SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E
DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAIS PEDAGÓGICOS NA
PRÁXIS DOS PROFISSIONAIS RELACIONADOS AS
CIÊNCIAS DA SAÚDE E DA PEDAGOGIA NO
ATENDIMENTO AS CRIANÇAS PORTADORAS DE
NECESSIDADES ESPECIAIS.
SIMONE HELEN DRUMOND ISCHKANIAN

INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E DA ADAPTAÇÃO DE
MATERIAIS PEDAGÓGICOS NA PRÁXIS DOS PROFISSIONAIS RELACIONADOS AS
CIÊNCIAS DA SAÚDE E DA PEDAGOGIA NO ATENDIMENTO AS CRIANÇAS
PORTADORAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS.

MANAUS – AM
SETEMBRO – 2013
IDENTIFICAÇÃO:

Nome da instituição:

NEPPD

-

Núcleo de Estudos e Pesquisas em

Psicopedagogia Diferencial

Entidade mantenedora: Universidade Federal do Amazonas

Endereço completo e contatos:

Nome:

NEPPD - Universidade Federal do Amazonas

Endereço:

Endereço: Av. Rodrigo Octavio, 6.200, Campus Universitário
Senador Arthur Virgilio Filho – Setor Norte – Coroado –
Manaus/AM

Telefone

(92)3305-4611

Estado:

Amazonas

Município:

Manaus

O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial NEPPD, fundado em 2001, está localizado na Faculdade de Educação/UFAM,
Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã.

O cotidiano das atividades no NEPPD envolvem professores, acadêmicos
de graduação e pós-graduação, através de um trabalho multidisciplinar e
interdepartamental. As linhas de pesquisa integram as seguintes áreas:
Educação,

Educação

Especial,

Educação

Inclusiva,

Psicomotricidade

e

Psicopedagogia.

O Núcleo focaliza o ser humano no seu aspecto global, relacionando-o
diretamente ao processo de aprendizagem visando: identificar, acompanhar e
orientar pais, professores e estudantes.
TEMA:
Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais
pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais.

TÍTULO DA INVESTIGAÇÃO:
Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais
pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no
NEPPD - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial.
Localizado na Av. Rodrigo Octavio, 6.200, Campus Universitário Senador Arthur
Virgilio Filho – Setor Norte – Coroado – Manaus/AM.

PERCEPÇÃO DO PROBLEMA:
Essa pesquisa se realizará num universo onde a inclusão se integrará às
áreas das Ciências da Saúde e da Pedagogia e o papel do pesquisador será de:
analisar, planejar, elaborar recursos pedagógicos e mediar os saberes
necessários, para evidenciar a importância do planejamento e da adaptação de
materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da
saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades
especiais, ampliar os aspectos cognitivos das crianças, também revelará que as
crianças com necessidades especiais, as quais em meio ao preconceito e a
discriminação, respondam ao descaso social e educacional com um sorriso
ingênuo, revelando assim, que a deficiência está naqueles que não conseguem
enxergar as suas verdadeiras eficiências.

FORMULAÇÃO DO PROBLEMA GENÉRICO:
Quais os fatores biológicos, psicológicos e sociais que objetivam a
importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis
dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no
atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD,
localizado na cidade de Manaus.
PERGUNTAS ESPECÌFICAS:
1. Qual a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos
na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no
atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD,
localizado na Universidade Federal do Amazonas?

2. Quais benefícios o planejamento e a adaptação de materiais pedagógicos na
práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no
atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD,
proporcionarão às crianças no processo de desenvolvimento de suas habilidades
globais e especificas?

3. Quais argumentos biopsicossociais, os profissionais relacionados às ciências
da saúde e da pedagogia, valem-se para ampliar o atendimento as crianças
portadoras de necessidades especiais, no NEPPD e assim desenvolver o
planejamento e a adaptação de materiais pedagógicos em sua práxis?

4. Os profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia, na
elaboração de seus planejamentos e na construção dos recursos pedagógicos
adaptados,

valem-se

dos

objetivos,

procedimentos

metodológicos

e

possibilidades de avaliação a partir da interação infantil?

OBJETIVO GERAL:
Demonstrar a importância do planejamento e da adaptação de materiais
pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, e
assim, demonstrar que este é um modelo prático de vivência e de uma educação
transformadora no exercício do aprender relacionado à inclusão.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Favorecer práticas educativas, desempenhando os fundamentos teóricos
e metodológicos que configuram nos espaços que promovem a inclusão,
revelando situações significativas que complementem o processo educativo;

Favorecer a ampliação das potencialidades cognitivas, ao mesmo tempo
em que proporciona maiores possibilidades de interação social e cognitiva;
Planejar, adaptar e produzir recursos pedagógicos facilitadores no
processo de aquisição do conhecimento das crianças com necessidades
educacionais especiais;

Oferecer um número significativo de planejamentos e instrumentos
mediadores, aos educandos com necessidades educacionais especiais que
frequentam o NEPPD;

Revelar a utilização do planejamento e dos materiais pedagógicos
adaptados na práxis dos profissionais da educação e da saúde para permitir que
as crianças sejam capazes de se expressar, elaborar perguntas, resolver
problemas e se tornarem mais participativos, permitindo assim uma maior
interação social, intelectual e física;

Divulgar o trabalho desenvolvido pelo NEPPD, por meio do projeto
“Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais
pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais”,
para que as demais instituições de saúde e escolar tenham conhecimento dos
planejamentos e dos recursos para que possam utilizar em experiências e
técnicas de trabalho.
JUSTIFICATIVA:
O projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de
materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da
saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades
especiais” almeja expandir as habilidades sociais, cognitivas e motoras, das
crianças com necessidades educacionais especiais (NEEs), uma vez que este
fator ainda tem sido um dos grandes desafios do trabalho dos profissionais da
educação e da saúde. Desafios sim, por que muitos profissionais na perspectiva
de validarem suas instituições como modernas tendem a utilizar somente
recursos tecnológicos e industrializados. Não dão ênfase a ideia que mesmo com
poucos recursos, é possível oferecer boas alternativas para atender às
peculiaridades das crianças com necessidades educacionais especiais (NEEs),
planejando e adaptando materiais pedagógicos. O uso deles permite que as
crianças sejam capazes de se expressarem, elaborarem perguntas, resolverem
problemas e se tornarem mais participativas, permitindo assim uma maior
interação social, intelectual e física.

Divulgar o trabalho desenvolvido pelo NEPPD, por meio do projeto
“Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais
pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais”,
para que as demais instituições de saúde e escolar tenham conhecimento dos
planejamentos e dos recursos para que possam utilizar em experiências e
técnicas de trabalho. Portanto, essa é uma maneira desses profissionais
proporcionarem uma melhoria no atendimento e promover processos de
aprendizagem em igualdade de condições. Além da economia de recursos, a
produção facilitará a adaptação às necessidades das crianças que os utilizarem.
Os planejamentos serão embasados na legislação educacional que trata da
inclusão, dando um suporte legal às perspectivas profissionais e educacionais.

A legislação educacional que trata da inclusão:
1. Constituição de 1988 (consultar o artigo 208).
2. Lei nº. 7.853, de 1989, dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de
deficiência, sua integração social.
3. Estatuto da Criança e do adolescente, de 1990.
4. Íntegra da Declaração de Salamanca, de 10 de junho de 1994, sobre princípios,
políticas e práticas na área das necessidades educacionais especiais.
5. Capítulo da LDB, de 1996, sobre a Educação Especial.
6. Decreto nº. 3.298, de 1999, regulamenta a Lei nº. 7.853, de 24 de outubro de
1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de
Deficiência.
7. A lei nº. 10.172, de 2001, aprova o Plano Nacional de Educação que
estabelece vinte e oito objetivos e metas para a educação das pessoas com
necessidades educacionais especiais.
8. Resolução nº. 2, de 11 de setembro de 2001 que institui Diretrizes Nacionais
para a Educação Especial na Educação Básica.
9. Íntegra do Decreto nº. 3.956, de outubro de 2001, que promulga a Convenção
Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra
as Pessoas Portadoras de Deficiência (Convenção da Guatemala).
10. Resolução do Conselho Nacional de Educação nº. 1/2002 define que as
universidades devem prever em sua organização curricular formação dos
professores voltada para a atenção à diversidade e que contemple conhecimentos
sobre as especificidades dos alunos com necessidades educacionais especiais.
11. A lei nº. 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira de Sinais como meio legal
de comunicação e expressão.
12. Decreto nº. 5.626/05 - Dispõe sobre a inclusão de Libras como disciplina
curricular, a formação e a certificação de professor, instrutor e tradutor/intérprete
de Libras.
13. Decreto nº. 6.571, de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre o
atendimento educacional especializado.
14. A Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação
Inclusiva.

DEFINIÇÃO DAS VARIÁVEIS
- Planejamento e material pedagógico adaptado na área da saúde e pedagogia.
- Construção do processo de aprendizagem relacionado à inclusão.
- Atendimento às crianças com necessidades educacionais especiais (NEEs) por
meio de um planejamento e de materiais específicos ao desenvolvimento de suas
habilidades.

MARCO TEÓRICO DA INVESTIGAÇÃO:
“Traga dúvidas e incertezas, doses de ansiedade, construa e
desconstrua hipóteses, pois aí reside a base do pensamento
científico do novo século. Um século cansado de verdades,
mas sedento de caminhos.” (Cláudia Werneck apud
DOMINGOS 2005)

Temos a concretização dos nossos direitos por meio das Leis, direitos que
foram garantidos através de muitas reivindicações populares. Os pais,
profissionais da saúde, educadores, simpatizantes da causa e portadores de
necessidades especiais, para que tivessem seus direitos garantidos, tiveram que
lutar muito por Leis coesas que os respeitassem que os vissem como cidadãos. A
sociedade precisou expressar sua indignação perante o governo para que esse
pudesse estabelecer critérios legais para as pessoas com NEEs. Em meio a
manifestações nacionais e internacionais é que começaram as mudanças, na qual
se visualizava o deficiente como sujeito de uma sociedade, que tem limitações
leves ou severas, mas, independente das limitações, devem ser respeitados por
todos, e terem seus direitos garantidos perante as Leis.

As organizações de congressos internacionais foram de grande valia para
se discutir a efetivação dos direitos em favor dos portadores de necessidades
especiais. No processo histórico desses congressos três, declarações relevantes
foram

anunciadas,

que

admitiram

conquistas

para

todas

as

pessoas,

independente de terem ou não alguma deficiência. Nesses Congressos
Internacionais originaram as seguintes declarações: a Declaração Universal dos
Direitos do Homem (1948); Declaração Mundial de Educação para Todos (1990);
e a Declaração de Salamanca (1994).

Segundo Soares (2010 p. 13). A Declaração Universal dos Direitos do
Homem não é exatamente uma lei, mas constitui direitos à humanidade,
independente da nacionalidade, religião, cor, sexo, política, enfim, de uma forma
mais abrangente esclarece em um documento oficial os direitos comuns para
todos os cidadãos, inclusive a garantia de educação para todos, sendo assim,
incluiu os educandos que têm alguma deficiência. Vejamos abaixo alguns
fragmentos dessa declaração.
Todo ser humano, em todas as suas dimensões, é o centro e o
foco de qualquer movimento para a sua promoção. O princípio é
válido, tanto para as pessoas normais e para as ligeiramente
afetadas como, também, para as gravemente prejudicadas, que
exijam uma ação integrada de responsabilidade e de realizações
pluridirecionais. Todo ser humano conta com possibilidades
reais, mínimas que sejam de alcançar pleno desenvolvimento
de suas habilidades e de adaptar-se positivamente ao ambiente
normal. (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO
HOMEM apud CORRÊA, 2005, p.55-56 apud SOARES).

A Declaração Mundial de Educação para Todos (1990), garante educação
para todos independente das possíveis dificuldades ou limitações que o sujeito
apresente. (MIRANDA, 2003, p.7).

A Declaração de Salamanca (1994 apud SOARES, 2010), revela o
resultado da Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais, que
ocorreu na Espanha e teve como foco a questão da educação para crianças com
necessidades especiais. A declaração diz:
Todas as crianças têm direito fundamental à educação e deve
ser dada a oportunidade de obter e manter um nível adequado
de conhecimento. Cada criança tem características, interesses,
capacidades e necessidades de aprendizagem que lhes são
próprias. Os sistemas educativos devem ser projetados e os
programas aplicados de modo que tenham em vista toda a gama
dessas diferentes características e necessidades. As pessoas
com necessidades educativas especiais devem ter acesso à
escola regular que deverão integrá-las numa pedagogia centrada
na criança, capaz de atender a essas necessidades. As escolas
regulares, com essa orientação integradora, representam os
meios mais eficazes de combater as atitudes discriminatórias,
criando comunidades acolhedoras, construindo uma sociedade
integradora e alcançando educação para todos, além de
proporcionar uma educação efetiva à maioria das crianças e
melhorar tanto a eficiência como a relação custo-benefício de
todo o sistema educativo. (UNESCO, 1994 apud SOARES
2010).

A Declaração evidencia que a criança tem o direito à educação, de
desenvolver suas habilidades sejam elas cognitivas, motoras, emocionais; que é
necessário que haja uma integração da criança que tem alguma deficiência com
as ditas “normais”, que ela seja realmente incluída no ambiente escolar. Sendo
que suas limitações devem ser respeitadas por todos, pois, cada criança tem sua
particularidade, seu ritmo de aprendizagem diferenciado uns dos outros, então é
necessário se pensar formas que poderiam ajudar nesse processo de inclusão
dos portadores de necessidades especiais.

Discorrer

acerca

da

problemática

da

criança

com

necessidades

educacionais especiais (NEEs) não é algo inovador, mas os vários conceitos que
se ligam a essa questão têm sido uma fonte de estudos em permanente
construção. Cada época é representada por uma cultura que é dinâmica e que
por isso vai sendo alterada promovendo a construção de novos valores e
conceitos. “A inclusão, enquanto valor defende o direito de todas as crianças,
independentemente das suas diversas capacidades, participarem ativamente em
contextos naturais nas suas comunidades” (DEC, citado por Odom, 2007: 17).

Conforme García (1988, p. 217) a natureza do homem é uma unidade
biopsicossocial, pelo que a estrutura da personalidade e comportamento do
indivíduo normal ou patológico se apresenta dependente de fatores biológicos,
psicológicos e socioculturais, nesse sentido, o planejamento e a adaptação de
materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da
saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades
especiais é construir uma ludicidade pedagógica que irá promover aprendizados,
uma vez que o mundo do lúdico é onde a criança está em constante exercício. É
o mundo da fantasia, da imaginação, do faz de conta, do jogo e da brincadeira.
Podemos dizer que o lúdico é um grande laboratório que merece toda atenção
dos pais, profissionais da saúde e educadores, pois é através dele que ocorrem
experiências inteligentes e reflexivas, praticadas com emoção, prazer e
seriedade. Através da interação com os materiais pedagógicos adaptados é que
ocorre a descoberta de si mesmo e do outro, portanto, aprende-se e
desenvolvem-se habilidades. É no brincar que qualquer criança está livre para
criar e é através da criatividade que o indivíduo descobre seu eu. Segundo Platão:
“Você aprende mais sobre uma pessoa em uma hora de brincadeira do que uma
vida inteira de conversação”.

No Brasil a inclusão implica no atendimento aos indivíduos com NEEs nas
escolas, nas residências, sempre que possível, nas turmas regulares, onde
devem receber todos os serviços educativos adequados, tendo em conta as suas
características e necessidades, contando-se, para tal, com o apoio de outros
profissionais e dos pais. É nesse sentido que o planejamento e adaptação dos
materiais pedagógicos terão relevância, uma vez que se propõe em responder às
necessidades de cada uma das crianças, provendo-lhes uma educação
apropriada embasada nos três níveis de desenvolvimento essenciais: acadêmico,
sócio-emocional e pessoal (Nielsen, 1999; Correia, 2008).

Pode-se dizer que adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos
profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento
às crianças portadoras de necessidades especiais, desenvolverá as habilidades,
promoverá a saúde e maior compreensão do esquema corporal, além ajudá-las a
compreender e respeitar regras, limites, esperar a vez e aceitar resultados.

O projeto pretende revelar que os materiais adaptados, e a maneira como
os educadores e profissionais da saúde irão utilizá-lo, desenvolverão nas crianças
portadoras de NEEs os aspectos: psicológico, intelectual, emocional, físico, motor
e social. Além disso, os planejamentos e os materiais poderão tornar o
atendimento ou aulas mais atraentes, pois, a partir de situações de descontração
os educadores e profissionais da saúde poderão desenvolver diversos conteúdos,
gerando uma integração entre as matérias curriculares e o desenvolvimento de
diversas habilidades relacionadas à saúde.

Isso é inclusão, é fazer parte da

sociedade, conviver com o outro, ter a oportunidade de estar em um espaço
comum a todos e não ser excluído, não ser olhado de forma diferente. A criança
só está incluída quando ela sente-se bem naquele ambiente, quando ela participa
das atividades com as pessoas ditas “normais”, quando ocorre a interação de
todos independente das limitações que apresentem.
A concepção do projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da
adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às
ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de
necessidades especiais” visa revelar que incluir é respeitar e aceitar a criança
como um cidadão na sociedade que tem direitos como qualquer outro.

Em vista disso, podemos constatar que a proposta desse projeto é um
meio de incluir a criança que tem alguma limitação, pois o contexto lúdico dos
materiais adaptados, devidamente planejados é uma ação que permite a troca de
experiência entre os sujeitos, é um momento de aprendizagem, de diversão, de
alegria, e também de respeito mútuo entre os participantes, independente se
tenham alguma limitação seja ela física, mental ou sensorial. Ainda nessa
perspectiva reporto-me as palavras de Moacir Alves Carneiro “Não seja
intransigente, a natureza é plural! O igual é diferente e o diferente é igual”.
O papel de todos nesse processo didático-pedagógico é provocar a
participação coletiva, a interação e a socialização dos sujeitos e desafiar a criança
a buscar soluções, através dos materiais adaptados. Esse compromisso mediador
irá despertar na criança um espírito de companheirismo, cooperação e autonomia.
A criança irá interagir de forma coletiva, ou seja, irá apresentar seu ponto de vista,
discordar, apresentar suas soluções. Isso irá revelar que as crianças portadoras
de NEEs estão sendo incluídas nesse ambiente, sendo respeitadas, aceitas, e
participando das atividades, juntamente com os demais, sem nenhum tipo de
constrangimento.
HIPÓTESES:
A educação é um direito social básico e universal. Ela é, portanto, ao
mesmo

tempo determinada e determinante da construção do desenvolvimento

social de uma nação. Além de ser fundamental para uma formação integral
humanística e científica de sujeitos autônomos, críticos e protagonistas da
cidadania ativa. Mas, por que essa mesma educação de tantos direitos a todos
não tem assumido coesamente seu papel no contexto da inclusão?

ENFOQUE E NÍVEIS DE INVESTIGAÇÃO
Esta pesquisa é de caráter qualitativo de nível hipotético-dedutivo e sua
fundamentação será de estilo bibliográfico. Trata-se de uma pesquisa onde se
utilizará o “raciocínio ponderado por hipóteses”. Portanto, os dados serão
coletados por meio de literaturas, pesquisas e entrevistas especializadas que
viabilizarão o alcance dos objetivos deste estudo. A interação com os
profissionais da saúde e educação, pais, crianças portadoras de NEEs serão
fatores latentes para a construção dos planejamentos relacionados aos materiais
pedagógicos adaptados.

ÁREA DE ESTUDO
O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial NEPPD, fundado em 2001, está localizado na Faculdade de Educação/UFAM,
Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã. O cotidiano das atividades
no NEPPD envolvem professores, acadêmicos de graduação e pós-graduação,
através de um trabalho multidisciplinar e interdepartamental. As linhas de
pesquisa integram as seguintes áreas: Educação, Educação Especial, Educação
Inclusiva, Psicomotricidade e Psicopedagogia. O Núcleo focaliza o ser humano no
seu aspecto global, relacionando-o diretamente ao processo de aprendizagem,
visando: identificar, acompanhar e orientar pais, professores e estudantes .

UNIVERSO
Essa pesquisa se realizará num universo infantil do Núcleo de Estudos e
Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial - NEPPD, localizado na Faculdade de
Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã no
município de Manaus.

AMOSTRA
Essa amostra será desenvolvida no Núcleo de Estudos e Pesquisas em
Psicopedagogia Diferencial – NEPPD, num universo infantil. O NEPPD localiza-se
na Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco
Uatumã no município de Manaus. E essa abordagem emerge em pleno século
XXI devido as escolas e instituições relacionadas à saúde, ainda não
acomodarem todas as crianças independentemente de suas condições físicas,
intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras, incluir crianças deficientes
e superdotadas, crianças de rua e que trabalham, crianças de origem remota ou
de população nômade, pertencentes à minoria linguística, étnicas ou culturais e
crianças de outros grupos desavantajados ou marginalizados. O termo
“necessidades educacionais especiais” – refere-se a todas as crianças ou jovens
cujas necessidades educacionais especiais se originam em função de deficiências
ou dificuldades de aprendizagem. Direito à educação – Subsídios para gestão dos
Sistemas educacionais – Edição Atualizada pág. 330. Infelizmente, devido às
políticas públicas e aos fatores socioculturais de muitos profissionais da educação
e saúde esse direito ainda não se faz cumprir no país.

UNIDADE DE ANÁLISE
A unidade de análise transcorrerá num universo infantil do Núcleo de
Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial - NEPPD, localizado na
Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco
Uatumã no município de Manaus.

UNIDADE DE MOSTRAGEM

Nome:

Núcleo de Estudos
Diferencial - NEPPD

e

Pesquisas

em

Psicopedagogia

Diretora

Maria Almerinda de Souza Matos

Endereço:

Av. Rodrigo Octavio, 6.200, Campus Universitário Senador
Arthur Virgilio Filho – Setor Norte – Coroado – Manaus/AM.

Telefone

(92) 3305-4611

Município:

Manaus

Estado:

Amazonas
MÉTODOS E TÉCNICAS OU ESTRATÉGIAS DE COLETAS DE DADOS
A partir de um acompanhamento dos processos mediadores educacionais, a
pesquisa será realizada pela investigadora, pois a mesma acredita que a inclusão
das crianças portadoras de NEEs no dia-a-dia de uma escola ou instituição de
saúde provoca indagações no âmbito da educação geral:

1. Qual o impacto deste processo no cotidiano escolar e das instituições de
saúde, quando a criança não tem um planejamento específico ao material
pedagógico a ser utilizado em seu cotidiano?
2. Qual a relação entre inclusão e diferença cultural na escola e nas instituições
de saúde?
3. Será que a inclusão escolar e a inclusão nas instituições de saúde não se
constituem como um elemento a mais para manter posturas de discriminação?
4. Como são postas em jogo as identidades e diferenças no espaço da escola e
das instituições de saúde?
5. Que relevância a proposta desse projeto, “Inclusão: a importância do
planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos
profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento
às crianças portadoras de necessidades especiais”, terá para o seu contexto de
trabalho?
6. Quais os benefícios sócios educativos que os planejamentos de materiais
pedagógico adaptados proporcionarão à criança no processo de desenvolvimento
de suas habilidades globais e específicas?

Refletir sobre essas questões pode ser uma maneira nova de podermos ver, ver
os outros, ver a Educação, ver os profissionais da saúde e de aprender a conviver
com as diferenças, com as mudanças, com o que se está além das imagens; uma
maneira de apostar no outro, de trilhar um caminho que é sem imagem, porque
como (MORIN, 2000), nos retrata: “caminhante, não há caminho, o caminho se
faz com o caminha”.

OBSERVAÇÃO:

1. Averiguar a importância do planejamento e da adaptação de materiais
pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais.
2. Observar e registrar os benefícios sócios educativos que o planejamento e a
adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às
ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de
necessidades especiais proporcionam à criança no processo de desenvolvimento
de suas habilidades globais e específicas.

3. Definir se é interessante que as crianças tenham um planejamento específico e
utilizem materiais pedagógicos adaptados.

4. Averiguar se é necessária certa dose de sensibilidade para saber distinguir em
que momentos sua presença mais ativa é fundamental (como, por exemplo, para
estimular a participação de determinadas crianças ou propor novas brincadeiras
com os materiais adaptados) e as ocasiões em que é preferível deixar que as
próprias crianças construam, interajam, organizem e reinventem as brincadeiras e
maneiras de utilizar os materiais pedagógicos adaptados.
5. Averiguar se os educadores e profissionais da saúde que atendem os alunos
portadores de NEEs estão organizados para esses casos?

6. Distinguir o que é estar preparado. Uma vez que, quando realmente se está
preparado para os novos desafios da educação, estamos numa constante
caminhada para a qual fomos preparados, mas é preciso estar consciente de que:
“Caminhante não há caminho, o caminho se faz ao andar”?

INSTRUMENTOS DE COLETAS DE DADOS
Os registros serão por meio de dados escritos, planejados, construídos por meio
dos materiais pedagógicos e imagens (fotos e vídeos).

PROVA PILOTO
Parte 1:

De 2006 a 2009
Trabalhei com alunos portadores de deficiência física e mental (SEMED)
Em 2010 quando elaborei o blog http://simonehelendrumond.blogspot.com.br um
número significativo de pais, educadores e profissionais relacionados à saúde deu
ênfase aos materiais pedagógicos adaptados e aos planejamentos que lá estão
postados. A partir daí gradativamente fui recebendo vários e-mails de pessoas de
diversas partes do Brasil pedindo ajuda para planejar e adaptar materiais para as
crianças. A partir daí fiz valer minha formação em pedagogia e passei a pesquisar
e elaborar os materiais planejados conforme os pedidos dessas pessoas.
Galgando lentamente, cheguei em 2013 com 2.283 arquivos e com 2.804.918
visualizações interativas.

2010
Fui convidada pela irmã Arlete Galdino, na época, gestora do CEST, para
trabalhar com um grupo de cinco crianças na brinquedoteca da escola, para
ajudá-los a desenvolver suas habilidades. A partir daí pude evidenciar que
planejar o uso de materiais pedagógicos adaptados produzem bons frutos. Em
consequência, comecei a construir os portfólios de aprendizagem e disponibilizálos na internet, no blog:
http://simonehelendrumond.blogspot.com.br
Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório do CEST.

2011
Valendo-me de um dos meus portfólios consegui encaminhar uma das crianças
do maternal para constatação de um grau de autismo. Os resultados foram
positivos, a criança tem galgado de forma coesa e tem desenvolvido suas
habilidades.
http://simonehelendrumond.blogspot.com.br/2011/04/orientacao-para-diagnosticode-um.html
Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório no CMEI MADRE ELISIA.

2012
Consegui novamente encaminhar uma criança de 10 anos com características de
TODA. A criança anualmente passava de uma série para outra sem ser
trabalhada em suas especificidades. Elaborei os relatórios e com os tratamentos
foi constatado por um profissional da saúde que a criança, verdadeiramente era
TDA. Com a medicação adequada e a adaptação dos recursos pedagógicos
específicos da série e principalmente a forma de avaliar, a criança tem
transcendido.
Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório do CEST.

2012
A partir da pesquisa e estudos de Leis que fundamentam a Inclusão, consegui
que uma aluna TDA, tivesse seu material pedagógico devidamente adaptado para
as suas necessidades intelectuais e a mesma tem galgado bem no 5º ano do
Ensino Fundamental.
Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório do CEST.

2013
Elaborei um portfólio para atender uma criança do maternal, portadora de
deficiência física e mental num grau leve. Repassei o material para mãe e
professora da sala multifuncional. Como o portfólio produziu bons resultados,
disponibilizei na internet. http://simonehelendrumond.blogspot.com.br/2013/01/5projeto-movimento-explorar-e.html
Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório no CMEI MADRE ELISIA.

2013
Estou trabalhando com dois alunos diagnosticados TDA/TDAH
Parte 2 – Para tese de mestrado e projeto da pós em Ensino Infantil
2013 no NEPPD
Pretendo continuar produzindo esses materiais e poder ajudar ainda mais as
crianças. A prova piloto se dará com o uso de pré-testes com um grupo de
crianças para averiguar as habilidades sociais, físicas e cognitivas em cada uma
das etapas, para juntamente com os profissionais da saúde e da educação, que
compõem o quadro da Instituição NEPPD, planejar e elaborar os recursos
pedagógicos que possam ajudar as crianças projetarem no contexto, um modelo
prático de vivência e de uma educação transformadora no exercício do aprender
relacionado à inclusão.

CONSTRUÇÃO METODOLÓGICA

A evolução histórica no atendimento educacional e da saúde das crianças
portadoras de necessidades especiais vem se expandindo no Brasil com a
criação de entidades filantrópicas assistenciais e especializadas destinadas à
população das classes menos favorecidas e nesse sentido destaco o NEPPD,
que filantropicamente vem buscando atender os indivíduos que procuram o
núcleo.

A exclusão/inclusão social tem sido debatida com frequência em muitos
patamares políticos e sociais, tanto no campo da educação, como em outros
relativos às ciências da saúde e sociais. Nesses debates a escola é vista como
uma das instituições que poderia quebrar com muitos tabus, mas, ao contrário,
ela tem sido permeada de preconceitos e juízos prévios sobre seus educandos e
suas famílias. Nessa perspectiva, soma-se à minha preocupação, neste estudo,
entender como no cotidiano educacional, social e da saúde, a individualidade e a
personalidade das pessoas são ou não respeitadas e levadas em conta.

A vida cotidiana é heterogênea e hierárquica, e o ser humano já nasce
inserido nesse estilo de vida. Com o amadurecimento, ele adquire todas as
habilidades para a vida cotidiana da sociedade. Esse amadurecimento começa
sempre nos grupos. Mas, muitas vezes, a pessoa com necessidades
educacionais especiais é privada deste convívio em grupos, sendo segregada,
excluída da sociedade por causa das suas diferentes limitações. A vida cotidiana
está no centro do acontecer histórico: é a verdadeira essência da substância
social. E o indivíduo é sempre um ser particular e genérico, simultaneamente, não
se devendo esquecer-se disso no cotidiano escolar, social e principalmente da
saúde.

A história recente da pesquisa educacional no Brasil, segundo Patto
(1999), tende a se configurar no abandono da quantificação em nome de
procedimentos não estatísticos e qualitativos de coleta e análise de dados, apesar
de não ser garantia não positivista da metodologia. A adoção aos métodos da
Antropologia tem sido um dos recursos mais frequentes dos estudos do/no
cotidiano. No referencial da sociologia da vida cotidiana, a análise da realidade
investigada vai além da mera descrição da rotina das práticas sociais, em geral, e
das relações interpessoais, em particular, mas Trata-se de uma investigação
ampla, que focaliza aspectos da vida social menosprezados pelos filósofos ou
arbitrariamente separados pelas ciências sociais (PATTO, 1999, p.181), na qual
estes aspectos são agrupados, não arbitrariamente, mas segundo uma teoria e
conceitos determinados.
Ao afirmar a intenção de analisar aspectos desta parte da vida social, o
cotidiano da escola, de acordo com a etnografia, recusa-se a possibilidade de
separação entre descrição e interpretação, uma vez que, o trabalho etnográfico
implica em preocupar-se com uma análise holística ou dialética da cultura em
foco, que implica em introduzir os atores sociais com uma participação ativa,
dinâmica e modificadora das estruturas sociais; preocupar-se em revelar as
relações e interações significativas de modo a desenvolver a reflexão sobre a
ação de pesquisar. Compreendo que o estudo em uma unidade filantrópica não
configura um “estudo de caso”, mas “um estudo sobre o caso”.
A necessidade de realizar estudos da vida cotidiana de posse de
uma teoria social na qual a definição de “sociedade” seja
aplicável a qualquer escala de realidade e de reconhecer os
processos

educacionais

(Inclusão:

a

importância

do

planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na
práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da
pedagogia

no

atendimento

às

crianças

portadoras

de

necessidades especiais) como parte integrante de formações
sociais historicamente determinadas. (PATTO, 1999, p. 182)

O projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de
materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da
saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades
especiais” está pautada em valores, concepções e expectativas, onde as
crianças, os educadores, os profissionais da saúde e a comunidade são vistos
como sujeitos históricos importantíssimos para a efetivação dessa perspectiva de
trabalho. Portanto, ela deve ser compreendida sob a ótica do cotidiano, em sua
singularidade. Compreende-se que esse projeto é possível e sua transcendência,
em cada individuo, se constituirá com base nas representações daqueles que
estão envolvidos.

Decidi pela opção metodológica que se situa no âmbito da investigação
qualitativa e se configura, em sua totalidade, como um estudo de caso.
Procedimento esse que me permitirá fazer uma pesquisa de cunho qualitativo,
utilizando o Estudo de Caso.

Segundo Lüdke e André (2000), pesquisa qualitativa é a que se desenvolve
em uma situação natural e rica em descrição, tem um plano aberto e flexível e
focaliza a realidade de uma forma complexa e contextualizada. Esse método,
assim como os demais métodos qualitativos, é útil quando o fenômeno a ser
estudado é amplo e complexo, onde o corpo de conhecimentos existente é
insuficiente para suportar a proposição de questões causais e nos casos em que
o fenômeno não pode ser estudado fora do contexto onde naturalmente ocorre.
Os instrumentos de pesquisa utilizados (planejamentos e materiais pedagógicos
adaptados) serão definidos concomitantemente à construção do problema e à
construção metodológica, uma vez que utilizei a pesquisa bibliográfica; consulta
documental; pesquisa exploratória; depoimentos e a observação sistemática.

Opção metodológica da pesquisa:
1. Seleção de um “cenário”, ou seja, estabelecer o local onde e quando as
pessoas envolvidas no processo podem ser observadas;
2. Definição do que vai ser documentado na observação e em que casos, ou seja,
identificar quem ou o que observar, quando e por quanto tempo;
3. Treinamento de observadores para fins de padronização dos procedimentos e
determinar, inicialmente, as funções do observador;
4. Observações descritivas e reflexivas que ofereçam uma apresentação geral do
campo observado; planejamento e a metodologia do registro das anotações de
campo;
5. Destaque das observações que contenham aspectos relevantes para as
indagações da pesquisa; registrar aspectos, como descrição dos informantes,
contexto físico, eventos e atividades particulares, e as próprias reações do
observador;
6. Observações seletivas que pretendam, intencionalmente, compreender
aspectos centrais;
7. Durante a observação, se for observador externo, apresentar-se, apresentarse, estabelecer relações amistosas, iniciar com objetivos restritos nas primeiras
sessões de observação;
8. Término da observação quando a mesma atingiu um ponto de saturação
teórica, ou seja, outras observações não proporcionariam mais nenhum
conhecimento;
9. Após a observação, informar aos interessados sobre o uso dos dados e a
disponibilidade do estudo.
A atenção seletiva faz parte da metodologia de trabalho desse projeto,
porém o cuidado em não me concentrar apenas naquilo que possa ser
conveniente será fator primordial, para não correr o risco da investigação se
converter apenas em justificativas de minhas formulações e opções teóricas,
relacionadas aos planejamentos e construções de materiais pedagógicos
adaptados.

PLANO DE ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS
Nesse contexto as informações serão apresentadas de forma descritiva
sobre a ênfase da Inclusão e a importância do planejamento e da adaptação de
materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da
saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades
especiais.
.
CONSIDERAÇÕES ÉTICAS
Os envolvidos no processo terão seus nomes ocultados ou serão tratados
por pseudônimos e as questões pertinentes ao contexto das entrevistas, as
observações, os planejamentos e as adaptações dos recursos pedagógicos
adaptados terão caráter fidedigno.
BIBLIOGRAFIA
_______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal nº. 8069/90 de
13/04/90 atualizada até 12/11/2003.

_______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9.394/ 1996.

_______. O acesso de alunos com deficiência às Escolas e Classes Comuns da
Rede Regular./ Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de
Melo e Silva (Orgs.) /2ed. rev. e atualiz. –Brasília: Portaria Federal dos Direitos do
Cidadão, 2004, p.7-36.

_______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos
Jurídicos. Lei nº. 7.853/89. Decreto nº. 3.298/99. (Política Nacional para a
Integração

da

Pessoa

Portadora

de

Deficiência).

Disponível

em:

http://portal.mec.gov.br/index... Acesso em: 15/01/13.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Senado, Brasília, DF,
1988.

CORRÊA, Maria Ângela Monteiro. Educação Especial. V.1 Rio de Janeiro:
Fundação CECIERJ, 2005.

DRUMOND, Simone Helen Ischkanian. O lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras
na construção do processo de aprendizagem na educação infantil. . Disponível
em:

http://www.slideshare.net/SimoneHelenDrumond/projeto-ludico-simone-

drumond. Acessado em 08/07/2013.

GARCIA, Emílio Garcia (1988). Normalização e integración. In MAYOR

SÁNCHEZ, Juan (dir.). Manual de Educación Especial. Madrid: Ed. Anaya.
p.5778.

MIRANDA, José Rafael. Habilitação em educação Especial e Formação de
Professores: Questões sobre a política de inclusão. Dissertação de mestrado.
Universidade Católica de Brasília, 2003.
NIELSEN, L. (1999). Necessidades Educativas Especiais na Sala de Aula - Um
guia para professores. Porto: Porto Editora.

ODOM, Samuel L. (2007). Alargando a roda: a inclusão de crianças com
necessidades educativas especiais na educação pré-escolar. Porto: Porto Editora.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades
educativas especiais. Brasília, CORDE, 1994.
CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
ATIVIDADES
1. Eleição do tema e preparação

JULHO
x

AGOSTO

SETEMBRO

OUTUBRO

NOVEMBRO

X

DEZEMBRO

X

do protocolo
2. Preparação do protocolo às

x

autoridades.
3. Desenho dos instrumentos que

x

x

darão base à pesquisa.
4. Provas dos instrumentos

X

X

5. Revisão e reprodução dos
instrumentos.
6. Relação de dados.

x

X

X

7. Codificação e tabulação dos

x

X

X

dados
8. Processamento dos dados

X

9. Análise e interpretação dos

X

resultados.
10. Redação de informe final

X

11. Apresentação às autoridades.

X

12. Defesa oral da dissertação.

X
ANEXOS
INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E DA ADAPTAÇÃO DE
MATERIAIS PEDAGÓGICOS NA PRÁXIS DOS PROFISSIONAIS RELACIONADOS ÀS
CIÊNCIAS DA SAÚDE E DA PEDAGOGIA NO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS
PORTADORAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS.

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO
Eu, Simone Helen Drumond Ischkanian, estou pesquisando sobre a importância
do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos
profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento
às crianças portadoras de necessidades especiais, com o escopo de analisar qual
a visão dos profissionais relacionados à saúde, educação de convivência proximal
das crianças portadoras de NEEs e de mediar propostas com ênfase no
planejamento e adaptação de materiais pedagógicos.

Informo que assumo o compromisso de que sua identidade permanecerá
confidencial, salvo expressa manifestação em sentido contrário, haja vista a
ocupação de cargos ou posições públicas. Caso o/a senhor (a) decida manifestar
pública a sua opinião, será garantido que a transcrição da entrevista será
submetida a sua apreciação antes de divulgação. Sua participação nessa
pesquisa é fundamental para a elucidação de aspectos importantes sobre a
inclusão das crianças portadoras de NEEs. Porém ela é inteiramente voluntária. A
qualquer momento o/a senhor (a) poderá desistir de continuar a entrevista e só
responderá as perguntas que desejar.
Eu, _________________________________________________, declaro

estar

ciente de que entendo os objetivos e condições de participação na pesquisa “a
importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis
dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no
atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais” e aceito dela
participar.

( ) Autorizo a identificação de meu nome nas publicações resultantes do referido
projeto.
( ) Não autorizo a identificação do meu nome.
Manaus,........./........../ 2013.

________________________
Assinatura do entrevistado

________________________
Assinatura do entrevistador

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
Patricia Bampi
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
Cassia Dias
 
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursosDocumento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Carlos Junior
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
ceciliaconserva
 
CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
carlademorais
 

Mais procurados (20)

Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica PedagógicaEducação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
 
PEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdfPEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdf
 
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursosDocumento orientador do programa implantação de salas de recursos
Documento orientador do programa implantação de salas de recursos
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.
 
CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃOCLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
 
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
 

Destaque

Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Os nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentesOs nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentes
FilipAna
 
Psicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio cPsicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio c
Cristina Silva
 
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
SimoneHelenDrumond
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
Ana Silva
 
Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011
emersonp68
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 

Destaque (20)

Projeto de pesquisa sobre Inclusão
Projeto de pesquisa sobre InclusãoProjeto de pesquisa sobre Inclusão
Projeto de pesquisa sobre Inclusão
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
 
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
Projeto Político Pedagógico da EMEB Graciliano Ramos 2012
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
 
Inclusão com aprendizagem denise
Inclusão com aprendizagem deniseInclusão com aprendizagem denise
Inclusão com aprendizagem denise
 
Kemahiran berfikir bahasa melayu
Kemahiran berfikir bahasa melayuKemahiran berfikir bahasa melayu
Kemahiran berfikir bahasa melayu
 
Projeto tcc rev00
Projeto tcc   rev00Projeto tcc   rev00
Projeto tcc rev00
 
Anomalias geneticas
Anomalias geneticasAnomalias geneticas
Anomalias geneticas
 
Os nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentesOs nossos filhos_sao_diferentes
Os nossos filhos_sao_diferentes
 
Psicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio cPsicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio c
 
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumondProjeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
Projeto dificuldade de aprendizagem por simone helen drumond
 
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
 
E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6
E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6
E%20 quando%20atendemos%20crian%c3%a7as%20diferentes%e2%80%a6
 
Projeto ambientação – água atividade modulo 6 - etapa 2
Projeto ambientação – água  atividade modulo 6 - etapa 2Projeto ambientação – água  atividade modulo 6 - etapa 2
Projeto ambientação – água atividade modulo 6 - etapa 2
 
Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011Sala de recursos 2011
Sala de recursos 2011
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 

Semelhante a Projeto inclusão

Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - IntroduçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
asustecnologia
 
Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...
Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...
Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...
Mira Benvenuto
 
Material impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraesMaterial impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraes
Angela Rosa de Moraes
 
Altas habilidades
Altas habilidadesAltas habilidades
Altas habilidades
d-duda
 

Semelhante a Projeto inclusão (20)

Inclusão CMEI Madre Elisia 2017
Inclusão CMEI Madre Elisia 2017Inclusão CMEI Madre Elisia 2017
Inclusão CMEI Madre Elisia 2017
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - IntroduçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
 
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)Plano de trabalho em ed especial   2011 (relatório da demanda)
Plano de trabalho em ed especial 2011 (relatório da demanda)
 
Cartilha inclusao escolar
Cartilha inclusao escolarCartilha inclusao escolar
Cartilha inclusao escolar
 
R.dc.07 projeto pedagógico de sala
R.dc.07 projeto pedagógico de salaR.dc.07 projeto pedagógico de sala
R.dc.07 projeto pedagógico de sala
 
artigo Neuropsicopedagogia e aprendizagem 2.pdf
artigo Neuropsicopedagogia e aprendizagem 2.pdfartigo Neuropsicopedagogia e aprendizagem 2.pdf
artigo Neuropsicopedagogia e aprendizagem 2.pdf
 
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
 
Praticas inclusivas na educacao infantil
Praticas inclusivas na educacao infantilPraticas inclusivas na educacao infantil
Praticas inclusivas na educacao infantil
 
CARTILHA DA INCLUSÃO ESCOLAR.pdf
CARTILHA DA INCLUSÃO ESCOLAR.pdfCARTILHA DA INCLUSÃO ESCOLAR.pdf
CARTILHA DA INCLUSÃO ESCOLAR.pdf
 
castilha
castilhacastilha
castilha
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Cartilha da Inclusão Escolar
Cartilha da Inclusão EscolarCartilha da Inclusão Escolar
Cartilha da Inclusão Escolar
 
Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...
Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...
Educa%c7%c3 o%20infantil%20e%20as%20pr%c1ticas%20de%20cuidar%20e%20educar%20n...
 
Material impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraesMaterial impresso angela rosa de moraes
Material impresso angela rosa de moraes
 
Drogas[1]
Drogas[1]Drogas[1]
Drogas[1]
 
AUTISMO - SABERES E PRÁTICAS DA INCLUSÃO
AUTISMO - SABERES E PRÁTICAS DA INCLUSÃOAUTISMO - SABERES E PRÁTICAS DA INCLUSÃO
AUTISMO - SABERES E PRÁTICAS DA INCLUSÃO
 
Altashab2[1]
Altashab2[1]Altashab2[1]
Altashab2[1]
 
Altas habilidades
Altas habilidadesAltas habilidades
Altas habilidades
 
Superdotacao
SuperdotacaoSuperdotacao
Superdotacao
 
Tecnologia assistiva
Tecnologia assistivaTecnologia assistiva
Tecnologia assistiva
 

Mais de SimoneHelenDrumond

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
SimoneHelenDrumond
 

Mais de SimoneHelenDrumond (20)

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Projeto inclusão

  • 1. INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAIS PEDAGÓGICOS NA PRÁXIS DOS PROFISSIONAIS RELACIONADOS AS CIÊNCIAS DA SAÚDE E DA PEDAGOGIA NO ATENDIMENTO AS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS.
  • 2. SIMONE HELEN DRUMOND ISCHKANIAN INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAIS PEDAGÓGICOS NA PRÁXIS DOS PROFISSIONAIS RELACIONADOS AS CIÊNCIAS DA SAÚDE E DA PEDAGOGIA NO ATENDIMENTO AS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS. MANAUS – AM SETEMBRO – 2013
  • 3. IDENTIFICAÇÃO: Nome da instituição: NEPPD - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial Entidade mantenedora: Universidade Federal do Amazonas Endereço completo e contatos: Nome: NEPPD - Universidade Federal do Amazonas Endereço: Endereço: Av. Rodrigo Octavio, 6.200, Campus Universitário Senador Arthur Virgilio Filho – Setor Norte – Coroado – Manaus/AM Telefone (92)3305-4611 Estado: Amazonas Município: Manaus O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial NEPPD, fundado em 2001, está localizado na Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã. O cotidiano das atividades no NEPPD envolvem professores, acadêmicos de graduação e pós-graduação, através de um trabalho multidisciplinar e interdepartamental. As linhas de pesquisa integram as seguintes áreas: Educação, Educação Especial, Educação Inclusiva, Psicomotricidade e Psicopedagogia. O Núcleo focaliza o ser humano no seu aspecto global, relacionando-o diretamente ao processo de aprendizagem visando: identificar, acompanhar e orientar pais, professores e estudantes.
  • 4. TEMA: Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais. TÍTULO DA INVESTIGAÇÃO: Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial. Localizado na Av. Rodrigo Octavio, 6.200, Campus Universitário Senador Arthur Virgilio Filho – Setor Norte – Coroado – Manaus/AM. PERCEPÇÃO DO PROBLEMA: Essa pesquisa se realizará num universo onde a inclusão se integrará às áreas das Ciências da Saúde e da Pedagogia e o papel do pesquisador será de: analisar, planejar, elaborar recursos pedagógicos e mediar os saberes necessários, para evidenciar a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, ampliar os aspectos cognitivos das crianças, também revelará que as crianças com necessidades especiais, as quais em meio ao preconceito e a discriminação, respondam ao descaso social e educacional com um sorriso ingênuo, revelando assim, que a deficiência está naqueles que não conseguem enxergar as suas verdadeiras eficiências. FORMULAÇÃO DO PROBLEMA GENÉRICO: Quais os fatores biológicos, psicológicos e sociais que objetivam a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD, localizado na cidade de Manaus.
  • 5. PERGUNTAS ESPECÌFICAS: 1. Qual a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD, localizado na Universidade Federal do Amazonas? 2. Quais benefícios o planejamento e a adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD, proporcionarão às crianças no processo de desenvolvimento de suas habilidades globais e especificas? 3. Quais argumentos biopsicossociais, os profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia, valem-se para ampliar o atendimento as crianças portadoras de necessidades especiais, no NEPPD e assim desenvolver o planejamento e a adaptação de materiais pedagógicos em sua práxis? 4. Os profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia, na elaboração de seus planejamentos e na construção dos recursos pedagógicos adaptados, valem-se dos objetivos, procedimentos metodológicos e possibilidades de avaliação a partir da interação infantil? OBJETIVO GERAL: Demonstrar a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, e assim, demonstrar que este é um modelo prático de vivência e de uma educação transformadora no exercício do aprender relacionado à inclusão. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Favorecer práticas educativas, desempenhando os fundamentos teóricos e metodológicos que configuram nos espaços que promovem a inclusão, revelando situações significativas que complementem o processo educativo; Favorecer a ampliação das potencialidades cognitivas, ao mesmo tempo em que proporciona maiores possibilidades de interação social e cognitiva;
  • 6. Planejar, adaptar e produzir recursos pedagógicos facilitadores no processo de aquisição do conhecimento das crianças com necessidades educacionais especiais; Oferecer um número significativo de planejamentos e instrumentos mediadores, aos educandos com necessidades educacionais especiais que frequentam o NEPPD; Revelar a utilização do planejamento e dos materiais pedagógicos adaptados na práxis dos profissionais da educação e da saúde para permitir que as crianças sejam capazes de se expressar, elaborar perguntas, resolver problemas e se tornarem mais participativos, permitindo assim uma maior interação social, intelectual e física; Divulgar o trabalho desenvolvido pelo NEPPD, por meio do projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais”, para que as demais instituições de saúde e escolar tenham conhecimento dos planejamentos e dos recursos para que possam utilizar em experiências e técnicas de trabalho. JUSTIFICATIVA: O projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais” almeja expandir as habilidades sociais, cognitivas e motoras, das crianças com necessidades educacionais especiais (NEEs), uma vez que este fator ainda tem sido um dos grandes desafios do trabalho dos profissionais da educação e da saúde. Desafios sim, por que muitos profissionais na perspectiva de validarem suas instituições como modernas tendem a utilizar somente recursos tecnológicos e industrializados. Não dão ênfase a ideia que mesmo com poucos recursos, é possível oferecer boas alternativas para atender às peculiaridades das crianças com necessidades educacionais especiais (NEEs), planejando e adaptando materiais pedagógicos. O uso deles permite que as
  • 7. crianças sejam capazes de se expressarem, elaborarem perguntas, resolverem problemas e se tornarem mais participativas, permitindo assim uma maior interação social, intelectual e física. Divulgar o trabalho desenvolvido pelo NEPPD, por meio do projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais”, para que as demais instituições de saúde e escolar tenham conhecimento dos planejamentos e dos recursos para que possam utilizar em experiências e técnicas de trabalho. Portanto, essa é uma maneira desses profissionais proporcionarem uma melhoria no atendimento e promover processos de aprendizagem em igualdade de condições. Além da economia de recursos, a produção facilitará a adaptação às necessidades das crianças que os utilizarem. Os planejamentos serão embasados na legislação educacional que trata da inclusão, dando um suporte legal às perspectivas profissionais e educacionais. A legislação educacional que trata da inclusão: 1. Constituição de 1988 (consultar o artigo 208). 2. Lei nº. 7.853, de 1989, dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social. 3. Estatuto da Criança e do adolescente, de 1990. 4. Íntegra da Declaração de Salamanca, de 10 de junho de 1994, sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educacionais especiais. 5. Capítulo da LDB, de 1996, sobre a Educação Especial. 6. Decreto nº. 3.298, de 1999, regulamenta a Lei nº. 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. 7. A lei nº. 10.172, de 2001, aprova o Plano Nacional de Educação que estabelece vinte e oito objetivos e metas para a educação das pessoas com necessidades educacionais especiais. 8. Resolução nº. 2, de 11 de setembro de 2001 que institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 9. Íntegra do Decreto nº. 3.956, de outubro de 2001, que promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência (Convenção da Guatemala).
  • 8. 10. Resolução do Conselho Nacional de Educação nº. 1/2002 define que as universidades devem prever em sua organização curricular formação dos professores voltada para a atenção à diversidade e que contemple conhecimentos sobre as especificidades dos alunos com necessidades educacionais especiais. 11. A lei nº. 10.436/02 reconhece a Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação e expressão. 12. Decreto nº. 5.626/05 - Dispõe sobre a inclusão de Libras como disciplina curricular, a formação e a certificação de professor, instrutor e tradutor/intérprete de Libras. 13. Decreto nº. 6.571, de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre o atendimento educacional especializado. 14. A Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. DEFINIÇÃO DAS VARIÁVEIS - Planejamento e material pedagógico adaptado na área da saúde e pedagogia. - Construção do processo de aprendizagem relacionado à inclusão. - Atendimento às crianças com necessidades educacionais especiais (NEEs) por meio de um planejamento e de materiais específicos ao desenvolvimento de suas habilidades. MARCO TEÓRICO DA INVESTIGAÇÃO: “Traga dúvidas e incertezas, doses de ansiedade, construa e desconstrua hipóteses, pois aí reside a base do pensamento científico do novo século. Um século cansado de verdades, mas sedento de caminhos.” (Cláudia Werneck apud DOMINGOS 2005) Temos a concretização dos nossos direitos por meio das Leis, direitos que foram garantidos através de muitas reivindicações populares. Os pais, profissionais da saúde, educadores, simpatizantes da causa e portadores de necessidades especiais, para que tivessem seus direitos garantidos, tiveram que lutar muito por Leis coesas que os respeitassem que os vissem como cidadãos. A sociedade precisou expressar sua indignação perante o governo para que esse pudesse estabelecer critérios legais para as pessoas com NEEs. Em meio a manifestações nacionais e internacionais é que começaram as mudanças, na qual se visualizava o deficiente como sujeito de uma sociedade, que tem limitações
  • 9. leves ou severas, mas, independente das limitações, devem ser respeitados por todos, e terem seus direitos garantidos perante as Leis. As organizações de congressos internacionais foram de grande valia para se discutir a efetivação dos direitos em favor dos portadores de necessidades especiais. No processo histórico desses congressos três, declarações relevantes foram anunciadas, que admitiram conquistas para todas as pessoas, independente de terem ou não alguma deficiência. Nesses Congressos Internacionais originaram as seguintes declarações: a Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948); Declaração Mundial de Educação para Todos (1990); e a Declaração de Salamanca (1994). Segundo Soares (2010 p. 13). A Declaração Universal dos Direitos do Homem não é exatamente uma lei, mas constitui direitos à humanidade, independente da nacionalidade, religião, cor, sexo, política, enfim, de uma forma mais abrangente esclarece em um documento oficial os direitos comuns para todos os cidadãos, inclusive a garantia de educação para todos, sendo assim, incluiu os educandos que têm alguma deficiência. Vejamos abaixo alguns fragmentos dessa declaração. Todo ser humano, em todas as suas dimensões, é o centro e o foco de qualquer movimento para a sua promoção. O princípio é válido, tanto para as pessoas normais e para as ligeiramente afetadas como, também, para as gravemente prejudicadas, que exijam uma ação integrada de responsabilidade e de realizações pluridirecionais. Todo ser humano conta com possibilidades reais, mínimas que sejam de alcançar pleno desenvolvimento de suas habilidades e de adaptar-se positivamente ao ambiente normal. (DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM apud CORRÊA, 2005, p.55-56 apud SOARES). A Declaração Mundial de Educação para Todos (1990), garante educação para todos independente das possíveis dificuldades ou limitações que o sujeito apresente. (MIRANDA, 2003, p.7). A Declaração de Salamanca (1994 apud SOARES, 2010), revela o resultado da Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais, que ocorreu na Espanha e teve como foco a questão da educação para crianças com necessidades especiais. A declaração diz:
  • 10. Todas as crianças têm direito fundamental à educação e deve ser dada a oportunidade de obter e manter um nível adequado de conhecimento. Cada criança tem características, interesses, capacidades e necessidades de aprendizagem que lhes são próprias. Os sistemas educativos devem ser projetados e os programas aplicados de modo que tenham em vista toda a gama dessas diferentes características e necessidades. As pessoas com necessidades educativas especiais devem ter acesso à escola regular que deverão integrá-las numa pedagogia centrada na criança, capaz de atender a essas necessidades. As escolas regulares, com essa orientação integradora, representam os meios mais eficazes de combater as atitudes discriminatórias, criando comunidades acolhedoras, construindo uma sociedade integradora e alcançando educação para todos, além de proporcionar uma educação efetiva à maioria das crianças e melhorar tanto a eficiência como a relação custo-benefício de todo o sistema educativo. (UNESCO, 1994 apud SOARES 2010). A Declaração evidencia que a criança tem o direito à educação, de desenvolver suas habilidades sejam elas cognitivas, motoras, emocionais; que é necessário que haja uma integração da criança que tem alguma deficiência com as ditas “normais”, que ela seja realmente incluída no ambiente escolar. Sendo que suas limitações devem ser respeitadas por todos, pois, cada criança tem sua particularidade, seu ritmo de aprendizagem diferenciado uns dos outros, então é necessário se pensar formas que poderiam ajudar nesse processo de inclusão dos portadores de necessidades especiais. Discorrer acerca da problemática da criança com necessidades educacionais especiais (NEEs) não é algo inovador, mas os vários conceitos que se ligam a essa questão têm sido uma fonte de estudos em permanente construção. Cada época é representada por uma cultura que é dinâmica e que por isso vai sendo alterada promovendo a construção de novos valores e conceitos. “A inclusão, enquanto valor defende o direito de todas as crianças, independentemente das suas diversas capacidades, participarem ativamente em contextos naturais nas suas comunidades” (DEC, citado por Odom, 2007: 17). Conforme García (1988, p. 217) a natureza do homem é uma unidade biopsicossocial, pelo que a estrutura da personalidade e comportamento do indivíduo normal ou patológico se apresenta dependente de fatores biológicos, psicológicos e socioculturais, nesse sentido, o planejamento e a adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais é construir uma ludicidade pedagógica que irá promover aprendizados, uma vez que o mundo do lúdico é onde a criança está em constante exercício. É
  • 11. o mundo da fantasia, da imaginação, do faz de conta, do jogo e da brincadeira. Podemos dizer que o lúdico é um grande laboratório que merece toda atenção dos pais, profissionais da saúde e educadores, pois é através dele que ocorrem experiências inteligentes e reflexivas, praticadas com emoção, prazer e seriedade. Através da interação com os materiais pedagógicos adaptados é que ocorre a descoberta de si mesmo e do outro, portanto, aprende-se e desenvolvem-se habilidades. É no brincar que qualquer criança está livre para criar e é através da criatividade que o indivíduo descobre seu eu. Segundo Platão: “Você aprende mais sobre uma pessoa em uma hora de brincadeira do que uma vida inteira de conversação”. No Brasil a inclusão implica no atendimento aos indivíduos com NEEs nas escolas, nas residências, sempre que possível, nas turmas regulares, onde devem receber todos os serviços educativos adequados, tendo em conta as suas características e necessidades, contando-se, para tal, com o apoio de outros profissionais e dos pais. É nesse sentido que o planejamento e adaptação dos materiais pedagógicos terão relevância, uma vez que se propõe em responder às necessidades de cada uma das crianças, provendo-lhes uma educação apropriada embasada nos três níveis de desenvolvimento essenciais: acadêmico, sócio-emocional e pessoal (Nielsen, 1999; Correia, 2008). Pode-se dizer que adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, desenvolverá as habilidades, promoverá a saúde e maior compreensão do esquema corporal, além ajudá-las a compreender e respeitar regras, limites, esperar a vez e aceitar resultados. O projeto pretende revelar que os materiais adaptados, e a maneira como os educadores e profissionais da saúde irão utilizá-lo, desenvolverão nas crianças portadoras de NEEs os aspectos: psicológico, intelectual, emocional, físico, motor e social. Além disso, os planejamentos e os materiais poderão tornar o atendimento ou aulas mais atraentes, pois, a partir de situações de descontração os educadores e profissionais da saúde poderão desenvolver diversos conteúdos, gerando uma integração entre as matérias curriculares e o desenvolvimento de diversas habilidades relacionadas à saúde. Isso é inclusão, é fazer parte da sociedade, conviver com o outro, ter a oportunidade de estar em um espaço
  • 12. comum a todos e não ser excluído, não ser olhado de forma diferente. A criança só está incluída quando ela sente-se bem naquele ambiente, quando ela participa das atividades com as pessoas ditas “normais”, quando ocorre a interação de todos independente das limitações que apresentem. A concepção do projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais” visa revelar que incluir é respeitar e aceitar a criança como um cidadão na sociedade que tem direitos como qualquer outro. Em vista disso, podemos constatar que a proposta desse projeto é um meio de incluir a criança que tem alguma limitação, pois o contexto lúdico dos materiais adaptados, devidamente planejados é uma ação que permite a troca de experiência entre os sujeitos, é um momento de aprendizagem, de diversão, de alegria, e também de respeito mútuo entre os participantes, independente se tenham alguma limitação seja ela física, mental ou sensorial. Ainda nessa perspectiva reporto-me as palavras de Moacir Alves Carneiro “Não seja intransigente, a natureza é plural! O igual é diferente e o diferente é igual”. O papel de todos nesse processo didático-pedagógico é provocar a participação coletiva, a interação e a socialização dos sujeitos e desafiar a criança a buscar soluções, através dos materiais adaptados. Esse compromisso mediador irá despertar na criança um espírito de companheirismo, cooperação e autonomia. A criança irá interagir de forma coletiva, ou seja, irá apresentar seu ponto de vista, discordar, apresentar suas soluções. Isso irá revelar que as crianças portadoras de NEEs estão sendo incluídas nesse ambiente, sendo respeitadas, aceitas, e participando das atividades, juntamente com os demais, sem nenhum tipo de constrangimento. HIPÓTESES: A educação é um direito social básico e universal. Ela é, portanto, ao mesmo tempo determinada e determinante da construção do desenvolvimento social de uma nação. Além de ser fundamental para uma formação integral humanística e científica de sujeitos autônomos, críticos e protagonistas da
  • 13. cidadania ativa. Mas, por que essa mesma educação de tantos direitos a todos não tem assumido coesamente seu papel no contexto da inclusão? ENFOQUE E NÍVEIS DE INVESTIGAÇÃO Esta pesquisa é de caráter qualitativo de nível hipotético-dedutivo e sua fundamentação será de estilo bibliográfico. Trata-se de uma pesquisa onde se utilizará o “raciocínio ponderado por hipóteses”. Portanto, os dados serão coletados por meio de literaturas, pesquisas e entrevistas especializadas que viabilizarão o alcance dos objetivos deste estudo. A interação com os profissionais da saúde e educação, pais, crianças portadoras de NEEs serão fatores latentes para a construção dos planejamentos relacionados aos materiais pedagógicos adaptados. ÁREA DE ESTUDO O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial NEPPD, fundado em 2001, está localizado na Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã. O cotidiano das atividades no NEPPD envolvem professores, acadêmicos de graduação e pós-graduação, através de um trabalho multidisciplinar e interdepartamental. As linhas de pesquisa integram as seguintes áreas: Educação, Educação Especial, Educação Inclusiva, Psicomotricidade e Psicopedagogia. O Núcleo focaliza o ser humano no seu aspecto global, relacionando-o diretamente ao processo de aprendizagem, visando: identificar, acompanhar e orientar pais, professores e estudantes . UNIVERSO Essa pesquisa se realizará num universo infantil do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial - NEPPD, localizado na Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã no município de Manaus. AMOSTRA Essa amostra será desenvolvida no Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial – NEPPD, num universo infantil. O NEPPD localiza-se na Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã no município de Manaus. E essa abordagem emerge em pleno século
  • 14. XXI devido as escolas e instituições relacionadas à saúde, ainda não acomodarem todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras, incluir crianças deficientes e superdotadas, crianças de rua e que trabalham, crianças de origem remota ou de população nômade, pertencentes à minoria linguística, étnicas ou culturais e crianças de outros grupos desavantajados ou marginalizados. O termo “necessidades educacionais especiais” – refere-se a todas as crianças ou jovens cujas necessidades educacionais especiais se originam em função de deficiências ou dificuldades de aprendizagem. Direito à educação – Subsídios para gestão dos Sistemas educacionais – Edição Atualizada pág. 330. Infelizmente, devido às políticas públicas e aos fatores socioculturais de muitos profissionais da educação e saúde esse direito ainda não se faz cumprir no país. UNIDADE DE ANÁLISE A unidade de análise transcorrerá num universo infantil do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia Diferencial - NEPPD, localizado na Faculdade de Educação/UFAM, Setor Norte do Campus Universitário, Bloco Uatumã no município de Manaus. UNIDADE DE MOSTRAGEM Nome: Núcleo de Estudos Diferencial - NEPPD e Pesquisas em Psicopedagogia Diretora Maria Almerinda de Souza Matos Endereço: Av. Rodrigo Octavio, 6.200, Campus Universitário Senador Arthur Virgilio Filho – Setor Norte – Coroado – Manaus/AM. Telefone (92) 3305-4611 Município: Manaus Estado: Amazonas
  • 15. MÉTODOS E TÉCNICAS OU ESTRATÉGIAS DE COLETAS DE DADOS A partir de um acompanhamento dos processos mediadores educacionais, a pesquisa será realizada pela investigadora, pois a mesma acredita que a inclusão das crianças portadoras de NEEs no dia-a-dia de uma escola ou instituição de saúde provoca indagações no âmbito da educação geral: 1. Qual o impacto deste processo no cotidiano escolar e das instituições de saúde, quando a criança não tem um planejamento específico ao material pedagógico a ser utilizado em seu cotidiano? 2. Qual a relação entre inclusão e diferença cultural na escola e nas instituições de saúde? 3. Será que a inclusão escolar e a inclusão nas instituições de saúde não se constituem como um elemento a mais para manter posturas de discriminação? 4. Como são postas em jogo as identidades e diferenças no espaço da escola e das instituições de saúde? 5. Que relevância a proposta desse projeto, “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais”, terá para o seu contexto de trabalho? 6. Quais os benefícios sócios educativos que os planejamentos de materiais pedagógico adaptados proporcionarão à criança no processo de desenvolvimento de suas habilidades globais e específicas? Refletir sobre essas questões pode ser uma maneira nova de podermos ver, ver os outros, ver a Educação, ver os profissionais da saúde e de aprender a conviver com as diferenças, com as mudanças, com o que se está além das imagens; uma maneira de apostar no outro, de trilhar um caminho que é sem imagem, porque como (MORIN, 2000), nos retrata: “caminhante, não há caminho, o caminho se faz com o caminha”. OBSERVAÇÃO: 1. Averiguar a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais.
  • 16. 2. Observar e registrar os benefícios sócios educativos que o planejamento e a adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais proporcionam à criança no processo de desenvolvimento de suas habilidades globais e específicas. 3. Definir se é interessante que as crianças tenham um planejamento específico e utilizem materiais pedagógicos adaptados. 4. Averiguar se é necessária certa dose de sensibilidade para saber distinguir em que momentos sua presença mais ativa é fundamental (como, por exemplo, para estimular a participação de determinadas crianças ou propor novas brincadeiras com os materiais adaptados) e as ocasiões em que é preferível deixar que as próprias crianças construam, interajam, organizem e reinventem as brincadeiras e maneiras de utilizar os materiais pedagógicos adaptados. 5. Averiguar se os educadores e profissionais da saúde que atendem os alunos portadores de NEEs estão organizados para esses casos? 6. Distinguir o que é estar preparado. Uma vez que, quando realmente se está preparado para os novos desafios da educação, estamos numa constante caminhada para a qual fomos preparados, mas é preciso estar consciente de que: “Caminhante não há caminho, o caminho se faz ao andar”? INSTRUMENTOS DE COLETAS DE DADOS Os registros serão por meio de dados escritos, planejados, construídos por meio dos materiais pedagógicos e imagens (fotos e vídeos). PROVA PILOTO Parte 1: De 2006 a 2009 Trabalhei com alunos portadores de deficiência física e mental (SEMED)
  • 17. Em 2010 quando elaborei o blog http://simonehelendrumond.blogspot.com.br um número significativo de pais, educadores e profissionais relacionados à saúde deu ênfase aos materiais pedagógicos adaptados e aos planejamentos que lá estão postados. A partir daí gradativamente fui recebendo vários e-mails de pessoas de diversas partes do Brasil pedindo ajuda para planejar e adaptar materiais para as crianças. A partir daí fiz valer minha formação em pedagogia e passei a pesquisar e elaborar os materiais planejados conforme os pedidos dessas pessoas. Galgando lentamente, cheguei em 2013 com 2.283 arquivos e com 2.804.918 visualizações interativas. 2010 Fui convidada pela irmã Arlete Galdino, na época, gestora do CEST, para trabalhar com um grupo de cinco crianças na brinquedoteca da escola, para ajudá-los a desenvolver suas habilidades. A partir daí pude evidenciar que planejar o uso de materiais pedagógicos adaptados produzem bons frutos. Em consequência, comecei a construir os portfólios de aprendizagem e disponibilizálos na internet, no blog: http://simonehelendrumond.blogspot.com.br Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório do CEST. 2011 Valendo-me de um dos meus portfólios consegui encaminhar uma das crianças do maternal para constatação de um grau de autismo. Os resultados foram positivos, a criança tem galgado de forma coesa e tem desenvolvido suas habilidades. http://simonehelendrumond.blogspot.com.br/2011/04/orientacao-para-diagnosticode-um.html Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório no CMEI MADRE ELISIA. 2012 Consegui novamente encaminhar uma criança de 10 anos com características de TODA. A criança anualmente passava de uma série para outra sem ser trabalhada em suas especificidades. Elaborei os relatórios e com os tratamentos foi constatado por um profissional da saúde que a criança, verdadeiramente era TDA. Com a medicação adequada e a adaptação dos recursos pedagógicos específicos da série e principalmente a forma de avaliar, a criança tem transcendido.
  • 18. Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório do CEST. 2012 A partir da pesquisa e estudos de Leis que fundamentam a Inclusão, consegui que uma aluna TDA, tivesse seu material pedagógico devidamente adaptado para as suas necessidades intelectuais e a mesma tem galgado bem no 5º ano do Ensino Fundamental. Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório do CEST. 2013 Elaborei um portfólio para atender uma criança do maternal, portadora de deficiência física e mental num grau leve. Repassei o material para mãe e professora da sala multifuncional. Como o portfólio produziu bons resultados, disponibilizei na internet. http://simonehelendrumond.blogspot.com.br/2013/01/5projeto-movimento-explorar-e.html Obs: Os registros dessa perspectiva estão contidos em relatório no CMEI MADRE ELISIA. 2013 Estou trabalhando com dois alunos diagnosticados TDA/TDAH Parte 2 – Para tese de mestrado e projeto da pós em Ensino Infantil 2013 no NEPPD Pretendo continuar produzindo esses materiais e poder ajudar ainda mais as crianças. A prova piloto se dará com o uso de pré-testes com um grupo de crianças para averiguar as habilidades sociais, físicas e cognitivas em cada uma das etapas, para juntamente com os profissionais da saúde e da educação, que compõem o quadro da Instituição NEPPD, planejar e elaborar os recursos pedagógicos que possam ajudar as crianças projetarem no contexto, um modelo prático de vivência e de uma educação transformadora no exercício do aprender relacionado à inclusão. CONSTRUÇÃO METODOLÓGICA A evolução histórica no atendimento educacional e da saúde das crianças portadoras de necessidades especiais vem se expandindo no Brasil com a criação de entidades filantrópicas assistenciais e especializadas destinadas à população das classes menos favorecidas e nesse sentido destaco o NEPPD,
  • 19. que filantropicamente vem buscando atender os indivíduos que procuram o núcleo. A exclusão/inclusão social tem sido debatida com frequência em muitos patamares políticos e sociais, tanto no campo da educação, como em outros relativos às ciências da saúde e sociais. Nesses debates a escola é vista como uma das instituições que poderia quebrar com muitos tabus, mas, ao contrário, ela tem sido permeada de preconceitos e juízos prévios sobre seus educandos e suas famílias. Nessa perspectiva, soma-se à minha preocupação, neste estudo, entender como no cotidiano educacional, social e da saúde, a individualidade e a personalidade das pessoas são ou não respeitadas e levadas em conta. A vida cotidiana é heterogênea e hierárquica, e o ser humano já nasce inserido nesse estilo de vida. Com o amadurecimento, ele adquire todas as habilidades para a vida cotidiana da sociedade. Esse amadurecimento começa sempre nos grupos. Mas, muitas vezes, a pessoa com necessidades educacionais especiais é privada deste convívio em grupos, sendo segregada, excluída da sociedade por causa das suas diferentes limitações. A vida cotidiana está no centro do acontecer histórico: é a verdadeira essência da substância social. E o indivíduo é sempre um ser particular e genérico, simultaneamente, não se devendo esquecer-se disso no cotidiano escolar, social e principalmente da saúde. A história recente da pesquisa educacional no Brasil, segundo Patto (1999), tende a se configurar no abandono da quantificação em nome de procedimentos não estatísticos e qualitativos de coleta e análise de dados, apesar de não ser garantia não positivista da metodologia. A adoção aos métodos da Antropologia tem sido um dos recursos mais frequentes dos estudos do/no cotidiano. No referencial da sociologia da vida cotidiana, a análise da realidade investigada vai além da mera descrição da rotina das práticas sociais, em geral, e das relações interpessoais, em particular, mas Trata-se de uma investigação ampla, que focaliza aspectos da vida social menosprezados pelos filósofos ou arbitrariamente separados pelas ciências sociais (PATTO, 1999, p.181), na qual estes aspectos são agrupados, não arbitrariamente, mas segundo uma teoria e conceitos determinados.
  • 20. Ao afirmar a intenção de analisar aspectos desta parte da vida social, o cotidiano da escola, de acordo com a etnografia, recusa-se a possibilidade de separação entre descrição e interpretação, uma vez que, o trabalho etnográfico implica em preocupar-se com uma análise holística ou dialética da cultura em foco, que implica em introduzir os atores sociais com uma participação ativa, dinâmica e modificadora das estruturas sociais; preocupar-se em revelar as relações e interações significativas de modo a desenvolver a reflexão sobre a ação de pesquisar. Compreendo que o estudo em uma unidade filantrópica não configura um “estudo de caso”, mas “um estudo sobre o caso”. A necessidade de realizar estudos da vida cotidiana de posse de uma teoria social na qual a definição de “sociedade” seja aplicável a qualquer escala de realidade e de reconhecer os processos educacionais (Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais) como parte integrante de formações sociais historicamente determinadas. (PATTO, 1999, p. 182) O projeto “Inclusão: a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais” está pautada em valores, concepções e expectativas, onde as crianças, os educadores, os profissionais da saúde e a comunidade são vistos como sujeitos históricos importantíssimos para a efetivação dessa perspectiva de trabalho. Portanto, ela deve ser compreendida sob a ótica do cotidiano, em sua singularidade. Compreende-se que esse projeto é possível e sua transcendência, em cada individuo, se constituirá com base nas representações daqueles que estão envolvidos. Decidi pela opção metodológica que se situa no âmbito da investigação qualitativa e se configura, em sua totalidade, como um estudo de caso. Procedimento esse que me permitirá fazer uma pesquisa de cunho qualitativo, utilizando o Estudo de Caso. Segundo Lüdke e André (2000), pesquisa qualitativa é a que se desenvolve em uma situação natural e rica em descrição, tem um plano aberto e flexível e
  • 21. focaliza a realidade de uma forma complexa e contextualizada. Esse método, assim como os demais métodos qualitativos, é útil quando o fenômeno a ser estudado é amplo e complexo, onde o corpo de conhecimentos existente é insuficiente para suportar a proposição de questões causais e nos casos em que o fenômeno não pode ser estudado fora do contexto onde naturalmente ocorre. Os instrumentos de pesquisa utilizados (planejamentos e materiais pedagógicos adaptados) serão definidos concomitantemente à construção do problema e à construção metodológica, uma vez que utilizei a pesquisa bibliográfica; consulta documental; pesquisa exploratória; depoimentos e a observação sistemática. Opção metodológica da pesquisa: 1. Seleção de um “cenário”, ou seja, estabelecer o local onde e quando as pessoas envolvidas no processo podem ser observadas; 2. Definição do que vai ser documentado na observação e em que casos, ou seja, identificar quem ou o que observar, quando e por quanto tempo; 3. Treinamento de observadores para fins de padronização dos procedimentos e determinar, inicialmente, as funções do observador; 4. Observações descritivas e reflexivas que ofereçam uma apresentação geral do campo observado; planejamento e a metodologia do registro das anotações de campo; 5. Destaque das observações que contenham aspectos relevantes para as indagações da pesquisa; registrar aspectos, como descrição dos informantes, contexto físico, eventos e atividades particulares, e as próprias reações do observador; 6. Observações seletivas que pretendam, intencionalmente, compreender aspectos centrais; 7. Durante a observação, se for observador externo, apresentar-se, apresentarse, estabelecer relações amistosas, iniciar com objetivos restritos nas primeiras sessões de observação; 8. Término da observação quando a mesma atingiu um ponto de saturação teórica, ou seja, outras observações não proporcionariam mais nenhum conhecimento; 9. Após a observação, informar aos interessados sobre o uso dos dados e a disponibilidade do estudo.
  • 22. A atenção seletiva faz parte da metodologia de trabalho desse projeto, porém o cuidado em não me concentrar apenas naquilo que possa ser conveniente será fator primordial, para não correr o risco da investigação se converter apenas em justificativas de minhas formulações e opções teóricas, relacionadas aos planejamentos e construções de materiais pedagógicos adaptados. PLANO DE ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Nesse contexto as informações serão apresentadas de forma descritiva sobre a ênfase da Inclusão e a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais. . CONSIDERAÇÕES ÉTICAS Os envolvidos no processo terão seus nomes ocultados ou serão tratados por pseudônimos e as questões pertinentes ao contexto das entrevistas, as observações, os planejamentos e as adaptações dos recursos pedagógicos adaptados terão caráter fidedigno.
  • 23. BIBLIOGRAFIA _______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal nº. 8069/90 de 13/04/90 atualizada até 12/11/2003. _______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9.394/ 1996. _______. O acesso de alunos com deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular./ Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (Orgs.) /2ed. rev. e atualiz. –Brasília: Portaria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004, p.7-36. _______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº. 7.853/89. Decreto nº. 3.298/99. (Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index... Acesso em: 15/01/13. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Senado, Brasília, DF, 1988. CORRÊA, Maria Ângela Monteiro. Educação Especial. V.1 Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2005. DRUMOND, Simone Helen Ischkanian. O lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem na educação infantil. . Disponível em: http://www.slideshare.net/SimoneHelenDrumond/projeto-ludico-simone- drumond. Acessado em 08/07/2013. GARCIA, Emílio Garcia (1988). Normalização e integración. In MAYOR SÁNCHEZ, Juan (dir.). Manual de Educación Especial. Madrid: Ed. Anaya. p.5778. MIRANDA, José Rafael. Habilitação em educação Especial e Formação de Professores: Questões sobre a política de inclusão. Dissertação de mestrado. Universidade Católica de Brasília, 2003.
  • 24. NIELSEN, L. (1999). Necessidades Educativas Especiais na Sala de Aula - Um guia para professores. Porto: Porto Editora. ODOM, Samuel L. (2007). Alargando a roda: a inclusão de crianças com necessidades educativas especiais na educação pré-escolar. Porto: Porto Editora. UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília, CORDE, 1994.
  • 25. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ATIVIDADES 1. Eleição do tema e preparação JULHO x AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO X DEZEMBRO X do protocolo 2. Preparação do protocolo às x autoridades. 3. Desenho dos instrumentos que x x darão base à pesquisa. 4. Provas dos instrumentos X X 5. Revisão e reprodução dos instrumentos. 6. Relação de dados. x X X 7. Codificação e tabulação dos x X X dados 8. Processamento dos dados X 9. Análise e interpretação dos X resultados. 10. Redação de informe final X 11. Apresentação às autoridades. X 12. Defesa oral da dissertação. X
  • 27. INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAIS PEDAGÓGICOS NA PRÁXIS DOS PROFISSIONAIS RELACIONADOS ÀS CIÊNCIAS DA SAÚDE E DA PEDAGOGIA NO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS. TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO Eu, Simone Helen Drumond Ischkanian, estou pesquisando sobre a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais, com o escopo de analisar qual a visão dos profissionais relacionados à saúde, educação de convivência proximal das crianças portadoras de NEEs e de mediar propostas com ênfase no planejamento e adaptação de materiais pedagógicos. Informo que assumo o compromisso de que sua identidade permanecerá confidencial, salvo expressa manifestação em sentido contrário, haja vista a ocupação de cargos ou posições públicas. Caso o/a senhor (a) decida manifestar pública a sua opinião, será garantido que a transcrição da entrevista será submetida a sua apreciação antes de divulgação. Sua participação nessa pesquisa é fundamental para a elucidação de aspectos importantes sobre a inclusão das crianças portadoras de NEEs. Porém ela é inteiramente voluntária. A qualquer momento o/a senhor (a) poderá desistir de continuar a entrevista e só responderá as perguntas que desejar. Eu, _________________________________________________, declaro estar ciente de que entendo os objetivos e condições de participação na pesquisa “a importância do planejamento e da adaptação de materiais pedagógicos na práxis dos profissionais relacionados às ciências da saúde e da pedagogia no atendimento às crianças portadoras de necessidades especiais” e aceito dela participar. ( ) Autorizo a identificação de meu nome nas publicações resultantes do referido projeto. ( ) Não autorizo a identificação do meu nome. Manaus,........./........../ 2013. ________________________ Assinatura do entrevistado ________________________ Assinatura do entrevistador