SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGU
ESA
RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7º ANO
Conteúdos:
1 – Frase, oração e período;
2 – Sujeito e Predicado;
3 – Sujeito Simples, Composto, Oculto, Indeterminado e Inexistente;
4 – Verbo Transitivo e Intransitivo;
5 – Objeto Direto e objeto Indireto;
6 – Pronomes Pessoais como Sujeito e Objeto;
7 – Verbo de Ligação;
8 – Predicativo do Sujeito;
9 – Adjunto Adnominal;
10 – Adjunto Adverbial;
11 – Interpretação de Textos.
Orientações de Estudo para a Prova de Recuperação:
- Fazer os exercícios da Bateria;
- Refazer as Ais e PBs que contemplem os conteúdos da recuperação;
- Reler os conteúdos teóricos dos livros: “Gramática Fundamental” e da “Gramática
Amarela” e,
- Refazer os exercícios da “Gramática Fundamental” e da “Gramática Amarela”.
Bateria de Exercícios com Gabarito
Você se lembra desta música do grupo ―Mamonas Assassinas‖? Leia a letra da música produzida
por ele:
Item 01. Nessa música, o grupo intencionalmente explora uma variante linguística. Para isso, cria
uma personagem que teria determinadas características de fala. No terceiro verso, temos uma
construção que está em desacordo com a norma culta. Identifique-a e reescreva-a na linguagem
culta.
―A gente foi... ou Nós fomos ao shopping.‖
Item 02. Pouco sabemos sobre a pessoa que fala nessa música, mas, por algumas pistas do texto,
podemos imaginar. Em sua opinião, qual deve ser:
(A) o grau de escolaridade dela?
É uma pessoa de pouca ou nenhuma escolaridade.
(B) a profissão?
É um pedreiro da construção civil; são citados os ―andaimes‖.
(C) a classe social a que ela pertence?
Provavelmente uma classe social baixa.
(D) os filmes a que normalmente ela assiste:
Pelo nome dos atores citados, supõe-se que goste de filmes de violência.
Item 03. No 3º verso da 3ª estrofe, é empregada uma gíria: ―uns rolezinho‖. Qual o sentido dessa
expressão, a partir do contexto?
Provavelmente, dar umas voltas.
Item 04. Está errado quando, em uma conversa informal, os falantes pronunciam gírias? Por quê?
Não, numa conversa informal, dependendo do grau de intimidade dos interlocutores, as
gírias são admitidas.
Item 05. Leia o trecho de uma carta de amor escrita pelo poeta Olavo Bilac:
(A) A linguagem utilizada na carta é uma linguagem verbal escrita. O tipo de linguagem é padrão ou
não padrão?
Na carta, foi utilizada a linguagem padrão.
(B) Levando em consideração esse tipo de linguagem, o locutor tem ou não intimidade com o
interlocutor? Essa variante linguística está adequada ao tipo de texto e à situação?
O locutor não tem intimidade com o interlocutor. Essa variante está adequada, visto
que é uma carta a uma pessoa que não se conhece, portanto, não há intimidade entre os
falantes e também por conta do nível de interlocutor também é uma pessoa com nível de
escolaridade alto, visto consegue entender a carta.
(C) Caracterize o locutor quanto ao seu nível de escolaridade.
Provavelmente, o locutor tem um nível de escolaridade alto, visto que sabe utilizar as
regras gramaticais do português.
Item 06.
Presentes de ler,
presentes de ouvir,
presentes de se divertir.
Uma super coleção de presentes
super leais com
preços superbacanas.
A língua usada no anúncio é padrão ou não padrão? Retire do texto exemplos que justifiquem
sua resposta.
Não padrão. Antenada, superpresentes, superfeliz, superlegais, superbacanas.
Item 07.
Os textos publicitários procuram empregar uma linguagem que seja adequada ao produto
que anunciam e ao público que pretendem atingir. Observe a linguagem do texto da parte superior
do anúncio.
(A) Qual é o produto que o anúncio promove?
Um curso de inglês.
(B) A língua empregada está de acordo com a variedade padrão?
Não.
(C) Com base na variedade linguística empregada, responda: qual é o tipo de público que o
anúncio pretende atingir: jovem ou adulto? Justifique sua resposta com elementos do texto.
O público adolescente ou jovem, pois expressões como tipo assim, sacou, tá beleza são
típicos da linguagem desse grupo.
(D) A linguagem está mais próxima da língua oral ou escrita? Formal ou informal?
Está próxima da língua oral e informal.
Leia este poema de Antônio Gonçalves da Silva, mais conhecido como Patativa do Assaré:
Item 08. Patativa do Assaré (1909-2002) foi um importante poeta brasileiro, que se destacou na
literatura de cordel. Pelas características de sua linguagem, é possível supor que ele seja:
(A) um poeta popular ou um poeta erudito, formado em universidade?
Um poeta popular.
(B) um poeta urbano ou um poeta rural? Por quê?
Um poeta rural, pois o texto faz constantes referências à paisagem rural.
Item 09. Apesar de o texto ser sido publicado num jornal, ele foge às normas da língua escrita e
procura retratar o modo de falar do poeta.
(A) Identifique palavras que tenham sido escritas de modo diferente daquele registrado no
dicionário.
deferente – diferente; pulida – polida; simente – semente; inriba – em riba; tesôro –
tesouro; colejo – colégio; sê – ser; compreta – completa; professo – professor; vê –
ver; gaio – galho; fulô – flor.
(B) O poeta emprega no texto a palavra fulô (flor) e a expressão inriba (em riba) muito usadas em
certa região do país. Qual é essa região?
A região Nordeste.
(C) O jornal poderia ter publicado o poema de acordo com as normas da língua escrita, mas não
quis. Se o jornal tivesse a grafia das palavras desse poema, o que se perderia?
A sonoridade típica da fala do poeta popular nordestino.
Item 10. No poema, o eu lírico opõe à poesia a feita por outro tipo de poeta.
(A) Qual é esse outro tipo de poeta?
É o poeta que estudou.
(B) Onde esse tipo de poeta aprendeu a fazer poesia?
Nos livros do colégio.
(C) Releia os três últimos versos do poema e conclua: De onde o eu lírico extrai sua poesia?
Ela nasce naturalmente, como a semente brota do chão.
(D) Com base nessa oposição, explique o título do poema.
O título reforça a ideia desenvolvida no poema de que cada tipo de poeta (o popular e
erudito) faz um tipo de poesia, e os dois tipos são válidos.
Item 11. Leia a tira a seguir:
(A) Quantas frases há no balão do 1º quadrinho?
Uma frase
(B) E quantas orações?
Duas orações
(C) O que você achou da estratégia do menino?
Resposta pessoal
Item 12. Leia a tira abaixo:
A transitividade verbal dos verbos (entendi e vou ficar) encontrados no texto II se classifica em:
a) Transitivo indireto e intransitivo.
b) Intransitivo e transitivo indireto.
c) Transitivo direto e transitivo direto.
d) Transitivo indireto e transitivo indireto.
e) Intransitivo e intransitivo.
Item 13. Leia este poema de Vinícius de Moraes e indique a transitividade dos dois únicos verbos (
pensem – esqueçam):
Rosa de Hiroshima
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas, oh, não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.
(Vinícius de Moraes)
a) Transitivo direto – intransitivo.
b) Transitivo direto – transitivo direto.
c) Transitivo indireto – transitivo indireto.
d) Transitivo indireto - transitivo direto.
e) Intransitivo – transitivo indireto
Item 14. Os verbos destacados no poema classificam-se, quanto à predicação, como:
―Não quero aparelhos
para navegar.
Ando naufragado,
Ando sem destino.
Pelo voo dos pássaros
Quero me guiar...‖
(Jorge de Lima)
a) transitivo indireto – verbo de ligação
b) transitivo indireto – intransitivo
c) transitivo direto – intransitivo
d) transitivo direto – verbo de ligação
e) transitivo direto e indireto – transitivo direto
Item 15. Leia o Poema Abaixo e responda as questões:
Pétalas
Violetas derramam luz roxa
No parapeito branco da janela.
Toco em Folhas de veludo escuro,
e por um momento, minhas mãos se tornam pétalas.
(A) Qual é o complemento do verbo derramar? Classifique-o.
luz roxa-objeto direto
b) Qual palavra acompanhada do núcleo desse complemento verbal? Classifique-o.
roxa-predicativo
c) No verso "Toco em suas folhas de veludo escuro", qual é o do objeto indireto? Quais as palavras
que acompanha esse núcleo?
de veludo escuro
d) classifique essas palavras.
de-preposição escuro predicativo
Item 16. ―Maria viajará amanhã.‖ Classifica-se a palavra grifada em:
a) Sujeito simples
b) Sujeito indeterminado
c) Sujeito composto
d) Sujeito oculto
Item 17. Só em um caso a oração é sem sujeito:
a) Faltavam dez dias para o encontro.
b) Só me aguarda um paciente.
c) Havia bastante tempo para as discussões.
d) Houve por improcedente a reclamação do funcionário.
Item 18. Indique a alternativa em que o sujeito não é indeterminado:
a) Precisa-se de vendedora com experiência
b) Reformou-se a casa.
c) Confia-se em funcionários esforçados.
d) Necessita-se de pessoas voluntárias.
Item 19. Marque a oração em que o termo destacado é o sujeito:
a) Houve muitas brigas no jogo.
b) Ia haver mortes, se a polícia não interviesse.
c) Faz dois anos que não há bons espetáculos.
d) Existem muitas pessoas desonestas.
Item 20. Assinale a única oração em que o sujeito pode ser identificado:
a) Acredita-se em sua história.
b) Fala-se bastante da grande vitória.
c) Informou-se o endereço de Luís Felipe.
d) Especula-se muito nesse livro.
Item 21. ―Há dias eu o vi passar.‖ Os sujeitos dos verbos sublinhados classificam-se como:
a) inexistente, determinado
b) indeterminado, determinado
c) inexistente, inexistente
d) inexistente, indeterminado
Item 22. Ocorre verbo de ligação em:
a) Acabei de chegar.
b) O sonho acabou.
c) Todos acabaram exaustos.
d) Acabe com isso!
Item 23. Você aprendeu que o sujeito é o termo da oração que informa de que ou de quem se fala
e que o predicado é o termo que contém uma informação sobre o sujeito. Nas orações abaixo,
transcreva e classifique o sujeito e sublinhe o predicado.
a) Aquela estrada parecia sem fim.
sujeito: Aquela estrada - simples
predicado: parecia sem fim.
b) Carla e Bruno são irmãos.
sujeito: Carla e Bruno – composto
predicado: são irmãos.
c) O menino estava imundo.
sujeito: O menino - simples
predicado: estava imundo.
d) Seus cabelos ficaram lindos com esse tom alaranjado.
sujeito: Seus cabelos – simples
predicado: ficaram lindos com esse tom
alaranjado.
e) A partir daquele dia, Amanda tornou-se minha melhor amiga.
sujeito: Amanda – simples
predicado: A partir daquele dia, tornou-se minha
melhor amiga.
f) O amor deles parecia eterno.
sujeito: O amor deles – simples
predicado: parecia eterno.
g) Fernando e Ricardo são lindos.
sujeito: Fernando e Ricardo – composto
predicado: são lindos.
h) A mãe estava aborrecida.
sujeito: A mãe – simples
predicado: estava aborrecida.
i) Nossas roupas ficaram ótimas.
sujeito: Nossas roupas – simples
predicado: ficaram ótimas.
j) Depois de um longo tempo, ela tornou-se minha confidente.
sujeito: ela - simples
predicado: Depois de um longo tempo, tornou-se
Item 24. Transcreva o sujeito das orações abaixo, sublinhe o(s) seu núcleo(s) e classifique-o em
simples ou composto.
a) Amanda acabou de chagar.
Amanda – simples
b) Suas desculpas não são sinceras.
Suas desculpas – simples
c) Todos ficaram satisfeitos com a resposta do diretor.
Todos - simples
d) Meu gato e meu cachorro brigam o tempo todo.
Meu gato e meu cachorro – composto
Item 25. Sublinhe o predicado das orações abaixo.
a) Três é meu número da sorte.
b) Estão desabrigadas pela enchente várias famílias.
c) Estudar é necessário a todos.
d) Enfim apareceu o sol.
e) A metade da turma vai participar da quadrilha.
a) é meu número da sorte.
b) Estão desabrigadas pela enchente
c) é necessário a todos.
d) Enfim apareceu
e) vai participar da quadrilha.
Item 26. Complete as frases abaixo com a forma verbal adequada, observando a concordância do
verbo com o sujeito.
a) _____________ (sou/é) sempre eu que lavo os pratos depois do jantar.
b) _____________ (veio/vieram) os alunos e os professores.
c) Estados Unidos _____________ (participará/participarão) da reunião para preservação dos
recursos
naturais.
d) A torcida _____________ (aplaudiu/aplaudiram) entusiasmada a grande jogada.
e) _____________ (discursará/discursarão) o supervisor e a coordenadora.
a) Sou
b) Vieram
c) participará
d) aplaudiu
e) Discursará/Discursarão
Item 27. Informe a transitividade dos verbos nas orações abaixo e, se eles apresentarem
complementos, transcreva-os e classifique-os.
a) Mamãe preparou um ótimo jantar para as visitas.
VTDI
OD – um ótimo jantar
OI – para as visitas
b) Ricardo fechou a porta bruscamente.
VTD
OD – a porta
c) Os convidados já chegaram.
VI
d) Os desabrigados necessitam de solidariedade.
VTI
OI – de solidariedade
e) O garoto chutou a bola para longe.
VTD
OD – a bola
f) Carlos veio rapidamente.
VI
g) Enviei uma carta para meu namorado.
VTDI
OD – uma carta
OI – para meu namorado
h) Os pacientes não confiavam nos médicos do centro de saúde.
VTI
OI – nos médicos do centro de saúde
i) Comprei um belíssimo vestido para o casamento.
VTD
OD – um belíssimo vestido
j) A turma leu o livro em uma semana.
VTD
OD – o livro
Item 28. Complete as orações abaixo com um predicativo do sujeito.
a) Aquele garoto parece _____________________________.
b) Essa festa está __________________________________.
c) Débora ficou ____________________ com o que você fez.
d) André tornou-se _________________________________.
e) Os alunos permaneceram _________________________.
(respostas sugeridas)
a) nervoso
b) muito animada
c) assustada
d) um grande homem
e) calados
Item 29. Leia estas frases.
Marília é baixinha.
Marília está baixinha para a idade que tem.
Explique a diferença de sentido existente entre as frases acima, considerando os verbos de ligação
que foram empregados.
A primeira frase mostra uma característica permanente, definitiva de Marília. A segunda
frase mostra um estado transitório de Marília, ou seja, ela ainda pode crescer.
Interpretação de Texto.
Sobre a minha mesa, na redação do jornal, encontrei-o, numa tarde quente de verão. É um
inseto que parece um aeroplano de quatro asas translúcidas e gosta de sobrevoar os açudes, os
córregos e as poças de água. É um bicho do mato e não da cidade. Mas que fazia ali, sobre a minha
mesa, em pleno coração da metrópole?
Parecia morto, mas notei que movia nervosamente as estranhas e minúsculas mandíbulas.
Estava morrendo de sede, talvez pudesse salvá-lo. Peguei-o pelas asas e levei-o até o banheiro.
Depois de acomodá-lo a um canto da pia, molhei a mão e deixei que a água pingasse sobre a sua
cabeça e suas asas. Permaneceu imóvel. É não tem mais jeito — pensei comigo. Mas eis que ele se
estremece todo e move a boca molhada. A água tinha escorrido toda, era preciso arranjar um meio
de mantê-la ao seu alcance sem, contudo afogá-lo. A outra pia talvez desse mais jeito. Transferi-o
para lá, acomodei-o e voltei para a redação.
Mas a memória tomara outro rumo. Lá na minha terra, nosso grupo de meninos chamava
esse bicho de macaquinho voador e era diversão nossa caçá-los, amarrá-los com uma linha e deixá-
los voar acima de nossa cabeça. Lembrava também do açude, na fazenda, onde eles apareciam em
formação de esquadrilha e pousavam na água escura. Mas que diabo fazia na avenida Rio Branco
esse macaquinho voador? Teria ele voado do Coroatá até aqui, só para me encontrar? Seria ele uma
estranha mensagem da natureza a este desertor?
Voltei ao banheiro e em tempo de evitar que o servente o matasse. ―Não faça isso com o
coitado!‖ ―Coitado nada, esse bicho deve causar doença.‖ Tomei-o da mão do homem e o pus de
novo na pia. O homem ficou espantado e saiu, sem saber que laços de afeição e história me ligavam
àquele estranho ser. Ajeitei-o, dei-lhe água e voltei ao trabalho. Mas o tempo urgia, textos, notícias,
telefonemas, fui para casa sem me lembrar mais dele.
(GULLAR, Ferreira. O menino e o arco-íris e outras crônicas. Para gostar de ler, 31.
São Paulo: Ática, 2001. p. 88-89)
Item 30. Ao encontrar um inseto quase morto em sua mesa, o homem:
(A) colocou-o dentro de um pote de água.
(B) escondeu-o para que ninguém o matasse.
(C) pingou água sobre sua cabeça.
(D) procurou por outros insetos no escritório.
(E) não lhe deu muita importância.
Item 31. O homem interessou-se pelo inseto por que:
(A) decidiu descansar do trabalho cansativo que realizava no jornal.
(B) estranhou a presença de um inseto do mato em plena cidade.
(C) percebeu que ele estava fraco e doente por falta de água.
(D) resolveu salvar o animal para analisar o funcionamento do seu corpo.
(E) era um inseto perigoso e contagioso.
Item 32. A mudança na rotina do homem deu-se:
(A) à chegada do inseto na redação do jornal.
(B) ao intenso calor daquela tarde de verão.
(C) à monotonia do trabalho no escritório.
(D) à transferência de local onde estava o inseto.
(E) devido ao cansaço do dia.
Item 33. Em ―Não faça isso com o coitado!‖, a palavra sublinhada sugere sentimento:
(A) maldade
(B) crueldade
(C) desprezo
(D) esperança
(E) afeição
Item 34. A presença do inseto na redação do jornal provocou no homem:
(A) curiosidade científica.
(B) sensação de medo.
(C) medo de pegar uma doença.
(D) lembranças da infância.
(E) preocupação com o próximo.
Item 35. Com base na leitura do texto pode-se concluir que a questão central é:
(A) a presença inesperada de um inseto do mato na cidade.
(B) a saudade dos amigos de infância
(C) a vida pacifica da grande cidade.
(D) a preocupação com a proteção aos animais.
(E) o cuidado que se deve ter com todos os insetos.
Item 36. Mestre
Mestre, são 1
plácidas
Todas as horas
Que nós perdemos,
Se no perdê-las,
Qual numa jarra,
Nós pomos flores.
Não há tristezas
Nem alegrias
O tempo passa,
Não nos diz nada.
Envelhecemos.
Saibamos, quase
Maliciosos,
Sentir-nos ir.
Não vale a pena
Fazer um gesto.
Na nossa vida.
Assim saibamos,
Sábios 2
incautos,
Não a viver,
Mas decorrê-la,
Tranquilos, plácidos,
Tendo as crianças
Por nossas mestras,
E os olhos cheios
De Natureza...
À beira-rio,
À beira-estrada,
3
Conforme calha,
Sempre no mesmo
Leve descanso
De estar vivendo.
Não se resiste
Ao deus atroz
Que os próprios
filhos
Devora sempre.
Colhamos flores.
Molhemos leves
As nossas mãos
Nos rios calmos,
Para aprendermos
Calma também.
Girassóis sempre
Fitando o sol,
Da vida iremos
Tranquilos, tendo
Nem o remorso
De ter vivido.
RICARDO REIS
Pessoa, Fernando. Obra poética. Rio de Janeiro: Aguilar, 1999.
(1) plácidas - calmas
(2) incautos - desprevenidos
(3) conforme calha - conforme seja
Na 1ª estrofe do poema, para construir o sentido geral do texto, o poeta faz uma referência à
expressão perder tempo, dando-lhe, entretanto, outro sentido, diferente do usual.
Explique o sentido usual da expressão perder tempo e apresente, também, o sentido que essa
mesma expressão assume no poema.
Na linguagem usual, a expressão ―perder tempo‖ tem sentido negativo, sugerindo ações
inúteis, ou seja, desenvolver atividades sem proveito algum. No poema, a mesma
expressão é vista de maneira positiva, no sentido de vivenciar melhor o tempo que se tem
ou aceitar a passagem natural do tempo.
Item 37. Eis o seguinte poema. Leia-o atenciosamente:
“Poema só para Jaime Ovalle"
Quando hoje acordei, ainda fazia escuro
(Embora a manhã já estivesse avançada).
Chovia.
Chovia uma triste chuva de resignação
Como contraste e consolo ao calor tempestuoso da noite.
Então me levantei,
Bebi o café que eu mesmo preparei,
Depois me deitei novamente, acendi um cigarro e fiquei pensando...
- Humildemente pensando na vida e nas mulheres que amei.
Manuel Bandeira, in “Antologia", pág.198.
A propósito do mesmo, explicite seus conhecimentos, levando em consideração o que se pede:
a – De acordo com sua percepção, há a presença de vários verbos. Destaque-os.
acordei, fazia, estivesse, chovia, levantei, bebi, preparei, deitei, acendi, fiquei, pensando, amei.
b – Analise atentamente sobre a ocorrência de adjuntos adverbiais. Caso tenha identificado,
aponte-os.
Quando, hoje, depois, novamente, humildemente.
c- Feito isso, indique a circunstância expressa pelos mesmos, dizendo se é de modo, tempo,
entre outras.
Quando, hoje depois – adjuntos adverbiais de tempo. novamente - adjunto adverbial de tempo.
humildemente – adjunto adverbial de modo.
Item 38. Classifique o sujeito de cada uma das orações abaixo de acordo com o código:
(1) Sujeito simples
(2) Sujeito indeterminado
(3) Sujeito composto
(4) Sujeito oculto
(5) Sujeito inexistente
a. ( 5 ) Faz três anos que não o vejo.
b. ( 2 ) Vive-se bem aqui.
c. (2 ) Perguntaram-me de você.
d. ( 1 ) Naquele instante soou o alarme.
e. ( 3 ) Parecem infindáveis as crises políticas e os desarranjos econômicos brasileiros.
f. ( 4 ) Acabamos a prova bem cedo.
g. ( 3 ) Viajaram o presidente e seus principais ministros.
h. ( 5 ) Deve haver quinze pessoas naquela sala.
i. (1 ) Explodiu novo conflito racial na África do Sul.
j. ( 5 ) Anoitecia lentamente no sertão.
Item 39. Considere os verbos destacados nos seguintes versos de Olavo Bilac: ―Longe do estéril
turbilhão da rua,/ Beneditino, escreve!‖ ― De tal modo, que a imagem fique nua (...)‖ ― E, natural, o
efeito agrade, / Sem lembrar os andaimes do edifício‖.
Quanto a predicação eles se classificam, respectivamente, como:
a. intransitivo – de ligação – transitivo direto.
b. transitivo direto – intransitivo – intransitivo.
c. transitivo – intransitivo – transitivo.
d. transitivo – de ligação – intransitivo.
e. transitivo direto – de ligação – transitivo direto e indireto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Gabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerência
Gabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerênciaGabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerência
Gabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerênciaRoberto Luiz
 
Poema concreto
Poema concreto Poema concreto
Poema concreto Sonialira
 
Substantivos - Tipos de Substantivos 
Substantivos - Tipos de Substantivos Substantivos - Tipos de Substantivos 
Substantivos - Tipos de Substantivos Fagner Aquino
 
Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...
Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...
Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...Vídeo Aulas Apoio
 
Exercícios sobre valor semântico dos articuladores
Exercícios sobre valor semântico dos articuladoresExercícios sobre valor semântico dos articuladores
Exercícios sobre valor semântico dos articuladoresma.no.el.ne.ves
 
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Tânia Regina
 
Interpretação de tirinha preconceito
Interpretação de tirinha preconceitoInterpretação de tirinha preconceito
Interpretação de tirinha preconceitoRose Tavares
 
Ficha de leitura 9.º ano
Ficha de leitura 9.º ano Ficha de leitura 9.º ano
Ficha de leitura 9.º ano Salomé Raposo
 
Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16
Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16
Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16jopinperslide
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesaPacatubaLei
 
Exercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabaritoExercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabaritoCarolina Souza
 
Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're
Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're
Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're Paula Meyer Piagentini
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal Edson Alves
 

Mais procurados (20)

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Gabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerência
Gabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerênciaGabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerência
Gabarito exercícios de orações coordenadas, coesão e coerência
 
Pressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendidoPressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendido
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Poema concreto
Poema concreto Poema concreto
Poema concreto
 
Substantivos - Tipos de Substantivos 
Substantivos - Tipos de Substantivos Substantivos - Tipos de Substantivos 
Substantivos - Tipos de Substantivos 
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Atividades sobre fake news
Atividades sobre fake newsAtividades sobre fake news
Atividades sobre fake news
 
Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...
Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...
Português - Termos Essenciais da Oração - Sujeito e Predicado - CentroApoio.c...
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Exercícios sobre valor semântico dos articuladores
Exercícios sobre valor semântico dos articuladoresExercícios sobre valor semântico dos articuladores
Exercícios sobre valor semântico dos articuladores
 
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
 
Interpretação de tirinha preconceito
Interpretação de tirinha preconceitoInterpretação de tirinha preconceito
Interpretação de tirinha preconceito
 
Ficha de leitura 9.º ano
Ficha de leitura 9.º ano Ficha de leitura 9.º ano
Ficha de leitura 9.º ano
 
Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16
Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16
Adjetivos colégio anglo lista de exercícios nº 16
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Exercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabaritoExercícios vocativo com gabarito
Exercícios vocativo com gabarito
 
Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're
Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're
Lista de exercícios - Sujeito / Verbo to be / There's x There're
 
O narrador exercícios
O narrador exercíciosO narrador exercícios
O narrador exercícios
 
Predicação verbal
Predicação verbal Predicação verbal
Predicação verbal
 

Semelhante a 7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios

Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdfVariação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdfJaineCarolaineLima
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.Antônio Fernandes
 
Atividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinha
Atividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinhaAtividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinha
Atividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinhasandraalvesnunes
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.Antônio Fernandes
 
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017ArenadaMatemgica
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramaticaAline Roma
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramaticaAline Roma
 
Avaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docxAvaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docxEdilmaBrando1
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3PATRICIA VIANA
 

Semelhante a 7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios (20)

20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
20190218100452 thumb be6ano_linguaportuguesa
 
1 funcoes_da_linguagem
1  funcoes_da_linguagem1  funcoes_da_linguagem
1 funcoes_da_linguagem
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdfVariação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
Variação linguística - Atividade 09999999999999.pdf
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
Atividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinha
Atividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinhaAtividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinha
Atividades pc mod. iii de 1 a 4 glorinha
 
521183 (1).pptx
521183 (1).pptx521183 (1).pptx
521183 (1).pptx
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 1º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
ROTEIROS DE DISCUSSÃO - SD 2016.2
ROTEIROS DE DISCUSSÃO - SD 2016.2ROTEIROS DE DISCUSSÃO - SD 2016.2
ROTEIROS DE DISCUSSÃO - SD 2016.2
 
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
 
5
55
5
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
 
Avaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docxAvaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docx
 
Caderno 1 a em_cl
Caderno 1 a em_clCaderno 1 a em_cl
Caderno 1 a em_cl
 
Língua Inglesa.pptx
Língua Inglesa.pptxLíngua Inglesa.pptx
Língua Inglesa.pptx
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3
 

Mais de Poliana Moura

8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exerciciosPoliana Moura
 
Texto eu sei,mas nao devia
Texto eu sei,mas nao deviaTexto eu sei,mas nao devia
Texto eu sei,mas nao deviaPoliana Moura
 
Planejamento Inglês 6ano
Planejamento Inglês 6anoPlanejamento Inglês 6ano
Planejamento Inglês 6anoPoliana Moura
 
Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1
Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1
Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1Poliana Moura
 

Mais de Poliana Moura (6)

8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
8o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
 
Texto eu sei,mas nao devia
Texto eu sei,mas nao deviaTexto eu sei,mas nao devia
Texto eu sei,mas nao devia
 
Comic strip
Comic stripComic strip
Comic strip
 
Ingles tirinha
Ingles tirinhaIngles tirinha
Ingles tirinha
 
Planejamento Inglês 6ano
Planejamento Inglês 6anoPlanejamento Inglês 6ano
Planejamento Inglês 6ano
 
Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1
Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1
Banco do Brasil Apostila bb -_edgar_abreu_1
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 

7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios

  • 1. RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGU ESA RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7º ANO Conteúdos: 1 – Frase, oração e período; 2 – Sujeito e Predicado; 3 – Sujeito Simples, Composto, Oculto, Indeterminado e Inexistente; 4 – Verbo Transitivo e Intransitivo; 5 – Objeto Direto e objeto Indireto; 6 – Pronomes Pessoais como Sujeito e Objeto; 7 – Verbo de Ligação; 8 – Predicativo do Sujeito; 9 – Adjunto Adnominal; 10 – Adjunto Adverbial; 11 – Interpretação de Textos. Orientações de Estudo para a Prova de Recuperação: - Fazer os exercícios da Bateria; - Refazer as Ais e PBs que contemplem os conteúdos da recuperação; - Reler os conteúdos teóricos dos livros: “Gramática Fundamental” e da “Gramática Amarela” e, - Refazer os exercícios da “Gramática Fundamental” e da “Gramática Amarela”. Bateria de Exercícios com Gabarito Você se lembra desta música do grupo ―Mamonas Assassinas‖? Leia a letra da música produzida por ele:
  • 2. Item 01. Nessa música, o grupo intencionalmente explora uma variante linguística. Para isso, cria uma personagem que teria determinadas características de fala. No terceiro verso, temos uma construção que está em desacordo com a norma culta. Identifique-a e reescreva-a na linguagem culta. ―A gente foi... ou Nós fomos ao shopping.‖ Item 02. Pouco sabemos sobre a pessoa que fala nessa música, mas, por algumas pistas do texto, podemos imaginar. Em sua opinião, qual deve ser: (A) o grau de escolaridade dela? É uma pessoa de pouca ou nenhuma escolaridade. (B) a profissão? É um pedreiro da construção civil; são citados os ―andaimes‖. (C) a classe social a que ela pertence? Provavelmente uma classe social baixa. (D) os filmes a que normalmente ela assiste: Pelo nome dos atores citados, supõe-se que goste de filmes de violência. Item 03. No 3º verso da 3ª estrofe, é empregada uma gíria: ―uns rolezinho‖. Qual o sentido dessa expressão, a partir do contexto? Provavelmente, dar umas voltas. Item 04. Está errado quando, em uma conversa informal, os falantes pronunciam gírias? Por quê? Não, numa conversa informal, dependendo do grau de intimidade dos interlocutores, as gírias são admitidas. Item 05. Leia o trecho de uma carta de amor escrita pelo poeta Olavo Bilac: (A) A linguagem utilizada na carta é uma linguagem verbal escrita. O tipo de linguagem é padrão ou não padrão? Na carta, foi utilizada a linguagem padrão. (B) Levando em consideração esse tipo de linguagem, o locutor tem ou não intimidade com o interlocutor? Essa variante linguística está adequada ao tipo de texto e à situação?
  • 3. O locutor não tem intimidade com o interlocutor. Essa variante está adequada, visto que é uma carta a uma pessoa que não se conhece, portanto, não há intimidade entre os falantes e também por conta do nível de interlocutor também é uma pessoa com nível de escolaridade alto, visto consegue entender a carta. (C) Caracterize o locutor quanto ao seu nível de escolaridade. Provavelmente, o locutor tem um nível de escolaridade alto, visto que sabe utilizar as regras gramaticais do português. Item 06. Presentes de ler, presentes de ouvir, presentes de se divertir. Uma super coleção de presentes super leais com preços superbacanas. A língua usada no anúncio é padrão ou não padrão? Retire do texto exemplos que justifiquem sua resposta. Não padrão. Antenada, superpresentes, superfeliz, superlegais, superbacanas.
  • 4. Item 07. Os textos publicitários procuram empregar uma linguagem que seja adequada ao produto que anunciam e ao público que pretendem atingir. Observe a linguagem do texto da parte superior do anúncio. (A) Qual é o produto que o anúncio promove? Um curso de inglês. (B) A língua empregada está de acordo com a variedade padrão? Não. (C) Com base na variedade linguística empregada, responda: qual é o tipo de público que o anúncio pretende atingir: jovem ou adulto? Justifique sua resposta com elementos do texto. O público adolescente ou jovem, pois expressões como tipo assim, sacou, tá beleza são típicos da linguagem desse grupo. (D) A linguagem está mais próxima da língua oral ou escrita? Formal ou informal? Está próxima da língua oral e informal.
  • 5. Leia este poema de Antônio Gonçalves da Silva, mais conhecido como Patativa do Assaré: Item 08. Patativa do Assaré (1909-2002) foi um importante poeta brasileiro, que se destacou na literatura de cordel. Pelas características de sua linguagem, é possível supor que ele seja: (A) um poeta popular ou um poeta erudito, formado em universidade? Um poeta popular. (B) um poeta urbano ou um poeta rural? Por quê? Um poeta rural, pois o texto faz constantes referências à paisagem rural. Item 09. Apesar de o texto ser sido publicado num jornal, ele foge às normas da língua escrita e procura retratar o modo de falar do poeta. (A) Identifique palavras que tenham sido escritas de modo diferente daquele registrado no dicionário. deferente – diferente; pulida – polida; simente – semente; inriba – em riba; tesôro – tesouro; colejo – colégio; sê – ser; compreta – completa; professo – professor; vê – ver; gaio – galho; fulô – flor. (B) O poeta emprega no texto a palavra fulô (flor) e a expressão inriba (em riba) muito usadas em certa região do país. Qual é essa região? A região Nordeste. (C) O jornal poderia ter publicado o poema de acordo com as normas da língua escrita, mas não quis. Se o jornal tivesse a grafia das palavras desse poema, o que se perderia? A sonoridade típica da fala do poeta popular nordestino. Item 10. No poema, o eu lírico opõe à poesia a feita por outro tipo de poeta. (A) Qual é esse outro tipo de poeta? É o poeta que estudou. (B) Onde esse tipo de poeta aprendeu a fazer poesia? Nos livros do colégio.
  • 6. (C) Releia os três últimos versos do poema e conclua: De onde o eu lírico extrai sua poesia? Ela nasce naturalmente, como a semente brota do chão. (D) Com base nessa oposição, explique o título do poema. O título reforça a ideia desenvolvida no poema de que cada tipo de poeta (o popular e erudito) faz um tipo de poesia, e os dois tipos são válidos. Item 11. Leia a tira a seguir: (A) Quantas frases há no balão do 1º quadrinho? Uma frase (B) E quantas orações? Duas orações (C) O que você achou da estratégia do menino? Resposta pessoal Item 12. Leia a tira abaixo:
  • 7. A transitividade verbal dos verbos (entendi e vou ficar) encontrados no texto II se classifica em: a) Transitivo indireto e intransitivo. b) Intransitivo e transitivo indireto. c) Transitivo direto e transitivo direto. d) Transitivo indireto e transitivo indireto. e) Intransitivo e intransitivo. Item 13. Leia este poema de Vinícius de Moraes e indique a transitividade dos dois únicos verbos ( pensem – esqueçam): Rosa de Hiroshima Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada. (Vinícius de Moraes) a) Transitivo direto – intransitivo. b) Transitivo direto – transitivo direto. c) Transitivo indireto – transitivo indireto. d) Transitivo indireto - transitivo direto. e) Intransitivo – transitivo indireto Item 14. Os verbos destacados no poema classificam-se, quanto à predicação, como: ―Não quero aparelhos para navegar. Ando naufragado, Ando sem destino. Pelo voo dos pássaros Quero me guiar...‖ (Jorge de Lima) a) transitivo indireto – verbo de ligação b) transitivo indireto – intransitivo c) transitivo direto – intransitivo d) transitivo direto – verbo de ligação e) transitivo direto e indireto – transitivo direto
  • 8. Item 15. Leia o Poema Abaixo e responda as questões: Pétalas Violetas derramam luz roxa No parapeito branco da janela. Toco em Folhas de veludo escuro, e por um momento, minhas mãos se tornam pétalas. (A) Qual é o complemento do verbo derramar? Classifique-o. luz roxa-objeto direto b) Qual palavra acompanhada do núcleo desse complemento verbal? Classifique-o. roxa-predicativo c) No verso "Toco em suas folhas de veludo escuro", qual é o do objeto indireto? Quais as palavras que acompanha esse núcleo? de veludo escuro d) classifique essas palavras. de-preposição escuro predicativo Item 16. ―Maria viajará amanhã.‖ Classifica-se a palavra grifada em: a) Sujeito simples b) Sujeito indeterminado c) Sujeito composto d) Sujeito oculto Item 17. Só em um caso a oração é sem sujeito: a) Faltavam dez dias para o encontro. b) Só me aguarda um paciente. c) Havia bastante tempo para as discussões. d) Houve por improcedente a reclamação do funcionário. Item 18. Indique a alternativa em que o sujeito não é indeterminado: a) Precisa-se de vendedora com experiência b) Reformou-se a casa. c) Confia-se em funcionários esforçados. d) Necessita-se de pessoas voluntárias. Item 19. Marque a oração em que o termo destacado é o sujeito: a) Houve muitas brigas no jogo. b) Ia haver mortes, se a polícia não interviesse. c) Faz dois anos que não há bons espetáculos. d) Existem muitas pessoas desonestas. Item 20. Assinale a única oração em que o sujeito pode ser identificado:
  • 9. a) Acredita-se em sua história. b) Fala-se bastante da grande vitória. c) Informou-se o endereço de Luís Felipe. d) Especula-se muito nesse livro. Item 21. ―Há dias eu o vi passar.‖ Os sujeitos dos verbos sublinhados classificam-se como: a) inexistente, determinado b) indeterminado, determinado c) inexistente, inexistente d) inexistente, indeterminado Item 22. Ocorre verbo de ligação em: a) Acabei de chegar. b) O sonho acabou. c) Todos acabaram exaustos. d) Acabe com isso! Item 23. Você aprendeu que o sujeito é o termo da oração que informa de que ou de quem se fala e que o predicado é o termo que contém uma informação sobre o sujeito. Nas orações abaixo, transcreva e classifique o sujeito e sublinhe o predicado. a) Aquela estrada parecia sem fim. sujeito: Aquela estrada - simples predicado: parecia sem fim. b) Carla e Bruno são irmãos. sujeito: Carla e Bruno – composto predicado: são irmãos. c) O menino estava imundo. sujeito: O menino - simples predicado: estava imundo. d) Seus cabelos ficaram lindos com esse tom alaranjado. sujeito: Seus cabelos – simples predicado: ficaram lindos com esse tom alaranjado. e) A partir daquele dia, Amanda tornou-se minha melhor amiga. sujeito: Amanda – simples predicado: A partir daquele dia, tornou-se minha melhor amiga. f) O amor deles parecia eterno. sujeito: O amor deles – simples predicado: parecia eterno. g) Fernando e Ricardo são lindos. sujeito: Fernando e Ricardo – composto predicado: são lindos. h) A mãe estava aborrecida. sujeito: A mãe – simples predicado: estava aborrecida.
  • 10. i) Nossas roupas ficaram ótimas. sujeito: Nossas roupas – simples predicado: ficaram ótimas. j) Depois de um longo tempo, ela tornou-se minha confidente. sujeito: ela - simples predicado: Depois de um longo tempo, tornou-se Item 24. Transcreva o sujeito das orações abaixo, sublinhe o(s) seu núcleo(s) e classifique-o em simples ou composto. a) Amanda acabou de chagar. Amanda – simples b) Suas desculpas não são sinceras. Suas desculpas – simples c) Todos ficaram satisfeitos com a resposta do diretor. Todos - simples d) Meu gato e meu cachorro brigam o tempo todo. Meu gato e meu cachorro – composto Item 25. Sublinhe o predicado das orações abaixo. a) Três é meu número da sorte. b) Estão desabrigadas pela enchente várias famílias. c) Estudar é necessário a todos. d) Enfim apareceu o sol. e) A metade da turma vai participar da quadrilha. a) é meu número da sorte. b) Estão desabrigadas pela enchente c) é necessário a todos. d) Enfim apareceu e) vai participar da quadrilha. Item 26. Complete as frases abaixo com a forma verbal adequada, observando a concordância do verbo com o sujeito. a) _____________ (sou/é) sempre eu que lavo os pratos depois do jantar. b) _____________ (veio/vieram) os alunos e os professores. c) Estados Unidos _____________ (participará/participarão) da reunião para preservação dos recursos naturais. d) A torcida _____________ (aplaudiu/aplaudiram) entusiasmada a grande jogada. e) _____________ (discursará/discursarão) o supervisor e a coordenadora. a) Sou b) Vieram c) participará d) aplaudiu e) Discursará/Discursarão
  • 11. Item 27. Informe a transitividade dos verbos nas orações abaixo e, se eles apresentarem complementos, transcreva-os e classifique-os. a) Mamãe preparou um ótimo jantar para as visitas. VTDI OD – um ótimo jantar OI – para as visitas b) Ricardo fechou a porta bruscamente. VTD OD – a porta c) Os convidados já chegaram. VI d) Os desabrigados necessitam de solidariedade. VTI OI – de solidariedade e) O garoto chutou a bola para longe. VTD OD – a bola f) Carlos veio rapidamente. VI g) Enviei uma carta para meu namorado. VTDI OD – uma carta OI – para meu namorado h) Os pacientes não confiavam nos médicos do centro de saúde. VTI OI – nos médicos do centro de saúde i) Comprei um belíssimo vestido para o casamento. VTD OD – um belíssimo vestido j) A turma leu o livro em uma semana. VTD OD – o livro Item 28. Complete as orações abaixo com um predicativo do sujeito. a) Aquele garoto parece _____________________________. b) Essa festa está __________________________________.
  • 12. c) Débora ficou ____________________ com o que você fez. d) André tornou-se _________________________________. e) Os alunos permaneceram _________________________. (respostas sugeridas) a) nervoso b) muito animada c) assustada d) um grande homem e) calados Item 29. Leia estas frases. Marília é baixinha. Marília está baixinha para a idade que tem. Explique a diferença de sentido existente entre as frases acima, considerando os verbos de ligação que foram empregados. A primeira frase mostra uma característica permanente, definitiva de Marília. A segunda frase mostra um estado transitório de Marília, ou seja, ela ainda pode crescer. Interpretação de Texto. Sobre a minha mesa, na redação do jornal, encontrei-o, numa tarde quente de verão. É um inseto que parece um aeroplano de quatro asas translúcidas e gosta de sobrevoar os açudes, os córregos e as poças de água. É um bicho do mato e não da cidade. Mas que fazia ali, sobre a minha mesa, em pleno coração da metrópole? Parecia morto, mas notei que movia nervosamente as estranhas e minúsculas mandíbulas. Estava morrendo de sede, talvez pudesse salvá-lo. Peguei-o pelas asas e levei-o até o banheiro. Depois de acomodá-lo a um canto da pia, molhei a mão e deixei que a água pingasse sobre a sua cabeça e suas asas. Permaneceu imóvel. É não tem mais jeito — pensei comigo. Mas eis que ele se estremece todo e move a boca molhada. A água tinha escorrido toda, era preciso arranjar um meio de mantê-la ao seu alcance sem, contudo afogá-lo. A outra pia talvez desse mais jeito. Transferi-o para lá, acomodei-o e voltei para a redação. Mas a memória tomara outro rumo. Lá na minha terra, nosso grupo de meninos chamava esse bicho de macaquinho voador e era diversão nossa caçá-los, amarrá-los com uma linha e deixá- los voar acima de nossa cabeça. Lembrava também do açude, na fazenda, onde eles apareciam em formação de esquadrilha e pousavam na água escura. Mas que diabo fazia na avenida Rio Branco esse macaquinho voador? Teria ele voado do Coroatá até aqui, só para me encontrar? Seria ele uma estranha mensagem da natureza a este desertor? Voltei ao banheiro e em tempo de evitar que o servente o matasse. ―Não faça isso com o coitado!‖ ―Coitado nada, esse bicho deve causar doença.‖ Tomei-o da mão do homem e o pus de novo na pia. O homem ficou espantado e saiu, sem saber que laços de afeição e história me ligavam àquele estranho ser. Ajeitei-o, dei-lhe água e voltei ao trabalho. Mas o tempo urgia, textos, notícias, telefonemas, fui para casa sem me lembrar mais dele. (GULLAR, Ferreira. O menino e o arco-íris e outras crônicas. Para gostar de ler, 31. São Paulo: Ática, 2001. p. 88-89) Item 30. Ao encontrar um inseto quase morto em sua mesa, o homem:
  • 13. (A) colocou-o dentro de um pote de água. (B) escondeu-o para que ninguém o matasse. (C) pingou água sobre sua cabeça. (D) procurou por outros insetos no escritório. (E) não lhe deu muita importância. Item 31. O homem interessou-se pelo inseto por que: (A) decidiu descansar do trabalho cansativo que realizava no jornal. (B) estranhou a presença de um inseto do mato em plena cidade. (C) percebeu que ele estava fraco e doente por falta de água. (D) resolveu salvar o animal para analisar o funcionamento do seu corpo. (E) era um inseto perigoso e contagioso. Item 32. A mudança na rotina do homem deu-se: (A) à chegada do inseto na redação do jornal. (B) ao intenso calor daquela tarde de verão. (C) à monotonia do trabalho no escritório. (D) à transferência de local onde estava o inseto. (E) devido ao cansaço do dia. Item 33. Em ―Não faça isso com o coitado!‖, a palavra sublinhada sugere sentimento: (A) maldade (B) crueldade (C) desprezo (D) esperança (E) afeição Item 34. A presença do inseto na redação do jornal provocou no homem: (A) curiosidade científica. (B) sensação de medo. (C) medo de pegar uma doença. (D) lembranças da infância. (E) preocupação com o próximo. Item 35. Com base na leitura do texto pode-se concluir que a questão central é: (A) a presença inesperada de um inseto do mato na cidade. (B) a saudade dos amigos de infância (C) a vida pacifica da grande cidade. (D) a preocupação com a proteção aos animais. (E) o cuidado que se deve ter com todos os insetos. Item 36. Mestre Mestre, são 1 plácidas Todas as horas Que nós perdemos, Se no perdê-las, Qual numa jarra, Nós pomos flores. Não há tristezas Nem alegrias O tempo passa, Não nos diz nada. Envelhecemos. Saibamos, quase Maliciosos, Sentir-nos ir. Não vale a pena Fazer um gesto.
  • 14. Na nossa vida. Assim saibamos, Sábios 2 incautos, Não a viver, Mas decorrê-la, Tranquilos, plácidos, Tendo as crianças Por nossas mestras, E os olhos cheios De Natureza... À beira-rio, À beira-estrada, 3 Conforme calha, Sempre no mesmo Leve descanso De estar vivendo. Não se resiste Ao deus atroz Que os próprios filhos Devora sempre. Colhamos flores. Molhemos leves As nossas mãos Nos rios calmos, Para aprendermos Calma também. Girassóis sempre Fitando o sol, Da vida iremos Tranquilos, tendo Nem o remorso De ter vivido. RICARDO REIS Pessoa, Fernando. Obra poética. Rio de Janeiro: Aguilar, 1999. (1) plácidas - calmas (2) incautos - desprevenidos (3) conforme calha - conforme seja Na 1ª estrofe do poema, para construir o sentido geral do texto, o poeta faz uma referência à expressão perder tempo, dando-lhe, entretanto, outro sentido, diferente do usual. Explique o sentido usual da expressão perder tempo e apresente, também, o sentido que essa mesma expressão assume no poema. Na linguagem usual, a expressão ―perder tempo‖ tem sentido negativo, sugerindo ações inúteis, ou seja, desenvolver atividades sem proveito algum. No poema, a mesma expressão é vista de maneira positiva, no sentido de vivenciar melhor o tempo que se tem ou aceitar a passagem natural do tempo. Item 37. Eis o seguinte poema. Leia-o atenciosamente: “Poema só para Jaime Ovalle" Quando hoje acordei, ainda fazia escuro (Embora a manhã já estivesse avançada). Chovia. Chovia uma triste chuva de resignação Como contraste e consolo ao calor tempestuoso da noite. Então me levantei, Bebi o café que eu mesmo preparei, Depois me deitei novamente, acendi um cigarro e fiquei pensando... - Humildemente pensando na vida e nas mulheres que amei. Manuel Bandeira, in “Antologia", pág.198. A propósito do mesmo, explicite seus conhecimentos, levando em consideração o que se pede: a – De acordo com sua percepção, há a presença de vários verbos. Destaque-os. acordei, fazia, estivesse, chovia, levantei, bebi, preparei, deitei, acendi, fiquei, pensando, amei.
  • 15. b – Analise atentamente sobre a ocorrência de adjuntos adverbiais. Caso tenha identificado, aponte-os. Quando, hoje, depois, novamente, humildemente. c- Feito isso, indique a circunstância expressa pelos mesmos, dizendo se é de modo, tempo, entre outras. Quando, hoje depois – adjuntos adverbiais de tempo. novamente - adjunto adverbial de tempo. humildemente – adjunto adverbial de modo. Item 38. Classifique o sujeito de cada uma das orações abaixo de acordo com o código: (1) Sujeito simples (2) Sujeito indeterminado (3) Sujeito composto (4) Sujeito oculto (5) Sujeito inexistente a. ( 5 ) Faz três anos que não o vejo. b. ( 2 ) Vive-se bem aqui. c. (2 ) Perguntaram-me de você. d. ( 1 ) Naquele instante soou o alarme. e. ( 3 ) Parecem infindáveis as crises políticas e os desarranjos econômicos brasileiros. f. ( 4 ) Acabamos a prova bem cedo. g. ( 3 ) Viajaram o presidente e seus principais ministros. h. ( 5 ) Deve haver quinze pessoas naquela sala. i. (1 ) Explodiu novo conflito racial na África do Sul. j. ( 5 ) Anoitecia lentamente no sertão. Item 39. Considere os verbos destacados nos seguintes versos de Olavo Bilac: ―Longe do estéril turbilhão da rua,/ Beneditino, escreve!‖ ― De tal modo, que a imagem fique nua (...)‖ ― E, natural, o efeito agrade, / Sem lembrar os andaimes do edifício‖. Quanto a predicação eles se classificam, respectivamente, como: a. intransitivo – de ligação – transitivo direto. b. transitivo direto – intransitivo – intransitivo. c. transitivo – intransitivo – transitivo. d. transitivo – de ligação – intransitivo. e. transitivo direto – de ligação – transitivo direto e indireto.