SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
OLIGOPÓLIO
• É A ESTRUTURA DE MERCADO NO QUAL SÃO POUCOS OS
AGENTES ECONÔMICOS NELE ATUAM. NA MICROECONOMIA É
CASO INTERMEDIÁRIO ENTRE OS “LIMITES“ CONCORRÊNCIA
PERFEITA (CP) E MONOPÓLIO (MP).
• A MAIORIA DOS MERCADOS REAIS SÃO OLIGOPÓLIOS. MAS SÓ
POR SEREM POUCOS NÃO PODEMOS ASSUMIR QUE OS
OLIGOPOLISTAS ATUAM DE MANEIRA COOPERADA.
• SE FORMADO POR VENDEDORES OS OLIGOPOLISTAS SÃO
CAPAZES DE OBTER LUCROS EXTRAORDINÁRIOS POIS PODEM
NÃO OFERTAR O TANTO QUANTO SE ESTIVESSEM EM 'CP'.
ASSIM PODEM COBRAR PREÇOS SUPERIORES AO DA 'CP‘, AO
MENOS TEMPORÁRIAMENTE.
•OS OLIGOPOLISTAS PREFEREM DIFERENCIAR SEUS
PRODUTOS E EVITAM AS “GUERRA DE PREÇOS”.
• COMO NO CASO DO 'MP‘, PODEM OBTER ECONOMIAS DE
ESCALA O QUE POSSIBILITA A CRIAÇÃO DE 'BARREIRAS À
ENTRADA‘ DE POTENCIAIS NOVOS OFERTANTES.
MODELOS CLÁSSICOS DE OLIGOPÓLIO
OS MODELOS MICROECONÔMICOS BÁSICOS ASSUMEM QUE O
BEM É HOMOGÊNEO E SEUS CUSTOS SÃO IGUAIS PARA
TODOS OS OLIGOPOLISTAS (EXISTE SIMETRIA). ELES SÃO:
• COURNOT - CADA FIRMA RESOLVE QUANTO VAI PRODUZIR
AO MAXIMIZAR O SEU LUCRO CONSIDERANDO QUE SEU
CONCORRENTE NÃO VARIARÁ SUA PRODUÇÃO.
• BERTRAND - CADA FIRMA ESCOLHERÁ O PREÇO PELO QUAL
VAI VENDER, ASSUMINDO QUE O CONCORRENTE MANTERÁ
SEU PREÇO INALTERADO, DE TAL MANEIRA QUE MAXIMIZE
SEU LUCRO;
• STACKELBERG - É UMA LIDERANÇA POR QUANTIDADE. UMA
FIRMA RECONHECE QUE SEUS CONCORRENTES DECIDEM
COMO NO MODELO DE COURNOT E INCORPORA AS “CURVAS
DE REAÇÃO” DOS CONCORRENTES À SUA FUNÇÃO LUCRO.
EM CADA MODELO SE TEM SEMPRE 1 SOLUÇÃO DE EQÜILÍBRIO!
SOLUÇÃO DE COUNOT PARA DUOPÓLIO
• ASSUME-SE QUE AMBOS CONCORRENTES
PRODUZEM PRODUTO HOMOGÊNEO DE
CUSTO ZERO.
• A FIRMA a ENTRA PRIMEIRO NO MERCADO E
ENCONTRA TODA A DEMANDA DISPONÍVEL.
PRODUZ Qa, QUE MAXIMIZA O SEU LUCRO
(RECEITA MARGINAL = CUSTO MARGINAL = 0)
• A FIRMA b ENTRA E ENCONTRA DESATENDIDA
A DEMANDA (NA PARTE ESCURA ENTRE Qa E
Qmax). ELA “TRAÇA” SUA RECEITA MARGINAL
E ENCONTRA Qb. ELA PRODUZIRÁ (Qb - Qa).
• ESTA SITUAÇÃO NÃO É ESTÁVEL: O PREÇO Pa
QUE a COBRA, DEFINIDO QUANDO ESTAVA
SOZINHA, É SUPERIOR A Pb, COBRADO POR b.
• NA RODADA SEGUINTE a DETERMINARÁ UM
NOVO NÍVEL DE PRODUÇÃO Qa’, QUE SERÁ
MENOR QUE Qa. PARA ISTO ELA ASSUME QUE
b NÃO MUDARÁ SUA PRODUÇÃO DEFINIDA NA
RODADA ANTERIOR E DESCONTA (Qb - Qa) DE
Q max. TRAÇA SUA NOVA RECEITA MARGINAL.
• DEMONSTRA-SE QUE AS PRODUÇÕES DE
EQÜILÍBRIO QUE MAXIMIZA OS LUCROS DOS
CONCORRENTES OCORRE QUANDO CADA UM
PRODUZ 1/3 DO Qmax..
• COM n PARTICIPANTES CADA UM PRODUZIRÁ
QQ maxmax / (n+1)/ (n+1)
A COLUSÃO DE OLIGOPOLISTAS
• VÁRIAS SITUAÇÕES PODEM CRIAR CONDIÇÕES PARA QUE
OLIGOPOLISTAS FAÇAM CONLUIO. POR EXEMPLO, SENDO TODOS
DE TAMANHOS EQUIVALENTES E EXPLORANDO UM MERCADO
ESTAGNADO O AUMENTO SIGNIFICATIVO DO MARKET-SHARE DE
UM SÓ SE DÁ POR PERDA SUBSTANCIAL DAS PARTICIPAÇÕES DOS
OUTROS. COMO É PROVAVEL QUE ESTES TENTARÃO RECUPERAR
SUAS PARCELAS ENTÃO UMA GUERRA DE PREÇOS SERÁ
INEVITÁVEL. ESSA OCORRENDO OS LUCROS DE TODOS
CERTAMENTE CAIRÃO.
•DEPOIS DE ALGUM TEMPO TODOS PERCEBERÃO QUE SE
INFORMALMENTE COORDENAREM SUAS AÇÕES TODOS DEIXARÃO
DE PERDER. ESTA COLUSÃO TÁCITA ELEVA O PREÇO ACIMA DO DE
COURNOT MAS ABAIXO DO PREÇO DE MONOPÓLIO.
•O CARTEL É UMA COLUSÃO EXPLICITA. SÃO TROCADAS
INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E ATRAVÉS DE UMA REGRA
PREDEFINIDA SE DETERMINA QUANTO CADA UM VAI PRODUZIR,
OU POR QUAL PREÇO CADA UM VAI VENDER. NO CARTEL OS
OLIGOPOLISTAS EXPLORAM O MERCADO COMO SE FOSSEM UM
MONOPÓLIO. PARA ISTO TEM QUE TER UM ACORDO EXPLICITO !
COMPARANDO A SOLUÇÃO DE COURNOT
-5,0
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
35,0Q
0,5
1,5
2,5
3,5
4,5
5,5
6,5
7,5
8,5
9,5
10,5
11,5
12,5
13,5
14,5
15,5
16,5
17,5
18,5
19,5
20,5
21,5
22,5
quantidade por período
preçounitário
Preço (demanda) Rmg do Monopólio Cmg Lugar Geométrico dos Eqüilíbrios de Cournot para Duopólio
Q.mon.
P.conc.
P.duop
P.mon.
Q.duop.
Q.conc
EQÜILÍBRIO CONCORRÊNCIAL:
Os produtores recebem o preço
P.conc. que é definido no mercado
sem poderem nele infuenciar.
EQÜILÍBRIO MONOPOLISTA
CRITÉRIO PARA OS EQÜILÍBRIOS : Rmg = Cmg
Produz-se até quando a receita que se obtem na
unidade merginal é igual ao custo de produzi-la
CONDIÇÕES PARA A CARTELIZAÇÃO
• O NÚMERO DE AGENTES: quanto menos forem maior a possibilidade.
• A DISTRIBUIÇÃO RELATIVA DOS TAMANHOS DOS AGENTES:
sendo uma muito maior que as outras a grande imporá decisões.
Portanto a possibilidade de carteização será menor do que se todas
forem equivalentes.
• EXISTÊNCIA DE BARREIRAS À ENTRADA DE NOVAS FIRMAS
• PRESENÇA DE CUSTOS IRRECUPERÁVEIS MUITO ALTOS
• EXISTÊNCIA DE ECONOMIAS DE ESCALAS SIGNIFICATIVAS
• DISCRIMINAÇÃO DE MERCADOS POR DIFERENÇAS DE CUSTOS:
as firmas que tenham custos menores podem cobrar preços diferentes
de mercados diversos, mas suas concorrentes, que só podem atuar no
mercado de maior preço, são dominadas. A possibilidade de conluio fica
mais difícil.
• A HETEROGENEIDADE DO PRODUTO DIFICULTA O CONLUIO pôr
conta das diferenças de custos e/ou das características do produto
ofertado.
• O COMPORTAMENTO DA DEMANDA: a possibilidade é menor nos
mercados em crescimento ou nos mercados sujeitos a fortes flutuações.
OLIGOPÓLIO COMO UM JOGO
• POR SEREM POUCOS OS OLIGOPOLISTAS SÃO OBRIGADOS A
TOMAR SUAS DECISÕES OPERACIONAIS LEVANDO EM
CONTA AS POSSÍVEIS DECISÕES OPERACIONAIS DE SEUS
CONCORRENTES. PORTANTO EXISTE TOTAL
INTERDEPENDÊNCIA ESTRATÉGICA ENTRE ELES. POR
CONTA DESTA VINCULAÇÃO PODEMOS USAR A TEORIA DOS
JOGOS.
• UM JOGO SE CARACTERIZA PELAS CARACTERÍSTICAS
COMPORTAMENTAIS DOS JOGADORES E PELAS DIMENSÕES:
REGRAS DO JOGO
ESTRATÉGIAS DE DECISÃO
RESULTADOS (PAYOFFS)
• UM DETERMINADO CONJUNTO DE ESTRATÉGIAS É UM
EQÜILÍBRIO DE NASH, SE A ESTRATÉGIA DE CADA JOGADOR
MAXIMIZA O SEU PAYOFF DADAS AS ESTRATÉGIAS
ESCOLHIDAS PELOS DEMAIS E ESTA CONDIÇÃO APLICA-SE A
TODOS OS JOGADORES SIMULTANEAMENTE
DIMENSÕES DO JOGO
• REGRAS - definidas por conta da condições legais e econômicas
do mercado e restrigem os comportamentos dos jogadores.
• ESTRATÉGIAS - todas as possíveis ações dos jogadores devem
ser consideradas. Num oligopólio de vendedores são comuns agir
subindo, abaixando ou mantendo preços, produção e gastos com
propaganda. Além da redução de custos por modificações no
projeto do produto/processo ou por economias de escala também
é importante considerar as características do produto percebidas
pelo consumidor assim como o seu nível de “qualidade”.
• PAY-OFFS - devem ser apurados os diferentes resultados para
cada estratégia possível afim de que se escolha a decisão mais
“lucrativa”. Como exemplificado abaixo num caso de cartel:
RESULTADOS DAS FIRMAS A / B
ALTERNATIVAS DA FIRMA A: Coopera mantendo o preço Engana cortando o preço
Coopera mantendo o preço $ 10.000 / $ 10.000 $ 0 / $ 12.000
Engana cortando o preço $ 12.000 / $ 0 $ 6.000 / $ 6.000
ALTERNATIVAS DA FIRMA B:
O PROBLEMA PRINCIPAL - AGENTES
• A INFORMAÇÃO É ASSIMÉTRICA QUANDO O AGENTE “PRINCIPAL”
NÃO SABE ALGO QUE O “AGENTE” SUBORDINADO SABE.
• O PROBLEMA DO ‘PRINCIPAL’ É CRIAR UM ESQUEMA DE
INCENTIVO PARA O ‘SUBORDINADO’ DE TAL MANEIRA QUE O
INDUZA ESCOLHER A AÇÃO QUE PARA ELE SEJA A MAIS
PROVEITOSA, ATENDENDO AS RESTRIÇÕES IMPOSTAS PELO
COMPORTAMENTO OTIMIZADOR DO ‘SUBORDINADO’.
• VALOR DE RESERVA DO ‘SUBORDINADO’ É O NÍVEL A PARTIR DO
QUAL ELE CONSIDERA ACEITÁVEL A PROPOSTA DO ‘PRINCIPAL’.
ASSIM O ‘PRINCIPAL’ DEVE GARANTIR ESTE NÍVEL.
• A INFORMAÇÃO PODE SER PERFEITA (TUDO É OBSERVÁVEL) OU
IMPERFEITA (AS AÇÕES NÃO SÃO OBSERVAVEIS).TAMBÉM POD
SER INCOMPLETA, SE EXISTIR INCERTEZA QUANTO A ALGUMA
VARIÁVEL DA FUNÇÃO-OBJETIVO DO ‘SUBORDINADO’.
• EXISTINDO UM ÚNICO PRINCIPAL ESTE PROCURARÁ GANHAR O
LUCRO DE MONOPÓLIO. MAIS DE UM A SOLUÇÃO É LUCRO
NULO.
O CARTEL COM SELEÇÃO ADVERSA
• OCORRE INFORMAÇÃO INCOMPLETA QUANDO CADA AGENTE
SABE QUANTO CUSTA A SUA PRODUÇÃO MAS NÃO SABE
QUANTO CUSTA AS PRODUÇÕES DE SEUS CONCORRENTES. É
UM CASO DE SELEÇÃO ADVERSA.
• EXISTINDO PRODUTORES COM DIFERENTES CUSTOS O MAIS
LÓGICO PARA A MAXIMIZAÇÃO CONJUNTA DOS LUCROS SERIA
QUE A PRODUÇÃO FOSSE FEITA PELOS PRODUTORES QUE
TIVESSEM OS MENORES CUSTOS E ELES FARIAM
PAGAMENTOS LATERAIS PARA OS PRODUTORES QUE
TIVESSEM OS CUSTOS MAIS ALTOS.
• A REGRA DE FORMAÇÃO DO CARTEL COM SELEÇÃO ADVERSA
DEVE ESTAR FOCADA EM COMO FAZER CADA PARTICIPANTE
REVELAR PARA TODOS OS OUTROS O SEU VERDADEIRO
CUSTO DE PRODUÇÃO, QUE É A SUA INFORMAÇÃO
CONFIDENCIAL.
• NO ACORDO DO CARTEL ESTARÁ DEFINIDO AS COMBINAÇÕES
DE PAGAMENTOS/RECEBIMENTOS LATERAIS E AS QUOTAS DE
PRODUÇÃO PARA CADA UM DOS PARTICIPANTES.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Economia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporalEconomia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporal
Felipe Leo
 
Chapter 13
Chapter 13Chapter 13
Chapter 13
sdugfvna
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 
Supply and Demand
Supply and DemandSupply and Demand
Supply and Demand
CASE
 
20120129 mankiw economics chapter26
20120129 mankiw economics chapter2620120129 mankiw economics chapter26
20120129 mankiw economics chapter26
FED事務局
 
Chapter 14
Chapter 14Chapter 14
Chapter 14
sdugfvna
 
measuring cost of living
measuring cost of livingmeasuring cost of living
measuring cost of living
itmamul akwan
 

Mais procurados (20)

Monopólio descriminador de preço
Monopólio descriminador de preçoMonopólio descriminador de preço
Monopólio descriminador de preço
 
6 market equilibrium-_class
6 market equilibrium-_class6 market equilibrium-_class
6 market equilibrium-_class
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
 
Keynesian multiplier effects
Keynesian multiplier effectsKeynesian multiplier effects
Keynesian multiplier effects
 
Economia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporalEconomia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporal
 
Chapter 13
Chapter 13Chapter 13
Chapter 13
 
Monopolio
MonopolioMonopolio
Monopolio
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 
Supply and Demand
Supply and DemandSupply and Demand
Supply and Demand
 
Elasticity
ElasticityElasticity
Elasticity
 
Micro ch10-presentation
Micro ch10-presentationMicro ch10-presentation
Micro ch10-presentation
 
20120129 mankiw economics chapter26
20120129 mankiw economics chapter2620120129 mankiw economics chapter26
20120129 mankiw economics chapter26
 
Producers equilibrium
Producers equilibriumProducers equilibrium
Producers equilibrium
 
Oligopoly
OligopolyOligopoly
Oligopoly
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber MoralesTeoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
 
Cap 9 Macro
Cap 9 MacroCap 9 Macro
Cap 9 Macro
 
Chapter 14
Chapter 14Chapter 14
Chapter 14
 
Econ606 chapter 33 2020
Econ606 chapter 33 2020Econ606 chapter 33 2020
Econ606 chapter 33 2020
 
measuring cost of living
measuring cost of livingmeasuring cost of living
measuring cost of living
 

Semelhante a Introdução dos Oligopólios e Cartéis pela Teoria dos Jogos

17 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 170512
17 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 17051217 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 170512
17 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 170512
AgroTalento
 
Avliavalicao de estoques
Avliavalicao de estoquesAvliavalicao de estoques
Avliavalicao de estoques
Dma Cursos
 
Cidade jardim treinamento
Cidade jardim treinamentoCidade jardim treinamento
Cidade jardim treinamento
Sulamita Ester
 
Gestão Aplicada 3 - Aula 05
Gestão Aplicada 3 - Aula 05Gestão Aplicada 3 - Aula 05
Gestão Aplicada 3 - Aula 05
Anderson Pontes
 
Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...
Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...
Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...
AgroTalento
 

Semelhante a Introdução dos Oligopólios e Cartéis pela Teoria dos Jogos (20)

Quanto vale seu produto ?
Quanto vale seu produto ?Quanto vale seu produto ?
Quanto vale seu produto ?
 
Quanto vale o seu Produto
Quanto vale o seu ProdutoQuanto vale o seu Produto
Quanto vale o seu Produto
 
17 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 170512
17 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 17051217 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 170512
17 leandro-bovo-palestra opções beefpoint 170512
 
MICROECONOMIA.pptx
MICROECONOMIA.pptxMICROECONOMIA.pptx
MICROECONOMIA.pptx
 
Arroba Do Boi
Arroba Do BoiArroba Do Boi
Arroba Do Boi
 
Gestão e Planejamento Estratégico para Escritório de Advocacia
Gestão e Planejamento Estratégico para Escritório de AdvocaciaGestão e Planejamento Estratégico para Escritório de Advocacia
Gestão e Planejamento Estratégico para Escritório de Advocacia
 
Operacionalización de la Política de Garantía de Precios Mínimos (Portugués)
Operacionalización de la Política de Garantía de Precios Mínimos (Portugués)Operacionalización de la Política de Garantía de Precios Mínimos (Portugués)
Operacionalización de la Política de Garantía de Precios Mínimos (Portugués)
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Soja plusmg viabilidadeeconomica_comercializaçãoapresentação
Soja plusmg viabilidadeeconomica_comercializaçãoapresentaçãoSoja plusmg viabilidadeeconomica_comercializaçãoapresentação
Soja plusmg viabilidadeeconomica_comercializaçãoapresentação
 
Avliavalicao de estoques
Avliavalicao de estoquesAvliavalicao de estoques
Avliavalicao de estoques
 
Cidade jardim treinamento
Cidade jardim treinamentoCidade jardim treinamento
Cidade jardim treinamento
 
ComercializaçAo
ComercializaçAoComercializaçAo
ComercializaçAo
 
P360 franquias
P360   franquiasP360   franquias
P360 franquias
 
Gestão Aplicada 3 - Aula 05
Gestão Aplicada 3 - Aula 05Gestão Aplicada 3 - Aula 05
Gestão Aplicada 3 - Aula 05
 
Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...
Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...
Brasil Hedge: Cartilha sobre o uso de opções e mercado futuro do boi gordo - ...
 
Apostila como vender por telefone Danilo Vilanova
Apostila como vender por telefone   Danilo VilanovaApostila como vender por telefone   Danilo Vilanova
Apostila como vender por telefone Danilo Vilanova
 
APAS 2010 - Palestra de Altevir Magalhães em 13/05
APAS 2010 - Palestra de Altevir Magalhães em 13/05APAS 2010 - Palestra de Altevir Magalhães em 13/05
APAS 2010 - Palestra de Altevir Magalhães em 13/05
 
Recarbon ID 13106
Recarbon ID 13106Recarbon ID 13106
Recarbon ID 13106
 
Matemática financeira
Matemática financeiraMatemática financeira
Matemática financeira
 
Aprenda a Explorar os Diferencias de seus Produtos e Liberte-se da Gerra de P...
Aprenda a Explorar os Diferencias de seus Produtos e Liberte-se da Gerra de P...Aprenda a Explorar os Diferencias de seus Produtos e Liberte-se da Gerra de P...
Aprenda a Explorar os Diferencias de seus Produtos e Liberte-se da Gerra de P...
 

Introdução dos Oligopólios e Cartéis pela Teoria dos Jogos

  • 1. OLIGOPÓLIO • É A ESTRUTURA DE MERCADO NO QUAL SÃO POUCOS OS AGENTES ECONÔMICOS NELE ATUAM. NA MICROECONOMIA É CASO INTERMEDIÁRIO ENTRE OS “LIMITES“ CONCORRÊNCIA PERFEITA (CP) E MONOPÓLIO (MP). • A MAIORIA DOS MERCADOS REAIS SÃO OLIGOPÓLIOS. MAS SÓ POR SEREM POUCOS NÃO PODEMOS ASSUMIR QUE OS OLIGOPOLISTAS ATUAM DE MANEIRA COOPERADA. • SE FORMADO POR VENDEDORES OS OLIGOPOLISTAS SÃO CAPAZES DE OBTER LUCROS EXTRAORDINÁRIOS POIS PODEM NÃO OFERTAR O TANTO QUANTO SE ESTIVESSEM EM 'CP'. ASSIM PODEM COBRAR PREÇOS SUPERIORES AO DA 'CP‘, AO MENOS TEMPORÁRIAMENTE. •OS OLIGOPOLISTAS PREFEREM DIFERENCIAR SEUS PRODUTOS E EVITAM AS “GUERRA DE PREÇOS”. • COMO NO CASO DO 'MP‘, PODEM OBTER ECONOMIAS DE ESCALA O QUE POSSIBILITA A CRIAÇÃO DE 'BARREIRAS À ENTRADA‘ DE POTENCIAIS NOVOS OFERTANTES.
  • 2. MODELOS CLÁSSICOS DE OLIGOPÓLIO OS MODELOS MICROECONÔMICOS BÁSICOS ASSUMEM QUE O BEM É HOMOGÊNEO E SEUS CUSTOS SÃO IGUAIS PARA TODOS OS OLIGOPOLISTAS (EXISTE SIMETRIA). ELES SÃO: • COURNOT - CADA FIRMA RESOLVE QUANTO VAI PRODUZIR AO MAXIMIZAR O SEU LUCRO CONSIDERANDO QUE SEU CONCORRENTE NÃO VARIARÁ SUA PRODUÇÃO. • BERTRAND - CADA FIRMA ESCOLHERÁ O PREÇO PELO QUAL VAI VENDER, ASSUMINDO QUE O CONCORRENTE MANTERÁ SEU PREÇO INALTERADO, DE TAL MANEIRA QUE MAXIMIZE SEU LUCRO; • STACKELBERG - É UMA LIDERANÇA POR QUANTIDADE. UMA FIRMA RECONHECE QUE SEUS CONCORRENTES DECIDEM COMO NO MODELO DE COURNOT E INCORPORA AS “CURVAS DE REAÇÃO” DOS CONCORRENTES À SUA FUNÇÃO LUCRO. EM CADA MODELO SE TEM SEMPRE 1 SOLUÇÃO DE EQÜILÍBRIO!
  • 3. SOLUÇÃO DE COUNOT PARA DUOPÓLIO • ASSUME-SE QUE AMBOS CONCORRENTES PRODUZEM PRODUTO HOMOGÊNEO DE CUSTO ZERO. • A FIRMA a ENTRA PRIMEIRO NO MERCADO E ENCONTRA TODA A DEMANDA DISPONÍVEL. PRODUZ Qa, QUE MAXIMIZA O SEU LUCRO (RECEITA MARGINAL = CUSTO MARGINAL = 0) • A FIRMA b ENTRA E ENCONTRA DESATENDIDA A DEMANDA (NA PARTE ESCURA ENTRE Qa E Qmax). ELA “TRAÇA” SUA RECEITA MARGINAL E ENCONTRA Qb. ELA PRODUZIRÁ (Qb - Qa). • ESTA SITUAÇÃO NÃO É ESTÁVEL: O PREÇO Pa QUE a COBRA, DEFINIDO QUANDO ESTAVA SOZINHA, É SUPERIOR A Pb, COBRADO POR b. • NA RODADA SEGUINTE a DETERMINARÁ UM NOVO NÍVEL DE PRODUÇÃO Qa’, QUE SERÁ MENOR QUE Qa. PARA ISTO ELA ASSUME QUE b NÃO MUDARÁ SUA PRODUÇÃO DEFINIDA NA RODADA ANTERIOR E DESCONTA (Qb - Qa) DE Q max. TRAÇA SUA NOVA RECEITA MARGINAL. • DEMONSTRA-SE QUE AS PRODUÇÕES DE EQÜILÍBRIO QUE MAXIMIZA OS LUCROS DOS CONCORRENTES OCORRE QUANDO CADA UM PRODUZ 1/3 DO Qmax.. • COM n PARTICIPANTES CADA UM PRODUZIRÁ QQ maxmax / (n+1)/ (n+1)
  • 4. A COLUSÃO DE OLIGOPOLISTAS • VÁRIAS SITUAÇÕES PODEM CRIAR CONDIÇÕES PARA QUE OLIGOPOLISTAS FAÇAM CONLUIO. POR EXEMPLO, SENDO TODOS DE TAMANHOS EQUIVALENTES E EXPLORANDO UM MERCADO ESTAGNADO O AUMENTO SIGNIFICATIVO DO MARKET-SHARE DE UM SÓ SE DÁ POR PERDA SUBSTANCIAL DAS PARTICIPAÇÕES DOS OUTROS. COMO É PROVAVEL QUE ESTES TENTARÃO RECUPERAR SUAS PARCELAS ENTÃO UMA GUERRA DE PREÇOS SERÁ INEVITÁVEL. ESSA OCORRENDO OS LUCROS DE TODOS CERTAMENTE CAIRÃO. •DEPOIS DE ALGUM TEMPO TODOS PERCEBERÃO QUE SE INFORMALMENTE COORDENAREM SUAS AÇÕES TODOS DEIXARÃO DE PERDER. ESTA COLUSÃO TÁCITA ELEVA O PREÇO ACIMA DO DE COURNOT MAS ABAIXO DO PREÇO DE MONOPÓLIO. •O CARTEL É UMA COLUSÃO EXPLICITA. SÃO TROCADAS INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E ATRAVÉS DE UMA REGRA PREDEFINIDA SE DETERMINA QUANTO CADA UM VAI PRODUZIR, OU POR QUAL PREÇO CADA UM VAI VENDER. NO CARTEL OS OLIGOPOLISTAS EXPLORAM O MERCADO COMO SE FOSSEM UM MONOPÓLIO. PARA ISTO TEM QUE TER UM ACORDO EXPLICITO !
  • 5. COMPARANDO A SOLUÇÃO DE COURNOT -5,0 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0Q 0,5 1,5 2,5 3,5 4,5 5,5 6,5 7,5 8,5 9,5 10,5 11,5 12,5 13,5 14,5 15,5 16,5 17,5 18,5 19,5 20,5 21,5 22,5 quantidade por período preçounitário Preço (demanda) Rmg do Monopólio Cmg Lugar Geométrico dos Eqüilíbrios de Cournot para Duopólio Q.mon. P.conc. P.duop P.mon. Q.duop. Q.conc EQÜILÍBRIO CONCORRÊNCIAL: Os produtores recebem o preço P.conc. que é definido no mercado sem poderem nele infuenciar. EQÜILÍBRIO MONOPOLISTA CRITÉRIO PARA OS EQÜILÍBRIOS : Rmg = Cmg Produz-se até quando a receita que se obtem na unidade merginal é igual ao custo de produzi-la
  • 6. CONDIÇÕES PARA A CARTELIZAÇÃO • O NÚMERO DE AGENTES: quanto menos forem maior a possibilidade. • A DISTRIBUIÇÃO RELATIVA DOS TAMANHOS DOS AGENTES: sendo uma muito maior que as outras a grande imporá decisões. Portanto a possibilidade de carteização será menor do que se todas forem equivalentes. • EXISTÊNCIA DE BARREIRAS À ENTRADA DE NOVAS FIRMAS • PRESENÇA DE CUSTOS IRRECUPERÁVEIS MUITO ALTOS • EXISTÊNCIA DE ECONOMIAS DE ESCALAS SIGNIFICATIVAS • DISCRIMINAÇÃO DE MERCADOS POR DIFERENÇAS DE CUSTOS: as firmas que tenham custos menores podem cobrar preços diferentes de mercados diversos, mas suas concorrentes, que só podem atuar no mercado de maior preço, são dominadas. A possibilidade de conluio fica mais difícil. • A HETEROGENEIDADE DO PRODUTO DIFICULTA O CONLUIO pôr conta das diferenças de custos e/ou das características do produto ofertado. • O COMPORTAMENTO DA DEMANDA: a possibilidade é menor nos mercados em crescimento ou nos mercados sujeitos a fortes flutuações.
  • 7. OLIGOPÓLIO COMO UM JOGO • POR SEREM POUCOS OS OLIGOPOLISTAS SÃO OBRIGADOS A TOMAR SUAS DECISÕES OPERACIONAIS LEVANDO EM CONTA AS POSSÍVEIS DECISÕES OPERACIONAIS DE SEUS CONCORRENTES. PORTANTO EXISTE TOTAL INTERDEPENDÊNCIA ESTRATÉGICA ENTRE ELES. POR CONTA DESTA VINCULAÇÃO PODEMOS USAR A TEORIA DOS JOGOS. • UM JOGO SE CARACTERIZA PELAS CARACTERÍSTICAS COMPORTAMENTAIS DOS JOGADORES E PELAS DIMENSÕES: REGRAS DO JOGO ESTRATÉGIAS DE DECISÃO RESULTADOS (PAYOFFS) • UM DETERMINADO CONJUNTO DE ESTRATÉGIAS É UM EQÜILÍBRIO DE NASH, SE A ESTRATÉGIA DE CADA JOGADOR MAXIMIZA O SEU PAYOFF DADAS AS ESTRATÉGIAS ESCOLHIDAS PELOS DEMAIS E ESTA CONDIÇÃO APLICA-SE A TODOS OS JOGADORES SIMULTANEAMENTE
  • 8. DIMENSÕES DO JOGO • REGRAS - definidas por conta da condições legais e econômicas do mercado e restrigem os comportamentos dos jogadores. • ESTRATÉGIAS - todas as possíveis ações dos jogadores devem ser consideradas. Num oligopólio de vendedores são comuns agir subindo, abaixando ou mantendo preços, produção e gastos com propaganda. Além da redução de custos por modificações no projeto do produto/processo ou por economias de escala também é importante considerar as características do produto percebidas pelo consumidor assim como o seu nível de “qualidade”. • PAY-OFFS - devem ser apurados os diferentes resultados para cada estratégia possível afim de que se escolha a decisão mais “lucrativa”. Como exemplificado abaixo num caso de cartel: RESULTADOS DAS FIRMAS A / B ALTERNATIVAS DA FIRMA A: Coopera mantendo o preço Engana cortando o preço Coopera mantendo o preço $ 10.000 / $ 10.000 $ 0 / $ 12.000 Engana cortando o preço $ 12.000 / $ 0 $ 6.000 / $ 6.000 ALTERNATIVAS DA FIRMA B:
  • 9. O PROBLEMA PRINCIPAL - AGENTES • A INFORMAÇÃO É ASSIMÉTRICA QUANDO O AGENTE “PRINCIPAL” NÃO SABE ALGO QUE O “AGENTE” SUBORDINADO SABE. • O PROBLEMA DO ‘PRINCIPAL’ É CRIAR UM ESQUEMA DE INCENTIVO PARA O ‘SUBORDINADO’ DE TAL MANEIRA QUE O INDUZA ESCOLHER A AÇÃO QUE PARA ELE SEJA A MAIS PROVEITOSA, ATENDENDO AS RESTRIÇÕES IMPOSTAS PELO COMPORTAMENTO OTIMIZADOR DO ‘SUBORDINADO’. • VALOR DE RESERVA DO ‘SUBORDINADO’ É O NÍVEL A PARTIR DO QUAL ELE CONSIDERA ACEITÁVEL A PROPOSTA DO ‘PRINCIPAL’. ASSIM O ‘PRINCIPAL’ DEVE GARANTIR ESTE NÍVEL. • A INFORMAÇÃO PODE SER PERFEITA (TUDO É OBSERVÁVEL) OU IMPERFEITA (AS AÇÕES NÃO SÃO OBSERVAVEIS).TAMBÉM POD SER INCOMPLETA, SE EXISTIR INCERTEZA QUANTO A ALGUMA VARIÁVEL DA FUNÇÃO-OBJETIVO DO ‘SUBORDINADO’. • EXISTINDO UM ÚNICO PRINCIPAL ESTE PROCURARÁ GANHAR O LUCRO DE MONOPÓLIO. MAIS DE UM A SOLUÇÃO É LUCRO NULO.
  • 10. O CARTEL COM SELEÇÃO ADVERSA • OCORRE INFORMAÇÃO INCOMPLETA QUANDO CADA AGENTE SABE QUANTO CUSTA A SUA PRODUÇÃO MAS NÃO SABE QUANTO CUSTA AS PRODUÇÕES DE SEUS CONCORRENTES. É UM CASO DE SELEÇÃO ADVERSA. • EXISTINDO PRODUTORES COM DIFERENTES CUSTOS O MAIS LÓGICO PARA A MAXIMIZAÇÃO CONJUNTA DOS LUCROS SERIA QUE A PRODUÇÃO FOSSE FEITA PELOS PRODUTORES QUE TIVESSEM OS MENORES CUSTOS E ELES FARIAM PAGAMENTOS LATERAIS PARA OS PRODUTORES QUE TIVESSEM OS CUSTOS MAIS ALTOS. • A REGRA DE FORMAÇÃO DO CARTEL COM SELEÇÃO ADVERSA DEVE ESTAR FOCADA EM COMO FAZER CADA PARTICIPANTE REVELAR PARA TODOS OS OUTROS O SEU VERDADEIRO CUSTO DE PRODUÇÃO, QUE É A SUA INFORMAÇÃO CONFIDENCIAL. • NO ACORDO DO CARTEL ESTARÁ DEFINIDO AS COMBINAÇÕES DE PAGAMENTOS/RECEBIMENTOS LATERAIS E AS QUOTAS DE PRODUÇÃO PARA CADA UM DOS PARTICIPANTES.