SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
BOAS
PRÁTICAS
HÍDRICAS
Guia para manejar
corretamente os recursos
naturais e os resíduos na
propriedade leiteira
2
BOAS PRÁTICAS
HÍDRICAS
3
SUMÁRIO
O valor da água................................................................................... 4
O que considerar em relação à quantidade e qualidade...................... 6
Onde e como obter água....................................................................10
Aproveitamento correto: espaço físico e instalações................................ 12
Resíduos: cuidados e aproveitamento............................................... 16
Proteção ao meio ambiente............................................................... 20
Gestão eficiente..................................................................................24
4
O VALOR DA
ÁGUA
O USO RESPONSÁVEL DA ÁGUA DEVE SER
UM OBJETIVO PERMANENTE DE TODOS QUE
TRABALHAM EM UMA PROPRIEDADE LEITEIRA.
O manejo correto aumenta a segurança hídrica,
permite o bom aproveitamento da água pela
propriedade e garante os benefícios ambientais,
econômicos e sociais exigidos pela sociedade.
5
Manejos necessários
na produção leiteira
MANEJO AMBIENTAL
Conhecimento, prática e tecnologia
adequada garantem o eficiente uso
de nutrientes e insumos. Isso permite
a conservação dos organismos
e recursos naturais e facilita a
adequação legal da atividade.
LEGISLAÇÃO AMBIENTAL
MANEJO DE RESÍDUOS
Objetivo: reduzir o impacto
ambiental da atividade e
melhorar a eficiência no uso
de nutrientes.
MANEJO HÍDRICO
Objetivo: garantir a oferta
de água em quantidade
e qualidade.
MANEJO DO SOLO
Objetivo: garantir a produção
vegetal, a qualidade do solo e
reduzir a emissão de elementos
danosos para as águas e para o ar.
MANEJO DA
BIODIVERSIDADE
Objetivo: preservar e conservar
a diversidade biológica.
6
O QUE CONSIDERAR
EM RELAÇÃO À
QUANTIDADE E
QUALIDADE
A OFERTA DE ÁGUA EM
QUANTIDADE E COM
QUALIDADE TAMBÉM
CONTRIBUI PARA O ANIMAL
LEITEIRO EXPRESSAR
SEU MÁXIMO POTENCIAL
PRODUTIVO.
7
O animal precisa da água para digerir o que comeu.
Eventual redução na ingestão de alimento pode estar
relacionada à escassez de água ou à sua má qualidade.
As dietas devem ser corretamente formuladas para as necessidades
dos animais. Dietas com excesso de sal e proteínas ou um
volumoso muito seco aumentam o consumo de água.
A necessidade de água varia de acordo com a categoria do animal
e está relacionada com a temperatura do ambiente, peso corporal,
nível de produção e consumo de matéria seca, entre outros fatores.
A forma mais simples e de baixo custo para medição
do consumo de água na propriedade é a instalação
de hidrômetros. Com eles, é possível controlar a
quantidade utilizada e ter elementos para buscar o uso
mais eficiente e econômico da água.
8
O ideal é a instalação de um hidrômetro por uso de água (por
exemplo, um para os bebedouros, um para lavagem de pisos
e equipamentos, um para irrigação etc.). Se não for possível a
instalação de vários hidrômetros, instale onde há maior consumo
de água.
A água pode interferir diretamente na qualidade do leite
produzido: se a água para limpeza de ordenhadeiras e do
tanque de resfriamento não tiver qualidade microbiológica,
são maiores as probabilidades de aumento de UFC
(Unidades Formadoras de Colônia), o que pode impactar
negativamente nos ganhos com a venda do leite.
Avalie a qualidade da água de consumo dos animais e a utilizada
na ordenha com frequência mínima anual. Os principais problemas
de qualidade estão relacionados à presença de micro-organismos.
Também devem ser feitas análises de sólidos totais, nitrato, dureza
total e pH.
9
A fazenda deve manter uma rotina rígida de limpeza
dos bebedouros para conservar a qualidade da água.
Todas as instalações destinadas à produção e ao abrigo de animais
devem ser abastecidas por água de boa qualidade.
Não permita que os animais consumam água em rios,
córregos, lagos e lagoas. Deve haver uma derivação
dessas fontes. Ofereça água por bebedouros.
Realize a lavagem, sempre com água de boa qualidade, de
equipamentos e utensílios que entram em contato com o leite.
O mesmo vale para a higienização das mãos dos ordenhadores
e dos responsáveis pela limpeza.
10
ONDE E
COMO OBTER
ÁGUA EXISTEM ALGUMAS
POSSIBILIDADES DE
FONTES DE ÁGUA PARA
CONSUMO HUMANO,
DOS ANIMAIS E USO
NA PROPRIEDADE.
MAS É PRECISO FICAR
ATENTO PARA QUE
IMPACTOS NEGATIVOS
NÃO INTERFIRAM COM
A QUALIDADE DA ÁGUA
DESSAS FONTES.
Todas as fontes – rios, riachos e córregos; lagos
e lagoas; nascentes; poços; captação de água de
chuva – oferecem vantagens e desvantagens. É
sempre bom contar com a recomendação técnica
apropriada para fazer escolhas corretas.
Tenha o mapa hídrico da propriedade (uma figura que aponta todos
os caminhos da água: localização de lagos e lagoas, tanques de
reservação, bebedouros, registros, fontes de energia e bombas;
áreas onde há descarte de esgotos e carcaças de animais; estrutura
de armazenamento de resíduos da produção). Ele é importante para
a gestão hídrica competente.
Mantenha os reservatórios sempre tampados. Isso evita
que insetos, ratos, pássaros e outros animais tenham
acesso à água.
Realize regularmente a manutenção do sistema de captação
e distribuição – para limpeza e para a eliminação de vazamentos,
infiltrações ou rachaduras.
11
Construa e mantenha fontes e poços de acordo com as
recomendações técnicas.
Poços devem estar fechados e deve-se evitar a
contaminação por chuvas e enxurradas. Precisam ser
construídos no ponto mais alto da propriedade, fora
das áreas de enchentes e com distância adequada de
fontes de poluição, como pocilgas, estábulos e fossas.
Se o rio é a única fonte de água disponível, recomenda-se frequência
mensal de análise. Mas o ideal é que essa fonte seja substituída por
outra mais segura. Se a substituição não puder ser integral, que seja
parcial, utilizando-se poços ou captação de água de chuva.
Adote medidas simples e de baixo custo para diminuir
o consumo. Por exemplo, raspagem do piso do local
onde é feita a ordenha, uso de água sob pressão,
substituição de mangueira de fluxo contínuo por
modelo de fluxo controlado, manutenção do piso
e programa de detecção de vazamentos.
12
APROVEITAMENTO
CORRETO:
ESPAÇO FÍSICO E
INSTALAÇÕES
13
UMA PREOCUPAÇÃO IMPORTANTE:
GARANTIR QUE TODAS AS
INSTALAÇÕES DESTINADAS À
PRODUÇÃO E AO ABRIGO DE
ANIMAIS SEJAM ABASTECIDAS
POR ÁGUA DENTRO DOS PADRÕES
EXIGIDOS PELAS NORMAS VIGENTES.
A disposição das fontes de água nas áreas de pastejo é aspecto
importante e está relacionada à pressão de pastejo. Um número
insuficiente de fontes e/ou sua incorreta distribuição resultará
no sobrepastejo das áreas próximas às fontes de água.
Providencie a drenagem dos terrenos ao redor das fontes de água
e bebedouros e no entorno das instalações para que não ocorra
a mistura das águas naturais (por exemplo, chuva e escorrimento
superficial) com os resíduos e esgotos da atividade.
Bebedouros precisam ser dimensionados de acordo com
recomendações técnicas.
Da mesma maneira, aspersores e nebulizadores utilizados na sala
de ordenha também precisam ser dimensionados e manejados
seguindo as recomendações técnicas do fabricante. Isso evitará
desperdício de água.
Salas de ordenha com piso de alvenaria e com áreas expostas
às chuvas devem possuir sistema de drenagem para que a água
de escorrimento da chuva não se misture com os esgotos.
Os pisos onde ocorre a lavagem para retirada de fezes e urina
devem ser mantidos em bom estado de conservação, sem
rachaduras e buracos.
14
Dê atenção à escolha dos materiais utilizados nas instalações, já
que os resíduos têm alto poder de corrosão. Utilizando materiais
mais resistentes, há economia com os custos de manutenção.
Quem pretende fazer irrigação de pastagem deve buscar orientação
técnica para planejar, instalar, manter em ordem e operar o sistema
de irrigação. Assim vai conseguir os melhores resultados.
Considere colocar calhas no galpão da sala de ordenha
e em outras coberturas para captação da água de chuva.
Essa água pode ser utilizada sem tratamento prévio na
limpeza do piso da ordenha.
Quando ocorrer uma ampliação do número de cabeças, os
sistemas de armazenamento e tratamento de resíduos devem
ser redimensionados.
DIMENSIONAMENTO DA ESTERQUEIRA
15
A esterqueira pode ser dimensionada pela seguinte fórmula:
VEST = TA x VRES
VEST: Volume
estimado para a
esterqueira (m3
)
TA: Tempo de
armazenamento (dias).
Sugere-se que esse
tempo seja de 60 dias
VRES: Volume
total de resíduos
líquidos (esgotos/
chorume) produzidos
diariamente (m3
/dia)
16
RESÍDUOS:
CUIDADOS E
APROVEITAMENTO
ESTERCOS, ESGOTOS
E CHORUMES,
APROVEITADOS COMO
FERTILIZANTES, REDUZEM
O IMPACTO AMBIENTAL DA
ATIVIDADE, MELHORAM
A EFICIÊNCIA DE USO
DE NUTRIENTES E
REPRESENTAM ECONOMIA.
MAS HÁ CUIDADOS A SE
TOMAR. OBSERVE:
17
Antes de lavar o piso da ordenha para
retirada de fezes e urina, faça a raspagem
com pá, o que ajuda a reduzir o volume
de esgoto (chorume). Armazene e
trate esse material em local seco, sem
empoçamento de água, e com sistema
de drenagem. O terreno não deve
apresentar inclinação superior a 3%.
Recomenda-se, também, que o local
esteja a uma distância mínima de
500 metros de residências e estradas.
18
Na lavagem, utilize mangueiras de borracha com
“esguicho” na extremidade. Isso permite controlar
a vazão e fechar o fluxo quando necessário.
É melhor usar água com pressão.
Sistemas de armazenamento (esterqueiras, por exemplo) e tratamento
(biodigestores, compostagem etc.) devem ser dimensionados de acordo
com o volume e as características dos resíduos sólidos e líquidos.
É preciso considerar as chuvas no dimensionamento: nos meses de
chuvas intensas, com os solos encharcados, os fertilizantes orgânicos
não podem ser aplicados em razão do elevado risco ambiental.
Cerque os sistemas de armazenamento e tratamento de resíduos
para impedir o acesso de pessoas e de animais.
A utilização dos resíduos como fertilizantes deve levar em conta a
recomendação agronômica da cultura vegetal. E, se você utilizar
fertilizante químico, é indispensável considerar a quantidade de
fertilizante orgânico aplicada na mesma área.
Se o terreno permitir, os resíduos devem ser incorporados ao solo
no momento da distribuição.
Considere, sempre, o regime de chuvas da sua região.
Não distribua os resíduos nas épocas de maior chuva,
nem quando houver probabilidade maior do que 30%
de chuva no dia ou nos três dias seguintes.
Os resíduos não podem ser distribuídos próximos aos corpos de água
superficiais e subterrâneos. Como referência, considere o que prevê o
Código Florestal Federal e as legislações estaduais e municipais.
19
As pessoas que fazem o manejo e distribuição dos resíduos
devem possuir capacitação para essas atividades. É indispensável
que utilizem Equipamentos de Proteção Individual (EPI), já que a
manipulação de fertilizantes orgânicos oferece riscos à saúde humana.
O maquinário utilizado no transporte e distribuição dos resíduos
deve ser mantido e regulado de acordo com as especificações
do fabricante.
Mantenha documentada toda prática relacionada
à distribuição – quantidade de resíduo distribuído,
data, horário, tamanho da área e tipo de cultura.
O que considerar na distribuição
dos fertilizantes orgânicos
PRODUTO CERTO
TEMPO CERTO
(Condições climáticas)
TAXA CERTA
LOCAL CERTO
(Aspectos agronômicos e legais)
Recomendação
Agronômica da
Cultura Vegetal
(Quantidades de
nitrogênio, fósforo
e potássio)
Características
dos Resíduos
(Quantidades de
nitrogênio, fósforo
e potássio)
Características de
Fertilidade do Solo
(Análise de fertilidade
do solo)
Balanço de
Nutrientes
(Quantidade a ser
aplicada de resíduo)
20
PROTEÇÃO AO
MEIO AMBIENTE
É PRECISO
ADOTAR NAS
ROTINAS DIÁRIAS
PRÁTICAS HÍDRICAS
CORRETAS. ALÉM
DOS GANHOS COM
A GESTÃO DA ÁGUA
NA PROPRIEDADE, O
MANEJO CORRETO
CONTRIBUI PARA
A PRESERVAÇÃO
E CONSERVAÇÃO
DOS RECURSOS
NATURAIS.
21
Conheça toda a legislação ambiental relacionada à atividade
produtiva.
Há duas resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente
(CONAMA) que determinam a qualidade da água a ser consumida
pelos animais. A resolução 357 classifica as águas doces e salobras
e estabelece padrões de classe 3 para a dessedentação de animais.
Já a resolução 396 trata das águas subterrâneas e estipula padrões
de qualidade também para a dessedentação de animais.
22
É necessário possuir licença ambiental e a outorga de uso
de água na propriedade. A outorga é um instrumento de
gestão dos recursos hídricos fornecido por órgãos federais
e estaduais para proporcionar o uso da água a todos.
Respeite as recomendações técnicas para ensilagem de alimentos.
Isso garante a menor geração de volume de chorume. O chorume
não deve ter contato com o solo. Portanto, o silo deve ter uma
estrutura de recolhimento de resíduo líquido e condução desses
resíduos a uma estrutura de tratamento (fossa). O chorume nunca
pode atingir as fontes de água.
OUTORGA DE USO DA ÁGUA
A Outorga de Direito de Uso da Água tem como objetivo assegurar
o controle dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de todas
as pessoas à água.
Dependem de outorga:
•	A derivação ou captação de parcela da água existente em um corpo
d’água superficial e subterrâneo;
•	Lançamento em corpo de água de esgotos e demais resíduos
líquidos;
•	Outros usos que alterem a quantidade ou a qualidade da água
existente em um corpo de água.
Fonte: Agência Nacional de Águas
23
A propriedade precisa ter sistemas de captação e tratamento de todos
os esgotos produzidos pelas residências, escritórios, armazéns etc.
Recomenda-se, nesses casos, o uso de fossas sépticas.
O aumento da utilização da água diminui sua
disponibilidade. Por isso, precisamos estar conscientes
sobre o uso e a preservação da água. Ponto importante
neste aspecto é evitar a contaminação das reservas.
24
GESTÃO
EFICIENTE
PROVIDÊNCIAS E
CONDUTAS QUE
CONTRIBUEM PARA O
MANEJO HÍDRICO CORRETO
NA PROPRIEDADE LEITEIRA.
25
Consulte profissionais com reconhecida capacidade técnica antes
de fazer os manejos ambientais.
Uma vez instalados os hidrômetros, faça leituras,
no mínimo, a cada 15 dias.
Avalie a qualidade da água de consumo, dos animais e das pessoas,
e a utilizada na ordenha com frequência mínima anual para cada
fonte de água.
26
O tipo de fonte determinará frequências maiores: quanto maior
o risco de poluição ou contaminação a que a fonte estiver exposta,
maior a periodicidade de análises durante o ano.
Considere que a qualidade da água de uma fonte é resultado da
condição da bacia hidrográfica, do manejo da área do entorno e do
uso que se faz dela. O acesso de humanos e animais a uma fonte
de água é sempre um risco. Por isso, as fontes devem estar sempre
isoladas fisicamente.
De preferência, os bebedouros devem ser limpos diariamente.
Ou de três a quatro vezes por semana.
Os reservatórios de água precisam ser lavados de seis em
seis meses ou quando ocorrerem acidentes que possam
contaminar a água, por exemplo, enxurradas, entradas
de insetos e fezes de pássaros.
Documente todas as ações e obras relacionadas ao manejo
ambiental e mantenha esses documentos para consulta. Essa
providência é uma forma de proteger-se contra eventos de difícil
explicação ou contra ações de terceiros.
Mantenha um bom relacionamento com os
vizinhos, informando-os de seu manejo produtivo.
Tenha sempre à mão uma listagem com os endereços e contatos
dos órgãos ambientais.
Informe os órgãos ambientais competentes e a
comunidade do entorno sobre qualquer acidente que
envolva o derramamento de resíduos, vazamento de
instalações, acidentes no transporte e outros.
27
CONSULTORIA E REVISÃO:
Julio Cesar P. Palhares,
Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste.
Rod. BR-365 Km 755, s/n - Bairro Tijuco
Ituiutaba - MG - CEP 38300-970
E-mail: snp.faleconosco@br.nestle.com
www.produtornestle.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Clelia Picinin
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticosAula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticosJaqueline Almeida
 
ICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosRicardo Portela
 
boas praticas.pptx
boas praticas.pptxboas praticas.pptx
boas praticas.pptxPalomaPina2
 
IV.1 Os alimentos
IV.1 Os alimentosIV.1 Os alimentos
IV.1 Os alimentosRebeca Vale
 
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SBOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SCelina Martins
 
Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)
Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)
Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)Henrique Mendes
 
Boas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptBoas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptJaquelineSantosBasto
 
Higiene dos-alimentos
Higiene dos-alimentosHigiene dos-alimentos
Higiene dos-alimentosMaria Lima
 
Quimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaQuimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaVanessa Alonso
 
Licenciamento Ambiental
Licenciamento AmbientalLicenciamento Ambiental
Licenciamento AmbientalJézili Dias
 

Mais procurados (20)

Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticosAula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
 
Apostila de Conservação de Alimentos
Apostila de Conservação de AlimentosApostila de Conservação de Alimentos
Apostila de Conservação de Alimentos
 
ICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotérios
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Bpf Treinamento
Bpf TreinamentoBpf Treinamento
Bpf Treinamento
 
boas praticas.pptx
boas praticas.pptxboas praticas.pptx
boas praticas.pptx
 
IV.1 Os alimentos
IV.1 Os alimentosIV.1 Os alimentos
IV.1 Os alimentos
 
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SBOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
 
Microbiologia da água
Microbiologia da águaMicrobiologia da água
Microbiologia da água
 
Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)
Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)
Boas Práticas de Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos (parte 1)
 
Boas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptBoas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.ppt
 
Higiene dos-alimentos
Higiene dos-alimentosHigiene dos-alimentos
Higiene dos-alimentos
 
Qualidade aa água
Qualidade aa águaQualidade aa água
Qualidade aa água
 
Quimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaQuimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-agua
 
Biossegurança em laboratorios
Biossegurança em laboratoriosBiossegurança em laboratorios
Biossegurança em laboratorios
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
 
Licenciamento Ambiental
Licenciamento AmbientalLicenciamento Ambiental
Licenciamento Ambiental
 
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de ÁguaManual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
 

Semelhante a Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé

Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...Raquel Maria Cury Rodrigues
 
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaslides-mci
 
Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1Armindo Rosa
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotosBruna Sampaio
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotosLarissa Freire
 
Eta Reuso de Água
Eta Reuso de ÁguaEta Reuso de Água
Eta Reuso de Águatfgodoy
 
Sistemas de aproveitamento de água pluvial
Sistemas de aproveitamento de água pluvialSistemas de aproveitamento de água pluvial
Sistemas de aproveitamento de água pluvialFábio Aguiar
 
Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes
Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixesConstrução de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes
Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixesPatrícia Oliver
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdasslides-mci
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2João Boos Boos
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.João Boos Boos
 
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da ÁguaRega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da ÁguaArmindo Rosa
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Carlos Elson Cunha
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAPaula Bianchi
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
SustentabilidadeJonasSport
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
SustentabilidadeJonasSport
 

Semelhante a Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé (20)

Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
 
Manejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteiraManejo dos resíduos da produção leiteira
Manejo dos resíduos da produção leiteira
 
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
 
Águas Suberráneas
Águas SuberráneasÁguas Suberráneas
Águas Suberráneas
 
Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Água para Todos
Água para Todos Água para Todos
Água para Todos
 
Eta Reuso de Água
Eta Reuso de ÁguaEta Reuso de Água
Eta Reuso de Água
 
Sistemas de aproveitamento de água pluvial
Sistemas de aproveitamento de água pluvialSistemas de aproveitamento de água pluvial
Sistemas de aproveitamento de água pluvial
 
Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes
Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixesConstrução de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes
Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdas
 
Rec agua 1
Rec agua 1Rec agua 1
Rec agua 1
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da ÁguaRega das Culturas / Uso <eficiente da Água
Rega das Culturas / Uso <eficiente da Água
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 

Mais de Raquel Maria Cury Rodrigues

RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...
RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...
RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...
Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...
Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018
Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018
Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018Raquel Maria Cury Rodrigues
 
CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...
CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...
CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...Raquel Maria Cury Rodrigues
 
V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...
V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...
V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Raquel Maria Cury Rodrigues
 

Mais de Raquel Maria Cury Rodrigues (15)

RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...
RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...
RS: indenizações do Fundesa somam R$ 1,7 mi para o setor leiteiro no 3º trime...
 
Ajustes IN 76 e IN 77
Ajustes IN 76 e IN 77Ajustes IN 76 e IN 77
Ajustes IN 76 e IN 77
 
Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...
Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...
Solicitação de reavaliação e adequação das Instruções Normativas nº 76 e 77/2...
 
Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018
Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018
Zenith Global’s 12th Global Dairy Congress, Warsaw on 19-21 June 2018
 
Active Nutrition Day
Active Nutrition Day Active Nutrition Day
Active Nutrition Day
 
Missão Brasil - Portugal
Missão Brasil - PortugalMissão Brasil - Portugal
Missão Brasil - Portugal
 
CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...
CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...
CNA abre processo de revisão dos direitos antidumping do leite em pó importad...
 
Solicitação da Abraleite
Solicitação da Abraleite Solicitação da Abraleite
Solicitação da Abraleite
 
V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...
V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...
V Simpósio Internacional sobre Qualidade e Conservação de Forragens ocorrerá ...
 
Folder encontro do leite 2017
Folder encontro do leite 2017Folder encontro do leite 2017
Folder encontro do leite 2017
 
Ebook Top 100 2017
Ebook Top 100 2017 Ebook Top 100 2017
Ebook Top 100 2017
 
Curso Teórico-Prático Unicamp
Curso Teórico-Prático Unicamp Curso Teórico-Prático Unicamp
Curso Teórico-Prático Unicamp
 
Edital residencia 2017
Edital residencia 2017Edital residencia 2017
Edital residencia 2017
 
Livro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinosLivro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinos
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
 

Último

UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfManuais Formação
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíMarcelo Guerra
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.pptNormasAgenda
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAmjhordam
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdfRenandantas16
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedoresdiogodidi3
 

Último (7)

UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdfUFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
UFCD_5869_Gestão da Emergência_índice.pdf
 
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . IguaíRelatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
Relatório Meio Ambiente - Roberto . Iguaí
 
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
3_E_reciclagem_DE_EMBALAGENS_PLASRICAS.ppt
 
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEAdeferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
deferido.PDF ENFIMDDSWWAEAEAWEAAEAAAEAEA
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
004170000101011 (1DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD8).pdf
 
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol AquecedoresCatálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
Catálogo de Produtos - GrandSol Aquecedores
 

Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé

  • 1. BOAS PRÁTICAS HÍDRICAS Guia para manejar corretamente os recursos naturais e os resíduos na propriedade leiteira
  • 3. 3 SUMÁRIO O valor da água................................................................................... 4 O que considerar em relação à quantidade e qualidade...................... 6 Onde e como obter água....................................................................10 Aproveitamento correto: espaço físico e instalações................................ 12 Resíduos: cuidados e aproveitamento............................................... 16 Proteção ao meio ambiente............................................................... 20 Gestão eficiente..................................................................................24
  • 4. 4 O VALOR DA ÁGUA O USO RESPONSÁVEL DA ÁGUA DEVE SER UM OBJETIVO PERMANENTE DE TODOS QUE TRABALHAM EM UMA PROPRIEDADE LEITEIRA. O manejo correto aumenta a segurança hídrica, permite o bom aproveitamento da água pela propriedade e garante os benefícios ambientais, econômicos e sociais exigidos pela sociedade.
  • 5. 5 Manejos necessários na produção leiteira MANEJO AMBIENTAL Conhecimento, prática e tecnologia adequada garantem o eficiente uso de nutrientes e insumos. Isso permite a conservação dos organismos e recursos naturais e facilita a adequação legal da atividade. LEGISLAÇÃO AMBIENTAL MANEJO DE RESÍDUOS Objetivo: reduzir o impacto ambiental da atividade e melhorar a eficiência no uso de nutrientes. MANEJO HÍDRICO Objetivo: garantir a oferta de água em quantidade e qualidade. MANEJO DO SOLO Objetivo: garantir a produção vegetal, a qualidade do solo e reduzir a emissão de elementos danosos para as águas e para o ar. MANEJO DA BIODIVERSIDADE Objetivo: preservar e conservar a diversidade biológica.
  • 6. 6 O QUE CONSIDERAR EM RELAÇÃO À QUANTIDADE E QUALIDADE A OFERTA DE ÁGUA EM QUANTIDADE E COM QUALIDADE TAMBÉM CONTRIBUI PARA O ANIMAL LEITEIRO EXPRESSAR SEU MÁXIMO POTENCIAL PRODUTIVO.
  • 7. 7 O animal precisa da água para digerir o que comeu. Eventual redução na ingestão de alimento pode estar relacionada à escassez de água ou à sua má qualidade. As dietas devem ser corretamente formuladas para as necessidades dos animais. Dietas com excesso de sal e proteínas ou um volumoso muito seco aumentam o consumo de água. A necessidade de água varia de acordo com a categoria do animal e está relacionada com a temperatura do ambiente, peso corporal, nível de produção e consumo de matéria seca, entre outros fatores. A forma mais simples e de baixo custo para medição do consumo de água na propriedade é a instalação de hidrômetros. Com eles, é possível controlar a quantidade utilizada e ter elementos para buscar o uso mais eficiente e econômico da água.
  • 8. 8 O ideal é a instalação de um hidrômetro por uso de água (por exemplo, um para os bebedouros, um para lavagem de pisos e equipamentos, um para irrigação etc.). Se não for possível a instalação de vários hidrômetros, instale onde há maior consumo de água. A água pode interferir diretamente na qualidade do leite produzido: se a água para limpeza de ordenhadeiras e do tanque de resfriamento não tiver qualidade microbiológica, são maiores as probabilidades de aumento de UFC (Unidades Formadoras de Colônia), o que pode impactar negativamente nos ganhos com a venda do leite. Avalie a qualidade da água de consumo dos animais e a utilizada na ordenha com frequência mínima anual. Os principais problemas de qualidade estão relacionados à presença de micro-organismos. Também devem ser feitas análises de sólidos totais, nitrato, dureza total e pH.
  • 9. 9 A fazenda deve manter uma rotina rígida de limpeza dos bebedouros para conservar a qualidade da água. Todas as instalações destinadas à produção e ao abrigo de animais devem ser abastecidas por água de boa qualidade. Não permita que os animais consumam água em rios, córregos, lagos e lagoas. Deve haver uma derivação dessas fontes. Ofereça água por bebedouros. Realize a lavagem, sempre com água de boa qualidade, de equipamentos e utensílios que entram em contato com o leite. O mesmo vale para a higienização das mãos dos ordenhadores e dos responsáveis pela limpeza.
  • 10. 10 ONDE E COMO OBTER ÁGUA EXISTEM ALGUMAS POSSIBILIDADES DE FONTES DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, DOS ANIMAIS E USO NA PROPRIEDADE. MAS É PRECISO FICAR ATENTO PARA QUE IMPACTOS NEGATIVOS NÃO INTERFIRAM COM A QUALIDADE DA ÁGUA DESSAS FONTES. Todas as fontes – rios, riachos e córregos; lagos e lagoas; nascentes; poços; captação de água de chuva – oferecem vantagens e desvantagens. É sempre bom contar com a recomendação técnica apropriada para fazer escolhas corretas. Tenha o mapa hídrico da propriedade (uma figura que aponta todos os caminhos da água: localização de lagos e lagoas, tanques de reservação, bebedouros, registros, fontes de energia e bombas; áreas onde há descarte de esgotos e carcaças de animais; estrutura de armazenamento de resíduos da produção). Ele é importante para a gestão hídrica competente. Mantenha os reservatórios sempre tampados. Isso evita que insetos, ratos, pássaros e outros animais tenham acesso à água. Realize regularmente a manutenção do sistema de captação e distribuição – para limpeza e para a eliminação de vazamentos, infiltrações ou rachaduras.
  • 11. 11 Construa e mantenha fontes e poços de acordo com as recomendações técnicas. Poços devem estar fechados e deve-se evitar a contaminação por chuvas e enxurradas. Precisam ser construídos no ponto mais alto da propriedade, fora das áreas de enchentes e com distância adequada de fontes de poluição, como pocilgas, estábulos e fossas. Se o rio é a única fonte de água disponível, recomenda-se frequência mensal de análise. Mas o ideal é que essa fonte seja substituída por outra mais segura. Se a substituição não puder ser integral, que seja parcial, utilizando-se poços ou captação de água de chuva. Adote medidas simples e de baixo custo para diminuir o consumo. Por exemplo, raspagem do piso do local onde é feita a ordenha, uso de água sob pressão, substituição de mangueira de fluxo contínuo por modelo de fluxo controlado, manutenção do piso e programa de detecção de vazamentos.
  • 13. 13 UMA PREOCUPAÇÃO IMPORTANTE: GARANTIR QUE TODAS AS INSTALAÇÕES DESTINADAS À PRODUÇÃO E AO ABRIGO DE ANIMAIS SEJAM ABASTECIDAS POR ÁGUA DENTRO DOS PADRÕES EXIGIDOS PELAS NORMAS VIGENTES. A disposição das fontes de água nas áreas de pastejo é aspecto importante e está relacionada à pressão de pastejo. Um número insuficiente de fontes e/ou sua incorreta distribuição resultará no sobrepastejo das áreas próximas às fontes de água. Providencie a drenagem dos terrenos ao redor das fontes de água e bebedouros e no entorno das instalações para que não ocorra a mistura das águas naturais (por exemplo, chuva e escorrimento superficial) com os resíduos e esgotos da atividade. Bebedouros precisam ser dimensionados de acordo com recomendações técnicas. Da mesma maneira, aspersores e nebulizadores utilizados na sala de ordenha também precisam ser dimensionados e manejados seguindo as recomendações técnicas do fabricante. Isso evitará desperdício de água. Salas de ordenha com piso de alvenaria e com áreas expostas às chuvas devem possuir sistema de drenagem para que a água de escorrimento da chuva não se misture com os esgotos. Os pisos onde ocorre a lavagem para retirada de fezes e urina devem ser mantidos em bom estado de conservação, sem rachaduras e buracos.
  • 14. 14 Dê atenção à escolha dos materiais utilizados nas instalações, já que os resíduos têm alto poder de corrosão. Utilizando materiais mais resistentes, há economia com os custos de manutenção. Quem pretende fazer irrigação de pastagem deve buscar orientação técnica para planejar, instalar, manter em ordem e operar o sistema de irrigação. Assim vai conseguir os melhores resultados. Considere colocar calhas no galpão da sala de ordenha e em outras coberturas para captação da água de chuva. Essa água pode ser utilizada sem tratamento prévio na limpeza do piso da ordenha. Quando ocorrer uma ampliação do número de cabeças, os sistemas de armazenamento e tratamento de resíduos devem ser redimensionados.
  • 15. DIMENSIONAMENTO DA ESTERQUEIRA 15 A esterqueira pode ser dimensionada pela seguinte fórmula: VEST = TA x VRES VEST: Volume estimado para a esterqueira (m3 ) TA: Tempo de armazenamento (dias). Sugere-se que esse tempo seja de 60 dias VRES: Volume total de resíduos líquidos (esgotos/ chorume) produzidos diariamente (m3 /dia)
  • 16. 16 RESÍDUOS: CUIDADOS E APROVEITAMENTO ESTERCOS, ESGOTOS E CHORUMES, APROVEITADOS COMO FERTILIZANTES, REDUZEM O IMPACTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE, MELHORAM A EFICIÊNCIA DE USO DE NUTRIENTES E REPRESENTAM ECONOMIA. MAS HÁ CUIDADOS A SE TOMAR. OBSERVE:
  • 17. 17 Antes de lavar o piso da ordenha para retirada de fezes e urina, faça a raspagem com pá, o que ajuda a reduzir o volume de esgoto (chorume). Armazene e trate esse material em local seco, sem empoçamento de água, e com sistema de drenagem. O terreno não deve apresentar inclinação superior a 3%. Recomenda-se, também, que o local esteja a uma distância mínima de 500 metros de residências e estradas.
  • 18. 18 Na lavagem, utilize mangueiras de borracha com “esguicho” na extremidade. Isso permite controlar a vazão e fechar o fluxo quando necessário. É melhor usar água com pressão. Sistemas de armazenamento (esterqueiras, por exemplo) e tratamento (biodigestores, compostagem etc.) devem ser dimensionados de acordo com o volume e as características dos resíduos sólidos e líquidos. É preciso considerar as chuvas no dimensionamento: nos meses de chuvas intensas, com os solos encharcados, os fertilizantes orgânicos não podem ser aplicados em razão do elevado risco ambiental. Cerque os sistemas de armazenamento e tratamento de resíduos para impedir o acesso de pessoas e de animais. A utilização dos resíduos como fertilizantes deve levar em conta a recomendação agronômica da cultura vegetal. E, se você utilizar fertilizante químico, é indispensável considerar a quantidade de fertilizante orgânico aplicada na mesma área. Se o terreno permitir, os resíduos devem ser incorporados ao solo no momento da distribuição. Considere, sempre, o regime de chuvas da sua região. Não distribua os resíduos nas épocas de maior chuva, nem quando houver probabilidade maior do que 30% de chuva no dia ou nos três dias seguintes. Os resíduos não podem ser distribuídos próximos aos corpos de água superficiais e subterrâneos. Como referência, considere o que prevê o Código Florestal Federal e as legislações estaduais e municipais.
  • 19. 19 As pessoas que fazem o manejo e distribuição dos resíduos devem possuir capacitação para essas atividades. É indispensável que utilizem Equipamentos de Proteção Individual (EPI), já que a manipulação de fertilizantes orgânicos oferece riscos à saúde humana. O maquinário utilizado no transporte e distribuição dos resíduos deve ser mantido e regulado de acordo com as especificações do fabricante. Mantenha documentada toda prática relacionada à distribuição – quantidade de resíduo distribuído, data, horário, tamanho da área e tipo de cultura. O que considerar na distribuição dos fertilizantes orgânicos PRODUTO CERTO TEMPO CERTO (Condições climáticas) TAXA CERTA LOCAL CERTO (Aspectos agronômicos e legais) Recomendação Agronômica da Cultura Vegetal (Quantidades de nitrogênio, fósforo e potássio) Características dos Resíduos (Quantidades de nitrogênio, fósforo e potássio) Características de Fertilidade do Solo (Análise de fertilidade do solo) Balanço de Nutrientes (Quantidade a ser aplicada de resíduo)
  • 20. 20 PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE É PRECISO ADOTAR NAS ROTINAS DIÁRIAS PRÁTICAS HÍDRICAS CORRETAS. ALÉM DOS GANHOS COM A GESTÃO DA ÁGUA NA PROPRIEDADE, O MANEJO CORRETO CONTRIBUI PARA A PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS.
  • 21. 21 Conheça toda a legislação ambiental relacionada à atividade produtiva. Há duas resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) que determinam a qualidade da água a ser consumida pelos animais. A resolução 357 classifica as águas doces e salobras e estabelece padrões de classe 3 para a dessedentação de animais. Já a resolução 396 trata das águas subterrâneas e estipula padrões de qualidade também para a dessedentação de animais.
  • 22. 22 É necessário possuir licença ambiental e a outorga de uso de água na propriedade. A outorga é um instrumento de gestão dos recursos hídricos fornecido por órgãos federais e estaduais para proporcionar o uso da água a todos. Respeite as recomendações técnicas para ensilagem de alimentos. Isso garante a menor geração de volume de chorume. O chorume não deve ter contato com o solo. Portanto, o silo deve ter uma estrutura de recolhimento de resíduo líquido e condução desses resíduos a uma estrutura de tratamento (fossa). O chorume nunca pode atingir as fontes de água. OUTORGA DE USO DA ÁGUA A Outorga de Direito de Uso da Água tem como objetivo assegurar o controle dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de todas as pessoas à água. Dependem de outorga: • A derivação ou captação de parcela da água existente em um corpo d’água superficial e subterrâneo; • Lançamento em corpo de água de esgotos e demais resíduos líquidos; • Outros usos que alterem a quantidade ou a qualidade da água existente em um corpo de água. Fonte: Agência Nacional de Águas
  • 23. 23 A propriedade precisa ter sistemas de captação e tratamento de todos os esgotos produzidos pelas residências, escritórios, armazéns etc. Recomenda-se, nesses casos, o uso de fossas sépticas. O aumento da utilização da água diminui sua disponibilidade. Por isso, precisamos estar conscientes sobre o uso e a preservação da água. Ponto importante neste aspecto é evitar a contaminação das reservas.
  • 24. 24 GESTÃO EFICIENTE PROVIDÊNCIAS E CONDUTAS QUE CONTRIBUEM PARA O MANEJO HÍDRICO CORRETO NA PROPRIEDADE LEITEIRA.
  • 25. 25 Consulte profissionais com reconhecida capacidade técnica antes de fazer os manejos ambientais. Uma vez instalados os hidrômetros, faça leituras, no mínimo, a cada 15 dias. Avalie a qualidade da água de consumo, dos animais e das pessoas, e a utilizada na ordenha com frequência mínima anual para cada fonte de água.
  • 26. 26 O tipo de fonte determinará frequências maiores: quanto maior o risco de poluição ou contaminação a que a fonte estiver exposta, maior a periodicidade de análises durante o ano. Considere que a qualidade da água de uma fonte é resultado da condição da bacia hidrográfica, do manejo da área do entorno e do uso que se faz dela. O acesso de humanos e animais a uma fonte de água é sempre um risco. Por isso, as fontes devem estar sempre isoladas fisicamente. De preferência, os bebedouros devem ser limpos diariamente. Ou de três a quatro vezes por semana. Os reservatórios de água precisam ser lavados de seis em seis meses ou quando ocorrerem acidentes que possam contaminar a água, por exemplo, enxurradas, entradas de insetos e fezes de pássaros. Documente todas as ações e obras relacionadas ao manejo ambiental e mantenha esses documentos para consulta. Essa providência é uma forma de proteger-se contra eventos de difícil explicação ou contra ações de terceiros. Mantenha um bom relacionamento com os vizinhos, informando-os de seu manejo produtivo. Tenha sempre à mão uma listagem com os endereços e contatos dos órgãos ambientais. Informe os órgãos ambientais competentes e a comunidade do entorno sobre qualquer acidente que envolva o derramamento de resíduos, vazamento de instalações, acidentes no transporte e outros.
  • 27. 27 CONSULTORIA E REVISÃO: Julio Cesar P. Palhares, Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste.
  • 28. Rod. BR-365 Km 755, s/n - Bairro Tijuco Ituiutaba - MG - CEP 38300-970 E-mail: snp.faleconosco@br.nestle.com www.produtornestle.com.br