China

7.414 visualizações

Publicada em

Aula sobre a China para prova do 3ºMédio dia 02/06/2010.

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.414
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

China

  1. 2. Muralha da China
  2. 3. BANDEIRA CHINESA
  3. 4. LOCALIZAÇÃO <ul><li>Entre a Ásia e a Europa, a China totaliza 22 mil km de fronteiras terrestres, com nada menos de 15 países. Possui 5.500 km no sentido Norte-Sul e 5.200 km no sentido Leste-Oeste, e fronteira marítima com outros seis países, em uma costa com 18 mil km, segundo os dados oficiais. A região Central tem 20 vezes mais habitantes do que a Ocidental. Já a litorânea, ou Oriental, é onde a população está mais concentrada, 400 habitantes/km², e caracteriza-se por possuir intensa atividade em todos os setores da economia, com zonas econômicas especiais, portos marítimos e fluviais e grandes malhas ferroviária e rodoviária. </li></ul>
  4. 5. MAPA CHINA
  5. 6. Mapa Político
  6. 7. CHINA IMAGEM SATÉLITE
  7. 8. CLIMA <ul><li>Guangdong e Hainan, províncias do Sul do país, convivem a maior parte do ano com temperaturas elevadas e às vezes com tempestades típicas do clima tropical, enquanto Harbin, no Norte, enfrenta o frio ártico. Durante os meses de maio a outubro no Sul, e julho e agosto no Norte, a China sofre no verão com o calor intenso e muitas chuvas (mais no Leste e bem menos no Oeste). Já o inverno, com frio seco, castiga mais o Norte, de dezembro a março. </li></ul>
  8. 9. RECURSOS NATURAIS <ul><li>China possui apenas 110 milhões de hectares de terras agricultáveis, dos quais cerca de 50 milhões irrigados. Dispõe de 7% do total agricultável mundial, para alimentar 22% da população do planeta, esse é o desafio permanente. Mais da metade do seu território são zonas áridas e semi-áridas. A cobertura florestal em 2001 chegou a 16,5%, o dobro do que havia em 1950. Os principais cultivos são o arroz, trigo, milho, soja e batata. A produção de arroz representa 40% da produção de cereais do país, a de trigo 20% e a de milho 25%. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>O arroz é plantado principalmente nas bacias irrigadas dos grandes rios e, em parte, nas planícies do Norte. O trigo é cultivado principalmente nas planícies do Norte, enquanto o milho é plantado no Nordeste, Norte e Noroeste, e a soja, nas planícies do Nordeste. A batata é produzida em maior escala nas regiões Sul e Central do país. Os principais cultivos industriais são algodão, amendoim, colza, gergelim, cana-de-açúcar, beterraba, chá, fumo, amoras e frutas, relativamente dispersos por todo o país. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Quanto à pecuária, a China possui 300 milhões de hectares de pastagens naturais, situadas principalmente nos planaltos da Mongólia Interior, Xinjiang e Qinghai-Tibet. A China é uma grande criadora e consumidora de suínos (441 milhões de cabeças no ano 2000), carneiros, galinhas, patos, gansos, coelhos e produtos aquáticos. Embora tenham um rebanho razoável (159 milhões de bovinos), os chineses ainda não têm o hábito, nem a produção suficiente, para o consumo de carne, leite e derivados bovinos. Apesar disso, a pecuária contribuiu com 30% da receita agrícola em 2001, e deverá aumentar para 33% a sua participação em 2005. </li></ul>
  11. 12. SISTEMA POLÍTICO <ul><li>Sistema de Assembléias Populares Na China, todo o poder pertence ao povo. </li></ul><ul><li>Os órgãos pelos quais o povo exerce o poder estatal são a Assembléia Popular Nacional e as assembléias populares locais de diversos níveis. Por isso, o sistema de assembléia popular se converteu ao sistema político fundamental da República Popular da China, ou seja, seu regime político. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Tem por característica básica a representatividade e de forma principal a administração do Estado pelo povo, praticando os princípios do concentralismo democrático, assegurando-se por um lado, que o povo desfrute amplamente da democracia e seus direitos e, por outro, garante a centralização e unificação dos poderes estatais, com o requisito do exercício unificado dos poderes estatais pela assembléia, se dividem claramente os poderes executivo, judicial e legislativo e a direção das forças armadas do Estado. Isto possibilita à administração e demais órgãos do Estado trabalhar em coordenação e de modo unânime . </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Os deputados das assembléias populares em diversos escalões são eleitos de maneira democrática, prestam contas ao povo e se submetem a seu controle. Estes deputados provêm dos diversos setores sociais, regiões, etnias, classes e camadas sociais, por isso, possuem ampla representatividade. Procedem do povo e mantém estreitas relações com as entidades eleitorais e os eleitores, por isso, conhecem bem as opiniões e demandas do povo. Nas sessões das assembléias populares para discutir as políticas e orientações do Estado, os deputados podem expor plenamente suas opiniões e, uma vez tomada a decisão, se aplicam conjuntamente. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Deste modo, concentra-se a vontade popular e o povo administra os assuntos estatais através das assembléias populares. A cooperação com os diversos partidos políticos tem duas formas principais: A Conferência Consultiva Política do Povo Chinês e as reuniões consultivas e os colóquios dos partidos democráticos e personalidades sem partido convocado pelo Comitê Central do Partido Comunista da China e seus comitês locais. A Conferência Consultiva Política do Povo Chinês não é um órgão estatal dentro da estrutura estatal, nem um igual aos grupos sociais em geral, mas é a mais ampla organização de frente única patriótica. </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Foi fundada em setembro de 1949 e consta de um Comitê Nacional e de comitês locais de nível provincial (de região autônoma e município diretamente subordinado ao Poder central), de nível distrital (ou município) e outros. Está composta de representantes do PCCh, dos partidos democráticos, dos democratas sem partido, das organizações populares, das minorias étnicas, e dos setores sociais, dos compatriotas de Taiwan, de Hong Kong e de Macau, dos chineses de ultramar de regresso à Pátria e pelas personalidades convidadas. Os comitês de diferentes níveis realizam, cada ano, uma sessão plenária. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Em tempos comuns, organizam seus membros para as atividades especiais e fazem inspeções em diversos lugares para verificar as políticas importantes do Estado, os assuntos locais de importância, os problemas de frente única e os relacionados com a vida do povo. Ao apresentar suas opiniões, propostas e críticas, supervisionam de modo democrático os trabalhos de órgãos estatais, o seu cumprimento da constituição e das leis. Quando as assembléias populares se reúnem para discutir problemas, convidam os membros da Conferência Consultiva Política e atendem suas observações. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>O atual Presidente do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês é o senhor Li Ruihuan. Geralmente, cada ano, convoca-se uma reunião consultiva na qual os principais dirigentes do Comitê Central do PCCh, os responsáveis dos partidos democráticos e os democratas apartidários a participar, e a cada dois meses, celebra-se um colóquio. Nessas reuniões, discutem-se de maneira democrática as políticas e orientações do Estado. E nos colóquios, o PCCh informa e troca opiniões sobre assuntos importantes com os participantes, ouve suas propostas de princípios e políticas ou discutem alguns temas especiais. </li></ul>
  18. 19. ESTRUTURA DO ESTADO <ul><li>- Órgão do Poder de Estado: a Assembléia Popular Nacional (APN) e as assembléias populares locais de diversos níveis; </li></ul><ul><li>- Presidente da República Popular da China; </li></ul><ul><li>- Órgãos executivos do Estado: Conselho de Estado e governos populares locais de diversos níveis; </li></ul><ul><li>- Órgão diretivo militar do Estado: Comissão Militar Central (CMC); </li></ul>
  19. 20. <ul><li>- Órgãos judiciais do Estado: Supremo Tribunal Popular (STP), tribunais populares locais de diversos níveis e tribunais populares especiais; </li></ul><ul><li>- Órgãos fiscais do Estado: Suprema Procuradoria Popular (SPP), procuradorias populares locais de diversos níveis e procuradorias populares especiais. </li></ul><ul><li>- Assembléia Popular Nacional. </li></ul>
  20. 21. RELAÇÕES EXTERIORES <ul><li>A China desenvolve a política exterior pacífica de independência e autonomia. O objetivo básico é salvaguardar sua independência e a soberania, esforçar-se por criar uma duradoura e ótima conjuntura internacional para a edificação moderna e a reforma e abertura do país, defender a paz mundial e promover o desenvolvimento conjunto. Seu conteúdo é o seguinte: </li></ul>
  21. 22. <ul><li>- Ênfase na independência e autonomia - Defender a paz mundial - Estabelecer as relações de amizade e cooperação com outros países, com base nos cinco princípios a saber: </li></ul><ul><li>1. respeito mútuo à soberania e integridade territorial; 2. não agressão; 3. não intervenção nos assuntos internos de um país por outro; 4. igualdade e benefício recíproco e coexistência pacífica; 5. Não tomar como norma as diferenças de sistema social, nem ideologia. </li></ul>
  22. 23. <ul><li>Fomentar as relações amistosas com os países vizinhos </li></ul><ul><li>- Fortalecer a unidade e a cooperação com os países em via de desenvolvimento. </li></ul><ul><li>- Pôr em prática a abertura ao exterior. </li></ul>
  23. 25. Princípios das relações diplomáticas com outros países <ul><li>No dia primeiro de outubro de 1949, data da fundação da República Popular da China, o Governo chinês declarou solenemente: &quot;O nosso é o único governo legítimo, que representa todo o povo chinês da República Popular... e está disposto a estabelecer as relações diplomáticas com todos os governos estrangeiros que queiram basear-se nos princípios de igualdade, benefício recíproco e respeito mútuo, soberania e integridade territorial&quot;. No mundo só existe uma China, a República Popular da China e a Província de Taiwan é território inseparável da República Popular da China. </li></ul>
  24. 26. <ul><li>Por isso, todos os países que queiram estabelecer as relações diplomáticas com a China devem demonstrar, de forma clara, a ruptura de suas relações diplomáticas com Taiwan e reconhecer que o Governo da República Popular da China é o único governo legítimo da China. O Governo chinês não tolerará que nenhum país intrigue para tratar de criar &quot;duas chinas&quot; ou &quot;uma China e um Taiwan&quot;, nem permitir que os países que estabeleceram relações diplomáticas com a China mantenham relações oficiais de qualquer tipo com as autoridades de Taiwan. </li></ul>
  25. 27. POPULAÇÃO <ul><li>A China possui a maior população do mundo. Em fins de 1998, a população do país era de 1.248.100.000 habitantes, sem incluir a da Região Administrativa Especial de Hong Kong, de Macau e da Província de Taiwan, constituía 22% da população mundial. A média da densidade populacional da China é de 130 hab/km2, com distribuição desequilibrada: pois no litoral leste alcança mais de 400, nas regiões centrais, mais de 200 e a noroeste, menos de 10. </li></ul>
  26. 28. <ul><li>De acordo com a situação básica da China e com a finalidade de impulsionar o desenvolvimento coordenado da população, da economia, da sociedade, dos recursos e do ambiente, o Governo decidiu introduzir uma política de planificação familiar, controle do nascimento demográfico e elevação do nível qualitativo populacional. Isto possibilitou uma diminuição gradual da natalidade a cada ano. A taxa de natalidade diminui de 34,11% por 1000 em 1969 para 16,03 por 1000 em 1998, a taxa de crescimento vegetativo passou de 26,08 por 1000 em 1969 para 4,53 por 1000 em 1998. </li></ul>
  27. 29. ETNIA <ul><li>A China é um país unificado com 56 etnias. De acordo com os dados do IV Censo Demográfico Nacional em 1990, a população constituía 91,96% do total nacional e as restantes 55 etnias representavam 8,08%. Devido à maioria da população Han, é costume chamar as outras 55 de &quot;minorias étnicas&quot;. A população Han se distribui por todo o país, concentrando-se nos vales dos cursos médios e inferiores dos rios Huanghe (Rio Amarelo), Changjiang (Rio Yangtzé) e Zhujiang (Rio Pérola) e nas planícies do Nordeste. As 55 minorias se distribuem principalmente nas regiões de fronteira do Nordeste, do Norte, do Noroeste e Sudoeste. A província de Yunnan é uma da mais variada composição étnica, com mais de 20 etnias. </li></ul>
  28. 30. LÍNGUA ORAL E ESCRITA <ul><li>A etnia Han tem língua própria oral e escrita, que pertence ao sistema lingüístico sino-tibetano. Esta é a língua de uso geral no país e de uso comum no âmbito internacional. Os caracteres Han têm história de 6 mil anos. A princípio eram sinais lavrados. Os caracteres atuais provêm da evolução das inscrições sobre carapaças de tartarugas e osso de animais, de cerca de 3 mil anos passados, e de posteriores inscrições em metais. Essas formas progrediram gradualmente a partir dos desenhos para os traços, das figuras para os símbolos, do complexo para o simples. </li></ul>
  29. 31. <ul><li>Os princípios básicos da composição dos caracteres Han seguem as seis normas seguintes: expressão formal, expressão abstrata, expressão do significado, combinação de fonemas com forma e a adaptação dos caracteres de igual pronúncia. Cada caractere Han constitui uma sílaba. Muitos caracteres se compõem de um radical e um fonema; assim, expressam o sentido (morfema) e o som (fonema). O Grande Dicionário da língua Han, em oito volumes, publicado entre 1986 e 1990, tem mais de 56 mil caracteres. Na realidade, os caracteres em uso são cerca de 4 mil. Das 55 minorias étnicas, com exceção das etnias Hui e Manchu, que usam em geral a língua Han, as demais 53 etnias utilizam línguas próprias e 23 têm sua própria escrita . </li></ul>
  30. 32. <ul><li>As línguas das minorias étnicas pertencem aos cinco sistemas lingüísticas: as de Zhuang, tai, Tibetana, Yi, Miao, Yao e de outras 23 etnias pertencem ao sistema sino-tibetano. Os centros docentes que têm como tarefa principal a admissão de alunos procedentes das minorias étnicas adotam manuais escritos nessas línguas, nas quais são dadas as aulas. </li></ul>
  31. 33. CRENÇAS RELIGIOSAS <ul><li>A China é um país com muitas religiões e conta com mais de 100 milhões de crentes. Se professam o budismo, o Islamismo, o catolicismo e o protestantismo. Além destas, há o Taoísmo, próprio do país, o Chamanismo, a igreja ortodoxa oriental e a religião dongba. Naturalmente, as diversas etnias e pessoas têm religiões diferentes.O budismo foi introduzido na China no século 1 a.n.e. (antes da nossa era) e no século IV começou a difundir-se amplamente, tornando-se pouco a pouco a religião de maior influência. O budismo tibetano é um ramo do budismo chinês. Propagou-se no Tibete, Mongólia Interior e outros lugares. </li></ul>
  32. 35. <ul><li>O Islamismo se introduziu na China nos meados do século VII. Atualmente, na China há mais de 30 mil mesquitas e de 40 mil imames e akhunds. O catolicismo começou na China no século VII e depois da Guerra do Ópio de 1840 se propagou em grande escala. Atualmente há quase 4 milhões de católicos e a quantidade de religiosos e seguidores passa de 4 mil.O Taoísmo se formou no século II. Se originou nas práticas feiticeiras e alquimistas em busca de imortais e gênios, próprios da sociedade chinesa dos antigos tempos que adorava espíritos e demônios. Esta doutrina venera Lao Zi, pensador da escola taoísta do Período de Primavera e Outono, é baseada na obra Daodejing como tema principal e mitifica o princípio do Dao apresentado nesse livro. Considera que, através do aperfeiçoamento, o homem pode chegar a unificar-se com o dao e tornar-se imortal. Atualmente, há mais de 1.500 mosteiros taoístas e a quantidade de monges e monjas e de mais de 25 mil. </li></ul>
  33. 37. POLÍTICA DE LIBERDADE DE CRENÇA <ul><li>De acordo com as estipulações da Constituição, &quot;os cidadãos da República Popular da China são livres para professar crenças religiosas&quot;, e &quot;nenhum organismo do Estado, organização social ou indivíduo pode obrigar um cidadão a professar qualquer religião ou deixar de praticá-la e tampouco discriminar cidadãos crentes ou não crentes&quot;. </li></ul>
  34. 38. HÁBITOS SOCIAIS <ul><li>No longo processo do desenvolvimento histórico e devido às diferenças do ambiente natural e também devido às condições sociais e ao grau de desenvolvimento econômico e de outros aspectos, cada etnia formou seus próprios costumes. Com referência à comida, em regra, os sulistas da etnia Han gostam de arroz; os nortistas, de alimentos baseados no trigo. Os Han preferem as verduras, legumes, carnes, peixes e ovos e dão muita importância à arte culinária. Os mongóis se inclinam pela carne bovina e de carneiro e tomam chá com leite. Os tibetanos gostam de comer zamba (os pastores preferem carne bovina e de carneiro), tomam chá preparado com manteiga e vinho feito com quiqke. </li></ul>
  35. 39. <ul><li>Os uygures, cazaquis e usbequis preferem a carne bovina e de carneiro, comem arroz com à mão e pastéis. Os coreanos gostam de pastéis de arroz glutinoso, talharins frios e vegetais em conserva. Os li, jing, dai, blang e hani gostam de mastigar nozes de areca. Quanto ao vestuário, as mulheres manchus usam o qipao; a étnia mongol, sua túnica característica e botas de cano alto; quanto a etnia tibetana, possuem túnica típica, entre a etnia coreana e calçam sapatos de borracha em forma de lancha; os uygures usam pequeno gorro de quatro lados com adornos bordados; as mulheres yi, miao, e yao reluzem em suas saias de &quot;cem pregas&quot; e adornos de ouro e prata.Quanto à casa, nas zonas onde a etnia Han predomina, se constroem vivendas com pátio fechado, na Mongólia Interior, Xinjiang, Qinghai, Gansu e outros lugares de atividades pecuária, na maioria dos casos se alojam nas yurtas e como as etnias do Sul, daí, zhuang e bouyei, se constroem casas sobre pilotis. </li></ul>
  36. 40. <ul><li>Na China, festejar aniversário é costume geral. Porém isto é mais comum nas cidades do que no campo, e mais entre crianças e velhos do que entre jovens e adultos. No dia do aniversário não há ritos. Come-se talharins, que significa longa vida, por isso, nessa ocasião são chamados de &quot;talharins de longa vida&quot;. Nas cidades costuma-se comemorar o aniversário com bolo, no estilo ocidental.Quanto ao casamento, basta chegar à idade estabelecida por lei (22 anos completos para o homem e 20 para a mulher); a certidão é fornecida pelas instituições de registro matrimonial para legalizar as relações de matrimônio. Por isso, a festa de casamento não é imprescindível senão uma forma de felicitação ao casal por parte de parentes e amigos. Geralmente, os recém-casados dão caramelos que significa a vida doce e recebem presentes. Os funerais também são simples. </li></ul>
  37. 41. <ul><li>Em geral se diz adeus ao defunto e se realiza um ato fúnebre manifestando condolência aos familiares. Nas cidades, o costume principal é a incineração; no campo, se enterra. O branco é a cor tradicional do luto, mas atualmente se usa uma faixa de tecido preto no braço, manifestando condolência aos familiares. </li></ul>
  38. 42. FESTAS <ul><li>Cada ano, quando o inverno rigoroso vai terminando e se aproxima a primavera, o povo chinês realiza uma festa com solenidade e grande animação. É a primeira festa tradicional do ano. Antes, como a China vinha usando calendário lunar e esse dia era o primeiro dia do primeiro mês, a Festa da Primavera se chamava de &quot;Ano Novo&quot;. Depois da Revolução de 1911, o país passou a usar o calendário gregoriano. Para diferenciar os dois dias de &quot;Ano Novo&quot;, o povo chamava o Ano Novo de calendário lunar de &quot;Festa da Primavera&quot; (geralmente entre os últimos dias de janeiro e meados de fevereiro do calendário gregoriano). A véspera do Ano Novo é uma ocasião importante de reunião familiar. </li></ul>
  39. 43. <ul><li>Todos os membros da família se reúnem para desfrutar uma deliciosa &quot;ceia de véspera&quot;, após o que se sentam para conversar ou dedicar-se aos jogos. Muitas pessoas passam a noite sem dormir &quot;aguardando o ano&quot;. No dia seguinte, há visitas aos amigos e parentes, para &quot;venerar o ano&quot;, fazendo votos para que o novo ano seja satisfatório. Durante a Festa da Primavera se realizam atividades culturais e recreativas tradicionais do local, como a dança dos leões, a dança das lanternas, a dança do dragão, o remar de Barco na terra, as pernas-de-pau e outras festas. </li></ul>
  40. 45. FESTAS DAS LANTERNAS <ul><li>No dia 15 do primeiro mês do calendário lunar se realiza a festa das Lanternas. É costume comer bolinhos de arroz glutinoso (yuanxiao) cheios de doces açucarados que simbolizam a reunião familiar. Nesse dia se acendem lanternas de papel ou de seda nos portões e nas ruas. Ao anoitecer, se realizam festas com lanternas de diversas cores e diversos desenhos de formas exóticas e em alguns lugares se fazem adivinhações. </li></ul>
  41. 47. FESTA DA PUREZA E SENIRIDADE <ul><li>Cada ano, mais ou menos em 5 de abril, há a Festa da Pureza e Serenidade. Se tratava de uma ocasião para oferendas aos antepassados, e também para renovar os túmulos. Esta Festa se realiza numa temporada de agradável temperatura, quando brotam as ervas e as pessoas fazem excursões, empinam papagaios de papel ou contemplam a paisagem. Por isso, se costuma chamá-la também de &quot;Festa de Pisar o Verde&quot;. </li></ul>
  42. 49. FESTA DUANWU <ul><li>Em geral se pensa que esta festa se originou de uma homenagem a Qu Yuan, poeta patriota que viveu no antigo Reino de Chu, durante o Período dos Reinos Combatentes. Como seus ideais políticos não se realizaram e tampouco tinha capacidade para salvar o Reino Chu, quando este reino foi aniquilado pelo Reino de Qin, no quinto dia do quinto mês, Qu Yuan se suicidou atirando-se no Rio Miluo. As massas populares, ao conhecer a desgraça, foram a esse lugar em barcos em busca do cadáver. Mais tarde, quando chegava esse dia, o povo remava em lanchas com forma de dragão na proa para prestar homenagem ao poeta. Além disso, jogavam no rio varas de bambus cheias de arroz como oferenda a Qu Yuan. Atualmente, nesse dia, se envolve arroz glutinoso em folhas de bambu e se realizam competições de barcos em formas de dragões na proa. </li></ul>
  43. 51. FESTA DO MEIO OUTONO <ul><li>No calendário agrícola, o dia 15 do oitavo mês, Meio Outono, começa na metade do mês. Em tempos antigos, cada vez que chegava esta festa, as pessoas faziam oferendas à divindade da lua com bolos refinado. Após as oferendas, os membros da família realizavam alegre reunião familiar. Estes costumes se transmitem de ano em ano até hoje. Sob a luz brilhante da lua cheia, toda a família se senta a contemplá-la, enquanto come deliciosos &quot;doces da lua&quot;. </li></ul>
  44. 53. FESTA DE CHONGYANG <ul><li>O nono dia do nono mês do calendário lunar é a Festa Chongyang. O número nove pertence a &quot;yang&quot; e dois &quot;nove&quot; significa duplo &quot;yang&quot;. Na antigüidade, as pessoas consideravam que este dia trazia muita sorte. Nessa festa se costumava a escalar montanhas, comer doces, tomar bebidas e apreciar os crisântemos. A partir dos fins da década dos 80, esta festa se converteu na Festa dos Anciãos. Cada ano, se realizam festas de respeito aos idosos, cuidando de sua vida e realizando espetáculos artísticos. </li></ul>
  45. 55. LITERATURA <ul><li>A brilhante literatura da China remonta à épocas antigas e é uma preciosidade cultural. O Livro de Ode (Shi Jing), a primeira antologia da poesia chinesa, recolhida no século VI a.n.c., compila 305 poemas de dinastia Zhou até O Período de Primavera e Outono. No Período dos Reinos Combatentes, Qu Yuan escreveu Chuci.As duas obras mencionadas são consideradas como os dois primeiros apogeus da história literária chinesa. Posteriormente, surgiram as prosas simples da Dinastia Qin e os Hanfu (poesia rítmica) esplêndidos da Dinastia Han, assim como os Yuefu, canções populares dos fins da dinastia Han, todos os quais representam a fisionomia literária da época. Deles, os Registros Históricos de Sima Qian e Os pavões reais voam para o sudeste, são obras famosas que gozaram de popularidade através dos séculos. </li></ul>
  46. 56. <ul><li>O movimento cultural pela nova democracia, iniciada na década de 20 do século XX, trazia desde seu princípio o pensamento antiimperialista e antifeudal. Os autores progressistas representados por Lu Xun iniciaram a literatura moderna da China. &quot;A verdadeira história de A Q&quot;, de Lu Xun, &quot;A Deusa&quot;, de Guo Moruo, &quot;Meia noite&quot;, de Mao Dun, &quot;Família&quot;, &quot;Primavera&quot; e &quot;Outono&quot;, de Ba Jin, &quot;Camelo Xiangzi&quot;, de Lao She e &quot;A Tempestade&quot; e &quot;A Saída do Sol&quot;, de Cao Yu, são outras excelentes obras deste período. Durante a &quot;revolução cultural&quot;, a literatura teve grandes prejuízos e apresentou um quadro de empobrecimento. A partir da reforma e abertura de 1978, a literatura retomou seu vigor. </li></ul>
  47. 57. ÓPERA DE BEIJING E ÓPERA LOCAIS <ul><li>Entre mais de 300 variedades de óperas locais tradicionais da China, a ópera de Beijing é a mais conhecida e influente; recebeu seu nome porque se formou nesta cidade nos começos do século XIX. A ópera de Beijing mistura o teatro , a canção, a música, a dança e as artes marciais em conjunto. Nas atividades cênicas de 200 anos, se acumulou mais de mil peças e formou uma série de modelos musicais e fórmulas representativas.Nos 50 anos da República Popular da China, o Estado e o povo dão muita atenção ao desenvolvimento da ópera de Beijing, os autores profissionais e os artistas criaram muitos novos programas, entre os quais alguns de temas históricos e outros de temas das guerras revolucionárias modernas, de edificação socialista e da vida do povo. </li></ul>
  48. 58. <ul><li>Para desenvolver esta ópera típica da China, muitos artistas e simpatizantes fazem grande quantidade de obras para atrair mais espectadores e levar a ópera aos palcos estrangeiros.A representação de &quot;Na encruzilhada&quot; no exterior foi bem recebida pelos espectadores. Trata-se de uma ópera curta com três personagens e excelentes artes marciais. Numa pequena pousada, três pessoas se encontram e, não se conhecendo, brigam por mal-entendidos; com arma curta cada um sobe e desce, se atacam ou se defendem ao redor de uma mesa. Como se trata de um combate em plena noite, tudo sucede em silêncio. Entre os dramas de ópera de Beijing, este estilo tem especial encanto, porque combina em si a essência da arte marcial e da arte da ópera. Para desempenhar bem seus papéis, os atores devem receber rigoroso treinamento físico e artístico desde criança. </li></ul>
  49. 60. ACROBACIAS <ul><li>Faz 2.500 anos, no Período de Primavera e Outono, na China apareceu a acrobacia. Primeiro se desenvolveram competições de forças. Homens fortes lançavam e pegavam rodas pesadas exibindo ao povo força e destreza. Na dinastia Han se popularizou a representação acrobática, que se convertia em programas recreativos tantos nos banquetes imperiais como nas celebrações populares. A acrobacia da China se difunde de geração em geração. Entre os números famosos figuram: &quot;atravessando argolas&quot;, &quot;jogo de diábolôs&quot;, &quot;jogos com os pés&quot;, jogos com jarrões&quot;, &quot;jogos com pratos giratórios&quot; e &quot;equilíbrio de grandes taças na cabeça“. </li></ul>
  50. 61. <ul><li>Depois da fundação da República Popular da China, em 1949, o Governo cuidou do seu desenvolvimento e a acrobacia conseguiu avanço rápido. Existem no país cerca de 100 conjuntos de nível distrital para cima e milhares de grupos populares, formando já um grande corpo artístico profissional e não profissional. A China enviou centenas de conjuntos a mais de cem países e regiões para exibir suas belas realizações. De 1981 a 1997 o país ganhou 35 vezes de modo acumulado, o &quot;Prêmio Presidente da República da França&quot; que é o principal prêmio do Festival Internacional de Acrobacia. &quot;Amanhã e futuro da França&quot;. </li></ul>
  51. 62. <ul><li>A China ganhou 85 medalhas de ouro nos concursos internacionais. As destrezas notáveis da acrobacia chinesa são elogiadas pelos povos do mundo e a China é considerada como o &quot;primeiro país da acrobacia&quot;. Em muitos lugares do país se generaliza a acrobacia e surgem muitos &quot;povoados de acrobacia&quot; como Liaocheng da Província de Shangdong, Yancheng da Província de Jiangsu, Puyang de Henan, Tanmen da Província de Hebei, Guangde da Província de Anhui e Wuqing de Tianjin. Merece menção a acrobacia de Wuqiao em Hebei. A remota história e o poderoso fundamento popular da acrobacia de Wuqiao têm fama na China e no exterior. A partir de 1987, se comemora a cada dois anos o &quot;Festival de Acrobacia Internacional de Wuqiao da China&quot; e os conjuntos nacionais e estrangeiros de alto nível participam das competições e fazem exibições. </li></ul>
  52. 64. CALIGRAFIA <ul><li>Os caracteres chineses evoluíram dos desenhos e sinais e formaram a arte da caligrafia, independente do processo da escrita. Os calígrafos usam o papel, pincel e tinta de nanquim e o que eles escrevem são linhas; entretanto, essas linhas se dividem em várias formas caligráficas e estilos artísticos. Em quase todas as dinastias da China surgiram calígrafos famosos. A arte e o estilo da caligrafia de cada um constituía a representação típica de uma dinastia.O famoso calígrafo Wang Xizhi, da dinastia Jin do leste, foi chamado de &quot;santo dos calígrafos&quot;. Sua escrita cursiva bela e majestosa, vivaz e vigorosa, era estimada por todos. Seu filho Wang Xianzhi fazia a caligrafia dos caracteres chineses mais distinta. </li></ul>
  53. 65. <ul><li>A dinastia Tang marcou um período de esplendor da caligrafia da China com Ouyang Xun, Zhu Suiliang, Yan Zhenqing e Liu Gongquan com representantes, suas obras são até hoje modelos de caligrafia. As obras do grande calígrafo moderno Wu Changshuo se destacam pelo estilo conciso e fluido e as estruturas variadas.O calígrafo incrustou caracteres nas pinturas formando sua própria forma de caligrafia e pintura. Atualmente, não se usa muito o pincel; entretanto, a caligrafia, como arte, é praticada por muitas pessoas. Procura-se escrever caracteres regulares e belos e mostrar as modalidades imponentes da caligrafia dos caracteres chineses. A Associação de calígrafos da China e os grupos locais de diferentes níveis desenvolvem sempre atividades. Inclusive em algumas universidades, instituições e empresas existem grupos de calígrafos. Através de discussões, exibições e reuniões, os calígrafos e conhecedores realizam trocas mútuas. </li></ul>
  54. 67. PINTURAS <ul><li>As cerâmicas do neolítico, de mais de 6 mil anos e com figuras de peixes, rãs, veados, pássaros e flores, foram as primeiras manifestações pictóricas da China. Os pictogramas mais antigos eram compostos por pequenos desenhos com linhas, que se desenvolveriam convertendo-se nos caracteres chineses atuais. Como se usavam os mesmos instrumentos para escrever e desenhar e as pinturas e pictogramas eram formadas principalmente por linhas, se diz que as duas têm a mesma origem. Isso constitui a destacada caraterística da pintura chinesa: escrever poemas ou caligrafia na pintura. </li></ul>
  55. 68. <ul><li>O povo goza da beleza deste conjunto artístico composto pelo poema, a caligrafia e a pintura. Na antigüidade, muitas pinturas se faziam nos muros e biombos e até hoje se vêem ainda os murais conservados nos túmulos das dinastias Han e Tang. Gu Kaizhi, pintor famoso da dinastia Jin, era hábil em pinturas de temas históricos; em sua obra &quot;A deusa Luobin&quot; descreveu o encontro do poeta Cao Zhi com a deusa. As dinastias Tang e Song constituíram o apogeu pictórico da China. Wu Daozi, pintor da dinastia Tang, tinha o nome de &quot;santo da pintura&quot;, e se especializou em personagens e paisagens. </li></ul>
  56. 69. <ul><li>O pintor da dinastia Song do Norte, Zhang Zeduan, descreveu no &quot;Festival Qingming sobre o rio&quot; o espetáculo próspero de Bianliang, capital dessa dinastia. Esta é uma importante obra com valor histórico. Li Sixun e seu filho Li Zhaodan, da dinastia Tang, utilizavam tintas feitas com materiais minerais, por isso suas pinturas se mostravam resplandecentes e magníficas. Wang Wei divulgou a pintura com tinta chinesa: em suas obras os traços eram enérgicos e as nuvens e águas ondulantes. A pintura de flores e pássaros constitui importante variedade e suas obras são muito expressivas.Entre os pintores contemporâneos da China, alguns desenham somente donzelas, outros animais, ou só um animal: gato, cavalos, ou burros. </li></ul>
  57. 70. <ul><li>Como dedicam suas energias a um só tipo, desenham cada vez mais refinadamente e se, fazem o círculo pictórico da China, o fazem muito ativo. No Pavilhão de Belas Artes da China e palácios se realizam sempre exibições individuais ou coletivas. Fora do país, as pinturas da China se exibiram no Japão, República da Coréia, Singapura, Estados Unidos, Canadá e Europa. A pintura chinesa é diferente do óleo ocidental.Com sua beleza artística oriental, atrai os conhecedores e colecionadores. Além da pintura tradicional chinesa, as técnicas ocidentais também se desenvolveram na China, por exemplo, o óleo, a gravura e a aquarela. Alguns pintores chineses combinam as técnicas da pintura tradicional chinesa com a ocidental e realizam obras artísticas de estilos variados famosos. </li></ul>
  58. 72. ARTESANATO <ul><li>Muitas obras trabalhadas com técnicas especiais atraem os conhecedores e colecionadores. O artesanato chinês se divide em dois ramos: o especial e o folclórico. O artesanato especial inclui as esculturas em marfim, objetos de jade, &quot;cloisonné&quot; e outros artigos, que através de desenhos meticulosos, são feitos com matérias preciosas ou especiais e se vendem caro.As esculturas de marfim se produzem especialmente em Beijing, Guangzhou e Shanghai. Devido à falta de margem, os artesãos vêm praticando novas técnicas de talhar miniaturas. No caso dos objetos de jade, utilizando as veias, brilho e a cor natural, os artesãos combinam a cor com a figura das matérias-primas deixando ver inteiramente o fascínio da natureza. As esculturas em pedras são feitas com diferentes pedras preciosas. </li></ul>
  59. 73. <ul><li>Os artesãos esculpem os objetos de acordo com a cor e forma das pedras tornando-os vivos. As gravuras de laca são principalmente garrafas, jarros e grandes biombos de cor vermelho-escuro na maioria dos casos. Se vêem muito belas e refinadas.Os objetos de &quot;cloisonné&quot; são famosos na China e em outros países. O processo de produção se inicia com o molde dos objetos com cobre, se incrustam fios de cobre polido e galvanizam com ouro e prata. Estes objetos, que deslumbram pelo brilho metálico, são principalmente vasos, copos e taças. </li></ul>
  60. 74. <ul><li>O artesanato folclórico da China tem longa história e ampla base popular e contém abundantes conotações culturais e históricas. Suas obras excitam as concepções estéticas, os interesse e admiração da gente. Desde a antigüidade, o artesanato folclórico dispõe de característica popular e estilo ético. Seus produtos são variados e belos. As técnicas do artesanato tradicional da China se dividem nos seguintes grupos: de cortar, atar, tecer, fiar, bordar, gravar, modelar e desenhar. </li></ul>
  61. 75. <ul><li>A China é o país das porcelanas. Se produzem tanto no Sul como no Norte do país. Os centros sulinos das porcelanas são Jingdezhen da Província de Jiangxi e Liling da Hunan. Os do Norte são Tangshan e Handan da Hebei, e Zibo da Shandong. Seus produtos têm diferentes estilos. Os famosos antigos fornos tais como Longquan, Junyao, Ruyao, Guanyao, Cizhou e Caozhou, recuperaram as boas técnicas já perdidas. Ademais, em Yixing de Jiangsu, renomeado centro de cerâmica da China, se produzem cerâmicas de cinabre. </li></ul>
  62. 77. Estudar geografia é viajar no globo sem gastar.

×