SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
Teoria dos grafos:
topologia e estrutura das
redes
Departamento de Comunicação Social
FACHA – Faculdades Hélio Alonso
LUIZ AGNER
MÍDIA II
Redes sociais
Redes sociais
 É uma rede de computadores conectando
uma rede de pessoas e organizações.
 Agrupamentos complexos instituídos por
interações sociais apoiadas em
tecnologias digitais de comunicação.
 A comunicação mediada por computador
engendrou as redes sociais mediadas por
computador.
 Estudos das redes iniciados por
matemáticos e depois adotados pelas
ciências sociais.
Redes sociais
 Albert-László Barabási - Físico romeno
Abordagem de rede
 Abordagens de redes (ou topológicas)
tem suscitado interesse em diversos
domínios científicos.
 As redes encontram-se em diversos
sistemas físicos, biológicos, cognitivos e
nas ciências sociais.
 Tratamento de problemas complexos
através de análise das características das
ligações de um conjunto de elementos.
 Adequada ao estudo dos sistemas
complexos.
Sistemas complexos
 Adequação da abordagem de rede.
 Duas características:
 Interdependência – o comportamento
de cada elemento depende do
comportamento dos demais elementos
com difícil previsibilidade.
 Emergência – propriedades coletivas
são diferentes do comportamento
individual (em nível de subredes e na
rede global).
7 pontes de
Konigsberg
7 pontes de
Konigsberg
Teoria dos grafos
Teoria dos grafos
 Lenda urbana – O enigma era como
atravessar a cidade através das 7
pontes cruzando cada uma apenas 1
vez.
 Primeiro teorema dos grafos foi o Enigma
das 7 Pontes de Konigsberg (Rússia),
proposto pelo matemático Euler (séc. XVIII).
 Solução – apenas 2 pontes em cada nó.
Teoria dos grafos
 Um grafo é uma representação de uma
rede constituída por nós e arestas.
 A teoria dos grafos é uma parte da
matemática.
 Daí surgiu a Análise Estrutural das
Redes Sociais – para extrair
propriedades estruturais e funcionais
através da observação empírica.
 Autores: Barabasi, Albert, Watts,
Strogatz, Wellman.
 Estudar conexões e metáfora estrutural
Abordagem de redes
 Abordagem geométrica versus
topológica – diferenças.
 Erdos e Renyi: matemáticos húngaros (séc. XX)
 Redes regulares: critério comum ou
padrão determinista de
estabelecimento de ligações
 Redes aleatórias: ligações criadas ao
acaso sem padrão.
6 graus de separação
 Experimento do cientista social Stanley
Milgram (1967):
 Os cidadãos americanos estavam
separados em média por apenas 6
intermediários.
 Envio de correspondência postal – 196
remetentes em Nebrasca e 100
destinatários finais em Boston.
 O remetente poderia escolher um
intermediário entre seus conhecidos
tratados por nome próprio.
Número de Kevin
Bacon
 Experiência foi
repetida entre atores
de cinema –
determinar o número
de Kevin Bacon.
 Outros números:
número de Erdos
(colaboração em
papers); número de
Einstein (relação de
orientando de tese).
FILMOGRAFIA KEVIN BACON:
 X-Men – 1ª Classe
 Footlose
 Nova York, Eu te Amo
 Sexta-feira 13
 Clube dos Cafajestes
 Apolo 13
 JFK
 Sobre Meninos e Lobos
 Obsessão
 etc.
O mundo é pequeno
O mundo é pequeno
 Conclusões do experimento do cientista
social Stanley Milgram (1967):
 Relações sociais entre os indivíduos
superam nossas expectativas ou intuição
– alcance, repetições, coincidências.
Topologias
 Redes são metáforas estruturais.
 As redes sociais na Internet possuem
topologias, estruturas.
 As estruturas são construídas através dos
laços sociais estabelecidos pelos atores.
 Estruturas alteram o fluxo de
informação nas redes.
 Existem diversos estudos recentes.
 Há topologias mais ou menos eficientes à
ação dos grupos sociais.
 Ciência das redes (Barabási, 2003).
Topologias
 Centralizada, Descentralizada, Distribuída
Topologias
 Centralizada – um nó centraliza
 Descentralizada – vários centros
 Distribuída – os nós têm
aproximadamente a mesma quantidade
de conexões
 Todas são possíveis na Internet.
Rede igualitária
 Centralizada – um
Redes Mundo Pequeno
kljlkj
Laços fortes – Clusters (comunidades)
Laços fracos – Mundo Pequeno
Redes Sem Escalas
Power Law:
20% das nós concentram
80% das conexões
Rich gets richer:
Hubs ou conectores
Propriedades de redes
 Coeficiente de agregação (cluster):
 Mede a probabilidade de, para cada
elemento da rede, os pares de
elementos ligados a ele estarem
ligados entre si.
 Caminho médio mais curto:
 Valor médio do número mínimo de
ligações para conectar cada elemento
da rede.
Propriedades de redes
 Grau de conexão
 Quantidade de conexões de um nó
 Densidade
 Quantidade de conexões do grafo.
 Centralidade
 Importância de um nó para a rede
 Centralização
 Medida da coesão geral da rede
 Multiplexidade
 Medida da diversidade das trocas na rede
Grau do nó e da rede
 Grau do nó – é o número de ligações das
quais o nó N participa.
 Grau da rede – é a média dos graus de
todos os nós de uma rede.
3 2
2 3
3 + 2 + 3 + 2
4
= 2,5
Dinâmicas das redes
sociais na Internet
 A rede é um sistema dinâmico
(não estático) que modifica-se o tempo
inteiro
 Ordem, caos, desagregação e ruptura.
 Rede tem propriedades emergentes que não
são encontradas em partes individuais.
 Suas dinâmicas:
 Cooperação
 Competição e
 Conflito
Dinâmicas das redes
sociais na Internet
 Cooperação – Ex: formação de comunidades
(clusters).
 Competição – Ex: disputa por edição de
verbetes na Wikipedia.
 Conflito – Ex: hostilidades e agressões
verbais; usuários mal-intencionados.
Para saber mais:
Raquel Recuero:
REDES SOCIAIS NA
INTERNET (2009).
Ed. Meridional
Tanya Araujo:
INTRODUÇÃO À ECONOMIA
COMPUTACIONAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalProf. Leonardo Rocha
 
Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacionalNiloar Bissani
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência ArtificialLincolm Aguiar
 
Brainstorming
BrainstormingBrainstorming
BrainstormingBruna M
 
Entendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memesEntendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memesJuliano Marlous
 
2 Sistema Informação na Empresa Cap02
2 Sistema Informação na Empresa Cap022 Sistema Informação na Empresa Cap02
2 Sistema Informação na Empresa Cap02Robson Santos
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoCarlos Alves
 
Modelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisa
Modelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisaModelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisa
Modelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisaDany Pereira
 
86242325 pre-projeto-de-pesquisa
86242325 pre-projeto-de-pesquisa86242325 pre-projeto-de-pesquisa
86242325 pre-projeto-de-pesquisaMarcos Faria
 
Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoHerbert Santana
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisarivanialeao
 
Cultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura DigitalCultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura DigitalDaniel Dutra
 

Mais procurados (20)

Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
 
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
 
Aula14
Aula14Aula14
Aula14
 
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de NegóciosEmpreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
 
Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacional
 
Inteligência Artificial
Inteligência ArtificialInteligência Artificial
Inteligência Artificial
 
Sistemas de Informação 2 - Aula03 - cap2 parte1
Sistemas de Informação 2 - Aula03 - cap2 parte1Sistemas de Informação 2 - Aula03 - cap2 parte1
Sistemas de Informação 2 - Aula03 - cap2 parte1
 
Brainstorming
BrainstormingBrainstorming
Brainstorming
 
Entendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memesEntendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memes
 
2 Sistema Informação na Empresa Cap02
2 Sistema Informação na Empresa Cap022 Sistema Informação na Empresa Cap02
2 Sistema Informação na Empresa Cap02
 
Comunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE BásicoComunicação Empresarial CE Básico
Comunicação Empresarial CE Básico
 
Redes de cooperação
Redes de cooperaçãoRedes de cooperação
Redes de cooperação
 
Modelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisa
Modelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisaModelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisa
Modelo projeto de pesquisa como fazer_ pesquisa
 
86242325 pre-projeto-de-pesquisa
86242325 pre-projeto-de-pesquisa86242325 pre-projeto-de-pesquisa
86242325 pre-projeto-de-pesquisa
 
22 di maggio-e-powell
22 di maggio-e-powell22 di maggio-e-powell
22 di maggio-e-powell
 
Aula03 midia digital
Aula03 midia digitalAula03 midia digital
Aula03 midia digital
 
Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à Administração
 
Slide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisaSlide projeto de pesquisa
Slide projeto de pesquisa
 
Cultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura DigitalCultura de Mídias e Cultura Digital
Cultura de Mídias e Cultura Digital
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 

Semelhante a Introdução à Teoria das Redes (estudo dos graphos)

Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010Cesayres
 
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010Cesayres
 
Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)Rafael Dahis
 
Ciência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectadaCiência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectadanextfiocruz
 
Análise de Redes Sociais
Análise de Redes SociaisAnálise de Redes Sociais
Análise de Redes SociaisInês Amaral
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisCarolina Lima
 
2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi
2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi
2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo BarbarasiDOM Strategy Partners
 
Internet Como Uma Rede Complexa
Internet Como Uma Rede ComplexaInternet Como Uma Rede Complexa
Internet Como Uma Rede Complexarogeriominhano
 
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de RedesConceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de RedesLucas Reis
 
Redes Sociais e Web 2.0 no SESC
Redes Sociais e Web 2.0 no SESCRedes Sociais e Web 2.0 no SESC
Redes Sociais e Web 2.0 no SESCDalton Martins
 
Informação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresas
Informação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresasInformação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresas
Informação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresasGonçalo Costa Ferreira
 
Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...
Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...
Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...Alex Primo
 
Redes sociais e computação social
Redes sociais e computação socialRedes sociais e computação social
Redes sociais e computação socialMarco Aurelio Gerosa
 

Semelhante a Introdução à Teoria das Redes (estudo dos graphos) (20)

Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010
 
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010
 
Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)
 
123
123123
123
 
Ciência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectadaCiência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectada
 
Análise de Redes Sociais
Análise de Redes SociaisAnálise de Redes Sociais
Análise de Redes Sociais
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
 
Fluzz pilulas 9
Fluzz pilulas 9Fluzz pilulas 9
Fluzz pilulas 9
 
Afinal, o que são redes sociais?
Afinal, o que são redes sociais?Afinal, o que são redes sociais?
Afinal, o que são redes sociais?
 
2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi
2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi
2009 ECC Linked - A Nova Ciência dos Networks - Albert Laszlo Barbarasi
 
Internet Como Uma Rede Complexa
Internet Como Uma Rede ComplexaInternet Como Uma Rede Complexa
Internet Como Uma Rede Complexa
 
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de RedesConceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
 
Palestra Comunicavale
Palestra ComunicavalePalestra Comunicavale
Palestra Comunicavale
 
Afinal, o que são redes sociais?
Afinal, o que são redes sociais?Afinal, o que são redes sociais?
Afinal, o que são redes sociais?
 
Redes Sociais e Web 2.0 no SESC
Redes Sociais e Web 2.0 no SESCRedes Sociais e Web 2.0 no SESC
Redes Sociais e Web 2.0 no SESC
 
Informação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresas
Informação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresasInformação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresas
Informação e medidas em análise de redes sociais aplicada às empresas
 
Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...
Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...
Co-Links: proposta de uma nova tecnologia para a escrita coletiva de links mu...
 
Redes Sociais2
Redes Sociais2Redes Sociais2
Redes Sociais2
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
 
Redes sociais e computação social
Redes sociais e computação socialRedes sociais e computação social
Redes sociais e computação social
 

Mais de Luiz Agner

Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User ExperienceRecommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User ExperienceLuiz Agner
 
Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)Luiz Agner
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-RioWIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-RioLuiz Agner
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MGWIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MGLuiz Agner
 
Marketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleMarketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemasArquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemasLuiz Agner
 
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)Luiz Agner
 
Marco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no BrasilMarco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no BrasilLuiz Agner
 
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura DigitalVigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura DigitalLuiz Agner
 
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de GarrettDiagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de GarrettLuiz Agner
 
Bridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipeBridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipeLuiz Agner
 
Marketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de ConceitosMarketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de ConceitosLuiz Agner
 
Cultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. CastellsCultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. CastellsLuiz Agner
 
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de InformaçãoBridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de InformaçãoLuiz Agner
 
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi SelectionAvaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi SelectionLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIMArquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIMLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto ImaginariumArquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto ImaginariumLuiz Agner
 
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHAArquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHALuiz Agner
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJLuiz Agner
 

Mais de Luiz Agner (20)

Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User ExperienceRecommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
 
Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-RioWIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MGWIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
 
Marketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleMarketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controle
 
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemasArquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
 
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
 
Marco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no BrasilMarco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no Brasil
 
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura DigitalVigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
 
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de GarrettDiagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
 
Bridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipeBridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipe
 
Marketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de ConceitosMarketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de Conceitos
 
Cultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. CastellsCultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. Castells
 
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de InformaçãoBridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
 
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi SelectionAvaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
 
Arquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIMArquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIM
 
Arquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto ImaginariumArquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
 
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHAArquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHA
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
 

Introdução à Teoria das Redes (estudo dos graphos)

  • 1. Teoria dos grafos: topologia e estrutura das redes Departamento de Comunicação Social FACHA – Faculdades Hélio Alonso LUIZ AGNER MÍDIA II
  • 3. Redes sociais  É uma rede de computadores conectando uma rede de pessoas e organizações.  Agrupamentos complexos instituídos por interações sociais apoiadas em tecnologias digitais de comunicação.  A comunicação mediada por computador engendrou as redes sociais mediadas por computador.  Estudos das redes iniciados por matemáticos e depois adotados pelas ciências sociais.
  • 4. Redes sociais  Albert-László Barabási - Físico romeno
  • 5. Abordagem de rede  Abordagens de redes (ou topológicas) tem suscitado interesse em diversos domínios científicos.  As redes encontram-se em diversos sistemas físicos, biológicos, cognitivos e nas ciências sociais.  Tratamento de problemas complexos através de análise das características das ligações de um conjunto de elementos.  Adequada ao estudo dos sistemas complexos.
  • 6. Sistemas complexos  Adequação da abordagem de rede.  Duas características:  Interdependência – o comportamento de cada elemento depende do comportamento dos demais elementos com difícil previsibilidade.  Emergência – propriedades coletivas são diferentes do comportamento individual (em nível de subredes e na rede global).
  • 10. Teoria dos grafos  Lenda urbana – O enigma era como atravessar a cidade através das 7 pontes cruzando cada uma apenas 1 vez.  Primeiro teorema dos grafos foi o Enigma das 7 Pontes de Konigsberg (Rússia), proposto pelo matemático Euler (séc. XVIII).  Solução – apenas 2 pontes em cada nó.
  • 11. Teoria dos grafos  Um grafo é uma representação de uma rede constituída por nós e arestas.  A teoria dos grafos é uma parte da matemática.  Daí surgiu a Análise Estrutural das Redes Sociais – para extrair propriedades estruturais e funcionais através da observação empírica.  Autores: Barabasi, Albert, Watts, Strogatz, Wellman.  Estudar conexões e metáfora estrutural
  • 12. Abordagem de redes  Abordagem geométrica versus topológica – diferenças.  Erdos e Renyi: matemáticos húngaros (séc. XX)  Redes regulares: critério comum ou padrão determinista de estabelecimento de ligações  Redes aleatórias: ligações criadas ao acaso sem padrão.
  • 13. 6 graus de separação  Experimento do cientista social Stanley Milgram (1967):  Os cidadãos americanos estavam separados em média por apenas 6 intermediários.  Envio de correspondência postal – 196 remetentes em Nebrasca e 100 destinatários finais em Boston.  O remetente poderia escolher um intermediário entre seus conhecidos tratados por nome próprio.
  • 14.
  • 15. Número de Kevin Bacon  Experiência foi repetida entre atores de cinema – determinar o número de Kevin Bacon.  Outros números: número de Erdos (colaboração em papers); número de Einstein (relação de orientando de tese). FILMOGRAFIA KEVIN BACON:  X-Men – 1ª Classe  Footlose  Nova York, Eu te Amo  Sexta-feira 13  Clube dos Cafajestes  Apolo 13  JFK  Sobre Meninos e Lobos  Obsessão  etc.
  • 16. O mundo é pequeno
  • 17. O mundo é pequeno  Conclusões do experimento do cientista social Stanley Milgram (1967):  Relações sociais entre os indivíduos superam nossas expectativas ou intuição – alcance, repetições, coincidências.
  • 18. Topologias  Redes são metáforas estruturais.  As redes sociais na Internet possuem topologias, estruturas.  As estruturas são construídas através dos laços sociais estabelecidos pelos atores.  Estruturas alteram o fluxo de informação nas redes.  Existem diversos estudos recentes.  Há topologias mais ou menos eficientes à ação dos grupos sociais.  Ciência das redes (Barabási, 2003).
  • 20. Topologias  Centralizada – um nó centraliza  Descentralizada – vários centros  Distribuída – os nós têm aproximadamente a mesma quantidade de conexões  Todas são possíveis na Internet.
  • 23. kljlkj Laços fortes – Clusters (comunidades) Laços fracos – Mundo Pequeno
  • 24. Redes Sem Escalas Power Law: 20% das nós concentram 80% das conexões Rich gets richer: Hubs ou conectores
  • 25. Propriedades de redes  Coeficiente de agregação (cluster):  Mede a probabilidade de, para cada elemento da rede, os pares de elementos ligados a ele estarem ligados entre si.  Caminho médio mais curto:  Valor médio do número mínimo de ligações para conectar cada elemento da rede.
  • 26. Propriedades de redes  Grau de conexão  Quantidade de conexões de um nó  Densidade  Quantidade de conexões do grafo.  Centralidade  Importância de um nó para a rede  Centralização  Medida da coesão geral da rede  Multiplexidade  Medida da diversidade das trocas na rede
  • 27. Grau do nó e da rede  Grau do nó – é o número de ligações das quais o nó N participa.  Grau da rede – é a média dos graus de todos os nós de uma rede. 3 2 2 3 3 + 2 + 3 + 2 4 = 2,5
  • 28. Dinâmicas das redes sociais na Internet  A rede é um sistema dinâmico (não estático) que modifica-se o tempo inteiro  Ordem, caos, desagregação e ruptura.  Rede tem propriedades emergentes que não são encontradas em partes individuais.  Suas dinâmicas:  Cooperação  Competição e  Conflito
  • 29. Dinâmicas das redes sociais na Internet  Cooperação – Ex: formação de comunidades (clusters).  Competição – Ex: disputa por edição de verbetes na Wikipedia.  Conflito – Ex: hostilidades e agressões verbais; usuários mal-intencionados.
  • 30. Para saber mais: Raquel Recuero: REDES SOCIAIS NA INTERNET (2009). Ed. Meridional Tanya Araujo: INTRODUÇÃO À ECONOMIA COMPUTACIONAL