Acomodo de carpetas, duplicar
Acomodo de carpetas, duplicarAcomodo de carpetas, duplicar
Acomodo de carpetas, duplicarJuan Reta
 
monica reconendation (2)
monica reconendation (2)monica reconendation (2)
monica reconendation (2)Monica Pleshek
 
Architecture OF 8085
Architecture OF 8085Architecture OF 8085
Architecture OF 8085muneer.k
 
Riko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital Indonesia
Riko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital IndonesiaRiko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital Indonesia
Riko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital Indonesiaidsecconf
 
Open voice-Low cost approach for Tele communication service
Open voice-Low cost approach for Tele communication serviceOpen voice-Low cost approach for Tele communication service
Open voice-Low cost approach for Tele communication serviceBrundha Sholaganga
 

Destaque (16)

Sardina
SardinaSardina
Sardina
 
Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...
Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...
Danang Jaya, Query Adika Rezylana - Steganografi DCT dengan Memanfaatkan Apli...
 
Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015
Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015
Guia de orientacion modulo de ingles saber pro 2015
 
Carp Road Landfill 101
Carp Road Landfill 101Carp Road Landfill 101
Carp Road Landfill 101
 
Lsr for istartup_2013
Lsr for istartup_2013Lsr for istartup_2013
Lsr for istartup_2013
 
Definiciones de creatividad
Definiciones de creatividadDefiniciones de creatividad
Definiciones de creatividad
 
Defining Success in Australian Retail using Social Media
Defining Success in Australian Retail using Social MediaDefining Success in Australian Retail using Social Media
Defining Success in Australian Retail using Social Media
 
Halloween 2
Halloween 2Halloween 2
Halloween 2
 
Yoga
YogaYoga
Yoga
 
Atomic scale(molecular dynamic) simulationa
Atomic scale(molecular dynamic) simulationaAtomic scale(molecular dynamic) simulationa
Atomic scale(molecular dynamic) simulationa
 
2013 farkas
2013 farkas2013 farkas
2013 farkas
 
Acomodo de carpetas, duplicar
Acomodo de carpetas, duplicarAcomodo de carpetas, duplicar
Acomodo de carpetas, duplicar
 
monica reconendation (2)
monica reconendation (2)monica reconendation (2)
monica reconendation (2)
 
Architecture OF 8085
Architecture OF 8085Architecture OF 8085
Architecture OF 8085
 
Riko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital Indonesia
Riko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital IndonesiaRiko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital Indonesia
Riko Rahmada - Sertifikat dan Tanda Tangan Digital Indonesia
 
Open voice-Low cost approach for Tele communication service
Open voice-Low cost approach for Tele communication serviceOpen voice-Low cost approach for Tele communication service
Open voice-Low cost approach for Tele communication service
 

Semelhante a O desenvolvimento de redes escolares

Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaCarlos Alves
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Marcelo Vitorino
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Indico S.A.
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Daniel Egger
 
relaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdf
relaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdfrelaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdf
relaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdfJaylson Monteiro
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoCarlos Alves
 
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...A. Rui Teixeira Santos
 
Comunicação e aprendizagem organizacional
Comunicação e aprendizagem organizacionalComunicação e aprendizagem organizacional
Comunicação e aprendizagem organizacionalElton Vianna
 
A implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacional
A implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacionalA implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacional
A implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacionalLeonardo Sepulcri
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxUniversidade Pedagogica
 
Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...
Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...
Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...Fernando Luiz Goldman
 
Gestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de Competitividade
Gestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de CompetitividadeGestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de Competitividade
Gestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de CompetitividadeCRA-BA
 
Novas Tendências - Learning Organizations
Novas Tendências - Learning OrganizationsNovas Tendências - Learning Organizations
Novas Tendências - Learning OrganizationsInes Loureiro
 
Escola participativa v final
Escola participativa  v  finalEscola participativa  v  final
Escola participativa v finalSilviardeloreto
 
Artigo em Gestão do trabalho coletivo
Artigo em Gestão do trabalho coletivoArtigo em Gestão do trabalho coletivo
Artigo em Gestão do trabalho coletivoJose Arnaldo Silva
 
Aula 4 2014.1 ucam - a import de aprender
Aula 4   2014.1 ucam -  a import de aprenderAula 4   2014.1 ucam -  a import de aprender
Aula 4 2014.1 ucam - a import de aprenderAngelo Peres
 

Semelhante a O desenvolvimento de redes escolares (20)

Planejamento estratégico
Planejamento estratégicoPlanejamento estratégico
Planejamento estratégico
 
Aula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação CorporativaAula 12 Educação Corporativa
Aula 12 Educação Corporativa
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
 
Rethink Business 2014
Rethink Business 2014 Rethink Business 2014
Rethink Business 2014
 
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mud...
 
relaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdf
relaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdfrelaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdf
relaesinterpessoais Projeto de Vida 1.pdf
 
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do ConhecimentoAula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
Aula 13 Universidade Corporativa e Gestão do Conhecimento
 
apresentacação HR leadership_coaching_oficial
apresentacação HR leadership_coaching_oficialapresentacação HR leadership_coaching_oficial
apresentacação HR leadership_coaching_oficial
 
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
 
Comunicação e aprendizagem organizacional
Comunicação e aprendizagem organizacionalComunicação e aprendizagem organizacional
Comunicação e aprendizagem organizacional
 
A implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacional
A implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacionalA implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacional
A implementação da aprendizagem organizacional via projeto organizacional
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...
Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...
Um modelo da dinamica da gestao do conhecimento organizacional para empresas ...
 
Teias Fdc Proposal
Teias Fdc ProposalTeias Fdc Proposal
Teias Fdc Proposal
 
Gestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de Competitividade
Gestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de CompetitividadeGestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de Competitividade
Gestão do Conhecimento - Uma Ferramenta de Competitividade
 
Novas Tendências - Learning Organizations
Novas Tendências - Learning OrganizationsNovas Tendências - Learning Organizations
Novas Tendências - Learning Organizations
 
Escola participativa v final
Escola participativa  v  finalEscola participativa  v  final
Escola participativa v final
 
Artigo em Gestão do trabalho coletivo
Artigo em Gestão do trabalho coletivoArtigo em Gestão do trabalho coletivo
Artigo em Gestão do trabalho coletivo
 
Aula 4 2014.1 ucam - a import de aprender
Aula 4   2014.1 ucam -  a import de aprenderAula 4   2014.1 ucam -  a import de aprender
Aula 4 2014.1 ucam - a import de aprender
 

O desenvolvimento de redes escolares

  • 1. FONTE: LÜCK, Heloísa. O desenvolvimento de redes escolares. Revista Gestão em Rede, nº 23, set/ 2000, p. 18-21. O DESENVOLVIMENTO DE REDES ESCOLARES Heloísa Lück CEDHAP – Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado O presente artigo tem por objetivo apresentar as bases para o desenvolvimento de redes de gestão entre escolas, como estratégia fundamental para que possam não apenas apoiar-se reciprocamente, na realização de seus objetivos educacionais, como também possam desenvolver-se organizacionalmente, transformando continuamente suas práticas, condição fundamental para responder às constantes necessidades de adaptação à evolução do ambiente sócio-econômico- cultural. São analisadas mudanças no mundo das organizações, que estabelecem as redes como necessárias, assim como pressupostos e princípios orientadores do estabelecimento dessas redes. Os gestores escolares, ao defrontarem-se com novos desafios à sustentabilidade de suas escolas e desenvolvimento da qualidade do seu ensino, em vez de se voltarem para dentro de suas organizações, como estratégia para para esse enfrentamento, devem voltarem-se para o meio ambiente, que também se defronta com os mesmos desafios. Essa estratégia depende, no entanto, para seu sucesso, da prática de uma cultura de rede, que pressupõe um contínuo intercâmbio e interrelação, para o desenvolvimento de um dieário conjunto. Estas quastões são analisadas neste artigo. O mundo em transformação demanda a formação de redes Até há bem pouco tempo, uma organização de sucesso era aquela que, fechada em si mesma, procurava preservar e perpetuar seus padrões de qualidade, de modo individual e zeloso. Tal modelo de organização funcionou bem durante décadas, quando havia muito mais estabilidade e verticalização na sociedade. O isolamento, o hermetismo, a conservação e a preservação de padrões de administração constituiam-se em modus operandi comum. As organizações tinham reserva de mercado, eram protegidas da competição, pela tradição e espírito de lealdade construídos ao longo do tempo e podiam sobreviver tranqüilamente, sem mudar seus padrões de funcionamento. Isto é, podiam ser conservadoras, não se importando muito com o que acontecia ao seu redor.
  • 2. Os tempos porém mudaram. Mudaram os paradigmas, alteraram-se as demandas sobre as organizações, exigindo delas uma mudança de posturas e de práticas. Peter Drucker, um dos maiores teóricos da administração de empresas dos nossos tempos, afirma que tudo que deu certo até agora, está fadado ao fracasso no novo contexto das empresas, orientado pela dinâmica, pela tecnologia e pelo conhecimento e pela agregação de valor, como uma condição de sobrevivência. O estabelecimento de redes e de parcerias passa a constituir-se em uma necessidade. Organizações que eram competidoras entre si reconhecem que seu isolamento é muito mais um problema do que uma solução. Precisam associar-se, não apenas para sobreviver, mas para também desenvolver-se. Assim é que se registram histórias diversas de sucesso entre empresas que se associaram. Quando os problemas são comuns a todos, não faz sentido isolar-se na busca de sua solução, para ver quem resolve primeiro, nem melhor. Iso porque, problemas são uma constante, são recorrentes, cada vez mais complexos e exigindo maior sofisticação; a duplicação de esforços e a lógica de reinventar a roda apenas provoca aumento de custo, retardamento e enfreaquecimento de resultados. As organizações educacionais não podem ser diferentes das demais. Os desafios de desenvolvimento e de gestão para esse fim são os mesmos, embora os objetivos específicos do seu trabalho sejam diferentes. Assim é que as escolas, ou se associam, formando uma rede de apoio mútuo para enfrentarem os novos desafios e alcançarem um crescimento conjunto, ou correm o risco de perderem espaço e de passarem por sérios problemas de sustentação. Isolado ninguém sobrevive, num mundo em globalização. A sociedade está cada vez mais exigente sobre os resultados educacionais. Por outro lado, os seus processos estão se tornando cada vez mais complexos, tendo em vista uma série de fatores, como o stress social que repercute nas famílias, nas crianças, nos profissionais da educação. A formação profissional, a inovação dos mecanismos de gestão, a dinamização do currículo escolar, o marketing institucional, a relação família-escola, estas são algumas das questões sobre as quais os estabelecimentos de ensino podem, com muito proveito cooperar. “A sinergia é um elemento muito importante para o desenvolvimento. É difícil manter o entusiasmo sozinhos. É preciso conversar, trocar idéias e construir, em conjunto, condições para que o nosso ensino seja atraente para os jovens de hoje”. O significado de rede A concepção de rede corresponde a uma nova metáfora iluminadora da realidade, que procura apreender as relações características entre elementos, atores, ambientes e cenários que a constituem. Essa metáfora faz parte de um
  • 3. conjunto de novas concepções sobre a realidade, ao qual estão associados conceitos como ecologia, interdisciplinaridade e a própria gestão. A idéia de rede tem como pano de fundo a compreensão da realidade como um sistema, no qual todos os elementos estão interligados, de maneira que o que acontece em um elemento do sistema, afeta a todos os demais elemento que o compõem. Trata-se não de uma estratégia ou de uma solução técnica a problemas de gestão, mas sim de uma concepção maior e mais profunda, que emana de um novo paradigma, uma nova concepção de mundo, uma nova epistemologia pela qual se compreende a realidade e se age sobre ela. Diz respeito a um novo norteamento de ações que se traduzem em todos os âmbitos e áreas de atuação. Através dele, busca-se não apenas a maior eficácia e eficiência em ações, mas sobretudo, a transformação de práticas para transformar instituições, de modo a tornarem-se mais plenas e autênticas no empreendimento humano que desenvolvem. Pressupostos que embasam as ações em rede É importante compreender os pressupostos que sustentam a idéia de rede, de modo que, ao se procurar construí-la, fazê-lo de modo mais adequado e efetivo. Podem ser citados como sustentadores da idéia de rede: O reconhecimento de que, na realidade, todos os elementos são interligados, funcionando em cadeia, fazendo parte de um sistema, uma vez que nada é isolado. A compreensão de que a proatividade e a ótica do ganha-ganha é produtiva, enquanto que a reatividade e a ótica do perde-ganha é negativa, por promover o enfraquecimento geral do sistema. A realidade social é construída socialmente, mediante a interação dos agentes sociais que a compõem. As transformações das organizações e das pessoas ocorre a partir da interação sinérgica entre elas. A constituição de parcerias e a formação de rede Comumente, quando se fala em redes, fala-se também em parcerias. Parcerias e redes são dois conceitos comuns que estão mobilizando a atenção das organizações. Muitas vezes, eles são tomados como similares. Mas têm significado e alcance diferente, que vale a pena analisar. Torna-se necessário esclarecer o significado desses conceitos, de modo a, pela sua clareza, tirar melhor proveito das ações por eles orientadas.
  • 4. A parceria diz respeito à associação que as organizações estabelecem entre si, com o objetivo de se apoiarem reciprocamente, e tirarem vantagem dessa associação. Por exemplo, um colégio de ensino fundamental e pré-escolas podem fazer parcerias pelas quais, a pré-escola compromete-se a encaminhar alunos de suas escolas, para estudarem no colégio de ensino fundamental, em troca de orientação pedagógica para seus professores, de alguma forma de marketing e consultoria periódica. Ambas as escolas ganham alguma coisa, mas não se transformam, mantendo um certo distanciamento entre si, preservando a sua individualidade. Eventualmente, podem romper a parceria a qualquer momento, uma vez que sintam que seus interesses não estão sendo atendidos com a associação. Os seus vínculos tendem a ser formais e superficiais, uma vez que centrados em ações específicas. As parcerias são feitas com número fechado de parceiros, mediante contratos em que são estabelecidos os objetivos e os resultados pretendidos de parte a parte. Cada uma das organizações tem seus objetivos específicos, diferentes da(s) outra(s). Uma forma de parceria mais ou menos rápida e eventual é a do “benchmarking”, ou apoio recíproco na busca de referências positivas para a realização de seu trabalho. Buscam-se em outros colégios práticas promissoras, cuja metodologia esses colégios disponibilizam e dão a conhecer. Por exemplo, um colégio que teve sucesso com a realização de maratonas intelectuais com os seus alunos e com essa prática aumentou a motivação e o comprometimento deles para os estudos, disponibiliza informações e orientações sobre essa prática. Em troca, poderá receber, mesmo de outro colégio, informações sobre programa de estreitamento da relação escola – pais. Parcerias podem ser formadas a partir do objetivo de realizar capactiação de seus profissionais em conjunto, de modo a maximizar recursos. Para uma escola pode ser muito caro e impraticável contratar um curso para um número pequeno de seus profissionais, porém, juntando-os com os de outra escola, poderão ter a possibilidade de organização e sustento de tal cusro, como também a vantagem da troca de experiências entre os profissionais, estratégia que é muito enriquecedora profissionalmente. A rede, por sua vez, diz respeito à intercomunicação constante entre organizações e profissionais, que comungam dos mesmos propósitos e ideais, no sentido de construirem em conjunto uma ação social, em vista do que estão continuamente torcando idéias a respeito de como podem se apoiar reciprocamente para realizarem os objetivos comuns. As redes são abertas e dinâmicas. São iniciadas a partir do reconhecimento de propósitos e do entendimento comum de que querem juntos alcançar uma transformação e se propõem a apoiar-se reciprocamente na realização desses objetivos. Portanto, não são pontuais, eventuais e estabelecidas a partir de interesses conservadores e limitados.
  • 5. Princípios para o funcionamento de redes Não basta, no entanto, o estabelecimento de objetivos e propósitos comuns, para se construir a rede. Torna-se necessário que se dedique continuamente e com atenção especial, ao seu funcionamento. A rede só existe pela ação constante de comunicação, associação, intercâmbio e reforço recíproco que fazem entre si as partes componentes das redes, no sentido de sustentar, alimentar e promover o seu ideário comum. A seguir são lembrados alguns princípios importantes a serem assumidos para sua efetivação. Identificação, por parte dos estabelecimentos de ensino, de que fazem parte de um sistema, pelo reconhecimento de que o que acontece em um, afeta os demais e o conjunto todo. Reconhecimento de igual valor entre todos os colégios, independendentemente de seu tamanho, tempo de existência e localização, de modo a se evitar a concepção de hierarquia entre eles. Aproveitamento das riquezas, valores e experiências recíprocas, que são importantes, do ponto de vista cultural, idependentemente de sua localização e abrangência. Identificação de necessidades comuns, de caráter construtivo e estratégico, como elemento concreto de manutenção do ideário de rede. Estabelecimento de um compromisso conjunto para o atendimento dessa necessidades e cultivo de entusiasmo e práticas de intercâmbio e reciprocidade. Estratégias 1. Realização de projetos especiais de desenvolvimento de inovações em gestão, segundo os princípios da participação, proatividade, competência e promoção de resultados avançados. 2. Manutenção de contactos contínuos com profissionais e instituições como forma de troca de experiência e dinamização de sub-projetos conjuntos, a partir de referenciais mais avançados. 3. Estabelecimento de intercâmbio entre outros sistemas de ensino e instituições, na busca de referências positivas para a transformação do próprio trabalho.
  • 6. 4. Promoção de seminários e cursos de atualização sobre desdobramentos significativos da gestão do sistema em conjunto. 5. Formação de grupos de estudo e reflexão sobre sobre assuntos de gestão, tendo por base a análise de experiências diversificadas e inovadoras na área, bem como a expansão do seu significado e de sua aplicação. 6. Divulgação de conhecimentos produzidos no contexto da Rede e fora dela, de modo a incentivar a construção de conhecimento a partir das bases, seguindo o princípio de que a autonomia se faz com o desenvolvimento da competência e autoria. 7. Promoção de visitas de estudo e intercâmbio de experiências em instituições de ensino de alto nível e centros de estudos em gestão educacional, nacionais e internacionais. 8. Participação em eventos nacionais e internacionais de educação e gestão educacional e disseminação de seus resultados na rede. 9. Realização de Fóruns temáticos, visando o debate o melhor entendimento e o encaminhamento para a resolução de problemáticas específicas. 10. Manutenção de intercâmbio constante, troca de informações e divulgação e intercomunicação, por meio de correspondência, newsletters, fax, telefone e e mail. Conclusão A formação de redes não é necessáriamente fácil. Para estebelecer esta cultura, é necessário que se cultive um espírito de colaboração recíproca, marcado pela lógica do ganha-ganha, pela qual entendemos que, para ganharmos alguma coisa que possa ser útil, sustentável e duradoura, é necessário que os mesmos benefícios que desejamos para nós, sejam compartilhados com as instituições e os profissionais que formam o nosso ambiente. E esse ganhar significa construir novas realidades e novas dimensões de trabalho profissional e institucional. É necessário, também, que nos mantenhamos em contínua comunicação e interação, trocando informações, criando sinergia e estimulando-nos reciprocamente na realização dos objetivos comuns de contribuir para a formação da sociedade brasileira, a partir daquela de que imediatamente fazemos parte, em estreita interligação com as demais. Atuar em rede é reconhecer o fato de que juntos, mediante a combinação dos nossos talentos e energia, podemos construir muito mais e melhor do que
  • 7. isolados. A troca e a reciprocidade são elementos substanciais para a necessária formação de sinergia que transforma organizações e lhes dá vitalidade. O DESENVOLVIMENTO DE REDES ESCOLARES TRABALHO EM EQUIPE 1. Quais são as ameaças que os colégios particulares confessionais estão enfrentando hoje em dia, que afetam a sua sobrevivência? 2. Quais são suas oportunidades e perspectivas de desenvolvimento? 3. Como a formação de rede pode ajudar esses colégios, em conjunto, a superar suas ameaças e aproveitar melhor suas oportunidades? 4. Quais as vantagens que a formação de rede oferece para os colégios? 5. Como tirar melhor proveito delas? 6. Que cuidados se deve tomar para que elas funcionem?
  • 8. This document was created with Win2PDF available at http://www.daneprairie.com. The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.