SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Baixar para ler offline
ARLETE MARIA KROTH LOPES
A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA EVITAR PROBLEMAS
AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LIXO DOMÉSTICO
CANOAS, 2007
ARLETE MARIA KROHT LOPES
A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA EVITAR PROBLEMAS
AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LIXO DOMÉSTICO
Trabalho de Conclusão apresentado à banca
examinadora do curso de Ciências Econômicas do
Universitário La Salle – UNILASALLE, como
exigência parcial para a obtenção de Graduação em
Biologia, sob orientação do Prof. Jairo Luis Cândido.
CANOAS, 2007
TERMO DE APROVAÇÃO
ARLETE MARIA KROHT LOPES
A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA EVITAR PROBLEMAS
AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LIXO DOMÉSTICO
Trabalho de conclusão aprovado como requisito parcial para obtenção do grau de
Bacharel do Curso de Biologia do Centro Universitário La Salle – Unilasalle, pela
seguinte banca examinadora:
Prof.
Unilasalle
Prof.
Unilasalle
Prof.
Unilasalle
Canoas, 2007.
AGRADECIMENTOS
A Deus, em primeiro lugar, por ter me dado a
oportunidadde de concluir mais esta etapa da minha
vida, dando-me força, perseverança e saúde para
enfrentar os desafios encontrados na busca da
realização profissional.
...À todas as pessoas que eu amo e que
souberam, com paciência, tolerar muitas vezes a
minha ausência para que eu pudesse me dedicar aos
meus estudos (meu esposo e meus filhos)
...Ao professor orientador Jairo Luís Cândido,
pelos momentos de partilha e aprendizado.
RESUMO
O presente trabalho abordou a importância da reciclagem para evitar problemas
ambientais causados pelo lixo doméstico. Para atender ao objetivo de possibilitar
aos alunos um maior entendimento sobre os problemas causados pelo lixo em
relação ao meio ambiente de modo que compreendam a importância da reciclagem
desenvolveu-se um projeto com os alunos da quinta série do colégio da Imaculada.
Conclui-se que os resultados foram positivos ocorrendo aprofundando
conhecimento no conhecimento sobre reciclagem apesar do curto período.
Percebeu-se o desenvolvimento da consciência crítica dos alunos.
Palavras-chaves: reciclagem, lixo, meio ambiente.
ABSTRACT
The present work approached the importance of the recycling to avoid
environmental problems caused by the domestic garbage. To assist to the objective
of making possible the students a larger understanding on the problems caused by
the garbage in relation to the environment so that they understand the importance of
the recycling grew a project with the students of the fifth series of the school of the
Immaculate. It is ended that the results were positive happening deepening
knowledge in the knowledge on recycling in spite of the short period. It was noticed
the development of the students' critical conscience.
Key words: recycling, garbage, environment.
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO........................................................................................................7
2 REVISÃO DA LITERATURA................................................................................10
2.1 Tipos de lixo.....................................................................................................12
2.1.1 Lixo domiciliar .................................................................................................12
2.1.2 Lixo comercial.................................................................................................13
2.1.3 Lixo industrial..................................................................................................13
2.1.4 Lixo perigoso...................................................................................................14
2.1.5 Lixo radiotivo...................................................................................................14
2.1.6 Lixo agrícola....................................................................................................15
2.1.7 Lixo hospitalar e de saúde ..............................................................................15
2.1.8 Lixo público.....................................................................................................15
2.2 Tratamento e disposições de resíduos sólidos ............................................16
2.2.1 Lixões ...........................................................................................................16
2.2.2 Aterro controlado ............................................................................................17
2.2.3 Aterro sanitário................................................................................................17
2.2.4 Incineração .....................................................................................................17
2.2.5 Centro de triagem ou usinas de reciclagem....................................................17
2.2.6 Usina de compostagem ..................................................................................18
2.3 A reciclagem.....................................................................................................18
2.3.1 Reduzir, reutilizar e reciclar.............................................................................19
2.4 Lixo no Brasil: o desperdício..........................................................................20
2.5 A realidade é assustadora...............................................................................21
3 METODOLOGIA...................................................................................................23
3.1 Aspectos gerais do colégio e das turmas .....................................................23
3.2 Desenvolvimento do projeto...........................................................................23
4 CONCLUSÃO.......................................................................................................34
6
REFERÊNCIAS .......................................................................................................36
APÊNDICES............................................................................................................38
ANEXOS UTILIZADOS ...........................................................................................41
7
1 INTRODUÇÃO
Cada vez mais se vivencia tragédias no meio ambiente, em função da má
distribuição e do excesso de lixo jogado na natureza. Este problema está
prejudicando a sobrevivência dos seres vivos no planeta, sendo assim, existem
medidas mitigadoras que podem ser tomadas, uma delas é a reciclagem.
Com base no exposto destaca-se como situação problema da presente
pesquisa verificar “qual a importância da reciclagem do lixo doméstico para evitar
problemas ambientais?”.
O tema foco deste estudo está inserido no dia-a-dia que nem sempre é
percebido como parte do meio ambiente: o lugar do lixo. O tema é alvo de
preocupação, já que, a capacidade da população sujar o espaço urbano é
infinitamente maior do que a capacidade do poder público limpá-lo. Essa atitude
ocorre pela dificuldade que a população tem, em considerar que a preservação do
meio ambiente através da reciclagem é um conceito próximo do seu dia-a-dia.
Enquanto a natureza se mostra eficiente em reaproveitamento e
reciclagem, os homens são eficientes em produção de lixo. Os ciclos naturais de
decomposição e reciclagem da matéria podem reaproveitar o lixo humano.
Contudo, uma grande quantidade deste sobrecarrega o sistema. O problema se
agrava porque muitas das substancias manufaturadas pelo homem não são
biodegradáveis, isto é, não se decompõe facilmente. Alguns materiais considerados
lixo pela população como vidros, papéis, latas e plásticos, levam muitos anos para
se decompor, além disso, sobrecarregam os aterros sanitários, ou mesmo os lixões
a céu aberto, causando a poluição.
8
Com o propósito de proporcionar uma qualidade de vida para todos os
seres vivos do planeta, este trabalho vem propor e mostrar aos alunos de 5ª série
do Colégio da Imaculada a importância da reciclagem.
Este tema justifica-se no sentido de despertar a consciência ecológica nos
jovens de modo a contribuir para a preservação do meio ambiente através de ações
cotidianas e efetivas.
Da preocupação com o destino e armazenamento do lixo produzidos nos
grandes centros urbanos, surgiu a opção pelo trabalho com o tema da reciclagem
do lixo, numa perspectiva da educação ambiental. Enfatiza-se, ainda, a importância
de se trabalhar esse assunto nas escolas, principalmente com o ensino
fundamental, considerando-se que a conscientização ecológica deve começar nas
séries iniciais, para que futuramente possamos ter adultos com uma concepção de
desenvolvimento diferente, que favoreça uma relação homem-natureza mais
harmônica.
O objetivo geral proposto para este trabalho foi o de possibilitar aos alunos
um maior entendimento sobre os problemas causados pelo lixo em relação ao meio
ambiente para que possam compreender a importância da reciclagem. De modo a
atingir este objetivo central foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos:
explicar o que é lixo, classificar os diferentes tipos de resíduos sólidos e o tempo
para sua decomposição, despertar de maneira prática a importância da reciclagem
de diversos materiais, proporcionar uma visita à usina de reciclagem e ao aterro
sanitário, ambos no município de Canoas.
A terra é o único planeta conhecido que possui vida, tem recursos e
materiais que permitem que plantas e animais sobrevivam, fornece água, ar,
energia, alimento, minerais, metais e remédios, assim como dispõe de sistemas de
reciclagem, pelos quais os recursos são reutilizados. Ela mantém também nossa
qualidade de vida, no entanto os recursos e materiais são limitados e precisam ser
usados com sabedoria e conservados.
A sobrevivência e o bem-estar na Terra estão ligados ao meio ambiente.
Nossa própria vida e a das futuras gerações dependem que se trate a Terra com
cuidado e respeito.
Para demonstrar respeito e cuidado com o meio ambiente, pode-se tomar
atitudes simples no dia-a-dia, uma delas é fazer a separação do lixo seco e
9
orgânico em nossas próprias casas. Se cada um fizer a sua parte, pode-se
amenizar o grande problema do excesso de lixo, que se está vivenciando.
10
2 REVISÃO DA LITERATURA
A educação ambiental no ensino formal tem enfrentado inúmeros desafios,
entre os quais, poderíamos destacar o de como inserir-se no coração das práticas
escolares desde sua condição de transversalidade. Afinal, como ocupar um lugar
na estrutura escolar desde essa espécie de não-lugar que é a transversalidade?
Para a educação ambiental, constituir-se como temática transversal pode tanto
ganhar o significado de estar em todo lugar quanto, ao mesmo tempo, não
pertencer a nenhum dos lugares já estabelecidos na estrutura curricular que
organiza o ensino. Por outro lado, como ceder à lógica segmentada do currículo, se
a educação ambiental tem como ideal a interdisciplinaridade e uma nova
organização do conhecimento? Em outras palavras, poderíamos dizer que como
herdeira direta do movimento ecológico e da inspiração contracultural, a educação
ambiental quer mudar todas as coisas. A questão é saber como, por onde começar
e os melhores caminhos para a efetividade desta reconstrução da educação (PCN:
Ciências Naturais, 1997).
Acredita-se que o tema em questão, pela sua gravidade, deve estar inserido
em todas as disciplinas e não apenas em Ciências, ressaltando-se que o ensino
para o meio ambiente tem dupla finalidade, ou seja, formar intelectualmente os
alunos e torná-los cidadãos democráticos e conscientes de suas responsabilidades.
A proposta pedagógica ultrapassa a adesão a projetos de
despoluição e/ou preservação, para vir a compreender um
desenvolvimento social e sustentável. Ao mesmo tempo, pretende-se ir
além da escola e impregnar toda a sociedade, todos os ambientes , a
começar pela conversão da subjetividade. (RUSCHEINSKY, 2002, p. 61)
Atualmente, muito se fala e muito se escreve sobre a preservação do
planeta Terra, principalmente, no que diz respeito à educação ambiental. Vivemos
11
num mundo intensamente influenciado pelas atividades de causa antrópica, onde a
natureza é desrespeitada indiscriminadamente (SCARLATO, 2002).
O homem, pretensamente, vive em dois mundos: o primeiro é o natural, do
qual ele faz parte; o outro é o mundo dos mecanismos criados pelo próprio homem
para sua sobrevivência.
As ações do homem sobre a natureza têm resultados no meio
ambiente, os quais são chamados de efeitos ou impactos ambientais.
Quando esses impactos suplantam a capacidade de suporte do meio
ambiente, ou ainda, quando desestruturam a vida das populações que
tradicionalmente habitavam os locais atingidos, podemos chamá-los de
efeitos negativos. Estes se não são controlados, acabam por deteriorar a
qualidade de vida dos seres humanos. Os diversos tipos de poluição e de
degradação ambiental passam a ameaçar a sobrevivência dos homens e
de outros seres vivos do planeta. (VIANNA et al, 1995, p.14).
Qualquer atividade humana produz resíduos, os resíduos sólidos
configuram um dos grandes problemas que ameaçam a vida sobre a Terra. Além
de poluir o solo, a água e o ar, também é capaz de oferecer abrigo para animais
que veiculam doenças diversas.
A crescente utilização de produtos descartáveis e o desperdício são fatores
que agravam a produção de lixo em todo o mundo, somando-se à produção de
resíduos gerados durante a sua fabricação, sendo estes resíduos recicláveis ou
não.
A palavra lixo, derivada do termo latim lix, significa “cinza”. No dicionário,
ela é definida como sujeira, imundice, coisa ou coisas inúteis, velhas, sem valor.
Lixo, na linguagem técnica, é sinônimo de resíduos sólidos gerado pelo homem em
suas atividades, considerado pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou
descartáveis.
Desde os tempos mais remotos até meados do século XVIII, quando
surgiram as primeiras indústrias na Europa, o lixo era produzido em pequena
quantidade e constituído essencialmente de sobras de alimentos.
A partir da Revolução Industrial, as fábricas começaram a produzir objetos
de consumo em larga escala e a introduzir novas embalagens no mercado,
aumentando consideravelmente o volume e a diversidade de resíduos gerados nas
áreas urbanas.
O lixo industrial e doméstico se enquadra no sentido mais
abrangente de poluição, mas analisada sob diversos aspectos, pode
também ser visto como um problema social ou, ao contrário, como uma
solução, ou, pelo menos um paliativo para vários outros problemas. Tudo
12
depende de como ele é tratado. A recuperação de produtos como papel,
plásticos, metais e outros, além de amenizar significativamente o impacto
que os resíduos causam ao ambiente, pode se constituir numa alternativa
a ser explorada diante do esgotamento de recursos não renováveis. Por
fim,certas técnicas do tratamento do lixo permitem, entre outras coisas,
obter energia. (SCARLATO e PORIN, 1992, p. 54)
O lixo sem tratamento adequado constitui grave problema sanitário, capaz
de transmitir várias doenças, tais como diarréias infecciosas, parasitoses, amebíase
e serve ainda de abrigo para ratos, baratas, moscas, mosquitos, formigas e
escorpiões, além de outros transmissores de doenças e animais venenosos.
Além disso, o chorume resultante da decomposição do lixo pode contaminar
os aqüíferos, contaminando assim a água de consumo diário. Os lixões tornam-se
locais perfeitos para proliferação do Aedes aegypti, o mosquito vetor de
transmissão da dengue, oferecendo as melhores condições para sua reprodução e
desenvolvimento.
2.1 Tipos de lixo
Conforme sua composição e origem, os resíduos podem ser orgânicos ou
inorgânicos e podem ser classificados como:
2.1.1 Lixo domiciliar
Originário da vida diária das residências,são em sua maioria orgânicos,
como restos de alimentos, sendo encontrados também resíduos minerais, como
latas, vidros e sintéticos como os plásticos.
O lixo domiciliar é gerado em residências urbanas e também residências
rurais. De uma maneira geral,nas áreas rurais, o lixo doméstico é queimado ou
enterrado.
A partir de 1986, os resíduos de feiras e mercados também foram incluídos
na classificação do lixo doméstico pela grande quantidade de material orgânico
produzidos nestes locais,
13
Os resíduos domésticos são processados basicamente d quatro maneiras:
incineração compostagem, utilização de biodigestor e aterro sanitário.
2.1.2 Lixo comercial
São originados nos diversos estabelecimentos comerciais e de serviços
como lojas, estabelecimentos bancários, supermercados e restaurantes, entre
outros, junta-se ao domiciliar, por possuírem componentes semelhantes do
tratamento unificado.
2.1.3 Lixo industrial
A indústria é responsável por grande quantidade de lixo – sobras de carvão
mineral, refugos da indústria metalúrgica, lixo químico, gás e fumaça pelas
chaminés das fábricas. Os resíduos industriais são variados e podem se apresentar
sob a forma de cinzas, lodos, óleos, resíduos alcalinos ou ácidos, plásticos, papel,
madeira, fibras, borrachas, metal, escórias, vidros e cerâmicas.
A indústria dá origem à grande maioria do lixo considerado tóxico.
O gerenciamento dos resíduos industriais engloba padrões de
armazenamento, manuseio, transporte e tratamento para que possa ser dispostos
de maneira adequada, a evitar danos ambientais e à saúde pública em aterros
sanitários e industriais.
O Código Estadual do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, coloca que
“compete ao gerador a responsabilidade pelos resíduos produzidos” e, também,
prevê que “a terceirização de serviços não isenta a responsabilidade do gerador
pelos danos que vieram a ser provocados”.
14
2.1.4 Lixo perigoso
De acordo com a NBR 10004/1987, resíduos perigosos (classe I) são
aqueles que apresentam periculosidade ou possuem uma das características a
seguir:
inflamabilidade;
corrosividade;
reatividade;
toxicidade;
patogenicidade;
A periculosidade de um resíduo é descrita na NBR 10004/1987 como sendo
a “característica apresentada por um resíduo, que, em função de suas propriedades
físicas, químicas ou infectocontagiosas, pode apresentar: a) riscos à saúde pública,
provocando ou acentuando, de forma significativa, um aumento de mortalidade ou
incidência de doenças, e/ou b) riscos ao meio ambiente, quando o resíduo é
manuseado ou destinado de forma inadequada.
De acordo com a Agenda 21 Global – Capitulo 19, Seção II – milhares de
produtos químicos são usados nas diferentes atividades humanas mas os riscos
para a saúde e o meio ambiente ainda são desconhecidos.
2.1.5 Lixo radiotivo
É emitido por materiais radioativos como urânio, potássio, tório, carbono e
iodo e toda radiação pode ser prejudicial aos homens e outros animais porque
danificam as células vivas. Quanto maior o nível de radiação, maior será o dano
causado.
De acordo com o disposto no capitulo 22, Seção II da Agenda 21 Global, o
lixo radioativo mais perigoso é o lixo de alto nível – aquele gerado no ciclo do
combustível nuclear – e o combustível nuclear gasto, que são produzidos
aproximadamente 10 mil metros cúbicos de rejeitos radioativos, correspondendo a
99% dos radionuclídeos que têm que ser descartados.
15
2.1.6 Lixo agrícola
Engloba os resíduos provenientes das atividades agrícolas – embalagens
de adubos, defensivos agrícolas, produtos químicos e restos de colheitas – bem
como os provenientes das atividades pecuárias – embalagens de ração e esterco
gerado em grande quantidade, por serem altamente tóxicos ou poluentes da água,
sendo necessário, cuidados na destinação final e legislação específica, levando à
co-responsabilidade, juntamente com agricultor, os fabricantes destes produtos.
2.1.7 Lixo hospitalar e de saúde
Esse lixo é denominado resíduo séptico, pois contem ou pode conter
germes patogênicos. É composto de seringas e agulhas, algodão, gaze e
bandagens, materiais e animais usados em testes e meios de culturas, sangue
coagulado, luvas descartáveis, remédios com validade vencida, bem como de
órgãos e tecidos removidos, entre outros. Esses resíduos são gerados em clinicas,
laboratórios, farmácias, clinicas veterinárias, postos de saúde e hospitais.
Atualmente, na tecnologia para o tratamento do lixo hospitalar pode se
utilizar vários sistemas. Um exemplo é o de desativação eletrotérmica, que consiste
na deposição dos resíduos em um fosso fechado, a prova de vazamento;
passagem por dupla trituração e posterior exposição a um campo elétrico de alta
potência, gerado por ondas eletromagnéticas de baixa freqüência, que desinfeta o
material devido ao aquecimento a uma temperatura de 95°C.
2.1.8 Lixo público
A varrição é outro tipo de resíduo que também contribui no aumento do lixo
em depósitos e são os resíduos provenientes da limpeza de ruas, calçadas e
logradouros. Os resíduos de podas de árvores, como galhos e folhas, limpeza de
bueiros, galerias e córregos e limpeza de praias, embalagens e resíduos de limpeza
16
de áreas de feiras livres, que são coletados pelas prefeituras, também fazem parte
deste grupo de resíduos sólidos.
Os resíduos sólidos, resultantes da atividade humana, devem ser dispostos
corretamente e receberem o tratamento adequado, mas esse processo nem
sempre faz parte de nossa realidade.
2.2 Tratamento e disposições de resíduos sólidos
2.2.1 Lixões
Local onde o lixo é jogado a céu aberto e sem qualquer proteção ao meio
ambiente, causando a poluição do solo, do ar, da água subterrânea, de rios,
riachos, mau cheiro, proliferação de doenças e animais como ratos, baratas,
moscas, urubus e outros.
Geralmente existem catadores de lixo que sobrevivem retirando alimentos e
separando lixos recicláveis para comercializar. No Brasil é o destino final para 90%
do lixo. Principais danos causados pelos lixões:
mau cheiro;
poluição dos cursos d’água;
poluição da água subterrânea;
transmissão de doenças; desvalorização dos imóveis vizinhos;
acúmulo de animais daninhos como ratos, baratas, escorpiões,
entre outros.
17
2.2.2 Aterro controlado
Quando o local de disposição final do lixo é cercado, o lixo é coberto com
terra diariamente e existe fiscalização, impedindo a circulação de catadores.
2.2.3 Aterro sanitário
Nos aterros a área de disposição é cercada, os resíduos são depositados
em camadas compactadas e cobertas com argila ao término de cada dia de
trabalho para evitar mau odor e insetos. Neste sistema os gases oriundos da
decomposição da matéria orgânica são coletados e queimados. O chorume (líquido
que resta) é drenado e removido para tratamento adequado.
2.2.4 Incineração
Os resíduos sólidos são queimados em usinas de incineração, onde passa
pelo setor de recepção e pesagem, após são colocados em câmaras de
combustão. Vantagens deste processo: redução do volume do lixo para 25%;
neutraliza a ação das bactérias. É um processo muito caro e é utilizado mais para o
lixo hospitalar. Pode ser aproveitado para produção de energia elétrica.
2.2.5 Centro de triagem ou usinas de reciclagem
Local onde o lixo é separado por catadores. O material reciclável é
separado segundo seu tipo (papel, vidro, metal e plástico) e vendido para empresas
que promovem a reciclagem. O material orgânico é geralmente encaminhado para
a compostagem.
18
2.2.6 Usina de compostagem
Local onde o lixo orgânico é separado, triturado, peneirado e após processo
de compostagem é transformado em adubo orgânico. Dá-se o nome de
compostagem ao processo biológico de decomposição da matéria orgânica contida
em restos de origem vegetal e/ou animal. Esse processo tem como resultado final
um produto que pode ser aplicado ao solo para melhorar suas características, sem
ocasionar riscos ao meio ambiente. As vantagens da compostagem são:
aumenta a vida útil do aterro sanitário, já que 50% do lixo
municipal é constituído por matéria orgânica;
aproveitamento agrícola da matéria orgânica;
reciclagem de nutrientes para o solo;
processo ambientalmente seguro;
eliminação de patógenos que causam danos a saúde da
população.
2.3 A reciclagem
A educação ambiental é uma peça fundamental para o sucesso de qualquer
programa de coleta seletiva. A educação visa ensinar o cidadão sobre o seu papel
como gerador de lixo. Quando a população fica ciente do seu poder e seu dever de
separar o lixo, passam a contribuir mais ativamente ao programa. Com isso, haverá
um desvio cada vez maior dos materiais que outrora iam para o aterro – é uma
economia de recursos.
O processo de reciclagem é composto de várias fases, porém sua
realização depende de uma ação fundamental: a separação prévia dos materiais. A
maior parte dos objetos jogados fora não está suja, torna-se suja depois de
misturada. E então torna-se muito difícil de se separar com bom aproveitamento.
Os resíduos, quando dispostos e recolhidos de modo convencional, são
pouco aproveitados. Um material contamina o outro - o material úmido (restos de
alimentos, líquidos em geral) suja o material seco (papel, plástico, etc.),
19
prejudicando a separação e a qualidade. Se o material reciclável fosse colocado no
seu devido lugar, desde o momento em que é descartado, possibilitaria um maior
aproveitamento dos mesmos e a quantidade de lixo que não pode ser reciclado
seria muito menor.
Esse é só o começo do que chamamos de coleta seletiva. Trata-se da
separação e recolhimento, desde a origem, dos materiais potencialmente
recicláveis.
2.3.1 Reduzir, reutilizar e reciclar
Um dos princípios básicos da educação ambiental sobre o lixo é o conceito
dos três erres: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.
O cidadão deve aprender a reduzir a quantidade do lixo que gera. A
redução não implica em padrão menos agradável de vida. É simplesmente uma
questão de reordenar os materiais que são usados no dia a dia. Uma das formas de
se tentar reduzir a quantidade de lixo gerada é diminuir o desperdício de produtos e
alimentos consumidos. A partir do momento em que este desperdício resulta em
ônus para o poder público e para o contribuinte, a redução do volume de lixo
significa redução de custos, além de fator decisivo na preservação dos recursos
naturais.
Existem inúmeras formas de reutilizar os mesmos objetos, até por motivos
econômicos. Escrever nos dois lados da folha de papel, usar embalagens
retornáveis e reaproveitar embalagens descartáveis para outros fins são apenas
alguns exemplos. Uma parcela do comércio formal já contribui para essa prática, na
medida em que os “sebos” trabalham basicamente com livros usados, assim como
os “brechós” comercializam desde roupas até móveis usados.
A reciclagem forma a terceira ponta do tripé, sendo a alternativa quando
não é mais possível reduzir nem reutilizar. Reciclar é economizar energia, poupar
recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que é jogado fora. A palavra
reciclagem foi introduzida ao vocabulário internacional no final da década de 80,
quando foi constatado que as fontes de petróleo e outras matérias-primas não
renováveis estavam se esgotando. Para compreender a reciclagem, é importante
20
“reciclar” o conceito de lixo, deixando de enxergá-lo como uma coisa suja e inútil
em sua totalidade. O primeiro passo é perceber que o lixo é fonte de riqueza e que
para ser reciclado deve ser separado. Ele pode ser separado de diversas maneiras,
sendo a mais simples separar o lixo orgânico do inorgânico (lixo molhado/ lixo
seco).
Benefícios:
o contribui para diminuir a poluição do solo, água e ar;
o melhora a limpeza da cidade e a qualidade de vida da população;
o prolonga a vida útil de aterros sanitários;
o melhora a produção de compostos orgânicos;
o gera empregos para a população não qualificada;
o gera receita com a comercialização dos recicláveis;
o estimula a concorrência, uma vez que produtos gerados a partir dos
reciclados são comercializados em paralelo àqueles gerados a partir de
matérias-primas virgens;
o contribui para a valorização da limpeza pública e para formar uma
consciência ecológica.
A reciclagem surgiu como uma maneira de reintroduzir no sistema uma
parte da matéria e da energia, que se tornaria lixo. Os resíduos são coletados,
separados e processados para serem usados como matéria-prima na manufatura
de bens, os quais eram feitos anteriormente com matéria-prima virgem. A
reciclagem propicia a economia de energia, água e matéria-prima, gera emprego e
renda nas etapas de coleta, separação e comercialização do material reciclado.
2.4 Lixo no Brasil: o desperdício
O Brasil produz aproximadamente 230 mil toneladas de lixo por dia. Cada
brasileiro produz, em média, 500 gramas de lixo diariamente, podendo chegar até a
mais de 1 kg, dependendo do poder aquisitivo e local em que mora.
Em algumas cidades brasileiras quase a metade do lixo não é coletado e
sim atirado de qualquer maneira nas ruas, em terrenos baldios, em rios, lagos, no
21
mar etc. Segundo dados do IBGE, o lixo produzido nas cidades brasileiras recebe a
seguinte destinação final:
76% em lixões;
13% em aterros controlados;
10% em aterros sanitários;
1% passam por algum tipo de tratamento: reciclagem, compostagem e
incineração.
2.5 A realidade é assustadora
O crescimento populacional da espécie humana provocou, em grande
escala, uma situação de desequilíbrio na relação homem-natureza. De uns tempos
para cá, o homem vem inventando novas tecnologias e aumentando sua
capacidade de transformar a natureza. Tais habilidades para modificar o entorno
trazem benefícios, mas também causam problemas. Um dos problemas mais sérios
é o esgotamento dos recursos naturais: acredita-se que a natureza era uma fonte
ilimitada, inesgotável de recursos; porém, a realidade tem mostrado que não o é. O
outro grande problema são os resíduos sólidos espalhados pelo planeta. Tudo o
que consumimos deveria voltar para os ciclos da natureza. Entretanto, o homem
cria certos produtos que a natureza tem dificuldades para reciclar. Para o homem, o
conceito de lixo nada mais é do que aquilo que não é útil. Porém, o grande caos é
formado quando o indivíduo devolve a natureza, de modo indiferente, os resíduos,
principalmente os urbanos, quer sejam sólidos, líquidos ou gasosos (ISAIA, 2001).
Segundo Martins (2002), o lixo hoje, se transformou num problema muito
sério, que está atormentando as administrações municipais por todo o lado. Ele é
uma realidade que não pode ser mais ignorada ou escondida atrás de um morro
logo ali. Além disso, ninguém quer ter montanhas de rejeitos próximas de sua casa.
E o agravante nesse processo é que as quantidades coletadas diariamente
crescem assustadoramente. Na maioria das grandes cidades, o lixo já ultrapassa as
mil toneladas diárias.
O professor precisa estar bem integrado com o tema e ciente de que é o
grande responsável pela sensibilização dos alunos em relação às questões
22
ambientais, principalmente, em se tratando de resíduos sólidos, pois estamos na
era do descartável, em que a maioria dos produtos, desde guardanapos de papel e
latas de refrigerante, até computadores, são inutilizados e jogados fora com enorme
rapidez. Ao mesmo tempo, o crescimento acelerado das grandes cidades fez com
que as áreas disponíveis para depósitos de resíduos se tornassem escassas. Desta
forma, os resíduos acumulam-se no ambiente, aumentando a poluição do solo, das
águas e, conseqüentemente, gerando graves problemas à saúde pública das
populações do mundo inteiro, principalmente nas regiões menos desenvolvidas.
A escola, como instituição voltada à produção do saber crítico, deve refletir
e agir no sentido de mobilizar as pessoas em prol do ambiente. Hoje, mais do que
nunca, professor e escola devem incluir nos seus currículos e programas temas
ligados à crise ambiental, sendo que a problemática de questões referentes ao lixo
devem ser sempre retomadas, pois o que está em jogo nesta questão é exatamente
o sentido do homem e da sua existência.
23
3 METODOLOGIA
3.1 Aspectos gerais do colégio e das turmas
O projeto “A importância da reciclagem para evitar problemas ambientais
causados pelo lixo doméstico” foi desenvolvido com alunos de 5ª séries do Colégio
da Imaculada no bairro Rio Branco em Canoas. É um Colégio da rede privada que
acolhe alunos de várias classes sociais, inclusive crianças carentes, as quais, são
bolsistas da prefeitura do município.
O que norteia a educação nessa rede privada são os Princípios da
Educação Franciscana, sendo eles: inclusão, humildade, partilha, acolhida,
respeito, escuta, compromisso, espiritualidade, clareza de discernimento, trabalho e
cuidado. Tendo como referencia estes princípios, resolvi desenvolver o projeto.
As turmas envolvidas neste trabalho compõem um número de 74 alunos. O
projeto foi desenvolvido no segundo semestre do ano letivo de 2007.
3.2 Desenvolvimento do projeto
A primeira etapa do projeto teve início no dia 24 de setembro com a
aplicação de um instrumento de pesquisa (questionário em anexo) cujo objetivo foi
definir o nível de conhecimento das turmas sobre o tema reciclagem do lixo. Os
dados obtidos foram organizados em um gráfico (em anexo) de forma a facilitar a
24
análise. O mesmo questionário foi aplicado no início e no fim do presente estudo,
com o intuito de saber se houve uma mudança de concepção das turmas em
relação ao tema tratado.
Nas aulas seguintes desenvolveram-se os fundamentos teóricos acerca da
prática da reciclagem, por meio de aulas expositivo-dialogadas utilizando-se
recursos como laboratório de informática, vídeo e retro-projetores. Foram
trabalhados com os alunos textos sobre o meio ambiente (em anexo) que alertem
para a importância da reciclagem do lixo para o homem, na medida em que são
gerados empregos e se protege o ambiente, preservando-se os recursos da
natureza para as gerações futuras. Os textos contemplavam aspectos sobre: o que
é lixo, tipos de resíduos, o que fazer com o lixo, medidas práticas (reduzir, reutilizar,
reciclar), tipos de materiais recicláveis, coleta seletiva, lixões, aterros sanitários e
outros. Foram trabalhados textos do próprio livro do aluno e outros apresentados
em fotocópia, ou ainda através do retro-projetor. Dentro de cada assunto
trabalhado, discutia-se e eram propostos exercícios.
Durante este processo de querer desenvolver uma consciência crítica nos
alunos, no dia 03 de outubro tiveram a oportunidade de assistir o filme: “Uma
Verdade Inconveniente”, o qual, foi discutido em aula, sendo lançado a idéia de
aquecimento global x atividade antrópica para uma maior conscientização do aluno
em relação ao cuidado com o meio ambiente, pois é preciso entender que cada um
pode colaborar a partir de atitudes mínimas, como por exemplo fazer em sua casa a
separação do lixo orgânico e inorgânico, desde que estes sejam encaminhados
respectivamente para o caminhão do lixo e para coleta seletiva.
No laboratório de informática, alunos pesquisaram sobre o tempo de
decomposição dos resíduos sólidos e, a partir da pesquisa elaboraram cartazes
(em anexo), os quais foram expostos nos corredores do colégio.
papel: 3 a 6 meses;
jornal: 6 meses;
toco de cigarro: 20 meses;
nylon: mais de 30 ano;
chicletes: 5 anos;
pedaços de pano: 6 meses a 1 ano;
25
fralda descartável biodegradável: 1 ano;
fralda descartável comum: 450 anos;
lata e copos de plástico: 50 anos;
lata de aço: 10 anos;
tampas de garrafa: 150 anos;
isopor: 8 anos;
plástico: 100 anos;
garrafa plástica: 400 anos;
pneus: 600 anos;
vidro: tempo indeterminado.
Dentro dessa tentativa de mudança de atitude em relação ao cuidado com
o meio ambiente, foi apresentada em aula a história do papel, falou-se sobre os
tipos de papel e quais os papéis que podem ser reciclados, sendo essas
curiosidades apresentadas através de aula dialogada e com lâminas no retro-
projetor.
História do papel
Desde tempos remotos, o homem precisou registrar suas idéias por escrito.
O pergaminho (produzido com peles de animais) foi um dos primeiros materiais
utilizados para esse fim. Mais tarde, antes da era cristã, os egípcios descobriram
que o papiro, planta nativa das margens do Nilo e pântanos da África, podia ser
utilizado para o mesmo fim. A palavra papel vem de papiro.
Foi no ano 105, oficialmente, que se utilizou o papel pela primeira vez,
embora ainda não fosse exatamente o papel como hoje é conhecido. O processo
de fabricação era todo artesanal, mas supria as necessidades da época. Ts’Ai Lun,
oficial do Império Chinês, foi quem desenvolveu a técnica. Atualmente, o papel é
produzido a partir da madeira, proveniente de grandes reflorestamentos. Por
processos industriais é triturada e com a adição de produtos químicos se extrai a
matéria-prima do papel, a celulose.
Para o papel ficar branco é utilizado o cloro como branqueador, sendo este
um composto altamente poluente. No Brasil, o papel chegou por iniciativa de Dom
26
João VI. Em 1848, foi inaugurada na Bahia a primeira fábrica de papel brasileira,
que utilizava fibras de bananeira como matéria-prima.
Durante a Segunda Guerra Mundial o Brasil não pôde contar com as
importações da celulose utilizada para fazer papel, que vinha do exterior. Esse fato
acabou por impulsionar à fabricação nacional. As primeiras árvores utilizadas na
fabricação do papel em escala industrial foram o pinheiro e o abeto das florestas de
coníferas, encontrados nas zonas do norte da Europa e da América do Norte.
Hoje em dia, praticamente qualquer árvore pode servir como matéria-prima,
mas as mais utilizadas são o vidoeiro, a faia, o choupo preto, o bordo e
principalmente o eucalipto. A Suzano foi a primeira empresa a produzir papel de
qualidade com 100% de celulose de eucalipto (1965). No Brasil o eucalipto é a
espécie mais utilizada, por seu rápido crescimento, atingindo em torno de 30 m de
altura em 7 anos.
Atualmente é bastante comum, entre indústrias produtoras de papel,
possuir uma floresta de eucaliptos. Nessas áreas pratica-se o reflorestamento. As
árvores são plantadas e sete anos após o plantio, quando as árvores atingem o
tamanho necessário para a retirada da matéria-prima, são cortadas e
encaminhadas para a produção do papel.
Nas áreas de reflorestamento é realizado o manejo florestal. Esta prática
viabiliza o cultivo do eucalipto e a preservação da natureza simultaneamente.
Dessa forma as indústrias conseguem atingir uma alta produção sem agressão ao
meio ambiente.
De acordo com a sua finalidade, os papéis podem ser classificados em:
para impressão;
para escrever;
para embalagens;
para fins sanitários;
cartões e cartolinas;
especiais.
27
Reciclagem de papel
A reciclagem do papel é tão importante quanto sua fabricação. A matéria-
prima para a fabricação do papel já está escassa, mesmo com políticas de
reflorestamento e com uma maior conscientização da sociedade em geral.
Com o uso dos computadores, muitos cientistas sociais acreditavam que o
uso de papel diminuiria, principalmente, na indústria e nos escritórios, mas isso não
ocorreu e o consumo de papel nas duas últimas décadas do século XX foi recorde.
Os papéis industrializados no Brasil contêm uma grande percentagem de
papéis usados. Pode-se produzir o papel com 100% de papel usado. O papel
higiênico e os lenços de papel são produzidos com cerca de 60% de papel
reciclado.
PAPEL - O QUE PODE SER RECICLADO
Recicláveis Não Recicláveis
Jornais Folhas de carbono
Revistas Fita crepe
Folhas de caderno Papéis plastificados
Formulários de computador Papéis metalizados
Envelopes Papéis parafinados
Rascunhos Papéis sanitários
Caixas em geral Papel de bala
Aparas de papel Embalagens de biscoitos
Fotócopias Papéis sujos
Papel de fax Etiquetas adesivo
Cartazes Tocos de cigarros
Folhetos Fotografias
Após essa conscientização, grupos de alunos envolvidos no projeto
passaram pelas salas de aula, conversando com as turmas sobre a importância da
reciclagem do papel, anexaram nas salas uma folha com uma tabela, mostrando os
28
papéis que podem e os que não podem ser reciclados. e recolhendo os papéis
usados que os mesmos depositam em suas salas de aula.
Foi realizada a coleta do papel e separação do mesmo. Nesse mesmo dia,
os alunos começaram a rasgar o papel em pedaços menores (fotos em anexo) para
que pudesse ser reciclado.
No dia 16 de outubro, iniciou-se a primeira etapa da reciclagem no
laboratório de ciências do colégio. Primeiramente pegou-se o papel já rasgado e
colocou-se de molho em água fria em um balde para que pudesse ser usado no dia
seguinte.
No dia 17 de outubro, iniciou-se a produção de papel da seguinte maneira:
pegou-se o papel que já estava amolecido na água, colocou-se no liquidificador na
proporção de três partes de água para uma de papel. Ligou-se o liquidificador e
deixou-se bater por aproximadamente dez segundos. Deu-se um tempo e repetiu-
se o mesmo procedimento. A polpa estava pronta, foi colocada sobre a moldura
com tela, e esta, foi virada sobre folhas de jornal que estavam na mesa.
Para retirar o excesso de água da polpa, alunos usavam panos velhos, em
seguida, erguia-se a moldura deixando a folha de papel ainda úmida sobre o
jornal.Desta forma, repetia-se esse processo por várias vezes. Para obtenção de
folhas coloridas, colocava-se anilina junto a polpa no liquidificador. ( fotografias e
passos da reciclagem em anexo).
Para realizar esse trabalho de reciclagem, foram usadas quatro molduras
de tamanhos diferentes.
Esse processo de reciclagem, não se deu apenas em um dia, Foram
utilizadas várias aulas e, além das aulas grupos de alunos se revezavam em turno
inverso para fazer a preparação do papel e o recolhimento das folhas que já
estavam secas. Para que as folhas secassem, precisava-se aproximadamente de
três dias.
Na semana seguinte, no dia 24 de outubro, alunos assistiram uma palestra
sobre reciclagem.Os palestrantes eram pessoas que trabalham em prol da
comunidade, a qual, eles pertencem.
O casal que promoveu a palestra, tem uma empresa de reciclagem, a CTS,
a qual, fica localizada no próprio bairro do colégio.Nesta empresa eles recebem
diariamente os caminhões com materiais recicláveis, separam os materiais papeis,
29
papelões, plásticos e outros), fazem fardos e encaminham para as usinas de
reciclagem.
Além do casal, Thomas e Adoli, mais duas pessoas faziam parte da equipe
dos palestrantes Eliane e Vera, sendo que a Vera trabalha na secretaria do meio
ambiente de Canoas.
Os palestrantes além de ter seu trabalho diário, desenvolvem projetos
dentro da comunidade, sendo um deles “Saber Cuidar”, onde eles recolhem o óleo
de cozinha saturado para fazer sabão. Esse sabão é vendido por um preço bem
acessível e a renda é revertida para as pessoas carentes da comunidade. Outro
projeto importante, é a organização no bairro de pontos de coleta para o lixo
reciclável.
Durante a conversação com os alunos, colocaram sobre a demasia de lixo
gerado, só em Canoas, 240 toneladas por dia, sobre o descartável, o valor dos três
erres (reduzir, reutilizar e reciclar) e outros aspectos, enfatizando sempre a
importância da reciclagem e de que maneira o lixo reciclado, produzido diariamente
em nossas casas pode ser reutilizado. Por exemplo, das garrafas pet, podem ser
feitas vassouras, camisetas. O papel reciclado é utilizado para fazer papel
higiênico, toalhas de papel e mesmo folhas de papel.Explicaram também de que
maneira o vidro é reciclado e que ele é 100% reaproveitado.
No decorrer da palestra, foram exibidos dois vídeos: ”Os Olhos no Mundo” e
“O Que Fazemos Com Nosso Mundo”. Após os vídeos foi solicitado para que os
alunos fizessem colocações sobre: “O mundo que temos” e “O mundo que
queremos”. A participação dos alunos foi sendo registrada em um cartaz, o qual
ficou exposto nos corredores do colégio.
No final os palestrantes distribuíram materiais para os alunos como: dicas
de como você pode contribuir para minimizar os problemas causados pelo lixo com
pequenas ações no dia-a-dia, livrinho e panfleto explicando sobre a coleta seletiva
do lixo e letra de uma pequena música criada pela própria equipe dos palestrantes,
a qual, ensinaram o ritmo para os alunos e todos cantaram com entusiasmo.(
material em anexo). Assim, encerrou-se esse momento.
Nas aulas que se seguiram, continuou-se preparando e reciclando o papel,
foram utilizados também, alguns horários no turno da tarde, para fazer o trabalho
render mais.
30
A partir do dia 15 de novembro, o papel reciclado começou a ser utilizado
pelos alunos nas aulas de Ensino Religioso. Foram utilizados nas aulas que
antecediam o dia de Ação de Graças, onde os alunos puderam se expressar
através da escrita ou do desenho, agradecendo os bons, ou talvez os maus
momentos que tiveram durante o ano e que lhe serviram de lição ou exemplo para
suas vidas.
O papel reciclado, também foi utilizado na confecção de cartões que serão
trocados pelos alunos durante a revelação do amigo secreto das turmas que será
no dia 04 de dezembro. (fotografia em anexo)
Como culminância e para finalizar temporariamente o projeto que se deu
início este ano, no dia 23 de novembro os alunos tiveram a oportunidade de
conhecer duas realidades diferentes: o Aterro Sanitário de Canoas e um Galpão de
Reciclagem no Bairro Guajuviras.
O colégio locou um ônibus e às 8h e 45min estávamos na portaria Do
Aterro Sanitário, onde um engenheiro da Prefeitura, Dr. André nos aguardava.
Primeiramente, ele dialogou com os alunos dentro do próprio ônibus,
colocando sobre a localização do Aterro Sanitário de Canoas.
O Aterro Sanitário fica localizado na Fazenda Guajuviras numa área de 14
hectares. A fazenda pertencia à família Renner e foi doada para o município.
Durante o caminho que levava até o lugar onde o lixo fica aterrado,
observou-se algumas espécies de plantas, sendo a predominante o eucalipto, uma
espécie exótica. O município pretende fazer um remanejo destes eucaliptos,
trazendo para a fazenda espécies nativas.Outro projeto do município,é transformar
a fazenda em uma área recreativa e esportiva.
Chegando na área onde o lixo é depositado e aterrado, o primeiro momento
foi um impacto, pois por mais que estivessem preparados, os alunos ficaram
surpresos com a área e observou-se reclamações em função do odor que inalavam.
Neste momento retomou-se a conscientização da importância da reciclagem, pois
quanto mais acúmulo de resíduos sólidos no Aterro Sanitário, mais pessoas
deverão estar expostas no local para retirá-los.
No momento que os alunos conseguiram respeitar a realidade caminharam
pelo aterro para conhecê-lo melhor.O engenheiro, Dr. André fez paradas em pontos
31
específicos para explicar o funcionamento do mesmo e respondeu as perguntas
dos alunos (Fotografia em anexo).
O Aterro Sanitário de Canoas está em funcionamento desde 1983, quando
ele foi projetado, seu solo foi impermeabilizado para impedir a penetração de
líquidos (chorume).
No Aterro Sanitário é depositado diariamente 200 toneladas de lixo
doméstico, isso significa 30 caminhões de lixo por dia. O lixo trazido pelos
caminhões é esparramado e compactado por tratores, sendo coberto por uma
camada de terra.(fotografia em anexo) O lixo hospitalar e industrial não é
encaminhado para o aterro, pois é considerado lixo perigoso.
O chorume proveniente da decomposição do material orgânico é canalizado
e encaminhado para lagoas naturais (fotografia em anexo) existentes próximas ao
aterro. Dessas lagoas o chorume é recolhido por caminhões multitarefa (a vácuo) e
encaminhado para as extrações de tratamento de esgotos no Mato Grande.
A decomposição da matéria orgânica gera gás, sendo o principal o gás
metano que é recolhido no próprio dreno do chorume. Desse dreno sobem colunas
que formam as chaminés, onde o gás e queimado. (Fotografia em anexo). Duas
vezes por dia passa o funcionário responsável pelas chaminés para fazer a queima
do gás. O lixo orgânico gera poluição durante 15 ou 20 anos .
O maior problema é que o nosso Aterro Sanitário está com sua vida útil
contada, ele só comportará acúmulo de lixo até metade do próximo ano. Se todas
as pessoas reciclassem seu lixo, o aterro resistiria por mais tempo, pois o acúmulo
de resíduos sólidos tira espaço e diminui a vida útil do aterro.
O aterro foi projetado para receber 5 mil toneladas de lixo por mês
atualmente recebe 6,5 toneladas a cada mês. Isso é preocupante, pois as lagoas
estão com dificuldade de comportar a quantidade de chorume. Atualmente a
prefeitura investe duzentos mil reais mensalmente pra manter o Aterro Sanitário.
A prefeitura está esperando a liberação da FEPAM para expandir o Aterro
Sanitário para uma pequena área de eucaliptos por mais quatro anos. Se isso não
for aprovado, provavelmente o lixo será encaminhado para um novo aterro numa
jazida de carvão em Minas do Leão.
Depois de conhecer o aterro, os alunos foram para o ônibus novamente e
seguiram até o galpão de reciclagem, localizado no Bairro Guajuviras.
32
No galpão, recebemos a atenção do Sr. Clovis, presidente da associação.
Ele falou-nos sobre o galpão e mostrou seu funcionamento.(Fotografia em anexo)
O galpão de reciclagem chama-se ARLAS (Associação de Reciclagem de
Lixo Amigo Solidário), foi fundado no ano de 2000. Trabalham nessa associação 21
mulheres e 3 homens. O valor arrecadado mensalmente com a venda dos materiais
é dividido entre os trabalhadores.
O material que essa associação recebe é da própria coleta seletiva da
prefeitura.O caminhão da coleta seletiva descarrega os resíduas sólidos
arrecadados, as mulheres separam o material em bancadas (fotografia em anexo) e
este é colocado em lugares chamados de gaiolas. (Fotografia em anexo)
A partir do momento que o material está separado (plásticos, garrafas pet,
papelões, papel, caixas de leite e outros), ele é colocado na prensa para fazer
fardos.O peso dos fardos depende do material, por exemplo, o fardo de papelão
pesa em média 100 kg, de garrafas pet 60 kg e de plástico 120 kg. Depois esses
fardos de material reciclável são vendidos para uma empresa em Gravataí. Essa
empresa faz uma nova separação e encaminha para devida reciclagem, onde os
resíduos serão transformados.
O ARLAS, além de fazer a reciclagem dos resíduos sólidos, realiza também
outros projetos dentro da comunidade. No próprio galpão montaram uma sala, a
qual, chamam de sala de aula (fotografia em anexo), onde crianças da comunidade
aprendem a tocar violão, podem fazer pesquisas e até mesmo ter aulas de reforço.
Os livros que estão disponíveis para pesquisa ou até mesmo para estudos, foram
todos encontrados no material que a associação recebe do caminhão da coleta
seletiva do município.
Para realizar as duas visitas levou-se praticamente toda a manhã. O
relatório (questões em anexo) foi realizado na aula seguinte.
Para finalizar o projeto desenvolvido com os aluno neste ano de 2007, foi
aplicado o mesmo instrumento de pesquisa (em anexo) citado no início do
desenvolvimento deste trabalho para verificar se houve aprendizado, ou mudança
de atitude das famílias em relação a separação do lixo.
33
PRIMEIRA VEZ SEGUNDA VEZ
SIM NÃO SIM NÃO
1 25 41 33 33
2 37 29 55 11
3 58 08 66 0
4 20 46 28 38
5 29 37 36 30
6 41 25 63 03
7 41 25 56 10
8 44 22 38 28
9 61 5 64 02
10 23 na família 61 na escola 66 escola 33 escola e família
34
4 CONCLUSÃO
A tarefa de se trabalhar educação ambiental na escola convoca além dos
alunos, educadores e funcionários, a contribuírem cada um com sua parcela de
comprometimento para que ocorra a tão desejada transformação desse modelo de
sociedade que prevalece até hoje.
Os educadores precisarão assumir a identidade de trabalhadores sociais,
promovendo ações que redimensionem novas práticas referentes à qualidade de
vida que almejamos de maneira a conviver harmonicamente com o meio ambiente.
Os temas que permeiam a “Educação Ambiental” devem ser abordados em
todas as disciplinas para que aja uma maior conscientização por parte do aluno e
conseqüentemente das famílias sobre importância do meio ambiente para cada ser
humano.
Os bens da Terra são um patrimônio de toda a humanidade.Seu uso deve
estar sujeito a regras de respeito às condições básicas da vida no planeta; dentre
elas, a qualidade de vida dos que dependem desses bens e do entorno de onde
eles são extraídos ou processados. Deve-se cuidar, portanto, para que esse uso
pelos seres humanos seja conservativo, isto é, que gere o menor impacto possível
e respeite as condições de sustentabilidade diante dos recursos. Além disso, o
maior bem-estar das pessoas não é diretamente proporcional à maior quantidade
de bens que consomem. O atual modelo econômico estimula um consumo
crescente e irresponsável de bens materiais, mas depara-se com a constatação de
que há um limite para esse consumo, sob pena de condenar boa parte da vida na
Terra ao desaparecimento.
Uma tarefa importante par o professor, associada ao tema meio ambiente é
a de estimular o aluno a desenvolver um espírito de critica ao consumismo.
35
Como o ser humano só ama aquilo que conhece, há necessidade de
desenvolver-se uma relação afetiva do mesmo com a natureza, conscientizando-o
que faz parte da natureza e que dela depende sua sobrevivência.
É preciso minimizar o impacto sobre os recursos não-renováveis, tais como:
minérios, petróleo, gás e carvão mineral, os quais não podem ser usados de
maneira “sustentável”, mas podem ser retirados de modo a reduzir perdas e
impactos. A pratica da reciclagem contribui efetivamente para esse processo, na
medida em que “prolonga a vida” de materiais não-renováveis.
Conscientizar o aluno sobre questões dos resíduos sólidos e sua
reciclagem, não é uma tarefa fácil, pois todos querem livrar-se, o quanto antes do
lixo produzido e, uma vez, os resíduos colocados distantes dos olhos, acredita-se
que não se têm mais responsabilidades pelos mesmos.
A partir da análise das informações resultantes da aplicação do instrumento
de pesquisa identifica-se algumas mudanças de atitudes por parte dos alunos.
O instrumento de pesquisa revelou haver mudanças significativas entre a
media das respostas obtidas antes e depois da execução do projeto (gráfico em
anexo).
Conclui-se então, que houve resultados positivos com a implementação do
projeto, houve aprofundamento no conhecimento dos alunos em relação ao tema
estudado, embora não tenha sido possível atingir a todos. Para que realmente
surgissem mudanças eficazes na concepção dos alunos em relação ao meio
ambiente, com ênfase nos resíduos sólidos, ou seja, para que todos os objetivos
propostos fossem alcançados, é necessário um período mais longo, e uma
continuidade do trabalho nas series seguintes.
É preciso salientar que os trabalhos práticos realizados durante o
desenvolvimento do projeto, seja a reciclagem do papel ou o confronto com a
realidade na visita ao Aterro Sanitário e ao Galpão de Reciclagem colaboraram
para desenvolver a consciência crítica nos alunos.
36
REFERÊNCIAS
DIAS, Genibaldo Freire. Atividades interdisciplinares de educação ambiental.
São Paulo: Global, 1994.
ISAIA, Enise Bezerra Ito (Coord.). 2. ed. Reflexões e práticas para desenvolver
educação ambiental. Santa Maria: UNIFRA, 2001.
KUPSTAS, Márcia (Org.) Ecologia em debate. São Paulo: Moderna, 1997.
MARTINS, Ion Trindade. Terra nossa casa: momentos de decisão. Porto Alegre:
Ediplat, 2002.
MOSER, Antônio. O problema ecológico e suas implicações éticas. 2. ed.
Petrópolis: Vozes, 1984.
RUCHEINSKY, Aloísio. Educação ambiental: abordagen múltiplas. Porto Alegre:
Artmed, 2002.
SCARLATO, Francisco Capuano, PONTIN, Joel Arnaldo. Do nicho ao lixo:
ambiente, sociedade e educação. São Paulo: Atual, 1992.
SANTOS, Amélia S. F. ; AGNELLI, José Augusto M. ; MANRICH, Sati. Estudo da
influência de resíduos catalíticos na degradação de plásticos reciclados (Blenda
HDPE/PP e PET) provenientes de lixo urbano. Polímeros, v.9, n. 4, oct./dec., 1999.
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0104-
14281999000400031&1. Acesso em 22 05 2007.
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares
Nacionais: Ciências Naturais. 1. ed. Brasília, MEC/SEF, 1997.
TAVARES, Carla; FREIRE Isa Maria. Lugar do lixo é no lixo; estudo de assimilação
da informação. Ciência da Informação, v. 32, n. 2, may/ago. 2003. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0100-
19652003000200013&1. Acesso 22 de maio de 2007.
37
VIANNA, Aurélio; MENEZES, Lais; IÓRIO, Maria Cecília; RIBEIRO, Vera Masagão
(Orgs.). Educação ambiental: uma abordagem pedagógica dos temas da
atualidade. 3. ed. Rio de Janeiro: CEDI:Koinonia; São Paulo: Ação Educativa;
Erexim, RS: CRAB, 1995.
USP recicla. Como reciclar papel. 2003. Disponível em:
http://www.cecal.usp.br/recicla . Acesso em 05 junho 2007.
38
APÊNDICES
39
40
41
ANEXOS UTILIZADOS
42
PAPEL RECICLADO ARTESANAL
O papel nada mais é que um emaranhado de fibras vegetais. Ao transformar papel usado em novo, estamos
na verdade desfazendo essa trama e entrelaçando as fibras novamente. A partir do papel artesanal, é possível
confeccionar papéis de carta, marcadores de livros, porta-retratos, porta-lápis, capas de caderno, livros,
cartões de visitas, envelopes, convites, papel e embalagens de presentes, entre muitas outras possibilidades.
Entre os tipos de papel que podem ou não ser reciclados, temos:
RECICLÁVEIS
jornais e revistas, folhas de caderno, formulários de computador, envelopes, rascunhos, caixas em geral,
aparas de papel, fotocópias, papel de fax, cartazes e folhetos
NÃO RECICLÁVEIS
papel carbono, fita crepe, papéis metalizados, papéis parafinados, papéis plastificados, papéis sanitários,
"papel" de bala, embalagens de biscoitos, papéis sujos, etiqueta adesiva, tocos de cigarro e fotografias
O que você precisa:
• papel e água
• bacias: rasa e funda
• balde
• moldura de madeira com tela de nylon ou peneira reta
• moldura de madeira vazada (sem tela)
• liquidificador
• jornal ou feltro
• pano (ex.: morim)
• esponjas ou trapos
• varal e pregadores
• prensa ou duas tábuas de madeira
• peneira côncava (com "barriga")
• mesa
Etapas:
A - Preparando a polpa:
Pique o papel e deixe de molho durante um dia ou uma noite na bacia rasa, para amolecer. Coloque água e
papel no liquidificador, na proporção de três partes de água para uma de papel. Bata por dez segundos e
desligue. Espere um minuto e bata novamente por mais dez segundos. A polpa está pronta.
43
B - Fazendo o papel:
1. Despeje a polpa numa bacia grande, maior que a moldura.
2. Coloque a moldura vazada sobre a moldura com tela. Mergulhe a
moldura verticalmente e deite-a no fundo da bacia.
3. Suspenda-as ainda na posição horizontal, bem devagar,
de modo que a polpa fique depositada na tela. Espere o
excesso de água escorrer para dentro da bacia e retire
cuidadosamente a moldura vazada.
44
5. Tire o excesso de água com uma esponja.
6. Levante a moldura, deixando a folha de papel artesanal ainda
úmida sobre o jornal ou morim.
C - Prensando as folhas
Para que suas folhas de papel artesanal sequem mais rápido e o entrelaçamento das fibras seja mais firme,
faça pilhas com o jornal da seguinte forma:
Pendure as folhas de jornal com o papel artesanal no varal até que sequem completamente. Retire cada folha
de papel do jornal ou morim e faça uma pilha com elas. Coloque esta pilha na prensa por 8 horas ou dentro de
um livro pesado por uma semana.
Efeitos decorativos
Misture à polpa: linha, gaze, fio de lã, casca de cebola ou casca de alho, chá em saquinho,
pétalas de flores e outras fibras.
Bata no liquidificador junto com o papel picado: papel de presente, casca de cebola ou de
alho.
Coloque sobre a folha ainda molhada: barbante, pedaços de cartolina, pano de tricô ou
crochê. Neste caso, a secagem será natural - não é necessário pressionar com o pedaço de
madeira.
Para ter papel colorido: bata papel crepom com água no liquidificador e junte essa mistura
à polpa. Outra opção é adicionar guache ou anilina diretamente à polpa.
4. Vire a moldura com a polpa para baixo, sobre um
jornal ou pano.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto escola nagen
Projeto escola nagenProjeto escola nagen
Projeto escola nagen
leisarobles
 
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagemBicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
temastransversais
 
Projeto reciclar é bom, reutilizar é melhor
Projeto reciclar é bom, reutilizar é melhorProjeto reciclar é bom, reutilizar é melhor
Projeto reciclar é bom, reutilizar é melhor
Marilia Andrade Feitosa
 
Slides meio ambiente
Slides meio ambienteSlides meio ambiente
Slides meio ambiente
Rosallyny
 
Projeto meio ambiente 2010
Projeto meio ambiente 2010Projeto meio ambiente 2010
Projeto meio ambiente 2010
rositalima
 
Atividades complementares no turno noturno 2º bim
Atividades complementares no turno noturno 2º bimAtividades complementares no turno noturno 2º bim
Atividades complementares no turno noturno 2º bim
Clotildes Clere Alcântara
 
Oficina 1ª ano conscientização da degradação ambiental
Oficina 1ª ano   conscientização da degradação ambientalOficina 1ª ano   conscientização da degradação ambiental
Oficina 1ª ano conscientização da degradação ambiental
wagneripo
 

Mais procurados (20)

Brochure PT
Brochure PTBrochure PT
Brochure PT
 
Projeto escola nagen
Projeto escola nagenProjeto escola nagen
Projeto escola nagen
 
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagemBicastiradentes meioambiente reciclagem
Bicastiradentes meioambiente reciclagem
 
Projeto reciclar é bom, reutilizar é melhor
Projeto reciclar é bom, reutilizar é melhorProjeto reciclar é bom, reutilizar é melhor
Projeto reciclar é bom, reutilizar é melhor
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
 
Slides meio ambiente
Slides meio ambienteSlides meio ambiente
Slides meio ambiente
 
Educação ambiental - Projeto de EA na comunidade
Educação ambiental - Projeto de EA na comunidadeEducação ambiental - Projeto de EA na comunidade
Educação ambiental - Projeto de EA na comunidade
 
Educação Ambiental
Educação AmbientalEducação Ambiental
Educação Ambiental
 
Projeto meio ambiente 2010
Projeto meio ambiente 2010Projeto meio ambiente 2010
Projeto meio ambiente 2010
 
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTALPROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
PROJETO DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL
 
“TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
 “TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.” “TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
“TRANSFORMAÇÃO E RESSIGINIFICAÇÃO DE OBJETOS COMUNS INCORPORADOS A ARTE.”
 
Rec naturais e energia
Rec naturais e energiaRec naturais e energia
Rec naturais e energia
 
Atividades complementares no turno noturno 2º bim
Atividades complementares no turno noturno 2º bimAtividades complementares no turno noturno 2º bim
Atividades complementares no turno noturno 2º bim
 
Oficina 1ª ano conscientização da degradação ambiental
Oficina 1ª ano   conscientização da degradação ambientalOficina 1ª ano   conscientização da degradação ambiental
Oficina 1ª ano conscientização da degradação ambiental
 
Projeto água
Projeto águaProjeto água
Projeto água
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Projeto Água. Educação Infantil
Projeto Água. Educação InfantilProjeto Água. Educação Infantil
Projeto Água. Educação Infantil
 
Atividade 2.5
Atividade 2.5Atividade 2.5
Atividade 2.5
 
Atividade 2.5
Atividade 2.5Atividade 2.5
Atividade 2.5
 
Projeto sustentabilidade - CEAD UFOP
Projeto sustentabilidade - CEAD UFOPProjeto sustentabilidade - CEAD UFOP
Projeto sustentabilidade - CEAD UFOP
 

Semelhante a Bach 1

Apostila de educação ambiental
Apostila  de  educação ambiental Apostila  de  educação ambiental
Apostila de educação ambiental
danieladod
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
milk Midy
 
Projeto iracema ecotécnicas
Projeto iracema   ecotécnicasProjeto iracema   ecotécnicas
Projeto iracema ecotécnicas
Fabio Roque
 
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
cefaprodematupa
 
Reciclagem - Um Bem Acessível
Reciclagem -  Um Bem AcessívelReciclagem -  Um Bem Acessível
Reciclagem - Um Bem Acessível
Danilo Cesco
 
Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.
Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.
Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.
v4hp2q4ph4
 

Semelhante a Bach 1 (20)

PROJETO-MEIO-AMBIENTE-1-maria-socorro-de-oliveira.pdf
PROJETO-MEIO-AMBIENTE-1-maria-socorro-de-oliveira.pdfPROJETO-MEIO-AMBIENTE-1-maria-socorro-de-oliveira.pdf
PROJETO-MEIO-AMBIENTE-1-maria-socorro-de-oliveira.pdf
 
Apostila de educação ambiental
Apostila  de  educação ambiental Apostila  de  educação ambiental
Apostila de educação ambiental
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Projeto iracema ecotécnicas
Projeto iracema   ecotécnicasProjeto iracema   ecotécnicas
Projeto iracema ecotécnicas
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
 
Reciclagem - Um Bem Acessível
Reciclagem -  Um Bem AcessívelReciclagem -  Um Bem Acessível
Reciclagem - Um Bem Acessível
 
Projecto FuturEscolas - Hortas Sustentáveis
Projecto FuturEscolas - Hortas SustentáveisProjecto FuturEscolas - Hortas Sustentáveis
Projecto FuturEscolas - Hortas Sustentáveis
 
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Grupo 4
 
Apresenta
ApresentaApresenta
Apresenta
 
Elisier e mayara
Elisier e mayaraElisier e mayara
Elisier e mayara
 
Jose Jorge.pptx
Jose Jorge.pptxJose Jorge.pptx
Jose Jorge.pptx
 
Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.
Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.
Aula numero 1 - A Sustentabilidade. Definições.
 
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto CurumimEducação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
 
Rio muriae_ Onde tudo começa
Rio muriae_ Onde tudo começaRio muriae_ Onde tudo começa
Rio muriae_ Onde tudo começa
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
Ufba ecologica
Ufba ecologicaUfba ecologica
Ufba ecologica
 
texto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docxtexto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docx
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 

Bach 1

  • 1. ARLETE MARIA KROTH LOPES A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA EVITAR PROBLEMAS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LIXO DOMÉSTICO CANOAS, 2007
  • 2. ARLETE MARIA KROHT LOPES A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA EVITAR PROBLEMAS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LIXO DOMÉSTICO Trabalho de Conclusão apresentado à banca examinadora do curso de Ciências Econômicas do Universitário La Salle – UNILASALLE, como exigência parcial para a obtenção de Graduação em Biologia, sob orientação do Prof. Jairo Luis Cândido. CANOAS, 2007
  • 3. TERMO DE APROVAÇÃO ARLETE MARIA KROHT LOPES A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA EVITAR PROBLEMAS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LIXO DOMÉSTICO Trabalho de conclusão aprovado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel do Curso de Biologia do Centro Universitário La Salle – Unilasalle, pela seguinte banca examinadora: Prof. Unilasalle Prof. Unilasalle Prof. Unilasalle Canoas, 2007.
  • 4. AGRADECIMENTOS A Deus, em primeiro lugar, por ter me dado a oportunidadde de concluir mais esta etapa da minha vida, dando-me força, perseverança e saúde para enfrentar os desafios encontrados na busca da realização profissional. ...À todas as pessoas que eu amo e que souberam, com paciência, tolerar muitas vezes a minha ausência para que eu pudesse me dedicar aos meus estudos (meu esposo e meus filhos) ...Ao professor orientador Jairo Luís Cândido, pelos momentos de partilha e aprendizado.
  • 5. RESUMO O presente trabalho abordou a importância da reciclagem para evitar problemas ambientais causados pelo lixo doméstico. Para atender ao objetivo de possibilitar aos alunos um maior entendimento sobre os problemas causados pelo lixo em relação ao meio ambiente de modo que compreendam a importância da reciclagem desenvolveu-se um projeto com os alunos da quinta série do colégio da Imaculada. Conclui-se que os resultados foram positivos ocorrendo aprofundando conhecimento no conhecimento sobre reciclagem apesar do curto período. Percebeu-se o desenvolvimento da consciência crítica dos alunos. Palavras-chaves: reciclagem, lixo, meio ambiente. ABSTRACT The present work approached the importance of the recycling to avoid environmental problems caused by the domestic garbage. To assist to the objective of making possible the students a larger understanding on the problems caused by the garbage in relation to the environment so that they understand the importance of the recycling grew a project with the students of the fifth series of the school of the Immaculate. It is ended that the results were positive happening deepening knowledge in the knowledge on recycling in spite of the short period. It was noticed the development of the students' critical conscience. Key words: recycling, garbage, environment.
  • 6. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO........................................................................................................7 2 REVISÃO DA LITERATURA................................................................................10 2.1 Tipos de lixo.....................................................................................................12 2.1.1 Lixo domiciliar .................................................................................................12 2.1.2 Lixo comercial.................................................................................................13 2.1.3 Lixo industrial..................................................................................................13 2.1.4 Lixo perigoso...................................................................................................14 2.1.5 Lixo radiotivo...................................................................................................14 2.1.6 Lixo agrícola....................................................................................................15 2.1.7 Lixo hospitalar e de saúde ..............................................................................15 2.1.8 Lixo público.....................................................................................................15 2.2 Tratamento e disposições de resíduos sólidos ............................................16 2.2.1 Lixões ...........................................................................................................16 2.2.2 Aterro controlado ............................................................................................17 2.2.3 Aterro sanitário................................................................................................17 2.2.4 Incineração .....................................................................................................17 2.2.5 Centro de triagem ou usinas de reciclagem....................................................17 2.2.6 Usina de compostagem ..................................................................................18 2.3 A reciclagem.....................................................................................................18 2.3.1 Reduzir, reutilizar e reciclar.............................................................................19 2.4 Lixo no Brasil: o desperdício..........................................................................20 2.5 A realidade é assustadora...............................................................................21 3 METODOLOGIA...................................................................................................23 3.1 Aspectos gerais do colégio e das turmas .....................................................23 3.2 Desenvolvimento do projeto...........................................................................23 4 CONCLUSÃO.......................................................................................................34
  • 8. 7 1 INTRODUÇÃO Cada vez mais se vivencia tragédias no meio ambiente, em função da má distribuição e do excesso de lixo jogado na natureza. Este problema está prejudicando a sobrevivência dos seres vivos no planeta, sendo assim, existem medidas mitigadoras que podem ser tomadas, uma delas é a reciclagem. Com base no exposto destaca-se como situação problema da presente pesquisa verificar “qual a importância da reciclagem do lixo doméstico para evitar problemas ambientais?”. O tema foco deste estudo está inserido no dia-a-dia que nem sempre é percebido como parte do meio ambiente: o lugar do lixo. O tema é alvo de preocupação, já que, a capacidade da população sujar o espaço urbano é infinitamente maior do que a capacidade do poder público limpá-lo. Essa atitude ocorre pela dificuldade que a população tem, em considerar que a preservação do meio ambiente através da reciclagem é um conceito próximo do seu dia-a-dia. Enquanto a natureza se mostra eficiente em reaproveitamento e reciclagem, os homens são eficientes em produção de lixo. Os ciclos naturais de decomposição e reciclagem da matéria podem reaproveitar o lixo humano. Contudo, uma grande quantidade deste sobrecarrega o sistema. O problema se agrava porque muitas das substancias manufaturadas pelo homem não são biodegradáveis, isto é, não se decompõe facilmente. Alguns materiais considerados lixo pela população como vidros, papéis, latas e plásticos, levam muitos anos para se decompor, além disso, sobrecarregam os aterros sanitários, ou mesmo os lixões a céu aberto, causando a poluição.
  • 9. 8 Com o propósito de proporcionar uma qualidade de vida para todos os seres vivos do planeta, este trabalho vem propor e mostrar aos alunos de 5ª série do Colégio da Imaculada a importância da reciclagem. Este tema justifica-se no sentido de despertar a consciência ecológica nos jovens de modo a contribuir para a preservação do meio ambiente através de ações cotidianas e efetivas. Da preocupação com o destino e armazenamento do lixo produzidos nos grandes centros urbanos, surgiu a opção pelo trabalho com o tema da reciclagem do lixo, numa perspectiva da educação ambiental. Enfatiza-se, ainda, a importância de se trabalhar esse assunto nas escolas, principalmente com o ensino fundamental, considerando-se que a conscientização ecológica deve começar nas séries iniciais, para que futuramente possamos ter adultos com uma concepção de desenvolvimento diferente, que favoreça uma relação homem-natureza mais harmônica. O objetivo geral proposto para este trabalho foi o de possibilitar aos alunos um maior entendimento sobre os problemas causados pelo lixo em relação ao meio ambiente para que possam compreender a importância da reciclagem. De modo a atingir este objetivo central foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos: explicar o que é lixo, classificar os diferentes tipos de resíduos sólidos e o tempo para sua decomposição, despertar de maneira prática a importância da reciclagem de diversos materiais, proporcionar uma visita à usina de reciclagem e ao aterro sanitário, ambos no município de Canoas. A terra é o único planeta conhecido que possui vida, tem recursos e materiais que permitem que plantas e animais sobrevivam, fornece água, ar, energia, alimento, minerais, metais e remédios, assim como dispõe de sistemas de reciclagem, pelos quais os recursos são reutilizados. Ela mantém também nossa qualidade de vida, no entanto os recursos e materiais são limitados e precisam ser usados com sabedoria e conservados. A sobrevivência e o bem-estar na Terra estão ligados ao meio ambiente. Nossa própria vida e a das futuras gerações dependem que se trate a Terra com cuidado e respeito. Para demonstrar respeito e cuidado com o meio ambiente, pode-se tomar atitudes simples no dia-a-dia, uma delas é fazer a separação do lixo seco e
  • 10. 9 orgânico em nossas próprias casas. Se cada um fizer a sua parte, pode-se amenizar o grande problema do excesso de lixo, que se está vivenciando.
  • 11. 10 2 REVISÃO DA LITERATURA A educação ambiental no ensino formal tem enfrentado inúmeros desafios, entre os quais, poderíamos destacar o de como inserir-se no coração das práticas escolares desde sua condição de transversalidade. Afinal, como ocupar um lugar na estrutura escolar desde essa espécie de não-lugar que é a transversalidade? Para a educação ambiental, constituir-se como temática transversal pode tanto ganhar o significado de estar em todo lugar quanto, ao mesmo tempo, não pertencer a nenhum dos lugares já estabelecidos na estrutura curricular que organiza o ensino. Por outro lado, como ceder à lógica segmentada do currículo, se a educação ambiental tem como ideal a interdisciplinaridade e uma nova organização do conhecimento? Em outras palavras, poderíamos dizer que como herdeira direta do movimento ecológico e da inspiração contracultural, a educação ambiental quer mudar todas as coisas. A questão é saber como, por onde começar e os melhores caminhos para a efetividade desta reconstrução da educação (PCN: Ciências Naturais, 1997). Acredita-se que o tema em questão, pela sua gravidade, deve estar inserido em todas as disciplinas e não apenas em Ciências, ressaltando-se que o ensino para o meio ambiente tem dupla finalidade, ou seja, formar intelectualmente os alunos e torná-los cidadãos democráticos e conscientes de suas responsabilidades. A proposta pedagógica ultrapassa a adesão a projetos de despoluição e/ou preservação, para vir a compreender um desenvolvimento social e sustentável. Ao mesmo tempo, pretende-se ir além da escola e impregnar toda a sociedade, todos os ambientes , a começar pela conversão da subjetividade. (RUSCHEINSKY, 2002, p. 61) Atualmente, muito se fala e muito se escreve sobre a preservação do planeta Terra, principalmente, no que diz respeito à educação ambiental. Vivemos
  • 12. 11 num mundo intensamente influenciado pelas atividades de causa antrópica, onde a natureza é desrespeitada indiscriminadamente (SCARLATO, 2002). O homem, pretensamente, vive em dois mundos: o primeiro é o natural, do qual ele faz parte; o outro é o mundo dos mecanismos criados pelo próprio homem para sua sobrevivência. As ações do homem sobre a natureza têm resultados no meio ambiente, os quais são chamados de efeitos ou impactos ambientais. Quando esses impactos suplantam a capacidade de suporte do meio ambiente, ou ainda, quando desestruturam a vida das populações que tradicionalmente habitavam os locais atingidos, podemos chamá-los de efeitos negativos. Estes se não são controlados, acabam por deteriorar a qualidade de vida dos seres humanos. Os diversos tipos de poluição e de degradação ambiental passam a ameaçar a sobrevivência dos homens e de outros seres vivos do planeta. (VIANNA et al, 1995, p.14). Qualquer atividade humana produz resíduos, os resíduos sólidos configuram um dos grandes problemas que ameaçam a vida sobre a Terra. Além de poluir o solo, a água e o ar, também é capaz de oferecer abrigo para animais que veiculam doenças diversas. A crescente utilização de produtos descartáveis e o desperdício são fatores que agravam a produção de lixo em todo o mundo, somando-se à produção de resíduos gerados durante a sua fabricação, sendo estes resíduos recicláveis ou não. A palavra lixo, derivada do termo latim lix, significa “cinza”. No dicionário, ela é definida como sujeira, imundice, coisa ou coisas inúteis, velhas, sem valor. Lixo, na linguagem técnica, é sinônimo de resíduos sólidos gerado pelo homem em suas atividades, considerado pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis. Desde os tempos mais remotos até meados do século XVIII, quando surgiram as primeiras indústrias na Europa, o lixo era produzido em pequena quantidade e constituído essencialmente de sobras de alimentos. A partir da Revolução Industrial, as fábricas começaram a produzir objetos de consumo em larga escala e a introduzir novas embalagens no mercado, aumentando consideravelmente o volume e a diversidade de resíduos gerados nas áreas urbanas. O lixo industrial e doméstico se enquadra no sentido mais abrangente de poluição, mas analisada sob diversos aspectos, pode também ser visto como um problema social ou, ao contrário, como uma solução, ou, pelo menos um paliativo para vários outros problemas. Tudo
  • 13. 12 depende de como ele é tratado. A recuperação de produtos como papel, plásticos, metais e outros, além de amenizar significativamente o impacto que os resíduos causam ao ambiente, pode se constituir numa alternativa a ser explorada diante do esgotamento de recursos não renováveis. Por fim,certas técnicas do tratamento do lixo permitem, entre outras coisas, obter energia. (SCARLATO e PORIN, 1992, p. 54) O lixo sem tratamento adequado constitui grave problema sanitário, capaz de transmitir várias doenças, tais como diarréias infecciosas, parasitoses, amebíase e serve ainda de abrigo para ratos, baratas, moscas, mosquitos, formigas e escorpiões, além de outros transmissores de doenças e animais venenosos. Além disso, o chorume resultante da decomposição do lixo pode contaminar os aqüíferos, contaminando assim a água de consumo diário. Os lixões tornam-se locais perfeitos para proliferação do Aedes aegypti, o mosquito vetor de transmissão da dengue, oferecendo as melhores condições para sua reprodução e desenvolvimento. 2.1 Tipos de lixo Conforme sua composição e origem, os resíduos podem ser orgânicos ou inorgânicos e podem ser classificados como: 2.1.1 Lixo domiciliar Originário da vida diária das residências,são em sua maioria orgânicos, como restos de alimentos, sendo encontrados também resíduos minerais, como latas, vidros e sintéticos como os plásticos. O lixo domiciliar é gerado em residências urbanas e também residências rurais. De uma maneira geral,nas áreas rurais, o lixo doméstico é queimado ou enterrado. A partir de 1986, os resíduos de feiras e mercados também foram incluídos na classificação do lixo doméstico pela grande quantidade de material orgânico produzidos nestes locais,
  • 14. 13 Os resíduos domésticos são processados basicamente d quatro maneiras: incineração compostagem, utilização de biodigestor e aterro sanitário. 2.1.2 Lixo comercial São originados nos diversos estabelecimentos comerciais e de serviços como lojas, estabelecimentos bancários, supermercados e restaurantes, entre outros, junta-se ao domiciliar, por possuírem componentes semelhantes do tratamento unificado. 2.1.3 Lixo industrial A indústria é responsável por grande quantidade de lixo – sobras de carvão mineral, refugos da indústria metalúrgica, lixo químico, gás e fumaça pelas chaminés das fábricas. Os resíduos industriais são variados e podem se apresentar sob a forma de cinzas, lodos, óleos, resíduos alcalinos ou ácidos, plásticos, papel, madeira, fibras, borrachas, metal, escórias, vidros e cerâmicas. A indústria dá origem à grande maioria do lixo considerado tóxico. O gerenciamento dos resíduos industriais engloba padrões de armazenamento, manuseio, transporte e tratamento para que possa ser dispostos de maneira adequada, a evitar danos ambientais e à saúde pública em aterros sanitários e industriais. O Código Estadual do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, coloca que “compete ao gerador a responsabilidade pelos resíduos produzidos” e, também, prevê que “a terceirização de serviços não isenta a responsabilidade do gerador pelos danos que vieram a ser provocados”.
  • 15. 14 2.1.4 Lixo perigoso De acordo com a NBR 10004/1987, resíduos perigosos (classe I) são aqueles que apresentam periculosidade ou possuem uma das características a seguir: inflamabilidade; corrosividade; reatividade; toxicidade; patogenicidade; A periculosidade de um resíduo é descrita na NBR 10004/1987 como sendo a “característica apresentada por um resíduo, que, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infectocontagiosas, pode apresentar: a) riscos à saúde pública, provocando ou acentuando, de forma significativa, um aumento de mortalidade ou incidência de doenças, e/ou b) riscos ao meio ambiente, quando o resíduo é manuseado ou destinado de forma inadequada. De acordo com a Agenda 21 Global – Capitulo 19, Seção II – milhares de produtos químicos são usados nas diferentes atividades humanas mas os riscos para a saúde e o meio ambiente ainda são desconhecidos. 2.1.5 Lixo radiotivo É emitido por materiais radioativos como urânio, potássio, tório, carbono e iodo e toda radiação pode ser prejudicial aos homens e outros animais porque danificam as células vivas. Quanto maior o nível de radiação, maior será o dano causado. De acordo com o disposto no capitulo 22, Seção II da Agenda 21 Global, o lixo radioativo mais perigoso é o lixo de alto nível – aquele gerado no ciclo do combustível nuclear – e o combustível nuclear gasto, que são produzidos aproximadamente 10 mil metros cúbicos de rejeitos radioativos, correspondendo a 99% dos radionuclídeos que têm que ser descartados.
  • 16. 15 2.1.6 Lixo agrícola Engloba os resíduos provenientes das atividades agrícolas – embalagens de adubos, defensivos agrícolas, produtos químicos e restos de colheitas – bem como os provenientes das atividades pecuárias – embalagens de ração e esterco gerado em grande quantidade, por serem altamente tóxicos ou poluentes da água, sendo necessário, cuidados na destinação final e legislação específica, levando à co-responsabilidade, juntamente com agricultor, os fabricantes destes produtos. 2.1.7 Lixo hospitalar e de saúde Esse lixo é denominado resíduo séptico, pois contem ou pode conter germes patogênicos. É composto de seringas e agulhas, algodão, gaze e bandagens, materiais e animais usados em testes e meios de culturas, sangue coagulado, luvas descartáveis, remédios com validade vencida, bem como de órgãos e tecidos removidos, entre outros. Esses resíduos são gerados em clinicas, laboratórios, farmácias, clinicas veterinárias, postos de saúde e hospitais. Atualmente, na tecnologia para o tratamento do lixo hospitalar pode se utilizar vários sistemas. Um exemplo é o de desativação eletrotérmica, que consiste na deposição dos resíduos em um fosso fechado, a prova de vazamento; passagem por dupla trituração e posterior exposição a um campo elétrico de alta potência, gerado por ondas eletromagnéticas de baixa freqüência, que desinfeta o material devido ao aquecimento a uma temperatura de 95°C. 2.1.8 Lixo público A varrição é outro tipo de resíduo que também contribui no aumento do lixo em depósitos e são os resíduos provenientes da limpeza de ruas, calçadas e logradouros. Os resíduos de podas de árvores, como galhos e folhas, limpeza de bueiros, galerias e córregos e limpeza de praias, embalagens e resíduos de limpeza
  • 17. 16 de áreas de feiras livres, que são coletados pelas prefeituras, também fazem parte deste grupo de resíduos sólidos. Os resíduos sólidos, resultantes da atividade humana, devem ser dispostos corretamente e receberem o tratamento adequado, mas esse processo nem sempre faz parte de nossa realidade. 2.2 Tratamento e disposições de resíduos sólidos 2.2.1 Lixões Local onde o lixo é jogado a céu aberto e sem qualquer proteção ao meio ambiente, causando a poluição do solo, do ar, da água subterrânea, de rios, riachos, mau cheiro, proliferação de doenças e animais como ratos, baratas, moscas, urubus e outros. Geralmente existem catadores de lixo que sobrevivem retirando alimentos e separando lixos recicláveis para comercializar. No Brasil é o destino final para 90% do lixo. Principais danos causados pelos lixões: mau cheiro; poluição dos cursos d’água; poluição da água subterrânea; transmissão de doenças; desvalorização dos imóveis vizinhos; acúmulo de animais daninhos como ratos, baratas, escorpiões, entre outros.
  • 18. 17 2.2.2 Aterro controlado Quando o local de disposição final do lixo é cercado, o lixo é coberto com terra diariamente e existe fiscalização, impedindo a circulação de catadores. 2.2.3 Aterro sanitário Nos aterros a área de disposição é cercada, os resíduos são depositados em camadas compactadas e cobertas com argila ao término de cada dia de trabalho para evitar mau odor e insetos. Neste sistema os gases oriundos da decomposição da matéria orgânica são coletados e queimados. O chorume (líquido que resta) é drenado e removido para tratamento adequado. 2.2.4 Incineração Os resíduos sólidos são queimados em usinas de incineração, onde passa pelo setor de recepção e pesagem, após são colocados em câmaras de combustão. Vantagens deste processo: redução do volume do lixo para 25%; neutraliza a ação das bactérias. É um processo muito caro e é utilizado mais para o lixo hospitalar. Pode ser aproveitado para produção de energia elétrica. 2.2.5 Centro de triagem ou usinas de reciclagem Local onde o lixo é separado por catadores. O material reciclável é separado segundo seu tipo (papel, vidro, metal e plástico) e vendido para empresas que promovem a reciclagem. O material orgânico é geralmente encaminhado para a compostagem.
  • 19. 18 2.2.6 Usina de compostagem Local onde o lixo orgânico é separado, triturado, peneirado e após processo de compostagem é transformado em adubo orgânico. Dá-se o nome de compostagem ao processo biológico de decomposição da matéria orgânica contida em restos de origem vegetal e/ou animal. Esse processo tem como resultado final um produto que pode ser aplicado ao solo para melhorar suas características, sem ocasionar riscos ao meio ambiente. As vantagens da compostagem são: aumenta a vida útil do aterro sanitário, já que 50% do lixo municipal é constituído por matéria orgânica; aproveitamento agrícola da matéria orgânica; reciclagem de nutrientes para o solo; processo ambientalmente seguro; eliminação de patógenos que causam danos a saúde da população. 2.3 A reciclagem A educação ambiental é uma peça fundamental para o sucesso de qualquer programa de coleta seletiva. A educação visa ensinar o cidadão sobre o seu papel como gerador de lixo. Quando a população fica ciente do seu poder e seu dever de separar o lixo, passam a contribuir mais ativamente ao programa. Com isso, haverá um desvio cada vez maior dos materiais que outrora iam para o aterro – é uma economia de recursos. O processo de reciclagem é composto de várias fases, porém sua realização depende de uma ação fundamental: a separação prévia dos materiais. A maior parte dos objetos jogados fora não está suja, torna-se suja depois de misturada. E então torna-se muito difícil de se separar com bom aproveitamento. Os resíduos, quando dispostos e recolhidos de modo convencional, são pouco aproveitados. Um material contamina o outro - o material úmido (restos de alimentos, líquidos em geral) suja o material seco (papel, plástico, etc.),
  • 20. 19 prejudicando a separação e a qualidade. Se o material reciclável fosse colocado no seu devido lugar, desde o momento em que é descartado, possibilitaria um maior aproveitamento dos mesmos e a quantidade de lixo que não pode ser reciclado seria muito menor. Esse é só o começo do que chamamos de coleta seletiva. Trata-se da separação e recolhimento, desde a origem, dos materiais potencialmente recicláveis. 2.3.1 Reduzir, reutilizar e reciclar Um dos princípios básicos da educação ambiental sobre o lixo é o conceito dos três erres: Reduzir, Reutilizar e Reciclar. O cidadão deve aprender a reduzir a quantidade do lixo que gera. A redução não implica em padrão menos agradável de vida. É simplesmente uma questão de reordenar os materiais que são usados no dia a dia. Uma das formas de se tentar reduzir a quantidade de lixo gerada é diminuir o desperdício de produtos e alimentos consumidos. A partir do momento em que este desperdício resulta em ônus para o poder público e para o contribuinte, a redução do volume de lixo significa redução de custos, além de fator decisivo na preservação dos recursos naturais. Existem inúmeras formas de reutilizar os mesmos objetos, até por motivos econômicos. Escrever nos dois lados da folha de papel, usar embalagens retornáveis e reaproveitar embalagens descartáveis para outros fins são apenas alguns exemplos. Uma parcela do comércio formal já contribui para essa prática, na medida em que os “sebos” trabalham basicamente com livros usados, assim como os “brechós” comercializam desde roupas até móveis usados. A reciclagem forma a terceira ponta do tripé, sendo a alternativa quando não é mais possível reduzir nem reutilizar. Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que é jogado fora. A palavra reciclagem foi introduzida ao vocabulário internacional no final da década de 80, quando foi constatado que as fontes de petróleo e outras matérias-primas não renováveis estavam se esgotando. Para compreender a reciclagem, é importante
  • 21. 20 “reciclar” o conceito de lixo, deixando de enxergá-lo como uma coisa suja e inútil em sua totalidade. O primeiro passo é perceber que o lixo é fonte de riqueza e que para ser reciclado deve ser separado. Ele pode ser separado de diversas maneiras, sendo a mais simples separar o lixo orgânico do inorgânico (lixo molhado/ lixo seco). Benefícios: o contribui para diminuir a poluição do solo, água e ar; o melhora a limpeza da cidade e a qualidade de vida da população; o prolonga a vida útil de aterros sanitários; o melhora a produção de compostos orgânicos; o gera empregos para a população não qualificada; o gera receita com a comercialização dos recicláveis; o estimula a concorrência, uma vez que produtos gerados a partir dos reciclados são comercializados em paralelo àqueles gerados a partir de matérias-primas virgens; o contribui para a valorização da limpeza pública e para formar uma consciência ecológica. A reciclagem surgiu como uma maneira de reintroduzir no sistema uma parte da matéria e da energia, que se tornaria lixo. Os resíduos são coletados, separados e processados para serem usados como matéria-prima na manufatura de bens, os quais eram feitos anteriormente com matéria-prima virgem. A reciclagem propicia a economia de energia, água e matéria-prima, gera emprego e renda nas etapas de coleta, separação e comercialização do material reciclado. 2.4 Lixo no Brasil: o desperdício O Brasil produz aproximadamente 230 mil toneladas de lixo por dia. Cada brasileiro produz, em média, 500 gramas de lixo diariamente, podendo chegar até a mais de 1 kg, dependendo do poder aquisitivo e local em que mora. Em algumas cidades brasileiras quase a metade do lixo não é coletado e sim atirado de qualquer maneira nas ruas, em terrenos baldios, em rios, lagos, no
  • 22. 21 mar etc. Segundo dados do IBGE, o lixo produzido nas cidades brasileiras recebe a seguinte destinação final: 76% em lixões; 13% em aterros controlados; 10% em aterros sanitários; 1% passam por algum tipo de tratamento: reciclagem, compostagem e incineração. 2.5 A realidade é assustadora O crescimento populacional da espécie humana provocou, em grande escala, uma situação de desequilíbrio na relação homem-natureza. De uns tempos para cá, o homem vem inventando novas tecnologias e aumentando sua capacidade de transformar a natureza. Tais habilidades para modificar o entorno trazem benefícios, mas também causam problemas. Um dos problemas mais sérios é o esgotamento dos recursos naturais: acredita-se que a natureza era uma fonte ilimitada, inesgotável de recursos; porém, a realidade tem mostrado que não o é. O outro grande problema são os resíduos sólidos espalhados pelo planeta. Tudo o que consumimos deveria voltar para os ciclos da natureza. Entretanto, o homem cria certos produtos que a natureza tem dificuldades para reciclar. Para o homem, o conceito de lixo nada mais é do que aquilo que não é útil. Porém, o grande caos é formado quando o indivíduo devolve a natureza, de modo indiferente, os resíduos, principalmente os urbanos, quer sejam sólidos, líquidos ou gasosos (ISAIA, 2001). Segundo Martins (2002), o lixo hoje, se transformou num problema muito sério, que está atormentando as administrações municipais por todo o lado. Ele é uma realidade que não pode ser mais ignorada ou escondida atrás de um morro logo ali. Além disso, ninguém quer ter montanhas de rejeitos próximas de sua casa. E o agravante nesse processo é que as quantidades coletadas diariamente crescem assustadoramente. Na maioria das grandes cidades, o lixo já ultrapassa as mil toneladas diárias. O professor precisa estar bem integrado com o tema e ciente de que é o grande responsável pela sensibilização dos alunos em relação às questões
  • 23. 22 ambientais, principalmente, em se tratando de resíduos sólidos, pois estamos na era do descartável, em que a maioria dos produtos, desde guardanapos de papel e latas de refrigerante, até computadores, são inutilizados e jogados fora com enorme rapidez. Ao mesmo tempo, o crescimento acelerado das grandes cidades fez com que as áreas disponíveis para depósitos de resíduos se tornassem escassas. Desta forma, os resíduos acumulam-se no ambiente, aumentando a poluição do solo, das águas e, conseqüentemente, gerando graves problemas à saúde pública das populações do mundo inteiro, principalmente nas regiões menos desenvolvidas. A escola, como instituição voltada à produção do saber crítico, deve refletir e agir no sentido de mobilizar as pessoas em prol do ambiente. Hoje, mais do que nunca, professor e escola devem incluir nos seus currículos e programas temas ligados à crise ambiental, sendo que a problemática de questões referentes ao lixo devem ser sempre retomadas, pois o que está em jogo nesta questão é exatamente o sentido do homem e da sua existência.
  • 24. 23 3 METODOLOGIA 3.1 Aspectos gerais do colégio e das turmas O projeto “A importância da reciclagem para evitar problemas ambientais causados pelo lixo doméstico” foi desenvolvido com alunos de 5ª séries do Colégio da Imaculada no bairro Rio Branco em Canoas. É um Colégio da rede privada que acolhe alunos de várias classes sociais, inclusive crianças carentes, as quais, são bolsistas da prefeitura do município. O que norteia a educação nessa rede privada são os Princípios da Educação Franciscana, sendo eles: inclusão, humildade, partilha, acolhida, respeito, escuta, compromisso, espiritualidade, clareza de discernimento, trabalho e cuidado. Tendo como referencia estes princípios, resolvi desenvolver o projeto. As turmas envolvidas neste trabalho compõem um número de 74 alunos. O projeto foi desenvolvido no segundo semestre do ano letivo de 2007. 3.2 Desenvolvimento do projeto A primeira etapa do projeto teve início no dia 24 de setembro com a aplicação de um instrumento de pesquisa (questionário em anexo) cujo objetivo foi definir o nível de conhecimento das turmas sobre o tema reciclagem do lixo. Os dados obtidos foram organizados em um gráfico (em anexo) de forma a facilitar a
  • 25. 24 análise. O mesmo questionário foi aplicado no início e no fim do presente estudo, com o intuito de saber se houve uma mudança de concepção das turmas em relação ao tema tratado. Nas aulas seguintes desenvolveram-se os fundamentos teóricos acerca da prática da reciclagem, por meio de aulas expositivo-dialogadas utilizando-se recursos como laboratório de informática, vídeo e retro-projetores. Foram trabalhados com os alunos textos sobre o meio ambiente (em anexo) que alertem para a importância da reciclagem do lixo para o homem, na medida em que são gerados empregos e se protege o ambiente, preservando-se os recursos da natureza para as gerações futuras. Os textos contemplavam aspectos sobre: o que é lixo, tipos de resíduos, o que fazer com o lixo, medidas práticas (reduzir, reutilizar, reciclar), tipos de materiais recicláveis, coleta seletiva, lixões, aterros sanitários e outros. Foram trabalhados textos do próprio livro do aluno e outros apresentados em fotocópia, ou ainda através do retro-projetor. Dentro de cada assunto trabalhado, discutia-se e eram propostos exercícios. Durante este processo de querer desenvolver uma consciência crítica nos alunos, no dia 03 de outubro tiveram a oportunidade de assistir o filme: “Uma Verdade Inconveniente”, o qual, foi discutido em aula, sendo lançado a idéia de aquecimento global x atividade antrópica para uma maior conscientização do aluno em relação ao cuidado com o meio ambiente, pois é preciso entender que cada um pode colaborar a partir de atitudes mínimas, como por exemplo fazer em sua casa a separação do lixo orgânico e inorgânico, desde que estes sejam encaminhados respectivamente para o caminhão do lixo e para coleta seletiva. No laboratório de informática, alunos pesquisaram sobre o tempo de decomposição dos resíduos sólidos e, a partir da pesquisa elaboraram cartazes (em anexo), os quais foram expostos nos corredores do colégio. papel: 3 a 6 meses; jornal: 6 meses; toco de cigarro: 20 meses; nylon: mais de 30 ano; chicletes: 5 anos; pedaços de pano: 6 meses a 1 ano;
  • 26. 25 fralda descartável biodegradável: 1 ano; fralda descartável comum: 450 anos; lata e copos de plástico: 50 anos; lata de aço: 10 anos; tampas de garrafa: 150 anos; isopor: 8 anos; plástico: 100 anos; garrafa plástica: 400 anos; pneus: 600 anos; vidro: tempo indeterminado. Dentro dessa tentativa de mudança de atitude em relação ao cuidado com o meio ambiente, foi apresentada em aula a história do papel, falou-se sobre os tipos de papel e quais os papéis que podem ser reciclados, sendo essas curiosidades apresentadas através de aula dialogada e com lâminas no retro- projetor. História do papel Desde tempos remotos, o homem precisou registrar suas idéias por escrito. O pergaminho (produzido com peles de animais) foi um dos primeiros materiais utilizados para esse fim. Mais tarde, antes da era cristã, os egípcios descobriram que o papiro, planta nativa das margens do Nilo e pântanos da África, podia ser utilizado para o mesmo fim. A palavra papel vem de papiro. Foi no ano 105, oficialmente, que se utilizou o papel pela primeira vez, embora ainda não fosse exatamente o papel como hoje é conhecido. O processo de fabricação era todo artesanal, mas supria as necessidades da época. Ts’Ai Lun, oficial do Império Chinês, foi quem desenvolveu a técnica. Atualmente, o papel é produzido a partir da madeira, proveniente de grandes reflorestamentos. Por processos industriais é triturada e com a adição de produtos químicos se extrai a matéria-prima do papel, a celulose. Para o papel ficar branco é utilizado o cloro como branqueador, sendo este um composto altamente poluente. No Brasil, o papel chegou por iniciativa de Dom
  • 27. 26 João VI. Em 1848, foi inaugurada na Bahia a primeira fábrica de papel brasileira, que utilizava fibras de bananeira como matéria-prima. Durante a Segunda Guerra Mundial o Brasil não pôde contar com as importações da celulose utilizada para fazer papel, que vinha do exterior. Esse fato acabou por impulsionar à fabricação nacional. As primeiras árvores utilizadas na fabricação do papel em escala industrial foram o pinheiro e o abeto das florestas de coníferas, encontrados nas zonas do norte da Europa e da América do Norte. Hoje em dia, praticamente qualquer árvore pode servir como matéria-prima, mas as mais utilizadas são o vidoeiro, a faia, o choupo preto, o bordo e principalmente o eucalipto. A Suzano foi a primeira empresa a produzir papel de qualidade com 100% de celulose de eucalipto (1965). No Brasil o eucalipto é a espécie mais utilizada, por seu rápido crescimento, atingindo em torno de 30 m de altura em 7 anos. Atualmente é bastante comum, entre indústrias produtoras de papel, possuir uma floresta de eucaliptos. Nessas áreas pratica-se o reflorestamento. As árvores são plantadas e sete anos após o plantio, quando as árvores atingem o tamanho necessário para a retirada da matéria-prima, são cortadas e encaminhadas para a produção do papel. Nas áreas de reflorestamento é realizado o manejo florestal. Esta prática viabiliza o cultivo do eucalipto e a preservação da natureza simultaneamente. Dessa forma as indústrias conseguem atingir uma alta produção sem agressão ao meio ambiente. De acordo com a sua finalidade, os papéis podem ser classificados em: para impressão; para escrever; para embalagens; para fins sanitários; cartões e cartolinas; especiais.
  • 28. 27 Reciclagem de papel A reciclagem do papel é tão importante quanto sua fabricação. A matéria- prima para a fabricação do papel já está escassa, mesmo com políticas de reflorestamento e com uma maior conscientização da sociedade em geral. Com o uso dos computadores, muitos cientistas sociais acreditavam que o uso de papel diminuiria, principalmente, na indústria e nos escritórios, mas isso não ocorreu e o consumo de papel nas duas últimas décadas do século XX foi recorde. Os papéis industrializados no Brasil contêm uma grande percentagem de papéis usados. Pode-se produzir o papel com 100% de papel usado. O papel higiênico e os lenços de papel são produzidos com cerca de 60% de papel reciclado. PAPEL - O QUE PODE SER RECICLADO Recicláveis Não Recicláveis Jornais Folhas de carbono Revistas Fita crepe Folhas de caderno Papéis plastificados Formulários de computador Papéis metalizados Envelopes Papéis parafinados Rascunhos Papéis sanitários Caixas em geral Papel de bala Aparas de papel Embalagens de biscoitos Fotócopias Papéis sujos Papel de fax Etiquetas adesivo Cartazes Tocos de cigarros Folhetos Fotografias Após essa conscientização, grupos de alunos envolvidos no projeto passaram pelas salas de aula, conversando com as turmas sobre a importância da reciclagem do papel, anexaram nas salas uma folha com uma tabela, mostrando os
  • 29. 28 papéis que podem e os que não podem ser reciclados. e recolhendo os papéis usados que os mesmos depositam em suas salas de aula. Foi realizada a coleta do papel e separação do mesmo. Nesse mesmo dia, os alunos começaram a rasgar o papel em pedaços menores (fotos em anexo) para que pudesse ser reciclado. No dia 16 de outubro, iniciou-se a primeira etapa da reciclagem no laboratório de ciências do colégio. Primeiramente pegou-se o papel já rasgado e colocou-se de molho em água fria em um balde para que pudesse ser usado no dia seguinte. No dia 17 de outubro, iniciou-se a produção de papel da seguinte maneira: pegou-se o papel que já estava amolecido na água, colocou-se no liquidificador na proporção de três partes de água para uma de papel. Ligou-se o liquidificador e deixou-se bater por aproximadamente dez segundos. Deu-se um tempo e repetiu- se o mesmo procedimento. A polpa estava pronta, foi colocada sobre a moldura com tela, e esta, foi virada sobre folhas de jornal que estavam na mesa. Para retirar o excesso de água da polpa, alunos usavam panos velhos, em seguida, erguia-se a moldura deixando a folha de papel ainda úmida sobre o jornal.Desta forma, repetia-se esse processo por várias vezes. Para obtenção de folhas coloridas, colocava-se anilina junto a polpa no liquidificador. ( fotografias e passos da reciclagem em anexo). Para realizar esse trabalho de reciclagem, foram usadas quatro molduras de tamanhos diferentes. Esse processo de reciclagem, não se deu apenas em um dia, Foram utilizadas várias aulas e, além das aulas grupos de alunos se revezavam em turno inverso para fazer a preparação do papel e o recolhimento das folhas que já estavam secas. Para que as folhas secassem, precisava-se aproximadamente de três dias. Na semana seguinte, no dia 24 de outubro, alunos assistiram uma palestra sobre reciclagem.Os palestrantes eram pessoas que trabalham em prol da comunidade, a qual, eles pertencem. O casal que promoveu a palestra, tem uma empresa de reciclagem, a CTS, a qual, fica localizada no próprio bairro do colégio.Nesta empresa eles recebem diariamente os caminhões com materiais recicláveis, separam os materiais papeis,
  • 30. 29 papelões, plásticos e outros), fazem fardos e encaminham para as usinas de reciclagem. Além do casal, Thomas e Adoli, mais duas pessoas faziam parte da equipe dos palestrantes Eliane e Vera, sendo que a Vera trabalha na secretaria do meio ambiente de Canoas. Os palestrantes além de ter seu trabalho diário, desenvolvem projetos dentro da comunidade, sendo um deles “Saber Cuidar”, onde eles recolhem o óleo de cozinha saturado para fazer sabão. Esse sabão é vendido por um preço bem acessível e a renda é revertida para as pessoas carentes da comunidade. Outro projeto importante, é a organização no bairro de pontos de coleta para o lixo reciclável. Durante a conversação com os alunos, colocaram sobre a demasia de lixo gerado, só em Canoas, 240 toneladas por dia, sobre o descartável, o valor dos três erres (reduzir, reutilizar e reciclar) e outros aspectos, enfatizando sempre a importância da reciclagem e de que maneira o lixo reciclado, produzido diariamente em nossas casas pode ser reutilizado. Por exemplo, das garrafas pet, podem ser feitas vassouras, camisetas. O papel reciclado é utilizado para fazer papel higiênico, toalhas de papel e mesmo folhas de papel.Explicaram também de que maneira o vidro é reciclado e que ele é 100% reaproveitado. No decorrer da palestra, foram exibidos dois vídeos: ”Os Olhos no Mundo” e “O Que Fazemos Com Nosso Mundo”. Após os vídeos foi solicitado para que os alunos fizessem colocações sobre: “O mundo que temos” e “O mundo que queremos”. A participação dos alunos foi sendo registrada em um cartaz, o qual ficou exposto nos corredores do colégio. No final os palestrantes distribuíram materiais para os alunos como: dicas de como você pode contribuir para minimizar os problemas causados pelo lixo com pequenas ações no dia-a-dia, livrinho e panfleto explicando sobre a coleta seletiva do lixo e letra de uma pequena música criada pela própria equipe dos palestrantes, a qual, ensinaram o ritmo para os alunos e todos cantaram com entusiasmo.( material em anexo). Assim, encerrou-se esse momento. Nas aulas que se seguiram, continuou-se preparando e reciclando o papel, foram utilizados também, alguns horários no turno da tarde, para fazer o trabalho render mais.
  • 31. 30 A partir do dia 15 de novembro, o papel reciclado começou a ser utilizado pelos alunos nas aulas de Ensino Religioso. Foram utilizados nas aulas que antecediam o dia de Ação de Graças, onde os alunos puderam se expressar através da escrita ou do desenho, agradecendo os bons, ou talvez os maus momentos que tiveram durante o ano e que lhe serviram de lição ou exemplo para suas vidas. O papel reciclado, também foi utilizado na confecção de cartões que serão trocados pelos alunos durante a revelação do amigo secreto das turmas que será no dia 04 de dezembro. (fotografia em anexo) Como culminância e para finalizar temporariamente o projeto que se deu início este ano, no dia 23 de novembro os alunos tiveram a oportunidade de conhecer duas realidades diferentes: o Aterro Sanitário de Canoas e um Galpão de Reciclagem no Bairro Guajuviras. O colégio locou um ônibus e às 8h e 45min estávamos na portaria Do Aterro Sanitário, onde um engenheiro da Prefeitura, Dr. André nos aguardava. Primeiramente, ele dialogou com os alunos dentro do próprio ônibus, colocando sobre a localização do Aterro Sanitário de Canoas. O Aterro Sanitário fica localizado na Fazenda Guajuviras numa área de 14 hectares. A fazenda pertencia à família Renner e foi doada para o município. Durante o caminho que levava até o lugar onde o lixo fica aterrado, observou-se algumas espécies de plantas, sendo a predominante o eucalipto, uma espécie exótica. O município pretende fazer um remanejo destes eucaliptos, trazendo para a fazenda espécies nativas.Outro projeto do município,é transformar a fazenda em uma área recreativa e esportiva. Chegando na área onde o lixo é depositado e aterrado, o primeiro momento foi um impacto, pois por mais que estivessem preparados, os alunos ficaram surpresos com a área e observou-se reclamações em função do odor que inalavam. Neste momento retomou-se a conscientização da importância da reciclagem, pois quanto mais acúmulo de resíduos sólidos no Aterro Sanitário, mais pessoas deverão estar expostas no local para retirá-los. No momento que os alunos conseguiram respeitar a realidade caminharam pelo aterro para conhecê-lo melhor.O engenheiro, Dr. André fez paradas em pontos
  • 32. 31 específicos para explicar o funcionamento do mesmo e respondeu as perguntas dos alunos (Fotografia em anexo). O Aterro Sanitário de Canoas está em funcionamento desde 1983, quando ele foi projetado, seu solo foi impermeabilizado para impedir a penetração de líquidos (chorume). No Aterro Sanitário é depositado diariamente 200 toneladas de lixo doméstico, isso significa 30 caminhões de lixo por dia. O lixo trazido pelos caminhões é esparramado e compactado por tratores, sendo coberto por uma camada de terra.(fotografia em anexo) O lixo hospitalar e industrial não é encaminhado para o aterro, pois é considerado lixo perigoso. O chorume proveniente da decomposição do material orgânico é canalizado e encaminhado para lagoas naturais (fotografia em anexo) existentes próximas ao aterro. Dessas lagoas o chorume é recolhido por caminhões multitarefa (a vácuo) e encaminhado para as extrações de tratamento de esgotos no Mato Grande. A decomposição da matéria orgânica gera gás, sendo o principal o gás metano que é recolhido no próprio dreno do chorume. Desse dreno sobem colunas que formam as chaminés, onde o gás e queimado. (Fotografia em anexo). Duas vezes por dia passa o funcionário responsável pelas chaminés para fazer a queima do gás. O lixo orgânico gera poluição durante 15 ou 20 anos . O maior problema é que o nosso Aterro Sanitário está com sua vida útil contada, ele só comportará acúmulo de lixo até metade do próximo ano. Se todas as pessoas reciclassem seu lixo, o aterro resistiria por mais tempo, pois o acúmulo de resíduos sólidos tira espaço e diminui a vida útil do aterro. O aterro foi projetado para receber 5 mil toneladas de lixo por mês atualmente recebe 6,5 toneladas a cada mês. Isso é preocupante, pois as lagoas estão com dificuldade de comportar a quantidade de chorume. Atualmente a prefeitura investe duzentos mil reais mensalmente pra manter o Aterro Sanitário. A prefeitura está esperando a liberação da FEPAM para expandir o Aterro Sanitário para uma pequena área de eucaliptos por mais quatro anos. Se isso não for aprovado, provavelmente o lixo será encaminhado para um novo aterro numa jazida de carvão em Minas do Leão. Depois de conhecer o aterro, os alunos foram para o ônibus novamente e seguiram até o galpão de reciclagem, localizado no Bairro Guajuviras.
  • 33. 32 No galpão, recebemos a atenção do Sr. Clovis, presidente da associação. Ele falou-nos sobre o galpão e mostrou seu funcionamento.(Fotografia em anexo) O galpão de reciclagem chama-se ARLAS (Associação de Reciclagem de Lixo Amigo Solidário), foi fundado no ano de 2000. Trabalham nessa associação 21 mulheres e 3 homens. O valor arrecadado mensalmente com a venda dos materiais é dividido entre os trabalhadores. O material que essa associação recebe é da própria coleta seletiva da prefeitura.O caminhão da coleta seletiva descarrega os resíduas sólidos arrecadados, as mulheres separam o material em bancadas (fotografia em anexo) e este é colocado em lugares chamados de gaiolas. (Fotografia em anexo) A partir do momento que o material está separado (plásticos, garrafas pet, papelões, papel, caixas de leite e outros), ele é colocado na prensa para fazer fardos.O peso dos fardos depende do material, por exemplo, o fardo de papelão pesa em média 100 kg, de garrafas pet 60 kg e de plástico 120 kg. Depois esses fardos de material reciclável são vendidos para uma empresa em Gravataí. Essa empresa faz uma nova separação e encaminha para devida reciclagem, onde os resíduos serão transformados. O ARLAS, além de fazer a reciclagem dos resíduos sólidos, realiza também outros projetos dentro da comunidade. No próprio galpão montaram uma sala, a qual, chamam de sala de aula (fotografia em anexo), onde crianças da comunidade aprendem a tocar violão, podem fazer pesquisas e até mesmo ter aulas de reforço. Os livros que estão disponíveis para pesquisa ou até mesmo para estudos, foram todos encontrados no material que a associação recebe do caminhão da coleta seletiva do município. Para realizar as duas visitas levou-se praticamente toda a manhã. O relatório (questões em anexo) foi realizado na aula seguinte. Para finalizar o projeto desenvolvido com os aluno neste ano de 2007, foi aplicado o mesmo instrumento de pesquisa (em anexo) citado no início do desenvolvimento deste trabalho para verificar se houve aprendizado, ou mudança de atitude das famílias em relação a separação do lixo.
  • 34. 33 PRIMEIRA VEZ SEGUNDA VEZ SIM NÃO SIM NÃO 1 25 41 33 33 2 37 29 55 11 3 58 08 66 0 4 20 46 28 38 5 29 37 36 30 6 41 25 63 03 7 41 25 56 10 8 44 22 38 28 9 61 5 64 02 10 23 na família 61 na escola 66 escola 33 escola e família
  • 35. 34 4 CONCLUSÃO A tarefa de se trabalhar educação ambiental na escola convoca além dos alunos, educadores e funcionários, a contribuírem cada um com sua parcela de comprometimento para que ocorra a tão desejada transformação desse modelo de sociedade que prevalece até hoje. Os educadores precisarão assumir a identidade de trabalhadores sociais, promovendo ações que redimensionem novas práticas referentes à qualidade de vida que almejamos de maneira a conviver harmonicamente com o meio ambiente. Os temas que permeiam a “Educação Ambiental” devem ser abordados em todas as disciplinas para que aja uma maior conscientização por parte do aluno e conseqüentemente das famílias sobre importância do meio ambiente para cada ser humano. Os bens da Terra são um patrimônio de toda a humanidade.Seu uso deve estar sujeito a regras de respeito às condições básicas da vida no planeta; dentre elas, a qualidade de vida dos que dependem desses bens e do entorno de onde eles são extraídos ou processados. Deve-se cuidar, portanto, para que esse uso pelos seres humanos seja conservativo, isto é, que gere o menor impacto possível e respeite as condições de sustentabilidade diante dos recursos. Além disso, o maior bem-estar das pessoas não é diretamente proporcional à maior quantidade de bens que consomem. O atual modelo econômico estimula um consumo crescente e irresponsável de bens materiais, mas depara-se com a constatação de que há um limite para esse consumo, sob pena de condenar boa parte da vida na Terra ao desaparecimento. Uma tarefa importante par o professor, associada ao tema meio ambiente é a de estimular o aluno a desenvolver um espírito de critica ao consumismo.
  • 36. 35 Como o ser humano só ama aquilo que conhece, há necessidade de desenvolver-se uma relação afetiva do mesmo com a natureza, conscientizando-o que faz parte da natureza e que dela depende sua sobrevivência. É preciso minimizar o impacto sobre os recursos não-renováveis, tais como: minérios, petróleo, gás e carvão mineral, os quais não podem ser usados de maneira “sustentável”, mas podem ser retirados de modo a reduzir perdas e impactos. A pratica da reciclagem contribui efetivamente para esse processo, na medida em que “prolonga a vida” de materiais não-renováveis. Conscientizar o aluno sobre questões dos resíduos sólidos e sua reciclagem, não é uma tarefa fácil, pois todos querem livrar-se, o quanto antes do lixo produzido e, uma vez, os resíduos colocados distantes dos olhos, acredita-se que não se têm mais responsabilidades pelos mesmos. A partir da análise das informações resultantes da aplicação do instrumento de pesquisa identifica-se algumas mudanças de atitudes por parte dos alunos. O instrumento de pesquisa revelou haver mudanças significativas entre a media das respostas obtidas antes e depois da execução do projeto (gráfico em anexo). Conclui-se então, que houve resultados positivos com a implementação do projeto, houve aprofundamento no conhecimento dos alunos em relação ao tema estudado, embora não tenha sido possível atingir a todos. Para que realmente surgissem mudanças eficazes na concepção dos alunos em relação ao meio ambiente, com ênfase nos resíduos sólidos, ou seja, para que todos os objetivos propostos fossem alcançados, é necessário um período mais longo, e uma continuidade do trabalho nas series seguintes. É preciso salientar que os trabalhos práticos realizados durante o desenvolvimento do projeto, seja a reciclagem do papel ou o confronto com a realidade na visita ao Aterro Sanitário e ao Galpão de Reciclagem colaboraram para desenvolver a consciência crítica nos alunos.
  • 37. 36 REFERÊNCIAS DIAS, Genibaldo Freire. Atividades interdisciplinares de educação ambiental. São Paulo: Global, 1994. ISAIA, Enise Bezerra Ito (Coord.). 2. ed. Reflexões e práticas para desenvolver educação ambiental. Santa Maria: UNIFRA, 2001. KUPSTAS, Márcia (Org.) Ecologia em debate. São Paulo: Moderna, 1997. MARTINS, Ion Trindade. Terra nossa casa: momentos de decisão. Porto Alegre: Ediplat, 2002. MOSER, Antônio. O problema ecológico e suas implicações éticas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1984. RUCHEINSKY, Aloísio. Educação ambiental: abordagen múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002. SCARLATO, Francisco Capuano, PONTIN, Joel Arnaldo. Do nicho ao lixo: ambiente, sociedade e educação. São Paulo: Atual, 1992. SANTOS, Amélia S. F. ; AGNELLI, José Augusto M. ; MANRICH, Sati. Estudo da influência de resíduos catalíticos na degradação de plásticos reciclados (Blenda HDPE/PP e PET) provenientes de lixo urbano. Polímeros, v.9, n. 4, oct./dec., 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0104- 14281999000400031&1. Acesso em 22 05 2007. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. 1. ed. Brasília, MEC/SEF, 1997. TAVARES, Carla; FREIRE Isa Maria. Lugar do lixo é no lixo; estudo de assimilação da informação. Ciência da Informação, v. 32, n. 2, may/ago. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0100- 19652003000200013&1. Acesso 22 de maio de 2007.
  • 38. 37 VIANNA, Aurélio; MENEZES, Lais; IÓRIO, Maria Cecília; RIBEIRO, Vera Masagão (Orgs.). Educação ambiental: uma abordagem pedagógica dos temas da atualidade. 3. ed. Rio de Janeiro: CEDI:Koinonia; São Paulo: Ação Educativa; Erexim, RS: CRAB, 1995. USP recicla. Como reciclar papel. 2003. Disponível em: http://www.cecal.usp.br/recicla . Acesso em 05 junho 2007.
  • 40. 39
  • 41. 40
  • 43. 42 PAPEL RECICLADO ARTESANAL O papel nada mais é que um emaranhado de fibras vegetais. Ao transformar papel usado em novo, estamos na verdade desfazendo essa trama e entrelaçando as fibras novamente. A partir do papel artesanal, é possível confeccionar papéis de carta, marcadores de livros, porta-retratos, porta-lápis, capas de caderno, livros, cartões de visitas, envelopes, convites, papel e embalagens de presentes, entre muitas outras possibilidades. Entre os tipos de papel que podem ou não ser reciclados, temos: RECICLÁVEIS jornais e revistas, folhas de caderno, formulários de computador, envelopes, rascunhos, caixas em geral, aparas de papel, fotocópias, papel de fax, cartazes e folhetos NÃO RECICLÁVEIS papel carbono, fita crepe, papéis metalizados, papéis parafinados, papéis plastificados, papéis sanitários, "papel" de bala, embalagens de biscoitos, papéis sujos, etiqueta adesiva, tocos de cigarro e fotografias O que você precisa: • papel e água • bacias: rasa e funda • balde • moldura de madeira com tela de nylon ou peneira reta • moldura de madeira vazada (sem tela) • liquidificador • jornal ou feltro • pano (ex.: morim) • esponjas ou trapos • varal e pregadores • prensa ou duas tábuas de madeira • peneira côncava (com "barriga") • mesa Etapas: A - Preparando a polpa: Pique o papel e deixe de molho durante um dia ou uma noite na bacia rasa, para amolecer. Coloque água e papel no liquidificador, na proporção de três partes de água para uma de papel. Bata por dez segundos e desligue. Espere um minuto e bata novamente por mais dez segundos. A polpa está pronta.
  • 44. 43 B - Fazendo o papel: 1. Despeje a polpa numa bacia grande, maior que a moldura. 2. Coloque a moldura vazada sobre a moldura com tela. Mergulhe a moldura verticalmente e deite-a no fundo da bacia. 3. Suspenda-as ainda na posição horizontal, bem devagar, de modo que a polpa fique depositada na tela. Espere o excesso de água escorrer para dentro da bacia e retire cuidadosamente a moldura vazada.
  • 45. 44 5. Tire o excesso de água com uma esponja. 6. Levante a moldura, deixando a folha de papel artesanal ainda úmida sobre o jornal ou morim. C - Prensando as folhas Para que suas folhas de papel artesanal sequem mais rápido e o entrelaçamento das fibras seja mais firme, faça pilhas com o jornal da seguinte forma: Pendure as folhas de jornal com o papel artesanal no varal até que sequem completamente. Retire cada folha de papel do jornal ou morim e faça uma pilha com elas. Coloque esta pilha na prensa por 8 horas ou dentro de um livro pesado por uma semana. Efeitos decorativos Misture à polpa: linha, gaze, fio de lã, casca de cebola ou casca de alho, chá em saquinho, pétalas de flores e outras fibras. Bata no liquidificador junto com o papel picado: papel de presente, casca de cebola ou de alho. Coloque sobre a folha ainda molhada: barbante, pedaços de cartolina, pano de tricô ou crochê. Neste caso, a secagem será natural - não é necessário pressionar com o pedaço de madeira. Para ter papel colorido: bata papel crepom com água no liquidificador e junte essa mistura à polpa. Outra opção é adicionar guache ou anilina diretamente à polpa. 4. Vire a moldura com a polpa para baixo, sobre um jornal ou pano.