Aula 03 portugues - aula 02

1.345 visualizações

Publicada em

exercicios portugues inss

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.345
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 03 portugues - aula 02

  1. 1. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 02 (Sintaxe do período e pontuação.) Olá, pessoal! Espero que vocês estejam entendendo bem a matéria. Qualquer dúvida, entre em contato no fórum, ok!! Nesta aula, abordaremos as estruturas coordenadas e subordinadas, para que possamos entender o valor semântico das conjunções e preposições, além de entendermos a pontuação. Vamos a um rápido resumo!!!! O ponto final é utilizado para marcar o término de uma declaração. As aulas terminaram mais cedo. O ponto de exclamação transmite, de certa forma, uma emoção, um sentimento. Socorro! Ajude-me! O ponto de interrogação finaliza uma frase interrogativa direta: Por que você não veio ontem? Os dois-pontos, finalizando frase, iniciam uma citação. Veja: O ministro declarou: “Há dois anos os juros estavam mais baixos.” As reticências, em final de frase, normalmente são usadas para indicar que a declaração que vinha sendo feita ainda continua. Um jovem sem esperança, perturbado, sem sonho, com cinco revólveres e muita munição, entra num colégio em Realengo (RJ) e... Além das reticências, esse sentido de continuidade do enunciado também pode ser expresso por “etc”, quando há enumeração. Período é todo enunciado com sentido completo e que possua verbo. A oração deve possuir verbo. Nem sempre terá sentido completo. Assim, vejamos: 1. “Socorro!” (apenas frase) 2. “Ajude-me!” (frase, período e oração) 3. “Olá!” (apenas frase) 4. “Você está bem?” (frase, período e oração) 5. “Ana foi ao trabalho e bateu o recorde de vendas.” (frase, período e orações) Período simples = oração absoluta (Ela está feliz.) Período composto por subordinação e coordenação: Português para INSS (questões comentadas)
  2. 2. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 2 Se você se mantiver atento à aula, realizar todas as atividades e ficar calmo durante a prova, passará no concurso. As orações 1, 2, 3 estão coordenadas entre si (justapostas, paralelas, enumeradas) e estas mesmas orações estão subordinadas em relação à oração 4 (principal). Enumeração de substantivos: Estudo, trabalho e disciplina acompanham o homem moderno. Enumeração de adjetivos: Achei a pintura clara, intrigante, linda! Sequência de ações: Joana foi ao trabalho, despachou poucos documentos, sentiu-se mal e voltou para casa. As conjunções COORDENATIVAS podem ter cinco valores semânticos, de acordo com o esquema a seguir: Esquema do período composto por coordenação ______________________ e ____________________. (aditiva) ______________________, mas _________________. (adversativa) ______________________ ou ___________________. (alternativa) ______________________, portanto ______________. (conclusiva) _________ ____________, pois _________________. (explicativa) oração inicial (ou assindética) oração coordenada sindética A vírgula antes da conjunção coordenativa adversativa é obrigatória, mas não há rigor no uso antes das conjunções conclusivas ou explicativas. 1) Aditivas: e, nem, tampouco, não só...mas também, não só...como também, senão também, tanto...como, tanto...quanto. 2) Adversativas: mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto. 3) Alternativas: ou, ou...ou, ora...ora, já...já, quer...quer. 4) Conclusivas: logo, portanto, por conseguinte, pois (colocada depois do verbo), por isso, então, assim, em vista disso. 5) Explicativas: porque, pois(anteposto ao verbo), porquanto, que. 1 2 3 4 1 2 3 Período composto por coordenação
  3. 3. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 3 • Esquema das possíveis construções da enumeração com divisão interna: ____ e_____, ____e____, _________, ____e ____, _________ e _________. ____ e_____, ____e____, _________, ____e ____, _________, e _________. ____ e_____; ____e____; _________; ____e ____; _________ e _________. ____ e_____; ____e____; _________; ____e ____; _________; e _________. Vamos às questões?????!!!! Questão 1: TRT 24ªR 2011 Técnico Fragmento do texto: Tudo que nos permite explorar nossos pontos fortes e driblar nossas fraquezas genéticas é resultante da combinação entre os avanços nos cuidados com a aparência física e o estilo, a possibilidade de envelhecer com saúde e, não menos essencial, a valorização de atributos sociais como autoestima, simpatia, cultura e expressividade. "É o equilíbrio dessas qualidades que torna um indivíduo mais ou menos atraente", diz o cirurgião plástico Noel Lima, do Rio de Janeiro. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) As aspas isolam transcrição exata das palavras do médico citado no parágrafo. Comentário: A expressão entre aspas é o recorte de um texto, as palavras de alguém, é também chamado de citação, pois se encontra na estrutura de um discurso direto. Assim, realmente há uma transcrição exata da fala de um médico. Confirmamos isso com a expressão “", diz o cirurgião plástico...”. Gabarito: C Questão 2: TRT 12ª R 2010 Médio Fragmento do texto: Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes sociais, explicava ela, o que exige uma trama complexa. Acrescento: a mobilidade social é decisiva nas novelas e se dá sobretudo pelo amor entre ricos e pobres. Provavelmente as novelas exibam casos de ascensão social pelo amor – genuíno ou fingido – em proporção maior que a vida real .... Mas a novela não é um retrato do Brasil, ou melhor, é sim, mas como aqueles retratos antigos do avô e da avó, fotografados em preto e branco, mas, depois, cuidadosamente retocados e coloridos. O fundo é real. A tela: ideais, 1 2 3 4 5 1.1 1.2 2.1 2.2 4.1 4.2 6 1 2 3 4 5 1.1 1.2 2.1 2.2 4.1 4.2 6 1 2 3 4 5 1.1 1.2 2.1 2.2 4.1 4.2 6 1 2 3 4 5 1.1 1.2 2.1 2.2 4.1 4.2 6
  4. 4. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 4 sonhos, fantasias. Provavelmente as novelas exibam casos de ascensão social pelo amor – genuíno ou fingido – em proporção maior que a vida real ... O emprego das reticências no final do segmento transcrito acima denota (A) nova referência, desnecessária, ao comentário de alguém alheio ao contexto. (B) recurso adotado pelo autor, no sentido de estimular o interesse do leitor. (C) certeza da concordância de um eventual leitor com a opinião ali exposta. (D) desejo de que a ficção possa se deter, realmente, em fatos que ocorrem na vida real. (E) hesitação, pela presença de um comentário de cunho subjetivo, sem base em dados reais. Comentário: As reticências geralmente são usadas para marcar uma continuação da fala do locutor, de certo grau de emoção, de se fazer subentender. Por isso, cabe a interpretação de uma hesitação, pelo comentário subjetivo, sem dados reais. Tudo isso ratificado pelo advérbio “Provavelmente”. Gabarito: E Questão 3: TCE PI 2006 Assessor Jurídico E a ciência, bem entendida, pode não só colaborar com o desenvolvimento humano dos países, mas também ser um ensinamento da dúvida e da tolerância. Os segmentos grifados mantêm o mesmo sentido em (A) não pode colaborar - nem ser ensinamento. (B) pode não colaborar - mas ser ensinamento. (C) só não pode colaborar - e ser ensinamento. (D) tanto pode colaborar - quanto ser ensinamento. (E) enquanto colaborar - pode ser ensinamento. Comentário: Veja que advérbio “não” nega apenas o verbo “colaborar”, e não o verbo “pode”. Assim, eliminamos as alternativas (A) e (C). Além disso, perceba que há uma expressão correlativa de adição (não só colaborar...mas também ser um ensinamento...). Assim, há adição de dois processos verbais (“colaborar” e “ser”). A alternativa que transmite valor de adição é a (D), tendo em vista os conectivos coordenativos de adição “tanto...quanto”. Perceba que a alternativa (B) exclui a primeira ação, por isso está errada. A alternativa (E) está errada, porque transmite valor temporal, e não de adição, além de causar incoerência na estrutura textual. Gabarito: D Questão 4: Metrô 2008 Superior Não apenas a construção, mas também a operação das ferrovias dependeu de subsídios estatais. O sentido correto da afirmativa acima está, em outras palavras, em:
  5. 5. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 5 (A) Não apenas a construção, nem também a operação das ferrovias dependeram de subsídios estatais. (B) Tanto a construção quanto a operação das ferrovias dependeram de subsídios estatais. (C) Não era apenas a construção, mas somente a operação das ferrovias que dependeu de subsídios estatais. (D) Não foi apenas a construção, nem a operação das ferrovias, que dependeram de subsídios estatais. (E) Apenas a construção, e não somente a operação das ferrovias, dependeu de subsídios estatais. Comentário: Lembre-se dos conectivos de adição vistos nas orações coordenadas aditivas (não só...mas também; não apenas...mas também; tanto...quanto). Veja que esses conectivos se encontram na frase do pedido da questão e na alternativa (B). Eles mostram a adição de duas ideias: construção e operação das ferrovias. Por isso, a correta é a alternativa (B). As outras construções não marcam a ideia de adição. Veja que, na alternativa (A), “Não...nem” negam a dependência; na (C), somente a operação dependeu...; na (D), há o mesmo sentido da alternativa (A); na (E), apenas a construção dependeu... Gabarito: B Questão 5: TCE AM 2008 Analista Técnico de Controle Externo Fragmento do texto: O conhecimento dessas idéias teria preservado La Rochefoucauld da censura tão repetida de que ele via a humanidade de modo por demais pessimista; na verdade, ele a conheceu tal qual ela é. Concordo com que a visão nítida da indiferença de quase todos os homens a nosso respeito é um espetáculo desolador para a nossa vaidade, mas, enfim, é preciso tomar os homens como são: irritar-se com os efeitos de seu amor- próprio é queixar-se dos aguaceiros da primavera, dos ardores do verão, das chuvas de outono e das geadas do inverno. No contexto do segundo parágrafo, o segmento “mas, enfim, é preciso tomar os homens como são” pode ser substituído, sem prejuízo para o sentido e a correção, por: (A) porém, afinal de contas, é preciso tomá-los como são. (B) portanto, e por fim, é preciso os tomar como sejam. (C) no entanto, é preciso ainda tomá-los como são. (D) porém, que fazer, é preciso tomar-lhes como são. (E) no entanto, por isso, é preciso tomar-lhes como sejam. Comentário: Note que a oração é iniciada pela conjunção coordenativa adversativa “mas”. A alternativa (A) é a correta, pois a conjunção “porém” também é coordenativa adversativa. O vocábulo “enfim” é, na realidade, uma interjeição, a qual traduz uma ideia subjetiva do autor no meio da oração, por isso poderíamos substituí-la por outras interjeições como “afinal de contas”, “afinal”. Além disso, perceba que o vocábulo “homens” havia se repetido no texto. Nesta alternativa, este substantivo foi corretamente substituído pelo pronome oblíquo átono “os”, o qual é o objeto direto do verbo “tomar”.
  6. 6. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 6 A alternativa (B) está errada, porque “portanto” é uma conjunção coordenativa conclusiva. Assim, não se preserva o sentido. A alternativa (C) está errada, pois a interjeição “enfim” traduz uma consideração como um resultado daquilo que o autor julga procedente; porém o advérbio “ainda” traduz um valor temporal (até agora, até o presente momento). Assim, o sentido não é preservado. A alternativa (D) está errada, pois o verbo “tomar” é transitivo direto e não admite o pronome pessoal oblíquo átono “lhes”. É importante observar a expressão “que fazer”, a qual também é uma interjeição, mas não conserva o mesmo sentido de resultado que ocorre no trecho original. A alternativa (E) está errada, porque se misturou a conjunção adversativa “no entanto” com a conclusiva “por isso”. Isso traz incoerência ao texto. Além disso, o pronome “lhes” não pode ser o complemento do verbo “tomar” e o verbo “sejam” não traduz o mesmo valor de certeza que ocorre no verbo “são”. Gabarito: A Questão 6: TCE-SP – 2009 – Agente Fiscalização (banca FCC) O emprego das vírgulas assinala a ocorrência de uma ressalva em: (A) ... onde é vista como a pequena, mas muito respeitada, irmã. (B) ... que a Petrobras já detém, com reconhecido mérito, no restrito clube... (C) ... de que as reservas de gás de Bahia Blanca, ao sul de Buenos Aires, se estão esgotando. (D) ... abrindo, ao mesmo tempo, novas oportunidades. (E) O gás associado de Tupi, na proporção de 15% das reservas totais, é úmido e rico em etano... Comentário: A ressalva é expressa por conjunções que transmitam contrastes, oposições, como é o caso da conjunção coordenativa adversativa “mas”. Assim, a alternativa (A) é a correta. Gabarito: A Questão 7: BB 2006 Escriturário A relação sintática entre os dois segmentos de Tentou forçar as portas, / mas as portas mantiveram-se surdas é a mesma que se verifica entre estes segmentos: (A) As janelas cederam / porque ele as forçou. (B) Há obstáculos / que se mostram intransponíveis. (C) Ocorreu-lhe trabalhar num dia / em que todos ficaram em casa. (D) Admirou-se o vigia com sua disposição / de ir trabalhar num feriado. (E) Nós pretendíamos visitá-lo, / porém ele se mostrou distante. Comentário: No gabarito da prova original, a banca colocou equivocadamente a alternativa correta como a D. Foi realmente um erro da banca, pois sabemos que a relação existente entre “mas as portas mantiveram-se surdas” e “Tentou forçar as portas” é de coordenação adversativa. A única construção com esse valor é a alternativa (E), pois é clara a relação de adversidade mostrada pela conjunção “porém”. Outra coisa importante: a questão pediu a relação sintática. Essa relação é coordenada (não necessitaríamos saber o valor semântico de adversidade). O
  7. 7. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 7 único período composto por coordenação, como o da questão, é o da alternativa (E). Todos os outros são compostos por subordinação. Assim, entenda: mudamos o gabarito da banca FCC, a qual continuou considerando como correta a alternativa D. Isso pode ter ocorrido por falta de recurso contra a questão, ou recursos mal formulados que foram indeferidos. Mas nós, que estamos estudando, não podemos simplesmente aceitar esta como a resposta correta, não é? Gabarito: E Questão 8: DPE RS 2011 Defensor Público Fragmento do texto: É possível até que você use essas definições quando bate aquela dúvida sobre concordância ou regência, não é? No entanto, apesar de correntes, elas não têm fundamento científico, afinal são muito anteriores ao nascimento da ciência da linguagem (mais precisamente, 2 mil anos anteriores!). A expressão No entanto pode ser substituída, alterando o significado da frase, por (A) entretanto. (B) porquanto. (C) todavia. (D) porém. (E) contudo. Comentário: A conjunção “No entanto” tem valor adversativo. A frase continua com o mesmo valor de adversidade com as conjunções “entretanto”, “todavia”, “porém” e “contudo”. A única que destoa é “porquanto”, que tem valor explicativo. Perceba que a banca pede a conjunção que altera o significado. Gabarito: B Questão 9: Prefeitura São Paulo 2006 Fiscal de Rendas Fragmento do texto: Da educação, neste sentido, distingue-se a formação do Homem por meio da criação de um tipo ideal intimamente coerente e claramente definido. Essa formação não é possível sem se oferecer ao espírito uma imagem do homem tal como ele deve ser. A utilidade lhe é indiferente ou, pelo menos, não essencial. O que é fundamental nela é o kalón, isto é, a beleza, no sentido normativo da imagem desejada, do ideal. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) A conjunção ou (linha 5) tem valor enfático (como em “ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil”), porque introduz uma ratificação integral do que foi afirmado antes. Comentário: As conjunções coordenativas alternativas podem trazer dois valores a mais: inclusão ou exclusão. Exclusão: Em “ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil” há relação de exclusão, pois a ocorrência de uma situação (“ficar a pátria livre”) exclui a outra (“morrer pelo Brasil”). Inclusão: O fato de a utilidade lhe ser indiferente não exclui a possibilidade de ser essencial. Pode ser ter as duas características (indiferente e essencial). Por isso, há inclusão. Assim, não houve uma necessidade de ênfase, de ratificação integral ao que fora falado no texto. Gabarito: E
  8. 8. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 8 Questão 10: Sec Edu SP 2010 Superior Fragmento do Texto: Quatro ou cinco cavalheiros debatiam, uma noite, várias questões de alta transcendência, sem que a disparidade dos votos trouxesse a menor alteração aos espíritos. A casa ficava no morro de Santa Teresa, a sala era pequena, alumiada a velas, cuja luz fundia-se misteriosamente com o luar que vinha de fora. Entre a cidade, com as suas agitações e aventuras, e o céu, em que as estrelas pestanejavam, através de uma atmosfera límpida e sossegada, estavam os nossos quatro ou cinco investigadores de coisas metafísicas, resolvendo amigavelmente os mais árduos problemas do universo. Por que quatro ou cinco? Rigorosamente eram quatro os que falavam; mas, além deles, havia na sala um quinto personagem, calado, pensando, cochilando, cuja espórtula no debate não passava de um ou outro resmungo de aprovação. O autor utiliza-se da conjunção ou, na expressão quatro ou cinco, que se repete ao longo do texto. Com essa conjunção o autor quis expressar: (A) alternância entre os elementos. (B) equívoco. (C) comparação entre os elementos. (D) dúvida. (E) redução de um dos elementos. Comentário: Se o candidato não lesse o texto, teria marcado a alternativa (A), pois a banca induziu a isso, colocando na primeira alternativa. Mas veja que “alternância entre os elementos” supõe uma exclusão de um termo em relação ao uso do outro. E não foi esse o caso deste contexto. O autor diz que eram quatro ou cinco sem uma precisão, e, no final, ele diz por que há essa imprecisão. Não sabe se conta ou não aquele que estava cochilando. Note que ele sabe quantos havia na sala, mas houve a imprecisão quanto à efetividade da participação deste quinto participante. Portanto houve dúvida. Gabarito: D Questão 11: DPE RS 2011 Defensor Público Fragmento do texto: O caso mais recente de tentativas de restringir a livre circulação de ideias envolve a obra Caçadas de Pedrinho, na qual a turma do Sítio do Pica- Pau Amarelo sai em busca de uma onça-pintada. Ocorre que, ao longo de quase oito décadas de carreira do livro, o Brasil não conseguiu se livrar de excessos na vigilância do politicamente correto, nem de intolerâncias como o racismo. Ainda assim, já não convive hoje com hábitos como o de caça a animais em extinção e avançou nas políticas para a educação das relações étnico-raciais. Assim como em qualquer outra manifestação artística, portanto, o livro que esteve sob ameaça de censura precisa ter seu conteúdo contextualizado. O conetivo portanto (2° parágrafo) pode ser substituído, sem alteração de sentido, por (A) porquanto. (B) entretanto. (C) no entanto. (D) então. (E) conquanto. Comentário: Veja que a conjunção “portanto” está deslocada na primeira oração do 2° parágrafo. Isso quer dizer que este período é uma conclusão
  9. 9. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 9 daquilo que foi dito no parágrafo anterior. A única conjunção com valor de conclusão elencada nas alternativas é “então”. Veja que “porquanto” é explicativa, “entretanto” e “no entanto” são adversativas e “conquanto” tem valor adverbial de concessão, o qual será visto adiante nesta aula. Gabarito: D Questão 12: TRF 5ªR 2008 Técnico Fragmento do texto: Esses homens legaram evidências arqueológicas de uma revolução criativa que inclui desde os espetaculares desenhos nas cavernas até os rituais de sepultamento dos mortos. “Naquele período era preciso definir quem pertencia à família ou não, e com quem se deveriam compartilhar os alimentos. Portanto, era necessário criar regras específicas”, diz a arqueóloga Olga Soffer, da Universidade de Illinois. “Portanto, era necessário criar regras específicas”. O sentido que a conjunção grifada acima introduz no contexto é o de (A) temporalidade, que caracteriza as ações humanas na época abordada. (B) restrição, acerca da época em que tais fatos ocorreram. (C) condição, que vai justificar determinadas ações dos homens nessa época. (D) causa, que determina certo tipo de comportamento da humanidade. (E) conclusão, adequada e coerente, diante da situação exposta. Comentário: A conjunção “Portanto” só pode ter valor conclusivo. Assim, cabe apenas a alternativa (E). Gabarito: E Questão 13: BACEN 2005 Analista A expropriação que torna essa passagem possível é psicológica: necessita que sejamos arrancados nem tanto de nossos meios de subsistência, mas de nossa comunidade restrita, familiar e social. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) Na frase acima, e no contexto do parágrafo que ela integra, o sinal de dois pontos pode, sem prejuízo para o sentido, ser substituído por vírgula, seguida da expressão por conseguinte. Comentário: Nós vimos que a conjunção “por conseguinte” transmite valor coordenado conclusivo. No caso desta questão, há um valor explicativo, motivado pelo uso dos dois-pontos. Assim, pode-se substituir os dois-pontos pelas conjunções de valor explicativo, como “pois”, “porque”, “porquanto” etc. Gabarito: E Questão 14: BACEN 2005 Analista O requisito para que a máquina neoliberal funcione é mais refinado do que a venda dos mesmos sabonetes ou filmes para todos. Trata-se de alimentar um sonho infinito de perfectibilidade (...). Entre os dois períodos acima, há uma conexão lógica que se manteria com a substituição do segmento sublinhado por (A) para todos; assim como há a necessidade de (B) para todos? Não, já que se trata de (C) para todos? Sim, a despeito de consistir em
  10. 10. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 10 (D) para todos, conquanto seja o caso de (E) para todos, pois consiste em Comentário: Comentamos anteriormente que a estrutura coordenada é constituída de termos independentes. Neste caso, veja que o período “Trata- se de alimentar um sonho infinito de perfectibilidade...” está coordenado ao anterior, explicando-o. Há, assim, uma estrutura assindética. O que a banca quer é que você visualize que pode inserir uma conjunção para que a estrutura passe a sindética explicativa. Para tal, a conjunção cabível é “pois”. Única, dentre as alternativas, com valor explicativo. Gabarito: E Questão 15: TRT 2R 2008 Técnico O choque dos alimentos está produzindo enormes estragos globais: semeia inflação, desarranja o abastecimento, precipita protecionismos e fermenta crises políticas. Os dois-pontos, no contexto da frase, (A) introduzem um segmento de caráter explicativo e especificativo. (B) assinalam uma sequência repetitiva, como um realce no contexto. (C) indicam quebra na sequência lógica das ideias em desenvolvimento. (D) introduzem observações que minimizam o sentido da expressão anterior. (E) assinalam a fala de um interlocutor até então alheio ao contexto. Comentário: Os dois-pontos neste contexto assinalam uma enumeração, a qual não se encontra na resposta. Quando há uma enumeração, não deixa de haver também uma explicação, por isso a única resposta possível é a alternativa (A). Na alternativa (B), realmente há uma sequência, mas não uma repetição. Também não ocorre intenção de realce apenas. Na alternativa (C), não ocorre quebra na sequência lógica das ideias. A pontuação que sinaliza isso são as reticências, e não servem neste contexto. Na alternativa (D), não há observações que minimizam o sentido da expressão anterior, mas há sequência lógica que explica o termo anterior. Na alternativa (E), os dois-pontos também podem iniciar uma citação, a fala de um interlocutor, mas isso não ocorreu neste contexto. Gabarito: A Questão 16: TRF 4ªR 2007 Técnico Fragmento do texto: Apesar de sua fama internacional como detentor da maior biodiversidade e da maior floresta tropical do planeta, o Brasil ainda tira muito pouco proveito de suas belezas naturais como atração turística. Os prejuízos são tanto econômicos quanto ambientais: o País deixa de participar de um mercado bilionário, cujos benefícios podem ser revertidos tanto para o desenvolvimento quanto para a conservação. Os prejuízos são tanto econômicos quanto ambientais: o País deixa de participar de um mercado bilionário... Os dois-pontos introduzem, no contexto, um segmento que (A) apresenta sentido que contradiz o que vem sendo afirmado anteriormente.
  11. 11. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 11 (B) indica uma interrupção do assunto desenvolvido, com início de outro, de sentido diverso. (C) repete intencionalmente uma mesma afirmativa, porém de forma desnecessária ao sentido. (D) enumera as atrações turísticas citadas anteriormente, de forma necessária no contexto. (E) explica o sentido da afirmativa feita imediatamente antes do emprego desses sinais. Comentário: Questão simples e que normalmente cai na prova!!!! Note que os dois-pontos podem ser substituídos pela conjunção “porque” (antecipada de vírgula ou não), preservando o sentido explicativo. Veja: Os prejuízos são tanto econômicos quanto ambientais, pois o País deixa de participar de um mercado bilionário, cujos benefícios podem ser revertidos tanto para o desenvolvimento quanto para a conservação. Isso confirma que a alternativa (E) é a correta, pois há uma explicação de que este mercado bilionário levaria benefícios tanto para o desenvolvimento quanto para a conservação. Assim, há prejuízos tanto econômicos quanto ambientais. Gabarito: E Questão 17: TRT 6ªR 2006 Técnico Fragmento do texto: Diferentemente da religião, a superstição tem fins específicos. Apelamos para ela quando precisamos de uma “forcinha” a mais, venha ela de onde vier. Que mal há em ter sobre a mesa do escritório uma pequena ferradura que um amigo nos deu de presente? Quando se trata de superstição, tudo é mais prático, porque envolve o que os estudiosos chamam de “meia-crença”. Ninguém precisa acreditar inteiramente numa simpatia para executá-la. Pequenos rituais, como comer lentilhas no Reveillon (já que o grão, quando cozido, aumenta de tamanho, o que significa crescimento e fartura, segundo a tradição grega), geralmente não dão muito trabalho e são quase sempre acessíveis a todos, pobres ou ricos. Assim resistem ao tempo e se conservam crenças milenares que enriquecem a cultura e a história das civilizações. (já que o grão, quando cozido, aumenta de tamanho, o que significa crescimento e fartura, segundo a tradição grega) Os parênteses isolam, considerando-se o contexto, (A) enumeração de dados já apresentados. (B) longo comentário explicativo. (C) repetição enfática da mesma idéia. (D) temporalidade na seqüência de idéias. (E) introdução de informação alheia ao assunto. Comentário: A expressão entre parênteses é um comentário do autor, chamada de orações intercaladas ou parentéticas, cuja intenção é explicar algo, utilizando para isso a conjunção de valor coordenativo explicativo “já que”. Gabarito: B
  12. 12. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 12 Questão 18: Prefeitura São Paulo 2006 Fiscal de Rendas Fragmento do texto: Nem uma nem outra nasceram do acaso, mas são antes produtos de uma disciplina consciente. Já Platão a comparou ao adestramento de cães de raça. A princípio, esse adestramento limitava-se a uma reduzida classe social, a nobreza. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) A conjunção mas pode ser substituída, sem prejuízo do sentido original, por “entretanto”. Comentário: Veja que a conjunção “mas” trabalha a oposição da palavra negativa (nem) na oração anterior. Porém, ela não inicia oração coordenada adversativa, por isso não pode ser substituída por “entretanto”. Perceba que esta conjunção, na realidade, tem valor de explicação. Confirme isso, substituindo a conjunção “mas” por “pois”, “porque”. Nem uma nem outra nasceram do acaso, pois são antes produtos de uma disciplina consciente. Por isso sempre dizemos que não devemos decorar as conjunções, porque é o contexto que vai proporcionar entendermos o sentido. Gabarito: E Questão 19: TRT 4R 2011 Analista Fragmento do texto: “A conciliação, antes de tudo, tem proporcionado às partes o efetivo acesso à Justiça, pois elas participam diretamente no resultado apaziguador do conflito. Além de despertar no cidadão o sentimento de segurança e confiança, encorajando-o na defesa de seus direitos, a conciliação devolve credibilidade, eficiência e, sobretudo, rapidez na prestação jurisdicional”. Com essas palavras, o desembargador federal coordenador do gabinete da Conciliação do Tribunal Regional Federal da 3a Região (TRF3), Antonio Cedenho, define o que é este ato capaz de reduzir processos na justiça. (Viviane Ponstinnicoff. “Conciliação é a solução”. Justiça em Revista − publicação bimestral da Justiça Federal de Primeiro Grau em São Paulo. Ano IV- dezembro 2010, n. 20, p. 6) Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) A substituição de “pois” (linha 2) por porquanto garante o sentido original, com clareza e correção. Comentário: Perceba que a conjunção “pois” transmite valor explicativo. Vimos que “porquanto” também é uma conjunção coordenada explicativa, por isso uma pode substituir a outra. Gabarito: C Questão 20: Prefeitura São Paulo 2006 Fiscal de Rendas Fragmento do texto: A educação é uma função tão natural e universal da comunidade humana que, pela própria evidência, leva muito tempo a atingir a plena consciência daqueles que a recebem e praticam, sendo, por isso, relativamente tardio o seu primeiro vestígio na tradição literária. O seu conteúdo, aproximadamente o mesmo em todos os povos, é ao mesmo tempo moral e prático. Também entre os Gregos foi assim. Reveste, em parte, a forma de mandamentos, como honrar os deuses, honrar pai e mãe, respeitar os estrangeiros; consiste, por outro lado, numa série de preceitos sobre a
  13. 13. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 13 moralidade externa e em regras de prudência para a vida, transmitidas oralmente pelos séculos afora; e apresenta-se ainda como comunicação de conhecimentos e aptidões profissionais a cujo conjunto, na medida em que é transmissível, os Gregos deram o nome de techné. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) O período iniciado por Reveste constitui uma explicação. Comentário: Note que o período iniciado pelo verbo “Reveste” explica a informação anterior (“Também entre os Gregos foi assim”). Sintaticamente, perceba que podemos retirar o ponto final, ajustar as letras maiúsculas e minúsculas e inserir dois-pontos ou vírgula e conjunção explicativa “pois”. Assim, confirmamos este valor explicativo. Veja: Também entre os Gregos foi assim: reveste, em parte, a forma de mandamentos, como honrar os deuses, honrar pai e mãe, respeitar os estrangeiros... Também entre os Gregos foi assim, pois reveste, em parte, a forma de mandamentos, como honrar os deuses, honrar pai e mãe, respeitar os estrangeiros... A vírgula antes da conjunção “pois” não é obrigatória. Gabarito: C Questão 21: TRT 23 R 2007 Técnico Fragmento do texto: A integração europeia representa o inédito na vida internacional. É uma resposta historicamente distinta de qualquer outra no trato dos três conhecidos problemas inerentes à dinâmica do funcionamento do sistema internacional, no qual paz e guerra se alternam. Com efeito, a Europa que se constituiu a partir do Tratado de Roma logrou: 1) captar e levar adiante o interesse comum; 2) administrar as desigualdades do poder; e 3) mediar e dirimir pacificamente controvérsias e conflitos de valores. ... logrou: 1) captar e levar adiante o interesse comum; 2) administrar as desigualdades do poder; e 3) mediar e dirimir pacificamente controvérsias e conflitos de valores. Os dois-pontos introduzem, considerando-se o contexto, (A) citação exata de anotações em documentos referentes ao assunto. (B) segmento enumerativo e explicativo, importante para dar continuidade à explanação das ideias. (C) repetição, com detalhes necessários, de um dado anteriormente apontado. (D) gradação na seqüência dos itens, para assinalar a importância maior do seguinte em relação ao anterior. (E) condição importante no desenvolvimento, como justificativa das medidas citadas anteriormente. Comentário: Perceba novamente o emprego dos dois-pontos. Já vimos nas questões anteriores que ele serve para separar o aposto explicativo e enumerativo. Neste caso, a enumeração é uma sequência de ações, com verbos no infinitivo. Por isso a alternativa B é a correta. Gabarito: B
  14. 14. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 14 Questão 22: DPE SP 2011 Superior Fragmento do texto: Em 1952, escreveu o livro Raça e história, a pedido da Unesco, para combater o racismo. De fato, foi um ataque feroz ao etnocentrismo, materializado num texto onde se formulavam de modo claro e inteligível teses que excediam a mera discussão acadêmica e se apoiavam em fatos. Comenta o antropólogo brasileiro Viveiros de Castro, do Museu Nacional: “Ele traz para diante dos olhos ocidentais a questão dos índios americanos, algo que nunca antes havia sido feito. O colonialismo não mais podia sair nas ruas como costumava fazer. Foi um crítico demolidor da arrogância ocidental: os índios deixaram de ser relíquias do passado, deixaram de ser alegorias, tornando-se nossos contemporâneos. Isso vale mais do que qualquer análise.” Foi um crítico demolidor da arrogância ocidental: os índios deixaram de ser relíquias do passado. O sinal de dois-pontos da frase acima pode ser substituído, sem prejuízo para a correção e o sentido, por (A) entretanto. (B) a fim de que. (C) não obstante. (D) em razão do que. (E) mesmo porque. Comentário: Perceba agora o valor dos dois-pontos como conclusão. Esporadicamente isso acontece. Note que após a crítica da arrogância ocidental, os índios deixaram de ser vistos como relíquias do passado, alegorias, tornando-se nossos contemporâneos. A expressão “em razão do que” não é propriamente uma conjunção coordenada conclusiva, mas seu uso sinaliza uma conclusão, tanto que podemos substituir essa expressão por “por isso”, “portanto”. Assim, a alternativa correta é a D. Veja que as outras possuem valores de oposição (entretanto), finalidade (a fim de que, a qual será vista adiante), oposição (não obstante), explicação com ressalva (mesmo porque). Veja que a banca eliminou a possibilidade de o candidato ficar na dúvida quanto à alternativa (E), porém deve ser observado o valor de ressalva “mesmo”. Isso elimina esta alternativa. Gabarito: D Questão 23: TRT 24ªR 2011 Técnico Fragmento do texto: De acordo com o estudo das proporções e da biologia evolutiva, a beleza não é apenas questão de gosto: é a reunião feliz, e não muito comum, de simetria, harmonia e unidade. Uma forma de inteligência biológica com evidentes vantagens adaptativas. Em outras palavras, a beleza paira acima das apreciações meramente pessoais. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) O emprego dos dois pontos realça uma afirmativa cujo sentido se contrapõe, de modo claro, ao exposto na afirmativa anterior. Comentário: Note que os dois pontos são utilizados para marcar a explicação de expressão anterior, e não uma oposição. Note que a estrutura oracional “é a reunião feliz, e não muito comum, de simetria, harmonia e unidade” explica por que a beleza não é apenas questão de gosto. Veja que podemos substituir
  15. 15. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 15 os dois pontos pela conjunção “porque”: “...a beleza não é apenas questão de gosto, porque é a reunião feliz, e não muito comum, de simetria, harmonia e unidade.” Gabarito: E Questão 24: TCE MG 2007 Técnico de Controle Externo - Direito Fragmento do texto: Como disse o físico I. I. Rabi, os cientistas são os “Peter Pans” da sociedade: querem permanecer crianças, curiosos, perguntando-se sobre os mistérios do mundo. De minha parte, decidi que, a cada vez que sentir a chama falhar, visitarei uma escola e conversarei com as crianças. No contexto da frase Como disse o físico I. I. Rabi, os cientistas são os “Peter Pans” da sociedade: querem permanecer crianças (...), os dois pontos assumem um sentido equivalente ao de uma expressão como (A) ainda assim. (B) em que pese. (C) conquanto. (D) ao passo que. (E) porquanto. Comentário: Note que a oração “querem permanecer crianças, curiosos, perguntando-se sobre os mistérios do mundo” é uma explicação sobre a fala do físico de que os cientistas são os “Peters Pans” da sociedade. Por isso, podemos substituir os dois-pontos por uma conjunção coordenativa explicativa, como “pois”, “porquanto”, “porque”. Assim, a alternativa (E) é a correta. Muita atenção neste tipo de questão, pois há muitas ocorrências nas provas da FCC!!!! Gabarito: E Questão 25: TCE SP 2003 Analista de Sistemas Penso hoje que a vocação dele era, de fato, o serviço público: sentia-se suficientemente recompensado pela responsabilidade que lhe cabia na tarefa de se fazer justiça na distribuição do produto social. Na frase acima, não haverá prejuízo para o sentido, caso se substitua o sinal de dois pontos por uma vírgula, seguida da expressão (A) a menos que se sentisse (...) (B) uma vez que se sentia (...) (C) muito embora se sentisse (...) (D) a fim de se sentir (...) (E) por mais que se sentisse (...) Comentário: Percebemos que a estrutura oracional “sentia-se suficientemente recompensado pela responsabilidade...” é explicativa. Não há nas alternativas uma conjunção explicitamente coordenativa explicativa. Isso porque a Fundação Carlos Chagas admite também as locuções conjuntivas adverbiais causais (as quais serão vistas adiante em nossa aula) “uma vez que”, “já que”, “na medida em que” também como conectivos explicativos.
  16. 16. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 16 Para reforçar isso, perceba que, nas alternativas (A), (C) e (E), as locuções conjuntivas “a menos que”, “muito embora” e “por mais que” traduzem um valor subordinativo adverbial concessivo (contrastante), o qual será visto adiante em nossa aula. Na alternativa (D), a locução prepositiva subordinativa adverbial “a fim de” tem valor de finalidade, o qual será visto adiante em nossa aula. Gabarito: B Período composto por subordinação adverbial Veja a oração absoluta abaixo: O candidato passou no concurso, devido ao seu esforço no estudo. VTI objeto indireto adjunto adverbial de causa sujeito predicado verbal período simples A oração acima possui a estrutura básica S V O: “O candidato passou no concurso”. A estrutura “devido ao seu esforço no estudo” é o adjunto adverbial de causa. Esse adjunto adverbial é chamado por nós de solto, porque não houve exigência do verbo. Por isso, podemos inserir a vírgula facultativamente. Esta estrutura não é obrigatória, ela foi inserida para que haja mais clareza e situe melhor o leitor sobre a circunstância que levou o candidato à aprovação. Mas veja que esta expressão é dependente da estrutura básica da oração. Se disséssemos somente: “Devido ao seu esforço no estudo” Logicamente, ninguém entenderia, concorda? Por isso, dizemos que esta estrutura é dependente da estrutura S V O, isto é: ela é subordinada à principal: O candidato passou no concurso, devido ao seu esforço no estudo. Quando esse adjunto adverbial recebe um verbo, observamos que passaremos a ter duas orações: a principal e a subordinada adverbial causal. O candidato passou no concurso, porque se esforçou no estudo. sujeito VTI objeto indireto VTI + objeto indireto predicado verbal predicado verbal oração principal oração subordinada adverbial causal período composto Tanto o adjunto adverbial quanto a oração adverbial podem deslocar-se para o início ou para o meio da estrutura principal. E, com isso, a vírgula será empregada nos adjuntos adverbiais de grande extensã. Assim, via de regra, a oração subordinada adverbial, quando posposta à oração principal, será iniciada por vírgula facultativamente. Mas, se for antecipada ou intercalada, receberá vírgula ou vírgulas obrigatoriamente. vírgula facultativa vírgula facultativa Estrutura básica (principal) Estrutura adverbial (subordinada)
  17. 17. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 17 Antecipando a estrutura adverbial... Devido ao seu esforço no estudo, o candidato passou no concurso adjunto adverbial de causa VTI objeto indireto sujeito predicado verbal período simples Porque se esforçou no estudo, o candidato passou no concurso VTI + objeto indireto VTI objeto indireto predicado verbal sujeito predicado verbal oração subordinada adverbial causal oração principal período composto Agora, intercalando... O candidato, devido ao seu esforço no estudo, passou no concurso. adjunto adverbial de causa VTI objeto indireto sujeito predicado verbal período simples O candidato, porque se esforçou no estudo, passou no concurso VTI + objeto indireto VTI objeto indireto sujeito predicado verbal predicado verbal oração subordinada adverbial causal oração principal período composto Elas basicamente se dividem em 9. 1. Causais: com as conjunções: porque, pois, que, como (quando a oração adverbial estiver antecipada), já que, visto que, desde que, uma vez que, porquanto, na medida em que, que, etc: 3. Condicionais: Além das conjunções condicionais se e caso, há também as locuções conjuntivas contanto que, desde que, salvo se, sem que (=se não), a não ser que, a menos que, dado que. 4. Concessivas: As conjunções são: embora, conquanto, que, ainda que, mesmo que, ainda quando, mesmo quando, posto que, por mais que, por muito que, por menos que, se bem que, em que (pese), nem que, dado que, sem que (=embora não). 5. Comparativas: representam o segundo termo de uma comparação e se expressam de três formas, com as conjunções como, (tal) qual, tal e qual, assim como, (tal) como, (tão ou tanto) como, (mais) que ou do que, (menos) que ou do que, tanto quanto, que nem, feito (=como, do mesmo modo que), o mesmo que (=como): vírgula obrigatória vírgula obrigatória vírgulas obrigatórias vírgulas obrigatórias
  18. 18. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 18 6. Conformativas: Suas conjunções são: como, conforme, segundo, consoante. 7. Proporcionais: Suas locuções conjuntivas são: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais ... tanto mais, quanto mais ... tanto menos, quanto mais ... tanto menos, quanto menos ... tanto mais, quanto mais ... mais, quanto menos ... menos, tanto ... quanto (como). 8. Finais: indicam finalidade, objetivo, com as locuções conjuntivas: para que, a fim de que, que (= para que), porque (= para que): 9. Temporais: Suas conjunções: quando, enquanto, logo que, mal (= logo que), sempre que, assim que, desde que, antes que, depois que, até que, agora que, ao mesmo tempo que, toda vez que. Questão 26: DPE RS 2011 Defensor Público Fragmento de texto: Mais de 20 anos depois, graças aos avanços na tecnologia de identificação de DNA e à expansão dos bancos de dados com informações genéticas de criminosos, foi possível identificar os homens responsáveis pelo crime. A vírgula depois de Mais de vinte anos depois justifica-se porque é (A) um adjunto adverbial intercalado. (B) um adjunto adverbial deslocado. (C) uma oração adverbial temporal deslocada. (D) um adjunto adnominal com valor de advérbio e está deslocado. (E) um advérbio em forma de oração e está deslocado. Comentário: Vamos à explicação do emprego das vírgulas neste trecho. A expressão “graças aos avanços na tecnologia de identificação de DNA e à expansão dos bancos de dados com informações genéticas de criminosos” é um adjunto adverbial de causa composto, pois há a união dos dois núcleos (“avanços”, “expansão”), por meio da conjunção coordenativa aditiva “e”. Notadamente, temos um adjunto adverbial de grande extensão que se encontra intercalado, e esse é o motivo da dupla vírgula. Assim, se a banca tivesse perguntado o motivo da dupla vírgula, teríamos como resposta a alternativa (A), pois realmente há um adjunto adverbial intercalado. Mas a pergunta não foi essa: primeiro a banca especificou a expressão “Mais de vinte anos depois”, em seguida, perguntou sobre a primeira das vírgulas, cujo emprego coincide por fechar o adjunto adverbial de tempo antecipado e iniciar o adjunto adverbial de causa que se encontra intercalado. Assim, como a banca especificou o adjunto adverbial de tempo, a alternativa correta só pode ser a (B). Se você marcou a alternativa (C), não percebeu que, nesta estrutura adverbial, não há verbo, então não há oração, apenas adjunto adverbial. Gabarito: B Questão 27: CEAL 2005 Advogado A candidatura do cidadão comum nos incomoda porque denuncia nosso absenteísmo. Outra forma correta de expressar o mesmo pensamento da frase acima é:
  19. 19. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 19 (A) Denuncia-nos o nosso absenteísmo, tanto quanto nos incomoda, a candidatura do cidadão comum. (B) Em virtude de denunciar nosso absenteísmo, é-nos incômoda a candidatura do cidadão comum. (C) Nosso absenteísmo só nos incomoda porque quando dele decorre a candidatura do cidadão comum. (D) Nosso incômodo, diante da candidatura do cidadão comum, gera e denuncia nosso absenteísmo. (E) Torna-se incômodo o nosso absenteísmo, quando denuncia a candidatura do cidadão comum. Comentário: Veja que a FCC quis apenas que o candidato percebesse a transformação da oração subordinada adverbial causal (desenvolvida) “porque denuncia nosso absenteísmo” para a reduzida “Em virtude de denunciar nosso absenteísmo”. Veja que “Em virtude de” não é conjunção, mas locução prepositiva, estudada na aula passada. Para que fosse locução conjuntiva, forçando uma oração desenvolvida, deveria ser: Em virtude de que. Na alternativa (A), “tanto quanto” é comparação. Na alternativa (C), não se pode inserir duas conjunções (“porque”, “quando”) para apenas uma oração adverbial. Na alternativa (D), o erro está em se trocar quem é a causa e quem é a consequência. Na estrutura original, a causa é a denúncia de nosso absenteísmo” (isso ocorre antes), tendo como consequência o incômodo da candidatura do cidadão comum. Nesta alternativa, ocorreu o contrário. Leia e confira. Na alternativa (E), houve apenas a ideia de tempo, e não de causa. Gabarito: B Questão 28: Infraero 2009 Analista Fragmento do texto: Tudo começa pelo aprendizado dos procedimentos iniciais. O novato pode confundir bilhete com cartão de embarque, ignora as siglas das placas e monitores do aeroporto, atordoa-se com os avisos e as chamadas da locutora invisível. Já de frente para a escada do avião, estima, incrédulo, quantas toneladas de aço deverão flutuar a quilômetros de altura – com ele dentro. Localizada a poltrona, afivelado o cinto com mãos trêmulas, acompanha com extrema atenção as estudadas instruções da bela comissária, até perceber que ele é a única testemunha da apresentação: os demais passageiros (mal- educados!) leem jornal ou conversam. Quando enfim os motores, já na cabeceira da pista, aceleram para subir e arrancam a plena potência, ele se segura nos braços da poltrona e seu corpo se retesa na posição seja-o-que- Deus-quiser. Considerando-se o sentido do contexto, nas expressões localizada a poltrona e afivelado o cinto, as formas sublinhadas poderiam ser precedidas por I. conquanto. II. uma vez. III. tão logo. IV. ao estar sendo. Complementa corretamente o enunciado da questão o que está SOMENTE em
  20. 20. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 20 (A) I e II. (B) II e IV. (C) II e III. (D) I e III. (E) I e IV. Comentário: Pode-se notar, pelo contexto, que o novato acompanha as instruções da comissária, após ter localizado a poltrona e afivelado o cinto. Com isso, elimina-se a conjunção adverbial concessiva “conquanto” e “ao estar sendo”, pois esta última expressão transmite ideia de simultaneidade, o que não ocorreu no texto. Assim, a alternativa correta é (C), pois os conectivos “uma vez” e “tão logo” transmitem valor de tempo após uma ação. (depois de localizada a poltrona; depois de afivelado o cinto) Gabarito: C Questão 29: Pref Mun Salvador 2008 Médio Um deles é o tipo A, que acelera o envelhecimento da pele, por penetrar em camadas mais profundas. A frase grifada acima introduz, no contexto, noção de (A) causa. (B) condição. (C) consequência. (D) finalidade. (E) temporalidade. Comentário: A preposição “por” possui valor de causa (vimos seu valor na aula passada) e inicia uma oração subordinada adverbial causal reduzida de infinitivo. Gabarito: A Questão 30: TRT 20ªR 2006 Técnico Fragmento do texto: Permitir às empresas que utilizem, em projetos artísticos, parte do dinheiro que gastariam com tributos. É esse o espírito das leis de incentivo, sejam elas municipais, estaduais ou federais. A proposta é simples: como no orçamento da maioria dos governos os recursos destinados à cultura são geralmente escassos, os artistas e produtores, em vez de recorrer ao Estado, procuram patrocínio da iniciativa privada, com o atraente argumento de que, sem desembolsar nenhum centavo, além do que gastaria em impostos, o empresário poderá vincular sua marca àquele livro, show, produção de artesanato ou outra ação desse tipo. ... como no orçamento da maioria dos governos os recursos destinados à cultura são geralmente escassos... A frase acima introduz, no contexto, a noção de (A) consequência. (B) finalidade. (C) restrição. (D) causa. (E) condição. Comentário: A conjunção “como” pode ter valor adverbial de causa, desde
  21. 21. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 21 que esta oração esteja antecipada da principal. Isso foi o que ocorreu no trecho desta questão. Veja: ...como no orçamento da maioria dos governos os recursos destinados à cultura são geralmente escassos, os artistas e produtores, em vez de recorrer ao Estado, procuram patrocínio da iniciativa privada, com o atraente argumento de que, sem desembolsar nenhum centavo, além do que gastaria em impostos, o empresário poderá vincular sua marca àquele livro, show, produção de artesanato ou outra ação desse tipo. Note que esta conjunção pode ser substituída por “já que”, “porque”, “uma vez que”, confirmando o valor causal. Gabarito: D Questão 31: TRT 4ªR 2011 Técnico Nas ruas, nos museus ou nos shoppings de Doha, sempre existe alguém para impedir os retratos. E se você conseguir tirar uma foto escondido vai perceber as pessoas cuidadosamente tampando o rosto. Isso porque o Catar, país que acaba de ser eleito sede da Copa do Mundo de 2022, vive sob os preceitos da religião muçulmana. Considerado o trecho acima, é correto afirmar: (A) A substituição de alguém por “pessoas” mantém a correção da frase. (B) O segmento para impedir os retratos expressa uma causa. (C) Substituindo para impedir os retratos por “afim de que os retratos sejam impedidos”, preservam-se o sentido e a correção originais. (D) Em Isso porque, o elemento destacado, não remetendo a nenhuma palavra, expressão ou segmento do texto, foi empregado apenas como forma de realce. (E) Substituindo Isso porque o Catar [...] vive sob os preceitos da religião muçulmana por “Isso acontece em função de o Catar [...] viver sob os preceitos da religião muçulmana”, a correção da frase é mantida. Comentário: A alternativa (A) está errada, pois o pronome “alguém” é o sujeito do verbo intransitivo “existe”. Assim, ao substituirmos o sujeito singular pelo plural “pessoas”, obrigatoriamente o verbo deve se flexionar no plural (existem pessoas). A alternativa (B) está errada, pois a oração “para impedir os retratos” é subordinada adverbial de finalidade reduzida de infinitivo. A alternativa (C) está errada, simplesmente porque a locução conjuntiva de finalidade é “a fim de que”, isto é, não se pode juntar os vocábulos “a” e “fim” numa só palavra. Isso só ocorre quando há sentido de afinidade, semelhança; por exemplo: A língua portuguesa tem origem afim com a espanhola. Eles têm pensamentos afins. A alternativa (D) está errada, pois o pronome demonstrativo “Isso” é empregado com a intenção de retomar a expressão “pessoas cuidadosamente tampando o rosto”. Assim, não há intenção simplesmente de realce, houve intenção de retomar termo anterior. A alternativa (E) é a correta, pois a intenção aqui foi simplesmente transpor uma oração subordinada adverbial causal desenvolvida num oração
  22. 22. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 22 reduzida de mesmo valor. Veja: 1. Isso porque o Catar [...] vive sob os preceitos da religião muçulmana 2. Isso acontece em função de o Catar [...] viver sob os preceitos da religião muçulmana Na estrutura 1, a oração sublinhada é subordinada adverbial causal e se encontra desenvolvida, pois há conjunção (“porque”) e o verbo se encontra conjugado em modo e tempo verbal (“vive”: presente do indicativo). Na estrutura 2, a oração sublinhada é subordinada adverbial causal reduzida de infinitivo, pois não há conjunção; há, na realidade, uma locução prepositiva causal (“em função de”) e o verbo é forçado a uma da formas nominais. No caso é o infinitivo “viver”. Assim, a alternativa (E) é a correta. Gabarito: E Questão 32: TRT 24R 2003 Analista Considerando-se o contexto em que a frase ocorre, a expressão sublinhada preserva o sentido da expressão indicada entre parênteses em: (A) Pelo fato de sermos um país predominantemente agrícola e pecuário, a maioria das nossas populações vive em estado de atraso. (Não obstante). (B) Por outro lado, a nossa economia é solicitada a se ajustar ao ritmo variável da economia mundial. (De outro modo). (C) A economia moderna não permite, senão em escala reduzida, o desenvolvimento autônomo das economias nacionais. (a não ser). (D) Assim sendo, somos obrigados a seguir a oscilação dos líderes da economia mundial (ainda assim). (E) Os países dependem, cada vez mais, dos grandes centros do imperialismo econômico (de mais a mais). Comentário: Na alternativa (A), a locução prepositiva “Pelo fato de” transmite valor de causa e a locução conjuntiva “Não obstante” transmite valor concessivo (contraste), por isso há erro. Na alternativa (B), “Por outro lado” transmite uma ideia de que há pontos de vista divergentes e não modos diferentes. Na alternativa (C), a palavra denotativa de exclusão “senão” pode ser substituída pelo seu sinônimo “a não ser”. Por isso é a alternativa correta. Na alternativa (D), a locução “Assim sendo” transmite valor causal; já a locução conjuntiva “ainda assim” transmite valor concessivo (contrastante). Na alternativa (E), o adjunto adverbial de tempo “cada vez mais” transmite uma evolução temporal, enquanto a expressão “de mais a mais” transmite valor de inclusão, como as seguintes expressões “além de tudo; ainda por cima; ainda em cima, além disso”. Gabarito: C Questão 33: TRT 18R 2008 Analista Pensador consequente, a Cícero não importavam as questões secundárias; interessavam-lhe os valores essenciais da conduta humana.
  23. 23. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 23 O sentido da frase acima permanecerá inalterado caso ela seja introduzida por: (A) Conquanto fosse. (B) Muito embora sendo. (C) Ainda quando fosse. (D) Por ter sido. (E) Mesmo que tenha sido. Comentário: A expressão “Pensador consequente” transmite valor de causa; por isso a alternativa correta é a D, pois a preposição “Por” também traduz o valor semântico de causa. Note que todas as outras conjunções (“Conquanto”, ”Muito embora”, “Ainda quando”, “Mesmo que”) transmitem valor adverbial concessivo. Gabarito: D Questão 34: Prefeitura São Paulo 2008 Assist Gestão de Políticas Públicas Caso as geleiras do Himalaia continuem a encolher no ritmo atual, dois tipos de catástrofes poderão ocorrer. A conjunção grifada na frase acima imprime ao contexto noção de (A) condição. (B) conclusão. (C) finalidade. (D) temporalidade. (E) proporcionalidade. Comentário: A conjunção “Caso” tem valor adverbial condicional. Assim, a alternativa (A) é a correta. Gabarito: A Questão 35: TCE PI 2011 Assessor Jurídico Fragmento do texto: De minha parte modestíssima, ouso dizer: se um dia me sentir absolutamente feliz, tentarei não me matar. Talvez também não conte para ninguém, para que não me matem. De inveja. A frase se um dia me sentir absolutamente feliz, tentarei não me matar tem um efeito de humor irônico, equivalente ao da seguinte formulação: (A) buscarei não me matar, em caso de absoluta felicidade. (B) mesmo tomado por grande infelicidade, nunca me mataria. (C) sendo absolutamente feliz, não há razão para me matar. (D) conquanto possa me matar, creio numa felicidade absoluta. (E) se não vivesse em plena felicidade pensaria em me matar. Comentário: A oração “se um dia me sentir absolutamente feliz” é subordinada adverbial condicional. O mesmo sentido é preservado na alternativa (A), com a transformação dessa oração condicional em adjunto adverbial condicional “em caso de absoluta felicidade”. Note que o verbo “tentarei” tem o mesmo sentido do verbo “buscarei”. A alternativa (B) está errada, porque a preposição “mesmo” transmite valor adverbial concessivo. A alternativa (C) está errada, porque a oração “sendo absolutamente
  24. 24. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 24 feliz” é subordinada adverbial causal reduzida de gerúndio, portanto, o sentido é diferente. A alternativa (D) está errada, porque a conjunção “conquanto” transmite valor adverbial concessivo. A alternativa (E) está errada, porque a oração subordinada adverbial condicional “se não vivesse em plena felicidade” possui o advérbio de negação “não”, que transmite o oposto da oração original. Além disso, a oração principal “pensaria em me matar” também transmite valor oposto. Assim, não se conservou o sentido original. Gabarito: A Questão 36: TRF 4ªR 2007 Técnico Fragmento do texto: O principal desafio do ecoturismo é fazê-lo de forma sustentável, para que não se torne uma ameaça à natureza. Há quem diga, inclusive, que as palavras “eco” e “turismo” são incompatíveis. Elas são compatíveis sim, desde que a atividade seja bem planejada e bem gerenciada. Nesses casos o ecoturismo pode servir como uma importante fonte de recursos para a conservação e o desenvolvimento econômico das comunidades locais. Sempre vai haver algum impacto, mas esse impacto pode ser aceitável. Elas são compatíveis sim, desde que a atividade seja bem planejada e bem gerenciada. Identifica-se na frase acima relação de, respectivamente, (A) fato e consequência. (B) explicação e temporalidade. (C) afirmativa e ressalva. (D) temporalidade e restrição. (E) causa e finalidade. Comentário: O advérbio de certeza “sim” transmite o valor de afirmativa. Isso já mostra que a alternativa (C) é a correta. Para confirmar, basta entender que “ressalva” é o mesmo que “exceção”, “reserva”, “restrição”. Assim, podemos entendê-la nas orações adversativas: Todos ganharam presentes, mas ele não. (houve uma ressalva, restrição, exceção: então nem todos ganharam presentes) Também podemos entender a ressalva nas orações adverbiais condicionais: Todos ganharão presentes, desde que se comportem direitinho. (houve uma ressalva, restrição: só ganharão aqueles que se comportarem bem). Assim, entendemos que o advérbio “sim” transmite afirmativa e a oração subordinada adverbial condicional “desde que a atividade seja bem planejada e bem gerenciada” transmite ressalva, restrição. Gabarito: C Questão 37: TCE-PB – 2006 – Assistente Jurídico Os fins dos deputados franceses são justos, mas os meios acabam por criminalizar as palavras e a opinião.
  25. 25. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 25 A frase acima conservará o sentido e a correção caso se substitua o segmento sublinhado por (A) conquanto os meios acabem. (B) desde que os meios acabem. (C) tendo em vista que os meios acabam. (D) contanto que os meios acabem. (E) uma vez que os meios acabam. Comentário: A questão queria que o candidato visualizasse a possibilidade de uma oração coordenada adversativa ser transformada em uma oração subordinada adverbial concessiva, desde que sejam feitas algumas adaptações, como ajustes nos verbos e nas conjunções. A alternativa (A) é a correta, pois a conjunção “conquanto” é adverbial concessiva e o verbo “acabem” encontra-se no presente do subjuntivo. As locuções conjuntivas “desde que”, “tendo em vista que” e “uma vez que” são subordinativas adverbiais causais. Já a locução conjuntiva “contanto que” tem valor condicional. Gabarito: A Questão 38: Metrô 2008 Superior Fragmento do texto: Além disso, as empresas sofriam pressões das camadas sociais dominantes, sempre em busca da menor tarifa, ainda que à custa do sacrifício das finanças das estradas. ... ainda que à custa do sacrifício das finanças das estradas. A última frase do texto introduz, no período, noção de (A) temporalidade. (B) consequência. (C) proporcionalidade. (D) ressalva. (E) causa. Comentário: Vimos que “Ainda que” é locução conjuntiva que inicia oração subordinada adverbial concessiva. Também vimos que a concessão transmite contraste, ressalva. Portanto a alternativa é a (D). Gabarito: D Questão 39: Prefeitura São Paulo 2009 Agente Fiscal de Rendas Fragmento do texto: 1 5 10 Sob nomes que não vêm ao caso para nós, essas são questões atualíssimas na história humana, e surgem mais fortes e polêmicas na escala temporal mais longa da evolução. A história evolutiva pode ser representada como uma espécie depois da outra. Mas muitos biólogos hão de concordar comigo que se trata de uma ideia tacanha. Quem olha a evolução dessa perspectiva deixa passar a maior parte do que é importante. A evolução rima, padrões se repetem. E não simplesmente por acaso. Isso ocorre por razões bem compreendidas, sobretudo razões darwinianas, pois a biologia, ao contrário da evolução humana ou mesmo da física, já tem a sua grande teoria unificada, aceita por todos os profissionais bem informados no ramo, embora em várias versões e
  26. 26. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 26 interpretações. Ao escrever a história evolutiva, não me esquivo a buscar padrões e princípios, mas procuro fazê-lo com cautela. No segundo parágrafo, a alteração que mantém o sentido e a correção originais é a de (A) (linha 4) Mas por "Apesar de". (B) (linha 5) Quem por "Muitos biólogos". (C) (linha 11) embora por "não obstante". (D) (linha 12) Ao escrever por "Salvo se escrever". (E) (linhas 13) mas procuro por "ainda que procure". Comentário: A alternativa (A) está errada, porque a conjunção “Mas” só pode ser substituída pelo conectivo adverbial concessivo, quando houver ajustes no verbo. Basta fazermos a substituição e lermos o período novamente, para sabermos que não haverá incoerência. A alternativa (B) está errada, porque, sintaticamente, a substituição do sujeito “Quem” por “Muitos biólogos” forçaria o verbo “olha” para o plural (“olham”). Além disso, note que haveria mudança de sentido com tal substituição. A alternativa (C) é a correta, pois a conjunção subordinativa adverbial concessiva “embora” pode ser substituída pelo conectivo de mesmo valor “não obstante”, não havendo necessidade de outros ajustes. A alternativa (D) está errada, porque a oração “Ao escrever a história evolutiva” é subordinada adverbial temporal reduzida de infinitivo, por isso não admite receber a locução conjuntiva adverbial condicional “Salvo se”. A alternativa (E) está errada, porque a conjunção “mas” trabalha o contraste com o advérbio de negação “não”, e por isso podemos entender que há, na realidade, uma explicação no trecho “mas procuro fazê-lo com cautela procuro fazê-lo com cautela”, tanto assim que podemos substituir “mas” por “pois” ou dois-pontos. Veja: Ao escrever a história evolutiva, não me esquivo a buscar padrões e princípios, mas procuro fazê-lo com cautela. Ao escrever a história evolutiva, não me esquivo a buscar padrões e princípios, pois procuro fazê-lo com cautela. Ao escrever a história evolutiva, não me esquivo a buscar padrões e princípios: procuro fazê-lo com cautela. Dessa forma, não se admite a substituição da conjunção “mas” por “ainda que”. Gabarito: C Questão 40: Prefeitura São Paulo 2007 Auditor-Fiscal Trib Mun (ISS-SP) Fragmento do texto: Para garantia do cumprimento dos princípios, instituem-se as sanções para quem os ignore. A penalidade aplicada ao indivíduo transgressor é a garantia da validade social da norma transgredida. Por isso, a impunidade, uma vez manifesta, quebra inteiramente a relação de equilíbrio entre direitos e deveres comuns, e passa a constituir um exemplo de delito vantajoso: aquele em que o sujeito pode tirar proveito pessoal de uma regra exatamente por tê-la infringido. Expressa uma finalidade a oração subordinada adverbial sublinhado em:
  27. 27. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 27 (A) (...) a religião toma para si a tarefa de orientar a conduta humana. (B) (...) o sujeito pode tirar proveito pessoal de uma regra por tê-la infringido. (C) (...) o ponto de partida para a boa conduta é o reconhecimento daquilo que não pode ser permitido. (D) (...) as regras de convívio existem para dar base e estabilidade às relações entre os homens. (E) (...) o ideal da civilização é permitir que todos os indivíduos vivam sob os mesmos princípios éticos acordados. Comentário: Para se ter certeza do valor adverbial de finalidade da oração, , procure achar a preposição “para”, as locuções prepositivas “a fim de”, “com o intuito de” ou as locuções conjuntivas “para que”, “a fim de que”. Assim, facilmente podemos perceber que a alternativa correta é a (D). Gabarito: D Questão 41: TCE AM 2008 Analista Técnico de Controle Externo Macacos intelectuais A partir de estudos realizados com primatas não-humanos, publicados nos anos 60, a defesa dogmática de que a inteligência seria um dom exclusivo do Homo sapiens tornou-se insustentável. Entender a inteligência de que tanto nos orgulhamos como resultado de milhões de anos de seleção natural obedece à lógica evolutiva, visto que a evolução não cria características especiais para favorecer ou prejudicar nenhuma espécie. Como atestam os dinossauros, a natureza é madrasta impiedosa. De onde emergiu a consciência humana? A resposta é bem simples: da consciência dos animais. Não há justificativa para considerá-la como propriedade exclusiva da espécie humana, respondeu Ernst Mayr, o biólogo mais influente do século passado. Aceita essa premissa, na última década, o foco da primatologia se deslocou para o estudo das características únicas dos seres humanos. Afinal, não se tem notícia de outros animais que componham sinfonias ou resolvam equações de segundo grau. No contexto da frase Aceita essa premissa, na última década, o foco da primatologia se deslocou para o estudo das características únicas dos seres humanos, a expressão sublinhada deve ser entendida como (A) consideração de uma hipótese. (B) expressão de uma consequência. (C) formulação de uma condição. (D) afirmação de fato verificado. (E) suposição a ser contraditada. Comentário: Primeiro, devemos entender o que vem a ser uma premissa: é um fato ou princípio que serve de base à conclusão de um raciocínio. Assim, devemos excluir as alternativas que possuam as palavras “hipótese” e “suposição”. Além disso, observe que a estrutura “Aceita essa premissa” é a base para um raciocínio, para uma conclusão. Dessa forma, ela não pode transmitir consequência. Por esses motivos, eliminamos as alternativas (A), (B) e (E). Constate, agora, que a expressão sublinhada é uma oração subordinada
  28. 28. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 28 adverbial temporal reduzida de particípio, a qual se encontra antecipada da oração principal. Veja que podemos inserir as preposições de tempo para enfatizar este sentido: Depois de aceita essa premissa, na última década, o foco da primatologia se deslocou para o estudo das características únicas dos seres humanos. Após ser aceita essa premissa, na última década, o foco da primatologia se deslocou para o estudo das características únicas dos seres humanos. Assim, eliminamos a alternativa (C), que aponta uma condição, e percebemos que a alternativa correta é a (D), pois esta premissa é a base, o fundamento da informação de que o foco da primatologia se deslocou para o estudo das características únicas dos seres humanos. Ah!!! Concordo com você!!! Também poderíamos interpretar essa oração sublinhada como adverbial causal... (Por ser aceita essa premissa) Gabarito: D Questão 42: Prefeitura São Paulo 2009 Agente Fiscal de Rendas Fragmento do texto: 1 5 10 Esgotado por sucessivas batalhas, convencido da inutilidade de seguir lutando e tendo decidido ser preferível capitular a perder não só a liberdade como a vida, no verão de 1520 o rei asteca Montezuma, prisioneiro dos espanhóis, concordou em entregar a Hernán Cortés o vasto tesouro que seu pai, Axayáctl, reunira com tanto esforço, e em jurar lealdade ao rei da Espanha, aquele monarca distante e invisível cujo poder Cortés representava. Comentando a cerimônia, o cronista espanhol Fernando de Oviedo relata que Montezuma chorou o tempo todo, e, apontando a diferença entre o encargo que é aceito voluntariamente por uma pessoa livre e o que é pesarosamente executado por alguém acorrentado, Oviedo cita o poeta romano Marcus Varro, “O que é entregue à força não é serviço, mas espoliação”. No contexto do parágrafo acima, é aceitável – por resguardar o sentido original – a substituição de (A) (linha 7) Comentando por "Mesmo ao comentar". (B) (linhas 8 e 9) o tempo todo por "intermitentemente". (C) (linha 10) voluntariamente por "obstinadamente". (D) (linha 10) o por "aquilo". (E) (linha 11) acorrentado por "subjugado". Comentário: A alternativa (A) está errada, pois a oração “Comentando a cerimônia” tem valor adverbial de tempo, assim não pode ser inserida a preposição de valor adverbial concessivo “Mesmo”. A alternativa (B) está errada, pois “o tempo todo” é o mesmo que “ininterruptamente”, sentido não conservado pelo advérbio “intermitentemente”, que significa “com interrupção”, “não contínuo”. A alternativa (C) está errada, pois “voluntariamente” significa “agir de de maneira espontânea, por sua própria vontade”. Já “obstinadamente” tem sentido diferente, significa agir de maneira pertinaz, relutante, firme, irredutível. A alternativa (D) está errada, pois o pronome demonstrativo “o” retoma
  29. 29. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 29 o substantivo “encargo” (linha 9), por isso podemos substituir “o” por “aquele”, isto é, “aquele encargo”. A alternativa (E) é a correta, pois “acorrentado” é o mesmo que “preso”. Neste contexto, podemos entender que “alguém acorrentado” é aquele que está subjugado ao poder de outrem. Gabarito: E Questão 43: Prefeitura São Paulo 2009 Agente Fiscal de Rendas Fragmento do texto: Segundo todos os testemunhos, o tesouro real asteca era magnífico e ao ser reunido diante dos espanhóis formou três grandes pilhas de ouro compostas, em grande parte, de utensílios requintados, que sugeriam sofisticadas cerimônias sociais: colares intrincados, braceletes, cetros e leques decorados com penas multicoloridas, pedras preciosas, pérolas, pássaros e flores cuidadosamente cinzelados. Essas peças, segundo o próprio Cortés, “além de seu valor, eram tais e tão maravilhosas, que, consideradas por sua novidade e estranheza, não tinham preço, nem é de acreditar que algum entre todos os Príncipes do Mundo de que se tem notícia pudesse tê-las tais, e de tal qualidade”. O segmento que corresponde a uma circunstância de tempo é (A) Segundo todos os testemunhos. (B) o tesouro real asteca era magnífico. (C) ao ser reunido diante dos espanhóis. (D) formou três grandes pilhas de ouro. (E) que sugeriam sofisticadas cerimônias sociais. Comentário: A alternativa (A) está errada, pois o conectivo “Segundo” tem valor adverbial de conformidade. A alternativa (B) está errada, pois não há nenhum elemento que transmita o valor circunstancial de tempo. A alternativa (C) é a correta, pois a oração “ao ser reunido diante dos espanhóis” é subordinada adverbial temporal reduzida de infinitivo, tanto assim que podemos desenvolvê-la. Veja: “..ao ser reunido diante dos espanhóis formou três grandes pilhas de ouro compostas...” “..quando foi reunido diante dos espanhóis formou três grandes pilhas de ouro compostas...” As alternativas (D) e (D) não possuem nenhum termo que possa ser entendido como circunstância de tempo. Gabarito: C Questão 44: BB 2011 Escriturário Fragmento do texto: O exercício da memória, seu exercício mais intenso e mais contundente, é indissociável da presença dos velhos entre nós. Quando ainda não contidos pelo estigma de improdutivos, quando por isso ainda não constrangidos pela impaciência, pelos sorrisos incolores, pela cortesia inautêntica, pelos cuidados geriátricos impessoais, pelo isolamento, quando então ainda não-calados, dedicam-se os velhos, cheios de espontaneidade, à cerimônia da evocação, evocação solene do que mais impressionou suas retinas tão fatigadas, enquanto seus interesses e suas mãos laborosas
  30. 30. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 30 participavam da norma e também do mistério de uma cultura. Na iminência de um temporal, o enorme tronco, que armazena grande quantidade de líquido, dá uma descarga de água para as raízes – resultado da variação atmosférica. O sentido do trecho grifado acima está reproduzido com outras palavras em: (A) Quando se aproxima uma tempestade ... (B) Com a força destruidora das águas ... (C) Para que o temporal venha com força ... (D) Desde que venha a cair uma forte chuva ... (E) Depois de uma forte tempestade ... Comentário: Veja que o adjunto adverbial “Na iminência de um temporal” é traduz valor de tempo, e o substantivo “iminência” transmite ideia de algo que está por ocorrer. Assim, por transmitir valor de tempo, eliminamos as alternativas (B): causa; (C): finalidade; (D): condição. Como entendemos que é algo que está por ocorrer, então eliminamos alternativa (E), sobrando a alternativa (A), como correta. Perceba que esta questão está trabalhando a transformação do adjunto adverbial numa oração subordinada adverbial. Gabarito: A Questão 45: Prefeitura São Paulo 2007 Auditor-Fiscal Trib Mun (ISS-SP) Fragmento do texto: Para garantia do cumprimento dos princípios, instituem-se as sanções para quem os ignore. A penalidade aplicada ao indivíduo transgressor é a garantia da validade social da norma transgredida. Por isso, a impunidade, uma vez manifesta, quebra inteiramente a relação de equilíbrio entre direitos e deveres comuns, e passa a constituir um exemplo de delito vantajoso: aquele em que o sujeito pode tirar proveito pessoal de uma regra exatamente por tê-la infringido. Julgue esta afirmativa como CERTA (C) ou ERRADA (E) Considerando-se o contexto, deve-se entender que o sentido do elemento sublinhado em (...) a impunidade, uma vez manifesta, quebra inteiramente a relação de equilíbrio é equivalente ao de quando. Comentário: Note que o contexto nos permite substituir “uma vez” por “quando”. Veja: Por isso, a impunidade, uma vez manifesta, quebra inteiramente a relação de equilíbrio entre direitos e deveres comuns... Por isso, a impunidade, quando manifesta, quebra inteiramente a relação de equilíbrio entre direitos e deveres comuns... Assim, conservou-se o valor temporal e a afirmativa está correta. Gabarito: C Questão 46: TRT 16R 2009 técnico Fragmento do texto: Dois cientistas russos sustentam, embasados na metodologia da bomba biótica, que as florestas são responsáveis pela criação dos ventos e a distribuição da chuva ao redor do planeta – como uma espécie de coração que bombeia a umidade. Esse modelo questiona a meteorologia convencional, que explica a movimentação do ar sobretudo pela diferença de
  31. 31. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 31 temperatura entre os oceanos e a terra. Ao falarem de chuva aqui e de seca acolá, eles acabam falando de um dos mais atuais e globalizados temas: a devastação das matas. Ao falarem de chuva ... A frase acima está corretamente transcrita, sem alteração do sentido original, em: (A) Quando falam de chuva ... (B) À medida que falam de chuva ... (C) Como falam de chuva ... (D) Visto que falam de chuva ... (E) Conquanto falem de chuva ... Comentário: Note que “Ao falarem de chuva” é uma oração subordinada adverbial temporal reduzida de infinitivo; por isso se pode substituir pela oração desenvolvida “Quando falam de chuva”. Como foi inserida a conjunção “Quando”, naturalmente o verbo deixa de estar na forma nominal infinitivo (falarem) para se conjugar em modo e tempo verbal (falam). Gabarito: A Questão 47: Sec Seg PB 2008 Médio Fragmento do texto: Quem acompanhou a trajetória do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), lançado em 1975 como resposta brasileira às crises do petróleo de 1973 e 1979, sabe de seus altos e baixos. Nos primeiros dez anos a produção nacional de álcool etílico deu um salto considerável. A oferta de combustível mais barato e os estímulos fiscais fizeram crescer exponencialmente as vendas de carros a álcool, que chegaram a responder por 90% do mercado. Mas, passada a crise do petróleo, as pressões dos produtores por reajustes e a crescente desconfiança do consumidor com relação ao futuro do Proálcool provocaram a queda das vendas desses veículos, que se tornaram residuais. Carros a álcool usados perderam valor de revenda. Mas, passada a crise do petróleo, as pressões dos produtores por reajustes ... O sentido do segmento grifado acima está transposto corretamente, em outras palavras, em: (A) No entanto, conforme se passava a crise de petróleo ... (B) Caso, contudo, se passasse a crise de petróleo ... (C) Senão, enquanto se passava a crise de petróleo ... (D) À medida, conquanto, que se passava a crise de petróleo ... (E) Porém, depois que passou a crise de petróleo ... Comentário: Veja que a conjunção “Mas” iniciou um período coordenado ao anterior e possui valor de oposição. Dentro desse enunciado, há outro intercalado: “passada a crise do petróleo”. Esta oração é subordinada adverbial temporal reduzida de particípio. A banca FCC quis apenas que você notasse que poderíamos desenvolver esta oração temporal para “depois que passou a crise do petróleo” e que a troca da conjunção “Mas” por “Porém” mantém o mesmo valor semântico. Gabarito: E
  32. 32. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 32 Questão 48: BB 2006 Escriturário Fragmento do texto: O exercício da memória, seu exercício mais intenso e mais contundente, é indissociável da presença dos velhos entre nós. Quando ainda não contidos pelo estigma de improdutivos, quando por isso ainda não constrangidos pela impaciência, pelos sorrisos incolores, pela cortesia inautêntica, pelos cuidados geriátricos impessoais, pelo isolamento, quando então ainda não-calados, dedicam-se os velhos, cheios de espontaneidade, à cerimônia da evocação, evocação solene do que mais impressionou suas retinas tão fatigadas, enquanto seus interesses e suas mãos laborosas participavam da norma e também do mistério de uma cultura. No texto, a expressão Quando (linha 2) equivale a (A) enquanto. (B) apesar de que. (C) embora. (D) como. (E) como se. Comentário: A conjunção “Quando” transmite valor temporal. A única conjunção com esse valor nas alternativas é “enquanto”. A locução conjuntiva “apesar de que” e a conjunção “embora” são concessivas; a conjunção “como” e “como se” são comparativas. Gabarito: A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE A Fundação Carlos Chagas tem cobrado insistentemente a relação de causalidade. Por isso, é importante aprofundarmos o que é causa e consequência. Causa – aquilo que faz com que uma coisa exista (origem, ocorre temporalmente antes). Consequência – efeito, resultado. Um fato pode ser em relação a outro a causa ou a consequência. Observe os fatos seguintes e a relação existente entre eles. Causa: Não só as conjunções estabelecem a relação de causa, muitas palavras da língua portuguesa também estabelecem essa relação. Desemprego nos centros urbanos Surgimento das favelas Relação de causalidade Causa Consequência
  33. 33. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 33 Causa Substantivos causa, motivo, razão, explicação, pretexto, base, fundamento, gênese, origem, o porquê etc. Verbos causar, gerar, acarretar, originar, provocar, motivar, permitir etc. Locuções prepositivas por, em virtude de, em razão de, por causa de, em vista de, por motivo de, decorrente de, devido a etc. Conjunções e locuções conjuntivas porque, pois, já que, visto que, uma vez que, porquanto, como etc. Consequência: Para indicar a consequência, a língua portuguesa oferece várias possibilidades. Consequência Substantivos efeito, produto, decorrência, fruto, reflexo, desfecho, desenlace, etc. Verbos derivar de, vir de, resultar de, ser resultado de, ter origem em, decorrer de, provir de, etc. Locuções prepositivas Conjunções e locuções conjuntivas por isso, por consequência, portanto, por conseguinte, consequentemente, logo, então, por causa disso, em virtude disso, devido a isso, em vista disso, visto isso, à conta disso, como resultado, em conclusão, em suma, em resumo, enfim, tanto...que, tal...que, tamanho...que, de modo que, de jeito que etc. Questão 49: TCE-PB – 2006 – Assistente Jurídico Essa “inteligência” é possível graças a sistemas computadorizados que cruzam informações... O segmento grifado acima aparece reescrito com outras palavras, porém conservando o sentido original, da seguinte maneira: (A) embora existam sistemas computadorizados. (B) devido à existência de sistemas computadorizados. (C) conquanto existam sistemas computadorizados. (D) caso seja possível a existência de sistemas computadorizados. (E) de modo que possam existir sistemas computadorizados. Comentário: A estrutura adverbial “graças a sistemas computadorizados” possui valor adverbial de causa; mas note que as conjunções “embora” e “conquanto” transmitem valor adverbial de concessão. Portanto, eliminamos as alternativas (A) e (C). A conjunção “caso” é adverbial condicional, assim eliminamos a alternativa (D). A locução conjuntiva “de modo que” é adverbial consecutiva. Assim, também eliminamos a alternativa (E). Por fim, percebemos que a expressão “devido à existência de sistemas computadorizados” mantém o valor adverbial de causa. Gabarito: B
  34. 34. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 34 Questão 50: TCE-MA – 2005 – Analista de Controle Externo Aponta-se no texto relação de causa e conseqüência entre os segmentos: (A) Com as agravantes do desmatamento e do aquecimento global, / a seca na Amazônia ganha alguns contornos de novidade... (B) ... a atual redução das chuvas se encaixa / no padrão de ciclos observado na Amazônia no último século. (C) Os regimes de chuvas ao norte e ao sul do Rio Amazonas / se têm alternado, em ciclos de três décadas, ao longo de 120 anos. (D) ... a região pode estar começando um novo ciclo de 10% a 15% a menos de chuva, / assim como aconteceu no início do século XX. (E) ... que se trata de variações médias ao longo de três décadas, e não de ano a ano, / quando o comportamento pode ser bem diferente. Comentário: A alternativa (A) é a correta, pois a expressão “Com as agravantes do desmatamento e do aquecimento global” é o adjunto adverbial de causa, por isso a oração “a seca na Amazônia ganha alguns contornos de novidade” passa a ter o valor de consequência, efeito. Note que podemos transformar esse adjunto adverbial numa oração adverbial causal. Veja: Uma vez que há agravantes do desmatamento e do aquecimento global, a seca na Amazônia ganha alguns contornos de novidade... A alternativa (B) está errada, porque há simplesmente a relação do verbo transitivo indireto “encaixa” com o seu objeto indireto “no padrão de ciclos”. A alternativa (C) está errada, porque o primeiro fragmento é o sujeito do verbo “têm”, que se encontra no segundo fragmento. A alternativa (D) está errada, pois a locução conjuntiva “assim como” tem valor adverbial comparativo. A alternativa (E) está errada, pois a conjunção “quando” tem valor adverbial temporal. Gabarito: A Questão 51: Prefeitura Santos 2006 Fiscal de Tributos Municipais Fragmento do texto: Penso nessa jovem e bela mãe que tem nos braços seu primeiro filho varão. É o quadro eterno, de insuperável, solene e doce beleza, a madona e o bambino. Poderia ver ao lado, de pé, sério, o vulto do pai. Mas esse vulto é pouco nítido, quase apenas uma sombra que vai sumindo. Ele não tem mais importância. Desde seu último gemido de amor entrou em estranha agonia metafísica. Seu próprio ser já não tem mais sentido, ele o passou além. A mãe é necessária, sua agonia é mais lenta e bela, ela dará seu leite, sua própria substância, seu calor e seu beijo; e à medida que for se dando a esse novo varão, ele irá crescendo e se afirmando, até deixá-la para um canto como um trapo inútil. Entre as frases /A mãe é necessária/ e /sua agonia é mais lenta e bela/ pode- se colocar, para explicitar a relação de sentido que elas mantêm entre si, a expressão (A) nem assim. (B) e por isso. (C) desde que.
  35. 35. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 35 (D) mesmo porque. (E) ainda quando. Comentário: Com esta questão, a banca queria que o candidato percebesse que a estrutura “A mãe é necessária, sua agonia é mais lenta e bela...” é coordenada assindética aditiva, por isso a vírgula é obrigatória. Mas, além disso, percebe-se uma relação de efeito, resultado: a mãe, sendo necessária, acaba por ter uma agonia mais lenta e bela. Esse é o motivo de podermos inserir, após a conjunção aditiva, a expressão “por isso”. Alguns gramáticos entendem esta última expressão como uma locução adverbial de causa (retoma a expressão anterior como causa: por ser a mãe necessária...), outros como uma simples conjunção coordenativa conclusiva. Assim, não importa o nome do conectivo, mas seu valor semântico preserva a causalidade (fato e efeito, respectivamente). Gabarito: B Questão 52: TCE GO 2009 Analista de Controle Externo A respeito do termo etnia Por etnia entende-se um grupo de pessoas que partilham vários atributos, como espaço geográfico, língua, costumes e valores, e que reivindicam para si o mesmo nome étnico e a mesma ascendência. Mas sempre há nisso grande dose de subjetividade. Daí ser difícil estabelecer fronteiras claras entre as etnias e quantificar os grupos étnicos existentes no planeta. A língua, por exemplo, que parece um critério objetivo, não é suficiente para determinar diversas etnias, se tomada isoladamente, pois muitos grupos étnicos usam o mesmo idioma. O moderno conceito de etnia desenvolveu-se no século XX, em oposição às teorias racistas que evocavam argumentos de ordem biológica para justificar a dominação de um grupo humano sobre outros. A ciência considera incorreto falar em diferentes raças quando se trata de seres humanos. Todos os homens pertencem ao gênero Homo e à espécie Homo sapiens. Eventuais variações genéticas são mínimas e insuficientes para configurar diferenciações raciais. Os homens agrupam-se socialmente, e as semelhanças e diferenças que estabelecem entre si decorrem de processos históricos, sempre culturais, jamais naturais. Fundamentalmente, um indivíduo pertence a determinada etnia porque acredita nisso, e tal crença é compartilhada pelos demais indivíduos que compõem o mesmo grupo. A existência de vários grupos étnicos no interior das mesmas fronteiras nacionais é uma situação comum, pois as populações humanas não são homogêneas, em razão das migrações no decorrer da história. Mas as diferenças étnicas, em diversos casos, são manipuladas para acirrar conflitos de fundo político ou econômico. O próprio conceito de raça humana, há muito não admitido pela antropologia moderna, serviu (e por vezes ainda serve) de pretexto para justificar as mais cruéis manifestações de preconceito, violência e barbárie. (Adaptado do Almanaque Abril Cultural 2009, p. 123) Representam uma causa e seu efeito, respectivamente, os seguintes segmentos do texto:
  36. 36. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 36 (A) (...) grupo de pessoas que partilham vários atributos / há nisso grande dose de subjetividade. (1º parágrafo) (B) Daí ser difícil estabelecer fronteiras claras / a língua (...) parece um critério objetivo. (1º parágrafo) (C) O moderno conceito de etnia desenvolveu-se no século XX / em oposição às teorias racistas. (2º parágrafo) (D) (...) um indivíduo pertence a determinada etnia porque acredita nisso / e tal crença é compartilhada pelos demais indivíduos. (3º parágrafo) (E) (...) migrações no decorrer da história / as populações humanas não são homogêneas. (4º parágrafo) Comentário: Nesta questão, o candidato tem que voltar ao texto, pois as frases das alternativas não estão completas. Assim, devemos buscar no texto os conectivos, para compreender a relação semântica entre os segmentos. A alternativa (E) é a correta, pois, no 4° parágrafo, a estrutura “as populações humanas não são homogêneas, em razão das migrações no decorrer da história” possui o adjunto adverbial de causa, iniciado pela locução prepositiva “em razão de”. Note que a alternativa (E) alterou a ordenação dos termos, justamente porque o pedido da questão enfatizou que a relação seria de causa e efeito respectivamente. Assim, “em razão das migrações no decorrer da história” é a causa e “as populações humanas não são homogêneas” é o efeito, a consequência. A alternativa (A) está errada, pois, entre os dois segmentos, que se encontram no primeiro parágrafo, não há conectivos de causalidade. Há simplesmente no segundo trecho uma caracterização, um julgamento do autor. A alternativa (B) está errada, pois, entre os dois segmentos, não há relação direta, muito menos uma relação de causalidade. A alternativa (C) está errada, pois a expressão “em oposição às” marca uma oposição, e não uma causalidade. A alternativa (D) está errada, pois, entre os dois segmentos, há uma relação de adição, expressa pela conjunção “e”. Gabarito: E Questão 53: TCE CE 2008 Analista de Controle Externo O espírito das leis − O mais difícil, em certos processos, não é julgar os fatos expostos. É julgar os fatos ocultos. Foi o que ouvi, há muito tempo, quando eu ainda pensava em fazer Direito, de um parente juiz. Estranhei a expressão “fatos ocultos”, que me cheirou a esoterismo, mas ele explicou: − A gente costuma estudar um caso, avaliar as razões das partes, pesar os dados levantados, consultar minuciosamente a legislação e a jurisprudência, para, enfim, dar a sentença. Mas há situações em que a intuição e a experiência de um juiz fazem-no sentir que a verdade profunda do caso não foi exposta. Por vezes, ao ouvir os litigantes, esse sentimento cresce ainda mais. Aí a tarefa fica difícil. Objetivamente, um juiz não pode ignorar o que está nos autos; subjetivamente, no entanto, ele sabe que há mais complexidade na situação a ser julgada do que fazem ver as palavras do
  37. 37. PORTUGUÊS P/ INSS (QUESTÕES COMENTADAS) PROFESSOR TERROR Prof. Décio Terror www.pontodosconcursos.com.br 37 processo. Esses são os fatos ocultos; essa é a verdade que sofreu um processo de camuflagem da parte do impetrante, do impetrado ou de ambos. − E o que faz você numa situação dessa? − Ele parou de falar por um tempo, dando a impressão de que não iria responder. Mas acabou esclarecendo: − Aplico a lei, naturalmente. É tudo o que devo e posso fazer. No entanto, para isso preciso também sentir o que se entende por espírito da lei, aquilo que nem sempre está nela explicitado com todas as letras, mas constitui, sem qualquer dúvida, o que a justifica e a legitima em sua profundidade. Como vê, às vezes julgo fatos ocultos com o concurso do espírito... Foi uma manifestação de bom humor, não um gracejo; foi uma lição que me ficou, que me parece útil para muitas situações da nossa vida. (Etelvino Corrêa e Souza, inédito) Há uma relação de causa e efeito entre os seguintes segmentos: (A) O mais difícil, em certos processos / não é julgar os fatos expostos. (B) ao ouvir os litigantes, esse sentimento cresce ainda mais / a tarefa fica difícil. (C) Foi o que ouvi / eu ainda pensava em fazer Direito. (D) às vezes julgo fatos ocultos / com o concurso do espírito. (E) aquilo que nem sempre está nela explicitado com todas as letras / mas constitui (...) o que a justifica e a legitima. Comentário: Esta é outra questão em que devemos procurar os segmentos no texto, para encontrarmos os conectivos. Assim, grife no texto as expressões, preste atenção na ordenação desses termos e verifique se os conectivos identificam a relação de causa e efeito. A alternativa correta é a (B), pois a estrutura “Por vezes, ao ouvir os litigantes, esse sentimento cresce ainda mais. Aí a tarefa fica difícil.” nos esclarece que o fato de ouvir os litigantes motiva o crescimento desse sentimento, e isso faz a tarefa ficar difícil. Assim, o conectivo “Aí” nos apresenta e reforça a ideia de consequência, naturalmente a expressão anterior é a causa. A questão omitiu este conectivo apenas para dificultar nossa vida!!!!... A alternativa (A) está errada, pois, entre as expressões “não é julgar os fatos expostos” e “O mais difícil, em certos processos” há apenas uma caracterização. Isso é fácil de perceber, porque há o verbo de ligação “é”. A alternativa (C) está errada, pois na estrutura “Foi o que ouvi, há muito tempo, quando eu ainda pensava em fazer Direito”, há uma relação de tempo, e não de causalidade. A alternativa (D) está errada, pois expressão “com o concurso do espírito” é apenas o adjunto adverbial de modo, pois transmite o modo como julga fatos ocultos. A alternativa (E) está errada, pois a conjunção coordenativa adversativa “mas” transmite o valor de contraste, oposição. Gabarito: B Questão 54: TCE-PB – 2006 – Assistente Jurídico O elemento sublinhado tem valor causal em:

×