SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
O ENEM NA SALA DE AULA Profa.  Mestre Lia Gonzalez " Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." (Cora Coralina)
Portaria 109 – INEP ENEM - 2009
I. Auto-avaliação; II. Seleção para o mercado de trabalho; III. Acesso a cursos Superiores; IV. Acesso a programas governamentais; V. Certificação do Ensino Médio;  VI. Avaliação de desempenho de escolas; VII. Avaliação de estudantes ingressantes no curso superior.
x Matriz de Referência – Novo Enem x Velho ENEM
 
5 EIXOS COGNITIVOS SUBCOMPETÊNCIAS 30 HABILIDADES
Matriz de Referência – Novo Enem
Matriz de Referência – Novo Enem
Matriz de Referência – Novo Enem
Matriz de Referência – Novo Enem
Matriz de Referência – Novo Enem
Matriz de Referência – Novo Enem
Matriz de Referência – Novo Enem
CONSTRUÇÃO DAS AVALIAÇÕES
[object Object],O que é a Teoria da Resposta ao Item?
Como funciona a TRI? ,[object Object],[object Object]
[object Object]
Habilidades de leitura ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Técnicas ,[object Object],[object Object],[object Object]
Algumas questões de língua portuguesa que contemplam as competências e habilidades exigidas na prova do Enem 2010. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
Domínio de linguagens  ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Compreensão de fenômenos ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Compreensão de fenômenos ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Domínio de linguagens ,[object Object],[object Object]
 
Situação-problema ,[object Object]
 
III. enfrentamento e resolução de situações-problema
A coleta de lixo constitui o ganha-pão de cerca de 500 mil catadores em todo o País. Porém, a queda do dólar tem aumentado a desvalorização do alumínio, que tem cotação internacional. Para manter os rendimentos mensais, uma cooperativa de catadores deverá aumentar em 20% a coleta. Como sempre enchem as carroças, os catadores resolveram modificar a altura delas para aumentar a coleta. A altura da nova carroça deverá ter,  em metros, (A) 1,10. (B) 1,20. (C) 2,10. (D) 2,20. (ENCCEJA – 2005)
IV. Capacidade de argumentação H9 –Utilizar conhecimentos geométricos de espaço e forma na seleção de argumentos propostos como solução de problemas do cotidiano
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],(Livro do Estudante – Encceja ) Matemática e suas tecnologias : livro do estudante : ensino médio / Coordenação : Zuleika de Felice Murrie. — 2. ed. — Brasília : MEC : INEP, 2006.
 
 
(ENEM 2009)  Prova cancelada  Semelhança de triângulos
M5 – Modelar e resolver problemas que envolvem variáveis socioecônomicas ou técnico-científicas, usando representações algébricas.
Documento: Enem 2009. Disponível em:  http://public.inep.gov.br/enem/Enem2009_matematica.pdf
M6 – Interpretar informações de natureza científica e social obtidas da leitura de gráficos e tabelas, realizando previsão de tendência, extrapolação, interpolação e interpretação. III. enfrentamento e resolução de situações-problema
(ENEM 2010)  2º dia
 
M1 - Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis nos processos de produção e no desenvolvimento econômico e social da humanidade. H1 -  Reconhecer  característica ou propriedades de fenômenos ondulatórios ou oscilatórios, relacionando-os a seus usos em diferentes contexto.
(ENEM)Um dos modelos usados na caracterização dos sons ouvidos pelo ser humano baseia-se na hipótese de que ele funciona como um tubo ressonante. Neste caso, os sons externos produzem uma variação de pressão do ar no interior do canal auditivo, fazendo a membrana (tímpano) vibrar. Esse modelo pressupõe que o sistema funciona de forma equivalente à propagação de ondas sonoras em tubos com uma das extremidades fechadas pelo tímpano. As frequências que apresentam ressonância com o canal auditivo têm sua intensidade reforçada, enquanto outras podem ter sua intensidade atenuada.
Considere que, no caso de ressonância, ocorra um nó sobre o tímpano e ocorra um ventre da onda na saída do canal auditivo, de comprimento  L  igual a 3,4 cm. Assumindo que a velocidade do som no ar ( v ) é igual a 340 m/s, a frequência do primeiro harmônico (frequência fundamental, n = 1) que se formaria no canal, ou seja, a frequência mais baixa que seria reforçada por uma ressonância no canal auditivo, usando este modelo é (A)  0,025 kHz, valor que considera a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/4L e equipara o ouvido a um tubo com ambas as extremidades abertas. (B)  2,5 kHz, valor que considera a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/4L e equipara o ouvido a um tubo com uma extremidade fechada. (C)  10 kHz, valor que considera a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/L e equipara o ouvido a um tubo com ambas as extremidades fechadas. (D)  2.500 kHz, valor que expressa a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/L, aplicável ao ouvido humano. (E)  10.000 kHz, valor que expressa a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/L, aplicável ao ouvido e a tubo aberto e fechado.
H21-  Utilizar  leis físicas e (ou) químicas para interpretar processos naturais ou tecnológicos inseridos no contexto da termodinâmica e (ou) do eletromagnetismo M6 - Apropriar-se de conhecimentos da física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas .
(ENCCEJA)Durante uma tempestade, quando ocorrem descargas elétricas atmosféricas (raios) é aconselhável, como uma das medidas de segurança, que se entre em um automóvel. A recomendação acima deve ser levada em consideração porque: (a) o automóvel é uma “gaiola” metálica e impede a circulação de corrente elétrica em seu interior. (b) uma descarga elétrica não pode atingir o automóvel, que está completamente isolado do solo pelos pneus. (c) a antena do rádio do automóvel funciona como um pára-raios. (d) o metal do automóvel atrai as cargas elétricas do raio, que são anuladas pelos elétrons livres presentes no ferro.
M5 - Entender métodos e procedimentos próprios das ciências naturais e aplicá-los a diferentes contextos. H18 - Relacionar propriedades físicas, químicas ou biológicas de produtos, sistemas ou procedimentos tecnológicos às finalidades a que se destinam.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Com base nos destaques da observação dos alunos, quais operações físicas de separação de materiais foram realizadas nas etapas de beneficiamento da cana-de-açúcar? (a) Separação mecânica, extração, decantação. (b) Separação magnética, combustão, filtração. (c) Separação magnética, extração, filtração. (d) Imantação, combustão, peneiração. (e) Imantação, destilação, filtração
M3 - Associar intervenções que resultam em degradação ou conservação ambiental a processos produtivos e sociais e a instrumentos ou ações científico-tecnológicos. H12 - Avaliar impactos em ambientes naturais decorrentes de atividades sociais ou econômicas, considerando interesses contraditórios.
(ENEM) A figura a seguir ilustra as principais fontes de emissões mundiais de gás carbônico, relacionando-as a nossas compras domésticas (familiares).
Com base nas informações da figura, é observado que as emissões de gás carbônico estão diretamente ligadas às compras domésticas. Deste modo, deduz-se das relações de produção e consumo apresentadas que (a) crescimento econômico e proteção ambiental são políticas públicas incompatíveis. (b) a redução da atividade industrial teria pouco impacto nas emissões globais de gás carbônico. (c) os fluxos de carbono na biosfera não são afetados pela atividade humana, pois são processos cíclicos. (d) a produção de alimentos, em seu conjunto, é diretamente responsável por 17% das emissões de gás carbônico. (e) haveria decréscimo das emissões de gás carbônico se o consumo ocorresse em áreas mais próximas da produção.
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Exemplo 1 (Fonte: Disponível em: < http://images.google.com.br >. Acesso em: 25 fev. 2010)
Parte IV
CONSTRUÇÃO DE ITENS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],O MEU QUASE SEMPRE COMEÇA COM UMA IMAGEM
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Observe que esta sequência de imagens permite abordar  conceitos de imagens produzidas por lentes esféricas.
Qual a diferença entre itens e questões? O item é uma questão que passou por um processo de pré-testagem e por uma análise estatística de resultados, demonstrando que tem um bom poder de discriminação.  Provas elaboradas a partir de itens permitem a comparação de populações diferentes no tempo e no espaço.
 
 
[object Object],[object Object]
Contato: Lia Gonzalez Tel. (11) 7542-9658 e-mail: pedagogicogovernosp02@moderna.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticaisSegunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
Caderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologias
Caderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologiasCaderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologias
Caderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108
Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108
Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108
Simone Machado
 
Questões comuns comentadas posteriores portugues pg21
Questões comuns comentadas posteriores   portugues pg21Questões comuns comentadas posteriores   portugues pg21
Questões comuns comentadas posteriores portugues pg21
kisb1337
 
Descritores prova brasil l.port. 2013
Descritores prova brasil l.port. 2013Descritores prova brasil l.port. 2013
Descritores prova brasil l.port. 2013
smece4e5
 
Gabarito 2o simulado-sas-enem_2o_dia
Gabarito 2o simulado-sas-enem_2o_diaGabarito 2o simulado-sas-enem_2o_dia
Gabarito 2o simulado-sas-enem_2o_dia
Isaquel Silva
 

Mais procurados (17)

Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticaisSegunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
 
Caderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologias
Caderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologiasCaderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologias
Caderno de exercícios de linguagens – códigos e suas tecnologias
 
Corpobras:um corpus representativo do portugues do brasil
Corpobras:um corpus representativo do portugues do brasilCorpobras:um corpus representativo do portugues do brasil
Corpobras:um corpus representativo do portugues do brasil
 
UFT 2010 objetiva
 UFT 2010 objetiva UFT 2010 objetiva
UFT 2010 objetiva
 
Enem 2014, Compreensão textual
Enem 2014, Compreensão textualEnem 2014, Compreensão textual
Enem 2014, Compreensão textual
 
Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108
Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108
Lingua portuguesa final_210x270mm_cg_211108
 
Sinais
SinaisSinais
Sinais
 
Língua portuguesa conhecimentos gramaticais (1)
Língua portuguesa   conhecimentos gramaticais (1)Língua portuguesa   conhecimentos gramaticais (1)
Língua portuguesa conhecimentos gramaticais (1)
 
Questões comuns comentadas posteriores portugues pg21
Questões comuns comentadas posteriores   portugues pg21Questões comuns comentadas posteriores   portugues pg21
Questões comuns comentadas posteriores portugues pg21
 
Descritores prova brasil l.port. 2013
Descritores prova brasil l.port. 2013Descritores prova brasil l.port. 2013
Descritores prova brasil l.port. 2013
 
Uninorte juridico_#4
Uninorte juridico_#4Uninorte juridico_#4
Uninorte juridico_#4
 
Gabarito 2o simulado-sas-enem_2o_dia
Gabarito 2o simulado-sas-enem_2o_diaGabarito 2o simulado-sas-enem_2o_dia
Gabarito 2o simulado-sas-enem_2o_dia
 
Trab de port 1º ano
Trab de port 1º anoTrab de port 1º ano
Trab de port 1º ano
 
Cesgranrio 2012-petrobras-engenheiro-civil-junior-2012-prova
Cesgranrio 2012-petrobras-engenheiro-civil-junior-2012-provaCesgranrio 2012-petrobras-engenheiro-civil-junior-2012-prova
Cesgranrio 2012-petrobras-engenheiro-civil-junior-2012-prova
 
Análise textual av1
Análise textual av1Análise textual av1
Análise textual av1
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 3º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Fgv 2014-prefeitura-de-recife-pe-analista-de-controle-interno-obras-publicas-...
Fgv 2014-prefeitura-de-recife-pe-analista-de-controle-interno-obras-publicas-...Fgv 2014-prefeitura-de-recife-pe-analista-de-controle-interno-obras-publicas-...
Fgv 2014-prefeitura-de-recife-pe-analista-de-controle-interno-obras-publicas-...
 

Semelhante a Enem na sala de aula

Pet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunhaPet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
MariaLusadeJesusRodo1
 
prova_professor_fundamental_parnarama.pdf
prova_professor_fundamental_parnarama.pdfprova_professor_fundamental_parnarama.pdf
prova_professor_fundamental_parnarama.pdf
MarcosCoelho80
 
Redação nota 1000 no enem 2009
Redação nota 1000 no enem 2009Redação nota 1000 no enem 2009
Redação nota 1000 no enem 2009
ma.no.el.ne.ves
 
Redação nota 1000 no enem 2012, 02
Redação nota 1000 no enem 2012, 02Redação nota 1000 no enem 2012, 02
Redação nota 1000 no enem 2012, 02
ma.no.el.ne.ves
 
Redação nota 1000 no enem 2012
Redação nota 1000 no enem 2012Redação nota 1000 no enem 2012
Redação nota 1000 no enem 2012
ma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a Enem na sala de aula (20)

00 port epro_did
00 port epro_did00 port epro_did
00 port epro_did
 
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunhaPet português instrumental e e geraldino r cunha
Pet português instrumental e e geraldino r cunha
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
Dicas para o ENEM e outros vestibulares
Dicas para o ENEM e outros vestibularesDicas para o ENEM e outros vestibulares
Dicas para o ENEM e outros vestibulares
 
prova_professor_fundamental_parnarama.pdf
prova_professor_fundamental_parnarama.pdfprova_professor_fundamental_parnarama.pdf
prova_professor_fundamental_parnarama.pdf
 
Gabarito at'2 9º
Gabarito at'2 9ºGabarito at'2 9º
Gabarito at'2 9º
 
Análise das questões da prova do IFRJ (2011)- Língua Inglesa (Thaís Duarte)
Análise das questões da prova do IFRJ (2011)- Língua Inglesa (Thaís Duarte)Análise das questões da prova do IFRJ (2011)- Língua Inglesa (Thaís Duarte)
Análise das questões da prova do IFRJ (2011)- Língua Inglesa (Thaís Duarte)
 
produção textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptxprodução textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptx
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
 
Simulado assistente-em-administr aca-o-ufpe
Simulado assistente-em-administr aca-o-ufpeSimulado assistente-em-administr aca-o-ufpe
Simulado assistente-em-administr aca-o-ufpe
 
Redação nota 1000 no enem 2009
Redação nota 1000 no enem 2009Redação nota 1000 no enem 2009
Redação nota 1000 no enem 2009
 
1prportugues1ano (1)
1prportugues1ano (1)1prportugues1ano (1)
1prportugues1ano (1)
 
1prportugues1ano
1prportugues1ano1prportugues1ano
1prportugues1ano
 
Simulado l. c.
Simulado l. c.Simulado l. c.
Simulado l. c.
 
Redação nota 1000 no enem 2012, 02
Redação nota 1000 no enem 2012, 02Redação nota 1000 no enem 2012, 02
Redação nota 1000 no enem 2012, 02
 
Redação nota 1000 no enem 2012
Redação nota 1000 no enem 2012Redação nota 1000 no enem 2012
Redação nota 1000 no enem 2012
 
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdfPDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Projeto Educação - Papo de Universitário
Projeto Educação - Papo de UniversitárioProjeto Educação - Papo de Universitário
Projeto Educação - Papo de Universitário
 
Prova monitor-ciencias - tipo 2
Prova   monitor-ciencias - tipo 2Prova   monitor-ciencias - tipo 2
Prova monitor-ciencias - tipo 2
 

Mais de telasnorte1

Reposição efap
Reposição efapReposição efap
Reposição efap
telasnorte1
 
Projeto slides candinho 2
Projeto slides candinho 2Projeto slides candinho 2
Projeto slides candinho 2
telasnorte1
 
Projeto informação
Projeto informaçãoProjeto informação
Projeto informação
telasnorte1
 
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexãoPesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
telasnorte1
 
De norte 1 classificados poéticos
De norte 1 classificados poéticosDe norte 1 classificados poéticos
De norte 1 classificados poéticos
telasnorte1
 
Apresentação jornal
Apresentação jornalApresentação jornal
Apresentação jornal
telasnorte1
 
Narrativas de aventura
Narrativas de aventuraNarrativas de aventura
Narrativas de aventura
telasnorte1
 
Portfólio para o instituto unibanco slide automatico
Portfólio para o instituto unibanco slide automaticoPortfólio para o instituto unibanco slide automatico
Portfólio para o instituto unibanco slide automatico
telasnorte1
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
telasnorte1
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
telasnorte1
 
Procedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provas
Procedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provasProcedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provas
Procedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provas
telasnorte1
 
Caracteristicas do saresp_2011
Caracteristicas do saresp_2011Caracteristicas do saresp_2011
Caracteristicas do saresp_2011
telasnorte1
 
Curriculo por habilidades e competências
Curriculo por habilidades e competênciasCurriculo por habilidades e competências
Curriculo por habilidades e competências
telasnorte1
 
Saresp 2010 atual[1]
Saresp 2010 atual[1]Saresp 2010 atual[1]
Saresp 2010 atual[1]
telasnorte1
 
Português saresp
Português  sarespPortuguês  saresp
Português saresp
telasnorte1
 

Mais de telasnorte1 (20)

Reposição efap
Reposição efapReposição efap
Reposição efap
 
Projeto slides candinho 2
Projeto slides candinho 2Projeto slides candinho 2
Projeto slides candinho 2
 
Projeto informação
Projeto informaçãoProjeto informação
Projeto informação
 
Profissões
ProfissõesProfissões
Profissões
 
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexãoPesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
 
De norte 1 classificados poéticos
De norte 1 classificados poéticosDe norte 1 classificados poéticos
De norte 1 classificados poéticos
 
Apresentação jornal
Apresentação jornalApresentação jornal
Apresentação jornal
 
Alunos com di
Alunos com diAlunos com di
Alunos com di
 
Narrativas de aventura
Narrativas de aventuraNarrativas de aventura
Narrativas de aventura
 
Debate
DebateDebate
Debate
 
Portfólio para o instituto unibanco slide automatico
Portfólio para o instituto unibanco slide automaticoPortfólio para o instituto unibanco slide automatico
Portfólio para o instituto unibanco slide automatico
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
 
Procedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provas
Procedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provasProcedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provas
Procedimentos de logistica_e_de_aplicacao_das_provas
 
Caracteristicas do saresp_2011
Caracteristicas do saresp_2011Caracteristicas do saresp_2011
Caracteristicas do saresp_2011
 
Curriculo por habilidades e competências
Curriculo por habilidades e competênciasCurriculo por habilidades e competências
Curriculo por habilidades e competências
 
Calculo saresp
Calculo sarespCalculo saresp
Calculo saresp
 
Saresp 2010 atual[1]
Saresp 2010 atual[1]Saresp 2010 atual[1]
Saresp 2010 atual[1]
 
Saresp 2011
Saresp 2011Saresp 2011
Saresp 2011
 
Português saresp
Português  sarespPortuguês  saresp
Português saresp
 

Enem na sala de aula

  • 1. O ENEM NA SALA DE AULA Profa. Mestre Lia Gonzalez &quot; Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.&quot; (Cora Coralina)
  • 2. Portaria 109 – INEP ENEM - 2009
  • 3. I. Auto-avaliação; II. Seleção para o mercado de trabalho; III. Acesso a cursos Superiores; IV. Acesso a programas governamentais; V. Certificação do Ensino Médio; VI. Avaliação de desempenho de escolas; VII. Avaliação de estudantes ingressantes no curso superior.
  • 4. x Matriz de Referência – Novo Enem x Velho ENEM
  • 5.  
  • 6. 5 EIXOS COGNITIVOS SUBCOMPETÊNCIAS 30 HABILIDADES
  • 7. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 8. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 9. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 10. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 11. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 12. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 13. Matriz de Referência – Novo Enem
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.  
  • 33.
  • 34.  
  • 35. III. enfrentamento e resolução de situações-problema
  • 36. A coleta de lixo constitui o ganha-pão de cerca de 500 mil catadores em todo o País. Porém, a queda do dólar tem aumentado a desvalorização do alumínio, que tem cotação internacional. Para manter os rendimentos mensais, uma cooperativa de catadores deverá aumentar em 20% a coleta. Como sempre enchem as carroças, os catadores resolveram modificar a altura delas para aumentar a coleta. A altura da nova carroça deverá ter, em metros, (A) 1,10. (B) 1,20. (C) 2,10. (D) 2,20. (ENCCEJA – 2005)
  • 37. IV. Capacidade de argumentação H9 –Utilizar conhecimentos geométricos de espaço e forma na seleção de argumentos propostos como solução de problemas do cotidiano
  • 38.
  • 39.  
  • 40.  
  • 41. (ENEM 2009) Prova cancelada Semelhança de triângulos
  • 42. M5 – Modelar e resolver problemas que envolvem variáveis socioecônomicas ou técnico-científicas, usando representações algébricas.
  • 43. Documento: Enem 2009. Disponível em: http://public.inep.gov.br/enem/Enem2009_matematica.pdf
  • 44. M6 – Interpretar informações de natureza científica e social obtidas da leitura de gráficos e tabelas, realizando previsão de tendência, extrapolação, interpolação e interpretação. III. enfrentamento e resolução de situações-problema
  • 45. (ENEM 2010) 2º dia
  • 46.  
  • 47. M1 - Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis nos processos de produção e no desenvolvimento econômico e social da humanidade. H1 - Reconhecer característica ou propriedades de fenômenos ondulatórios ou oscilatórios, relacionando-os a seus usos em diferentes contexto.
  • 48. (ENEM)Um dos modelos usados na caracterização dos sons ouvidos pelo ser humano baseia-se na hipótese de que ele funciona como um tubo ressonante. Neste caso, os sons externos produzem uma variação de pressão do ar no interior do canal auditivo, fazendo a membrana (tímpano) vibrar. Esse modelo pressupõe que o sistema funciona de forma equivalente à propagação de ondas sonoras em tubos com uma das extremidades fechadas pelo tímpano. As frequências que apresentam ressonância com o canal auditivo têm sua intensidade reforçada, enquanto outras podem ter sua intensidade atenuada.
  • 49. Considere que, no caso de ressonância, ocorra um nó sobre o tímpano e ocorra um ventre da onda na saída do canal auditivo, de comprimento L igual a 3,4 cm. Assumindo que a velocidade do som no ar ( v ) é igual a 340 m/s, a frequência do primeiro harmônico (frequência fundamental, n = 1) que se formaria no canal, ou seja, a frequência mais baixa que seria reforçada por uma ressonância no canal auditivo, usando este modelo é (A) 0,025 kHz, valor que considera a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/4L e equipara o ouvido a um tubo com ambas as extremidades abertas. (B) 2,5 kHz, valor que considera a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/4L e equipara o ouvido a um tubo com uma extremidade fechada. (C) 10 kHz, valor que considera a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/L e equipara o ouvido a um tubo com ambas as extremidades fechadas. (D) 2.500 kHz, valor que expressa a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/L, aplicável ao ouvido humano. (E) 10.000 kHz, valor que expressa a frequência do primeiro harmônico como igual a nv/L, aplicável ao ouvido e a tubo aberto e fechado.
  • 50. H21- Utilizar leis físicas e (ou) químicas para interpretar processos naturais ou tecnológicos inseridos no contexto da termodinâmica e (ou) do eletromagnetismo M6 - Apropriar-se de conhecimentos da física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas .
  • 51. (ENCCEJA)Durante uma tempestade, quando ocorrem descargas elétricas atmosféricas (raios) é aconselhável, como uma das medidas de segurança, que se entre em um automóvel. A recomendação acima deve ser levada em consideração porque: (a) o automóvel é uma “gaiola” metálica e impede a circulação de corrente elétrica em seu interior. (b) uma descarga elétrica não pode atingir o automóvel, que está completamente isolado do solo pelos pneus. (c) a antena do rádio do automóvel funciona como um pára-raios. (d) o metal do automóvel atrai as cargas elétricas do raio, que são anuladas pelos elétrons livres presentes no ferro.
  • 52. M5 - Entender métodos e procedimentos próprios das ciências naturais e aplicá-los a diferentes contextos. H18 - Relacionar propriedades físicas, químicas ou biológicas de produtos, sistemas ou procedimentos tecnológicos às finalidades a que se destinam.
  • 53.
  • 54. Com base nos destaques da observação dos alunos, quais operações físicas de separação de materiais foram realizadas nas etapas de beneficiamento da cana-de-açúcar? (a) Separação mecânica, extração, decantação. (b) Separação magnética, combustão, filtração. (c) Separação magnética, extração, filtração. (d) Imantação, combustão, peneiração. (e) Imantação, destilação, filtração
  • 55. M3 - Associar intervenções que resultam em degradação ou conservação ambiental a processos produtivos e sociais e a instrumentos ou ações científico-tecnológicos. H12 - Avaliar impactos em ambientes naturais decorrentes de atividades sociais ou econômicas, considerando interesses contraditórios.
  • 56. (ENEM) A figura a seguir ilustra as principais fontes de emissões mundiais de gás carbônico, relacionando-as a nossas compras domésticas (familiares).
  • 57. Com base nas informações da figura, é observado que as emissões de gás carbônico estão diretamente ligadas às compras domésticas. Deste modo, deduz-se das relações de produção e consumo apresentadas que (a) crescimento econômico e proteção ambiental são políticas públicas incompatíveis. (b) a redução da atividade industrial teria pouco impacto nas emissões globais de gás carbônico. (c) os fluxos de carbono na biosfera não são afetados pela atividade humana, pois são processos cíclicos. (d) a produção de alimentos, em seu conjunto, é diretamente responsável por 17% das emissões de gás carbônico. (e) haveria decréscimo das emissões de gás carbônico se o consumo ocorresse em áreas mais próximas da produção.
  • 58.  
  • 59.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64. Observe que esta sequência de imagens permite abordar conceitos de imagens produzidas por lentes esféricas.
  • 65. Qual a diferença entre itens e questões? O item é uma questão que passou por um processo de pré-testagem e por uma análise estatística de resultados, demonstrando que tem um bom poder de discriminação. Provas elaboradas a partir de itens permitem a comparação de populações diferentes no tempo e no espaço.
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.
  • 69. Contato: Lia Gonzalez Tel. (11) 7542-9658 e-mail: pedagogicogovernosp02@moderna.com.br

Notas do Editor

  1. Observe que o aluno não tem que resolver um problema propriamente dito no sentido de ler, interpretar, construir uma estratégia para a resolução, aplicar a estratégia e analisar a resposta obtida. Nesse caso, a aluno deve selecionar qual argumento sustenta a afirmação.
  2. uma questão é muitas vezes formulada a partir de textos, figuras, tabelas ou gráficos e todos eles devem ser necessários para que o aluno elabore sua resposta