Reunião de Preparação para o Jogo

5.015 visualizações

Publicada em

Jorge Castelo

Publicada em: Esportes
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.015
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.738
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
121
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reunião de Preparação para o Jogo

  1. 1. Reunião de preparação para o jogo Introdução A reunião de preparação para o jogo (também denominada de prelecção) constitui-se como uma etapa fundamental de importância vital para a eficácia da planificação estratégica da equipa, e encerra o seu ciclo de preparação antes da realização do confronto com a equipa adversária. A referida reunião tem um carácter fundamentalmente teórico versando aspectos técnicos, tácticos, psicológicos e organizativos, respeitantes às duas equipas (própria e adversária) em confronto. Neste sentido, iremos analisar a reunião de preparação para o jogo em cinco vertentes essenciais: a importância, os objectivos, os princípios e a metodologia de condução da reunião. 1. Importância da reunião Esta reunião constitui-se como um elemento chave no processo de preparação da equipa para o jogo, na qual o treinador intervém, pela última vez, de forma sistemática antes da competição, sendo neste sentido fundamental, encontrar as ideias e as palavras justas ao momento. 1.1. Estabelece-se como uma reflexão teórica "Tendo em conta que a percepção e a solução mental dependem da rapidez de actualização dos conhecimentos e da forma como é accionada a táctica em função do adversário (estratégia), a reflexão teórica consequente dos jogadores em função da equipa adversária, implica: 1. Que sejam recapitulados os conhecimentos indispensáveis de base da equipa. 2. Das particularidades tácticas do adversário para que a sua atenção se possa fixar nas possíveis variantes" face à organização adversa” (Mahlo, 1966). 1.2. Participação consciente A reunião de preparação para o jogo contribui substancialmente para a participação consciente, sobre o entendimento, clarificação e sistematização da
  2. 2. direcção geral do jogo da equipa e das missões tácticas individuais atribuídas aos diferentes jogadores em particular. 1.3. Reagrupar num só pensamento A reunião de preparação para o jogo constitui-se como um momento no qual se procura reagrupar num só pensamento, num mesmo objectivo onze vontades autónomas face à organização adversa. 2. Objectivos da reunião A reunião de preparação para o jogo caracterizada pela seriedade e solenidade, consubstancia-se essencialmente no afinar e finalizar a compreensão por parte dos jogadores da forma como irá ser aplicado o plano estratégico. Com efeito, e segundo Teodorescu (1984), a reunião de preparação poderá evidenciar os seguintes objectivos: 1. Precisar de forma conclusiva as diferentes missões tácticas individuais e a forma segundo a qual os jogadores irão colaborar com os seus companheiros que têm missões tácticas especiais a cumprir (durante os esquemas tácticos defensivos, por exemplo: a formação da barreira e a sua coordenação com as informações do guarda-redes, marcar os postes da baliza e as zonas do 1º e do 2º postes durante a execução dos pontapés de canto, etc.). 2. Contribuir para ultrapassar o estado emotivo e para o estabelecimento no seio da equipa de um sentimento positivo, eliminando, neste sentido, influências perturbadoras. 3. Apreciação final das características e das potencialidades dos adversários, sem as sobrestimar nem as subestimar. 4. Contribuir para estimular as componentes volitivas e morais. 5. Estabelecer algumas medidas que prevejam situações para o caso de se conseguir uma vantagem, ou pelo contrário, uma desvantagem durante o jogo. 6. Contribuir para desenvolver o nível de preparação teórica dos jogadores para esse jogo em especial e para os jogos seguintes em geral.
  3. 3. 3. Meios da reunião Podemos subdividir os meios, isto é, as condições mais favoráveis para o decorrer da reunião de preparação para o jogo em: gerais e específicos. 3.1. Gerais A reunião de preparação para o jogo deverá ser levada a efeito num local apropriado devendo ser calmo e agradável (habitual no caso de jogos em casa e poder-se-à utilizar por exemplo a sala do hotel a quando dos jogos fora), durante o qual os jogadores estejam isolados, sem se preocuparem com outras actividades. 3.2. Específicos Durante a realização da reunião dever-se-à utilizar quadros ou maquetas do campo de jogo com peças móveis (que representam jogadores) para que seja possível uma fácil, clara e orientada representação mental dos elementos da equipa, sobre a exposição do treinador. 4. Princípios de orientação da reunião Tal como para os meios, podemos subdividir os princípios de orientação da reunião de preparação para o jogo em: gerais e específicos. 4.1. Gerais 4.1.1. Condução e direcção da reunião Cabe ao treinador principal a condução e a direcção da reunião de preparação para o jogo. Todavia, este poderá ser coadjuvado na sua acção pelos seus colaboradores que poderão dirigir-se aos jogadores para explicarem e demonstrarem certos aspectos específicos, principalmente no que diz respeito à equipa adversária. Com efeito, é preciso que fique claro, que toda a organização dos temas, quer no plano técnico, táctico, físico, psicológico, etc., a sua sistematização e metodologia de exposição à equipa, é da total responsabilidade do treinador.
  4. 4. 4.1.2. Elementos que participam nestas reuniões Participam nestas reuniões de preparação para o jogo fundamentalmente os jogadores convocados pelo treinador para esse efeito e a equipa técnica (treinador principal e adjuntos). A participação de outras pessoas para além destas (director do clube por exemplo) só é recomendável quando este acompanha diariamente as diferentes actividades (treinos, reuniões, etc.) da equipa, independentemente do valor da equipa adversária e da importância do jogo. Se este elemento, por razões imperativas, tiver que usar da palavra deverá fazê-lo (em função do tema) logo no princípio da reunião ou no final desta. 4.1.3. O momento em que se situa a reunião A reunião de preparação para o jogo situa-se no tempo entre as 24 e as 2 horas antes do começo do jogo. Basicamente, a hora da reunião deverá ser a mesma durante todo o período competitivo. Todavia, a amplitude temporal evidenciada é função de três aspectos essenciais: 1. Da capacidade dos diferentes elementos que constituem a própria equipa em se concentrarem e compreenderem as diferentes missões tácticas que irão desempenhar no jogo, como reflectirem o seu comportamento individual em função de um projecto colectivo (finalidade). 2. Da dificuldade e complexidade do cumprimento dos objectivos estabelecidos para esse jogo. Com efeito, quanto maior e fulcral for essa concretização (por exemplo: a equipa adversária ser do mesmo nível, ou de um nível de eficácia superior), mais distante no tempo, em nossa opinião, a reunião deverá situar-se. Isto é devido fundamentalmente a evitar situações de hiperexcitação até muito próximo do começo do jogo. 3. Dos tratamentos médicos que alguns jogadores, considerados chave, deverão realizar muitas horas antes do jogo, para que produzam efeito. Neste contexto, haverá a necessidade do treinador indicar ao gabinete médico qual
  5. 5. será a constituição da equipa ou parte desta. Portanto, para que não haja "fugas de informação" nem indicadores pertinentes através dos quais os outros jogadores poderão fazer juízos errados, é preferível, nestas circunstâncias, realizar a reunião de preparação para o jogo nas vésperas da competição. 4.1.4. A duração da reunião Para que os jogadores se mantenham realmente atentos às indicações transmitidas durante a reunião de preparação para o jogo, é fundamental que esta não se prolongue exageradamente no tempo. Neste sentido, quanto maior for a sua duração, maiores serão a probabilidades de os jogadores dispersarem a sua atenção, que consequentemente tem efeitos negativos na concretização dos objectivos pretendidos para esta reunião. Em nossa opinião, a reunião não deverá durar mais de 45 minutos, sendo o tempo ideal de 30. Basicamente, quanto mais perto da competição menor será o tempo da reunião de preparação para o jogo. Por último, a correcta preparação de uma equipa de futebol para o confronto, determina a necessidade de uma reunião preparatória frequente e habitual, independentemente do valor da equipa adversária e da importância do jogo. 4.2. Específicos 4.2.1. Elementos que estruturam a reunião O princípio específico da reunião de preparação para o jogo deverá basear- se nas soluções estudadas, preparadas e treinadas durante o período de tempo que mediou até à competição. Todavia, não se exclui a utilização de outras soluções já conhecidas, assimiladas e postas em prática pelos jogadores em outros jogos. 4.2.2. A utilização de soluções nunca treinadas Em última análise, a essência do princípio específico enunciado procura evitar o risco irracional presente nalguns treinadores e jogadores através do qual
  6. 6. se "inventa" uma série de soluções (utópicas) mais ou menos ardilosas, mas que estão desenquadradas do contexto do treino desenvolvido durante a preparação da equipa e para o qual a reunião foi programada. 4.2.3. A reunião não substitui os aspectos que não foram treinados É preciso ter presente que esta reunião não substitui as falhas de preparação da equipa quer no plano quantitativo, quer no plano qualitativo. Neste sentido, este princípio específico estabelece que a reunião de preparação para o jogo, deva decorrer na realidade como uma etapa subsequente do ciclo de etapas de preparação da equipa para uma determinada e específica competição. 4.2.4. Reforçar a estabilidade psíquica dos jogadores e da equipa O princípio específico fundamental da reunião de preparação para o jogo deve basear-se nas informações que reforcem a estabilidade psíquica dos jogadores e da equipa, suprimindo simultâneamente, todas as informações e experiências que tornem os jogadores inseguros. 5. Metodologia da reunião A metodologia da reunião de preparação para o jogo estabelece, à partida, duas vertentes essenciais: 1. A que se refere aos aspectos organizativos da equipa. 2. A que se refere aos aspectos táctico-estratégicos. 5.1. Organizativos O treinador dedicará os primeiros minutos (entre a 2 a 4 minutos) da reunião para abordar aspectos ligados: • à hora e local de partida do jogo; • meio de transporte; • outras informações referentes ao jogo; • convida igualmente os jogadores a pronunciar-se ou a pedirem esclarecimentos suplementares, se for caso disso.
  7. 7. 5.2. Táctico-estratégicos Em relação a esta vertente da reunião, o treinador tem de solicitar a concentração dos jogadores e da equipa para a competição, encontando sempre as palavras e o tom mais adequado para transmitir as suas convicções de forma clara. Neste contexto, o treinador deverá de forma metódica e sistematizada dirigir o pensamento dos seus jogadores influindo positivamente no seu comportamento, convencendo-os com argumentos válidos e centrando-os basicamente em oito problemas essenciais: 5.2.1. Introdução Curta introdução (entre 2 a 3 minutos) na qual fará comentários acerca da importância do jogo dentro do contexto competitivo em que a equipa está inserida e os reflexos que este terá em função dos diferentes resultados possíveis do jogo (vitória, empate, derrota). 5.2.2. Caracterizar o árbitro do jogo Caracterizará (entre 2 a 3 minutos) seguidamente o árbitro do encontro, no que diz respeito à sua forma pessoal de interpretar as Leis do jogo, como reage às situações de indisciplina dos jogadores, quais os seus hábitos nos julgamentos das situações mais vantajosas do jogo (por exemplo: grande penalidade), e por fim, outros aspectos caracteriais que o treinador ache conveniente informar. 5.2.3. Caracterizar a equipa adversária O treinador caracterizará de forma sucinta (entre 3 e 4 minutos) a equipa adversária, focando as suas particularidades positivas e negativas no plano individual e colectivo, apresentando o modo como pressupõe que este actuará, evidenciando: • o sistema de jogo que a equipa adversária optará, os diferentes jogadores (prováveis) e as suas respectivas posições dentro desse dispositivo táctico;
  8. 8. • o método de jogo mais utilizado quer no plano ofensivo, quer no plano defensivo; • a resolução das situações de bola parada (livres, pontapés de canto, etc,); e por último, • o comportamento disciplinar da equipa, consequentemente as relações que estabelecem com os adversários, com o árbitro, etc. Para terminar a sua exposição sobre a equipa adversária o treinador deverá resumir em três ou quatro frases os seus aspectos característicos principais. 5.2.4. Plano estratégico concebido para a equipa Encerrada a caracterização da equipa adversária o treinador debruça-se no plano estratégico concebido para a própria equipa (entre 4 e 5 minutos) precisando: • o sistema de jogo a utilizar; • a constituição da equipa (indicação dos jogadores); • distribuição das missões tácticas gerais e específicas; • a organização do processo ofensivo e defensivo; e, • a resolução das situações de bola parada (esquemas tácticos-indicação dos jogadores com a responsabilidade de os executar). 5.2.5. Comparar as duas equipas Uma vez exposta a equipa adversária e a equipa própria, o treinador deverá de imediato (entre 3 a 4 minutos) compará-las (no plano teórico) e se o resultado, segundo Teodorescu (1984), for favorável deverá mobilizar os jogadores por forma que estes confirmem no terreno de jogo através de atitudes e comportamentos técnico-tácticos eficazes essa relação favorável. A. Se a relação for favorável Com efeito, quando se desenvolvem condições aparentemente favoráveis para se conseguir uma vitória sem necessitar pôr em campo todo o talento individual e colectivo da equipa, pode-se estabelecer uma desmobilização e uma falta de
  9. 9. concentração no jogo o que é prejudicial. Nestas circunstâncias, o treinador deverá pôr em evidência os seguintes aspectos (segundo Crevoisier, 1985): • insistir para se respeitar todos os adversários; • demonstrar que o erro é sempre possível e pode ter consequências graves; • lutar contra o excesso de confiança; • privilegiar a noção de que "um jogo se ganha ou se perde sobre um metro quadrado, ou num segundo decisivo; • relembrar que seja qual for o adversário, o número de pontos conseguidos no caso de vitória não varia; • atenuar os efeitos das opiniões favoráveis dos jornalistas, sócios, dirigentes, etc., diminuindo esse excesso de confiança; • evidenciar os pontos fortes e as lacunas dos adversários; • fazer nascer uma certa inquietude nos jogadores para estes não estarem completamente seguros; • situar as perspectivas no caso de vitória; • relembrar no final da exposição que as forças em presença são favoráveis à própria equipa desde que a prestação seja correspondente ao seu valor, é esta a única condição. B. Se a relação for desfavorável Se esta relação for desfavorável, ainda segundo o mesmo autor (1984), à própria equipa, sublinhar-se-ão as possibilidades de ordem técnica, ou táctica, ou física, ou psicológica que, tirando os jogadores o máximo proveito delas, poderão, nestas circunstâncias, equilibrar essa relação (teórica) de forças e asseguram o melhor resultado possível consubstanciado por um comportamento meritório. Neste contexto, o treinador deverá, uma vez que a motivação é elevada, centrar a sua exposição mais nos aspectos do plano táctico e as qualidades morais da equipa. Assim segundo Crevoisier (1985): • não deverá insistir sobre a capacidade do adversário, mas antes sobre as qualidades da própria equipa;
  10. 10. • diminuir a motivação dos jogadores por forma que estes conservem a lucidez durante a totalidade do jogo; • diminuir a tensão dos jogadores, através da utilização de piadas; • desdramatizar a situação, não colocando os jogadores sobre a responsabilidade imperiosa de não perder; • não aumentar a importância do resultado; • o treinador deverá transmitir uma relativa serenidade não transmitindo estados de ansiedade; • manter uma força lúcida, mobilizadora da energia individual e colectiva. 5.2.6. Previsão de possíveis alterações da equipa adversária Seguidamente o treinador fará uma breve previsão (entre 2 a 3 minutos) das diferentes hipóteses respeitantes ao comportamento da equipa adversária perante um quadro situacional vantajoso, ou desvantajoso e demonstrará como a própria equipa deverá accionar para contrastar com essas modificações. 5.2.7. Efectuar precisões sobre as missões tácticas dos jogadores Finda a exposição dos problemas inerentes à vertente táctico-estratégica, o treinador define os jogadores suplentes e dá a palavra (entre 4 a 5 minutos) aos jogadores para se efectuarem precisões sobre as missões tácticas gerais e específicas (tendo, neste sentido, oportunidade de testar a eficácia da sua comunicação) e as sugestões sobre aspectos particulares de certas situações de jogo. 5.2.8. Insistir nas atitudes e comportamentos técnico-tácticos fundamentais Por último, o treinador insistirá (entre 2 a 3 minutos) nas atitudes e comportamentos técnico-tácticos fundamentais para fazer face à equipa adversária, mobilizando fortemente a vontade dos jogadores, a sua combatividade, disciplina e organização, e fará prevalecer o optimismo e a crença de se conquistar um resultado consentâneo com os objectivos estabelecidos. Este último aspecto deverá ser relembrado pelo treinador através
  11. 11. de frases sucintas, claras, audíveis e enérgicas, momentos antes da equipa entrar para o terreno para efectuar o jogo. Concluindo, importa igualmente referir que é necessário variar a forma e a locução da reunião. A utilização de um modelo esteriotipado e imutável irá contribuir para a concretização de um objectivo inverso ao pretendido. É preciso ter presente que duas reuniões absolutamente idênticas com o mesmo grupo de jogadores realizadas com um certo intervalo de tempo, têm efeitos diferentes. Bibliografia CASTELO, J. (1994) Futebol - modelo técnico-táctico do jogo, Edições FMH, U.T.L. CASTELO, J. (1996) Futebol - a organização do jogo, Edição do autor, Lisboa CASTELO, J. (1999) Futbol - estructura y dinamica del juego, INDE Publicaciones, Barcelona CREVOISIER, J. (1985) Football et psychologie, Chiron Sports Editions, Paris MAHLO, F. (1966) O acto táctico, Compendium, Lisboa TEODORESCU, L. (1984) Problemas de teoria e metodologia nos desportos colectivos, Livros Horizonte, Lisboa

×