USO RACIONAL E REUSO ÁGUA

1.951 visualizações

Publicada em

USO RACIONAL DA ÁGUA E TECNOLOGIAS DE REUSO

Disciplina: Infraestrutura Urbana
4º semestre
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
PUC - Campinas 2012

Discentes:
Guilherme M. Francisco
Paula A. Bianchi

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.951
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

USO RACIONAL E REUSO ÁGUA

  1. 1. PUC – Campinas FAU/CEATEC Infraestrutura Urbana USO RACIONAL DA ÁGUA E TECNOLOGIAS DE REUSO
  2. 2. COMPOSIÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL NO USO RESIDENCIAL E INICIATIVAS IMPORTANTES DE RACIONALIZAÇÃO A conscientização pelo uso racional da água é recente assim como o estudo de demanda de utilização da água em edificações. No Brasil, a experiência tem mostrado que uma pessoa gasta por dia entre 50 e 200 litros de água. Este consumo está distribuído entre a utilização de chuveiros, torneiras, bacias, máquinas de lavar, entre outros. Para analisar o consumo de água de uma residência ou edificação, uma excelente coleta de dados deve ser realizada, considerando pressão, vazão, clima, população, freqüência de utilização, condições sócio- econômicas, produtos instalados, vazamentos, etc.
  3. 3. COMPOSIÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL NO USO RESIDENCIAL E INICIATIVAS IMPORTANTES DE RACIONALIZAÇÃO O consumo de água residencial inclui tanto o uso interno quanto o uso externo a residências. Estudos mostram que dentro de uma residência o maior consumo de água concentra-se na descarga dos vasos sanitários, na lavagem de roupas e nos banhos. Em média, 40% do total de água consumida em uma residência são destinados aos usos não potáveis. A água destinada ao consumo humano pode ter dois fins distintos: • Potáveis – higiene pessoal, ingestão e preparação de alimentos (usos de água com rigoroso padrão de potabilidade, conforme estabelecido na legislação aplicável); • Não potáveis – lavagem de roupas, carros, irrigação de jardins, descarga de vasos sanitários, piscinas, calçadas, entre outros. (GONÇALVES, 2009)
  4. 4. CONSUMO DE ÁGUA EM EDIFICAÇÕES: TIPO DE PRÉDIO UNIDADE CONSUMO (L/DIA) SERVIÇO DOMÉSTICO Apartamentos em geral Per capita 200 a 250 Residências Per capita 150 Residências populares e rurais Per capita 120 a 150 Alojamentos provisórios de obras Per capita 80 SERVIÇO PÚBLICO: Edifícios comerciais e escritórios Per capita 50 a 80 Escolas Per capita 50 Hospitais Por leito 250 Hotéis Por hóspede 250 a 350 Restaurantes e similares Por refeição 25 Postos de serviços para automóvel Por veículo 150 Para a determinação do consumo total, também é necessário estimar o tempo médio de utilização de cada um dos aparelhos envolvidos.
  5. 5. O CONSUMO DE ÁGUA DE CADA DISPOSITIVO (CONVENCIONAIS): APARELHO TEMPO MÉDIO DE USO OU DESCARGA CONSUMO POR USO Bacia sanitária 3 acionamentos/dia/pessoa 12 L/acionamento Lavatório 3 acionamentos/dia/pessoa 10 L/minuto Chuveiro 15 minutos/dia/pessoa 15 L/minuto Torneira de uso em geral 5 min/dia/residência 10 L/ minuto Máquina de lavar roupa 3 ciclos/semana/pessoa 210 L/ciclo
  6. 6. COMPOSIÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL NO USO RESIDENCIAL E INICIATIVAS IMPORTANTES DE RACIONALIZAÇÃO COMPOSIÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM RESIDÊNCIAS:
  7. 7. USO RACIONAL DA ÁGUA E TECNOLOGIAS DE REUSO A escassez de água nos grandes centros urbanos, onde a demanda cada vez maior tende a superar a oferta, vem sendo motivo de aler ta. Uma alternativa para a economia do insumo é o seu reuso que vem sendo estimulado principalmente devido à lei de recursos hídricos.
  8. 8. Entretanto, para que possa ser utilizada deve-se levar em conta a questão da saúde pública. Existem padrões para reuso em alguns países do mundo que fazem do reuso de água, uma prática habitual. Entretanto, aqui no Brasil, estas práticas são preliminares. USO RACIONAL DA ÁGUA E TECNOLOGIAS DE REUSO No Brasil, diversos estudos mostram que 70% da água potável vão para a agricultura, 20% para a indústria e comércio, e 8% são utilizadas para o consumo humano. Fonte: Agência Brasil
  9. 9. Este trabalho propõe o aproveitamento das águas cinzas provenientes de chuveiros e pias de banheiros em descargas sanitárias. Para a implantação de um sistema de reuso das águas cinzas é necessário além de um sistema duplo de distribuição de água, também um tratamento adequado. As análises químicas, físicas e biológicas demonstraram que estas águas apesar de serem menos contaminados que as águas negras necessitam de tratamento para serem reutilizadas com segurança. USO RACIONAL DA ÁGUA E TECNOLOGIAS DE REUSO
  10. 10. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS ÁGUA CINZA é qualquer água residual, ou seja, não- industrial, a partir de processos domésticos como lavar louça, roupa e tomar banho. A água cinza corresponde a 50 a 80% de esgoto residencial, gerados a par tir de todas as casas saneadas, exceto dos banheiros (água de banheiros são águas negras).
  11. 11. As águas cinzas são aquelas derivadas dos chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos, sejam de uso doméstico ou comercial. (Alguns autores não consideram como água cinza, mas sim como água negra a água residuária de cozinhas, devido às elevadas concentrações de matéria orgânica e de óleos e gorduras nelas presentes.) Estas águas podem, e devem ser utilizadas, o que proporciona economia financeira e de recursos naturais. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  12. 12. É frequentemente reutilizada para irrigação, de forma ilegal ou não. Em regiões secas ou áreas atingidas por proibições de mangueiras (restrições de irrigação), a água cinza é levada informalmente por baldes. No terceiro mundo, a reutilização de água cinza é frequentemente não regulamentada e é comum. Atualmente, a reciclagem dessa água é mal compreendida comparada com a eliminação. A qualidade da água cinza vai depender das diversas atividades domésticas realizadas, sendo que os componentes presentes variam de residência a residência, onde o estilo de vida, costumes, instalações e a quantidade de produtos químicos utilizados irão influenciar. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  13. 13. ÁGUA NEGRA se distingue da água cinza pela quantidade e composição de produtos químicos e contaminantes biológicos (de fezes ou substâncias químicas tóxicas). Recebe este nome pela sua aparência turva e de seu status como inútil. Possui resíduos de alimentos significativos ou em altas concentrações de produtos químicos tóxicos de limpeza doméstica, etc. Podem ser consideradas "cinza escuro", ou águas negras. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  14. 14. Água negra é o efluente proveniente dos vasos sanitários, contendo basicamente fezes, urina e papel higiênico, tendo em sua composição grandes quantidades de matéria fecal. Apresentam elevada carga orgânica e presença de sólidos em suspensão, em grande parte sedimentáveis, em elevada quantidade. (GONÇALVES, 2006). A água negra proveniente dos vasos sanitários representa uma fração de 20 a 30% do volume dos esgotos domésticos. O volume de é bem menor que o volume de água cinza produzido. (GALBIATI, 2009). DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  15. 15. As principais características das águas negras estão descritas a seguir, segundo Gonçalves (2006): • Elevada concentração de matéria orgânica e sólidos em suspensão; • O perfil de vazão apresenta características de grande variação temporal; • As características de consumo de água do aparelho sanitário utilizado também influenciam nas características do esgoto gerado, ou seja, menor consumo de água implica na concentração maior dos compostos presentes nas fezes e urina no efluente; • A inclusão das águas originadas da pia da cozinha é atualmente uma prática recomendada, tendo em vista a presença de grande quantidade de sólidos em suspensão e compostos graxos, óleos e gorduras de origem animal e vegetal. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  16. 16. Uma ampla variedade de tecnologias têm sido utilizadas ou estão sendo desenvolvidas para o seu tratamento, compreendendo sistemas naturais, processos químicos, físicos, físico-químicos e biológicos. A água cinza tratada junto à fonte geradora para uso no próprio local apresenta grandes vantagens do ponto de vista energético ao evitar longos transpor tes para condução a uma unidade de tratamento para posterior retorno aos pontos de consumo. Por isso é interessante a possibilidade de um sistema de tratamento de fácil operação e manutenção, o qual o usuário possa fazê-lo sem grandes dificuldades e custos. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  17. 17. COMO DEVE SER A PREPARAÇÃO PARA O REUSO DAS ÁGUAS CINZAS? A execução de um sistema de reuso das águas cinzas deve seguir as seguintes etapas: 1) Projeto da rede de esgotos que deve conter, obrigatoriamente, a separação das águas negras e cinzas; 2) Projeto do sistema de reuso prevendo os equipamentos e materiais necessários para o aproveitamento em irrigação subterrânea, irrigação superficial, vaso sanitário e/ou lavagens. Prever também um sistema de bypass interligando a rede de esgoto geral da residência; 3) Execução das redes de esgoto sanitário considerando a separação prevista em projeto; 4) Execução do sistema de tratamento considerando a qualidade da água e o uso final; 5) Execução do sistema de irrigação subterrâneo ou superficial. DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS Em hidráulica, um bypass de uma linha de água seria um caminho alternativo por onde se pode fazer fluir o líquido alternativamente a um caminho principal.
  18. 18. TAC - Tratador de Águas Cinzas DIFERENÇAS ENTRE ÁGUAS CINZAS E ÁGUAS NEGRAS
  19. 19. IMPORTÂNCIA E AS LIMITAÇÕES DO USO DA ÁGUA DE CHUVA E DE REUSO DAS ÁGUAS CINZAS, NA PERSPECTIVA DE RACIONALIZAÇÃO DO CONSUMO Possibilita a maximização da eficiência na utilização dos recursos hídricos, uma garantia na qualidade da água tratada; a viabilização de um sistema "fechado", com descarte mínimo de efluentes; além da redução expressiva de custos com água e esgotamento sanitário. O controle do processo de reuso de águas é fase de grande impor tância, devendo começar pela obrigatoriedade de separação das canalizações de água potável e água de reuso.
  20. 20. O reuso reduz a demanda sobre os mananciais de água devido à substituição da água potável por uma água de qualidade inferior. A reutilização das águas cinzas trazem benefícios tanto para os moradores, quanto para as estações de tratamento de água. A água da chuva é uma água suave que pode ser utilizada de várias formas: durante a lavagem de roupas, calçadas, automóveis ou irrigação de hortas e jardins. Com isso ela é capaz de compensar, substituindo com vantagens, até 50% da água dos sistemas públicos de abastecimento. Essas vantagens serão significativas se consideradas sua implantação em larga escala na cidade. IMPORTÂNCIA E AS LIMITAÇÕES DO USO DA ÁGUA DE CHUVA E DE REUSO DAS ÁGUAS CINZAS
  21. 21. Os sistemas de coleta e aproveitamento de águas pluviais requerem cuidados gerais e características construtivas que permitam a segurança do abastecimento, a manutenção e qualidade da água. Ressalta-se: • Evitar a entrada de luz do sol no reservatório; • Manter a tampa de inspeção fechada; • Realizar a limpeza anual do reservatório; • Assegurar que a água coletada seja utilizada somente para fins não potáveis; • Prever a conexão (sem possibilidade de contaminação) de água potável com o reservatório de armazenamento, assegurando o consumo por ocasião de estiagens prolongadas; • A qualidade da água deve ser submetida a um processo de monitoramento. IMPORTÂNCIA E AS LIMITAÇÕES DO USO DA ÁGUA DE CHUVA E DE REUSO DAS ÁGUAS CINZAS
  22. 22. Guilherme M. de O. Francisco Paula Aleksa Bianchi Faculdade de Arquitetura e Urbanismo PUC – Campinas 2012 Infraestrutura Urbana

×