SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Democracia representativa e
participada
 Constituição
Conjunto de regras relativas à governação e ao funcionamento das instituições públicas de
um país. Constituem um documento escrito considerado “lei fundamental” . Todas as leis
produzidas devem estar em acordo com a Constituição.
 Estado
Entidade responsável pela organização de um território e da vida da população ou do
conjunto de populações que aí habitam.
 Órgãos de Soberania
Presidente da República, Assembleia da República, Governo e Tribunais.
 Órgãos de Poder Político
Regiões autónomas e autarquias.
 Voto
Forma encontrada pelos regimes democráticos para os cidadãos exprimirem as suas
escolhas políticas, sociais ou morais.
Democracia representativa e
participada
Constituição da República Portuguesa
A Constituição é a lei suprema do país. Consagra os direitos
fundamentais dos cidadãos, os princípios essenciais por que se rege o
Estado português e as grandes orientações políticas a que os seus
órgãos devem obedecer, estabelecendo também as regras deórgãos devem obedecer, estabelecendo também as regras de
organização do poder político.
1. Pesquisar sobre alguns dos direitos fundamentais implícitos na
Constituição da República Portuguesa.
2. Referir se na sua experiência pessoal algum/uns já foram postos
em causa.
Democracia representativa e
participada
Constituição da República Portuguesa
 Consulte a Constituição da República Portuguesa e
identifique os artigos que provam a ilegitimidade das
seguintes situações:seguintes situações:
a) Ofender um vizinho;
b) Agredir uma pessoa que nos passou à frente numa fila;
c) Impedir alguém de expressar livremente as suas opiniões;
e) Recusar a venda ou o arrendamento de uma casa a uma
pessoa só por esta ser de etnia diferente (etnia cigana,
africana, indiana).
Democracia representativa e
participada
 Tendo em atenção as seguintes normas da Constituição da República
Portuguesa:
Artigo 13º
( Princípio da igualdade )
1-Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.
2-Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer
direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua,
território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação
económica, condição social ou orientação sexual.
Artigo 36º
( Família, casamento e filiação )
Todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de
plena igualdade.
Exponha a sua posição (concordância/discordância) sobre uma eventual alteração
do Código Civil, que viabilize a adoção de crianças entre pessoas do mesmo sexo.
Democracia representativa e
participada
Artigo 11.º
(Símbolos nacionais e língua oficial)
1. A Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República, da
independência, unidade e integridade de Portugal, é a adoptada pela
República instaurada pela Revolução de 5 de outubro de 1910.
2 O Hino Nacional é A Portuguesa2. O Hino Nacional é A Portuguesa.
3. A língua oficial é o Português.
Artigo 110.º
(Órgãos de soberania)
1. São órgãos de soberania o Presidente da República, a Assembleia da
República, o Governo e os Tribunais.
2. A formação, a composição, a competência e o funcionamento dos órgãos
de soberania são os definidos na Constituição.
Democracia representativa e
participada
 O Presidente da República é o Chefe de Estado. Assim, nos termos da
Constituição, ele "representa a República Portuguesa", "garante a
independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento
das instituições democráticas" e é o Comandante Supremo das Forças
Armadas. (art. 120º da CRP)
 A Assembleia da República é o parlamento nacional, e é composta por
todos os deputados eleitos. Representa todos os cidadãos. (art. 147º CRP)
 O Governo conduz a política geral do país e dirige a Administração
Pública, que executa a política do Estado. O Governo tem funções políticas,
legislativas e administrativas. (art. 182º, 197º, 198º, 199º da CRP)
 Os tribunais administram a justiça e são o único órgão de soberania não
eleito. Os tribunais dos regimes democráticos caracterizam-se por serem
independentes e autónomos. Os juízes são independentes e inamovíveis
(não podem ser afastados do seu posto), e as suas decisões sobrepõem-se
às de qualquer outra autoridade. (art. 202º, 203º, 205º da CRP)
2
Democracia representativa e
participada
Artigo 5.º
(Território)
1. Portugal abrange o território historicamente
definido no continente europeu e os arquipélagos dos
Açores e da Madeira.
2. A lei define a extensão e o limite das águas
territoriais, a zona económica exclusiva e os direitos
de Portugal aos fundos marinhos contíguos.
3. O Estado não aliena qualquer parte do território
português ou dos direitos de soberania que sobre ele
exerce, sem prejuízo da retificação de fronteiras.
Democracia representativa e
participada
 AS REGIÕES AUTÓNOMAS (art. 225º, 227º, 228º, 231º da CRP)
Os Açores e a Madeira têm um regime administrativo próprio baseado nas
suas características geográficas e culturais e nos desejos de governo próprio
das suas populações. As assembleias e governos regionais têm amplos
poderes para definir as políticas de cada região, exceto no que respeita a
Política Externa, Defesa Nacional e Segurança Interna, que são definidas pela
Assembleia ou pelo Governo da República. As assembleias regionais são
eleitas pelo mesmo método que a Assembleia da República e os governos
regionais são formados através do mesmo método que o governo nacional.
 O PODER LOCAL (art. 235º, 236º, 244º-247, 250º-253º, 255º da CRP)
O poder local integra as freguesias, os municípios e também as associações
de municípios. Nas eleições locais são eleitos a assembleia de freguesia, a
assembleia municipal e a câmara municipal.
Democracia representativa e
participada
OS DESAFIOS DO PODER LOCAL
1. Modernização/Simplificação Administrativa
2. Qualificação e renovação das pessoas e quadros
3. Reorganização Territorial e alargamento das competências das Freguesias
4 D li ã /P i4. Descentralização/Parcerias
5. Regionalização
6. Livro Branco sobre o sector empresarial local
7. Diplomacia económica
8. Finanças Locais
http://www.autarnet.pt/noticias-htm/3183.html
Democracia representativa e
participada
A Internet está a mudar o comportamento dos portugueses, habitualmente
pouco participativos em ações cívicas ou políticas. Lançam petições online
para defender uma causa, uma ideia ou, simplesmente, uma regalia. E da
mesma forma subscrevem petições internacionais sobre os mais variados
assuntos. E até o associativismo dito tradicional recorre às novas tecnologias
para se dinamizarpara se dinamizar.
"Não é tanto o associativismo que está a mudar, mas as formas de
participação social que estão a mudar. E as associações mais tradicionais
também estão a utilizar a Internet como uma das suas ferramentas", explica
I.P., socióloga especializada em movimentos sociais, nomeadamente nas redes
que se estabelecem via Internet. É que as novas tecnologias permitem
congregar esforços rapidamente e sem obrigar a pessoa a deslocar-se de sua
casa, o que representa uma revolução na forma de interagir. DN, 19/01/2009
Reflita sobre os obstáculos e as oportunidades da participação democrática.
Guião de trabalho
 Conhece os direitos que lhe são conferidos como cidadão
português? Destaque 2.
 No âmbito da Constituição da República Portuguesa que
direitos lhe permitem participar cívica e politicamente?
A l 2Apresente pelo menos 2.
 Vota? Reconhece a importância do direito ao voto?
 Elabore um texto reflexivo considerando a seguinte situação:
“Se eu fosse Presidente da Junta de Freguesia por um dia, o
que fazia?”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsO Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHs
Paulo Alexandre
 
Estado, governo e sociedade
Estado, governo e sociedadeEstado, governo e sociedade
Estado, governo e sociedade
José Junior
 
Inicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBEN
Inicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBENInicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBEN
Inicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBEN
Sidnei Santos
 
01 conceito
01 conceito01 conceito
01 conceito
ensinoaprovar
 
Organização política e territorial do brasil
Organização política e territorial do brasilOrganização política e territorial do brasil
Organização política e territorial do brasil
bruno rangel
 
Organização dos poderes no âmbito estadual
Organização dos poderes no âmbito estadualOrganização dos poderes no âmbito estadual
Organização dos poderes no âmbito estadual
Letras Mágicas
 
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
CETUR
 
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito ConstitucionalApostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
Vitor Carvalho
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Consitucionacioal
ConsitucionacioalConsitucionacioal
Consitucionacioal
Henrique Calheiros
 
Organização do estado
Organização do estadoOrganização do estado
Organização do estado
Ana Cristina F
 
Resumo da lei orgânica
Resumo da lei orgânicaResumo da lei orgânica
Resumo da lei orgânica
Alicemos
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2
CETUR
 
Aula 01 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 01  Dir. Constitucional - Federação BrasileiraAula 01  Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 01 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Tércio De Santana
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
Maira Conde
 
Organizacao estado aluno
Organizacao estado alunoOrganizacao estado aluno
Organizacao estado aluno
rodrigocp1986
 
Organizacao politica e administrativa do estado portugues
Organizacao politica e administrativa do estado portuguesOrganizacao politica e administrativa do estado portugues
Organizacao politica e administrativa do estado portugues
Ricardo_Roque
 
Brasil, organização política
Brasil, organização políticaBrasil, organização política
Brasil, organização política
Alexandre Ramos
 

Mais procurados (18)

O Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsO Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHs
 
Estado, governo e sociedade
Estado, governo e sociedadeEstado, governo e sociedade
Estado, governo e sociedade
 
Inicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBEN
Inicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBENInicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBEN
Inicio de conversa - Legislação Educacional I - CF LDBEN
 
01 conceito
01 conceito01 conceito
01 conceito
 
Organização política e territorial do brasil
Organização política e territorial do brasilOrganização política e territorial do brasil
Organização política e territorial do brasil
 
Organização dos poderes no âmbito estadual
Organização dos poderes no âmbito estadualOrganização dos poderes no âmbito estadual
Organização dos poderes no âmbito estadual
 
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
 
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito ConstitucionalApostila de Nocões de Direito Constitucional
Apostila de Nocões de Direito Constitucional
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Consitucionacioal
ConsitucionacioalConsitucionacioal
Consitucionacioal
 
Organização do estado
Organização do estadoOrganização do estado
Organização do estado
 
Resumo da lei orgânica
Resumo da lei orgânicaResumo da lei orgânica
Resumo da lei orgânica
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 3 Módulo 2
 
Aula 01 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 01  Dir. Constitucional - Federação BrasileiraAula 01  Dir. Constitucional - Federação Brasileira
Aula 01 Dir. Constitucional - Federação Brasileira
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
 
Organizacao estado aluno
Organizacao estado alunoOrganizacao estado aluno
Organizacao estado aluno
 
Organizacao politica e administrativa do estado portugues
Organizacao politica e administrativa do estado portuguesOrganizacao politica e administrativa do estado portugues
Organizacao politica e administrativa do estado portugues
 
Brasil, organização política
Brasil, organização políticaBrasil, organização política
Brasil, organização política
 

Semelhante a Cp 3

Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976
João Soares
 
Constituição da república portuguesa e leis da família
Constituição da república portuguesa e leis da famíliaConstituição da república portuguesa e leis da família
Constituição da república portuguesa e leis da família
Nome Sobrenome
 
24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf
24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf
24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf
AmandaSimoesTerraMar
 
Democracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e ParticipativaDemocracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e Participativa
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc
MarleneRicardo2
 
PACTA 9ª Edição
PACTA 9ª EdiçãoPACTA 9ª Edição
PACTA 9ª Edição
Sofia Ramos
 
D. constitucional PMMG
D. constitucional  PMMGD. constitucional  PMMG
D. constitucional PMMG
Marcos Luiz Campos
 
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividadeDemetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Deto - Geografia
 
Direito, 12º ano
Direito, 12º anoDireito, 12º ano
Direito, 12º ano
Raquel Tavares
 
Democracia participativa
Democracia participativaDemocracia participativa
Democracia participativa
Eliene Alves
 
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.pptAULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
ClaudiaSiano
 
50 dicas oab
50 dicas   oab50 dicas   oab
50 dicas oab
Joana Oliveira
 
A política angolana
A política angolanaA política angolana
A política angolana
Filipe Simão Kembo
 
Etica direito politica 10
Etica direito politica 10Etica direito politica 10
Etica direito politica 10
kokinhas
 
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus DireitosCartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Stander Pool Guess Guess
 
Ouvidoria e Controle Social
Ouvidoria e Controle SocialOuvidoria e Controle Social
Ouvidoria e Controle Social
Ouvidoria Geral do Estado da Bahia
 
A organização institucional do Estado Português.pptx
A organização institucional do Estado Português.pptxA organização institucional do Estado Português.pptx
A organização institucional do Estado Português.pptx
CarlaSofiaSilva9
 
Democracia: O que todo brasileiro deveria saber
Democracia: O que todo brasileiro deveria saberDemocracia: O que todo brasileiro deveria saber
Democracia: O que todo brasileiro deveria saber
Flor Martha S. Ferreira
 
Lei organica do municipio do rj
Lei organica do municipio do rjLei organica do municipio do rj
Lei organica do municipio do rj
mari_saraiva
 
ppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptx
ppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptxppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptx
ppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptx
Susana Marques
 

Semelhante a Cp 3 (20)

Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976
 
Constituição da república portuguesa e leis da família
Constituição da república portuguesa e leis da famíliaConstituição da república portuguesa e leis da família
Constituição da república portuguesa e leis da família
 
24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf
24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf
24.1. AULA_1 BIMESTRE_ REDACAO JURÍDICA - Copy (1).pdf
 
Democracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e ParticipativaDemocracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e Participativa
 
42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc42619847-ng1-dr3 (2).doc
42619847-ng1-dr3 (2).doc
 
PACTA 9ª Edição
PACTA 9ª EdiçãoPACTA 9ª Edição
PACTA 9ª Edição
 
D. constitucional PMMG
D. constitucional  PMMGD. constitucional  PMMG
D. constitucional PMMG
 
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividadeDemetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
Demetrio geografia td brasil cidadania e representatividade
 
Direito, 12º ano
Direito, 12º anoDireito, 12º ano
Direito, 12º ano
 
Democracia participativa
Democracia participativaDemocracia participativa
Democracia participativa
 
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.pptAULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
AULA 1- CONSTITUIÇÃO DE 1988.ppt
 
50 dicas oab
50 dicas   oab50 dicas   oab
50 dicas oab
 
A política angolana
A política angolanaA política angolana
A política angolana
 
Etica direito politica 10
Etica direito politica 10Etica direito politica 10
Etica direito politica 10
 
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus DireitosCartilha da cidadania Conheça seus Direitos
Cartilha da cidadania Conheça seus Direitos
 
Ouvidoria e Controle Social
Ouvidoria e Controle SocialOuvidoria e Controle Social
Ouvidoria e Controle Social
 
A organização institucional do Estado Português.pptx
A organização institucional do Estado Português.pptxA organização institucional do Estado Português.pptx
A organização institucional do Estado Português.pptx
 
Democracia: O que todo brasileiro deveria saber
Democracia: O que todo brasileiro deveria saberDemocracia: O que todo brasileiro deveria saber
Democracia: O que todo brasileiro deveria saber
 
Lei organica do municipio do rj
Lei organica do municipio do rjLei organica do municipio do rj
Lei organica do municipio do rj
 
ppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptx
ppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptxppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptx
ppt2_cp1-_liberdade_e_responsabilidade_democratica.pptx
 

Mais de Adelino Carlos & Vieira

Presidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesiaPresidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesia
Adelino Carlos & Vieira
 
Motivos de despedimento
Motivos de despedimentoMotivos de despedimento
Motivos de despedimento
Adelino Carlos & Vieira
 
Cp! associações pedro pires
Cp!   associações pedro piresCp!   associações pedro pires
Cp! associações pedro pires
Adelino Carlos & Vieira
 
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1   liberdade e responsablidade democráticasCp 1   liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
Adelino Carlos & Vieira
 
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
Cp1   contrato de trabalho a termo pedroCp1   contrato de trabalho a termo pedro
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
Adelino Carlos & Vieira
 
Stc 5 evolução de um elemento tecologico
Stc 5   evolução de um elemento tecologicoStc 5   evolução de um elemento tecologico
Stc 5 evolução de um elemento tecologico
Adelino Carlos & Vieira
 
Stc 5 trabalho (cidade louca)
Stc 5   trabalho (cidade louca)Stc 5   trabalho (cidade louca)
Stc 5 trabalho (cidade louca)
Adelino Carlos & Vieira
 
Pedro e carlos
Pedro e carlosPedro e carlos
Pedro e carlos
Adelino Carlos & Vieira
 
Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores
Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadoresDireitos, liberdades e garantias dos trabalhadores
Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores
Adelino Carlos & Vieira
 
Lixeiras nos Oceanos
Lixeiras nos OceanosLixeiras nos Oceanos
Lixeiras nos Oceanos
Adelino Carlos & Vieira
 

Mais de Adelino Carlos & Vieira (13)

Presidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesiaPresidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesia
 
Motivos de despedimento
Motivos de despedimentoMotivos de despedimento
Motivos de despedimento
 
Cp! associações pedro pires
Cp!   associações pedro piresCp!   associações pedro pires
Cp! associações pedro pires
 
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1   liberdade e responsablidade democráticasCp 1   liberdade e responsablidade democráticas
Cp 1 liberdade e responsablidade democráticas
 
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
Cp1   contrato de trabalho a termo pedroCp1   contrato de trabalho a termo pedro
Cp1 contrato de trabalho a termo pedro
 
Stc 5 evolução de um elemento tecologico
Stc 5   evolução de um elemento tecologicoStc 5   evolução de um elemento tecologico
Stc 5 evolução de um elemento tecologico
 
Stc 5 trabalho (cidade louca)
Stc 5   trabalho (cidade louca)Stc 5   trabalho (cidade louca)
Stc 5 trabalho (cidade louca)
 
Pedro e carlos
Pedro e carlosPedro e carlos
Pedro e carlos
 
Contrato pt
Contrato ptContrato pt
Contrato pt
 
Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores
Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadoresDireitos, liberdades e garantias dos trabalhadores
Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores
 
Referencial de formação
Referencial de formaçãoReferencial de formação
Referencial de formação
 
Contrato formação iefp
Contrato formação iefpContrato formação iefp
Contrato formação iefp
 
Lixeiras nos Oceanos
Lixeiras nos OceanosLixeiras nos Oceanos
Lixeiras nos Oceanos
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

Cp 3

  • 1. 1 Democracia representativa e participada  Constituição Conjunto de regras relativas à governação e ao funcionamento das instituições públicas de um país. Constituem um documento escrito considerado “lei fundamental” . Todas as leis produzidas devem estar em acordo com a Constituição.  Estado Entidade responsável pela organização de um território e da vida da população ou do conjunto de populações que aí habitam.  Órgãos de Soberania Presidente da República, Assembleia da República, Governo e Tribunais.  Órgãos de Poder Político Regiões autónomas e autarquias.  Voto Forma encontrada pelos regimes democráticos para os cidadãos exprimirem as suas escolhas políticas, sociais ou morais. Democracia representativa e participada Constituição da República Portuguesa A Constituição é a lei suprema do país. Consagra os direitos fundamentais dos cidadãos, os princípios essenciais por que se rege o Estado português e as grandes orientações políticas a que os seus órgãos devem obedecer, estabelecendo também as regras deórgãos devem obedecer, estabelecendo também as regras de organização do poder político. 1. Pesquisar sobre alguns dos direitos fundamentais implícitos na Constituição da República Portuguesa. 2. Referir se na sua experiência pessoal algum/uns já foram postos em causa. Democracia representativa e participada Constituição da República Portuguesa  Consulte a Constituição da República Portuguesa e identifique os artigos que provam a ilegitimidade das seguintes situações:seguintes situações: a) Ofender um vizinho; b) Agredir uma pessoa que nos passou à frente numa fila; c) Impedir alguém de expressar livremente as suas opiniões; e) Recusar a venda ou o arrendamento de uma casa a uma pessoa só por esta ser de etnia diferente (etnia cigana, africana, indiana). Democracia representativa e participada  Tendo em atenção as seguintes normas da Constituição da República Portuguesa: Artigo 13º ( Princípio da igualdade ) 1-Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei. 2-Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual. Artigo 36º ( Família, casamento e filiação ) Todos têm o direito de constituir família e de contrair casamento em condições de plena igualdade. Exponha a sua posição (concordância/discordância) sobre uma eventual alteração do Código Civil, que viabilize a adoção de crianças entre pessoas do mesmo sexo. Democracia representativa e participada Artigo 11.º (Símbolos nacionais e língua oficial) 1. A Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República, da independência, unidade e integridade de Portugal, é a adoptada pela República instaurada pela Revolução de 5 de outubro de 1910. 2 O Hino Nacional é A Portuguesa2. O Hino Nacional é A Portuguesa. 3. A língua oficial é o Português. Artigo 110.º (Órgãos de soberania) 1. São órgãos de soberania o Presidente da República, a Assembleia da República, o Governo e os Tribunais. 2. A formação, a composição, a competência e o funcionamento dos órgãos de soberania são os definidos na Constituição. Democracia representativa e participada  O Presidente da República é o Chefe de Estado. Assim, nos termos da Constituição, ele "representa a República Portuguesa", "garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas" e é o Comandante Supremo das Forças Armadas. (art. 120º da CRP)  A Assembleia da República é o parlamento nacional, e é composta por todos os deputados eleitos. Representa todos os cidadãos. (art. 147º CRP)  O Governo conduz a política geral do país e dirige a Administração Pública, que executa a política do Estado. O Governo tem funções políticas, legislativas e administrativas. (art. 182º, 197º, 198º, 199º da CRP)  Os tribunais administram a justiça e são o único órgão de soberania não eleito. Os tribunais dos regimes democráticos caracterizam-se por serem independentes e autónomos. Os juízes são independentes e inamovíveis (não podem ser afastados do seu posto), e as suas decisões sobrepõem-se às de qualquer outra autoridade. (art. 202º, 203º, 205º da CRP)
  • 2. 2 Democracia representativa e participada Artigo 5.º (Território) 1. Portugal abrange o território historicamente definido no continente europeu e os arquipélagos dos Açores e da Madeira. 2. A lei define a extensão e o limite das águas territoriais, a zona económica exclusiva e os direitos de Portugal aos fundos marinhos contíguos. 3. O Estado não aliena qualquer parte do território português ou dos direitos de soberania que sobre ele exerce, sem prejuízo da retificação de fronteiras. Democracia representativa e participada  AS REGIÕES AUTÓNOMAS (art. 225º, 227º, 228º, 231º da CRP) Os Açores e a Madeira têm um regime administrativo próprio baseado nas suas características geográficas e culturais e nos desejos de governo próprio das suas populações. As assembleias e governos regionais têm amplos poderes para definir as políticas de cada região, exceto no que respeita a Política Externa, Defesa Nacional e Segurança Interna, que são definidas pela Assembleia ou pelo Governo da República. As assembleias regionais são eleitas pelo mesmo método que a Assembleia da República e os governos regionais são formados através do mesmo método que o governo nacional.  O PODER LOCAL (art. 235º, 236º, 244º-247, 250º-253º, 255º da CRP) O poder local integra as freguesias, os municípios e também as associações de municípios. Nas eleições locais são eleitos a assembleia de freguesia, a assembleia municipal e a câmara municipal. Democracia representativa e participada OS DESAFIOS DO PODER LOCAL 1. Modernização/Simplificação Administrativa 2. Qualificação e renovação das pessoas e quadros 3. Reorganização Territorial e alargamento das competências das Freguesias 4 D li ã /P i4. Descentralização/Parcerias 5. Regionalização 6. Livro Branco sobre o sector empresarial local 7. Diplomacia económica 8. Finanças Locais http://www.autarnet.pt/noticias-htm/3183.html Democracia representativa e participada A Internet está a mudar o comportamento dos portugueses, habitualmente pouco participativos em ações cívicas ou políticas. Lançam petições online para defender uma causa, uma ideia ou, simplesmente, uma regalia. E da mesma forma subscrevem petições internacionais sobre os mais variados assuntos. E até o associativismo dito tradicional recorre às novas tecnologias para se dinamizarpara se dinamizar. "Não é tanto o associativismo que está a mudar, mas as formas de participação social que estão a mudar. E as associações mais tradicionais também estão a utilizar a Internet como uma das suas ferramentas", explica I.P., socióloga especializada em movimentos sociais, nomeadamente nas redes que se estabelecem via Internet. É que as novas tecnologias permitem congregar esforços rapidamente e sem obrigar a pessoa a deslocar-se de sua casa, o que representa uma revolução na forma de interagir. DN, 19/01/2009 Reflita sobre os obstáculos e as oportunidades da participação democrática. Guião de trabalho  Conhece os direitos que lhe são conferidos como cidadão português? Destaque 2.  No âmbito da Constituição da República Portuguesa que direitos lhe permitem participar cívica e politicamente? A l 2Apresente pelo menos 2.  Vota? Reconhece a importância do direito ao voto?  Elabore um texto reflexivo considerando a seguinte situação: “Se eu fosse Presidente da Junta de Freguesia por um dia, o que fazia?”