Ontologias

6.772 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentando Ontologias feito para uma disciplina da faculdade.

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.772
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
208
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ontologias

  1. 1. Ontologias Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (FACC) Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação (CBG) Indexação e Resumo – Profª Vânia Guedes Maio/2009
  2. 2. <ul><li>Origem do termo e definições diversas </li></ul><ul><li>Para que servem as ontologias? </li></ul><ul><li>Tipos de Ontologia </li></ul><ul><li>Vantagens e desvantagens do uso de ontologias </li></ul><ul><li>Aplicações </li></ul><ul><li>Considerações Finais    </li></ul>
  3. 3. Origem do termo <ul><li>Historicamente o termo ontologia tem origem no grego “ontos”, ser, e “logos”, palavra; </li></ul><ul><li>O termo ontologia tem origem na Filosofia; </li></ul><ul><li>Segundo o Dicionário Oxford de Filosofia o termo é derivado da palavra grega “ser”, mas usado desde o séc. XVII para denominar o ramo da metafísica que diz respeito àquilo que existe. </li></ul>
  4. 4. Definições de Ontologia <ul><li>Segundo o dicionário Aurélio (Ferreira, 1986) a ontologia consiste na parte da filosofia que trata do ser enquanto ser, isto é, do ser concebido com tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres; </li></ul><ul><li>O termo ontologia tem um sentido especial em organização da informação, diferente daquele tradicional adotado na filosofia; </li></ul><ul><li>As definições apresentadas na literatura são diversas. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Segundo Sowa (1999) “a ontologia é um “catálogo de tipos de coisas” em que se supõe existir um domínio, na perspectiva de uma pessoa que usa determinada linguagem. É uma teoria que diz respeito a tipos de entidades e, especificamente, a tipos de entidades abstratas que são aceitas em um sistema com uma linguagem”; </li></ul><ul><li>Para Gruber (1996), apud Corazzon (2002) “uma ontologia é uma especificação explícita de uma conceitualização. [...] Em tal ontologia, definições associam nomes de entidades no universo do discurso (por exemplo, classes relações, funções etc. com textos que descrevem o que os nomes significam e os axiomas formais que restringem a interpretação e o uso desses termos) [...]”. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Segundo Guarino (1998) “[...] ontologia se refere a um artefato constituído por um vocabulário usado para descrever uma certa realidade, mais um conjunto de fatos explícitos e aceitos que dizem respeito ao sentido pretendido para as palavras do vocabulário. Este conjunto de fatos tem a forma da teoria lógica de primeira ordem, onde as palavras do vocabulário aparecem como predicados unários ou binários”; </li></ul><ul><li>Borst (1997) define ontologia como “uma especificação formal e explícita de uma conceitualização compartilhada”; </li></ul><ul><li>Nessa definição, “formal” significa legível para computadores; “especificação explícita” diz respeito a conceitos, propriedades, relações, funções, restrições, axiomas, explicitamente definidos; “compartilhado” quer dizer conhecimento consensual; e “conceitualização” diz respeito a um modelo abstrato de algum fenômeno do mundo real. </li></ul>
  7. 7. Para que servem as ontologias? <ul><li>Recuperação de conteúdos; </li></ul><ul><li>Recuperação da informação; </li></ul><ul><li>Gerenciamento do conhecimento; </li></ul><ul><li>Compartilhar conhecimento comum sobre a estrutura da informação </li></ul><ul><li>Permite o reuso do conhecimento; </li></ul><ul><li>Construção de interfaces cooperativas; </li></ul><ul><li>Interoperabilidade de sistemas; </li></ul><ul><li>Navegação. </li></ul>
  8. 8. Tipos de Ontologia <ul><li>Ontologias podem ser agrupadas em tipos, de acordo com características básicas comuns; </li></ul><ul><li>Existem três classificações mais utilizadas. </li></ul>
  9. 9. Quanto ao grau de formalismo <ul><li>Altamente informais; </li></ul><ul><li>Semi-informais; </li></ul><ul><li>Semiformais; </li></ul><ul><li>Rigorosamente formais. </li></ul>
  10. 10. Quanto à estrutura <ul><li>Genéricas; </li></ul><ul><li>De domínio; </li></ul><ul><li>De tarefa; </li></ul><ul><li>De aplicação. </li></ul>
  11. 12. Quanto ao propósito <ul><li>Comunicação entre as pessoas e a organização; </li></ul><ul><li>Interoperabilidade entre sistemas; </li></ul><ul><li>Apoio à engenharia de software. </li></ul>
  12. 13. Vantagens do uso de Ontologias <ul><li>Compartilhamento; </li></ul><ul><li>Dificuldade de interpretações ambíguas; </li></ul><ul><li>Descrição formal e exata do conhecimento; </li></ul><ul><li>Possibilidade de expressão em várias línguas; </li></ul><ul><li>É possível passar de genérica à específica; </li></ul><ul><li>Usadas por pessoas e SGBD; </li></ul><ul><li>Definições de e relacionamento entre conceitos; </li></ul><ul><li>Integração de diferentes fontes; </li></ul><ul><li>Conceitualização completa de termos; </li></ul><ul><li>Redução da possibilidade de mal entendido. </li></ul>
  13. 14. Desvantagens do uso de Ontologias <ul><li>Na criação – profissionais especializados; </li></ul><ul><li>Na seleção e relacionamento dos termos; </li></ul><ul><li>Falta de metodologia; </li></ul><ul><li>De divisão; </li></ul><ul><li>De escopo; </li></ul><ul><li>De granularidade; </li></ul><ul><li>De validação. </li></ul>
  14. 15. Aplicações de Ontologias <ul><li>Linguagens; </li></ul><ul><li>Aplicações práticas. </li></ul>
  15. 16. Linguagens <ul><li>Especificações da w3c; </li></ul><ul><li>Maneira de fazer a máquina interpretar dados; </li></ul><ul><li>XML: formato universal para dados estruturados; </li></ul><ul><li>RDF: Especialização do XML para uso em ontologias; </li></ul><ul><li>OWL: Evolução do RDF; </li></ul><ul><li>SKOS: Família específica para vocabulários controlados. </li></ul>
  16. 17. XML <ul><li><CATALOG> </li></ul><ul><li>− </li></ul><ul><li><CD> </li></ul><ul><li><TITLE>Empire Burlesque</TITLE> </li></ul><ul><li><ARTIST>Bob Dylan</ARTIST> </li></ul><ul><li><COUNTRY>USA</COUNTRY> </li></ul><ul><li><COMPANY>Columbia</COMPANY> </li></ul><ul><li><PRICE>10.90</PRICE> </li></ul><ul><li><YEAR>1985</YEAR> </li></ul><ul><li></CD> </li></ul><ul><li>− </li></ul><ul><li><CD> </li></ul><ul><li><TITLE>Hide your heart</TITLE> </li></ul><ul><li><ARTIST>Bonnie Tyler</ARTIST> </li></ul><ul><li><COUNTRY>UK</COUNTRY> </li></ul><ul><li><COMPANY>CBS Records</COMPANY> </li></ul><ul><li><PRICE>9.90</PRICE> </li></ul><ul><li><YEAR>1988</YEAR> </li></ul><ul><li></CD> </li></ul><ul><li></CATALOG> </li></ul>
  17. 18. RDF <ul><li><?xml version=&quot;1.0&quot;?> <rdf:RDF xmlns:rdf=&quot;http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#&quot; xmlns:cd=&quot;http://www.recshop.fake/cd#&quot;> <rdf:Description rdf:about=&quot;http://www.recshop.fake/cd/Empire Burlesque&quot;>   <cd:artist>Bob Dylan</cd:artist>   <cd:country>USA</cd:country>   <cd:company>Columbia</cd:company>   <cd:price>10.90</cd:price>   <cd:year>1985</cd:year> </rdf:Description> <rdf:Description rdf:about=&quot;http://www.recshop.fake/cd/Hide your heart&quot;>   <cd:artist>Bonnie Tyler</cd:artist>   <cd:country>UK</cd:country>   <cd:company>CBS Records</cd:company>   <cd:price>9.90</cd:price>   <cd:year>1988</cd:year> </rdf:Description> . . . </rdf:RDF> </li></ul>
  18. 19. OWL <ul><li><owl: Ontology rdf: about= &quot;&quot;> </li></ul><ul><li><rdfs:comment> </li></ul><ul><li>Camera OWL Ontology </li></ul><ul><li>Author: Roger L. Costello </li></ul><ul><li>< / rdfs:comment> </li></ul><ul><li>< / owl: Ontology > </li></ul><ul><li><owl: Class rdf: ID =&quot;Money&quot;> </li></ul><ul><li><rdfs: subClassOf rdf:resource=&quot;http://www.w3.org/2002/07/owl#Thing&quot; / > </li></ul><ul><li>< / owl: Class > </li></ul><ul><li><owl: DatatypeProperty rdf: ID =&quot;currency&quot;> </li></ul><ul><li> <rdfs: domain rdf:resource=&quot;#Money&quot; / > </li></ul><ul><li><rdfs: range rdf:resource=&quot;http://www.w3.org/2001/XMLSchema#string&quot; / > </li></ul><ul><li>< / owl: DatatypeProperty > </li></ul><ul><li><owl: Class rdf: ID =&quot;Range&quot;> </li></ul><ul><li><rdfs: subClassOf rdf:resource=&quot;http://www.w3.org/2002/07/owl#Thing&quot; / > </li></ul><ul><li>< / owl: Class > </li></ul>
  19. 20. SKOS <ul><li><rdf:RDF xmlns:rdf=&quot;http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#&quot; xmlns:skos=&quot;http://www.w3.org/2004/02/skos/core#&quot;> </li></ul><ul><li><skos:Concept rdf:about=&quot;http://www.my.com/#canals&quot;> </li></ul><ul><li><skos:definition>A feature type category for places such as the Erie Canal</skos:definition> </li></ul><ul><li><skos:prefLabel>canals</skos:prefLabel> </li></ul><ul><li><skos:altLabel>canal bends</skos:altLabel> </li></ul><ul><li><skos:altLabel>canalized streams</skos:altLabel> </li></ul><ul><li><skos:altLabel>ditch mouths</skos:altLabel> </li></ul><ul><li><skos:altLabel>ditches</skos:altLabel> </li></ul><ul><li><skos:altLabel>drainage canals</skos:altLabel> </li></ul><ul><li><skos:altLabel>drainage ditches</skos:altLabel> </li></ul><ul><li><skos:broader rdf:resource=&quot;http://www.my.com/#hydrographic%20structures&quot;/> <skos:related rdf:resource=&quot;http://www.my.com/#channels&quot;/> </li></ul><ul><li><skos:related rdf:resource=&quot;http://www.my.com/#locks&quot;/> </li></ul><ul><li><skos:related rdf:resource=&quot;http://www.my.com/#transportation%20features&quot;/> <skos:related rdf:resource=&quot;http://www.my.com/#tunnels&quot;/> </li></ul><ul><li><skos:scopeNote>Manmade waterway used by watercraft or for drainage, irrigation, mining, or water power</skos:scopeNote> </li></ul><ul><li></skos:Concept> </li></ul><ul><li></rdf:RDF> </li></ul>
  20. 21. Estrutura W3C
  21. 22. Friend of a Friend (FOAF) <ul><li>Vocabulário (tags) elaborado em OWL para descrição de pessoas, o que elas fazem e com quem se conectam; </li></ul><ul><li>Rede social aberta e disponível; </li></ul><ul><li>Permite descobrir novas pessoas; </li></ul><ul><li>Quem usa? Livejournal </li></ul>
  22. 24. FOAF <ul><li><foaf:Person rdf:ID=&quot;me&quot;> </li></ul><ul><li><foaf:name>Anna Pinto</foaf:name> </li></ul><ul><li><foaf:title>Ms</foaf:title> </li></ul><ul><li><foaf:givenname>Anna </foaf:givenname> </li></ul><ul><li><foaf:family_name>Pinto</foaf:family_name> </li></ul><ul><li><foaf:nick>Ale</foaf:nick> </li></ul><ul><li><foaf:mbox_sha1sum>72004b6c3cf5d4222de7b1a10908161285d6a630</foaf:mbox_sha1sum> </li></ul><ul><li><foaf:homepage rdf:resource=&quot;http://www.ufrj.br&quot;/> </li></ul><ul><li><foaf:workplaceHomepage rdf:resource=&quot;http://www.cortex-intelligence.com&quot;/> </li></ul><ul><li><foaf:schoolHomepage rdf:resource=&quot;http://www.ufrj.br&quot;/> </li></ul><ul><li><foaf:knows> </li></ul><ul><li><foaf:Person> <foaf:name>Mell</foaf:name> <foaf:mbox_sha1sum>42687411810ac8956452e4483ef4a255bc107cd6</foaf:mbox_sha1sum></foaf:Person> </li></ul><ul><li></foaf:knows> </li></ul><ul><li><foaf:knows> <foaf:Person> <foaf:name>Carola</foaf:name> <foaf:mbox_sha1sum>690966bba20e08239e81e66515fde5c14a0dfb5a</foaf:mbox_sha1sum></foaf:Person> </li></ul><ul><li></foaf:knows> </li></ul><ul><li></foaf:Person> </li></ul>
  23. 25. AIMS Project <ul><li>Uso de SKOS para elaboração de uma busca semântica abarcando as línguas estruturadas no Tesauro AGROVOC; </li></ul><ul><li>Conversão do tesauro para SKOS: visa o reaproveitamento das informações; </li></ul><ul><li>Combinação com outros tesauros, sendo um deles em chinês; </li></ul><ul><li>Simplificação da integração de informações de fontes diferentes, desde que explicitadas na mesma linguagem; </li></ul><ul><li>http://www.fao.org/aims/ag_intro.htm </li></ul>
  24. 26. Peer-to-Peer (P2P) <ul><li>Ontologias construídas a partir da linguagem natural; </li></ul><ul><li>Utilização: aumentar o nível de descrição dos arquivos; </li></ul><ul><li>Descoberta de novos arquivos através de associações semânticas; </li></ul><ul><li>Ideia ainda não posta em prática. </li></ul>
  25. 27. Considerações Finais <ul><li>É o futuro? </li></ul>
  26. 28. Considerações Finais <ul><li>Talvez. Mas depende. </li></ul>
  27. 29. Bibliografia <ul><li>A bibliografia completa deste trabalho encontra-se junto à parte escrita, que está disponível no seguinte endereço: </li></ul>
  28. 30. Grupo <ul><li>Ana Paola Araújo; </li></ul><ul><li>Anna Raquel Ferreira Serra Pinto; </li></ul><ul><li>Carolina Patrocínio; </li></ul><ul><li>Isabella Souza; </li></ul><ul><li>Mell Siciliano. </li></ul>

×