SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Alemanha e Japão
Profª: Oberlania Alves
Alemanha
Alemanha
O processo de industrialização alemão foi rápido.
Em fins do século XIX, a Alemanha já havia
ultrapassado o Reino Unido e a França, e junto com os
Estados Unidos, liderou os avanços para a Segunda
Revolução Industrial. Esse crescimento foi muito
rápido, porque com a unificação político-territorial em
1871, a Alemanha se tornou não só um único
Estado, como também um único mercado. Ou
seja, houve também uma unificação econômica. As
possibilidades de se acumular capitais aumentou com a
instituição de uma moeda única, com a constituição de
um grande mercado interno e a padronização das leis.
Alemanha
Devido à facilidade de transportes, e a
disponibilidade de jazidas de carvão
mineral, se concentrou indústrias quase na
fronteira com os Países Baixos, aonde os rios
Ruhr e Reno se encontram. Nessa região, que
antes era rota de comércio ligando o norte da
Itália a Flandres, os banqueiros concentraram
capitais, e passaram a investir cada vez mais
na indústria.
Alemanha
Aos poucos a população que residia no
campo, foi migrando para as cidades e, formando a
mão-de-obra necessária. Assim, com o trabalho
assalariado aumentando, crescia paralelamente o
mercado consumidor. Também se deve lembrar que
a França, após perder a guerra de 1871, foi obrigada
a pagar uma grande indenização à Alemanha, de
acordo com o Tratado de Frankfurt, e ceder as
províncias da Alsácia e da Lorena, ricos em carvão e
minério de ferro. Isso significou mais recursos e
novas fontes de energia e matérias-primas. Todos
esses fatores juntos ajudaram na industrialização
alemã.
Alemanha
A Alemanha se deparou com vários problemas para sustentar
seu processo de industrialização. Com a derrota na Primeira Guerra
Mundial (A Tríplice Aliança, formada inicialmente por Alemanha,
Aústria-Hungria e Itália saiu derrotada pela Tríplice Entente
composta por Reino Unido, França e Rússia), os vitoriosos
impuseram várias sanções através do Tratado de Versalhes: pagar
indenizações, restrições em termos militares e perdas territoriais,
sendo que a Alemanha teve de devolver as províncias de Alsácia e
Lorena.
Em conseqüência do Tratado Versalhes, a Alemanha caiu em
uma crise econômica e social, que criou as condições necessárias
para o Terceiro Reich (reinado), com Adolf Hitler no poder, em
1933. Com a influência nazista, o país procurou conquistar
territórios que eram considerados vitais para a expansão
econômica.
Alemanha
Mas o resultado dessa busca de territórios
foi a derrota na Segunda Guerra Mundial. Os
alemães ganharam: destruição, maiores
perdas territoriais e fragmentação política.
Porém, a Alemanha mostraria que mesmo
sofrendo perdas territoriais é possível um país
crescer economicamente.
Tecnopolos alemães
• Munique (Braviera) é um centro industrial antigo e com o
tempo se transformou no mais importante parque
tecnológico da Alemanha, onde se concentram empresas de
alta tecnologia, dos setores eletrônicos, de tecnologias de
informação (TI), automobilístico, de biotecnologia e
aeroespacial. Exemplos das indústrias: Siemens e Robert
Bosch.
• Chempark (Renânea do Norte-Vestfália) nele se concentram
mais de 70 empresas do setor químico-farmacêutico, que
atuam em pesquisa e desenvolvimento, produção industrial e
prestação de serviços. Ex: Grupo Bayer.
Alemanha
Conclui-se que a Alemanha é o pais mais
industrializado da Europa, em cada região se concentra
diversos tipos de indústrias, as mais densas e pesadas
estão na região do vale do rio Ruhr, onde se concentra
um grande pólo siderúrgico.
Agora
há
indústrias
de
todo
tipo,
eletrônica,
equipamentos
elétricos, calçados, roupas, plástica, química(são
muitas), construção civil, automobilística, maquinas
pesadas,
motores
navais,
indústria
aeronáutica,
equipamento
ferroviário, mineração, construção naval, etc.
JAPÃO

14
• O Japão permaneceu
isolado
do
mundo
exterior do século XVII ao
século XIX, período em
que foi governado pelo
clã Tokugawa.
• Em 1639, sob o xogunato
Iyemitsu, o país iniciou
um período de reclusão
chamado sakoku, palavra
que
siginifica
“país
fechado”.

• A partir de então, os
estrangeiros
foram
proibidos de entrar no
país e os japoneses, de
sair. Houve apenas uma
exceção:
as
trocas
comerciais feitas com os
holandeses,
que
mantinham
um
entreposto comercial na
cidade de Nagasaki.

15
• Por isso, quando os norteamericanos aportaram no
Japão em 1853, pondo
fim ao isolamento do país
e ao domínio dos
Tokugawa, encontram um
país ainda feudal e
defasado
economicamente
em
relação
ao
mundo
ocidental.

• Tentando realizar seu
projeto geopolítico de
controle dos oceanos, os
norte-americanos
forçaram a abertura do
Japão através do Tratado
de Kanagawa, assinado
em 1854. Essa abertura
acelerou a desintegração
do sistema feudal japonês
e, em 1868, encerrou o
domínio do clã Tokugawa.
16
• Japão: país insular
• Área:
377
mil
km2,
corresponde às dos estados
do Rio Grande do sul e
Santa Catarina somados);
• Formado por montanhas e
estreitas planícies, portanto
com pouquíssimas terras
agricultáveis, a maioria na
zona temperada do planeta,
a qual não oferecia
condições para o cultivo dos
cobiçados
produtos
tropicais da época do
mercantilismo.

• Geologicamente, o Japão é
formado
por
uma
combinação
de
dobramentos e vulcanismo.
Localiza-se numa zona de
contato de três placas
tectônicas, no quando
Círculo de Fogo do Pacífico,
o que lhe determina uma
grande
instabilidade
sísmica, além de um
subsolo
extremamente
pobre em minérios e
combustíveis fósseis.
17
18
• No final do século • Nesse momento, porém a
elite japonesa já tinha
XIX, quando os Estados
definido claramente seus
Unidos
emergiram
interesses, que sem sombra
como potência e se
de dúvida se chocavam com
lançaram em busca de
os interesses estrangeiros.
pontos estratégicos nos • A partir de então, os
oceanos Pacífico e
japoneses empenharam-se
de modo enérgico em
Atlântico,
o
Japão
viabilizar seu processo de
subitamente se tornou
industrialização, por meio
um
país
muito
da intervenção do Estado na
importante.
Economia e do militarismo.
19
A expansão do Império japonês

20
Industrialização e imperialismo
• O processo de industrialização do

• Assim, como a Alemanha e
Japão só ocorreu efetivamente após
a Itália, o Japão é um país
1868, ano que marcou o fim do
de capitalismo tardio, de
xogunato
e a restauração do
imperialismo tardio, e uma
império, com a ascensão do
aliança entre esses três
imperador Mitsuhito. Esse novo
países foi apenas uma
reinando, conhecido como Era Meiji
questão de tempo. Isso
, palavra que significa “governo
aconteceu no contexto da
ilustrado”, estendeu-se até 1912 e
2ª Guerra Mundial, quando
foi
marcado
por
políticas
se formou o eixo Romamodernizantes do Estado japonês:
Berlim-Tókio.
investimentos
em
• Aos japoneses era muito • Maciços
educação, universalizada e voltada à
interessante o domínio de
qualificação de mão-de-obra;
territórios na Ásia que
pudessem viabilizar sua • Abertura à tecnologia e aos
expansão econômica.
produtos estrangeiros;
21
• A constituição de 1889 • Os zaibatsus (zai significa
“riqueza”
e
batsu,
estabeleceu
o
“grupo),
organizações
imperador como chefe
originadas de antigos e
“sagrado e inviolável”
poderosos clãs, como a
do Estado e estabeleceu
Mitsubishi, a Mitsui, a
também
a
Dieta
Sumitomo e a Yassuda,
(Parlamento).
passaram a dominar cada
• O
xintoísmo
foi
vez mais a economia do
declarado religião oficial
Japão.
em 1882.
22
• Atuando
em • Como resultado dessa
política modernizante, o
praticamente todos os
Japão
viveu
um
setores industriais, além
vertiginosos processo de
do comércio e das
industrialização.
finanças,
foram
incorporando indústrias • No entanto, o país
enfrentava
problemas
menores, incluindo as
estruturais
graves:
fábricas
construídas
escassez
crônica
de
pelo Estado, e se
matérias-primas e de
transformaram
em
energia e limitação do
grande conglomerados.
mercado interno
23
• Na tentativa de • A expansão iniciou com a
vitória na Guerra Sinosuperar
esses
japonesa
(1894problemas,
o
1895), que garantiu a
império
japonês
ocupação de Taiwan.
aventurou-se
em • Em 1910 foi a vez da
Coréia ser anexada.
busca de territórios
na Ásia e no Pacífico. • Com a vitória contra a
Rússia (1904-1905) os
Para
atingir
tal
japoneses tomaram as
objetivo,
investiu
Ilhas Sacalinas, então
maciçamente em seu
território russo.
fortalecimento
militar.
24
• Em 1931, ocuparam a
Manchúria, parte do
território chinês, onde
implantara,
em
1934, Manchukuo, um
Estado fantoche sob o
governo
do
último
imperador chinês Pu
Yi, que tinha perdido o
trono em 1912 como
resultado da proclamação
da república por Sun-Yatsem.

• Em 1937, com o objetivo de
conquistar novos territórios
o Japão iniciou uma
confrontação total com a
China, que se estenderia até
a Segunda Guerra Mundial.
• A segunda Guerra Mundial
marcou a fase de maior
expansão
territorial, quando o país
ocupou parte do Sudeste
Asiático e diversas ilhas do
Pacífico.
25
• Esta
política
expansionista,
porém,
resultaria na quase total
destruição do Japão, que
saiu derrotado da Guerra.
• O ataque-surpresa à base
naval de Pearl Harbor
(Havai), em 1941, deixou
claro que os japoneses
superestimaram
seu
poderio militar:

• Precipitaram a entrada
dos norte-americanos na
guerra
e
acabaram
derrotados por eles.
• Com o lançamento, pelos
Estados
Unidos,
das
bombas atômicas sobre
Hiroxima e Nagasaki, em
6 e 9 de agosto de 1945,
respectivamente, o Japão
não teve outra alternativa
a não ser render-se.
26
• A assinatura da rendição foi o principal
símbolo da superioridade tecnológica e militar
norte-americana e, ao mesmo tempo, o
prenúncio do papel reservado ao Japão
durante a Guerra Fria: fiel aliado e aguerrido
adversário econômico dos Estados Unidos.

27
Reconstrução industrial após a
Segunda Guerra Mundial
• Durante a ocupação que se estendeu até
1952, o Japão foi governado pelo Conselho
Superior das Potências aliadas. Presidida pelo
general norte-americano Douglas McArthur.
Nesse período, profundas reformas foram
impostas ao país com o objetivo de
modernizá-lo do ponto de vista político,
econômico e cultural, encerrando de vez o
feudalismo e o militarismo.
28
Principais medidas
• 1947 – Lei de Proibição dos Monopólios – o que
levou as zaibatsus à dissolução, com isso os norteamericanos pretendiam enfraquecer o poder dos
grandes grupos e estimular a concorrência na
economia japonesa.
• A constituição, redigida e imposta em 1947 proibia a
intervenção externa do exército japonês, que foi
transformado em força de auto defesa.
• A defesa do território japonês ficou a cargo dos
Estados Unidos.
29
• A Constituição garantiu a liberdade de culto e
estabeleceu o estado laico;
• O Imperador Hiroito teve de renunciar a ser
considerado como uma divindade.
• Além das intervenções modernizadoras, os norteamericanos elegeram o Japão como o principal ponto
de apoio asiático na luta contra o comunismo sinosoviético, o que ficou evidente após a Revolução
Chinesa de 1949.
30
.
• Assim, o Japão passou a se beneficiar-se da
ajuda financeira do Tesouro norte-americano
(em torno de 2,5 bilhões de dólares, de 1947 a
1950);

31
Outras medidas...
• Grande disponibilidade de mão-de-obra
barata,
disciplinada
e
relativamente
qualificada;
• Maciços investimentos estatais em educação,
pesquisa e desenvolvimento tecnológico;
• Reconstrução da infraestrutura e dos
conglomerados em bases mais modernas.

32
• A principal vantagem apresentada pelo Japão
sobre os concorrentes europeus e norteamericanos foi a mão-de-obra barata;
• Com o passar do tempo os salários foram
aumentando como um reflexo da elevação de
produtividade resultante dos avanços
tecnológicos incorporados aos processo de
produção.

33
• Na década de 90, os trabalhadores japoneses
alcançaram salários bastante elevados, entre os mais
altos do mundo, o que sustentou um gigantesco
mercado interno e lhes garantiu um dos maiores
padrões de vida do planeta.
• A estagnação econômica verificada desde meados
dos anos 1990, provocou um aumento do
desemprego e queda dos salários.

34
Principais Tecnopolos
• A cidade da ciência de Tsukuba – principal Tecnopolo do país
e um dos mais importantes do mundo, sua implantação
começou na década de 1960, com centros governamentais, 55
institutos públicos e privados de educação e pesquisa, entre
eles a Universidade de Tsukuba e a Agência de Exploração
Aeroespacial do Japão.
• A cidade da ciência de Kansai – abrange os munícipios de
Kyoto, Osaka e Nara, trata-se da segunda região mais
industrializada do Japão e sua implantação começou na
década de 80. Presença de laboratórios de empresas
privadas, como a Panasonic e a Canon, importantes
universidade e centros de pesquisa públicos e privados
geradores de tecnologias inovadoras.
Crises econômicas
• O grande sucesso econômico do Japão foi uma
eficiente combinação de livre mercado com
planejamento estatal.
• A crise japonesa é, de certa forma, consequência do
sucesso dos anos anteriores. O grande acúmulo de
riquezas no país levou os agentes econômicos a uma
crescente especulação com ações, provocando uma
enorme alta nas Bolsas de Valores de Tóquio;

36
• Ao mesmo tempo, os bancos japoneses, que
chegaram a ocupar oito das dez primeiras
posições entre os maiores do mundo em 1990
(em 2002 não havia mais nenhum entre os dez
primeiros), fizeram grandes empréstimos sem
critério, principalmente para o ramo
imobiliário, o que gerou grande especulação
no setor.
37
• Os preços dos imóveis no Japão, que já estavam
entre os mais altos do mundo, subiram
exageradamente, atingindo valores estratosféricos.
• Essa bolha especulativa – financeira e imobiliária –
estourou no início dos anos 1990. Os preços das
ações e dos imóveis despencaram, fazendo a crise se
propagar pela economia real, ao provocar o
fechamento de empresas e o aumento do
desemprego.

38
• Fazer atividade de 1 à 6 da página 182.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processo de Indústrialização da Rússia
Processo de Indústrialização da RússiaProcesso de Indústrialização da Rússia
Processo de Indústrialização da Rússiagzanlorenssi
 
A desintegração da URSS
A desintegração da URSSA desintegração da URSS
A desintegração da URSSMateus Silva
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptxProfessor de História
 
Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo wyliannemaia
 
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados UnidosPaíses pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados UnidosOberlania Alves
 
A atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos euaA atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos euaProfessor
 
O imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaO imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaPatrícia Sanches
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russamarcosfm32
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticos  Tigres asiáticos
Tigres asiáticos Camila Brito
 
Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Moacir E Nalin
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAPaulo Alexandre
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilFatima Freitas
 
JapãO HistóRia E Geopolitica
JapãO   HistóRia E GeopoliticaJapãO   HistóRia E Geopolitica
JapãO HistóRia E GeopoliticaJoacir Pimenta
 

Mais procurados (20)

Rússia
RússiaRússia
Rússia
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem Mundial
 
Processo de Indústrialização da Rússia
Processo de Indústrialização da RússiaProcesso de Indústrialização da Rússia
Processo de Indústrialização da Rússia
 
A desintegração da URSS
A desintegração da URSSA desintegração da URSS
A desintegração da URSS
 
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
8° ANO - REBELIÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA.pptx
 
Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo Introdução Ao Mundo Contemporâneo
Introdução Ao Mundo Contemporâneo
 
Cei e rússia
Cei e rússiaCei e rússia
Cei e rússia
 
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados UnidosPaíses pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
Países pioneiros na industrialização - Reino Unido e Estados Unidos
 
A atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos euaA atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos eua
 
O imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaO imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na África
 
Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticos  Tigres asiáticos
Tigres asiáticos
 
Estado, territorio e nação.pptx
Estado, territorio e nação.pptxEstado, territorio e nação.pptx
Estado, territorio e nação.pptx
 
Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
 
Formação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUAFormação e desenvolvimento dos EUA
Formação e desenvolvimento dos EUA
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
JapãO HistóRia E Geopolitica
JapãO   HistóRia E GeopoliticaJapãO   HistóRia E Geopolitica
JapãO HistóRia E Geopolitica
 
O fim da guerra fria
O fim da guerra friaO fim da guerra fria
O fim da guerra fria
 
A CHINA DO SÉCULO XXI
A CHINA DO SÉCULO XXIA CHINA DO SÉCULO XXI
A CHINA DO SÉCULO XXI
 

Semelhante a Países de industrialialização tardia - Alemanha e Japão

Semelhante a Países de industrialialização tardia - Alemanha e Japão (20)

Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
 
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãImperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
 
Unificação italiana e alemã
Unificação italiana e alemãUnificação italiana e alemã
Unificação italiana e alemã
 
JAPAO
JAPAOJAPAO
JAPAO
 
Imperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismosImperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismos
 
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair AguilarCausas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
Causas da Segunda Guerra - Prof.Altair Aguilar
 
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismoNacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
 
1ª guerra mundial
1ª guerra mundial1ª guerra mundial
1ª guerra mundial
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
O Imperialismo
O ImperialismoO Imperialismo
O Imperialismo
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
História
HistóriaHistória
História
 
Apresentação economia e liberalismo
Apresentação economia e liberalismoApresentação economia e liberalismo
Apresentação economia e liberalismo
 
Imperialismo Aulas 31 E 32
Imperialismo   Aulas 31 E 32Imperialismo   Aulas 31 E 32
Imperialismo Aulas 31 E 32
 
História contemporânea
História contemporâneaHistória contemporânea
História contemporânea
 
1ª GUERRA E CRISE DE 1929.
1ª GUERRA E CRISE DE 1929.1ª GUERRA E CRISE DE 1929.
1ª GUERRA E CRISE DE 1929.
 
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo HistóricoIndustrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
 
Unificações do século XIX
Unificações do século XIXUnificações do século XIX
Unificações do século XIX
 

Mais de Oberlania Alves

Slides sistema de transportes
Slides sistema de transportesSlides sistema de transportes
Slides sistema de transportesOberlania Alves
 
G 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolarG 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolarOberlania Alves
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOberlania Alves
 
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioSlides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioOberlania Alves
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosOberlania Alves
 

Mais de Oberlania Alves (9)

Slides sistema de transportes
Slides sistema de transportesSlides sistema de transportes
Slides sistema de transportes
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
G 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolarG 20 e o mundo multipolar
G 20 e o mundo multipolar
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômica
 
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioSlides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
 
Manual sobre a tese
Manual sobre a teseManual sobre a tese
Manual sobre a tese
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
 

Último

Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 

Último (20)

Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 

Países de industrialialização tardia - Alemanha e Japão

  • 1. Alemanha e Japão Profª: Oberlania Alves
  • 3. Alemanha O processo de industrialização alemão foi rápido. Em fins do século XIX, a Alemanha já havia ultrapassado o Reino Unido e a França, e junto com os Estados Unidos, liderou os avanços para a Segunda Revolução Industrial. Esse crescimento foi muito rápido, porque com a unificação político-territorial em 1871, a Alemanha se tornou não só um único Estado, como também um único mercado. Ou seja, houve também uma unificação econômica. As possibilidades de se acumular capitais aumentou com a instituição de uma moeda única, com a constituição de um grande mercado interno e a padronização das leis.
  • 4.
  • 5. Alemanha Devido à facilidade de transportes, e a disponibilidade de jazidas de carvão mineral, se concentrou indústrias quase na fronteira com os Países Baixos, aonde os rios Ruhr e Reno se encontram. Nessa região, que antes era rota de comércio ligando o norte da Itália a Flandres, os banqueiros concentraram capitais, e passaram a investir cada vez mais na indústria.
  • 6.
  • 7. Alemanha Aos poucos a população que residia no campo, foi migrando para as cidades e, formando a mão-de-obra necessária. Assim, com o trabalho assalariado aumentando, crescia paralelamente o mercado consumidor. Também se deve lembrar que a França, após perder a guerra de 1871, foi obrigada a pagar uma grande indenização à Alemanha, de acordo com o Tratado de Frankfurt, e ceder as províncias da Alsácia e da Lorena, ricos em carvão e minério de ferro. Isso significou mais recursos e novas fontes de energia e matérias-primas. Todos esses fatores juntos ajudaram na industrialização alemã.
  • 8.
  • 9. Alemanha A Alemanha se deparou com vários problemas para sustentar seu processo de industrialização. Com a derrota na Primeira Guerra Mundial (A Tríplice Aliança, formada inicialmente por Alemanha, Aústria-Hungria e Itália saiu derrotada pela Tríplice Entente composta por Reino Unido, França e Rússia), os vitoriosos impuseram várias sanções através do Tratado de Versalhes: pagar indenizações, restrições em termos militares e perdas territoriais, sendo que a Alemanha teve de devolver as províncias de Alsácia e Lorena. Em conseqüência do Tratado Versalhes, a Alemanha caiu em uma crise econômica e social, que criou as condições necessárias para o Terceiro Reich (reinado), com Adolf Hitler no poder, em 1933. Com a influência nazista, o país procurou conquistar territórios que eram considerados vitais para a expansão econômica.
  • 10. Alemanha Mas o resultado dessa busca de territórios foi a derrota na Segunda Guerra Mundial. Os alemães ganharam: destruição, maiores perdas territoriais e fragmentação política. Porém, a Alemanha mostraria que mesmo sofrendo perdas territoriais é possível um país crescer economicamente.
  • 11.
  • 12. Tecnopolos alemães • Munique (Braviera) é um centro industrial antigo e com o tempo se transformou no mais importante parque tecnológico da Alemanha, onde se concentram empresas de alta tecnologia, dos setores eletrônicos, de tecnologias de informação (TI), automobilístico, de biotecnologia e aeroespacial. Exemplos das indústrias: Siemens e Robert Bosch. • Chempark (Renânea do Norte-Vestfália) nele se concentram mais de 70 empresas do setor químico-farmacêutico, que atuam em pesquisa e desenvolvimento, produção industrial e prestação de serviços. Ex: Grupo Bayer.
  • 13. Alemanha Conclui-se que a Alemanha é o pais mais industrializado da Europa, em cada região se concentra diversos tipos de indústrias, as mais densas e pesadas estão na região do vale do rio Ruhr, onde se concentra um grande pólo siderúrgico. Agora há indústrias de todo tipo, eletrônica, equipamentos elétricos, calçados, roupas, plástica, química(são muitas), construção civil, automobilística, maquinas pesadas, motores navais, indústria aeronáutica, equipamento ferroviário, mineração, construção naval, etc.
  • 15. • O Japão permaneceu isolado do mundo exterior do século XVII ao século XIX, período em que foi governado pelo clã Tokugawa. • Em 1639, sob o xogunato Iyemitsu, o país iniciou um período de reclusão chamado sakoku, palavra que siginifica “país fechado”. • A partir de então, os estrangeiros foram proibidos de entrar no país e os japoneses, de sair. Houve apenas uma exceção: as trocas comerciais feitas com os holandeses, que mantinham um entreposto comercial na cidade de Nagasaki. 15
  • 16. • Por isso, quando os norteamericanos aportaram no Japão em 1853, pondo fim ao isolamento do país e ao domínio dos Tokugawa, encontram um país ainda feudal e defasado economicamente em relação ao mundo ocidental. • Tentando realizar seu projeto geopolítico de controle dos oceanos, os norte-americanos forçaram a abertura do Japão através do Tratado de Kanagawa, assinado em 1854. Essa abertura acelerou a desintegração do sistema feudal japonês e, em 1868, encerrou o domínio do clã Tokugawa. 16
  • 17. • Japão: país insular • Área: 377 mil km2, corresponde às dos estados do Rio Grande do sul e Santa Catarina somados); • Formado por montanhas e estreitas planícies, portanto com pouquíssimas terras agricultáveis, a maioria na zona temperada do planeta, a qual não oferecia condições para o cultivo dos cobiçados produtos tropicais da época do mercantilismo. • Geologicamente, o Japão é formado por uma combinação de dobramentos e vulcanismo. Localiza-se numa zona de contato de três placas tectônicas, no quando Círculo de Fogo do Pacífico, o que lhe determina uma grande instabilidade sísmica, além de um subsolo extremamente pobre em minérios e combustíveis fósseis. 17
  • 18. 18
  • 19. • No final do século • Nesse momento, porém a elite japonesa já tinha XIX, quando os Estados definido claramente seus Unidos emergiram interesses, que sem sombra como potência e se de dúvida se chocavam com lançaram em busca de os interesses estrangeiros. pontos estratégicos nos • A partir de então, os oceanos Pacífico e japoneses empenharam-se de modo enérgico em Atlântico, o Japão viabilizar seu processo de subitamente se tornou industrialização, por meio um país muito da intervenção do Estado na importante. Economia e do militarismo. 19
  • 20. A expansão do Império japonês 20
  • 21. Industrialização e imperialismo • O processo de industrialização do • Assim, como a Alemanha e Japão só ocorreu efetivamente após a Itália, o Japão é um país 1868, ano que marcou o fim do de capitalismo tardio, de xogunato e a restauração do imperialismo tardio, e uma império, com a ascensão do aliança entre esses três imperador Mitsuhito. Esse novo países foi apenas uma reinando, conhecido como Era Meiji questão de tempo. Isso , palavra que significa “governo aconteceu no contexto da ilustrado”, estendeu-se até 1912 e 2ª Guerra Mundial, quando foi marcado por políticas se formou o eixo Romamodernizantes do Estado japonês: Berlim-Tókio. investimentos em • Aos japoneses era muito • Maciços educação, universalizada e voltada à interessante o domínio de qualificação de mão-de-obra; territórios na Ásia que pudessem viabilizar sua • Abertura à tecnologia e aos expansão econômica. produtos estrangeiros; 21
  • 22. • A constituição de 1889 • Os zaibatsus (zai significa “riqueza” e batsu, estabeleceu o “grupo), organizações imperador como chefe originadas de antigos e “sagrado e inviolável” poderosos clãs, como a do Estado e estabeleceu Mitsubishi, a Mitsui, a também a Dieta Sumitomo e a Yassuda, (Parlamento). passaram a dominar cada • O xintoísmo foi vez mais a economia do declarado religião oficial Japão. em 1882. 22
  • 23. • Atuando em • Como resultado dessa política modernizante, o praticamente todos os Japão viveu um setores industriais, além vertiginosos processo de do comércio e das industrialização. finanças, foram incorporando indústrias • No entanto, o país enfrentava problemas menores, incluindo as estruturais graves: fábricas construídas escassez crônica de pelo Estado, e se matérias-primas e de transformaram em energia e limitação do grande conglomerados. mercado interno 23
  • 24. • Na tentativa de • A expansão iniciou com a vitória na Guerra Sinosuperar esses japonesa (1894problemas, o 1895), que garantiu a império japonês ocupação de Taiwan. aventurou-se em • Em 1910 foi a vez da Coréia ser anexada. busca de territórios na Ásia e no Pacífico. • Com a vitória contra a Rússia (1904-1905) os Para atingir tal japoneses tomaram as objetivo, investiu Ilhas Sacalinas, então maciçamente em seu território russo. fortalecimento militar. 24
  • 25. • Em 1931, ocuparam a Manchúria, parte do território chinês, onde implantara, em 1934, Manchukuo, um Estado fantoche sob o governo do último imperador chinês Pu Yi, que tinha perdido o trono em 1912 como resultado da proclamação da república por Sun-Yatsem. • Em 1937, com o objetivo de conquistar novos territórios o Japão iniciou uma confrontação total com a China, que se estenderia até a Segunda Guerra Mundial. • A segunda Guerra Mundial marcou a fase de maior expansão territorial, quando o país ocupou parte do Sudeste Asiático e diversas ilhas do Pacífico. 25
  • 26. • Esta política expansionista, porém, resultaria na quase total destruição do Japão, que saiu derrotado da Guerra. • O ataque-surpresa à base naval de Pearl Harbor (Havai), em 1941, deixou claro que os japoneses superestimaram seu poderio militar: • Precipitaram a entrada dos norte-americanos na guerra e acabaram derrotados por eles. • Com o lançamento, pelos Estados Unidos, das bombas atômicas sobre Hiroxima e Nagasaki, em 6 e 9 de agosto de 1945, respectivamente, o Japão não teve outra alternativa a não ser render-se. 26
  • 27. • A assinatura da rendição foi o principal símbolo da superioridade tecnológica e militar norte-americana e, ao mesmo tempo, o prenúncio do papel reservado ao Japão durante a Guerra Fria: fiel aliado e aguerrido adversário econômico dos Estados Unidos. 27
  • 28. Reconstrução industrial após a Segunda Guerra Mundial • Durante a ocupação que se estendeu até 1952, o Japão foi governado pelo Conselho Superior das Potências aliadas. Presidida pelo general norte-americano Douglas McArthur. Nesse período, profundas reformas foram impostas ao país com o objetivo de modernizá-lo do ponto de vista político, econômico e cultural, encerrando de vez o feudalismo e o militarismo. 28
  • 29. Principais medidas • 1947 – Lei de Proibição dos Monopólios – o que levou as zaibatsus à dissolução, com isso os norteamericanos pretendiam enfraquecer o poder dos grandes grupos e estimular a concorrência na economia japonesa. • A constituição, redigida e imposta em 1947 proibia a intervenção externa do exército japonês, que foi transformado em força de auto defesa. • A defesa do território japonês ficou a cargo dos Estados Unidos. 29
  • 30. • A Constituição garantiu a liberdade de culto e estabeleceu o estado laico; • O Imperador Hiroito teve de renunciar a ser considerado como uma divindade. • Além das intervenções modernizadoras, os norteamericanos elegeram o Japão como o principal ponto de apoio asiático na luta contra o comunismo sinosoviético, o que ficou evidente após a Revolução Chinesa de 1949. 30
  • 31. . • Assim, o Japão passou a se beneficiar-se da ajuda financeira do Tesouro norte-americano (em torno de 2,5 bilhões de dólares, de 1947 a 1950); 31
  • 32. Outras medidas... • Grande disponibilidade de mão-de-obra barata, disciplinada e relativamente qualificada; • Maciços investimentos estatais em educação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico; • Reconstrução da infraestrutura e dos conglomerados em bases mais modernas. 32
  • 33. • A principal vantagem apresentada pelo Japão sobre os concorrentes europeus e norteamericanos foi a mão-de-obra barata; • Com o passar do tempo os salários foram aumentando como um reflexo da elevação de produtividade resultante dos avanços tecnológicos incorporados aos processo de produção. 33
  • 34. • Na década de 90, os trabalhadores japoneses alcançaram salários bastante elevados, entre os mais altos do mundo, o que sustentou um gigantesco mercado interno e lhes garantiu um dos maiores padrões de vida do planeta. • A estagnação econômica verificada desde meados dos anos 1990, provocou um aumento do desemprego e queda dos salários. 34
  • 35. Principais Tecnopolos • A cidade da ciência de Tsukuba – principal Tecnopolo do país e um dos mais importantes do mundo, sua implantação começou na década de 1960, com centros governamentais, 55 institutos públicos e privados de educação e pesquisa, entre eles a Universidade de Tsukuba e a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão. • A cidade da ciência de Kansai – abrange os munícipios de Kyoto, Osaka e Nara, trata-se da segunda região mais industrializada do Japão e sua implantação começou na década de 80. Presença de laboratórios de empresas privadas, como a Panasonic e a Canon, importantes universidade e centros de pesquisa públicos e privados geradores de tecnologias inovadoras.
  • 36. Crises econômicas • O grande sucesso econômico do Japão foi uma eficiente combinação de livre mercado com planejamento estatal. • A crise japonesa é, de certa forma, consequência do sucesso dos anos anteriores. O grande acúmulo de riquezas no país levou os agentes econômicos a uma crescente especulação com ações, provocando uma enorme alta nas Bolsas de Valores de Tóquio; 36
  • 37. • Ao mesmo tempo, os bancos japoneses, que chegaram a ocupar oito das dez primeiras posições entre os maiores do mundo em 1990 (em 2002 não havia mais nenhum entre os dez primeiros), fizeram grandes empréstimos sem critério, principalmente para o ramo imobiliário, o que gerou grande especulação no setor. 37
  • 38. • Os preços dos imóveis no Japão, que já estavam entre os mais altos do mundo, subiram exageradamente, atingindo valores estratosféricos. • Essa bolha especulativa – financeira e imobiliária – estourou no início dos anos 1990. Os preços das ações e dos imóveis despencaram, fazendo a crise se propagar pela economia real, ao provocar o fechamento de empresas e o aumento do desemprego. 38
  • 39. • Fazer atividade de 1 à 6 da página 182.