SlideShare uma empresa Scribd logo
PRIORIZANDO
      O
DISCIPULADO
Séries Estudos Bíblicos
   2 Timóteo 2:1-21



AUTOR DESCONHECIDO


       Volume IV



       Livreto
Priorizando O Discipulado                                Página |1




                              Sumário


TEXTO BÍBLICO ............................................................ 3
INTRODUÇÃO ................................................................ 5
EXORTAÇÃO AO DISCIPULADO .................................... 6
O PREÇO DO DISCIPULADO ......................................... 9
A META DO DISCIPULADO .......................................... 12
CONCLUSÃO ............................................................... 15
ESBOÇO PARA ESTUDOS EM GRUPOS ...................... 17
SUGESTÕES DE LEITURAS ......................................... 18
Priorizando O Discipulado   Página |2




     PRIORIZANDO
    O DISCIPULADO
Priorizando O Discipulado                    Página |3




              TEXTO BÍBLICO
                    2 Timóteo 2:1-21


1 Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo
Jesus;
2 e o que de mim ouviste de muitas testemunhas,
transmite-o a homens fiéis, que sejam idôneos para
também ensinarem os outros.
3 Sofre comigo como bom soldado de Cristo Jesus.
4 Nenhum soldado em serviço se embaraça com negócios
desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a
guerra.
5 E também se um atleta lutar nos jogos públicos, não
será coroado se não lutar legitimamente.
6 O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos
frutos.
7 Considera o que digo, porque o Senhor te dará
entendimento em tudo.
8 Lembra-te de Jesus Cristo, ressurgido dentre os mortos,
descendente de Davi, segundo o meu evangelho,
9 pelo qual sofro a ponto de ser preso como malfeitor; mas
a palavra de Deus não está presa.
10 Por isso, tudo suporto por amor dos eleitos, para que
também eles alcancem a salvação que há em Cristo Jesus
com glória eterna.
Priorizando O Discipulado                  Página |4

11 Fiel é esta palavra: Se, pois, já morremos com ele,
também com ele viveremos;
12 se perseveramos, com ele também reinaremos; se o
negarmos, também ele nos negará;
13 se somos infiéis, ele permanece fiel; porque não pode
negar-se a si mesmo.
14 Lembra-lhes estas coisas, conjurando-os diante de
Deus que não tenham contendas de palavras, que para
nada aproveitam, senão para subverter os ouvintes.
15 Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como
obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja
bem a palavra da verdade.
16 Mas evita as conversas vãs e profanas; porque os que
delas usam passarão a impiedade ainda maior,
17 e as suas palavras alastrarão como gangrena; entre os
quais estão Himeneu e Fileto,
18 que se desviaram da verdade, dizendo que a
ressurreição é já passada, e assim pervertem a fé a alguns.
19 Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo
este selo: O Senhor conhece os seus, e: Aparte-se da
injustiça todo aquele que profere o nome do Senhor.
20 Ora, numa grande casa, não somente há vasos de ouro
e de prata, mas também de madeira e de barro; e uns, na
verdade, para uso honroso, outros, porém, para uso
desonroso.
21 Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso
para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para
toda boa obra.
Priorizando O Discipulado                  Página |5




               INTRODUÇÃO

      Um dicionário apresenta três definições para o
vocábulo "discípulo". Primeira: "Alguém que segue os
ensinamentos de um mestre e contribui na difusão destes
ensinos"; segunda: "Um adepto ativo de qualquer
movimento"; terceira: "um dos companheiros de Cristo".

       Todo cristão, por definição, é um discípulo. Mas o
discipulado não é a simples aceitação dos ensinamentos
de Cristo nem a identificação com uma igreja. É uma
maneira específica de viver. Implica em uma constante e
ativa dedicação ao crescimento na maturidade espiritual e
ao falar do Evangelho aos outros. E, depois que essas
pessoas aceitam a Cristo, significa também ajudá-las a ser
discípulos consagrados.

       Em sua segunda carta a Timóteo, Paulo exortou o
seu filho na fé para que permanecesse firme como
discípulo de Cristo, apesar do sofrimento e das
dificuldades que teria de enfrentar por proclamar a
verdade do Evangelho. Este mesmo ensino é um estímulo
para que os crentes de hoje permaneçam fiéis como
discípulos de Jesus Cristo, nosso Salvador.
Priorizando O Discipulado                  Página |6




                            I

            EXORTAÇÃO AO
             DISCIPULADO
                    2 Timóteo 2:1,2



A. Fazendo verdadeiros discípulos - Ser um discípulo
de Jesus exige firmeza espiritual. Alguns crentes, porque
não foram constantes ou não quiseram associar-se a
Paulo, afastaram-se de Cristo (1 Tm 1:15). Mas o apóstolo
não desejava que Timóteo fosse como os que o
abandonaram. Ao contrário, Paulo exortou seu filho na fé
para que se esforçasse na graça que há em Cristo Jesus
(2:1).

       A firmeza de Timóteo não viria de seus próprios
recursos. A fonte da graça que nos fortalece é Jesus Cris-
to. A mesma bênção que deu salvação a Timóteo também
nos dará fortaleza para o nosso viver diário.

      Por ser um líder importante, Timóteo recebeu a
ordem para que guardasse fielmente o conteúdo do
Evangelho. E precisava estar seguro de sua verdade,
porque outras pessoas também testificaram de sua exati-
Priorizando O Discipulado                     Página |7

dão (v.2). Além disso, Paulo ordenou-lhe que ensinasse o
Evangelho a homens fiéis. E, por sua vez, também seriam
responsáveis pela guarda da Palavra de Deus, a fim de
transmiti-la a outros. Porém, por que Paulo não mandou
que Timóteo ensinasse o Evangelho a todos os homens,
mas somente a homens fiéis?
       Timóteo não estava definitivamente em Éfeso.
Quando chegasse o momento de ele retornar, Paulo que-
ria estar seguro de que haveria outros que pudessem levar
adiante a verdade do Evangelho.

B. Suportando o sofrimento - Nem sempre é fácil ser
discípulo de Cristo. Às vezes, exige uma boa parcela de
renúncia. Paulo já havia exortado Timóteo a que
participasse das aflições por amor ao Evangelho (2 Tm
1:8). No cap. 2, o apóstolo solicita-lhe que se esforce (v. 1).
Isto queria dizer que seu filho na fé precisava vencer o
sofrimento que experimentava naquele momento como
crente. Nos versículos 3 a 7, Paulo empregou três
metáforas para ensinar a Timóteo sobre como ele deveria
enfrentar o sofrimento assim como um bom soldado
enfrenta os sofrimentos de uma guerra, como um atleta
que suporta as dificuldades da competição e como um
agricultor que enfrenta a dura lida no cultivo da terra.
       Ora, mas de que maneira a vida cristã se parece
com a de um soldado, um desportista e um agricultor?

       Nem sempre é fácil a vida de um militar. Nas
batalhas diárias, ele experimenta a escassez e o sofrimen-
to. Como fiel soldado de Cristo, Timóteo também
enfrentaria muitas adversidades. A tradução da frase
sofre, pois, comigo (v.3) refere-se mais ao ato de participar
no sofrimento do que a suportá-lo. Devemos aceitar as
adversidades como parte do discipulado.

        Um bom soldado deseja agradar ao seu superior
(v.4). E isso exige absoluta devoção por parte dele, a ponto
Priorizando O Discipulado                  Página |8

de não se envolver com os assuntos da vida civil. Toda sua
atenção está no serviço a seu chefe supremo, ainda que
isso signifique sofrimento. De igual modo, os crentes
devem empenhar-se para agradar a Cristo, ainda que
sofram por causa do Evangelho.
       No v.5, Paulo empregou outra metáfora para
descrever a atitude de um cristão: deu o exemplo de um
maratonista. Quando ele compete, faz um esforço
extraordinário para obterá vitória. Mas, se de fato deseja
ganhar, precisa correr conforme as regras. Parte da
carreira cristã inclui o sofrimento. Se temos de participar
desta competição, para ganharmos o prêmio final,
precisamos nos dar conta de que o sofrimento talvez esteja
presente.

       Ainda que as primeiras metáforas pareçam
negativas, Paulo termina suas instruções com uma
observação positiva. O agricultor trabalha duro (sofre),
enquanto cuida de seu plantio. No entanto, ele é o primeiro
a participar do fruto de seu trabalho (v.6). De igual modo,
a vida cristã, às vezes, nem sempre é fácil; mas teremos
uma recompensa: a vida eterna. O sofrimento que temos
aqui não se compara com o nosso galardão (2 Co 4:16-18).

      Paulo exortou Timóteo a meditar nestas verdades (2
Tm 2:7). O mesmo Deus que fortaleceu o apóstolo,
ajudaria aquele jovem obreiro a compreender o papel do
sofrimento em sua vida.
Priorizando O Discipulado                   Página |9




                            II

  O PREÇO DO DISCIPULADO
                    2 Timóteo 2:8-10



A. O custo pessoal - Nossa reflexão sobre as verdades da
Palavra de Deus e sua fidelidade para conosco torna-se
uma fonte de alimento em nosso sofrimento. Quando
Paulo discorreu sobre a adversidade, exortou Timóteo a
lembrar-se de Cristo (2 Tm 2:8).
       Na vida de Cristo, o preço por agradar a Deus, o Pai,
resultou em sua morte na cruz. Mas Jesus não era
simplesmente uma pessoa qualquer. Era o filho de Davi.
       Por que Paulo empregou o título messiânico
"linhagem de Davi", para referir-se a Cristo em 2 Timóteo
2:8?

     Ao empregar um dos títulos messiânicos de Cristo,
o apóstolo Paulo provavelmente desejava que Timóteo
compreendesse a fidelidade de Deus no cumprimento de
suas promessas. Como Jesus era o Messias, Ele não
permaneceu no sepulcro. Ressuscitou dentre os mortos.

      O Evangelho que Paulo pregava não era algo novo.
A mensagem do Cristo crucificado e ressuscitado tinha
sido um cumprimento da profecia do Antigo Testamento.
Priorizando O Discipulado                  P á g i n a | 10

E como Jesus ressuscitou dos mortos, o apóstolo, Timóteo
e todos os crentes têm a esperança de uma ressurreição;
portanto, vale a pena sofrer por causa da mensagem que
Paulo pregou.

       É digna de apreciação a afirmação de Paulo no v.9.
Ele comparou seu próprio sofrimento com a vitória do
Evangelho. Ainda que estivesse preso, a Palavra de Deus
não está presa. A prisão do apóstolo era uma afronta, pelo
fato de ele ser quem era e também por ser inocente de
todas as acusações. Mas, ainda que estivesse preso,
jamais o Evangelho seria aprisionado. E prova disso é que
a Palavra jamais foi impedida de ser proclamada.
       Paulo compreendia que sua adversidade não era
apenas por causa de sua pregação. Seu sofrimento era por
amor ao eleitos, para que eles também alcancem a
salvação. Os "eleitos" refere-se ao povo escolhido de Deus.
Todos os que aceitam a Jesus fazem parte desse grupo.
Ainda que a afirmação feita pelo apóstolo no v. 10 não
esteja bem esclarecida, de certo modo ele entendia que o
seu próprio sofrimento contribuía para a difusão do
Evangelho. E, mediante a pregação da Palavra de Deus,
muitos obterão a salvação por intermédio de Cristo.


B. Valor eterno - A introdução de 2 Timóteo 2:11- 13 -
Fiel é esta palavra - é várias vezes empregada por Paulo
nas epístolas pastorais. E aplicada geralmente como uma
autêntica expressão proverbial. Alguns eruditos creem que
esses versículos são um dos primeiros hinos ou poemas
cristãos. O apóstolo empregou este cântico para resumir e
realçar sua exortação, a fim de que Timóteo fosse firme no
seu caminhar com Deus (v.1).

      As frases iniciais, ou primeira estrofe, de tais
poemas são declarações positivas. Se aceitarmos o preço,
por sermos discípulos de Cristo, também participaremos
Priorizando O Discipulado                 P á g i n a | 11

de sua glória. O preço do discipulado é a participação na
morte de Jesus; ao abandonarmos nossa vida pecaminosa,
temos a garantia da eternidade com Cristo.
       A segunda estrofe afirma que devemos suportar o
preço do sofrimento. Se participarmos das adversidades
por Cristo e pelo Evangelho, e suportarmos bem, também
reinaremos com Jesus. Assim como o Servo/Messias
sofredor de Isaías, nós também padeceremos penúrias e
receberemos a sua glória, se permanecermos fiéis até o
fim. Mas, existe um preço a pagar por quem não é
discípulo de Cristo?

       A terceira estrofe deste hino apresenta o aspecto
negativo de quem não se mantém firme no sofrimento em
prol do Evangelho. Se negarmos a Cristo, Ele também não
nos reconhecerá. E algumas pessoas negaram a Jesus
(1:15). Paulo, portanto, queria que Timóteo e os demais
crentes percebessem as consequências que isso acarreta.

       A quarta estrofe (2:13), ainda que mantenha o
equilíbrio poético da ideia de Paulo, quebra os padrões
seguidos pelas estrofes anteriores. Diz que, mesmo
quando somos infiéis, Deus continua fiel. Sua promessa
de redimir os que respondem positivamente a Ele não pode
ser desmentida por quem se afasta dele. Se somos infiéis
ao Senhor, o preço é a sua rejeição. Mas Ele não pode
contradizer-se a si mesmo.

       Devido à verdade apresentada neste hino, Paulo
exorta Timóteo a que lembre aos outros a necessidade de
que devem permanecer fiéis a Deus e, entre outras coisas,
proclamem a verdade do Evangelho. Se alguém contender
contra a salvação e o crescimento espiritual, está incluso
entre os que rejeitam a Deus. Na realidade, tais pessoas,
em vez de proclamarem a salvação oferecida por
intermédio de Cristo, só produzem ruína.
Priorizando O Discipulado                  P á g i n a | 12




                           III

    A META DO DISCIPULADO
                   2 Timóteo 2:15-19


A. Aprovado por Deus - Os falsos mestres da igreja em
Éfeso não causavam benefício algum à vida espiritual dos
crentes daquela cidade. Paulo ordenou a Timóteo que
evitasse o falso ensinamento. Pois havia algo que certa-
mente causaria grandes benefícios espirituais à vida de
todos os crentes: a Palavra de Deus.
       Os falsos mestres jamais teriam a aprovação de
Deus, porque arruinavam a vida das pessoas com seus
falsos ensinos. Mas havia uma forma pela qual todos
obteriam a aprovação de Deus: o uso correto de sua
Palavra (2 Tm 2:15).
       Em sua pregação, vida cristã e seu ensinamento,
Timóteo deveria fazer todo o possível para que seu ministé-
rio fosse aprovado por Deus. O que não significa dizer que
somente isso seja suficiente para que ganhemos a nossa
salvação. Significa, portanto, que, quando estamos diante
de Deus, não nos envergonhamos; porque o serviço que
prestamos a Ele não carece de alguma coisa, pois já está
plenamente aprovado.
       Uma das razões por que Timóteo não se
envergonharia era a maneira pela qual ensinava a Palavra
Priorizando O Discipulado                  P á g i n a | 13

de Deus. A frase que maneja bem é uma metáfora que
descreve o ato de se realizar algo corretamente. Timóteo
usou bem a Palavra e isso contribuiu para o
desenvolvimento espiritual dele mesmo e dos demais
crentes. Ele contrasta diretamente os falsos mestres e seus
falatórios vãos, quando faz o bom uso da palavra da
verdade. Diante desses fatos pode surgir a pergunta: como
os falsos mestres desvirtuam a Palavra de Deus?

        Timóteo diferenciava-se dos falsos mestres porque
fazia a interpretação correta da Palavra, enquanto o
ensinamento destes não passava de falatórios inúteis
(v.16). Em vez de estimularem a vida piedosa, seus falsos
ensinamentos causavam mais impiedade. Timóteo não
devia fazer parte disso.
        O falso ensinamento é como uma chaga
cancerígena, que corrói a carne, arruína a vida de uma
igreja e de seus membros. Paulo advertiu Timóteo sobre
duas pessoas que eram como essa gangrena: Himeneu e
Fileto (v. 17). Eles estavam destruindo a igreja com seus
ensinamentos.
        Himeneu e Fileto estavam equivocados com respeito
à Palavra de Deus e o seu plano para todos os crentes.
Ensinavam que a ressurreição já havia ocorrido.
Afirmavam ainda que a única ressurreição que os crentes
experimentariam seria na salvação: sua morte e
ressurreição espiritual em Cristo. E que, no futuro, não
haveria o dia do Senhor (Veja 2 Ts 2:2). Este ensino não
era só uma questão de divergência de opiniões. Era
espiritualmente perigoso, porque destruía a fé de alguns
crentes.
        Ainda que algumas pessoas ensinem a falsa
doutrina, elas não podem abalar o verdadeiro fundamento
de Deus (v. 19). O plano do Senhor para o seu povo não
será destruído por causa do falso ensinamento e nem
porque alguns poucos desistem da fé. Deus conhece os que
são seus, pois eles têm o selo que os comprova como
Priorizando O Discipulado                 P á g i n a | 14

propriedades do Senhor. Como somos de Cristo, devemos
nos afastar de toda maldade, seja o falso ensinamento ou
a conduta infame. Nada disso agrada a Deus.


B. Útil para Deus - Nem todo o que profere o nome de
Deus é útil para Ele. Na realidade, alguns, que afirmam
ser cristãos, não servem ao Senhor firmemente. A fim de
explicar o quê de fato é útil para Deus, Paulo empregou
uma metáfora sobre os utensílios que há em uma casa
(v.20). Muitas residências têm uma mistura de louças
finas e de frigideiras e panelas velhas. Alguns dos pratos
são usados para servir aos convidados, enquanto que os
utensílios menos importantes são empregados para se
recolher os desperdícios e os restos de comida. Mas, por
que é importante que os crentes vivam separados para
Deus?

       No v.21, Paulo aplicou a metáfora do v.20 aos
crentes. Todos aqueles que se purificam destas coisas (os
falsos ensinamentos e toda maldade) serão transformados
em um instrumento honrado, santificado (separado), útil
para Deus e disposto a praticar boas obras. A explicação é
clara. Os que não levam uma vida santificada, não honram
a Deus e, por isso, não serão usados por Ele.
Priorizando O Discipulado                 P á g i n a | 15




                CONCLUSÃO

A responsabilidade de um discípulo é dupla: seguir os
ensinamentos de nosso Mestre e ensiná-los aos outros.
Mas nem sempre é fácil. Ser seguidor de Cristo exige
qualidade, autodisciplina e dedicação. Deus chamou a
todos os crentes para que sejam seus seguidores. E isso
não é uma opção. Mas, como podemos ser bons
discípulos? Somente quando estudamos e praticamos os
ensinos da Palavra de Deus. Nas páginas da Bíblia estão
as instruções de que necessitamos para servir a Cristo.
Mas não conheceremos esses ensinamentos até que
estudemos a Palavra de Deus.

      Ser discípulo inclui também o ato de negarmos a
nós mesmos para agradarmos a Deus em todos os
aspectos de nossa existência. Portanto, devemos viver de
uma maneira piedosa que revele, com toda clareza, a graça
e o poder de Deus em nossa vida. Parte da
responsabilidade do discipulado é falar de Cristo aos
outros. A medida que crescemos em Cristo, desejamos
cada vez mais anunciar o seu plano de salvação às
pessoas. Também nos interessamos em ajudar nossos
irmãos na fé, para que cresçam, até serem cristãos
maduros.

      Ainda que não seja fácil ser discípulo, isso é
plenamente satisfatório. Quando descobrimos a presença
Priorizando O Discipulado                 P á g i n a | 16

diária de Deus em nossa vida, temos sua graça e força que
nos ajudam em qualquer dificuldade.
Priorizando O Discipulado                P á g i n a | 17




      ESBOÇO PARA ESTUDOS EM
              GRUPOS

TEXTO BÍBLICO - 2 Timóteo 2:1-21
ESBOÇO

I. Exortação ao discipulado
A. Fazendo verdadeiros discípulos
B. Suportando o sofrimento
II. 0 preço do discipulado
A. 0 custo pessoal
B. Valor eterno
III. meta do discipulado
A. Aprovado por Deus
B. Útil para Deus

TEXTO EM DESTAQUE

Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser
vir após mim. renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e
siga-me. Mateus 16:24.
VERDADE EM FOCO

Jesus Cristo deseja que seus discípulos façam outros
discípulos.
OBJETIVO

Considerar as responsabilidades do discipulado e crescer
como discípulo.
Priorizando O Discipulado             P á g i n a | 18




  SUGESTÕES DE LEITURAS

     Josué 24:14-24 → O discipulado é uma decisão
     1 Samuel 3:1-10 → Ouvindo o chamado de Deus
     Isaías 6:1-8 → Purificado para o discipulado
     Mateus 10:5-10 → Respondendo ao chamado
     Lucas 14:26-33 → Calcule o preço
     Lucas 19:1-10 → Transformado por Cristo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovadoshalonahr
 
Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15Pedro no Piel
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPastor Natalino Das Neves
 
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”JUERP
 
Estudo em i timóteo
Estudo em i timóteoEstudo em i timóteo
Estudo em i timóteoUFES
 
CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...
CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...
CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...Ednilson do Valle
 
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...Ednilson do Valle
 
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola DonminicalA FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminicalyosseph2013
 
Doutrina multiformidade cristã
Doutrina  multiformidade cristãDoutrina  multiformidade cristã
Doutrina multiformidade cristãJoel Silva
 
Estudos pastores fiéis e infiéis
Estudos  pastores fiéis e infiéisEstudos  pastores fiéis e infiéis
Estudos pastores fiéis e infiéisJoel Silva
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintiosJoel Silva
 
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 AdultosJoel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 AdultosJoel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 02 adultos
3º trimestre 2015 lição 02 adultos3º trimestre 2015 lição 02 adultos
3º trimestre 2015 lição 02 adultosJoel Silva
 

Mais procurados (20)

Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
 
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUSLBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
 
Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
A Fidelidade de Deus.
A  Fidelidade de Deus.A  Fidelidade de Deus.
A Fidelidade de Deus.
 
Avive o seu dom.
Avive o seu dom.Avive o seu dom.
Avive o seu dom.
 
Lição 5 - A justificação pela fé
Lição 5 - A justificação pela féLição 5 - A justificação pela fé
Lição 5 - A justificação pela fé
 
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
“Tudo é lícito, mas nem tudo convém”
 
Estudo em i timóteo
Estudo em i timóteoEstudo em i timóteo
Estudo em i timóteo
 
CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...
CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...
CETADEB - Lição 3 - Os desafios dos Apóstolos, Bispos/Presbíteros frente a ge...
 
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
CETADEB - Lição 4 - Paulo, o padrão. Barnabé o exemplo, Livro Teologia Pastor...
 
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola DonminicalA FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
 
Doutrina multiformidade cristã
Doutrina  multiformidade cristãDoutrina  multiformidade cristã
Doutrina multiformidade cristã
 
Estudos pastores fiéis e infiéis
Estudos  pastores fiéis e infiéisEstudos  pastores fiéis e infiéis
Estudos pastores fiéis e infiéis
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
 
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
 
3º trimestre 2015 lição 02 adultos
3º trimestre 2015 lição 02 adultos3º trimestre 2015 lição 02 adultos
3º trimestre 2015 lição 02 adultos
 
Lição 13
Lição 13Lição 13
Lição 13
 
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristãLBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
 

Semelhante a Priorizando o discipulado

3º trimestre 2015 lição 10 adultos
3º trimestre 2015 lição 10 adultos3º trimestre 2015 lição 10 adultos
3º trimestre 2015 lição 10 adultosJoel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 AdultosJoel Silva
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho cridoEBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho cridoGIDEONE Moura Santos Ferreira
 
2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 10.pptxJoel Silva
 
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDOLIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDOLourinaldo Serafim
 
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07Samarone Melo
 
Lição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho cridoLição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho cridoRegio Davis
 
Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02
Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02
Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02Jasp Palheta
 
Manual do evangelista
Manual do evangelistaManual do evangelista
Manual do evangelistaAdriana Nacif
 
Lição 10 o lider diante da chegada da morte 3º trimestre de 2015
Lição 10   o lider diante da chegada da morte   3º trimestre de 2015Lição 10   o lider diante da chegada da morte   3º trimestre de 2015
Lição 10 o lider diante da chegada da morte 3º trimestre de 2015Andrew Guimarães
 
Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado.
Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado. Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado.
Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado. Rafaelpedro25
 
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)leniogravacoes
 
Lição 8 3º Trim. 2015
Lição 8  3º Trim. 2015Lição 8  3º Trim. 2015
Lição 8 3º Trim. 2015Rogerio Rieling
 
Lição 08 - Aprovados por deus em cristo jesus
Lição 08 - Aprovados por deus em cristo jesusLição 08 - Aprovados por deus em cristo jesus
Lição 08 - Aprovados por deus em cristo jesusRegio Davis
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12Joel Silva
 
Jornal o-evangelho-edição-179
Jornal o-evangelho-edição-179Jornal o-evangelho-edição-179
Jornal o-evangelho-edição-179JanilsonSoares
 

Semelhante a Priorizando o discipulado (20)

3º trimestre 2015 lição 10 adultos
3º trimestre 2015 lição 10 adultos3º trimestre 2015 lição 10 adultos
3º trimestre 2015 lição 10 adultos
 
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho cridoEBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
 
2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 10.pptx
 
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDOLIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
 
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
 
Lição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho cridoLição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho crido
 
Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02
Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02
Manualdoevangelista 131215072909-phpapp02
 
Manual do evangelista
Manual do evangelistaManual do evangelista
Manual do evangelista
 
Lição 10 o lider diante da chegada da morte 3º trimestre de 2015
Lição 10   o lider diante da chegada da morte   3º trimestre de 2015Lição 10   o lider diante da chegada da morte   3º trimestre de 2015
Lição 10 o lider diante da chegada da morte 3º trimestre de 2015
 
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
 
Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado.
Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado. Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado.
Carta aos filipenses o verdadeiro evangelho explicado.
 
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
 
escola sabatina licao 06
escola sabatina licao 06escola sabatina licao 06
escola sabatina licao 06
 
015 timoteo 2º
015 timoteo 2º015 timoteo 2º
015 timoteo 2º
 
Lição 8 3º Trim. 2015
Lição 8  3º Trim. 2015Lição 8  3º Trim. 2015
Lição 8 3º Trim. 2015
 
Lição 08 - Aprovados por deus em cristo jesus
Lição 08 - Aprovados por deus em cristo jesusLição 08 - Aprovados por deus em cristo jesus
Lição 08 - Aprovados por deus em cristo jesus
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
 
Jornal o-evangelho-edição-179
Jornal o-evangelho-edição-179Jornal o-evangelho-edição-179
Jornal o-evangelho-edição-179
 
Soldados da vanguarda
Soldados da vanguardaSoldados da vanguarda
Soldados da vanguarda
 

Mais de Antonio Rodrigues

Mais de Antonio Rodrigues (13)

Liderança santa
Liderança santaLiderança santa
Liderança santa
 
Socorro! quero casar!
Socorro! quero casar!Socorro! quero casar!
Socorro! quero casar!
 
Teologia contemporanea
Teologia contemporaneaTeologia contemporanea
Teologia contemporanea
 
Família cristã saudável
Família cristã saudávelFamília cristã saudável
Família cristã saudável
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
Apostila teol contemporanea curso
Apostila teol contemporanea  curso Apostila teol contemporanea  curso
Apostila teol contemporanea curso
 
Apostila sociologia da religião
Apostila sociologia da religiãoApostila sociologia da religião
Apostila sociologia da religião
 
Apostila louvor e adoração
Apostila louvor e adoraçãoApostila louvor e adoração
Apostila louvor e adoração
 
As parabolas do reino
As parabolas do reinoAs parabolas do reino
As parabolas do reino
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
Apostila doutrina dos anjos
Apostila  doutrina dos anjosApostila  doutrina dos anjos
Apostila doutrina dos anjos
 
Estudando a bíblia
Estudando a bíbliaEstudando a bíblia
Estudando a bíblia
 
Compromisso com deus
Compromisso com deusCompromisso com deus
Compromisso com deus
 

Último

Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 

Último (20)

Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

Priorizando o discipulado

  • 1. PRIORIZANDO O DISCIPULADO Séries Estudos Bíblicos 2 Timóteo 2:1-21 AUTOR DESCONHECIDO Volume IV Livreto
  • 2. Priorizando O Discipulado Página |1 Sumário TEXTO BÍBLICO ............................................................ 3 INTRODUÇÃO ................................................................ 5 EXORTAÇÃO AO DISCIPULADO .................................... 6 O PREÇO DO DISCIPULADO ......................................... 9 A META DO DISCIPULADO .......................................... 12 CONCLUSÃO ............................................................... 15 ESBOÇO PARA ESTUDOS EM GRUPOS ...................... 17 SUGESTÕES DE LEITURAS ......................................... 18
  • 3. Priorizando O Discipulado Página |2 PRIORIZANDO O DISCIPULADO
  • 4. Priorizando O Discipulado Página |3 TEXTO BÍBLICO 2 Timóteo 2:1-21 1 Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus; 2 e o que de mim ouviste de muitas testemunhas, transmite-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros. 3 Sofre comigo como bom soldado de Cristo Jesus. 4 Nenhum soldado em serviço se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra. 5 E também se um atleta lutar nos jogos públicos, não será coroado se não lutar legitimamente. 6 O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos frutos. 7 Considera o que digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo. 8 Lembra-te de Jesus Cristo, ressurgido dentre os mortos, descendente de Davi, segundo o meu evangelho, 9 pelo qual sofro a ponto de ser preso como malfeitor; mas a palavra de Deus não está presa. 10 Por isso, tudo suporto por amor dos eleitos, para que também eles alcancem a salvação que há em Cristo Jesus com glória eterna.
  • 5. Priorizando O Discipulado Página |4 11 Fiel é esta palavra: Se, pois, já morremos com ele, também com ele viveremos; 12 se perseveramos, com ele também reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará; 13 se somos infiéis, ele permanece fiel; porque não pode negar-se a si mesmo. 14 Lembra-lhes estas coisas, conjurando-os diante de Deus que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam, senão para subverter os ouvintes. 15 Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. 16 Mas evita as conversas vãs e profanas; porque os que delas usam passarão a impiedade ainda maior, 17 e as suas palavras alastrarão como gangrena; entre os quais estão Himeneu e Fileto, 18 que se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição é já passada, e assim pervertem a fé a alguns. 19 Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os seus, e: Aparte-se da injustiça todo aquele que profere o nome do Senhor. 20 Ora, numa grande casa, não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de madeira e de barro; e uns, na verdade, para uso honroso, outros, porém, para uso desonroso. 21 Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra.
  • 6. Priorizando O Discipulado Página |5 INTRODUÇÃO Um dicionário apresenta três definições para o vocábulo "discípulo". Primeira: "Alguém que segue os ensinamentos de um mestre e contribui na difusão destes ensinos"; segunda: "Um adepto ativo de qualquer movimento"; terceira: "um dos companheiros de Cristo". Todo cristão, por definição, é um discípulo. Mas o discipulado não é a simples aceitação dos ensinamentos de Cristo nem a identificação com uma igreja. É uma maneira específica de viver. Implica em uma constante e ativa dedicação ao crescimento na maturidade espiritual e ao falar do Evangelho aos outros. E, depois que essas pessoas aceitam a Cristo, significa também ajudá-las a ser discípulos consagrados. Em sua segunda carta a Timóteo, Paulo exortou o seu filho na fé para que permanecesse firme como discípulo de Cristo, apesar do sofrimento e das dificuldades que teria de enfrentar por proclamar a verdade do Evangelho. Este mesmo ensino é um estímulo para que os crentes de hoje permaneçam fiéis como discípulos de Jesus Cristo, nosso Salvador.
  • 7. Priorizando O Discipulado Página |6 I EXORTAÇÃO AO DISCIPULADO 2 Timóteo 2:1,2 A. Fazendo verdadeiros discípulos - Ser um discípulo de Jesus exige firmeza espiritual. Alguns crentes, porque não foram constantes ou não quiseram associar-se a Paulo, afastaram-se de Cristo (1 Tm 1:15). Mas o apóstolo não desejava que Timóteo fosse como os que o abandonaram. Ao contrário, Paulo exortou seu filho na fé para que se esforçasse na graça que há em Cristo Jesus (2:1). A firmeza de Timóteo não viria de seus próprios recursos. A fonte da graça que nos fortalece é Jesus Cris- to. A mesma bênção que deu salvação a Timóteo também nos dará fortaleza para o nosso viver diário. Por ser um líder importante, Timóteo recebeu a ordem para que guardasse fielmente o conteúdo do Evangelho. E precisava estar seguro de sua verdade, porque outras pessoas também testificaram de sua exati-
  • 8. Priorizando O Discipulado Página |7 dão (v.2). Além disso, Paulo ordenou-lhe que ensinasse o Evangelho a homens fiéis. E, por sua vez, também seriam responsáveis pela guarda da Palavra de Deus, a fim de transmiti-la a outros. Porém, por que Paulo não mandou que Timóteo ensinasse o Evangelho a todos os homens, mas somente a homens fiéis? Timóteo não estava definitivamente em Éfeso. Quando chegasse o momento de ele retornar, Paulo que- ria estar seguro de que haveria outros que pudessem levar adiante a verdade do Evangelho. B. Suportando o sofrimento - Nem sempre é fácil ser discípulo de Cristo. Às vezes, exige uma boa parcela de renúncia. Paulo já havia exortado Timóteo a que participasse das aflições por amor ao Evangelho (2 Tm 1:8). No cap. 2, o apóstolo solicita-lhe que se esforce (v. 1). Isto queria dizer que seu filho na fé precisava vencer o sofrimento que experimentava naquele momento como crente. Nos versículos 3 a 7, Paulo empregou três metáforas para ensinar a Timóteo sobre como ele deveria enfrentar o sofrimento assim como um bom soldado enfrenta os sofrimentos de uma guerra, como um atleta que suporta as dificuldades da competição e como um agricultor que enfrenta a dura lida no cultivo da terra. Ora, mas de que maneira a vida cristã se parece com a de um soldado, um desportista e um agricultor? Nem sempre é fácil a vida de um militar. Nas batalhas diárias, ele experimenta a escassez e o sofrimen- to. Como fiel soldado de Cristo, Timóteo também enfrentaria muitas adversidades. A tradução da frase sofre, pois, comigo (v.3) refere-se mais ao ato de participar no sofrimento do que a suportá-lo. Devemos aceitar as adversidades como parte do discipulado. Um bom soldado deseja agradar ao seu superior (v.4). E isso exige absoluta devoção por parte dele, a ponto
  • 9. Priorizando O Discipulado Página |8 de não se envolver com os assuntos da vida civil. Toda sua atenção está no serviço a seu chefe supremo, ainda que isso signifique sofrimento. De igual modo, os crentes devem empenhar-se para agradar a Cristo, ainda que sofram por causa do Evangelho. No v.5, Paulo empregou outra metáfora para descrever a atitude de um cristão: deu o exemplo de um maratonista. Quando ele compete, faz um esforço extraordinário para obterá vitória. Mas, se de fato deseja ganhar, precisa correr conforme as regras. Parte da carreira cristã inclui o sofrimento. Se temos de participar desta competição, para ganharmos o prêmio final, precisamos nos dar conta de que o sofrimento talvez esteja presente. Ainda que as primeiras metáforas pareçam negativas, Paulo termina suas instruções com uma observação positiva. O agricultor trabalha duro (sofre), enquanto cuida de seu plantio. No entanto, ele é o primeiro a participar do fruto de seu trabalho (v.6). De igual modo, a vida cristã, às vezes, nem sempre é fácil; mas teremos uma recompensa: a vida eterna. O sofrimento que temos aqui não se compara com o nosso galardão (2 Co 4:16-18). Paulo exortou Timóteo a meditar nestas verdades (2 Tm 2:7). O mesmo Deus que fortaleceu o apóstolo, ajudaria aquele jovem obreiro a compreender o papel do sofrimento em sua vida.
  • 10. Priorizando O Discipulado Página |9 II O PREÇO DO DISCIPULADO 2 Timóteo 2:8-10 A. O custo pessoal - Nossa reflexão sobre as verdades da Palavra de Deus e sua fidelidade para conosco torna-se uma fonte de alimento em nosso sofrimento. Quando Paulo discorreu sobre a adversidade, exortou Timóteo a lembrar-se de Cristo (2 Tm 2:8). Na vida de Cristo, o preço por agradar a Deus, o Pai, resultou em sua morte na cruz. Mas Jesus não era simplesmente uma pessoa qualquer. Era o filho de Davi. Por que Paulo empregou o título messiânico "linhagem de Davi", para referir-se a Cristo em 2 Timóteo 2:8? Ao empregar um dos títulos messiânicos de Cristo, o apóstolo Paulo provavelmente desejava que Timóteo compreendesse a fidelidade de Deus no cumprimento de suas promessas. Como Jesus era o Messias, Ele não permaneceu no sepulcro. Ressuscitou dentre os mortos. O Evangelho que Paulo pregava não era algo novo. A mensagem do Cristo crucificado e ressuscitado tinha sido um cumprimento da profecia do Antigo Testamento.
  • 11. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 10 E como Jesus ressuscitou dos mortos, o apóstolo, Timóteo e todos os crentes têm a esperança de uma ressurreição; portanto, vale a pena sofrer por causa da mensagem que Paulo pregou. É digna de apreciação a afirmação de Paulo no v.9. Ele comparou seu próprio sofrimento com a vitória do Evangelho. Ainda que estivesse preso, a Palavra de Deus não está presa. A prisão do apóstolo era uma afronta, pelo fato de ele ser quem era e também por ser inocente de todas as acusações. Mas, ainda que estivesse preso, jamais o Evangelho seria aprisionado. E prova disso é que a Palavra jamais foi impedida de ser proclamada. Paulo compreendia que sua adversidade não era apenas por causa de sua pregação. Seu sofrimento era por amor ao eleitos, para que eles também alcancem a salvação. Os "eleitos" refere-se ao povo escolhido de Deus. Todos os que aceitam a Jesus fazem parte desse grupo. Ainda que a afirmação feita pelo apóstolo no v. 10 não esteja bem esclarecida, de certo modo ele entendia que o seu próprio sofrimento contribuía para a difusão do Evangelho. E, mediante a pregação da Palavra de Deus, muitos obterão a salvação por intermédio de Cristo. B. Valor eterno - A introdução de 2 Timóteo 2:11- 13 - Fiel é esta palavra - é várias vezes empregada por Paulo nas epístolas pastorais. E aplicada geralmente como uma autêntica expressão proverbial. Alguns eruditos creem que esses versículos são um dos primeiros hinos ou poemas cristãos. O apóstolo empregou este cântico para resumir e realçar sua exortação, a fim de que Timóteo fosse firme no seu caminhar com Deus (v.1). As frases iniciais, ou primeira estrofe, de tais poemas são declarações positivas. Se aceitarmos o preço, por sermos discípulos de Cristo, também participaremos
  • 12. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 11 de sua glória. O preço do discipulado é a participação na morte de Jesus; ao abandonarmos nossa vida pecaminosa, temos a garantia da eternidade com Cristo. A segunda estrofe afirma que devemos suportar o preço do sofrimento. Se participarmos das adversidades por Cristo e pelo Evangelho, e suportarmos bem, também reinaremos com Jesus. Assim como o Servo/Messias sofredor de Isaías, nós também padeceremos penúrias e receberemos a sua glória, se permanecermos fiéis até o fim. Mas, existe um preço a pagar por quem não é discípulo de Cristo? A terceira estrofe deste hino apresenta o aspecto negativo de quem não se mantém firme no sofrimento em prol do Evangelho. Se negarmos a Cristo, Ele também não nos reconhecerá. E algumas pessoas negaram a Jesus (1:15). Paulo, portanto, queria que Timóteo e os demais crentes percebessem as consequências que isso acarreta. A quarta estrofe (2:13), ainda que mantenha o equilíbrio poético da ideia de Paulo, quebra os padrões seguidos pelas estrofes anteriores. Diz que, mesmo quando somos infiéis, Deus continua fiel. Sua promessa de redimir os que respondem positivamente a Ele não pode ser desmentida por quem se afasta dele. Se somos infiéis ao Senhor, o preço é a sua rejeição. Mas Ele não pode contradizer-se a si mesmo. Devido à verdade apresentada neste hino, Paulo exorta Timóteo a que lembre aos outros a necessidade de que devem permanecer fiéis a Deus e, entre outras coisas, proclamem a verdade do Evangelho. Se alguém contender contra a salvação e o crescimento espiritual, está incluso entre os que rejeitam a Deus. Na realidade, tais pessoas, em vez de proclamarem a salvação oferecida por intermédio de Cristo, só produzem ruína.
  • 13. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 12 III A META DO DISCIPULADO 2 Timóteo 2:15-19 A. Aprovado por Deus - Os falsos mestres da igreja em Éfeso não causavam benefício algum à vida espiritual dos crentes daquela cidade. Paulo ordenou a Timóteo que evitasse o falso ensinamento. Pois havia algo que certa- mente causaria grandes benefícios espirituais à vida de todos os crentes: a Palavra de Deus. Os falsos mestres jamais teriam a aprovação de Deus, porque arruinavam a vida das pessoas com seus falsos ensinos. Mas havia uma forma pela qual todos obteriam a aprovação de Deus: o uso correto de sua Palavra (2 Tm 2:15). Em sua pregação, vida cristã e seu ensinamento, Timóteo deveria fazer todo o possível para que seu ministé- rio fosse aprovado por Deus. O que não significa dizer que somente isso seja suficiente para que ganhemos a nossa salvação. Significa, portanto, que, quando estamos diante de Deus, não nos envergonhamos; porque o serviço que prestamos a Ele não carece de alguma coisa, pois já está plenamente aprovado. Uma das razões por que Timóteo não se envergonharia era a maneira pela qual ensinava a Palavra
  • 14. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 13 de Deus. A frase que maneja bem é uma metáfora que descreve o ato de se realizar algo corretamente. Timóteo usou bem a Palavra e isso contribuiu para o desenvolvimento espiritual dele mesmo e dos demais crentes. Ele contrasta diretamente os falsos mestres e seus falatórios vãos, quando faz o bom uso da palavra da verdade. Diante desses fatos pode surgir a pergunta: como os falsos mestres desvirtuam a Palavra de Deus? Timóteo diferenciava-se dos falsos mestres porque fazia a interpretação correta da Palavra, enquanto o ensinamento destes não passava de falatórios inúteis (v.16). Em vez de estimularem a vida piedosa, seus falsos ensinamentos causavam mais impiedade. Timóteo não devia fazer parte disso. O falso ensinamento é como uma chaga cancerígena, que corrói a carne, arruína a vida de uma igreja e de seus membros. Paulo advertiu Timóteo sobre duas pessoas que eram como essa gangrena: Himeneu e Fileto (v. 17). Eles estavam destruindo a igreja com seus ensinamentos. Himeneu e Fileto estavam equivocados com respeito à Palavra de Deus e o seu plano para todos os crentes. Ensinavam que a ressurreição já havia ocorrido. Afirmavam ainda que a única ressurreição que os crentes experimentariam seria na salvação: sua morte e ressurreição espiritual em Cristo. E que, no futuro, não haveria o dia do Senhor (Veja 2 Ts 2:2). Este ensino não era só uma questão de divergência de opiniões. Era espiritualmente perigoso, porque destruía a fé de alguns crentes. Ainda que algumas pessoas ensinem a falsa doutrina, elas não podem abalar o verdadeiro fundamento de Deus (v. 19). O plano do Senhor para o seu povo não será destruído por causa do falso ensinamento e nem porque alguns poucos desistem da fé. Deus conhece os que são seus, pois eles têm o selo que os comprova como
  • 15. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 14 propriedades do Senhor. Como somos de Cristo, devemos nos afastar de toda maldade, seja o falso ensinamento ou a conduta infame. Nada disso agrada a Deus. B. Útil para Deus - Nem todo o que profere o nome de Deus é útil para Ele. Na realidade, alguns, que afirmam ser cristãos, não servem ao Senhor firmemente. A fim de explicar o quê de fato é útil para Deus, Paulo empregou uma metáfora sobre os utensílios que há em uma casa (v.20). Muitas residências têm uma mistura de louças finas e de frigideiras e panelas velhas. Alguns dos pratos são usados para servir aos convidados, enquanto que os utensílios menos importantes são empregados para se recolher os desperdícios e os restos de comida. Mas, por que é importante que os crentes vivam separados para Deus? No v.21, Paulo aplicou a metáfora do v.20 aos crentes. Todos aqueles que se purificam destas coisas (os falsos ensinamentos e toda maldade) serão transformados em um instrumento honrado, santificado (separado), útil para Deus e disposto a praticar boas obras. A explicação é clara. Os que não levam uma vida santificada, não honram a Deus e, por isso, não serão usados por Ele.
  • 16. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 15 CONCLUSÃO A responsabilidade de um discípulo é dupla: seguir os ensinamentos de nosso Mestre e ensiná-los aos outros. Mas nem sempre é fácil. Ser seguidor de Cristo exige qualidade, autodisciplina e dedicação. Deus chamou a todos os crentes para que sejam seus seguidores. E isso não é uma opção. Mas, como podemos ser bons discípulos? Somente quando estudamos e praticamos os ensinos da Palavra de Deus. Nas páginas da Bíblia estão as instruções de que necessitamos para servir a Cristo. Mas não conheceremos esses ensinamentos até que estudemos a Palavra de Deus. Ser discípulo inclui também o ato de negarmos a nós mesmos para agradarmos a Deus em todos os aspectos de nossa existência. Portanto, devemos viver de uma maneira piedosa que revele, com toda clareza, a graça e o poder de Deus em nossa vida. Parte da responsabilidade do discipulado é falar de Cristo aos outros. A medida que crescemos em Cristo, desejamos cada vez mais anunciar o seu plano de salvação às pessoas. Também nos interessamos em ajudar nossos irmãos na fé, para que cresçam, até serem cristãos maduros. Ainda que não seja fácil ser discípulo, isso é plenamente satisfatório. Quando descobrimos a presença
  • 17. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 16 diária de Deus em nossa vida, temos sua graça e força que nos ajudam em qualquer dificuldade.
  • 18. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 17 ESBOÇO PARA ESTUDOS EM GRUPOS TEXTO BÍBLICO - 2 Timóteo 2:1-21 ESBOÇO I. Exortação ao discipulado A. Fazendo verdadeiros discípulos B. Suportando o sofrimento II. 0 preço do discipulado A. 0 custo pessoal B. Valor eterno III. meta do discipulado A. Aprovado por Deus B. Útil para Deus TEXTO EM DESTAQUE Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim. renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Mateus 16:24. VERDADE EM FOCO Jesus Cristo deseja que seus discípulos façam outros discípulos. OBJETIVO Considerar as responsabilidades do discipulado e crescer como discípulo.
  • 19. Priorizando O Discipulado P á g i n a | 18 SUGESTÕES DE LEITURAS  Josué 24:14-24 → O discipulado é uma decisão  1 Samuel 3:1-10 → Ouvindo o chamado de Deus  Isaías 6:1-8 → Purificado para o discipulado  Mateus 10:5-10 → Respondendo ao chamado  Lucas 14:26-33 → Calcule o preço  Lucas 19:1-10 → Transformado por Cristo