Coleta seletiva

193 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
193
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coleta seletiva

  1. 1. UNICID - UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO Midian de Alemida Pereira Educação Ambiental Coleta seletiva na Educação Ambiental 1 Tema Visando a coleta seletiva como ponto de partida para a Educação Ambiental de criança e adolescentes , propor como estratégia de ensino um Programa de Educação Ambiental ,baseando-se nos PEA´s de empresas modelos em relação a EA. 2 Problematização/ Situação-problema Elaboração de um Programa de Educação Ambiental voltado para a coleta seletiva onde , envolveria Escola e Comunidade. 3 Justificativa Com base nos Programas de Educação Ambiental (PEA) propostos pelas empresas de todos os seguimentos, visando a Educação Ambiental primaria, ou seja , uma EA inserida cada vez mais cedo nas escolas, como propósito de desenvolvermos adultos cada vez mais ecologicamente conscientes. 4 Objetivos 4.1 Objetivo Geral Disseminar entre os funcionários , professores e alunos a importância da coleta seletiva, através de Programas de Educação Ambiental para o desenvolvimento de uma nova percepção referente às práticas de descarte do lixo. 1
  2. 2. 4.2 Objetivos Específicos Através do PEA , desenvolver a conscientização não apenas nos envolvidos diretamente na escolas , mas os indiretamente envolvidos também, sendo esses as famílias de funcionários , professores e principalmente dos alunos. Formando assim uma “corrente da coleta seletiva”, apontando todas as vantagens em fazê-la. 5 Hipóteses Utilizando de um Programa de Educação Ambiental desenvolvido pelos professores e alunos, inserir na vida de todos os envolvidos, direta ou indiretamente neste programa , possibilitando assim uma conscientização da utilização da coleta seletiva como meio de ajudar o meio ambiente devido a grande quantidade de dejetos depositados em seus solos. 6 Fundamentação Teórica Vivemos hoje em uma sociedade que direciona o seu modo de vida ao consumo de produtos que continuamente são lançados em um mercado que possui um ciclo de substituição de velhas tecnologias por novas, em uma escala de tempo cada vez menor. Neste contexto, a visão de meio ambiente se reduziu a uma função utilitária de curto prazo (período de vida de um ser humano), resumindo a vida humana apenas à capacidade de acumular e trocar bens materiais, simbolizando a sua prosperidade (FIGUEIREDO, 1995; GADOTTI, 2000). O ato de consumir passou a ser preponderante e comum na vida das pessoas, e, por conseguinte, o próprio aprimoramento das relações da sociedade passou a ser avaliado através da elevação dos níveis de consumos dos seus indivíduos (CINQUETTI, 2006). Este mesmo autor diz que , o consumo moderno consiste também na diversidade e atualização dos produtos e, consequentemente, em maiores proporções de descartabilidade.O problema ambiental, causado por esses descartes cada vez maior , ou seja, do lixo depositado sem nenhum controle causa riscos de contaminação do solo, de águas superficiais e 2
  3. 3. subterrâneas, como também a geração de gases que contribuem para a poluição atmosférica. Com a meta de resolver ou diminuir este problema, a coleta seletiva é considerado um importante instrumento de controle e redução de envio de lixo doméstico para áreas que frequentemente são degradadas pela sua disposição incorreta proporcionada pelo modo de vida alienado da sociedade humana. 7 Metodologia da Pesquisa Demonstrar para os alunos , atreves de palestras, vídeos ou seminário qual a situação atual do deposito de resíduos em nosso meio ambiente e o que isso proporciona a ele e em nossas vidas , alem da explicação do que pode ser considerado lixo e o que pode ser considerado resíduo. Dento sempre em vista que resíduo será considerado algo que, pode ser utilizado para outros fins quando já foi utilizado e descartado após sua utilização inicial . Tendo como objetivo o levantamento de idéias e desenvolver o senso criticam dos alunos para aquilo que é ou não é necessário para a sobrevivência do meio ambiente. A partir do levantamento de dados sobre o que alunos conhecem sobre lixo , solicitar a realização de uma tabela colocando nela todos os materiais utilizados em casa , na escola , no clube , nos cursos eou qualquer outro lugar , classificando-os em reutilizáveis ou não. Neste momento ressaltar a importância que a reutilização dos principais materiais tais como plástico, papel, tecido, vidros e entre outros, tem para o meio ambiente. Após o levantamento desses dados , solicitar o preenchimento do seguinte questionário . • Qual o material mais descartado no lixo? • Qual o material menos descartado no lixo? • De todos os materiais listados por você, qual deles você acha que prejudica mais o meio ambiente? • E o qual o menos prejudicial? 3
  4. 4. • Para você, qual a melhor solução para a diminuição da quantidade desses materiais na natureza? Espera-se que as resposta levem os alunos a pensarem sobre a coleta seletiva, tendo em vista que, os seguintes materiais tenham sido listados: garrafas de refrigerante, latinhas, papel de cadernos ,revista e jornais, restos de alimentos, vidros quebrados e sacolas plásticas. Agora já pode ser inserido no aluno o conceito de reciclagem e como podemos auxiliar neste processo através da coleta seletiva. 8 Cronograma Primeira semana de aula : apresentação previa dos conteúdos Segunda semana de aula : realização do questionário Terceira semana de aula: finalização de atividade e diagnostico de aprendizagem dos alunos. 9 Referências CINQUETTI, H. C. S.; LOGAREZZI, A. (Org.). Consumo e resíduo: Fundamentos para o trabalho educativo. São Carlos: Ed. UFSCar, 2006 GADOTTI, M. Pedagogia da Terra. São Paulo: Petrópolis, 2000. ARDIM, N.S. (et al.). Lixo Municipal: Manual de Gerenciamento Integrado. 1º ed. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas: CEMPRE, 1995. p.132. 4

×