SlideShare uma empresa Scribd logo
Frederico Bortolato










Acesso à Informação como direito
fundamental
Governo Eletrônico (e-Gov)
Governo Aberto
Lei Federal nº 12.527 - Lei de Acesso à
Informação Pública (LAI)
Hackativismo
Dados Abertos Governamentais (DAG)
Web Semântica  papel fundamental


Possui grande volume de informações não estruturadas ou
pouco estruturadas



Dificuldade de encontrar o que se deseja



Integrar informações de várias fontes



Interpretação: extrair significado das páginas



Falta de precisão: muitos resultados irrelevantes



Falta de contexto



Falta de semântica na definição das páginas/conteúdos








Prover contexto e semântica à informação

Transformar os dados e aplicativos em elementos
úteis, legíveis e compreensíveis para o software
Facilitar a comunicação dinâmica, a cooperação e
a inferência para os agentes inteligentes
A Web Semântica é uma tentativa inversa de
solução. Ao invés de pensar na informação para
os humanos somente, a ideia é pensar na
máquina também (cooperação).
Recurso

Software

Link para

temManual

Link para

requer

Link para

Recurso

Recurso

requer

Recurso

Link para

Recurso

Docu
mento

Link para

Biblioteca

Documento

Link para

Assunto
Link para

Recurso

Biblioteca

parteDe

baseadoEm

Recurso

Link para

Imagem

Recurso

Link para

Recurso

As s unto

Assunto
Tópico

Tópico

autor

Pessoa
 Metadados
 RDF
 SPARQL
 Ontologias

 OWL
 Engenharia

de Ontologias




A utilização das triplas <objeto, atributo,
valor> garante a definição única dos
conceitos, no entanto, o mesmo conceito
pode ser expresso de forma diferente e em
linguagens diferentes.
Para que a informação existente possa ser
processada e relacionada é necessário que
exista uma definição da relação entre os
conceitos contidos em diferentes documentos
e bases de dados. Para isso são utilizadas as
ontologias.




"..uma especificação formal e explícita de
uma conceitualização compartilhada..."
(GRUBER, 1997)
"An ontology defines the terms used to

describe and represent an area of knowledge
[...] need to share domain information [...]
include computer-usable definitions of basic
concepts in the domain and the relationships
among them [...] they make that knowledge
reusable...“ (W3C)
Fonte: Adaptado de Gomez-Perez et al. (2004) e Salm Junior (2012)












Possui uma estratégia de construção de ontologia independente da
aplicação ou de uma ontologia de núcleo.

Possui descrição para as principais atividades e processos da
Engenharia de Ontologia.
Possui o detalhamento necessário para o uso de Padrões de Projeto
de Ontologias.
Fornece uma biblioteca para reengenharia de Recursos Não
Ontológicos.
Fornece ferramentas de apoio às atividades da Engenharia de
Ontologia (Neon Toolkit e seus diversos plug-ins).
Disponibiliza boa documentação sobre os métodos, técnicas e
ferramentas associadas às atividades propostas na metodologia.




Cenário 1 - Da especificação para a implementação.

Cenário 2 - Reuso e reengenharia de recursos nãoontológicos.



Cenário 3 - Reuso de recursos ontológicos.



Cenário 4 - Reuso e reengenharia de recursos ontológicos.



Cenário 5 - Reuso e fusão de recursos ontológicos.



Cenário 6 - Reuso, fusão e reengenharia de recursos
ontológicos.



Cenário 7 - Reuso de Padrões de Projeto de Ontologias.



Cenário 8 - Reestruturação de recursos ontológicos.



Cenário 9 - Localização de recursos ontológicos.
Definição:
“An ODP is a modeling solution to solve a

recurrent ontology design problem.”
Fonte: Presutti el al. (2008)
1.

2.
3.
4.

I.
II.
5.
6.
7.
8.

Identificar o propósito, o escopo
e o nível de formalidade
Identificar os usuários
Identificar os usos
Identificar os requisitos
Requisitos Não-Funcionais
Requisitos Funcionais

Agrupar os requisitos
Validar o conjunto de requisitos
Priorizar os requisitos
Extrair a terminologia e suas
frequências




Foi usada a técnica das Questões de
Competência (CQs), adotando-se uma
abordagem Middle out para a identificação,
na qual escreve-se apenas uma lista inicial de
CQs mais relevantes para o domínio e que
são compostas ou decompostas,
posteriormente, em formas mais abstratas ou
mais simples.
2 macrogrupos bem delimitados de
requisitos




Conceitos do Processo Legislativo enquanto
procedimento formal de produção de normas,
suas etapas e atividades, juntamente com as
estruturas dos documentos, atores e papéis
relacionados ao processo
Esses conceitos e regras estão positivados
nos textos das Constituições Federal e
Estadual, do Regimento Interno da Alesp, e
nos manuais do processo legislativo.
1. Definição do grupo de pessoas que irá participar da
atividade:
2. Definição e envio do questionário sobre Processo Legislativo
e Participação Social
3. Consolidação das respostas dos questionários
4. Responder as CQs:
5. Incorporar ao ORSD (Ontology Requirement Specification
Document):


CQG1. Estrutura e Tipos das Proposições e
das Normas



CQG2. Atores, Papéis, Grupos e Orgãos



CQG3. Processo Legislativo



CQG4. Participação Social no Processo
Legislativo
1.

2.
3.

4.
5.

Modelo de Ciclo de
vida
Cenários e seus
processos e atividades
Mapeamento dos
processos e das
atividades na fases
Ordenação dos
processos e atividades
Restrições e
atribuições de
recursos






Considerando que o Processo Legislativo é uma
área na qual os requisitos estão
consubstanciados em leis e regimentos que não
sofrem alterações com frequencia
Considerando que os requisitos relacionados aos
processos de Participação Social serão levantados
e especificados em etapa anterior ao
planejamento e execução do projeto

Foi considerado como o modelo mais adequado
para este projeto o Modelo em Cascata
Six-Phase Waterfall Ontology Network Life Cycle Model
gOntt: Plug-in NeOn para planejamento do projeto
Fonte: http://corais.org/ontolegissp
Frederico Bortolato
frederico.bortolato@gmail.com

@fredbortolato

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação - Ontologia do Processo Legislativo de SP - 2o. ENDA

Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Adriana Ramos
 
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversaçãoAula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Dalton Martins
 
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 12012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
Luis Vidigal
 
Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica
Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica
Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica
Leonardo Sepulcri
 
Slide pim 3 redess
Slide pim 3 redessSlide pim 3 redess
Slide pim 3 redess
Claudia Patricia
 
Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...
Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...
Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...
Eduardo Dalcin
 
Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...
Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...
Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...
Vinícius M. Kern
 
Análise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas
Análise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades AcadêmicasAnálise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas
Análise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas
Rubem Almeida
 
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES
PORTAL EDUCAR
 
Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014
Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014
Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014
Rogerio P C do Nascimento
 
Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012
Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012
Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012
Vinícius M. Kern
 
Apresentacao I3 G Eng. Ontologias
Apresentacao I3 G   Eng. OntologiasApresentacao I3 G   Eng. Ontologias
Apresentacao I3 G Eng. Ontologias
Web2 Brasil
 
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDESAPOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDES
APOSTILAS APRENDA MAIS
 
Artigo científico
Artigo científico Artigo científico
Dissertação
Dissertação Dissertação
Dissertação
José Otávio Pereira
 
Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...
Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...
Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...
Felipe J. R. Vieira
 
3294 lógica de programação
3294 lógica de programação3294 lógica de programação
3294 lógica de programação
Lucas Cruz
 
Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30
Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30
Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30
UEPA
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publicoGestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Roberto C. S. Pacheco
 
Normas para Organização do TCC - CPS
Normas para Organização do TCC - CPSNormas para Organização do TCC - CPS
Normas para Organização do TCC - CPS
Marcio Duarte
 

Semelhante a Apresentação - Ontologia do Processo Legislativo de SP - 2o. ENDA (20)

Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
Estruturação de Unidades Didáticas de Química integrando o uso de softwares d...
 
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversaçãoAula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
 
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 12012   epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
2012 epistemologia para um estado em tempo real - luis vidigal 1
 
Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica
Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica
Representando a computação autonômica por meio da engenharia ontológica
 
Slide pim 3 redess
Slide pim 3 redessSlide pim 3 redess
Slide pim 3 redess
 
Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...
Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...
Rumo à construção de uma Infraestrutura Nacional de Dados sobre Biodiversidad...
 
Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...
Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...
Repositório institucional como sistema técnico-social: composição, ambiente e...
 
Análise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas
Análise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades AcadêmicasAnálise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas
Análise e Modelagem do SGA - Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas
 
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO - 2 VOLUMES
 
Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014
Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014
Web Semantica e Ontologias por GT4 FC em EC 2014
 
Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012
Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012
Reunião do grupo de pesquisa Informação Científica - UFSC - 26/04/2012
 
Apresentacao I3 G Eng. Ontologias
Apresentacao I3 G   Eng. OntologiasApresentacao I3 G   Eng. Ontologias
Apresentacao I3 G Eng. Ontologias
 
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDESAPOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDES
APOSTILA TERRACAP 2017 PSICÓLOGO + BRINDES
 
Artigo científico
Artigo científico Artigo científico
Artigo científico
 
Dissertação
Dissertação Dissertação
Dissertação
 
Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...
Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...
Utilização da Gestão do Conhecimento nas Metodologias Ageis para Melhoria da ...
 
3294 lógica de programação
3294 lógica de programação3294 lógica de programação
3294 lógica de programação
 
Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30
Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30
Palestra Dia da Liberdade dos Documentos - 2011-03-30
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publicoGestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
 
Normas para Organização do TCC - CPS
Normas para Organização do TCC - CPSNormas para Organização do TCC - CPS
Normas para Organização do TCC - CPS
 

Último

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (7)

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Apresentação - Ontologia do Processo Legislativo de SP - 2o. ENDA

  • 2.        Acesso à Informação como direito fundamental Governo Eletrônico (e-Gov) Governo Aberto Lei Federal nº 12.527 - Lei de Acesso à Informação Pública (LAI) Hackativismo Dados Abertos Governamentais (DAG) Web Semântica  papel fundamental
  • 3.  Possui grande volume de informações não estruturadas ou pouco estruturadas  Dificuldade de encontrar o que se deseja  Integrar informações de várias fontes  Interpretação: extrair significado das páginas  Falta de precisão: muitos resultados irrelevantes  Falta de contexto  Falta de semântica na definição das páginas/conteúdos
  • 4.     Prover contexto e semântica à informação Transformar os dados e aplicativos em elementos úteis, legíveis e compreensíveis para o software Facilitar a comunicação dinâmica, a cooperação e a inferência para os agentes inteligentes A Web Semântica é uma tentativa inversa de solução. Ao invés de pensar na informação para os humanos somente, a ideia é pensar na máquina também (cooperação).
  • 5. Recurso Software Link para temManual Link para requer Link para Recurso Recurso requer Recurso Link para Recurso Docu mento Link para Biblioteca Documento Link para Assunto Link para Recurso Biblioteca parteDe baseadoEm Recurso Link para Imagem Recurso Link para Recurso As s unto Assunto Tópico Tópico autor Pessoa
  • 6.  Metadados  RDF  SPARQL  Ontologias  OWL  Engenharia de Ontologias
  • 7.   A utilização das triplas <objeto, atributo, valor> garante a definição única dos conceitos, no entanto, o mesmo conceito pode ser expresso de forma diferente e em linguagens diferentes. Para que a informação existente possa ser processada e relacionada é necessário que exista uma definição da relação entre os conceitos contidos em diferentes documentos e bases de dados. Para isso são utilizadas as ontologias.
  • 8.   "..uma especificação formal e explícita de uma conceitualização compartilhada..." (GRUBER, 1997) "An ontology defines the terms used to describe and represent an area of knowledge [...] need to share domain information [...] include computer-usable definitions of basic concepts in the domain and the relationships among them [...] they make that knowledge reusable...“ (W3C)
  • 9. Fonte: Adaptado de Gomez-Perez et al. (2004) e Salm Junior (2012)
  • 10.       Possui uma estratégia de construção de ontologia independente da aplicação ou de uma ontologia de núcleo. Possui descrição para as principais atividades e processos da Engenharia de Ontologia. Possui o detalhamento necessário para o uso de Padrões de Projeto de Ontologias. Fornece uma biblioteca para reengenharia de Recursos Não Ontológicos. Fornece ferramentas de apoio às atividades da Engenharia de Ontologia (Neon Toolkit e seus diversos plug-ins). Disponibiliza boa documentação sobre os métodos, técnicas e ferramentas associadas às atividades propostas na metodologia.
  • 11.
  • 12.   Cenário 1 - Da especificação para a implementação. Cenário 2 - Reuso e reengenharia de recursos nãoontológicos.  Cenário 3 - Reuso de recursos ontológicos.  Cenário 4 - Reuso e reengenharia de recursos ontológicos.  Cenário 5 - Reuso e fusão de recursos ontológicos.  Cenário 6 - Reuso, fusão e reengenharia de recursos ontológicos.  Cenário 7 - Reuso de Padrões de Projeto de Ontologias.  Cenário 8 - Reestruturação de recursos ontológicos.  Cenário 9 - Localização de recursos ontológicos.
  • 13. Definição: “An ODP is a modeling solution to solve a recurrent ontology design problem.” Fonte: Presutti el al. (2008)
  • 14. 1. 2. 3. 4. I. II. 5. 6. 7. 8. Identificar o propósito, o escopo e o nível de formalidade Identificar os usuários Identificar os usos Identificar os requisitos Requisitos Não-Funcionais Requisitos Funcionais Agrupar os requisitos Validar o conjunto de requisitos Priorizar os requisitos Extrair a terminologia e suas frequências
  • 15.   Foi usada a técnica das Questões de Competência (CQs), adotando-se uma abordagem Middle out para a identificação, na qual escreve-se apenas uma lista inicial de CQs mais relevantes para o domínio e que são compostas ou decompostas, posteriormente, em formas mais abstratas ou mais simples. 2 macrogrupos bem delimitados de requisitos
  • 16.   Conceitos do Processo Legislativo enquanto procedimento formal de produção de normas, suas etapas e atividades, juntamente com as estruturas dos documentos, atores e papéis relacionados ao processo Esses conceitos e regras estão positivados nos textos das Constituições Federal e Estadual, do Regimento Interno da Alesp, e nos manuais do processo legislativo.
  • 17. 1. Definição do grupo de pessoas que irá participar da atividade: 2. Definição e envio do questionário sobre Processo Legislativo e Participação Social 3. Consolidação das respostas dos questionários 4. Responder as CQs: 5. Incorporar ao ORSD (Ontology Requirement Specification Document):
  • 18.  CQG1. Estrutura e Tipos das Proposições e das Normas  CQG2. Atores, Papéis, Grupos e Orgãos  CQG3. Processo Legislativo  CQG4. Participação Social no Processo Legislativo
  • 19. 1. 2. 3. 4. 5. Modelo de Ciclo de vida Cenários e seus processos e atividades Mapeamento dos processos e das atividades na fases Ordenação dos processos e atividades Restrições e atribuições de recursos
  • 20.    Considerando que o Processo Legislativo é uma área na qual os requisitos estão consubstanciados em leis e regimentos que não sofrem alterações com frequencia Considerando que os requisitos relacionados aos processos de Participação Social serão levantados e especificados em etapa anterior ao planejamento e execução do projeto Foi considerado como o modelo mais adequado para este projeto o Modelo em Cascata
  • 21.
  • 22. Six-Phase Waterfall Ontology Network Life Cycle Model
  • 23.
  • 24.
  • 25. gOntt: Plug-in NeOn para planejamento do projeto