SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
IC - Inquérito Civil
SIG n. 06.2012.00009563-4
TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA
O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA
CATARINA, representado neste ato pela Promotora de Justiça, Raquel Betina
Blank, titular da Promotoria de Justiça de São José do Cedro/SC, doravante
COMPROMITENTE, e a pessoa jurídica FÁBRICA DE CAMAS E BELICHES
MARIFLOR LTDA – EPP, com endereço na Rua Cruz e Souza, n. 840, Parque
Industrial, em São José do Cedro/SC, CNPJ n. 81.625.089/0001-83, neste ato
representada por SILMAR BRITZ, doravante denominados
COMPROMISSÁRIOS, têm entre si justo e acertado o seguinte:
CONSIDERANDO a legitimidade do Ministério Público para
a defesa dos interesses metaindividuais prevista no art. 129, inciso III, da
Constituição Federal e art. 5º, caput, da Lei n. 7.347, de 24 de julho de 1985;
CONSIDERANDO que o Ministério Público, pelo disposto
no art. 129, inciso III, da Constituição Federal e no art. 26, I, da Lei n. 8.625/93
(LONMP) possui, dentre suas atribuições, a defesa dos interesses sociais e
individuais indisponíveis, destacando-se, neste aspecto, a proteção do direito à
vida, à saúde e ao bem estar social como elementos essenciais à dignidade da
pessoa humana, sendo o órgão público encarregado de promover o Inquérito
Civil, o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta ou, se necessário, a
Ação Civil Pública para a proteção do Meio Ambiente e de outros interesses
difusos e coletivos;
CONSIDERANDO que "todos têm direito ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia
qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de
defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações" (art. 225, caput,
da Constituição Federal);
CONSIDERANDO que o meio ambiente, segundo o art 3º,
inciso I, da Lei 6.938/81, é "o conjunto de condições, leis, influências e
interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a
vida em todas as suas formas";
CONSIDERANDO que a Lei 12.651/12 instituiu no art. 4º,
inciso I, alínea a, que "considera-se Área de Preservação Permanente, em
zonas rurais ou urbanas, para os efeitos desta Lei: I - as faixas marginais de
qualquer curso d’água natural perene e intermitente, excluídos os efêmeros,
desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de: a) 30 (trinta)
metros, para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura";
CONSIDERANDO que as Áreas de Preservação
Permanente - APP são bens de interesse nacional e espaços territoriais
especialmente protegidos, cobertos ou não por vegetação, com a função
ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade
geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e
assegurar o bem-estar das populações humanas;
CONSIDERANDO a singularidade e o valor estratégico das
áreas de preservação permanente que, conforme indica sua denominação, são
caracterizadas, como regra geral, pela intocabilidade e vedação de uso
econômico direto;
CONSIDERANDO a função socioambiental da propriedade
prevista nos artigos 5º, inciso XXIII, 170, inciso VI, 182, § 2º, 186, inciso II e 225,
todos da Constituição da República;
CONSIDERANDO que o direito de propriedade será
exercido com as limitações que a legislação estabelece, ficando os proprietários
ou posseiros obrigados a respeitar as normas e regulamentos administrativos;
CONSIDERANDO o dever legal do proprietário ou do
possuidor de recuperar as áreas de preservação permanente irregularmente
suprimidas ou ocupadas;
CONSIDERANDO que os danos ambientais causados pela
ocupação irregular do solo prejudicam a qualidade de vida da atual e futuras
gerações, provocando impactos negativos quanto à manutenção do equilíbrio
ecológico;
CONSIDERANDO que o crescimento das cidades às
margens dos rios é um fenômeno cultural, porque os primeiros colonizadores
buscavam justamente essas áreas para se fixarem, o que se verifica em
inúmeras cidades da nossa região e em outros locais;
CONSIDERANDO que a interpretação meramente literal da
legislação ambiental implicaria a demolição das edificações há décadas já
instaladas, o que não se mostra sensato, nem, tampouco, moderado;
CONSIDERANDO que, com prudência, discernimento e
responsabilidade, o Órgão do Ministério Público signatário procedeu à análise da
questão sob o prisma dos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade;
CONSIDERANDO, fundamentalmente, que o princípio da
razoabilidade e o princípio da proporcionalidade exigem da Administração
Pública congruência em sua atuação, devendo haver na atuação administrativa
coerência entre o disposto na lei, sua finalidade, a concretização do ato, os
meios utilizados para o alcance desta, e o efetivo atendimento dos interesses
públicos;
CONSIDERANDO que o desenvolvimento sustentável é a
base para o desenrolar de qualquer atividade, sempre com respeito ao meio
ambiente;
CONSIDERANDO que o acordo aqui realizado não pode
causar impacto social a ponto de desestruturar toda a comunidade, assim como
a legislação não pode deixar de ser aplicada, devendo-se primar pela solução de
forma mais equânime possível;
CONSIDERANDO que a prática narrada nestes autos
atinge direitos difusos da população, afetos às atribuições institucionais desta
Promotoria de Justiça;
CONSIDERANDO que uma das funções institucionais do
Ministério Público é a legitimação ativa para a defesa judicial e extrajudicial dos
interesses relacionados à preservação do meio ambiente, possibilitando lavrar,
com o interessado, Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta às
exigências legais, nos termos dos artigos 127 e 129, inciso III, ambos da
Constituição Federal, no artigo 25, inciso IV, alínea "a", da Lei n. 8.625/93, no
art. 8º, § 1º, da Lei n. 7.347/85 e, no artigo 89 da Lei Complementar Estadual n.
197/2000;
CONSIDERANDO que, conforme apurado no Inquérito
Civil n. 06.2012.00009563-4, os COMPROMISSÁRIOS FÁBRICA DE CAMAS E
BELICHES MARIFLOR LTDA – EPP e SILMAR BRITZ realizaram construção em
área de preservação permanente, constante da matrícula 6.957, na Rua Cruz e
Souza, n. 840, Parque Industrial, em São José do Cedro/SC, em desacordo com
as normas ambientais vigentes;
CONSIDERANDO ser entendimento institucional no
Ministério Público do Estado de Santa Catarina, de acordo com tese aprovada
pelos seus membros, que, na hipótese de dano ambiental irrecuperável, o
parâmetro para fixação da medida compensatória ambiental in pecunia será o
valor pecuniário que possibilite, no mínimo, a reposição de área equivalente em
extensão e características ecológicas da área degradada, situada na mesma
bacia hidrográfica, preferencialmente na mesma microbacia, e, nas hipóteses de
corte de vegetação em área urbana, no mesmo município ou região
metropolitana;
CONSIDERANDO a existência de dano ambiental
irreversível e a impossibilidade de restauração e recuperação in natura no
próprio local, situações que ensejam a adoção de medidas de compensação
recuperatória e mitigatória, nos termos do artigo 2º, alíneas 'b' e 'c', do artigo 4º,
incisos II e III, e do artigo 8º do Assento n. 001/2013 do Conselho Superior do
Ministério Público.
RESOLVEM celebrar, por meio deste instrumento,
Compromisso de Ajustamento de Conduta, com fulcro no art. 5°, § 6º, da Lei n.
7.347/85, mediante as cláusulas a seguir delineadas, estabelecendo, para sua
efetividade, as seguintes cláusulas e respectivas sanções:
CLÁUSULA PRIMEIRA: Este Termo de Compromisso de
Ajustamento de Condutas tem como objeto a reparação integral do dano
ambiental causado no imóvel objeto da matrícula n. 6.957, localizado na Rua
Cruz e Souza, Lote 1, Quadra 1, n. 840, Parque Industrial, no município de São
José do Cedro/SC.
CLÁUSULA SEGUNDA: Os COMPROMISSÁRIOS
reconhecem que ocorreu construção indevida em Áreas de Preservação
Permanente (APP) e que até o presente momento nenhuma medida foi tomada
no sentido de restaurar o ecossistema natural nas referidas áreas apontadas.
CLÁUSULA TERCEIRA: Diante das informações
constantes na cláusula anterior, FÁBRICA DE CAMAS E BELICHES MARIFLOR
LTDA – EPP e SILMAR BRITZ, ora COMPROMISSÁRIOS, assumem a
obrigação de elaborar e executar, por intermédio de profissional habilitado,
acompanhado de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), o Projeto de
Recuperação da Área Degradada (PRAD), sujeito à aprovação pela Fundação
do Meio Ambiente (FATMA).
CLÁUSULA QUARTA: Os COMPROMISSÁRIOS
assumem a obrigação de fazer consistente em apresentar ao
COMPROMITENTE, no prazo de 60 (sessenta) dias, contados a partir da
homologação deste Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta pelo
Egrégio Conselho Superior do Ministério Público, cópia do Plano de
Recuperação de Área Degradada (PRAD) apresentado à FATMA com o devido
protocolo daquele Órgão Ambiental.
CLÁUSULA QUINTA: Os COMPROMISSÁRIOS assumem
a obrigação de fazer consistente em, até a aprovação do PRAD a que faz
menção a CLAÚSULA TERCEIRA, prestar informações ao COMPROMITENTE,
a cada 90 dias, sobre o encaminhamento do PRAD à FATMA e acerca do
andamento da análise do projeto pelo órgão ambiental.
Parágrafo único: A obrigação constante no caput visa a
que não permaneçam os COMPROMISSÁRIOS e COMPROMITENTE
aguardando indefinidamente a aprovação do PRAD, bem como objetiva
possibilitar a análise da responsabilidade (da FATMA ou dos
COMPROMISSÁRIOS) a respeito de eventual demora injustificada.
CLÁUSULA SEXTA: Os COMPROMISSÁRIOS assumem
a obrigação de fazer consistente em realizar todas as adequações exigidas pela
FATMA para o licenciamento do PRAD a que faz menção a CLAÚSULA
TERCEIRA.
CLÁUSULA SÉTIMA: Após a aprovação do PRAD pela
FATMA, os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer,
implementando as ações contidas no PRAD aludido na CLÁUSULA TERCEIRA,
consistente em promover a completa compensação da área degradada
mencionada na CLÁUSULA PRIMEIRA, de forma que, para tanto, sugere este
Órgão Ministerial que, não sendo possível o retorno ao status quo ante da área
degradada, seja feita a compensação no importe de 2 (duas) vezes o tamanho
da área sobre APP no imóvel objeto da matrícula n. 6.957, em imóvel a ser
devidamente indicado no PRAD, sendo a compensação realizada o mais
próximo possível da área em questão, preferencialmente na mesma microbacia,
em área de preservação permanente degradada.
CLÁUSULA OITAVA: Após a aprovação do PRAD pela
FATMA e iniciada a execução das medidas compensatórias propostas nos
moldes estabelecidos no referido projeto, com a devida documentação
comprobatória encaminhada a esta Promotoria de Justiça, e tendo em vista a
impossibilidade de restauração e recuperação do dano in natura no local
degradado, ficam os COMPROMISSÁRIOS autorizados a usufruir, construir e
ocupar integralmente seu imóvel, desde que respeitada a legislação ambiental
atualmente vigente.
CLÁUSULA NONA: Após a aprovação do PRAD pela
FATMA, os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer consistente
em, anualmente, pelo prazo de 3 (três) anos, a contar da aprovação pelo órgão
ambiental, sempre até o dia 30 do mês de janeiro de cada ano, apresentar ao
COMPROMITENTE ou para a Promotoria de Justiça que eventualmente passar
a acompanhar o cumprimento do presente ajuste de conduta, relatório
técnico/fotográfico demonstrando o desenvolvimento da recuperação ambiental,
com respectivo ART.
CLÁUSULA DÉCIMA: Os COMPROMISSÁRIOS e o
COMPROMITENTE, de comum acordo, estabelecem que caso haja o
descumprimento das obrigações assumidas neste termo, os
COMPROMISSÁRIOS ficarão sujeitos, desde já, à multa diária individual de R$
100,00 (cem reais), cujo valor será revertido ao FUNDO PARA
RECONSTITUIÇÃO DOS BENS LESADOS DO ESTADO DE SANTA
CATARINA, 7 (CNPJ 76.276.849/001-54, Conta 63.000-4, Ag. 3582-3, Banco do
Brasil), além de responder por eventuais ações que venham a ser propostas e
por execução específica das obrigações assumidas.
CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA: Ao COMPROMITENTE
é assegurada a possibilidade de realizar vistoria no local, por meio de entidades
independentes ou mesmo com auxílio da Polícia Militar Ambiental, servindo tal
como prova do eventual descumprimento do presente acordo;
CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA: O COMPROMITENTE,
em havendo cumprimento do presente por parte dos COMPROMISSÁRIOS, não
adotará nenhuma medida judicial de cunho civil contra estes últimos.
Parágrafo único: O presente compromisso não exclui a
responsabilidade criminal pelo ato praticado, nem por sua eventual reiteração.
Assim, por estarem compromissados, justos e acertados,
para que surta todos os seus efeitos jurídicos e legais, firmam as partes o
presente termo de compromisso em 2 (duas) vias de igual teor, com eficácia de
título executivo extrajudicial, nos termos do art. 5º, § 6º, da Lei 7.347/85.
São José do Cedro/SC, 12 de dezembro de 2014.
RA
QU
EL
BET
INA
BL
AN
K
Pro
mot
ora
de
Just
iça
SIL
MA
R
BRI
TZ
Co
mpr
omi
ssár
io

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoSentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoEduardo Sens Dos Santos
 
Recomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das Cidades
Recomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das CidadesRecomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das Cidades
Recomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das CidadesEduardo Sens Dos Santos
 
Ação Popular-coleta mecanizada
Ação Popular-coleta mecanizadaAção Popular-coleta mecanizada
Ação Popular-coleta mecanizadaResgate Cambuí
 
Olaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operar
Olaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operarOlaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operar
Olaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operarMinistério Público de Santa Catarina
 
Liminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - Câmara
Liminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - CâmaraLiminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - Câmara
Liminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - CâmaraEduardo Sens Dos Santos
 
Prot. 0576 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0576 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Prot. 0576 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0576 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Ramon Peyroton
 

Mais procurados (20)

Acórdão - dano moral coletivo
Acórdão - dano moral coletivoAcórdão - dano moral coletivo
Acórdão - dano moral coletivo
 
Acp Condomínio Habitacional Morar Bem I - São José
Acp  Condomínio Habitacional Morar Bem I - São JoséAcp  Condomínio Habitacional Morar Bem I - São José
Acp Condomínio Habitacional Morar Bem I - São José
 
Document (2)
Document (2)Document (2)
Document (2)
 
Sentença Celesc
Sentença CelescSentença Celesc
Sentença Celesc
 
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
 
8000472 60.2016.8.24.0000
8000472 60.2016.8.24.00008000472 60.2016.8.24.0000
8000472 60.2016.8.24.0000
 
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
 
0900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.00200900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.0020
 
Recomendação ligações de água e luz em imóveis irregulares
Recomendação ligações de água e luz em imóveis irregularesRecomendação ligações de água e luz em imóveis irregulares
Recomendação ligações de água e luz em imóveis irregulares
 
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoSentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
 
Decisao acp acessibilidade (1)
Decisao acp   acessibilidade (1)Decisao acp   acessibilidade (1)
Decisao acp acessibilidade (1)
 
Recomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das Cidades
Recomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das CidadesRecomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das Cidades
Recomendação - Ampliação de perímetro urbano - Art .42-B - Estatuto das Cidades
 
Ação Popular-coleta mecanizada
Ação Popular-coleta mecanizadaAção Popular-coleta mecanizada
Ação Popular-coleta mecanizada
 
Liminar acessibilidade - Escolas
Liminar acessibilidade - EscolasLiminar acessibilidade - Escolas
Liminar acessibilidade - Escolas
 
Olaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operar
Olaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operarOlaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operar
Olaria deve promover adequações e obter licença ambiental para voltar a operar
 
Liminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - Câmara
Liminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - CâmaraLiminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - Câmara
Liminar - Ação civil pública e de improbidade - Passos Maia - Câmara
 
Doações ilegais - Menegolla - Téo
Doações ilegais - Menegolla - TéoDoações ilegais - Menegolla - Téo
Doações ilegais - Menegolla - Téo
 
Decisão
DecisãoDecisão
Decisão
 
Acp loteamento ravena
Acp loteamento ravenaAcp loteamento ravena
Acp loteamento ravena
 
Prot. 0576 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0576 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Prot. 0576 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0576 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
 

Destaque

Lllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para Blogggggggggggggggggggggg
Lllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para BloggggggggggggggggggggggLllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para Blogggggggggggggggggggggg
Lllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para Bloggggggggggggggggggggggmaiker gohan
 
U.S Economic Crisis (Hanshin Forum 2009)
U.S Economic  Crisis (Hanshin Forum 2009)U.S Economic  Crisis (Hanshin Forum 2009)
U.S Economic Crisis (Hanshin Forum 2009)Gunna Jung
 
Supermarket
SupermarketSupermarket
Supermarketgdegols
 
2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...
2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...
2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...Alysson Ramos Artuso
 
Practica 2. Publicación de documentos en Gmail
Practica 2. Publicación de documentos en GmailPractica 2. Publicación de documentos en Gmail
Practica 2. Publicación de documentos en Gmailguest3fe7b93
 
Java – Annotations
Java – AnnotationsJava – Annotations
Java – AnnotationsMartin Majlis
 
PresentacióN1 Mayra
PresentacióN1 MayraPresentacióN1 Mayra
PresentacióN1 MayraMayra Garcia
 
Copy of Smiley Photo Collection
Copy of Smiley Photo CollectionCopy of Smiley Photo Collection
Copy of Smiley Photo CollectionJo Woolery
 
A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013
A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013
A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013Ministério Público de Santa Catarina
 
Metrobus 11 mentiras pro
Metrobus   11 mentiras proMetrobus   11 mentiras pro
Metrobus 11 mentiras proecenturion
 

Destaque (20)

Improbidade Administrativa - 2012.029850-9
Improbidade Administrativa - 2012.029850-9Improbidade Administrativa - 2012.029850-9
Improbidade Administrativa - 2012.029850-9
 
Lllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para Blogggggggggggggggggggggg
Lllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para BloggggggggggggggggggggggLllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para Blogggggggggggggggggggggg
Lllllllllllllllllllllllllllmaiker Imajenas Para Blogggggggggggggggggggggg
 
12
1212
12
 
U.S Economic Crisis (Hanshin Forum 2009)
U.S Economic  Crisis (Hanshin Forum 2009)U.S Economic  Crisis (Hanshin Forum 2009)
U.S Economic Crisis (Hanshin Forum 2009)
 
Supermarket
SupermarketSupermarket
Supermarket
 
Cooperazione Civile-Militare nei Disastri
Cooperazione Civile-Militare nei DisastriCooperazione Civile-Militare nei Disastri
Cooperazione Civile-Militare nei Disastri
 
2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...
2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...
2014 - Minicurso ministrado na UFTM - Inovação, a escola do século xxi e o li...
 
Uzes Cote Sud (August 2009)
Uzes Cote Sud (August 2009)Uzes Cote Sud (August 2009)
Uzes Cote Sud (August 2009)
 
Prioritera Investeringar i Kommuner Landsting
Prioritera Investeringar i Kommuner LandstingPrioritera Investeringar i Kommuner Landsting
Prioritera Investeringar i Kommuner Landsting
 
Practica 2. Publicación de documentos en Gmail
Practica 2. Publicación de documentos en GmailPractica 2. Publicación de documentos en Gmail
Practica 2. Publicación de documentos en Gmail
 
Java – Annotations
Java – AnnotationsJava – Annotations
Java – Annotations
 
Yourself
YourselfYourself
Yourself
 
PresentacióN1 Mayra
PresentacióN1 MayraPresentacióN1 Mayra
PresentacióN1 Mayra
 
Improbidade administrativa - Apelação Cível n. 2013.001642-9
Improbidade administrativa - Apelação Cível n. 2013.001642-9Improbidade administrativa - Apelação Cível n. 2013.001642-9
Improbidade administrativa - Apelação Cível n. 2013.001642-9
 
Copy of Smiley Photo Collection
Copy of Smiley Photo CollectionCopy of Smiley Photo Collection
Copy of Smiley Photo Collection
 
Recurso Extraordinário 842.828
Recurso Extraordinário 842.828Recurso Extraordinário 842.828
Recurso Extraordinário 842.828
 
Ação Nacional em Defesa dos Direitos Fundamentais
Ação Nacional em Defesa dos Direitos FundamentaisAção Nacional em Defesa dos Direitos Fundamentais
Ação Nacional em Defesa dos Direitos Fundamentais
 
A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013
A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013
A Visão do Ministério Público Sobre o Sistema Prisional Brasileiro - 2013
 
ouip
ouipouip
ouip
 
Metrobus 11 mentiras pro
Metrobus   11 mentiras proMetrobus   11 mentiras pro
Metrobus 11 mentiras pro
 

Semelhante a Termo de Compromisso para Recuperação de APP

Recomendação nº 12 poluição rio itajai açu
Recomendação nº 12 poluição rio itajai açuRecomendação nº 12 poluição rio itajai açu
Recomendação nº 12 poluição rio itajai açuCarlos França
 
Petição inicial da acao publica contra o Loteamento Iporanga
Petição inicial da acao publica contra o Loteamento IporangaPetição inicial da acao publica contra o Loteamento Iporanga
Petição inicial da acao publica contra o Loteamento IporangaColetivo Alternativa Verde
 
Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para construção da nova rodo...
Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para  construção da nova rodo...Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para  construção da nova rodo...
Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para construção da nova rodo...Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Investigações MPPE
Investigações MPPEInvestigações MPPE
Investigações MPPEJamildo Melo
 
MPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposição
MPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposiçãoMPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposição
MPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposiçãoPortal NE10
 
Pedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota Rocha
Pedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota RochaPedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota Rocha
Pedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota Rochaalmacks luiz silva
 
Sustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavel
Sustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavelSustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavel
Sustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavelCarlos Elson Cunha
 

Semelhante a Termo de Compromisso para Recuperação de APP (20)

Acp dr rogerio ponzi seligman
Acp  dr rogerio ponzi seligmanAcp  dr rogerio ponzi seligman
Acp dr rogerio ponzi seligman
 
Portaria parque shopping
Portaria   parque shoppingPortaria   parque shopping
Portaria parque shopping
 
Liminar valmir zoche
Liminar   valmir zocheLiminar   valmir zoche
Liminar valmir zoche
 
TAC - Poluição Sonora
TAC - Poluição SonoraTAC - Poluição Sonora
TAC - Poluição Sonora
 
Recomendação nº 12 poluição rio itajai açu
Recomendação nº 12 poluição rio itajai açuRecomendação nº 12 poluição rio itajai açu
Recomendação nº 12 poluição rio itajai açu
 
Liminar reserva legal
Liminar reserva legalLiminar reserva legal
Liminar reserva legal
 
Termo de Ajustamento de Conduta - Residencial Splendor e Prefeitura
Termo de Ajustamento de Conduta - Residencial Splendor e PrefeituraTermo de Ajustamento de Conduta - Residencial Splendor e Prefeitura
Termo de Ajustamento de Conduta - Residencial Splendor e Prefeitura
 
Bianca andrighetti coelho
Bianca andrighetti coelhoBianca andrighetti coelho
Bianca andrighetti coelho
 
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício FreitasPetição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
 
Decisao liminar
Decisao liminarDecisao liminar
Decisao liminar
 
Petição inicial da acao publica contra o Loteamento Iporanga
Petição inicial da acao publica contra o Loteamento IporangaPetição inicial da acao publica contra o Loteamento Iporanga
Petição inicial da acao publica contra o Loteamento Iporanga
 
Tac rio sangradouro e rio quincas
Tac rio sangradouro e rio quincasTac rio sangradouro e rio quincas
Tac rio sangradouro e rio quincas
 
Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para construção da nova rodo...
Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para  construção da nova rodo...Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para  construção da nova rodo...
Governo de Rondônia deve explicar procedimentos para construção da nova rodo...
 
Investigações MPPE
Investigações MPPEInvestigações MPPE
Investigações MPPE
 
Acordão agravo
Acordão agravoAcordão agravo
Acordão agravo
 
Liminar construtora peruchi
Liminar   construtora peruchiLiminar   construtora peruchi
Liminar construtora peruchi
 
MPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposição
MPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposiçãoMPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposição
MPF recomenda ao Ibama que não conceda licença à transposição
 
Tac012013
Tac012013Tac012013
Tac012013
 
Pedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota Rocha
Pedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota RochaPedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota Rocha
Pedido de Improbidade Administrativa do Diretor do INEMA, Júlio César Mota Rocha
 
Sustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavel
Sustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavelSustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavel
Sustentabilidade - Os rios e a paisagem da cidadesustentavel
 

Mais de Ministério Público de Santa Catarina

Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...
Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...
Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...Ministério Público de Santa Catarina
 
MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...
MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...
MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...Ministério Público de Santa Catarina
 
Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...Ministério Público de Santa Catarina
 
São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...Ministério Público de Santa Catarina
 
Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...
Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...
Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...Ministério Público de Santa Catarina
 
Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...
Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...
Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...Ministério Público de Santa Catarina
 
Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...
Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...
Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...Ministério Público de Santa Catarina
 
Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...Ministério Público de Santa Catarina
 
São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...
São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...
São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...Ministério Público de Santa Catarina
 
Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...
Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...
Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...Ministério Público de Santa Catarina
 
Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...
Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...
Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...Ministério Público de Santa Catarina
 
São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...Ministério Público de Santa Catarina
 
Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...
Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...
Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...Ministério Público de Santa Catarina
 

Mais de Ministério Público de Santa Catarina (20)

linha-comin-gestao_B (1).pdf
linha-comin-gestao_B (1).pdflinha-comin-gestao_B (1).pdf
linha-comin-gestao_B (1).pdf
 
RGI_2022_VF.pdf
RGI_2022_VF.pdfRGI_2022_VF.pdf
RGI_2022_VF.pdf
 
Planejamento Estratégico 2022-2029
Planejamento Estratégico 2022-2029Planejamento Estratégico 2022-2029
Planejamento Estratégico 2022-2029
 
Decisão Ação n. 5019538-86.2021.8.24.0005
Decisão Ação n. 5019538-86.2021.8.24.0005Decisão Ação n. 5019538-86.2021.8.24.0005
Decisão Ação n. 5019538-86.2021.8.24.0005
 
Ação Civil Pública n. 5019538-86.2021.8.24.0005
Ação Civil Pública n. 5019538-86.2021.8.24.0005Ação Civil Pública n. 5019538-86.2021.8.24.0005
Ação Civil Pública n. 5019538-86.2021.8.24.0005
 
Cartilha Mulheres vocês têm direitos
Cartilha Mulheres vocês têm direitosCartilha Mulheres vocês têm direitos
Cartilha Mulheres vocês têm direitos
 
Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...
Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...
Protocolo com orientações para a escuta humanizada e não revitimizadora da mu...
 
MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...
MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...
MPSC recomenda que Município de Itajaí ajuste agendamento, reduza filas e gar...
 
Manual do Sistema Apoia Online
Manual do Sistema Apoia OnlineManual do Sistema Apoia Online
Manual do Sistema Apoia Online
 
Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
Florianópolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
 
São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
São Bonifácio: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e de...
 
Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...
Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...
Águas Mornas: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e des...
 
Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...
Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...
Rancho Queimado: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e ...
 
Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...
Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...
Anitápolis: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desco...
 
Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
Angelina: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
 
São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...
São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...
São Pedro de Alcântara: liminar suspende decreto que inverteu ordem de priori...
 
Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...
Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...
Santo Amaro da Imperatriz: liminar suspende decreto que inverteu ordem de pri...
 
Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...
Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...
Palhoça: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e desconsi...
 
São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
São José: liminar suspende decreto que inverteu ordem de prioridade e descons...
 
Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...
Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...
Protocolo Pisc Protocolo de Rede Intersetorial de Atenção à Pessoa Idosa em S...
 

Termo de Compromisso para Recuperação de APP

  • 1. IC - Inquérito Civil SIG n. 06.2012.00009563-4 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, representado neste ato pela Promotora de Justiça, Raquel Betina Blank, titular da Promotoria de Justiça de São José do Cedro/SC, doravante COMPROMITENTE, e a pessoa jurídica FÁBRICA DE CAMAS E BELICHES MARIFLOR LTDA – EPP, com endereço na Rua Cruz e Souza, n. 840, Parque Industrial, em São José do Cedro/SC, CNPJ n. 81.625.089/0001-83, neste ato representada por SILMAR BRITZ, doravante denominados COMPROMISSÁRIOS, têm entre si justo e acertado o seguinte: CONSIDERANDO a legitimidade do Ministério Público para a defesa dos interesses metaindividuais prevista no art. 129, inciso III, da Constituição Federal e art. 5º, caput, da Lei n. 7.347, de 24 de julho de 1985; CONSIDERANDO que o Ministério Público, pelo disposto no art. 129, inciso III, da Constituição Federal e no art. 26, I, da Lei n. 8.625/93 (LONMP) possui, dentre suas atribuições, a defesa dos interesses sociais e individuais indisponíveis, destacando-se, neste aspecto, a proteção do direito à vida, à saúde e ao bem estar social como elementos essenciais à dignidade da pessoa humana, sendo o órgão público encarregado de promover o Inquérito Civil, o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta ou, se necessário, a Ação Civil Pública para a proteção do Meio Ambiente e de outros interesses difusos e coletivos; CONSIDERANDO que "todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia
  • 2. qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações" (art. 225, caput, da Constituição Federal); CONSIDERANDO que o meio ambiente, segundo o art 3º, inciso I, da Lei 6.938/81, é "o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas"; CONSIDERANDO que a Lei 12.651/12 instituiu no art. 4º, inciso I, alínea a, que "considera-se Área de Preservação Permanente, em zonas rurais ou urbanas, para os efeitos desta Lei: I - as faixas marginais de qualquer curso d’água natural perene e intermitente, excluídos os efêmeros, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de: a) 30 (trinta) metros, para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura"; CONSIDERANDO que as Áreas de Preservação Permanente - APP são bens de interesse nacional e espaços territoriais especialmente protegidos, cobertos ou não por vegetação, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas; CONSIDERANDO a singularidade e o valor estratégico das áreas de preservação permanente que, conforme indica sua denominação, são caracterizadas, como regra geral, pela intocabilidade e vedação de uso econômico direto; CONSIDERANDO a função socioambiental da propriedade prevista nos artigos 5º, inciso XXIII, 170, inciso VI, 182, § 2º, 186, inciso II e 225, todos da Constituição da República; CONSIDERANDO que o direito de propriedade será exercido com as limitações que a legislação estabelece, ficando os proprietários ou posseiros obrigados a respeitar as normas e regulamentos administrativos;
  • 3. CONSIDERANDO o dever legal do proprietário ou do possuidor de recuperar as áreas de preservação permanente irregularmente suprimidas ou ocupadas; CONSIDERANDO que os danos ambientais causados pela ocupação irregular do solo prejudicam a qualidade de vida da atual e futuras gerações, provocando impactos negativos quanto à manutenção do equilíbrio ecológico; CONSIDERANDO que o crescimento das cidades às margens dos rios é um fenômeno cultural, porque os primeiros colonizadores buscavam justamente essas áreas para se fixarem, o que se verifica em inúmeras cidades da nossa região e em outros locais; CONSIDERANDO que a interpretação meramente literal da legislação ambiental implicaria a demolição das edificações há décadas já instaladas, o que não se mostra sensato, nem, tampouco, moderado; CONSIDERANDO que, com prudência, discernimento e responsabilidade, o Órgão do Ministério Público signatário procedeu à análise da questão sob o prisma dos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade; CONSIDERANDO, fundamentalmente, que o princípio da razoabilidade e o princípio da proporcionalidade exigem da Administração Pública congruência em sua atuação, devendo haver na atuação administrativa coerência entre o disposto na lei, sua finalidade, a concretização do ato, os meios utilizados para o alcance desta, e o efetivo atendimento dos interesses públicos; CONSIDERANDO que o desenvolvimento sustentável é a base para o desenrolar de qualquer atividade, sempre com respeito ao meio ambiente; CONSIDERANDO que o acordo aqui realizado não pode causar impacto social a ponto de desestruturar toda a comunidade, assim como a legislação não pode deixar de ser aplicada, devendo-se primar pela solução de
  • 4. forma mais equânime possível; CONSIDERANDO que a prática narrada nestes autos atinge direitos difusos da população, afetos às atribuições institucionais desta Promotoria de Justiça; CONSIDERANDO que uma das funções institucionais do Ministério Público é a legitimação ativa para a defesa judicial e extrajudicial dos interesses relacionados à preservação do meio ambiente, possibilitando lavrar, com o interessado, Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta às exigências legais, nos termos dos artigos 127 e 129, inciso III, ambos da Constituição Federal, no artigo 25, inciso IV, alínea "a", da Lei n. 8.625/93, no art. 8º, § 1º, da Lei n. 7.347/85 e, no artigo 89 da Lei Complementar Estadual n. 197/2000; CONSIDERANDO que, conforme apurado no Inquérito Civil n. 06.2012.00009563-4, os COMPROMISSÁRIOS FÁBRICA DE CAMAS E BELICHES MARIFLOR LTDA – EPP e SILMAR BRITZ realizaram construção em área de preservação permanente, constante da matrícula 6.957, na Rua Cruz e Souza, n. 840, Parque Industrial, em São José do Cedro/SC, em desacordo com as normas ambientais vigentes; CONSIDERANDO ser entendimento institucional no Ministério Público do Estado de Santa Catarina, de acordo com tese aprovada pelos seus membros, que, na hipótese de dano ambiental irrecuperável, o parâmetro para fixação da medida compensatória ambiental in pecunia será o valor pecuniário que possibilite, no mínimo, a reposição de área equivalente em extensão e características ecológicas da área degradada, situada na mesma bacia hidrográfica, preferencialmente na mesma microbacia, e, nas hipóteses de corte de vegetação em área urbana, no mesmo município ou região metropolitana; CONSIDERANDO a existência de dano ambiental irreversível e a impossibilidade de restauração e recuperação in natura no próprio local, situações que ensejam a adoção de medidas de compensação
  • 5. recuperatória e mitigatória, nos termos do artigo 2º, alíneas 'b' e 'c', do artigo 4º, incisos II e III, e do artigo 8º do Assento n. 001/2013 do Conselho Superior do Ministério Público. RESOLVEM celebrar, por meio deste instrumento, Compromisso de Ajustamento de Conduta, com fulcro no art. 5°, § 6º, da Lei n. 7.347/85, mediante as cláusulas a seguir delineadas, estabelecendo, para sua efetividade, as seguintes cláusulas e respectivas sanções: CLÁUSULA PRIMEIRA: Este Termo de Compromisso de Ajustamento de Condutas tem como objeto a reparação integral do dano ambiental causado no imóvel objeto da matrícula n. 6.957, localizado na Rua Cruz e Souza, Lote 1, Quadra 1, n. 840, Parque Industrial, no município de São José do Cedro/SC. CLÁUSULA SEGUNDA: Os COMPROMISSÁRIOS reconhecem que ocorreu construção indevida em Áreas de Preservação Permanente (APP) e que até o presente momento nenhuma medida foi tomada no sentido de restaurar o ecossistema natural nas referidas áreas apontadas. CLÁUSULA TERCEIRA: Diante das informações constantes na cláusula anterior, FÁBRICA DE CAMAS E BELICHES MARIFLOR LTDA – EPP e SILMAR BRITZ, ora COMPROMISSÁRIOS, assumem a obrigação de elaborar e executar, por intermédio de profissional habilitado, acompanhado de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), o Projeto de Recuperação da Área Degradada (PRAD), sujeito à aprovação pela Fundação do Meio Ambiente (FATMA). CLÁUSULA QUARTA: Os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer consistente em apresentar ao COMPROMITENTE, no prazo de 60 (sessenta) dias, contados a partir da homologação deste Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta pelo Egrégio Conselho Superior do Ministério Público, cópia do Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD) apresentado à FATMA com o devido
  • 6. protocolo daquele Órgão Ambiental. CLÁUSULA QUINTA: Os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer consistente em, até a aprovação do PRAD a que faz menção a CLAÚSULA TERCEIRA, prestar informações ao COMPROMITENTE, a cada 90 dias, sobre o encaminhamento do PRAD à FATMA e acerca do andamento da análise do projeto pelo órgão ambiental. Parágrafo único: A obrigação constante no caput visa a que não permaneçam os COMPROMISSÁRIOS e COMPROMITENTE aguardando indefinidamente a aprovação do PRAD, bem como objetiva possibilitar a análise da responsabilidade (da FATMA ou dos COMPROMISSÁRIOS) a respeito de eventual demora injustificada. CLÁUSULA SEXTA: Os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer consistente em realizar todas as adequações exigidas pela FATMA para o licenciamento do PRAD a que faz menção a CLAÚSULA TERCEIRA. CLÁUSULA SÉTIMA: Após a aprovação do PRAD pela FATMA, os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer, implementando as ações contidas no PRAD aludido na CLÁUSULA TERCEIRA, consistente em promover a completa compensação da área degradada mencionada na CLÁUSULA PRIMEIRA, de forma que, para tanto, sugere este Órgão Ministerial que, não sendo possível o retorno ao status quo ante da área degradada, seja feita a compensação no importe de 2 (duas) vezes o tamanho da área sobre APP no imóvel objeto da matrícula n. 6.957, em imóvel a ser devidamente indicado no PRAD, sendo a compensação realizada o mais próximo possível da área em questão, preferencialmente na mesma microbacia, em área de preservação permanente degradada. CLÁUSULA OITAVA: Após a aprovação do PRAD pela FATMA e iniciada a execução das medidas compensatórias propostas nos moldes estabelecidos no referido projeto, com a devida documentação comprobatória encaminhada a esta Promotoria de Justiça, e tendo em vista a
  • 7. impossibilidade de restauração e recuperação do dano in natura no local degradado, ficam os COMPROMISSÁRIOS autorizados a usufruir, construir e ocupar integralmente seu imóvel, desde que respeitada a legislação ambiental atualmente vigente. CLÁUSULA NONA: Após a aprovação do PRAD pela FATMA, os COMPROMISSÁRIOS assumem a obrigação de fazer consistente em, anualmente, pelo prazo de 3 (três) anos, a contar da aprovação pelo órgão ambiental, sempre até o dia 30 do mês de janeiro de cada ano, apresentar ao COMPROMITENTE ou para a Promotoria de Justiça que eventualmente passar a acompanhar o cumprimento do presente ajuste de conduta, relatório técnico/fotográfico demonstrando o desenvolvimento da recuperação ambiental, com respectivo ART. CLÁUSULA DÉCIMA: Os COMPROMISSÁRIOS e o COMPROMITENTE, de comum acordo, estabelecem que caso haja o descumprimento das obrigações assumidas neste termo, os COMPROMISSÁRIOS ficarão sujeitos, desde já, à multa diária individual de R$ 100,00 (cem reais), cujo valor será revertido ao FUNDO PARA RECONSTITUIÇÃO DOS BENS LESADOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, 7 (CNPJ 76.276.849/001-54, Conta 63.000-4, Ag. 3582-3, Banco do Brasil), além de responder por eventuais ações que venham a ser propostas e por execução específica das obrigações assumidas. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA: Ao COMPROMITENTE é assegurada a possibilidade de realizar vistoria no local, por meio de entidades independentes ou mesmo com auxílio da Polícia Militar Ambiental, servindo tal como prova do eventual descumprimento do presente acordo; CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA: O COMPROMITENTE, em havendo cumprimento do presente por parte dos COMPROMISSÁRIOS, não adotará nenhuma medida judicial de cunho civil contra estes últimos. Parágrafo único: O presente compromisso não exclui a responsabilidade criminal pelo ato praticado, nem por sua eventual reiteração.
  • 8. Assim, por estarem compromissados, justos e acertados, para que surta todos os seus efeitos jurídicos e legais, firmam as partes o presente termo de compromisso em 2 (duas) vias de igual teor, com eficácia de título executivo extrajudicial, nos termos do art. 5º, § 6º, da Lei 7.347/85. São José do Cedro/SC, 12 de dezembro de 2014. RA QU EL BET INA BL AN K Pro mot ora de Just iça SIL MA R BRI TZ Co mpr omi ssár io