SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 112
Baixar para ler offline
Genética para o ENEM
Prof. Paulo Roberto
www.biologiadiversa.blogspot.com
Conceitos Básicos
Gene
Um gene contém a informação para a
produção de um RNA funcional
Lócus gênico
Contém 1
gene
Genes Alelos
(AA) Alelos
(Bb) Alelos
Cromossomos Homólogos
Os genes alelos determinam as
características nos organismos
Homozigoto
(AA) homozigoto
(bb) homozigoto
Genes alelos iguais
Heterozigoto
(Aa) heterozigoto
(Bb) heterozigoto
Genes alelos diferentes
Gene dominante
Ambos se
expressam
Somente o gene
dominante se expressa.
Gene recessivo
Ambos se
expressam
O gene recessivo é
inibido pelo seu alelo
dominante.
Genótipo
Fenótipo
Aparência física e/ou fisiológica de
um organismo.
Fenótipo = Genótipo + Meio Ambiente
Mesmo Fenótipo e Genótipo
Gêmeos Idênticos
São separados na infância...
Mesmo Genótipo, mas
Fenótipos diferentes
A primeira lei de
Mendel
EXERCÍCIOS
4) (PÁGINA 25) - ENEM 2009 - Em um experimento, preparou-
se um conjunto de plantas por técnica de clonagem a partir de
uma planta original que apresentava folhas verdes. Esse
conjunto foi dividido em dois grupos, que foram tratados de
maneira idêntica, com exceção das condições de iluminação,
sendo um grupo exposto a ciclos de iluminação solar natural e
outro mantido no escuro. Após alguns dias, observou-se que o
grupo exposto à luz apresentava folhas verdes como a planta
original e o grupo cultivado no escuro apresentava folhas
amareladas. Ao final do experimento, os dois grupos de plantas
apresentaram
(A) os genótipos e os fenótipos idênticos.
(B) os genótipos idênticos e os fenótipos diferentes.
(C) diferenças nos genótipos e fenótipos.
(D) o mesmo fenótipo e apenas dois genótipos diferentes.
(E) o mesmo fenótipo e grande variedade de genótipos.
Em coelhos a pelagem branca é dominante,
enquanto que a pelagem cinza é recessiva. Do
cruzamento de vários casais heterozigotos
nasceram 360 filhotes.
A)Qual seria o nº esperado de filhotes brancos?
B)Qual seria o nº esperado de filhotes
heterozigotos?
6) (PÁGINA 26) – UFRN - O gene que condiciona sementes
de milho enrugadas (milho doce) é recessivo em relação ao
gene para sementes lisas (milho normal). Do cruzamento
entre heterozigotos, originaram-se 840 sementes, das
quais 630 são lisas. Entre essas sementes lisas, o número
esperado de heterozigotas é
(A)240
(B) 360
(C) 630
(D) 420
(E) 540
6) (PÁGINA 26) – UFRN - O gene que condiciona sementes
de milho enrugadas (milho doce) é recessivo em relação ao
gene para sementes lisas (milho normal). Do cruzamento
entre heterozigotos, originaram-se 840 sementes, das
quais 630 são lisas. Entre essas sementes lisas, o número
esperado de heterozigotas é
(A)240
(B) 360
(C) 630
(D) 420
(E) 540
Casos que vão
além da 1ª Lei de
Mendel
Herança Intermediária
Herança Intermediária
Codominância
Codominância
Genes Letais
9) (PÁGINA 26) – UNIFOR - A acondroplasia, um tipo
de nanismo, é causada por um alelo autossômico
dominante. Os indivíduos homozigóticos para esse
alelo morrem antes de nascer e os heterozigóticos
apresentam a anomalia, mas conseguem sobreviver. A
probabilidade de um casal de acondroplásicos vir a ter
uma criança normal é
(A)3/4.
(B) 2/3.
(C) 1/2.
(D) 1/3.
(E) 1/4.
9) (PÁGINA 26) – UNIFOR - A acondroplasia, um tipo
de nanismo, é causada por um alelo autossômico
dominante. Os indivíduos homozigóticos para esse
alelo morrem antes de nascer e os heterozigóticos
apresentam a anomalia, mas conseguem sobreviver. A
probabilidade de um casal de acondroplásicos vir a ter
uma criança normal é
(A)3/4.
(B) 2/3.
(C) 1/2.
(D) 1/3.
(E) 1/4.
Probabilidade
em Genética
Grupos
Sanguíneos
GRUPOS SANGUÍNEOS
SISTEMA ABO
Hemácia
Aglutinogênio
A
Sangue A
Aglutinogênio
B
Sangue B
Aglutinogênio
A e B
Sangue AB
Ausência de
Aglutinogênio
Sangue O
Aglutinogênio
Molécula presente na superfície das hemácias que
determina o tipo sanguíneo.
Atenção!
O aglutinogênio pode atuar como
antígeno (corpo estranho) em certas
situações.
Aglutininas
São anticorpos presentes no plasma
sanguíneo que podem interagir com
aglutinogênios, causando a lise (morte)
das hemácias.
Aglutinina
Anti-A
Aglutinina
Anti-B
Aglutinogênio
A
Aglutinogênio
B
Diagrama de transfusões
conforme o sistema ABO
O fator Rh
O fator Rh é o nome dado a uma molécula
que pode estar presente nas hemácias de
alguns indivíduos (pessoas Rh+).
Em certas situações, essa molécula (fator
Rh) pode atuar como antígeno e induzir a
produção de anticorpos Anti-Rh nos
organismos de quem não apresentam esse
fator (pessoas Rh-).
O fator Rh
FENÓTIPOS GENÓTIPOS
Rh+
RR, Rr
Rh-
rr
O fator Rh
O fator Rh
O fator Rh
O fator Rh
Regra de transfusão
segundo o fator Rh
Os verdadeiros doadores e
receptores universais
Eritroblastose Fetal
(Doença hemolítica do recém-nascido)
Fatores relacionados à
sensibilização
Fatores relacionados à
sensibilização
Sintomas no Recém-nascido
• Anemia grave;
• Doenças neurológicas;
• Doenças cardio-respiratórias;
• Morte.
Tratamento
• Substituição total do sangue do recém-
nascido por sangue Rh-
compatível;
Prevenção
• Realização de exames pré-natais.
• Utilização de soro específico no organismo
materno.
17 [PÁGINA 28] (FUVEST) Uma mulher de sangue tipo A,
casada com um homem de sangue tipo B, teve um filho de
sangue tipo O. Se o casal vier a ter outros 5 filhos, a chance
deles nascerem todos com sangue do tipo O é
(A) igual à chance de nascerem todos com sangue do tipo AB.
(B) menor que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB.
(C) maior que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB.
(D) menor que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do
tipo AB, A, B, A e B.
(E) maior que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do
tipo AB, B, B, A e A.
17 [PÁGINA 28] (FUVEST) Uma mulher de sangue tipo A,
casada com um homem de sangue tipo B, teve um filho de
sangue tipo O. Se o casal vier a ter outros 5 filhos, a chance
deles nascerem todos com sangue do tipo O é
(A) igual à chance de nascerem todos com sangue do tipo AB.
(B) menor que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB.
(C) maior que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB.
(D) menor que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do
tipo AB, A, B, A e B.
(E) maior que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do
tipo AB, B, B, A e A.
22) [PÁGINA 28] (UEPA) Em um dos vários programas televisivos, onde
é muito frequente a presença de pessoas em busca da confirmação da
paternidade, surge uma mulher que alega ser a filha de um famoso
astro de televisão e requer que a paternidade seja reconhecida.
Encaminhada ao tribunal de justiça, o juiz encarregado do caso solicita a
retirada de uma amostra de sangue dessa pessoa e do suposto pai.
Após a análise da tipagem sanguínea obteve-se o seguinte resultado: a
mulher é do tipo AB, Rh negativo e o homem O, Rh positivo. Com base
nessas informações o veredicto do juiz sobre essa questão deverá ser
que a mulher
(A) pode ser filha do famoso astro.
(B) com certeza, não é filha do homem citado.
(C) tem 25% de chance de ser filha do suposto pai.
(D) tem 50% de chance de ser filha do suposto pai.
(E) tem 75% de chance de ser filha do suposto pai.
22) [ PÁGINA 28] (UEPA) Em um dos vários programas televisivos, onde
é muito frequente a presença de pessoas em busca da confirmação da
paternidade, surge uma mulher que alega ser a filha de um famoso
astro de televisão e requer que a paternidade seja reconhecida.
Encaminhada ao tribunal de justiça, o juiz encarregado do caso solicita a
retirada de uma amostra de sangue dessa pessoa e do suposto pai.
Após a análise da tipagem sanguínea obteve-se o seguinte resultado: a
mulher é do tipo AB, Rh negativo e o homem O, Rh positivo. Com base
nessas informações o veredicto do juiz sobre essa questão deverá ser
que a mulher
(A) pode ser filha do famoso astro.
(B) com certeza, não é filha do homem citado.
(C) tem 25% de chance de ser filha do suposto pai.
(D) tem 50% de chance de ser filha do suposto pai.
(E) tem 75% de chance de ser filha do suposto pai.
21) [PÁGINA 28] (UNIMONTES 2006) A técnica usualmente empregada para a
determinação dos grupos sanguíneos é a prova de aglutinação, feita em lâminas ou
em tubos, com soros contendo anticorpos de especificidade conhecida. O tipo
sanguíneo é determinado pela observação da ocorrência ou não da reação de
aglutinação. A figura abaixo representa o resultado do exame feito em uma mulher
casada com um homem do sangue tipo O, Fator Rh negativo. Analise-a.
Considerando a figura, os dados apresentados e o assunto relacionado a eles, analise
as afirmativas abaixo e assinale a alternativa CORRETA:
(A) Caso essa mulher seja heterozigota para os alelos do sistema ABO e do Fator Rh,
esse casal poderá ter filho com alelos homozigotos para a duas características.
(B) Ao ser realizado o mesmo exame no homem citado, ocorrerá aglutinação com os
três tipos de soros.
(C) Todos os filhos desse casal apresentam resultados para o Fator Rh iguais ao
resultado apresentado pela mãe.
(D) A mulher citada pode receber transfusão sanguínea de doadores do sangue tipo B,
Fator Rh positivo.
21) [PÁGINA 28] (UNIMONTES 2006) A técnica usualmente empregada para a
determinação dos grupos sanguíneos é a prova de aglutinação, feita em lâminas ou
em tubos, com soros contendo anticorpos de especificidade conhecida. O tipo
sanguíneo é determinado pela observação da ocorrência ou não da reação de
aglutinação. A figura abaixo representa o resultado do exame feito em uma mulher
casada com um homem do sangue tipo O, Fator Rh negativo. Analise-a.
Considerando a figura, os dados apresentados e o assunto relacionado a eles, analise
as afirmativas abaixo e assinale a alternativa CORRETA:
(A) Caso essa mulher seja heterozigota para os alelos do sistema ABO e do Fator Rh,
esse casal poderá ter filho com alelos homozigotos para a duas características.
(B) Ao ser realizado o mesmo exame no homem citado, ocorrerá aglutinação com os
três tipos de soros.
(C) Todos os filhos desse casal apresentam resultados para o Fator Rh iguais ao
resultado apresentado pela mãe.
(D) A mulher citada pode receber transfusão sanguínea de doadores do sangue tipo B,
Fator Rh positivo.
16) [PÁGINA 27] (UFCE) Observe o diagrama geral das
possíveis trocas sanguíneas por doação e recepção no sistema
"ABO":
A(s) seta(s) cujo sentido (doação é recepção) está(ão) errado(s) é(são)
(A)4 e 5.
(B) 2.
(C) 1.
(D) 3.
16) [PÁGINA 27] (UFCE) Observe o diagrama geral das
possíveis trocas sanguíneas por doação e recepção no sistema
"ABO":
A(s) seta(s) cujo sentido (doação é recepção) está(ão) errado(s) é(são)
(A)4 e 5.
(B) 2.
(C) 1.
(D) 3.
(PUC-SP) Para que haja possibilidade de ocorrência de
eritroblastose fetal (doença hemolítica do recém-
nascido), é preciso que o pai, a mãe e o filho tenham,
respectivamente, os tipos sanguíneos:
a) Rh+, Rh-, Rh+
b) Rh+, Rh-, Rh-
c) Rh+, Rh+, Rh+
d) Rh+, Rh+, Rh-
e) Rh-, Rh+, Rh+
(PUC-SP) Para que haja possibilidade de ocorrência de
eritroblastose fetal (doença hemolítica do recém-
nascido), é preciso que o pai, a mãe e o filho tenham,
respectivamente, os tipos sanguíneos:
a) Rh+, Rh-, Rh+
b) Rh+, Rh-, Rh-
c) Rh+, Rh+, Rh+
d) Rh+, Rh+, Rh-
e) Rh-, Rh+, Rh+
Análise de
Heredogramas
Simbologia Básica
Heredograma
Heranças
Autossômicas
Herança Autossômica
Quando o gene relacionado à
herança situa-se num dos 44
cromossomos autossomos
(cromossomos não sexuais).
46 Cromossomos (Total)
44 Cromossomos Autossomos
2 Cromossomos Sexuais
XX (Feminino)
XY (Masculino)Ser Humano
Herança Autossômica
 Não possui relação com o sexo do
indivíduo;
 Ocorre em igual proporção em
homens e mulheres.
Divide-se em dois tipos:
Herança autossômica
Dominante
Recessiva
Herança Autossômica Recessiva
Expressa-se quando o indivíduo apresenta
dois genes alelos recessivos.
Ex: Fibrose cística – Doença genética
que afeta os pulmões, pâncreas e glândulas
sudoríparas.
Genótipos:
AA: Normal
Aa: Normal
aa: Afetado
Herança Autossômica Recessiva
Ex: Anemia falciforme – Doença
genética que resulta na formação de
hemácias anormais, em forma de foice, com
baixa eficiência no transporte de oxigênio.
Genótipos:
SS: Normal
Ss: Traço falcêmico
ss: Afetado (Aborto)
Herança Autossômica Recessiva
Heredograma característico
1.Pais normais com algum filho(a) afetado(a).
2.Os pais normais serão (Aa) e o filho(a)
afetado(a) será (aa).
3.Não deve haver discrepância na quantidade
de homens e mulheres afetados.
Herança Autossômica
DominanteExpressa-se quando o indivíduo apresenta
pelo menos um gene alelo dominante.
Ex: Polidactilia – seis ou mais dedos nas
mãos e/ou nos pés.
Genótipos:
AA: Afetado
Aa: Afetado
aa: Normal
Herança Autossômica
DominanteHeredograma característico
1.Pais afetados com algum filho(a) normal.
2.Os pais afetados serão (Aa) e o filho(a)
normal será (aa).
3.Não deve haver discrepância na quantidade
de homens e mulheres afetados.
Heranças
Sexuais
Heranças Sexuais
Região não homóloga
do cromossomo X
Região não homóloga
do cromossomo Y
Região homóloga de
X e Y
Cromossomos
Sexuais
Heranças Sexuais
Quando o gene relacionado à herança
situa-se em regiões específicas (não-
homólogas) dos cromossomos sexuais
X e Y.
Cromossomo X
Herança Ligada ao sexo
Cromossomo Y
Herança Restrita ao sexo
Localização
do gene
Herança Ligada ao Sexo Recessiva
Ex: Daltonismo – Incapacidade de
identificar cores primárias, como o verde, o
vermelho e o azul.
Genótipos:
Mulher afetada: Xd
Xd
Mulher normal portadora: XD
Xd
Mulher normal: XD
XD
Homem afetado: Xd
Y
Homem normal: XD
Y
Herança Ligada ao Sexo Recessiva
Ex: Hemofilia – Incapacidade que certas
pessoas apresentam de coagular o sangue.
Genótipos:
Mulher afetada: Xh
Xh
Mulher normal portadora: XH
Xh
Mulher normal: XH
XH
Homem afetado: Xh
Y
Homem normal: XH
Y
Herança Ligada ao Sexo Recessiva
Heredograma característico
1.Mais homens que mulheres afetados;
2.Mães afetadas terão todos os filhos homens
afetados.
Xh
Xh
Xh
Y Xh
Y Xh
Y Xh
Y Xh
Y
Herança Ligada ao Sexo Dominante
Ex: Raquitismo Hipofosfatêmico –
Distúrbio no metabolismo do fosfato que
afeta a composição da matriz óssea.
Genótipos:
Mulher afetada: XA
XA
Mulher afetada: XA
Xa
Mulher normal: Xa
Xa
Homem afetado: XA
Y
Homem normal: Xa
Y
Herança Ligada ao Sexo Dominante
Heredograma característico
1.Mais mulheres que homens afetados;
2.Pais afetadas terão todas as suas filhas
afetadas.
XA
Y
XA
X_
XA
X_
XA
X_
Herança Restrita ao Sexo
Só ocorre em homens
Genótipos:
Homem afetado: XY*
Homem normal: XY
(*) presença do gente
mutante no cromossomo Y.
Ex: Hipetricose auricular –
Crescimento demasiado de pêlos nas
orelhas.
Herança Restrita ao Sexo
Heredograma característico
1.Somente homens afetados;
2.Pais afetadas terão todas os filhos homens
afetados.
XY*
XY* XY*
XY*
XY*
Característica do
heredograma
1. Pais iguais com algum
filho(a) diferente.
2. Homens e mulheres
afetados em quantidades
não discrepantes.
1. Muito mais homens do que
mulheres afetados.
2. Mães afetadas possuem
todos os meninos afetados.
Herança autossômica
Pais iguais são normais e o filho(a)
diferente é afetado(a).
Pais iguais são afetados e o filho(a)
diferente é normal.
Dominante
Recessiva
Ligada ao sexo recessiva
1. Muito mais mulheres do
que homens afetados.
2. Pais afetados possuem
todas as meninas afetadas.
Ligada ao sexo dominante
1. Somente homens afetados. Restrita ao sexo
Tipo de herança relacionada
EXERCÍCIOS
30) (UNIFOR) O heredograma abaixo mostra a herança de uma
anomalia (símbolos escuros) em uma família.
É possível deduzir que a anomalia é causada por um alelo recessivo
tendo em vista a descendência do casal
(A)I-1 x I-2.
(B)(B) I-3 × I-4.
(C) II-3 × II-4.
(D) II-5 × II-6.
(E) III-4 × III-5.
29) (UNESP) O diagrama representa o padrão de herança de uma doença
genética que afeta uma determinada espécie de animal silvestre, observado a
partir de cruzamentos controlados realizados em cativeiro.
A partir da análise da ocorrência da doença entre os indivíduos nascidos dos diferentes
cruzamentos, foram feitas as afirmações seguintes.
I. Trata-se de uma doença autossômica recessiva.
II. Os indivíduos I-1 e I-3 são obrigatoriamente homozigotos dominantes.
III. Não há nenhuma possibilidade de que um filhote nascido do cruzamento entre os
indivíduos II-5 e II-6 apresente a doença.
IV. O indivíduo III-1 só deve ser cruzado com o individuo II-5, uma vez que são nulas as
possibilidades de que desse cruzamento resulte um filhote que apresente a doença.
É verdadeiro o que se afirma em
(A) I, apenas. (B) II e III, apenas.
(C) I, II e III, apenas. (D) I e IV, apenas.
(E) III e IV, apenas.
(Ufsm 2012) Estudos genéticos recentes mostram que famílias
tendem a "agrupar" incapacidades ou talentos relacionados à arte,
como surdez para tons ou ouvido absoluto (reconhecem distintos
tons musicais). No entanto, alguns indivíduos são surdos devido à
herança autossômica recessiva.
Observando esse heredograma, que representa um caso de surdez
recessiva, é correto afirmar:
a) Os pais são homozigotos recessivos.
b) Os indivíduos afetados II-1 e II-3 são heterozigotos.
c) Os pais são homozigotos dominantes.
d) O indivíduo II-2 pode ser um homem heterozigoto.
e) Os indivíduos I-2 e II-2 são homens obrigatoriamente
heterozigotos.
(Uff 2012) O heredograma abaixo representa a incidência de uma
característica fenotípica em uma família.
Pela análise dessas relações genealógicas, pode-se concluir que a
característica fenotípica observada é transmitida por um tipo de
herança
a) dominante e ligada ao cromossomo X.
b) recessiva e ligada ao cromossomo X.
c) ligada ao cromossomo Y.
d) autossômica recessiva.
e) autossômica dominante.
(UERJ 2011) A doença de von Willebrand, que atinge cerca de 3% da população
mundial, tem causa hereditária, de natureza autossômica dominante. Essa
doença se caracteriza pela diminuição ou disfunção da proteína conhecida como
fator von Willebrand, o que provoca quadros de hemorragia.
O esquema abaixo mostra o heredograma de uma família que registra alguns
casos dessa doença.
Admita que os indivíduos 3 e 4 casem com pessoas que não apresentam a
doença de Von Willebrand.
As probabilidades percentuais de que seus filhos apresentem a doença são,
respectivamente, de:
a) 50 e 0
b) 25 e 25
c) 70 e 30
d) 100 e 50
(Uff 2010) Apesar da série de polêmicas sobre os efeitos negativos da
mestiçagem racial discutidos no século XIX e referidos no texto de Marta Abreu,
atualmente a ciência já estabelece que a identidade genética é o que realmente
determina a incidência de doenças e anomalias presentes nas populações.
Assim, a miscigenação pode diminuir a incidência dessas doenças, ao diminuir
estatisticamente o pareamento de genes recessivos naquelas populações.
O heredograma a seguir mostra a ocorrência de uma determinada anomalia em
uma família.
A condição demonstrada no heredograma é herdada como característica:
a) dominante autossômica.
b) recessiva autossômica.
c) recessiva ligada ao cromossomo Y.
d) recessiva ligada ao cromossomo X.
e) dominante ligada ao cromossomo X.
(UFG 2008) Analise o heredograma a seguir que representa uma
família que tem pessoas portadoras de uma anomalia hereditária.
O tipo de herança que determina essa anomalia é
a) autossômica recessiva.
b) autossômica dominante.
c) dominante ligada ao cromossomo X.
d) recessiva ligada ao cromossomo Y.
e) recessiva ligada ao cromossomo X.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos basicos em genetica
 Conceitos basicos em genetica Conceitos basicos em genetica
Conceitos basicos em geneticaAdrianne Mendonça
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introduçãoDalu Barreto
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelmainamgar
 
Epistasia
EpistasiaEpistasia
EpistasiaURCA
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasURCA
 
Sistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaSistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaunesp
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoMarcia Bantim
 
Genetica
GeneticaGenetica
Geneticaemanuel
 
3EM #12 Revisão evolução e genética Enem
3EM #12 Revisão evolução e genética Enem3EM #12 Revisão evolução e genética Enem
3EM #12 Revisão evolução e genética EnemProfessô Kyoshi
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaTurma Olímpica
 
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]César Milani
 
DesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais CompletoDesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais Completoprofatatiana
 
19 bases da hereditariedade
19   bases da hereditariedade19   bases da hereditariedade
19 bases da hereditariedadeRebeca Vale
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoKiller Max
 

Mais procurados (20)

Conceitos basicos em genetica
 Conceitos basicos em genetica Conceitos basicos em genetica
Conceitos basicos em genetica
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
Probabilidade genética
Probabilidade genética Probabilidade genética
Probabilidade genética
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Epistasia
EpistasiaEpistasia
Epistasia
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Sistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaSistematica e filogenia
Sistematica e filogenia
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
3EM #12 Revisão evolução e genética Enem
3EM #12 Revisão evolução e genética Enem3EM #12 Revisão evolução e genética Enem
3EM #12 Revisão evolução e genética Enem
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
 
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
DesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais CompletoDesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais Completo
 
19 bases da hereditariedade
19   bases da hereditariedade19   bases da hereditariedade
19 bases da hereditariedade
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo Energético
 

Destaque

Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de MendelGenética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de MendelCarlos Priante
 
Aula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularAula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularKristian Wessman
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendelbianca
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com respostaIonara Urrutia Moura
 
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)Colégio Batista de Mantena
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introduçãoDalu Barreto
 
Genética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slidesGenética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slidesFabiano Reis
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com respostaIonara Urrutia Moura
 
Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendelEvelyn Soares
 
A primeira lei de mendel 2º ano
A primeira lei de mendel  2º anoA primeira lei de mendel  2º ano
A primeira lei de mendel 2º anocamaceio
 
Herança autossômica recessiva e herança dominante
Herança autossômica recessiva e herança dominanteHerança autossômica recessiva e herança dominante
Herança autossômica recessiva e herança dominanteKarine Mesquita
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)primeiroanocsl
 
2a lei de mendel
2a lei de mendel2a lei de mendel
2a lei de mendelpaulogrillo
 

Destaque (20)

Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética
Slide Genética
 
Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de MendelGenética mendeliana Primeira Lei de Mendel
Genética mendeliana Primeira Lei de Mendel
 
Aula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecularAula - introdução à genética molecular
Aula - introdução à genética molecular
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel2ª Lei De Mendel
2ª Lei De Mendel
 
3S_ exercicios genetica com resposta
3S_ exercicios genetica  com resposta3S_ exercicios genetica  com resposta
3S_ exercicios genetica com resposta
 
1 Leis De Mendel
1  Leis De Mendel1  Leis De Mendel
1 Leis De Mendel
 
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
Lei da Segregação Independente (Segunda Lei de Mendel)
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Genética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slidesGenética – leis de mendel slides
Genética – leis de mendel slides
 
GenéTica Diibridismo
GenéTica DiibridismoGenéTica Diibridismo
GenéTica Diibridismo
 
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista  2 exercicios_genetica_ com respostaLista  2 exercicios_genetica_ com resposta
Lista 2 exercicios_genetica_ com resposta
 
Primeira lei de mendel
Primeira lei de mendelPrimeira lei de mendel
Primeira lei de mendel
 
A primeira lei de mendel 2º ano
A primeira lei de mendel  2º anoA primeira lei de mendel  2º ano
A primeira lei de mendel 2º ano
 
Herança autossômica recessiva e herança dominante
Herança autossômica recessiva e herança dominanteHerança autossômica recessiva e herança dominante
Herança autossômica recessiva e herança dominante
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
 
Autossomica dominante
Autossomica dominanteAutossomica dominante
Autossomica dominante
 
2a lei de mendel
2a lei de mendel2a lei de mendel
2a lei de mendel
 

Semelhante a Genética para o ENEM - Conceitos básicos e exercícios

Genetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.pptGenetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.pptAlciaBfica1
 
GENÉTICA-1 REVISÃO MUITO MAIS ENEM
GENÉTICA-1  REVISÃO MUITO MAIS ENEMGENÉTICA-1  REVISÃO MUITO MAIS ENEM
GENÉTICA-1 REVISÃO MUITO MAIS ENEMEfraim Nobre Soares
 
Exercícios genética 3
Exercícios genética 3Exercícios genética 3
Exercícios genética 3Carla Carrasco
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martinsLista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martinsJames Martins
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...James Martins
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genéticaCaio Augusto
 
Exercícios genética 7
Exercícios genética 7Exercícios genética 7
Exercícios genética 7Carla Carrasco
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfCésar Milani
 
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelExercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelCarla Carrasco
 
Prova de biologia da I unidade, 3 ano
Prova de biologia da I unidade, 3 anoProva de biologia da I unidade, 3 ano
Prova de biologia da I unidade, 3 anoManuela Fernandes
 
Exercícios genética 4
Exercícios genética 4Exercícios genética 4
Exercícios genética 4Carla Carrasco
 
Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios  - Genética I - Profo James MartinsLista de exercícios  - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios - Genética I - Profo James MartinsJames Martins
 
Cromossomas e mutações
Cromossomas e mutaçõesCromossomas e mutações
Cromossomas e mutaçõesCarla Carrasco
 

Semelhante a Genética para o ENEM - Conceitos básicos e exercícios (20)

Genetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.pptGenetica ENEM Completa.ppt
Genetica ENEM Completa.ppt
 
GENÉTICA-1 REVISÃO MUITO MAIS ENEM
GENÉTICA-1  REVISÃO MUITO MAIS ENEMGENÉTICA-1  REVISÃO MUITO MAIS ENEM
GENÉTICA-1 REVISÃO MUITO MAIS ENEM
 
Exercícios genética 3
Exercícios genética 3Exercícios genética 3
Exercícios genética 3
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martinsLista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins
 
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...Lista de exercícios   genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
Lista de exercícios genetica I - 3º ano 2016 - profo james martins com gaba...
 
Lista de genética
Lista de genéticaLista de genética
Lista de genética
 
Genética muito mais enem
Genética muito mais enemGenética muito mais enem
Genética muito mais enem
 
Exercícios genética 7
Exercícios genética 7Exercícios genética 7
Exercícios genética 7
 
Revisão+g..
Revisão+g..Revisão+g..
Revisão+g..
 
10 - genética II
10 - genética II10 - genética II
10 - genética II
 
Exercícios de genética 3º
Exercícios de genética 3ºExercícios de genética 3º
Exercícios de genética 3º
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
Aula 14 sistema abo
Aula 14   sistema aboAula 14   sistema abo
Aula 14 sistema abo
 
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendelExercícios de genética – 1ª lei de mendel
Exercícios de genética – 1ª lei de mendel
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Prova de biologia da I unidade, 3 ano
Prova de biologia da I unidade, 3 anoProva de biologia da I unidade, 3 ano
Prova de biologia da I unidade, 3 ano
 
3 eletro p1_2bim_2014- respondida
3 eletro p1_2bim_2014- respondida3 eletro p1_2bim_2014- respondida
3 eletro p1_2bim_2014- respondida
 
Exercícios genética 4
Exercícios genética 4Exercícios genética 4
Exercícios genética 4
 
Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios  - Genética I - Profo James MartinsLista de exercícios  - Genética I - Profo James Martins
Lista de exercícios - Genética I - Profo James Martins
 
Cromossomas e mutações
Cromossomas e mutaçõesCromossomas e mutações
Cromossomas e mutações
 

Último

Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 

Último (20)

Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 

Genética para o ENEM - Conceitos básicos e exercícios

  • 1. Genética para o ENEM Prof. Paulo Roberto www.biologiadiversa.blogspot.com
  • 3. Gene Um gene contém a informação para a produção de um RNA funcional
  • 5. Genes Alelos (AA) Alelos (Bb) Alelos Cromossomos Homólogos
  • 6. Os genes alelos determinam as características nos organismos
  • 9. Gene dominante Ambos se expressam Somente o gene dominante se expressa.
  • 10. Gene recessivo Ambos se expressam O gene recessivo é inibido pelo seu alelo dominante.
  • 12. Fenótipo Aparência física e/ou fisiológica de um organismo. Fenótipo = Genótipo + Meio Ambiente
  • 13. Mesmo Fenótipo e Genótipo Gêmeos Idênticos São separados na infância...
  • 15. A primeira lei de Mendel
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 29. 4) (PÁGINA 25) - ENEM 2009 - Em um experimento, preparou- se um conjunto de plantas por técnica de clonagem a partir de uma planta original que apresentava folhas verdes. Esse conjunto foi dividido em dois grupos, que foram tratados de maneira idêntica, com exceção das condições de iluminação, sendo um grupo exposto a ciclos de iluminação solar natural e outro mantido no escuro. Após alguns dias, observou-se que o grupo exposto à luz apresentava folhas verdes como a planta original e o grupo cultivado no escuro apresentava folhas amareladas. Ao final do experimento, os dois grupos de plantas apresentaram (A) os genótipos e os fenótipos idênticos. (B) os genótipos idênticos e os fenótipos diferentes. (C) diferenças nos genótipos e fenótipos. (D) o mesmo fenótipo e apenas dois genótipos diferentes. (E) o mesmo fenótipo e grande variedade de genótipos.
  • 30. Em coelhos a pelagem branca é dominante, enquanto que a pelagem cinza é recessiva. Do cruzamento de vários casais heterozigotos nasceram 360 filhotes. A)Qual seria o nº esperado de filhotes brancos? B)Qual seria o nº esperado de filhotes heterozigotos?
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. 6) (PÁGINA 26) – UFRN - O gene que condiciona sementes de milho enrugadas (milho doce) é recessivo em relação ao gene para sementes lisas (milho normal). Do cruzamento entre heterozigotos, originaram-se 840 sementes, das quais 630 são lisas. Entre essas sementes lisas, o número esperado de heterozigotas é (A)240 (B) 360 (C) 630 (D) 420 (E) 540
  • 35. 6) (PÁGINA 26) – UFRN - O gene que condiciona sementes de milho enrugadas (milho doce) é recessivo em relação ao gene para sementes lisas (milho normal). Do cruzamento entre heterozigotos, originaram-se 840 sementes, das quais 630 são lisas. Entre essas sementes lisas, o número esperado de heterozigotas é (A)240 (B) 360 (C) 630 (D) 420 (E) 540
  • 36. Casos que vão além da 1ª Lei de Mendel
  • 42. 9) (PÁGINA 26) – UNIFOR - A acondroplasia, um tipo de nanismo, é causada por um alelo autossômico dominante. Os indivíduos homozigóticos para esse alelo morrem antes de nascer e os heterozigóticos apresentam a anomalia, mas conseguem sobreviver. A probabilidade de um casal de acondroplásicos vir a ter uma criança normal é (A)3/4. (B) 2/3. (C) 1/2. (D) 1/3. (E) 1/4.
  • 43. 9) (PÁGINA 26) – UNIFOR - A acondroplasia, um tipo de nanismo, é causada por um alelo autossômico dominante. Os indivíduos homozigóticos para esse alelo morrem antes de nascer e os heterozigóticos apresentam a anomalia, mas conseguem sobreviver. A probabilidade de um casal de acondroplásicos vir a ter uma criança normal é (A)3/4. (B) 2/3. (C) 1/2. (D) 1/3. (E) 1/4.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 53. Hemácia Aglutinogênio A Sangue A Aglutinogênio B Sangue B Aglutinogênio A e B Sangue AB Ausência de Aglutinogênio Sangue O Aglutinogênio Molécula presente na superfície das hemácias que determina o tipo sanguíneo.
  • 54. Atenção! O aglutinogênio pode atuar como antígeno (corpo estranho) em certas situações.
  • 55. Aglutininas São anticorpos presentes no plasma sanguíneo que podem interagir com aglutinogênios, causando a lise (morte) das hemácias. Aglutinina Anti-A Aglutinina Anti-B Aglutinogênio A Aglutinogênio B
  • 56.
  • 57.
  • 59. O fator Rh O fator Rh é o nome dado a uma molécula que pode estar presente nas hemácias de alguns indivíduos (pessoas Rh+). Em certas situações, essa molécula (fator Rh) pode atuar como antígeno e induzir a produção de anticorpos Anti-Rh nos organismos de quem não apresentam esse fator (pessoas Rh-).
  • 60. O fator Rh FENÓTIPOS GENÓTIPOS Rh+ RR, Rr Rh- rr
  • 66. Os verdadeiros doadores e receptores universais
  • 68.
  • 69.
  • 72. Sintomas no Recém-nascido • Anemia grave; • Doenças neurológicas; • Doenças cardio-respiratórias; • Morte. Tratamento • Substituição total do sangue do recém- nascido por sangue Rh- compatível; Prevenção • Realização de exames pré-natais. • Utilização de soro específico no organismo materno.
  • 73. 17 [PÁGINA 28] (FUVEST) Uma mulher de sangue tipo A, casada com um homem de sangue tipo B, teve um filho de sangue tipo O. Se o casal vier a ter outros 5 filhos, a chance deles nascerem todos com sangue do tipo O é (A) igual à chance de nascerem todos com sangue do tipo AB. (B) menor que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB. (C) maior que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB. (D) menor que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do tipo AB, A, B, A e B. (E) maior que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do tipo AB, B, B, A e A.
  • 74. 17 [PÁGINA 28] (FUVEST) Uma mulher de sangue tipo A, casada com um homem de sangue tipo B, teve um filho de sangue tipo O. Se o casal vier a ter outros 5 filhos, a chance deles nascerem todos com sangue do tipo O é (A) igual à chance de nascerem todos com sangue do tipo AB. (B) menor que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB. (C) maior que a chance de nascerem todos com sangue do tipo AB. (D) menor que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do tipo AB, A, B, A e B. (E) maior que a chance de nascerem sucessivamente com sangue do tipo AB, B, B, A e A.
  • 75. 22) [PÁGINA 28] (UEPA) Em um dos vários programas televisivos, onde é muito frequente a presença de pessoas em busca da confirmação da paternidade, surge uma mulher que alega ser a filha de um famoso astro de televisão e requer que a paternidade seja reconhecida. Encaminhada ao tribunal de justiça, o juiz encarregado do caso solicita a retirada de uma amostra de sangue dessa pessoa e do suposto pai. Após a análise da tipagem sanguínea obteve-se o seguinte resultado: a mulher é do tipo AB, Rh negativo e o homem O, Rh positivo. Com base nessas informações o veredicto do juiz sobre essa questão deverá ser que a mulher (A) pode ser filha do famoso astro. (B) com certeza, não é filha do homem citado. (C) tem 25% de chance de ser filha do suposto pai. (D) tem 50% de chance de ser filha do suposto pai. (E) tem 75% de chance de ser filha do suposto pai.
  • 76. 22) [ PÁGINA 28] (UEPA) Em um dos vários programas televisivos, onde é muito frequente a presença de pessoas em busca da confirmação da paternidade, surge uma mulher que alega ser a filha de um famoso astro de televisão e requer que a paternidade seja reconhecida. Encaminhada ao tribunal de justiça, o juiz encarregado do caso solicita a retirada de uma amostra de sangue dessa pessoa e do suposto pai. Após a análise da tipagem sanguínea obteve-se o seguinte resultado: a mulher é do tipo AB, Rh negativo e o homem O, Rh positivo. Com base nessas informações o veredicto do juiz sobre essa questão deverá ser que a mulher (A) pode ser filha do famoso astro. (B) com certeza, não é filha do homem citado. (C) tem 25% de chance de ser filha do suposto pai. (D) tem 50% de chance de ser filha do suposto pai. (E) tem 75% de chance de ser filha do suposto pai.
  • 77. 21) [PÁGINA 28] (UNIMONTES 2006) A técnica usualmente empregada para a determinação dos grupos sanguíneos é a prova de aglutinação, feita em lâminas ou em tubos, com soros contendo anticorpos de especificidade conhecida. O tipo sanguíneo é determinado pela observação da ocorrência ou não da reação de aglutinação. A figura abaixo representa o resultado do exame feito em uma mulher casada com um homem do sangue tipo O, Fator Rh negativo. Analise-a. Considerando a figura, os dados apresentados e o assunto relacionado a eles, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa CORRETA: (A) Caso essa mulher seja heterozigota para os alelos do sistema ABO e do Fator Rh, esse casal poderá ter filho com alelos homozigotos para a duas características. (B) Ao ser realizado o mesmo exame no homem citado, ocorrerá aglutinação com os três tipos de soros. (C) Todos os filhos desse casal apresentam resultados para o Fator Rh iguais ao resultado apresentado pela mãe. (D) A mulher citada pode receber transfusão sanguínea de doadores do sangue tipo B, Fator Rh positivo.
  • 78. 21) [PÁGINA 28] (UNIMONTES 2006) A técnica usualmente empregada para a determinação dos grupos sanguíneos é a prova de aglutinação, feita em lâminas ou em tubos, com soros contendo anticorpos de especificidade conhecida. O tipo sanguíneo é determinado pela observação da ocorrência ou não da reação de aglutinação. A figura abaixo representa o resultado do exame feito em uma mulher casada com um homem do sangue tipo O, Fator Rh negativo. Analise-a. Considerando a figura, os dados apresentados e o assunto relacionado a eles, analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa CORRETA: (A) Caso essa mulher seja heterozigota para os alelos do sistema ABO e do Fator Rh, esse casal poderá ter filho com alelos homozigotos para a duas características. (B) Ao ser realizado o mesmo exame no homem citado, ocorrerá aglutinação com os três tipos de soros. (C) Todos os filhos desse casal apresentam resultados para o Fator Rh iguais ao resultado apresentado pela mãe. (D) A mulher citada pode receber transfusão sanguínea de doadores do sangue tipo B, Fator Rh positivo.
  • 79. 16) [PÁGINA 27] (UFCE) Observe o diagrama geral das possíveis trocas sanguíneas por doação e recepção no sistema "ABO": A(s) seta(s) cujo sentido (doação é recepção) está(ão) errado(s) é(são) (A)4 e 5. (B) 2. (C) 1. (D) 3.
  • 80. 16) [PÁGINA 27] (UFCE) Observe o diagrama geral das possíveis trocas sanguíneas por doação e recepção no sistema "ABO": A(s) seta(s) cujo sentido (doação é recepção) está(ão) errado(s) é(são) (A)4 e 5. (B) 2. (C) 1. (D) 3.
  • 81. (PUC-SP) Para que haja possibilidade de ocorrência de eritroblastose fetal (doença hemolítica do recém- nascido), é preciso que o pai, a mãe e o filho tenham, respectivamente, os tipos sanguíneos: a) Rh+, Rh-, Rh+ b) Rh+, Rh-, Rh- c) Rh+, Rh+, Rh+ d) Rh+, Rh+, Rh- e) Rh-, Rh+, Rh+
  • 82. (PUC-SP) Para que haja possibilidade de ocorrência de eritroblastose fetal (doença hemolítica do recém- nascido), é preciso que o pai, a mãe e o filho tenham, respectivamente, os tipos sanguíneos: a) Rh+, Rh-, Rh+ b) Rh+, Rh-, Rh- c) Rh+, Rh+, Rh+ d) Rh+, Rh+, Rh- e) Rh-, Rh+, Rh+
  • 87. Herança Autossômica Quando o gene relacionado à herança situa-se num dos 44 cromossomos autossomos (cromossomos não sexuais). 46 Cromossomos (Total) 44 Cromossomos Autossomos 2 Cromossomos Sexuais XX (Feminino) XY (Masculino)Ser Humano
  • 88. Herança Autossômica  Não possui relação com o sexo do indivíduo;  Ocorre em igual proporção em homens e mulheres. Divide-se em dois tipos: Herança autossômica Dominante Recessiva
  • 89. Herança Autossômica Recessiva Expressa-se quando o indivíduo apresenta dois genes alelos recessivos. Ex: Fibrose cística – Doença genética que afeta os pulmões, pâncreas e glândulas sudoríparas. Genótipos: AA: Normal Aa: Normal aa: Afetado
  • 90. Herança Autossômica Recessiva Ex: Anemia falciforme – Doença genética que resulta na formação de hemácias anormais, em forma de foice, com baixa eficiência no transporte de oxigênio. Genótipos: SS: Normal Ss: Traço falcêmico ss: Afetado (Aborto)
  • 91. Herança Autossômica Recessiva Heredograma característico 1.Pais normais com algum filho(a) afetado(a). 2.Os pais normais serão (Aa) e o filho(a) afetado(a) será (aa). 3.Não deve haver discrepância na quantidade de homens e mulheres afetados.
  • 92. Herança Autossômica DominanteExpressa-se quando o indivíduo apresenta pelo menos um gene alelo dominante. Ex: Polidactilia – seis ou mais dedos nas mãos e/ou nos pés. Genótipos: AA: Afetado Aa: Afetado aa: Normal
  • 93. Herança Autossômica DominanteHeredograma característico 1.Pais afetados com algum filho(a) normal. 2.Os pais afetados serão (Aa) e o filho(a) normal será (aa). 3.Não deve haver discrepância na quantidade de homens e mulheres afetados.
  • 95. Heranças Sexuais Região não homóloga do cromossomo X Região não homóloga do cromossomo Y Região homóloga de X e Y Cromossomos Sexuais
  • 96. Heranças Sexuais Quando o gene relacionado à herança situa-se em regiões específicas (não- homólogas) dos cromossomos sexuais X e Y. Cromossomo X Herança Ligada ao sexo Cromossomo Y Herança Restrita ao sexo Localização do gene
  • 97. Herança Ligada ao Sexo Recessiva Ex: Daltonismo – Incapacidade de identificar cores primárias, como o verde, o vermelho e o azul. Genótipos: Mulher afetada: Xd Xd Mulher normal portadora: XD Xd Mulher normal: XD XD Homem afetado: Xd Y Homem normal: XD Y
  • 98. Herança Ligada ao Sexo Recessiva Ex: Hemofilia – Incapacidade que certas pessoas apresentam de coagular o sangue. Genótipos: Mulher afetada: Xh Xh Mulher normal portadora: XH Xh Mulher normal: XH XH Homem afetado: Xh Y Homem normal: XH Y
  • 99. Herança Ligada ao Sexo Recessiva Heredograma característico 1.Mais homens que mulheres afetados; 2.Mães afetadas terão todos os filhos homens afetados. Xh Xh Xh Y Xh Y Xh Y Xh Y Xh Y
  • 100. Herança Ligada ao Sexo Dominante Ex: Raquitismo Hipofosfatêmico – Distúrbio no metabolismo do fosfato que afeta a composição da matriz óssea. Genótipos: Mulher afetada: XA XA Mulher afetada: XA Xa Mulher normal: Xa Xa Homem afetado: XA Y Homem normal: Xa Y
  • 101. Herança Ligada ao Sexo Dominante Heredograma característico 1.Mais mulheres que homens afetados; 2.Pais afetadas terão todas as suas filhas afetadas. XA Y XA X_ XA X_ XA X_
  • 102. Herança Restrita ao Sexo Só ocorre em homens Genótipos: Homem afetado: XY* Homem normal: XY (*) presença do gente mutante no cromossomo Y. Ex: Hipetricose auricular – Crescimento demasiado de pêlos nas orelhas.
  • 103. Herança Restrita ao Sexo Heredograma característico 1.Somente homens afetados; 2.Pais afetadas terão todas os filhos homens afetados. XY* XY* XY* XY* XY*
  • 104. Característica do heredograma 1. Pais iguais com algum filho(a) diferente. 2. Homens e mulheres afetados em quantidades não discrepantes. 1. Muito mais homens do que mulheres afetados. 2. Mães afetadas possuem todos os meninos afetados. Herança autossômica Pais iguais são normais e o filho(a) diferente é afetado(a). Pais iguais são afetados e o filho(a) diferente é normal. Dominante Recessiva Ligada ao sexo recessiva 1. Muito mais mulheres do que homens afetados. 2. Pais afetados possuem todas as meninas afetadas. Ligada ao sexo dominante 1. Somente homens afetados. Restrita ao sexo Tipo de herança relacionada
  • 106. 30) (UNIFOR) O heredograma abaixo mostra a herança de uma anomalia (símbolos escuros) em uma família. É possível deduzir que a anomalia é causada por um alelo recessivo tendo em vista a descendência do casal (A)I-1 x I-2. (B)(B) I-3 × I-4. (C) II-3 × II-4. (D) II-5 × II-6. (E) III-4 × III-5.
  • 107. 29) (UNESP) O diagrama representa o padrão de herança de uma doença genética que afeta uma determinada espécie de animal silvestre, observado a partir de cruzamentos controlados realizados em cativeiro. A partir da análise da ocorrência da doença entre os indivíduos nascidos dos diferentes cruzamentos, foram feitas as afirmações seguintes. I. Trata-se de uma doença autossômica recessiva. II. Os indivíduos I-1 e I-3 são obrigatoriamente homozigotos dominantes. III. Não há nenhuma possibilidade de que um filhote nascido do cruzamento entre os indivíduos II-5 e II-6 apresente a doença. IV. O indivíduo III-1 só deve ser cruzado com o individuo II-5, uma vez que são nulas as possibilidades de que desse cruzamento resulte um filhote que apresente a doença. É verdadeiro o que se afirma em (A) I, apenas. (B) II e III, apenas. (C) I, II e III, apenas. (D) I e IV, apenas. (E) III e IV, apenas.
  • 108. (Ufsm 2012) Estudos genéticos recentes mostram que famílias tendem a "agrupar" incapacidades ou talentos relacionados à arte, como surdez para tons ou ouvido absoluto (reconhecem distintos tons musicais). No entanto, alguns indivíduos são surdos devido à herança autossômica recessiva. Observando esse heredograma, que representa um caso de surdez recessiva, é correto afirmar: a) Os pais são homozigotos recessivos. b) Os indivíduos afetados II-1 e II-3 são heterozigotos. c) Os pais são homozigotos dominantes. d) O indivíduo II-2 pode ser um homem heterozigoto. e) Os indivíduos I-2 e II-2 são homens obrigatoriamente heterozigotos.
  • 109. (Uff 2012) O heredograma abaixo representa a incidência de uma característica fenotípica em uma família. Pela análise dessas relações genealógicas, pode-se concluir que a característica fenotípica observada é transmitida por um tipo de herança a) dominante e ligada ao cromossomo X. b) recessiva e ligada ao cromossomo X. c) ligada ao cromossomo Y. d) autossômica recessiva. e) autossômica dominante.
  • 110. (UERJ 2011) A doença de von Willebrand, que atinge cerca de 3% da população mundial, tem causa hereditária, de natureza autossômica dominante. Essa doença se caracteriza pela diminuição ou disfunção da proteína conhecida como fator von Willebrand, o que provoca quadros de hemorragia. O esquema abaixo mostra o heredograma de uma família que registra alguns casos dessa doença. Admita que os indivíduos 3 e 4 casem com pessoas que não apresentam a doença de Von Willebrand. As probabilidades percentuais de que seus filhos apresentem a doença são, respectivamente, de: a) 50 e 0 b) 25 e 25 c) 70 e 30 d) 100 e 50
  • 111. (Uff 2010) Apesar da série de polêmicas sobre os efeitos negativos da mestiçagem racial discutidos no século XIX e referidos no texto de Marta Abreu, atualmente a ciência já estabelece que a identidade genética é o que realmente determina a incidência de doenças e anomalias presentes nas populações. Assim, a miscigenação pode diminuir a incidência dessas doenças, ao diminuir estatisticamente o pareamento de genes recessivos naquelas populações. O heredograma a seguir mostra a ocorrência de uma determinada anomalia em uma família. A condição demonstrada no heredograma é herdada como característica: a) dominante autossômica. b) recessiva autossômica. c) recessiva ligada ao cromossomo Y. d) recessiva ligada ao cromossomo X. e) dominante ligada ao cromossomo X.
  • 112. (UFG 2008) Analise o heredograma a seguir que representa uma família que tem pessoas portadoras de uma anomalia hereditária. O tipo de herança que determina essa anomalia é a) autossômica recessiva. b) autossômica dominante. c) dominante ligada ao cromossomo X. d) recessiva ligada ao cromossomo Y. e) recessiva ligada ao cromossomo X.