SlideShare uma empresa Scribd logo
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS -
Matemática
Ensino Médio, 1ª Série
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO
1
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Olá, pessoal ! Eu sou
o famoso filósofo e
matemático Pitágoras
Vamos estudar juntos,
nesta aula, as Relações
Métricas no Triângulo
Retângulo
São estas Relações que
nos levam ao mais
famoso Teorema da
história da matemática...
O incrível Teorema de
Pitágoras que, claro, leva
meu nome porque fui eu
quem o descobriu...
Mas antes, deem uma
olhadinha na história de
como tudo isso
começou...
Vamos fazer um viagem
ao passado em que as
descobertas levavam
séculos para acontecer...
Apertem os
cintos ...
2
Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
É quase uma unanimidade entre os historiadores que Pitágoras viveu no
séc. VI a.C., na Grécia, entre os anos 583 e 507. Acredita-se que ele nasceu
numa ilha chamada Samos, daí ele se chamar Pitágoras de Samos.
Fixou residência numa cidade no sul da Itália chamada Crotona. Lá fundou
a chamada Escola Pitagórica, onde se estudava Filosofia, Matemática,
Música dentre outras Ciências.
Grandes descobertas são atribuídas aos pitagóricos, entre elas o sistema
de numeração decimal e o mais conhecido e aplicado teorema que leva o
seu nome, o Teorema de Pitágoras.
Os pitagóricos tinham várias superstições. Uma delas
relacionada à Matemática, cujo símbolo, o pentagrama,
segundo eles, os protegia do mal.
Existem inúmeras demonstrações para o Teorema de Pitágoras. Um
matemático americano chamado Elisha Scott Loomis conseguiu organizar
um total de 367 demonstrações diferentes, todas reunidas em um livro
chamado The Pythagorean Proposition.
3
MATEMÁTICA- 1º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Chegou a hora de
estudar todas as
relações métricas das
quais falamos...
Vocês vão ver que todas estão
interligadas e que, com elas,
conseguimos encontrar todas as
medidas de qualquer segmento
em um triângulo retângulo.
Começa aqui, então,
outra viagem. Agora
vamos aos triângulos
retângulos...
Boa viagem
e bom estudo!
4
Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
ˆ
Ângulo de 90º
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Conforme vocês já sabem,
a soma dos ângulos
internos de qualquer
triângulo é 180º. Logo, se
 = 90º, a soma dos
outros dois ângulos (B e
C) é igual a 90º.
Observe o triângulo ABC ao lado:
Note que ele é retângulo em Â,
isto é, a medida de  é 90º.
Logo, os ângulos B e C são ditos complementares.
5
h
A
B C
b
n
m
H
c
a
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
ˆ
Observe que, entre os triângulos ABH e ABC, existem
em comum o ângulo reto e o ângulo no vértice B
(amarelo), além do lado AB = c. Entre ACH e ABC,
existem em comum o ângulo reto e o ângulo no vértice
C (vermelho), além do lado AC = b. Por semelhança do
tipo A.L.A. nos dois casos, podemos concluir que
Se dividirmos o triângulo
ABC pela altura relativa a
sua hipotenusa a, surgem
dois triângulos ABH e
ACH, retângulos em Ĥ.
Sendo assim, dividimos o
ângulo  nos dois ângulos
já conhecidos do triângulo
ABC, que são C e B.
 ABH ~  ACH ~  ABC 6
h
A
B C
b
n
m
c
h
A
H H
Triângulo ABH Triângulo ACH
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Semelhança entre ∆ABH e ∆ACH
Vamos destacar a semelhança da tela anterior:
7
C
h
A
B
b
n
m
c
h
A
H H
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Semelhança entre ∆ABH e ∆ACH
Vamos destacar a semelhança da tela anterior:
8
h
A C
b
n
A
H
B
m
c
h
H
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Vamos fazer algumas observações sobre os lados do  ABC:
O lado AB vai do ângulo de 90º
até o ângulo amarelo.
O lado AC vai do ângulo de 90º até o ângulo pintado de vermelho.
O lado BC vai do ângulo pintado
de amarelo até o ângulo pintado
de vermelho.
Lado AB
Lado BC
Lado AC
9
c
B C
b
a
A
H
Ângulo de 90º
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
B
H A
m
h
c
A
B
C
b
a
c
 ABH ~  ACH ~  ABC
Como já vimos, é verdade que
Vamos analisar a semelhança entre ABC e ABH.
Essa semelhança garante também a proporcionalidade entre seus lados.
Sendo assim, observem as relações que podemos estabelecer entre eles.
10
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
B
H A
m
h
c
A
B
C
b
a
c
Lados do Δ ABC
Lados do Δ ABH
11
a = b = c
c h m
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Da proporção que obtivemos, e
trabalhando com as razões duas a
duas, temos:
12
a = b = c
c h m
a = b
c h
b = c
h m
a = c
c m
a . h = b. c
b . m = c. h
c² = a . m
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Vamos analisar a semelhança entre ABC e ACH.
Também pela semelhança, a proporcionalidade entre os lados desses dois
triângulos determinam as seguintes relações:
13
B
H A
m
c
A
B
C
b
a
c
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
A
B
C
b
a
c
Lados do Δ ABC
Lados do Δ ACH
14
a = b = c
b n h
A
H C
h
b
n
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Dessa nova proporção, a partir das
razões duas a duas, teremos:
15
a = b = c
b n h
a = b
b n
b = c
n h
a = c
c m
b² = a . n
b . h = c. n
a . h = b . c
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Por último, vamos analisar a semelhança entre ABH e ACH.
A semelhança está mantida e dela vêm as seguintes relações:
B
H A
m
h
c
16
n
H
A
b
h
C
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Lados do Δ ABH
Lados do Δ ACH
B
H A
m
h
c
17
A
H C
h
n
b
c = h = m
b n h
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Dessa última proporção e comparação
das razões duas a duas, vem:
18
c = h = m
b n h
c = h
b n
h = m
n h
c = m
b h
c . n = b . h
h² = m. n
c . h = b . m
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Agora, um relação muito importante é a da hipotenusa com as projeções do
catetos sobre ela. Observe o  ABC inicial que trabalhamos:
Veja que, sobre a hipotenusa a, estão
determinados dois segmentos:
CH = n
BH = m
Esses segmentos recebem
o nome de projeções.
Seria como se o sol
surgisse sobre os
catetos...
... e produzisse “sombra”
sobre a hipotenusa. Essas
sombras são então as
projeções.
19
h
A
B C
b
n
m
c
Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Teorema de Pitágoras
Chegou a hora
dele... o meu
teorema...
Vamos começar com sua
definição e, em seguida,
demonstraremos o mais
famoso Teorema da
história da Matemática
20
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
21
Os lados de um triângulo retângulo recebem nomes especiais. São eles:
O lado oposto ao ângulo
reto é denominado de
hipotenusa.
Os outros dois, opostos aos
ângulos agudos do triângulo,
são chamados de catetos.
Aqui vale a pena destacar uma
propriedade: a hipotenusa sempre
será o lado de maior medida de um
triângulo retângulo.
A
B
C
b
a
c
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
22
O quadrado da medida da
hipotenusa é igual a soma dos
quadrados da medida dos catetos.
O enunciado do Teorema de
Pitágoras é o seguinte:
a2 = b2 + c2
Nesse caso, com as denominações
de a, b e c, respectivamente para a
hipotenusa e os catetos, teremos:
A
B
C
b
a
c
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
23
Apenas para verificar essa relação, observem os seguinte triângulos
retângulos:
.
6
8
x
Quanto deve medir a hipotenusa
designada por x?
É bem simples: basta lançar os valores na
expressão do Teorema. Ou seja:
x2 = 62 + 82
x2 = 36 + 64
x2 = 100
x = 10
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
24
y
12
15
E agora? Quanto deve medir o cateto y?
É tão simples quanto o anterior: lançando
também os valores na expressão do
teorema. Ou seja:
152 = y2 + 122
225 = y2 + 144
y2 = 225 – 144
y = 9
y2 = 81
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
25
Chegou a hora de reunir todas as relações que descobrimos juntos para
analisá-las a partir da observação do triângulo.
(1)
(2)
(3)
(4)
(5)
(6)
A relação (1) pode ser definida como:
“A hipotenusa multiplicada pela altura
relativa a ela é igual ao produto dos
catetos”.
As relações (2) e (3) podem ser definidas como:
“Cada cateto multiplicado pela altura
relativa à hipotenusa é igual ao produto do
outro cateto pela projeção do primeiro”.
h
A
B
b
n
m
c
H
a . h = b. c
c² = a . m
b . h = c . n
h² = m. n
c . h = b . m
b² = a . n
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
26
(1)
(2)
(3)
(4)
(5)
(6)
As relações (4) e (5) podem ser definidas como:
“Cada cateto é a média geométrica entre a
hipotenusa e a sua projeção sobre ela”.
A relação (6) pode ser definida como:
“A altura relativa à hipotenusa é a média
geométrica entre as projeções dos
catetos”.
Chegou a hora de reunir todas as relações que descobrimos juntos para
analisá-las a partir da observação do triângulo.
h
A
B
b
n
m
c
H
a . h = b. c
c² = a . m
b . h = c . n
h² = m. n
c . h = b . m
b² = a . n
Imagem:
Vatican
Museum
/
Public
Domain.
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
27
Como vocês podem ver, as relações simplesmente permitem que sejam
encontradas todas as medidas de um triângulo retângulo.
Todas são importantes, como já dissemos, mas o Teorema de Pitágoras é
o mais aplicado deles, pois há muito mais relação com situações práticas,
como poderemos observar daqui a pouco.
Vamos fazer uma demonstração que vocês
poderão fazer em sala de aula, junto com o
professor. Peguem o material e mãos à obra !
Vocês vão ver como será divertido provar que
Pitágoras e seus seguidores estavam certos.
A sugestão dada é que este triângulo a ser
usado seja o de medidas 3, 4 e 5. É mais
simples e fácil de construir.
Sigam os passos um
a um e vocês verão
como é legal a
demonstração !!
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
28
• Construam 4 triângulos retângulos de hipotenusa a e catetos b e c.
• Construam também 1 quadrado cujo lado tenha medida b + c.
a
b
c
a
b
c
a
b
c
a
b
c
b + c
b + c
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
29
• No quadrado e a partir de cada um de seus vértices, coloquem cada
um dos 4 triângulos iniciais que vocês construíram.
Como os 4 triângulos são idênticos e sua hipotenusa mede a, temos
então um quadrado menor de área a2 dentro do quadrado maior de área
(b + c)2.
a a
a
a
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
30
Desenvolvendo a expressão da área do quadrado maior, que é um produto
notável, temos:
(b + c)2 = b2 + 2 . b . c + c2
Mas a área do quadrado maior pode ser vista também como a soma das
áreas dos 4 triângulos iniciais que construímos somada com a área do
quadrado menor. Podemos então definir essa mesma área da seguinte
forma:
Área do quadrado menor + 4 . Área do triângulo
a2 + 4 .
2
b.c
Simplificando 4 com 2, temos:
a2 + 2 . b . c
(1)
(2)
Como as expressões são iguais, pois representam a mesma figura,
teremos:
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
31
(1) = (2)
b2 + 2 . b . c + c2 = a2 + 2 . b . c
Ao simplificar 2 . b . c dos dois lados, a expressão restante é:
b2 + c2 = a2
As medidas a, b e c que aparecem nessa expressão final são exatamente a
medida dos lados do triângulo inicial, exatamente como queríamos
mostrar.
Logo, a relação descoberta pelos pitagóricos vale, então, para qualquer
triângulo retângulo.
Que tal, agora, nós vermos uma outra demonstração desse Teorema ???
Vamos assistir a um vídeo bem legal que traz esta outra demonstração. É
só visitar o link abaixo...
http://www.youtube.com/watch?v=GMy5z3nhVeQ
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
32
Agora que vocês são
especialistas em
Relações Métricas,
especialmente no meu
Teorema ...
... vamos meter bronca nos
exercícios, inclusive
aplicações do Teorema na
Geometria. Vamos lá ?!?
...depois é com vocês. Se
houver alguma dificuldade,
o professor vai dar uma
ajudinha. Sucesso !!
Pitágoras está certo... Agora
é exercitar. Primeiro, vamos
resolver alguns para vocês
observarem como é...
Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
Imagem: Clip-art do Power Point.
Resolução:
Seja um quadrado de lado 5 cm.
A diagonal de um quadrado nada mais é do que a hipotenusa
de um triângulo retângulo, em que seus catetos são dois dos
lados do quadrado. Isso faz os catetos serem medidas iguais.
Observe:
Chamando a diagonal (hipotenusa) de x, e usando o Teorema
de Pitágoras, teremos:
x2 = 52 + 52  x2= 25 + 25  x2 = 50  x = 5
Logo, fica clara a generalização para o cálculo da diagonal de
qualquer quadrado:
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
33
EXERCÍCIOS
Qual é a medida da diagonal de um quadrado cujo lado mede 5 cm?
1ª Questão
5 cm
5 cm
x
d = l
2
Resolução:
Seja um triângulo equilátero de lado 10cm.
A altura desse triângulo é um dos catetos do triângulo em
destaque. Observe:
Chamando a altura (que é um dos catetos do triângulo
destacado) de x e usando o Teorema de Pitágoras, teremos:
102 = x2 + 52
O outro cateto mede 5cm, pois a altura divide a base ao meio
e um destes novos segmentos será o outro cateto. Logo:
100 = x2 + 25  x2 = 100 – 25  x = 75  x = 5
Logo, fica clara a generalização para o cálculo da altura de
qualquer triângulo equilátero:
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
34
Determine a altura de um triângulo equilátero cujo lado mede 10cm.
2ª Questão
10cm
10cm 10cm
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
35
Resolução:
Observando a figura, notamos que a fixação faz a torre estar perpendicular ao chão.
Isso quer dizer que os pontos A da fixação de um dos cabos e B e C da torre formam
entre si um triângulo retângulo.
A distância entre o ponto A de fixação do cabo e B da fixação da torre ao chão,
formam o cateto menor, que mede 15m, conforme mostra a figura.
A distância entre B e C na torre mede 20m, sendo este o outro cateto.
O comprimento do cabo AC, portanto, é a hipotenusa (que chamaremos de x).
Por essas informações e usando o Teorema de Pitágoras, temos:
x2 = 152 + 202
x2 = 225 + 400
x2 = 625
x = 25
(UFRS) Uma torre vertical é presa por cabos de aço
fixos no chão, em um terreno plano horizontal,
conforme mostra a figura. Se A está a 15m da base B
da torre e C está a 20m de altura, determine o
comprimento do cabo AC.
3ª Questão
C
B
A
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
36
Resolução:
A hipotenusa na figura é o lado BC, que chamaremos de a.
Como vimos nas relações, cada um dos catetos será a média geométrica entre sua
projeção e a hipotenusa. Logo, vamos determinar inicialmente a hipotenusa.
Por Pitágoras, vem :
a2 = 82 + 62  a2 = 64 + 36  a2 = 100  a = 10
Agora que temos a hipotenusa, podemos usar a relação acima para cada cateto e sua
projeção. Assim, teremos:
c2 = a . m  62 = 10 . m  36 = 10 . m  m = 36/10  m = 3,6cm
b2 = a . n  82 = 10 . n  64 = 10 . n  n = 64/10  m = 6,4cm
Os catetos do triângulo retângulo ao lado
medem: AB = c = 6cm e AC = b = 8cm.
Determine a medida da projeção dos catetos
sobre a hipotenusa e a altura (h) relativa a
ela.
4ª Questão
h
A
B C
b
n
m
c
H
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
37
(UFPE) Em um triângulo retângulo, as projeções dos catetos sobre a
hipotenusa medem 16cm e 9cm. Calcule o perímetro desse triângulo.
5ª Questão
Resolução:
Com a medida das projeções, imediatamente
determinamos a medida da hipotenusa, pois
sua medida é a soma das medidas das
projeções. Logo:
a = m + n  a = 9 + 16  a = 25cm
Para o perímetro, nos falta a medida dos
catetos.
Usando a relação da questão anterior, teremos:
b2 = a . n  b2 = 25 . 16  b2 = 400  b = 20 cm
c2 = a . m  c2 = 25 . 9  c2 = 225  c = 15 cm
Agora, basta somarmos a medida dos lados que acabamos de encontrar.
a + b + c = 25 + 20 + 15 = 60cm
A
B C
h
H
9 cm 16 cm
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
38
Chegou a hora de vocês
assimilarem de vez as
relações. Não deixem
nenhum exercício para trás,
ok?!?
EXERCÍCIOS
1. Determine a medida x em cada um dos triângulos retângulos a seguir:
a) b) c)
4
x
8
2
x
6
12
x
Imagem: Clip-art do Power Point.
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
39
2. (MOJI-SP) Uma escada mede 4m e tem uma
de suas extremidades apoiada no topo de
um muro, e a outra extremidade dista 2,4m
da base do muro, conforme figura a seguir.
Determine a altura do muro.
3. (Fuvest – SP) Qual a medida da hipotenusa de um triângulo retângulo isósceles cujo
perímetro é igual a 2?
4. Na figura ao lado, determine as medidas a, h, m e n .
h
A
B C
4
n
m
3
H
4m
2,4m
MATEMÁTICA, 1 º Ano
Relações Métricas no Triângulo Retângulo
40
1. Um marceneiro cortou uma tábua retangular de 75cm de
comprimento por 20cm de largura, separando-a em dois
trapézios congruentes. Sabendo que o comprimento do corte
foi de 25cm, calcule a medida da base menor de um dos
trapézios.
2. O lampião representado na figura ao lado está suspenso por
duas cordas perpendiculares entre si presas ao teto. Sabendo
que essas cordas medem 1/6 e 2/5, determine a distância do
lampião ao teto.
3. Em um terreno plano e horizontal, um topógrafo marcou
um ponto M a 9m do centro H da base de uma torre
vertical. A seguir, marcou um ponto N na semirreta oposta
de HM, a 16m de H, observando que os pontos M, N e o
pico da torre determinavam um triângulo retângulo. Qual
a altura da torre?
20cm 25cm
75cm
M 9m H 16m N
41
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
2, 3 e
20
Vatican Museum / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pythag
oras_Bust_Vatican_Museum_(cropped).jpg
18/04/2012
27 Vatican Museum / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pythag
oras_Bust_Vatican_Museum_(cropped).jpg
18/04/2012
32b e
38
Clip-art do Power Point 18/04/2012
32a Vatican Museum / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pythag
oras_Bust_Vatican_Museum_(cropped).jpg
18/04/2012
Tabela de Imagens

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Relações métricas no triângulo retângulo.pptx

Trigonometra
TrigonometraTrigonometra
Apostila5
Apostila5Apostila5
Apostila5
con_seguir
 
Apostila trigonometria
Apostila trigonometriaApostila trigonometria
Apostila trigonometria
aletriak
 
Rela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo Exelente
Rela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo ExelenteRela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo Exelente
Rela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo Exelente
Antonio Carneiro
 
Geometria plana teorema de pitágoras
Geometria plana   teorema de pitágorasGeometria plana   teorema de pitágoras
Geometria plana teorema de pitágoras
Camila Rodrigues
 
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
André Luís Nogueira
 
Parte 3 da atividade 3
Parte 3 da atividade 3Parte 3 da atividade 3
Parte 3 da atividade 3
silvanadpi
 
Teorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matéria
Teorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matériaTeorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matéria
Teorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matéria
O Bichinho do Saber
 
Geometria 1º ano - candido
Geometria   1º ano - candidoGeometria   1º ano - candido
Geometria 1º ano - candido
Cândido Silva
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
Neil Azevedo
 
Teorema de pitágoras plano de aula
Teorema de pitágoras    plano de aulaTeorema de pitágoras    plano de aula
Teorema de pitágoras plano de aula
meparj
 
Teorema de pitágoras plano de aula
Teorema de pitágoras    plano de aulaTeorema de pitágoras    plano de aula
Teorema de pitágoras plano de aula
meparj
 
Geometria analítica
Geometria analíticaGeometria analítica
Geometria analítica
Kaline Andreza
 
Geometria analítica
Geometria analíticaGeometria analítica
Geometria analítica
Kaline Andreza
 
066 apostila de_trigonometria_filipe
066 apostila de_trigonometria_filipe066 apostila de_trigonometria_filipe
066 apostila de_trigonometria_filipe
Ezsilvasilva Silva
 
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométricoIdentificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
trigono_metria
 
Trigonometria 1
Trigonometria 1Trigonometria 1
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
CIEP 456 - E.M. Milcah de Sousa
 
O teorema de tales
O teorema de talesO teorema de tales
O teorema de tales
trigono_metria
 
www.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triâng
www.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triângwww.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triâng
www.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triâng
Vídeo Aulas Apoio
 

Semelhante a Relações métricas no triângulo retângulo.pptx (20)

Trigonometra
TrigonometraTrigonometra
Trigonometra
 
Apostila5
Apostila5Apostila5
Apostila5
 
Apostila trigonometria
Apostila trigonometriaApostila trigonometria
Apostila trigonometria
 
Rela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo Exelente
Rela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo ExelenteRela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo Exelente
Rela‡äEs M‚Tricas No Tri.RetƒNgulo Exelente
 
Geometria plana teorema de pitágoras
Geometria plana   teorema de pitágorasGeometria plana   teorema de pitágoras
Geometria plana teorema de pitágoras
 
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
 
Parte 3 da atividade 3
Parte 3 da atividade 3Parte 3 da atividade 3
Parte 3 da atividade 3
 
Teorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matéria
Teorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matériaTeorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matéria
Teorema de Pitágoras - Matemática 8º ano - Resumo da matéria
 
Geometria 1º ano - candido
Geometria   1º ano - candidoGeometria   1º ano - candido
Geometria 1º ano - candido
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
 
Teorema de pitágoras plano de aula
Teorema de pitágoras    plano de aulaTeorema de pitágoras    plano de aula
Teorema de pitágoras plano de aula
 
Teorema de pitágoras plano de aula
Teorema de pitágoras    plano de aulaTeorema de pitágoras    plano de aula
Teorema de pitágoras plano de aula
 
Geometria analítica
Geometria analíticaGeometria analítica
Geometria analítica
 
Geometria analítica
Geometria analíticaGeometria analítica
Geometria analítica
 
066 apostila de_trigonometria_filipe
066 apostila de_trigonometria_filipe066 apostila de_trigonometria_filipe
066 apostila de_trigonometria_filipe
 
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométricoIdentificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
 
Trigonometria 1
Trigonometria 1Trigonometria 1
Trigonometria 1
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
 
O teorema de tales
O teorema de talesO teorema de tales
O teorema de tales
 
www.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triâng
www.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triângwww.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triâng
www.CentroApoio.com - Matemática - Relações Métricas no Triâng
 

Mais de TopsAvakinImvu

ANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdf
ANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdfANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdf
ANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdf
TopsAvakinImvu
 
Acertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.ppt
Acertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.pptAcertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.ppt
Acertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.ppt
TopsAvakinImvu
 
amanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdf
amanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdfamanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdf
amanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdf
TopsAvakinImvu
 
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVINEscalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
TopsAvakinImvu
 
Sistemas Lineares.pptx
Sistemas Lineares.pptxSistemas Lineares.pptx
Sistemas Lineares.pptx
TopsAvakinImvu
 
nascimento-vida-e-morte-de-estrelas.ppt
nascimento-vida-e-morte-de-estrelas.pptnascimento-vida-e-morte-de-estrelas.ppt
nascimento-vida-e-morte-de-estrelas.ppt
TopsAvakinImvu
 
PROBABILIDADE.pptx
PROBABILIDADE.pptxPROBABILIDADE.pptx
PROBABILIDADE.pptx
TopsAvakinImvu
 
fluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptx
fluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptxfluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptx
fluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptx
TopsAvakinImvu
 
publicidade
publicidadepublicidade
publicidade
TopsAvakinImvu
 
CINEMÁTICA.pptx
CINEMÁTICA.pptxCINEMÁTICA.pptx
CINEMÁTICA.pptx
TopsAvakinImvu
 
Implementacao de Algoritmos.ppt
 Implementacao de Algoritmos.ppt Implementacao de Algoritmos.ppt
Implementacao de Algoritmos.ppt
TopsAvakinImvu
 
Logica Matematica1.pdf
 Logica Matematica1.pdf Logica Matematica1.pdf
Logica Matematica1.pdf
TopsAvakinImvu
 
aula01-TDA (1).ppt
aula01-TDA (1).pptaula01-TDA (1).ppt
aula01-TDA (1).ppt
TopsAvakinImvu
 
retas paralelas transversais
retas paralelas transversaisretas paralelas transversais
retas paralelas transversais
TopsAvakinImvu
 

Mais de TopsAvakinImvu (14)

ANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdf
ANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdfANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdf
ANGULOS,CLASSIFICAÇÃO,TIPOSDEANGULOS.pdf
 
Acertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.ppt
Acertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.pptAcertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.ppt
Acertando_umos_FUNCEFfinancaspessoais.ppt
 
amanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdf
amanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdfamanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdf
amanhaeletrizaçaoporatritocontatoinduçao.pdf
 
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVINEscalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
Escalas termométricas...CELSIUS,FAHRENHEIT E KELVIN
 
Sistemas Lineares.pptx
Sistemas Lineares.pptxSistemas Lineares.pptx
Sistemas Lineares.pptx
 
nascimento-vida-e-morte-de-estrelas.ppt
nascimento-vida-e-morte-de-estrelas.pptnascimento-vida-e-morte-de-estrelas.ppt
nascimento-vida-e-morte-de-estrelas.ppt
 
PROBABILIDADE.pptx
PROBABILIDADE.pptxPROBABILIDADE.pptx
PROBABILIDADE.pptx
 
fluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptx
fluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptxfluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptx
fluxogramas-no-dia-a-dia4970.pptx
 
publicidade
publicidadepublicidade
publicidade
 
CINEMÁTICA.pptx
CINEMÁTICA.pptxCINEMÁTICA.pptx
CINEMÁTICA.pptx
 
Implementacao de Algoritmos.ppt
 Implementacao de Algoritmos.ppt Implementacao de Algoritmos.ppt
Implementacao de Algoritmos.ppt
 
Logica Matematica1.pdf
 Logica Matematica1.pdf Logica Matematica1.pdf
Logica Matematica1.pdf
 
aula01-TDA (1).ppt
aula01-TDA (1).pptaula01-TDA (1).ppt
aula01-TDA (1).ppt
 
retas paralelas transversais
retas paralelas transversaisretas paralelas transversais
retas paralelas transversais
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 

Relações métricas no triângulo retângulo.pptx

  • 1. MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS - Matemática Ensino Médio, 1ª Série RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO 1
  • 2. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Olá, pessoal ! Eu sou o famoso filósofo e matemático Pitágoras Vamos estudar juntos, nesta aula, as Relações Métricas no Triângulo Retângulo São estas Relações que nos levam ao mais famoso Teorema da história da matemática... O incrível Teorema de Pitágoras que, claro, leva meu nome porque fui eu quem o descobriu... Mas antes, deem uma olhadinha na história de como tudo isso começou... Vamos fazer um viagem ao passado em que as descobertas levavam séculos para acontecer... Apertem os cintos ... 2 Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
  • 3. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo É quase uma unanimidade entre os historiadores que Pitágoras viveu no séc. VI a.C., na Grécia, entre os anos 583 e 507. Acredita-se que ele nasceu numa ilha chamada Samos, daí ele se chamar Pitágoras de Samos. Fixou residência numa cidade no sul da Itália chamada Crotona. Lá fundou a chamada Escola Pitagórica, onde se estudava Filosofia, Matemática, Música dentre outras Ciências. Grandes descobertas são atribuídas aos pitagóricos, entre elas o sistema de numeração decimal e o mais conhecido e aplicado teorema que leva o seu nome, o Teorema de Pitágoras. Os pitagóricos tinham várias superstições. Uma delas relacionada à Matemática, cujo símbolo, o pentagrama, segundo eles, os protegia do mal. Existem inúmeras demonstrações para o Teorema de Pitágoras. Um matemático americano chamado Elisha Scott Loomis conseguiu organizar um total de 367 demonstrações diferentes, todas reunidas em um livro chamado The Pythagorean Proposition. 3
  • 4. MATEMÁTICA- 1º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Chegou a hora de estudar todas as relações métricas das quais falamos... Vocês vão ver que todas estão interligadas e que, com elas, conseguimos encontrar todas as medidas de qualquer segmento em um triângulo retângulo. Começa aqui, então, outra viagem. Agora vamos aos triângulos retângulos... Boa viagem e bom estudo! 4 Imagem: Vatican Museum / Public Domain. Imagem: Vatican Museum / Public Domain.
  • 5. ˆ Ângulo de 90º MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Conforme vocês já sabem, a soma dos ângulos internos de qualquer triângulo é 180º. Logo, se  = 90º, a soma dos outros dois ângulos (B e C) é igual a 90º. Observe o triângulo ABC ao lado: Note que ele é retângulo em Â, isto é, a medida de  é 90º. Logo, os ângulos B e C são ditos complementares. 5 h A B C b n m H c a
  • 6. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo ˆ Observe que, entre os triângulos ABH e ABC, existem em comum o ângulo reto e o ângulo no vértice B (amarelo), além do lado AB = c. Entre ACH e ABC, existem em comum o ângulo reto e o ângulo no vértice C (vermelho), além do lado AC = b. Por semelhança do tipo A.L.A. nos dois casos, podemos concluir que Se dividirmos o triângulo ABC pela altura relativa a sua hipotenusa a, surgem dois triângulos ABH e ACH, retângulos em Ĥ. Sendo assim, dividimos o ângulo  nos dois ângulos já conhecidos do triângulo ABC, que são C e B.  ABH ~  ACH ~  ABC 6 h A B C b n m c h A H H Triângulo ABH Triângulo ACH
  • 7. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Semelhança entre ∆ABH e ∆ACH Vamos destacar a semelhança da tela anterior: 7 C h A B b n m c h A H H
  • 8. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Semelhança entre ∆ABH e ∆ACH Vamos destacar a semelhança da tela anterior: 8 h A C b n A H B m c h H
  • 9. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Vamos fazer algumas observações sobre os lados do  ABC: O lado AB vai do ângulo de 90º até o ângulo amarelo. O lado AC vai do ângulo de 90º até o ângulo pintado de vermelho. O lado BC vai do ângulo pintado de amarelo até o ângulo pintado de vermelho. Lado AB Lado BC Lado AC 9 c B C b a A H Ângulo de 90º
  • 10. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo B H A m h c A B C b a c  ABH ~  ACH ~  ABC Como já vimos, é verdade que Vamos analisar a semelhança entre ABC e ABH. Essa semelhança garante também a proporcionalidade entre seus lados. Sendo assim, observem as relações que podemos estabelecer entre eles. 10
  • 11. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo B H A m h c A B C b a c Lados do Δ ABC Lados do Δ ABH 11 a = b = c c h m
  • 12. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Da proporção que obtivemos, e trabalhando com as razões duas a duas, temos: 12 a = b = c c h m a = b c h b = c h m a = c c m a . h = b. c b . m = c. h c² = a . m
  • 13. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Vamos analisar a semelhança entre ABC e ACH. Também pela semelhança, a proporcionalidade entre os lados desses dois triângulos determinam as seguintes relações: 13 B H A m c A B C b a c
  • 14. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo A B C b a c Lados do Δ ABC Lados do Δ ACH 14 a = b = c b n h A H C h b n
  • 15. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Dessa nova proporção, a partir das razões duas a duas, teremos: 15 a = b = c b n h a = b b n b = c n h a = c c m b² = a . n b . h = c. n a . h = b . c
  • 16. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Por último, vamos analisar a semelhança entre ABH e ACH. A semelhança está mantida e dela vêm as seguintes relações: B H A m h c 16 n H A b h C
  • 17. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Lados do Δ ABH Lados do Δ ACH B H A m h c 17 A H C h n b c = h = m b n h
  • 18. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Dessa última proporção e comparação das razões duas a duas, vem: 18 c = h = m b n h c = h b n h = m n h c = m b h c . n = b . h h² = m. n c . h = b . m
  • 19. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Agora, um relação muito importante é a da hipotenusa com as projeções do catetos sobre ela. Observe o  ABC inicial que trabalhamos: Veja que, sobre a hipotenusa a, estão determinados dois segmentos: CH = n BH = m Esses segmentos recebem o nome de projeções. Seria como se o sol surgisse sobre os catetos... ... e produzisse “sombra” sobre a hipotenusa. Essas sombras são então as projeções. 19 h A B C b n m c
  • 20. Imagem: Vatican Museum / Public Domain. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo Teorema de Pitágoras Chegou a hora dele... o meu teorema... Vamos começar com sua definição e, em seguida, demonstraremos o mais famoso Teorema da história da Matemática 20
  • 21. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 21 Os lados de um triângulo retângulo recebem nomes especiais. São eles: O lado oposto ao ângulo reto é denominado de hipotenusa. Os outros dois, opostos aos ângulos agudos do triângulo, são chamados de catetos. Aqui vale a pena destacar uma propriedade: a hipotenusa sempre será o lado de maior medida de um triângulo retângulo. A B C b a c
  • 22. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 22 O quadrado da medida da hipotenusa é igual a soma dos quadrados da medida dos catetos. O enunciado do Teorema de Pitágoras é o seguinte: a2 = b2 + c2 Nesse caso, com as denominações de a, b e c, respectivamente para a hipotenusa e os catetos, teremos: A B C b a c
  • 23. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 23 Apenas para verificar essa relação, observem os seguinte triângulos retângulos: . 6 8 x Quanto deve medir a hipotenusa designada por x? É bem simples: basta lançar os valores na expressão do Teorema. Ou seja: x2 = 62 + 82 x2 = 36 + 64 x2 = 100 x = 10
  • 24. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 24 y 12 15 E agora? Quanto deve medir o cateto y? É tão simples quanto o anterior: lançando também os valores na expressão do teorema. Ou seja: 152 = y2 + 122 225 = y2 + 144 y2 = 225 – 144 y = 9 y2 = 81
  • 25. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 25 Chegou a hora de reunir todas as relações que descobrimos juntos para analisá-las a partir da observação do triângulo. (1) (2) (3) (4) (5) (6) A relação (1) pode ser definida como: “A hipotenusa multiplicada pela altura relativa a ela é igual ao produto dos catetos”. As relações (2) e (3) podem ser definidas como: “Cada cateto multiplicado pela altura relativa à hipotenusa é igual ao produto do outro cateto pela projeção do primeiro”. h A B b n m c H a . h = b. c c² = a . m b . h = c . n h² = m. n c . h = b . m b² = a . n
  • 26. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 26 (1) (2) (3) (4) (5) (6) As relações (4) e (5) podem ser definidas como: “Cada cateto é a média geométrica entre a hipotenusa e a sua projeção sobre ela”. A relação (6) pode ser definida como: “A altura relativa à hipotenusa é a média geométrica entre as projeções dos catetos”. Chegou a hora de reunir todas as relações que descobrimos juntos para analisá-las a partir da observação do triângulo. h A B b n m c H a . h = b. c c² = a . m b . h = c . n h² = m. n c . h = b . m b² = a . n
  • 27. Imagem: Vatican Museum / Public Domain. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 27 Como vocês podem ver, as relações simplesmente permitem que sejam encontradas todas as medidas de um triângulo retângulo. Todas são importantes, como já dissemos, mas o Teorema de Pitágoras é o mais aplicado deles, pois há muito mais relação com situações práticas, como poderemos observar daqui a pouco. Vamos fazer uma demonstração que vocês poderão fazer em sala de aula, junto com o professor. Peguem o material e mãos à obra ! Vocês vão ver como será divertido provar que Pitágoras e seus seguidores estavam certos. A sugestão dada é que este triângulo a ser usado seja o de medidas 3, 4 e 5. É mais simples e fácil de construir. Sigam os passos um a um e vocês verão como é legal a demonstração !!
  • 28. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 28 • Construam 4 triângulos retângulos de hipotenusa a e catetos b e c. • Construam também 1 quadrado cujo lado tenha medida b + c. a b c a b c a b c a b c b + c b + c
  • 29. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 29 • No quadrado e a partir de cada um de seus vértices, coloquem cada um dos 4 triângulos iniciais que vocês construíram. Como os 4 triângulos são idênticos e sua hipotenusa mede a, temos então um quadrado menor de área a2 dentro do quadrado maior de área (b + c)2. a a a a
  • 30. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 30 Desenvolvendo a expressão da área do quadrado maior, que é um produto notável, temos: (b + c)2 = b2 + 2 . b . c + c2 Mas a área do quadrado maior pode ser vista também como a soma das áreas dos 4 triângulos iniciais que construímos somada com a área do quadrado menor. Podemos então definir essa mesma área da seguinte forma: Área do quadrado menor + 4 . Área do triângulo a2 + 4 . 2 b.c Simplificando 4 com 2, temos: a2 + 2 . b . c (1) (2) Como as expressões são iguais, pois representam a mesma figura, teremos:
  • 31. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 31 (1) = (2) b2 + 2 . b . c + c2 = a2 + 2 . b . c Ao simplificar 2 . b . c dos dois lados, a expressão restante é: b2 + c2 = a2 As medidas a, b e c que aparecem nessa expressão final são exatamente a medida dos lados do triângulo inicial, exatamente como queríamos mostrar. Logo, a relação descoberta pelos pitagóricos vale, então, para qualquer triângulo retângulo. Que tal, agora, nós vermos uma outra demonstração desse Teorema ??? Vamos assistir a um vídeo bem legal que traz esta outra demonstração. É só visitar o link abaixo... http://www.youtube.com/watch?v=GMy5z3nhVeQ
  • 32. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 32 Agora que vocês são especialistas em Relações Métricas, especialmente no meu Teorema ... ... vamos meter bronca nos exercícios, inclusive aplicações do Teorema na Geometria. Vamos lá ?!? ...depois é com vocês. Se houver alguma dificuldade, o professor vai dar uma ajudinha. Sucesso !! Pitágoras está certo... Agora é exercitar. Primeiro, vamos resolver alguns para vocês observarem como é... Imagem: Vatican Museum / Public Domain. Imagem: Clip-art do Power Point.
  • 33. Resolução: Seja um quadrado de lado 5 cm. A diagonal de um quadrado nada mais é do que a hipotenusa de um triângulo retângulo, em que seus catetos são dois dos lados do quadrado. Isso faz os catetos serem medidas iguais. Observe: Chamando a diagonal (hipotenusa) de x, e usando o Teorema de Pitágoras, teremos: x2 = 52 + 52  x2= 25 + 25  x2 = 50  x = 5 Logo, fica clara a generalização para o cálculo da diagonal de qualquer quadrado: MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 33 EXERCÍCIOS Qual é a medida da diagonal de um quadrado cujo lado mede 5 cm? 1ª Questão 5 cm 5 cm x d = l 2
  • 34. Resolução: Seja um triângulo equilátero de lado 10cm. A altura desse triângulo é um dos catetos do triângulo em destaque. Observe: Chamando a altura (que é um dos catetos do triângulo destacado) de x e usando o Teorema de Pitágoras, teremos: 102 = x2 + 52 O outro cateto mede 5cm, pois a altura divide a base ao meio e um destes novos segmentos será o outro cateto. Logo: 100 = x2 + 25  x2 = 100 – 25  x = 75  x = 5 Logo, fica clara a generalização para o cálculo da altura de qualquer triângulo equilátero: MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 34 Determine a altura de um triângulo equilátero cujo lado mede 10cm. 2ª Questão 10cm 10cm 10cm
  • 35. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 35 Resolução: Observando a figura, notamos que a fixação faz a torre estar perpendicular ao chão. Isso quer dizer que os pontos A da fixação de um dos cabos e B e C da torre formam entre si um triângulo retângulo. A distância entre o ponto A de fixação do cabo e B da fixação da torre ao chão, formam o cateto menor, que mede 15m, conforme mostra a figura. A distância entre B e C na torre mede 20m, sendo este o outro cateto. O comprimento do cabo AC, portanto, é a hipotenusa (que chamaremos de x). Por essas informações e usando o Teorema de Pitágoras, temos: x2 = 152 + 202 x2 = 225 + 400 x2 = 625 x = 25 (UFRS) Uma torre vertical é presa por cabos de aço fixos no chão, em um terreno plano horizontal, conforme mostra a figura. Se A está a 15m da base B da torre e C está a 20m de altura, determine o comprimento do cabo AC. 3ª Questão C B A
  • 36. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 36 Resolução: A hipotenusa na figura é o lado BC, que chamaremos de a. Como vimos nas relações, cada um dos catetos será a média geométrica entre sua projeção e a hipotenusa. Logo, vamos determinar inicialmente a hipotenusa. Por Pitágoras, vem : a2 = 82 + 62  a2 = 64 + 36  a2 = 100  a = 10 Agora que temos a hipotenusa, podemos usar a relação acima para cada cateto e sua projeção. Assim, teremos: c2 = a . m  62 = 10 . m  36 = 10 . m  m = 36/10  m = 3,6cm b2 = a . n  82 = 10 . n  64 = 10 . n  n = 64/10  m = 6,4cm Os catetos do triângulo retângulo ao lado medem: AB = c = 6cm e AC = b = 8cm. Determine a medida da projeção dos catetos sobre a hipotenusa e a altura (h) relativa a ela. 4ª Questão h A B C b n m c H
  • 37. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 37 (UFPE) Em um triângulo retângulo, as projeções dos catetos sobre a hipotenusa medem 16cm e 9cm. Calcule o perímetro desse triângulo. 5ª Questão Resolução: Com a medida das projeções, imediatamente determinamos a medida da hipotenusa, pois sua medida é a soma das medidas das projeções. Logo: a = m + n  a = 9 + 16  a = 25cm Para o perímetro, nos falta a medida dos catetos. Usando a relação da questão anterior, teremos: b2 = a . n  b2 = 25 . 16  b2 = 400  b = 20 cm c2 = a . m  c2 = 25 . 9  c2 = 225  c = 15 cm Agora, basta somarmos a medida dos lados que acabamos de encontrar. a + b + c = 25 + 20 + 15 = 60cm A B C h H 9 cm 16 cm
  • 38. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 38 Chegou a hora de vocês assimilarem de vez as relações. Não deixem nenhum exercício para trás, ok?!? EXERCÍCIOS 1. Determine a medida x em cada um dos triângulos retângulos a seguir: a) b) c) 4 x 8 2 x 6 12 x Imagem: Clip-art do Power Point.
  • 39. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 39 2. (MOJI-SP) Uma escada mede 4m e tem uma de suas extremidades apoiada no topo de um muro, e a outra extremidade dista 2,4m da base do muro, conforme figura a seguir. Determine a altura do muro. 3. (Fuvest – SP) Qual a medida da hipotenusa de um triângulo retângulo isósceles cujo perímetro é igual a 2? 4. Na figura ao lado, determine as medidas a, h, m e n . h A B C 4 n m 3 H 4m 2,4m
  • 40. MATEMÁTICA, 1 º Ano Relações Métricas no Triângulo Retângulo 40 1. Um marceneiro cortou uma tábua retangular de 75cm de comprimento por 20cm de largura, separando-a em dois trapézios congruentes. Sabendo que o comprimento do corte foi de 25cm, calcule a medida da base menor de um dos trapézios. 2. O lampião representado na figura ao lado está suspenso por duas cordas perpendiculares entre si presas ao teto. Sabendo que essas cordas medem 1/6 e 2/5, determine a distância do lampião ao teto. 3. Em um terreno plano e horizontal, um topógrafo marcou um ponto M a 9m do centro H da base de uma torre vertical. A seguir, marcou um ponto N na semirreta oposta de HM, a 16m de H, observando que os pontos M, N e o pico da torre determinavam um triângulo retângulo. Qual a altura da torre? 20cm 25cm 75cm M 9m H 16m N
  • 41. 41 Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 2, 3 e 20 Vatican Museum / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pythag oras_Bust_Vatican_Museum_(cropped).jpg 18/04/2012 27 Vatican Museum / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pythag oras_Bust_Vatican_Museum_(cropped).jpg 18/04/2012 32b e 38 Clip-art do Power Point 18/04/2012 32a Vatican Museum / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pythag oras_Bust_Vatican_Museum_(cropped).jpg 18/04/2012 Tabela de Imagens