Boletim online Marinor

308 visualizações

Publicada em

Boletim informativo do mandato

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
308
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Boletim online Marinor

  1. 1. MARIN R Mandato atuante e necessário Edição 01- Ano 2014 Distribuição Gratuita MARINOR AGRADECE OS VOTOS E DIZ QUE O PSOL,MESMO SEM MANDATO NA ALEPA, SAI FORTALECIDO.
  2. 2. O PSOL CRESCE E EDMILSON SERÁ A VOZ DO PARÁ NO Omaior Psol sai ainda mais respeitado e dessa eleição. Passamos de 3 deputados federais para 5, e de 4 deputados estaduais para 12 em todo o Brasil. Elegemos Edmilson Rodrigues, o primeiro federal do PSOL pelo Pará, com uma grandiosa votação. Fomos a 2° candidatura mais votada de Belém e ficamos entre os 25 mais votados do Pará. Fortalecemos e projetamos novas lideranças,Carrera,Catende,Carlos Vaz,Pedrinho,etc. Edmilson será a voz das periferias e dos grandes temas da Amazonia no congresso e nosso mandato de vereadora, segue firme no combate às desigualdades sociais, injustiças e violações dos direitos humanos. Um mandato pela educação, pela cultura e pela dignidade das crianças e adolescentes. Continuarei combatendo a corrupção e a impunidade, afirmando o nosso perfil classista e aguerrido. Contem sempre com a nossa coragem e ousadia. Muito obrigada pela confiança e pela expressiva votação de quase 35 mil votos» Marinor Brito Mandato atuante e necessário CONGRESSO NACIONAL 2
  3. 3. "É importante a retomada das lutas pela saúde de qualidade, humanização do atendimento e a garantia imediata de condições dignas de trabalho e de remunerações para os servidores da saúde de Belém, pois hoje, a política de saúde do TUCANO ZENALDO, só atende as demandas do modelo privatista e empresarial como foi a compra de medicamentos sem licitação, no início de seu governo, alegando emergência no setor, quando gastou r$ 15 milhões de reais em medicamentos e diversos itens de saúde e nunca prestou contas", disse a vereadora Marinor Brito, durante Sessão Especial, proposta pelo vereador Chiquinho (PSOL) para discutir o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) dos servidores públicos da saúde de Belém. Marinor Brito, destacou também a necessidade de ampliação da discussão sobre PCCR e afirmou a necessidade de unidade das categorias e entidades representativas dos servidores públicos de Belém para a imediata implementação das leis que garantem os PCCRs dos funcionários da Semob (ex-CTBel), Guarda Municipal e Semaj. "O que temos hoje, é DESCASO TUCANO com os PCCR's de guardas, agentes de trânsito e servidores da secretaria jurídica de Belém, e consequentemente com os demais servidores. Por isso, reafirmo a disposição d luta de nosso mandato parlamentar para ajudar na retomada das lutas e mobilizações para fazer o prefeito cumprir o que determina a lei, encerrou. SAÚDE MENTAL CONTINUA ABANDONADA POR PREFEITO DE BELÉM 3 vereadora Marinor Brito (PSOL) Arealizou diligência ao centro de atendimento psicossocial (CAPS III / Av. José Bonifácio) de atendimento a pacientes adultos. A parlamentar é autora da Lei nº: 8.054/2001, sancionada pelo ex-prefeito Edmílson Rodrigues, que estabelece o dia 18 de maio, como Dia Municipal de Luta Antimanicomial. "As condições de atendimento aos pacientes é de trabalho dos funcionários são desumanas e há problemas de toda ordem, com por exemplo, as constantes ausências do gerente Sérgio Kléber Aragão. Também faltam medicamentos básicos como o a n t i p s i c ó t i c o ' R i s p e r i d o n a ' q u e s ã o necessários duas mil unidades/mês, mas só chega 60 unidades para o mesmo período e ainda com atraso. A alimentação é a mesma todos os dias, carne moída e há suspeita de contaminação por ratos e baratas nos locais de armazenamento. Não têm chuveiros e instalações sanitárias são precárias. Também faltam mesas, cadeiras, ventiladores, camas, lençóis, ar-refrigerado... O prédio está cheio de infiltrações e as instalações elétricas são um risco para pacientes e funcionários", denunciou a vereadora. Marinor acionou o ministério público do estado (MPE) que investiga as denúncias da parlamentar. MARINOR PROPÕE A RETOMADA DE LUTA POR PCCR E ASSUME A DEFESA DOS SERVIDORES
  4. 4. 5 VEREADORA MARCA PRESENÇA NO 21º CONGRESSO ESTADUAL DO SINTEPP elegadas e delegados de vários municípios do Pará Dreceberam a vereadora Marinor Brito (PSOL) com muito carinho e gratidão, na manhã deste sábado (29). O reconhecimento é devido aos longos anos na base da categoria organizando e fortalecendo o Sintepp, que chega em 2014, aos 30 nos e realiza seu 21º congresso estadual. “Ser recebida com festa, respeito e carinho é o reconhecimento da categoria pela dedicação e luta que sempre travamos em favor dos trabalhadores da Educação do nosso Estado”, disse Marinor. “Um mero registro de presença, sem o espaço histórico e democrático para uma saudação é uma clara demonstração que o sindicato segue hoje um rumo perigoso imposto pela sua atual direção que tenta, sem sucesso, apagar o papel importante e decisivo que lideranças políticas históricas e que pertencem à categoria, dedicaram e dedicam pra fazer valer os interesses de classe de nossa categoria”, declarou indignada. Mesmo assim, a ex-senadora percorreu todo o espaço do evento e foi abraçada e cumprimentada pela categoria. “Sinto-me realizada em ser recebida com carinho e respeito que os trabalhadores da Educação têm por mim e pelo deputado Edmilson Rodrigues e sei que os impasses e rumos equivocados que o sindicato vem tomando só podem ser corrigidos pela própria categoria, soberana sempre”, encerrou.
  5. 5. MARINOR REALIZA SESSÃO ESPECIAL SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ealizada na CMB, a sessão especial para debater Ro dia municipal de combate a pedofilia (Lei: 743/2010) e dia "18 de Maio",instituído o dia municipal de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, lei: 8.053/2001 de autoria da vereadora Marinor Brito (PSOL), contou com a presença de autoridades e diversos atores da luta em defesa e proteção dos direitos de crianças e adolescentes. O evento foi bem representativo,mesmo com a ausencia da comissão da infancia da camara.Um dos pontos mais 4 destacados em todas as falas foi a necessidade de rearticulação da rede de proteção a crianças e adolescentes, assim como a necessidade de criação de canais mais ágeis de comunicação e mobilização de todos, para ajudar no enfrentamento de crimes relacionados à pedofilia, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, que nos últimos 10 anos têm aumentado em Belém e região metropolitana. Para a vereadora Marinor Brito, proponente da Sessão Especial, desde 2005, não se vê uma ação integrada do poder público municipal, embora tenha sido recomendação da CPI de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em Belém, da qual a psolista foi relatora. "As ações são desconexas e sem sentido algum. Ao contrário de todo um esforço feito durante a gestão do prefeito Edmilson Rodrigues (1997/2004), os prefeitos que vieram a partir de 2005 até os dias de hoje, infelizmente, negligenciaram no combate aos crimes sexuais dos quais nossas crianças são vítimas todos os dias em nossa cidade.. Em vez de fortalecerem a rede de proteção, esses gestores deixaram entregue à própria sorte e o que vemos agora é sim, uma rede do mal, de vulnerabilidade e abandono completo e um aumento assustador dos mais variados crimes cometidos contra a infância e adolescência", disse a parlamentar, indignada.
  6. 6. 6 VEREADORA MARINOR DENUNCIA ASSÉDIO MORAL NA GUARDA MUNICIPAL DE BELÉM Apública Vereadora de Belém, Marinor Brito (PSOL), presidiu audiência realizada na Câmara Municipal de Belém, para apurar denúncias de assédio moral na Guarda Municipal. Segundo Marinor, é imprescindível o afastamento do então Cel Carlos Augusto Souza Machado, até que todas as denúncias sejam minuciosamente apuradas. Além da Vereadora do Psol, estiveram compondo a mesa a Guarda denunciante, Elizabeth Mesquita, o Diretor do SINGMEP, Isaú da Cunha Araújo, a Promotora de Justiça do MPE, Drª Maria da Penha Buchacra Araújo, o Diretor da Agembe e SIGBEN, Fernando Carlos dos Santos, e Adriana Picanço Lima, Delegada Regional da Conferência Nacional de Guardas Municipais. A vereadora relatou a série de denúncias feitas à Prefeitura de Belém e que não tiveram nenhuma solução. “Denúncias de uso indevido de carros, de desvio de tarefas de guardas municipais, denúncias de equipamentos que estão dentro da guarda municipal que foram enviadas para cumprir uma tarefa de enfrentamento do problema do crack no município de Belém e cujos equipamentos como as quatro motos, o ônibus os dois carros que serviriam para o monitoramento estão sem uso, assim como as câmeras que vieram estão sem tarefa. Vamos entregar ao Ministério Público as denúncias e iremos formalizar o pedido de afastamento e de apuração”, disse.
  7. 7. 7 MARINOR APROVA NA CMB, POR UNANIMIDADE, COMISSÃO ESPECIAL DE VEREADORES PARA ACOMPANHAR O PROCESSO DA CPI DAS MILÍCIAS NA ALEPA Enoite m novembro deste ano, Belém viveu uma de execuções, terror e medo. 10 execuções “pintaram” de sangue os bairros da Terra Firme, Guamá, Jurunas e Canudos, entre outros. Tudo começou após a execução do cabo Antônio Marcos da Silva Figueiredo, conhecido como Cabo Pety, da Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam) da Polícia Militar, em seguida, começaram a ser disponibilizados em redes sociais, diversos áudios, vídeos e páginas de pessoas que descreviam uma série de informações desencontradas, mas que em suma, “noticiavam” as execuções de cidadãos e cidadãs dos bairros citados. Militares passaram a convocar a tropa para ir às ruas fazer "uma limpeza" na cidade e revidar a morte do colega de farda. O pânico tomou conta de toda Belém. Foram muitos os relatos de moradores dos bairros envolvidos, sobre o barulho de tiros e o medo de saírem de suas casas. Nossa assessoria parlamentar, recebeu vários pedidos de socorro via o aplicativo WhatsApp. A cidade ficou sitiada. Pela manhã, o governo do estado confirmou oito mortes na madrugada, além do Cabo Pety, e, dois dias depois, a chacina fez a sua 10ª vítima, um deficiente mental ferido à bala, que estava hospitalizado. Nos dias que se seguiram, pelo menos mais três execuções relacionadas ao ocorrido na noite de 04/11 e madrugada de 05/11 i n f e l i z m e n t e a c o n t e c e r a m e m B e l é m e Ananindeua. Após a chacina, veio a segunda fase da onda de violência que se abateu sobre Belém: a multiplicação de conteúdo audiovisual nas redes sobre ameaças de morte, de arrastões e de invasão de universidades, faculdades e escolas por supostos criminosos. A população ficou refém do medo, na quarta-feira, 05. Mas, enquanto o governo do estado prometia apurar a autoria das mortes e também dos boatos, foram jogadas para debaixo do tapete as explicações sobre o suposto envolvimento do Cabo Pety em milícia. Que até este momento, não foi alvo de nenhuma manifestação oficial dos oégãos de segurança do Estado, nem tampouco, do governador Simão Jatene (PSDB). Não se pode continuar ignorando a possível existência de milícias e grupos de extermínio que agem com total liberdade na Região Metropolitana de Belém, há alguns anos. Em 28 de fevereiro de 2008, a Operação Navalha na Carne cumpriu 28 do total de 32 mandados de prisão de policiais e de civis acusados de crimes de cárcere privado, tráfico de drogas e de armas, concussão, assassinatos, formação de bando ou q u a d r i l h a e r o u b o s . D e s s e s , 2 1 f o r a m denunciados ao Ministério Público do Estado, entre eles, doze policiais da Polícia Militar. Entre eles também estava o ex-policial militar Rosevan Moraes Almeida, que recentemente foi condenado pela execução covarde de seis adolescentes em Icoaraci, ocorrida em novembro de 2011 e que nosso mandato de Senadora acompanhou à época, exigindo transparência nas investigações, celeridade na apuração, identificação e punição do suposto autor da barbárie, hoje condenado a 120 anos de prisão. O próprio Cabo Pety, que pode ter ou não sido miliciano, respondia a ação criminal por homicídio, conforme é possível facilmente pesquisar no site do Tribunal de Justiça do Estado.
  8. 8. Ante o exposto, senhoras e senhores vereadoras, o fato concreto das mortes com autoria desconhecida, que virou rotina na Região Metropolitana, não pode continuar a ser encarado como eterna suposição os como as páginas policiais costumam descrever como “acertos de contas”, mas encarando com seriedade para a profundar a completa elucidação, pois, não estamos diante de uma disputa entre bandidos e mocinhos, mas uma guerra brutal que subtrai vidas e alarma a sociedade. O Pará é o 7º Estado mais violento do Brasil, com um índice de homicídios de 41,7 mortes a cada 100 mil habitantes, muito maior do que a média mundial. Dados da Ouvidoria de Segurança Pública do Pará mostram que, em 2013, foram identificados 135 homicídios cometidos por agentes de segurança pública, sendo 122 realizados por PMs, 12 por policiais civis e um por Bombeiro Militar. Ananindeua, Belém e Marituba apresentam Índices de Homicídios na Adolescência (IAH) superiores ao do país (2,98) e da Região Norte (3,62), com Marituba tendo 11,34 mortes de jovens para cada grupo de 1 mil indivíduos; seguida de Ananindeua, com 8,89 e Belém, com 5,90, o 6º maior índice entre as capitais brasileiras, em 2010. São comuns os relatos de "acerto de contas" para justificar as mortes de pobres nas periferias da RMB, especialmente de negros e mulatos. Não é exagero, relatar que na noite do último dia 04, perfis nas redes sociais (Facebook) de policiais militares, como o do Sargento Rossicley Silva, ex-integrante da Rotam, atual presidente da Associação dos Praças da PM, que "convocou" os colegas de farda para "dar resposta" ao assassinato de Pety no Guamá. E ele não foi o único. Durante a madrugada do dia 05, enquanto acontecia a caçada humana nas r u a s d e B e l é m , o u t r a a s s o c i a ç ã o d e representação dos PMs no Pará postou, em seu perfil no Facebook, as fotos sangrentas de homens assassinados com o texto demonstrando o que “acontece com quem mata policial.” A suspeita de participação de agentes públicos, destaca-se, agentes armados pelo estado, agindo sem comando e sem lei, agrava ainda mais a situação. Se o servidor destacado para proteger a população, não está cumprindo esse papel e, pior, está infringindo contra a vida de quem quer que seja, isso precisa ser apurado com seriedade. Afinal, as milícias e os grupos de extermínio existem? Se não, então quem está matando as pessoas na RMB? Se sim, quem são os integrantes? Quem sustenta essa rede criminosa? Quem são os líderes? Por que o Estado é omisso? Até quando vamos admitir a "limpeza" étnica e social ou que quem quer que seja faça justiça com as próprias mãos? São muitas perguntas a serem respondidas, mas até agora não temos nenhuma resposta, diante do silêncio das autoridades do Estado do Pará. Assim, considerando que cabe a esta CMB, a responsabilidade de se manifestar livremente sobre temas colocados, discutido e de imensa relevância para nossa população, assim como demonstrar que não estamos de braços cruzados e que comungamos do mesmo desejo de justiça dos cidadãos e cidadãs de Belém que no último dia 11/11, Sob o tema: "Basta de Extermínio nas Periferias Paraenses - CPI das Milícias, Já!", reuniu em uma grande passeata mais de 100 entidades ligadas à defesa dos Direitos Humanos. Por isso, requeiro, na forma regimental que esta Casa de leis, aprove MOÇÃO DE APOIO e se manifeste A FAVOR da imediata CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO da COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO NA ALEPA – “CPI da MILÍCIAS”, sugerida, através de requerimento pelo deputado 8 estadual, Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), considerando que a mesma já recolheu 13 assinaturas faltando apenas UMA para ser aprovada.
  9. 9. FECHAMENTO DO LIXÃO AURÁ CAUSA REVOLTA NOS CATADORES Cprevisível om o objetivo de encontrar caminhos para resolver o sério e problema com fechamento do lixão do Aurá, a Alepa, através de requerimento do deputado Edmilson Rodrigues (PSOL) e Edilson Moura (PT), realizou uma audiência pública com os trabalhadores do lixão do Aurá. A vereadora Marinor Brito (PSOL) que integra a Comissão de Economia da CMB, esteve presente e foi ao MPE junto com uma comissão de catadores e membros da associação de catadores do Aurá (ASCA) para saber se os condicionantes assegurados no termo de ajuste de conduta (TAC) estavam sendo cumpridos pelo prefeito de Belém. "É uma administração que não dialoga com o povo. Usa a todo momento de autoritarismo para passar por cima dos direitos da população, mas nosso mandato vai pra cima e através da luta e organização vamos garantir que os cerca de dois mil catadores do lixão do Aurá tenham seus direitos assegurados, inclusive, com a garantia ja reconhecida em lei de indenização", disse Marinor. 9 MARINOR INTERMEDIA NEGOCIAÇÃO NA SEMEC Aparticipou vereadora Marinor Brito (PSOL), vice-presidente da Comissão de Educação da CMB de audiência entre a secretária de educação de Belém, professora Rosineli Salame e o comando de greve dos trabalhadores em educação/Sintepp. A reunião foi intermediada pela vereadora Marinor e só foi possível a partir da suspensão da greve na rede pública municipal que durou 32 dias. "É nosso papel como parlamentar, mas em relação a educação pública, nosso compromisso duplica, pois sou uma das fundadoras do Sintepp e a meu pedido, via Comissão de Educação, realizamos uma audiência pública na CMB com os trabalhadores da Educação de Belém e por telefone, negocie com o secretário de adminisstração da PMB a reabertura das negociações o que hoje estamos fazendo aqui na Semec. Houve sensibilidade por parte do comando de greve em suspender provisoriamente a greve e em assembleia geral na tarde de ontem deliberar pelo fim do movimento e vir para esta negociação aqui", disse Marinor. É preciso, sem dúvida avançar na qualidade da educação em Belém e são justas as reivindicações dos trabalhadores da educação que propõem de imediato a criação de uma comissão paritária para elaboração de proposta de um Plano de Cargos, Carreira e Remuneração Unificado (PCCRU), que garanta melhorias para além das conquistas do magistério, incluindo também o pessoal de apoio operacional e administrativo, categorias fundamentais para o funcionamento das unidades escolares. Tão importante quanto a garantia de um plano unificado, previsto na lei que instituiu o PSPN, é o pagamento do próprio piso salarial do magistério, que a prefeitura não paga. Com informações da assessoria de imprensa/Sintepp.
  10. 10. 10 MARINOR PARTICIPA DE CONGRESSO DE RABALHADORES DA EDUCAÇÃO EM PORTEL/PA Ado vereadora Marinor Brito participou 3º Congresso Municipal dos trabalhadores da educação de Portel, arquipélago do Marajó. Ao chegar ao município, ao lado do vereador Ronaldo Alves (PSOL/Portel), a ex-senadora participou de entrevista no programa Conexão Amazon, de uma emissora de televisão local, onde destacou a importante atuação e o trabalho do vereador Ronaldo em prol do povo do município, em especial dos servidores públicos e trabalhadores da educação. M u i t o b e m r e c e b i d a p e l o s trabalhadores em educação local, Marinor, em sua palestra, abordou a importância do Sintepp no município e na região do Marajó: "Sou fundadora do Sintepp no Pará, e a reorganização dos trabalhadores em educação em nosso Estado se fortaleceu e através da nossa luta e organização por educação pública de qualidade. E aqui em Portel, não foi diferente e avançamos muito na nossa organização e luta com a eleição do companheiro Ronaldo que hoje como vereador e nosso porta-voz na defesa do povo", disse Marinor. A vereadora também fez uma s a u d a ç ã o a o p r o f e s s o r B r u n o , coordenador geral do sindicato e também ao vereador Ronaldo, que segundo M a r i n o r, e s t á d a n d o e x e m p l o d e compromisso com a educação pública de qualidade. VEREADORA REALIZA AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA DISCUTIR AS MAZELAS ENFRENTADAS PELOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO NAS ILHAS DE BELÉM vereadora de Belém, Marinor Brito (PSOL), realizou na CMB, audiência pública Apara discutir os problemas enfrentados pela Escola Bosque, seus anexos e demais unidades educacionais das ilhas de Belém. "A visita que fiz como membro da Comissão de Educação da Câmara, marcou o reencontro com a memória de uma escola viva, recuperada no governo Edmilson Rodrigues, de saudosa e boas lembranças da comunidade, e o abandono e o descaso dos últimos gestores. Os moradores exigem, imediatamente, as reformas das escolas. O risco de tábuas podres, do trapiche caindo aos pedaços, dos banheiros em condições precárias para uso e a falta de água, não podem ser substituídos por um espaço alugado, sem área de recreação, no mesmo nível do rio que também coloca em risco a vida das crianças", disse Marinor. Além de educadores e estudantes, estiveram presentes o poeta João Batista Barroso do Conselho de Segurança da Ilha de Cotijuba, Maurílio Estumano, Coordenador do Sintepp Belém, Profª Elza Gonçalves, Coordenadora Pedagógica das unidades educacionais da ilha de Cotijuba, Fábio Martins, representante da Funbosque, e Pedro Paulo Crispino, Promotor do MPE.
  11. 11. 11 VEREADORA VISITA TAPANÃ E CONSTATA ABANDONO E VIOLÊNCIA ALago, vereadora de Belém, Marinor Brito (PSOL), visitou a Comunidade do no bairro do Tapanã, onde conversou com os moradores que vem sofrendo, desde o último dia 06, com o incêndio que destruiu grande parte da área que servia como lixão, e que era meio de sobrevivência de algumas famílias que viviam da reciclagem do ferro, alumínio e garrafas pet retirados do lugar. "Todos os dias aparece um novo foco de incêndio e a prefeitura não faz nada. Nem água tem na área, a população vive da solidariedade de moradores que possuem poços", disse Davi Castro, líder comunitário. "O bairro do Tapanã está totalmente abandonado pelos atuais gestores. É inadmissível que em dois anos de gestão do prefeito Zenaldo Coutinho, o bairro continue sem pavimentação, com a iluminação pública precária, falta de saneamento, com as ruas todas alagadas e os jovens sem uma alternativa de vida", disse Marinor. A vereadora cobrou do MPE uma intervenção permanente e vigilante do Corpo de Bombeiro, e vai exigir do prefeito tucano, explicações sobre as soluções que o poder executivo vai tomar em relação aos moradores da área. "Não há diálogo da prefeitura com os moradores, tampouco dizem o que pretendem fazer para solucionar os problemas das famílias que residem na área do lixão. Solicitei a presença dos Bombeiros para apagarem mais um foco de incêndio que surgiu durante a minha visita na área. Vou cobrar do MPE para que exijam do prefeito tucano uma solução aos problemas do bairro", completou. VIOLÊNCIA FAZ MAIS UMA VÍTIMA - A vereadora prestou solidariedade à família do jovem Anderson Melo, 28 anos, que foi assassinado no último dia 23, na Rua Pe. Josimo, no Parque União, vítima de latrocínio. "A necessidade da superação da violência, passa também por condições mais dignas de vida. Não proporcionar condições dignas de estudo, capacitação profissional e de trabalho é condenar a nossa juventude à morte. Urge que todas as esferas de governo atendem para a necessidade de tratar desigualmente os desiguais, por meio de políticas públicas que recompensem a violência histórica sofrida pela população e que sejam capazes de reverter o elevado grau de abandono social, proporcionando oportunidades de vida digna a todos os cidadãos", disse Marinor.
  12. 12. 13 MARINOR COBRA ATITUDES DA PREFEITURA E GOVERNO DO ESTADO NO ATENDIMENTO ÀS PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS A(vereadora de Belém, Marinor Brito PSOL), cobrou do poder público melhorias no atendimento às pessoas vivendo com HIV/Aids. Segundo Marinor, Belém está entre as cinco cidades brasileiras com maior incidência de Aids, e o número de óbitos é duas vezes maior que a taxa brasileira, que é de 6,31 por 100 mil habitantes. De janeiro até junho de 2012, a capital paraense teve uma taxa de 13,71 casos por 100 mil habitantes. "A Aids aumenta assustadoramente na cidade de Belém, bem como o índice de mortalidade pela falta de leito nos prontos-socorros. O atendimento às pessoas vivendo com HIV/AIDS é precário, desumano e não atende as necessidades dessas pessoas. O prefeito finge que não é com ele, o Governador idem. Até quando o povo será refém da má administração e da falta de políticas públicas em nosso estado? É em nome dessas pessoas, e de suas famílias, que estou aqui, fazendo desta tribuna uma trincheira de luta em defesa dos interesses do povo, até que suas necessidades sejam atendidas", disse Marinor. VEREADORA REALIZA AUDIÊNCIA PÚBLICA COM MORADORES DA CABANAGEM vereadora Marinor Brito (PSOL) esteve no bairro da Cabanagem para participar de uma Aaudiência pública com moradores do bairro. Cerca de 250 moradores participaram do evento que contou também com a participação do vereador Dr. Chiquinho (PSOL). A reunião teve como objetivo esclarecer os moradores sobre o Programa Pró-Transporte do governo federal que precisa da contrapartida da prefeitura de Belém para melhorar a mobilidade no bairro. No total serão destinados cerca de R$ 37 milhões de reais, via financiamento da Caixa Econômica Federal para drenagem e pavimentação de ruas, construção e melhorias de equipamentos públicos como praças e áreas de lazer, objetivando melhorar a qualidade de vida da população. "É de lamentar a ausência da prefeitura de Belém e secretaria de saneamento da cidade (Sesan) que foram convidadas e não vieram, mas nós estamos aqui para cumprir nossa obrigação e vamos continuar cobrando que a prefeitura apresente o projeto técnico e a contrapartida financeira para que a obra comece. E tenho certeza que se depender da nossa vontade e disposição de luta do povo da Cabanagem as obras vão começar no primeiro semestre de 2015", disse Marinor.
  13. 13. MESMO COM O ROLO COMPREENSOR DO PREFEITO, VEREADORA TEM EMENDAS APROVADAS NA LOA/2015 15 Aaprovou vereadora Marinor Brito (PSOL) r$ 300 mil reais em emendas à LOA (Lei Orçamentária Anual) para o exercício de 2015. "É um esforço político que fazemos, enfrentado uma maioria aliada ao prefeito que muita vezes manobra votações, rejeita nossas emendas sem apresentar c r i t é r i o s t é c n i c o s e p o l í t i c o s convincentes, descumpre acordos políticos e que acaba por ter maior facilidade na liberação de recursos, devido ao toma lá da cá com o gestor municipal. Mas, nós do PSOL não nos vendemos e a todo momento estamos vigilantes, durante o ano inteiro, na fiscalização dos atos do executivo municipal. É um volume muito pequeno de recursos que conseguimos aprovar, mas serão de grande valia para uma parte (a maioria) da população de Belém que precisa e necessita das ações e obras para a melhoria de sua condição de vida e moradia. A partir de 2015, iniciaremos uma nova batalha: garantir a liberação dos recursos e realização das obras", disse a parlamentar do PSOL. NÚMEROS - A vereadora Marinor Brito (PSOL) apresentou 141 emendas à LOA/2015, mas só obteve 3 emendas aprovadas (r$ 300 mil reais). O total de recursos destinados pela parlamentar chegou a quase r$ 15 milhões de reais sendo destinados à obras de infraestrutura como drenagem e pavimentação de ruas de bairros periféricos; construção e reformas de equipamentos públicos como feiras, mercados, unidades básicas de saúde, escolas localizadas na parte insular de Belém (ilhas), creches; cursos de capacitação para trabalhadores do mercado informal e conselheiros tutelares; subvenções culturais para o carnaval, quadra junina e construção e reforma de centros comunitários.

×