Polialelia

5.802 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.802
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
487
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
249
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Polialelia

  1. 1. Aumentando a variabilidade genética Apostila p. 140 a p. 144 Quitéria Paravidino
  2. 2. Alelos Múltiplos ou Polialelia  Alelos são formas alternativas de um mesmo gene e que, consequentemente ocupam mesmo loco em cromossomos homólogos.  Os efeitos genéticos destes alelos dependem de suas relações de dominância.  Estes alelos têm origem nas mutações, que são capazes de causar alterações estruturais nos genes de tal forma que é possível ocorrer mais de um par de alelos para um determinado caráter.  Alelos múltiplos referem-se a uma série, constituída de três ou mais alelos, pertencentes a um mesmo gene e que ocorre dois a dois em um organismo diplóide.
  3. 3. ALELOS MÚLTIPLOS Na população No indivíduo Mais de dois tipos de alelos Dois alelos C = n (n+1) 2
  4. 4. Selvagem: CC, Ccch, Cch, Cca Chinchila: cchcch, cchch, cchca Himalaia: chch, chca Albino: caca C = n (n+1) 2
  5. 5. Anticorpos Proteínas na membrana
  6. 6. Sistema ABO  Na membrana das hemácias existem proteínas específicas que se comportam como antígenos – são denominadas aglutinogênios e identificam cada tipo de hemácia.  No plasma sangüíneo existem anticorpos que são capazes de identificar antígenos de hemácias – são denominados aglutininas.  Quando aglutininas encaixam-se nos aglutinogênios das hemácias ocorre a reação denominada aglutinação.
  7. 7. Reação de aglutinação
  8. 8. Antígenos (aglutinogênios) e anticorpos (aglutininas) Tipo sangüíneo Aglutinogênio(s) na hemácia Aglutinina(s) no plasma A A Anti-B B B Anti-A AB A e B Nenhuma O Nenhum Anti-A e anti-B
  9. 9. Exame laboratorial
  10. 10. Transfusões compatíveis A B AB O
  11. 11. Relação entre fenótipos e genótipos no sistema ABO FENÓTIPOS GENÓTIPOS Grupo A IAIA ou IAi Grupo B IBIB ou IBi Grupo AB IAIB Grupo O ii
  12. 12. O falso “O” ou efeito Bombaim  Os indivíduos HH ou Hh sintetizam uma enzima chamada de transferase que leva à formação de um aglutinogênio H (Ag H).  Este antígeno é transformado em aglutinogênio A (Ag A) ou em aglutinogênio B (Ag B) pelas enzimas sintetizadas, respectivamente, pelos genes IA e IB.  Os indivíduos hh não sintetizam transferase e, portanto não formam Ag H.  Por isso os genes IA e IB ficam inoperantes e não são produzidos seus respectivos aglutinogênios.
  13. 13. Indivíduos HH ou Hh transferase Ag H IA IB Ag A Ag B Indivíduos hh Não formam Ag H ii Não produz Ag “O” verdadeiro Não produz Ag Falso “O”
  14. 14.  O teste para determinação do falso O é feito com soro anti-H.  Se houver aglutinação é O verdadeiro.  Se não houver aglutinação é falso O.
  15. 15.  Suspeitando que a menina III.1 tivesse sido trocada na maternidade, foi feito um teste de DNA. Este teste confirmou que a criança era filha legítima do casal II.2 x II.3. Como explicar o seu tipo sangüíneo? Justifique.
  16. 16. Sistema Rh
  17. 17. Exame Laboratorial para Rh
  18. 18. Relação genótipos e fenótipos para fator Rh GENÓTIPOS FENÓTIPOS DD Rh positivo Dd Rh positivo dd Rh negativo
  19. 19. Transfusões compatíveis Rh + Rh - sempre 1ª e única transfusão
  20. 20. Eritroblastose fetal ou DHRN (Condição única) DD ou Dd dd Dd
  21. 21. Criança normal Criança com eritroblastose fetal
  22. 22. Resposta imunológica
  23. 23.  Sintomas característicos: anemia (as hemácias foram destruídas), icterícia (presença de bilirrubina no plasma), esplenomegalia, hepatomegalia e eritroblastos (hemácias jovens) no sangue.  Uma próxima gravidez de criança Rh+ resultará em aborto ou em criança natimorta.
  24. 24. Controle e amenização  O médico pode conhecer a gravidade da situação antes que a criança nasça.  Se o perigo for grande recomenda-se a transfusão de sangue logo após o parto.  No último caso, a criança deve receber sangue Rh-, que depois seria substituído pelo Rh+ original.
  25. 25.  O risco será menor se o homem apresentar genótipo heterozigoto.  No Brasil uma mulher Rh- corre muito risco, pois a freqüência de indivíduos Rh+ é de 87%.  Há de se considerar ainda o efeito protetor do sistema ABO. A mãe Rh- , tendo um filho Rh+ de grupo não-compatível não será induzida a produzir anti-Rh, pois sua aglutinina destruirá as hemácias do feto antes da indução.  Exceto mãe AB.
  26. 26. Solução encontrada  Os anticorpos destroem as hemácias fetais (Rh+) antes que ocorra a indução do sistema imunológico.  Estes anticorpos são destruídos dentro de poucos meses e não apresentam qualquer perigo para a mãe ou suas gerações posteriores.  Deve ser aplicada logo após o parto de todo feto Rh+.
  27. 27. Questão proposta  Um casal teve quatro filhos, sendo que somente o segundo nasceu com eritroblastose fetal.  Dê os prováveis genótipos de todos os componentes dessa família.

×