RCP/DEA

9.285 visualizações

Publicada em

1 comentário
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
515
Comentários
1
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • O centro de treinamento colocará sua logo de centro e seus dados; o instrutor colocará seu nome e número e contatos; pode tirar a minha logo de centro; a aula é um modelo, o instrutor poderá atualizar da melhor maneira do seu uso e do seu curso conforme necessidade.
  • A conclusão serve para voltar nos pontos importantes, objetivos e revisar os tópicos principais.
  • RCP/DEA

    1. 1. http://instrutor- ashi.webnode.com//INSTRUCTOR TIAGO SILVA MFA #164.162 ASHI #128.021 1 www.instrutor-ashi.webnode.com
    2. 2. OBJETIVO AO FINAL DESTA APRESENTAÇÃO VOCÊS POSSAM IDENTIFICAR,ALERTAR E ATENDER UMA VÍTIMA PCR DE FORMA PROFISSIONAL E EFICAZ DE ACORDO COM PROTOCOLO VIGENTE. 2
    3. 3. RCP/DEA
    4. 4. QUAL A IMPORTÂNCIA DO ATENDIMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS? Desde o momento em que ocorre aemergência, até a chegada do resgate, decorreráum tempo crucial, conhecido como “ Hora deouro”. Esse tempo, está diretamente relacionadoaos danos cerebrais ocorridos devido a falta deoxigenação, que nos paises desenvolvidos, nãopoderá ultrapassar 04 minutos. No Brasil, essetempo de resposta do sistema de urgência,infelizmente ainda é, nas melhores condições, 10-15 minutos. Portanto, enquanto o resgate nãochega, a vítima ou as vítimas deverão seratendidas com Suporte Básico de Vida (SBV), porquem estiver presente no local.
    5. 5. RcpOs objetivos principais da RCP: Reconhecer os sinais da RCP Realizar a RCP de maneira eficaz Manter a oxigenação cerebral(RCP/RCPC) Garantir a desfibrilação precoce(DEA) Providenciar Suporte Médico Avançado Minimizar as sequelas consequentes da PCR5
    6. 6. “Penso queFlorence Nightingale alguns pequenos travesseiros daqueles que qualquer mulher pode fazer, colocados aqui e ali e movidos de acordo com a necessidade, são melhores nas camas que colchões d’água 6
    7. 7. AÇÃO DA E E AGE NF RM MAÇÃO AUTOMÁTICA – cuidado!AÇÃO VOLUNTÁRIA - Satisfaz sua funçãoprofissional 7
    8. 8. Sociedade Brasileira de Cardiologia ensina técnicas de socorro de emergência 13/09/2010 08:40 - Portal Brasil Técnicas de ressuscitação aplicadas por profissionais da saúde ou cidadãos comuns podem ajudar a reduzir umaestatística preocupante no Brasil: todos os anos morrem cerca de 250 mil pessoas vítimas de parada cardiorrespiratória. Por causa dessa estatística, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) abriu, nesta semana, na capital paulista, o Centrode Treinamento e Simulação em Saúde para profissionais da área médica e leigos. O local irá oferecer curso atendimento avítimas de PCR . De acordo com a entidade, o infarto é a principal causa de morte entre os brasileiros. Segundo o coordenador do centro, Manoel Fernandes Canesin, a ressuscitação deve ser feita imediatamente após oataque e deve ser aplicada pelas pessoas que estiverem próximas da vítima e que saibam fazer as compressões torácicas.“O caminho é muito longo entre o começo e o fim [do atendimento] e deve começar nos primeiros dois ou três minutos emque o individuo perde a consciência ou sente dor”. Canesin destacou o papel dos primeiros socorros, mesmo quandoaplicados por quem não tem formação médica. http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2010/09/13/sociedade-brasileira-de-cardiologia-ensina-tecnicas-de-socorro-de-emergencia
    9. 9. PORQUE FAZER UM TREINAMENTO EMPRIMEIROS SOCORROS, BLS, APH, PHTLS, ACLS …
    10. 10. PORQUE ACIDENTES ACONTECEM TODOS OS DIAS, EM TODOS OS LUGARES E COM TODAS AS PESSOASPORQUE VOCÊS TERÃO A CHANCE DE MUDAR O CURSO DA HISTÓRIA DA VIDA DE ALGUÉM
    11. 11. 11
    12. 12. Catástrofe“ Nº. Vítimas > Nº. Socorristas”
    13. 13. ALERTAR  PARA QUEM LIGAR? 190,192,193?  SEJA CLARO E OBJETIVO DIGA SEU NOME E NUMERO DE TELEFONE  A OCORRENCIA  LOCAL DA OCORRÊNCIA  NUMERO DE VÍTIMAS  CONDIÇÕES DAS VÍTIMAS  HÁ SOCORRISTA NO LOCAL  DESLIGUE POR ÚLTIMO
    14. 14. 1. Acionamento – por meio de um chamado, na maioria das vezes feito por telefone, uma vitima de agravo a saúde é atendida por um técnico de regulação médica.2. Regulação – um medico regulador recebe a ligação do TRM e inicia o atendimento pelo telefone presumindo o agravo.3. Despacho – o médico regulador despacha os recursos necessários.4. Atendimento no local – ações necessárias para estabilização da vitima no local do atendimento, devem demorar o menor tempo possível.5. Regulação do hospital referência – o médico regulador, após a interpretação dos dados da vitima passados pela equipe que a atendeu, verifica o melhor recurso e a disponibilidade de vaga, determina o serviço a ser encaminhado comunicado as condições da vitima com tempo estimado de chegada ao hospital determinado.6. Entrega - é a passagem do caso pela equipe da emergência. É uma das fases mais importantes, na qual o bom inter-relacionamento das equipes favorece o atendimento do paciente, passando dados e detalhes, importantes do atendimento, que muitas vezes podem influenciar o prognostico da vitima e não devem ser perdidos neste momento. 14
    15. 15. O Sistema inicia-se no telefone de emergência (192/193) O médico regulador define o hospital mais apropriado, conforme o casoUma equipe dirige-seao local (SBV ou SVA) Somente após estabilizado há o A vítima é transporte ao estabilizada no local hospital indicado
    16. 16. CÓDIGO DE ÉTICASOCORRISTA VÍTIMAVÍTIMA SOCORRISTASOCORRISTA SOCORRISTA
    17. 17. SEQUESTRO EMOCIONAL17
    18. 18. 18
    19. 19. 26
    20. 20. Razão & emoção
    21. 21. Resgate emocional
    22. 22. Menos de 30% das vítimas de PCR recebem RCP fora do Hospital.
    23. 23. O pânico e o medo impedem as pessoas de fazer RCP quando necessário.
    24. 24. As Diretrizes da AHA 2010 para RCP e ACEse baseiam em uma ampla revisão da literaturacom especialistas internacionais emressuscitação e membros do Comitê eSubcomitês de ACE da AHA.
    25. 25. O processo internacional de avaliação deevidências, envolveu 356 especialistas emressuscitação de 29 países, que analisaram,discutiram e debateram a pesquisa emressuscitação durante um período de 36meses, incluindo a Conferência doConsenso Internacional 2010 comRecomendações de Tratamento, realizada
    26. 26. C – Compressões TorácicasA – Abrir Vias AéreasB – Respirações de Resgate Para Adultos, crianças e lactentes
    27. 27. REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP)
    28. 28. etiologia
    29. 29. Interpretação ecg
    30. 30. ECG Normocardio Taquicardia Bradicardia ArritimiaAtivação dos átrios Ativação dos ventrículos Onda de recuperação
    31. 31. 41
    32. 32. Observe e interprete o ECG abaixo R R R R R P T P T P T P T P T Q Q Q QS QS S S S1- onda P Freqüência - bpm2- onda Q 300 150 100 753- onda R A B C D4- onda S5- onda T Resultado ---- normal ( normocardio)
    33. 33. IDADE DOS PACIENTES PARA LEIGO Bebês de 0 a 1 ano Crianças de 1 a 8 anos Adultos acima de 8 anos
    34. 34. IDADE DOS PACIENTES PARA profissionais da saúde • Ao descrever as orientações de tratamento considere a seguinte: • Neonato de 0 a 28 dias • Lactente de 29 dias a 1 ano • Criança de 1 a 8 anos • Adulto acima de 8 anos45
    35. 35. Algoritmo - (DR) C A B D D (Danger) – Segurança da Cena R (Responsivity) – Nível de Consciência C – Circulação A – Vias Aéreas OVACE B – Respiração D – Desfibrilação DEA
    36. 36. Avaliação Inicial (DR)D – Segurança da Cena (Danger) Verificar as condições de acesso à vitima em relação aos riscospotenciais.R – Nível de Consciência (Responsivity) Obter consentimento, Chamar Ajuda
    37. 37. (C) Avaliar circulaçãoVerificar pulso central Se (-) iniciar RCP • Pulso (qualidade) • Enchimento capilar 5 s á 10 s • Pele (T, cor e umidade)
    38. 38. Avaliação Inicial (C) 90º
    39. 39. (A) Abertura das vias aéreasInconsciência = queda da língua = obstrução
    40. 40. Abertura das vias aéreas (SEM TRAUMA) Head tilt - chin lift
    41. 41. Abertura das vias aéreas (EM TRAUMA) Jaw Thrust
    42. 42. (B) Avaliar respiração (VOS) • VER • OUVIR • SENTIR  expansão  simetria  qualidade6s á 8s
    43. 43. Avaliação Inicial (D)D – Desfibrilação (Defibrillation) Automática oInterromper RCP para instalação oExposição do toráx oInstalar os eletrodos na posição correta
    44. 44. Análise do DEAIdentifica o ritimo cardíaco e proceder o choque se indicado (Fase Elétrica 04min) Fibrilação Ventricular / Taquicardia Ventricular Assistolia / AESP
    45. 45. Desfibrilação Atentar para:Excesso de pêlosÁgua ou umidadeMarca-passo (posição)Contato com a vítimaObservar o ambienteProceder desfibrilaçãoReiniciar RCP se indicado
    46. 46. CABD Secundário
    47. 47. ACESSÓRIOS PARA R.C.P.
    48. 48. Obrigado pela atenção 60

    ×