SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Topografia e Geodésia
IM/UFRJ modificado e ampliado
por CTTMAR/UNIVALI
Ciências Cartográficas
Histórico
Os mapas mais antigos datam de 5000 anos AC e representavam áreas da
antiga Mesopotâmia, dos rios Eufrates e Nilo em tábuas de argila.
Aos fenícios são atribuídas as primeiras cartas náuticas, que serviam de
apoio à navegação.
Estimativas do tamanho da Terra foram realizadas por Eratóstenes (276-
195 AC) e repetido por Posidonius (130-50 AC), através da observação
angular do Sol e estrelas.
Os romanos interessavam-se pela Cartografia apenas com fins práticos:
cartas administrativas de regiões ocupadas e representações de vias de
comunicação.
Na Idade Média, como praticamente ocorreu em toda a humanidade, há um
retrocesso no desenvolvimento da Cartografia.
Com o Renascimento inicia-se também o ciclo das grandes navegações.
As descobertas marítimas dos Escandinavos não acrescentam nenhum
material novo ao conhecimento do mundo, exceto a descoberta da bússula
a partir do século XIII.
Ao fim da Idade Média e início da Moderna, surgem os PORTULANOS,
cartas com a posição dos portos de diferentes países, bem como indicação
do Norte e Sul (Rosa dos Ventos), voltadas para a navegação e comércio.
Ciências Cartográficas
Histórico
A Idade Moderna trás com a política de expansão territorial e
colonial a necessidade de conhecimentos mais precisos das
regiões.
Cassini desenvolve o primeiro mapa da França, com auxílio da
astronomia de posição (escala de 1/86 400), em 1670.
No século XX, muitos fatores ajudam a promover uma aceleração
acentuada no desenvolvimento da Cartografia. Pode-se incluir o
aperfeiçoamento da litografia, a invenção da fotografia, da
impressão a cores, o incremento das técnicas estatísticas, o
aumento do transporte de massas.
A invenção do avião foi significante para a Cartografia. A junção da
fotografia com o avião, tornou possível o desenvolvimento da
fotogrametria, ciência e técnica que permite o rápido mapeamento
de grandes áreas, através de fotografias aéreas, gerando mapas
mais precisos de grandes áreas, a custos menores que o
mapeamento tradicional. Desenvolvem-se técnicas de apoio que
incrementam a sua utilização.
Ciências Cartográficas
Um mapa moderno hoje é
construído através de um
processo complexo e
envolve a Geodésia, a
Fotogrametria, o SR e a
Cartografia.
Ciências Cartográficas
Sensoriamento Remoto
Coleta dados por meio de sensores, sem ter
contato físico com o alvo.
A preocupação maior é com o conteúdo temático
e sua interpretação
Ciências Cartográficas
Fotogrametria
Medição, numa perspectiva fotográfica, das
distâncias e das dimensões reais dos objetos
Coleta dados através de câmaras que obtém
fotografias terrestres, aéreas e espaciais
A preocupação maior é medir a geometria dos
objetos espaciais, sem necessariamente fazer
contato físico com os mesmos
Com os recentes avanços em direção da
automação, foi uma das primeiras a usar o
computador
Ciências Cartográficas
Cartografia
Arte e ciência de compor cartas geográficas ou
topográficas
Aplica princípios cartográficos para transformar
dados brutos em um mapa final de alta qualidade,
geralmente impresso em cores
Uma intensa discussão tem ocorrido
internacionalmente, voltada ao estabelecimento
de novas definições para a Cartografia e para
mapa
Algumas definições de Cartografia
Segundo OLIVEIRA (1993a, p. 13) citando a
Associação Cartográfica Internacional (ACI)
em 1964, que Cartografia é o “conjunto de
estudos e operações científicas, artísticas e
técnicas, baseado nos resultados de
observações diretas ou de análise de
documentação, com vistas à elaboração e
preparação de cartas, projetos e outras
formas de expressão, assim como sua
utilização”.
Cartografia
Coloca ainda que a cartografia é um
método científico com a finalidade de
expressar fatos e fenômenos da
observação da Terra e de outros astros
através de simbologia própria.
Cartografia
A Cartografia expressa-se
principalmente através dos mapas,
cartas e plantas. Entende-se por mapa
a “representação gráfica, em geral uma
superfície plana e numa determinada
escala, com a representação de
acidentes físicos e culturais da
superfície da Terra, ou de um planeta
ou satélite” (OLIVEIRA, op. cit., p. 31).
Cartografia
Por carta entende-se como “representação
dos aspectos naturais e artificiais da Terra,
destinada a fins práticos da atividade
humana, permitindo a avaliação precisa de
distâncias, direções e a localização plana,
geralmente em média ou grande escala, de
uma superfície da Terra, subdividida em
folhas, de forma sistemática, obedecido um
plano nacional ou internacional” (idem).
Cartografia
No Brasil conforme OLIVEIRA (ibidem)
existe uma tendência de chamar como
mapas documentos simples e cartas
documentos mais detalhados. DUARTE
(1988, p. 115) compartilha da mesma
idéia e acrescenta que o mapa seria o
gênero e a carta a espécie.
Cartografia
Também existe a tendência no uso diário de
chamar o mesmo documento hora de mapa
outra de carta. Importante dentro do espectro
da cartografia, para o bom uso da mesma e
de metodologias correlatas são os
conhecimentos sobre projeções, escalas,
orientações, leituras e as finalidades de
documentos cartográficos.
Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA
Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento
Algumas Características dos Mapas (Cartas)
- Permitem a coleta de informações em gabinete;
- Apresentam informações não visíveis no terreno, como
toponímia, fronteiras, curvas de
nível;
- Codificam as informações através de símbolos;
- Exigem atualização permanente;
- Representam um modo de armazenamento de informações
convenientes ao manuseio
de fenômenos espaciais e de suas distribuições e
relacionamento;
- Constituem um dos elementos básicos do planejamento das
atividades sócioeconômicas
das atividades humanas.
Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA
Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento
Plantas
A principal característica da planta é a exigüidade das dimensões da área
representada. A outra, é sem dúvida, a ausência de qualquer referência à
curvatura da Terra. O termo Planta, pode ser assim definido: “Carta que
representa uma área de extensão suficientemente restrita para que a sua
curvatura não precise ser levada em consideração, e que, em conseqüência, a
escala possa ser considerada constante”.
Já que a representação se restringe a uma área muito limitada, a escala tende a
ser muito grande, e em conseqüência, a aumentar o número de detalhes. Mas é
a prevalência do aspecto da área diminuta que caracteriza a planta. Do ponto
de vista mais cartográfico, é a planta urbana, sobretudo, com sua intenção
cadastral que é mais característica.
A planta moderna, de origem fotogramétrica, além da riqueza de detalhes, é de
suma precisão geométrica. Uma planta, geralmente apresenta grande riqueza
de detalhes, escala grande e rigor geométrico.
Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA
Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento
Mapas Gerais
Um mapa geral é aquele que atende a uma gama imensa e
indeterminada de usuários. Um exemplo, deste tipo de mapa, é o mapa
do IBGE na escala de 1:5.000.000, representando o território brasileiro,
limitado por todos os países vizinhos, o Oceano Atlântico, etc.,
contendo através de linhas limítrofes e cores, todos os estados e
territórios além das principais informações físicas e culturais como rios,
serras, ilhas, cabos, cidades importantes, algumas vilas, estradas, etc.
Como se vê, é um mapa de orientação ou informações generalizadas,
mas absolutamente insuficiente para muitas e determinadas
necessidades. As consultas feitas sobre um mapa geral têm que ser
igualmente generalizadas. Se quisermos medir com exatidão à
distância, por rodovia, entre São Paulo e Rio de Janeiro, corremos o
risco de acrescentar ou diminuir vários quilômetros em relação à
distância real.
Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA
Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento
Mapas Especiais
Em oposição aos mapas gerais, são feitos os mapas especiais para
grupos de usuários muito distintos entre si, e, na realidade, cada mapa
especial, concebido para atender uma determinada faixa técnica ou
científica, é, via de regra, muito específico e sumamente técnico, não
oferecendo, a outras áreas científicas ou técnicas, nenhuma utilidade,
salvo as devidas exceções. Destina-se à representação de fatos,
dados ou fenômenos típicos, tendo, deste modo, que se cingir,
rigidamente, aos métodos, especificações técnicas e objetivos do
assunto ou atividade a que está ligado.
Uma carta náutica, por exemplo, precaríssima em relação à
representação terrestre ou continental, é, por outro lado, minuciosa
quanto à representação de profundidade, de bancos de areia, recifes,
faróis, etc. É que este mapa destina-se exclusivamente à segurança da
navegação.
Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA
Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento
Mapas Temáticos
Trata-se de documentos em quaisquer escalas em que, sobre
um fundo geográfico básico, são representados os fenômenos
geográficos, geológicos, demográficos, econômicos, agrícolas,
etc., visando ao estudo, à análise e à pesquisa dos temas, no
seu aspecto especial.
A simbologia empregada na representação de tantos e
diversificados assuntos é a mais variada que existe no âmbito
da comunicação cartográfica, uma vez que na variação de
tantos temas a salientar, suas formas de expressão podem ser
qualitativas ou quantitativas.
Cartografia Digital
OLIVEIRA (op. cit., p. 85) entende
como o “processo mediante o qual
determinadas etapas da elaboração de
uma carta são realizadas com o
emprego de computadores e os seus
acessórios, como digitalizadores,
plotters e terminais de vídeo”.
Cartografia Digital
Com o desenvolvimento tecnológico de na
área da computação, tanto a nível de
hardware e software, permitiram que a
cartografia digital, ou seja, a criação de
mapas digitais, tivessem praticamente todas
as suas etapas automatizadas. A modelagem
cartográfica contribuiu também de forma
decisiva para o avanço da mesma.
Cartografia Digital
A fotogrametria digital, imagens de satélite,
fotografias aéreas digitais, ortofotos digitais,
GPS, sistemas de digitalização de alta
resolução, programas que permitem trabalhar
com várias projeções, escalas, dados nos
formatos rasters (imagens) e vetoriais (linhas,
polígonos, ect.), com layers distintas de
informação (camadas); e dispositivos de
saída como impressoras e traçadores
gráficos (laser, jato de tinta, ect.) dão suporte
hoje a cartografia digital.
Ciências Cartográficas
Geodésia
A Geodésia é uma ciência que se ocupa do
estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto
geométrico e com o estudo de certos fenômenos
físicos tais como a gravidade e o campo
gravitacional terrestre, para encontrar explicações
sobre as irregularidades menos aparentes da
própria forma da Terra.
Atualmente utiliza novas tecnologias no
posicionamento geodésico, como por exemplo o
GPS - Sistema de Posicionamento Global
Ciências Cartográficas
Três superfícies
Geóide
Elipsóide
Desvio da
Vertical
Ondulação
Geoidal
Superfície Física
Ciências Cartográficas
Elipsóide
ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO
a
b Achatamento
f = (a – b)
a
Ciências Cartográficas
ALTITUDE GEOIDAL - Elipsoide WGS 84
Ciências Cartográficas
Elipsóide de referência – recomendado pela União
Geodésica e Geofísica Internacional em 1967: UGGI
67
Semi-eixo maior – a: 6.378.160 m
Achatamento – f: 1/298,25
Origem das coordenadas (Datum planimétrico)
Estação: Vértice Chuá (MG)
Altura geoidal: 0 m
Coordenadas:
• Latitude: 19o
45’ 41,6527” S
• Longitude: 48o
06’ 04,0639” W
• Azimute geodésico para o Vértice Uberaba: 271o
30’ 04,05”
Ciências Cartográficas
Nome Data a b f Utilização
Delambre 1810 6376428 6355598 1/311,5 Bélgica
Everest 1830 6377276 6356075 1/300,80 Índia,Burma
Bessel 1841 6377997 6356079 1/299,15 Europa Central e Chile
Airy 1849 6377563 6356257 1/299,32 Inglaterra
Clarke 1866 6378208 6356584 1/294,98 USA
Hayford 1924 6378388 6356912 1/297,0 Mundial
Krasovsky 1940 6378245 6356863 1/298,30 Rússia
Ref. 67 1967 6378160 6356715 1/298,25 Brasil e América do Sul
WGS 84 1984 6378185 6356??? 1/298,26 Mundial levantamento de satélites
Ciências Cartográficas
Coordenadas Geográficas
A Terra possui um movimento de rotação, em torno de seu
eixo. Este eixo intercepta a superfície em dois pontos, os
polos Sul e Norte.O círculo máximo primário, perpendicular
ao eixo é denominado equador, e os polos Sul e Norte
geográficos.
Meridiano Origem
Equador
φ +
λ +
φ −
λ −
φ −
λ +
φ +
λ −
Ciências Cartográficas
Coordenadas Geográficas
Não é dado nenhum nome específicos aos círculos máximos
secundários, mas a palavra meridiano define cada semicírculo
de um par, que juntos formam um círculo secundário.
A cada meridiano, opõe-se o seu antimeridiano, ou seja o
meridiano diametralmente oposto. O círculo secundário
completo, compreende o meridiano e o seu antimeridiano.
Meridiano Origem
Equador
φ +
λ +
φ −
λ −
φ −
λ +
φ +
λ −
Ciências Cartográficas
Coordenadas Geográficas
Qualquer ponto na superfície poderá ser localizado pela definição apenas,
de dois ângulos vetoriais. São escolhidos para isto dois planos ortogonais
que se interceptam no centro da esferas, considerados então como origem.
Um plano já foi definido e é o plano do Equador. O Equador é utilizado
como origem para as medições do ângulo vetorial conhecido como
latitude. O outro plano é um plano arbitrário, definido pelo meridiano que
passa pelo centro ótico da luneta do Observatório de Greenwich, utilizado
para as medições do ângulo vetorial denominado de longitude.
Meridiano Origem
Equador
φ +
λ +
φ −
λ −
φ −
λ +
φ +
λ −
Cartografia Temática
Conforme OLIVEIRA (1993b, p. 86) é “parte
da cartografia que se ocupa do
planejamento, execução e impressão de
mapas temáticos”. O mesmo autor (1993a, p.
32) define mapa temáticos como sendo os
“documentos em quaisquer escala, em que,
sobre um fundo geográfico básico, são
representados os fenômenos geográficos,
geológicos, demográficos, econômicos,
agrícolas, etc., visando ao estudo, à análise e
à pesquisa dos temas, no seu aspecto
especial”.
Cartografia Temática
Segundo ROBINSON et. alii. (1995, p. 13)
mapas temáticos seriam aqueles que
representam a distribuição de um único
atributo ou o relacionamento entre vários.
Faz distinção entre mapas temáticos.
Aqueles que apresentam atributos de
fenômenos mas que seu uso é para
localização ficaria na categoria de mapas de
referência gerais, e aqueles que enfocam
atenção na estrutura de distribuição seriam
mapas temáticos.
Cartografia Temática
Para MARTINELLI (1991, p. 9) em relação a
cartografia temática é necessário a
introdução das representações gráficas, pois
estas fazem parte do sistema de linguagem
ao qual o homem construiu para
comunicação. Esta “compõem uma
linguagem gráfica, bidimensional, atemporal,
destinada à vista. Tem supremacia sobre as
demais, pois demanda apenas um instante
de percepção” (supra).
Cartografia Temática
Esta se dá através da construção da imagem (nos planos X, Y
e Z) de caráter semiológico monossêmico*. O mesmo (op. cit.,
p. 35) considera a definição ideal de cartografia, e que também
cabe a cartografia temática a dada por SALICHTCHEV (1973,
p. 110) como “a ciência da representação e do estudo da
distribuição espacial dos fenômenos naturais e sociais, suas
relações e suas transformações ao longo do tempo, por meio
de representações cartográficas – modelos icônicos – que
reproduzem este ou aquele aspecto da realidade de forma
gráfica e generalizada”.
* monossemia - Condição ou situação semântica em que palavras ou expressões remetem
a um único sentido
Cartografia Temática
Dentro desta linha de pensamento o “mapa temático
reportaria certo número de conjuntos espaciais
resultantes da classificação dos fenômenos que
integram o objeto de estudo de determinado ramo
específico, fruto da divisão do trabalho científico” (op.
cit., p. 37). Vale ressaltar também que (MARTINELLI,
op. cit., p. 38) que o processo de comunicação
cartográfica além de considerar à teoria da
informação deveria considerar as ciências cognitivas
já que “na utilização dos mapas estimula-se uma
operação mental; há uma interação entre o mapa,
como mero produto concreto e os processos mentais
do usuário.
Cartografia Temática
Esse processo não se limita somente à
percepção imediata dos estímulos, envolve
também a memória, a reflexão, a motivação e
a atenção”. Por último quanto a
representação da cartografia temática, esta
pode se dar através de representações
qualitativas, ordenadas, quantitativas e
dinâmicas, pois estão ligadas diretamente a
divulgação dos fenômenos que se quer
representar, que podem ser local, linear ou
zonal e também temporal.
Referências bibliográficas
DUARTE, Paulo A. Cartografia básica. 2 ed. – Florianópolis: UFSC, 1988
LOCH, Carlos & LAPOLLI, Édis M. Elementos básicos da fotogrametria e sua
utilização prática. 2 ed. – Florianópolis: UFSC, 1989
LOCH, Carlos. Noções básicas para a interpretação de imagens aéreas, bem
como algumas de suas aplicações nos campos profissionais. – Florianópolis:
Ed. Da UFSC, 1993.
MARCHETTI, Delmar A.B. & GARCIA, Gilberto J. Princípios de fotogrametria
e fotointerpretação. 1 ed. – São Paulo: Nobel, 1986
MARTINELLI, Marcello. Curso de cartografia temática. – São Paulo: Contexto,
1991
OLIVEIRA, Cêurio de. Curso de cartografia moderna. 2 ed. – Rio de Janeiro:
IBGE, 1993
OLIVEIRA, Cêurio de. Dicionário cartográfico. 4 ed. – Rio de Janeiro: IBGE,
1993
ROBINSON, Arthur H. et. alii. Elements of cartography. 6th ed. New Work,
USA: John Wiley & Sons, 1995. 526 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeções Cartográficas
Projeções CartográficasProjeções Cartográficas
Projeções CartográficasEduardo Mendes
 
As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)
As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)
As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)Nefer19
 
Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Osmar Ansbach
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASRenata Rodrigues
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasRoberta Sumar
 
Origem geografia
Origem geografiaOrigem geografia
Origem geografiaedsonluz
 
Sensoriamento remoto
Sensoriamento remotoSensoriamento remoto
Sensoriamento remotoGeagra UFG
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoNilberte Correia
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilLaisa Cabral Caetano
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaEduardo Mendes
 

Mais procurados (20)

Cartografia 1º ano
Cartografia 1º anoCartografia 1º ano
Cartografia 1º ano
 
Projeções Cartográficas
Projeções CartográficasProjeções Cartográficas
Projeções Cartográficas
 
As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)
As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)
As Coordenadas Geográficas - 6º Ano (2017)
 
Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1Noções básicas de Cartografia 1
Noções básicas de Cartografia 1
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 
Orientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espacoOrientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espaco
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
 
A cartografia 6 ano
A cartografia  6 anoA cartografia  6 ano
A cartografia 6 ano
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
 
Origem geografia
Origem geografiaOrigem geografia
Origem geografia
 
Sensoriamento remoto
Sensoriamento remotoSensoriamento remoto
Sensoriamento remoto
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
 
Aula 02 cartografia sistemática e temática
Aula 02   cartografia sistemática e temáticaAula 02   cartografia sistemática e temática
Aula 02 cartografia sistemática e temática
 
Paisagens e espaço geográfico
Paisagens e espaço geográficoPaisagens e espaço geográfico
Paisagens e espaço geográfico
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do Mapa
 

Destaque

Documentos cartográficos conceitos e representações
Documentos  cartográficos   conceitos e representaçõesDocumentos  cartográficos   conceitos e representações
Documentos cartográficos conceitos e representaçõesLuciano Pessanha
 
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaTecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaAna Selma Sena Santos
 
Cartografia
CartografiaCartografia
CartografiaFURG
 
Cartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIOCartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIOJorge Ferreira
 
Carl Friedrich Gauss - Raquelinda
Carl Friedrich Gauss - RaquelindaCarl Friedrich Gauss - Raquelinda
Carl Friedrich Gauss - RaquelindaAlberto Casaca
 
Representacoes da superficie_terrestre 7ª
Representacoes da superficie_terrestre 7ªRepresentacoes da superficie_terrestre 7ª
Representacoes da superficie_terrestre 7ªDiabzie
 
Formas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreFormas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreCarla Soares
 
Região centro oeste e norte
Região centro   oeste e norteRegião centro   oeste e norte
Região centro oeste e nortemeripb
 
Aula06 geo pg_fotogrametria
Aula06 geo pg_fotogrametriaAula06 geo pg_fotogrametria
Aula06 geo pg_fotogrametriarailano
 
Plano de voo aerofotogramétricos
Plano de voo aerofotogramétricosPlano de voo aerofotogramétricos
Plano de voo aerofotogramétricosGian Vargas
 
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento RemotoCap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento RemotoUFPR
 
Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2INPE
 

Destaque (20)

Documentos cartográficos conceitos e representações
Documentos  cartográficos   conceitos e representaçõesDocumentos  cartográficos   conceitos e representações
Documentos cartográficos conceitos e representações
 
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografiaTecnologias modernas aplicadas à cartografia
Tecnologias modernas aplicadas à cartografia
 
Cartografia 1° Ano
Cartografia 1° AnoCartografia 1° Ano
Cartografia 1° Ano
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Projeções cartográficas
Projeções cartográficasProjeções cartográficas
Projeções cartográficas
 
Cartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIOCartografia prevestibular UNIRIO
Cartografia prevestibular UNIRIO
 
Carl Friedrich Gauss - Raquelinda
Carl Friedrich Gauss - RaquelindaCarl Friedrich Gauss - Raquelinda
Carl Friedrich Gauss - Raquelinda
 
Representacoes da superficie_terrestre 7ª
Representacoes da superficie_terrestre 7ªRepresentacoes da superficie_terrestre 7ª
Representacoes da superficie_terrestre 7ª
 
Formas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestreFormas de representação da superfície terrestre
Formas de representação da superfície terrestre
 
Apresentação gestao ambiental
Apresentação  gestao ambientalApresentação  gestao ambiental
Apresentação gestao ambiental
 
Projeções cartográficas
Projeções cartográficasProjeções cartográficas
Projeções cartográficas
 
Região centro oeste e norte
Região centro   oeste e norteRegião centro   oeste e norte
Região centro oeste e norte
 
Trabalho geografia
Trabalho geografiaTrabalho geografia
Trabalho geografia
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Aula06 geo pg_fotogrametria
Aula06 geo pg_fotogrametriaAula06 geo pg_fotogrametria
Aula06 geo pg_fotogrametria
 
Plano de voo aerofotogramétricos
Plano de voo aerofotogramétricosPlano de voo aerofotogramétricos
Plano de voo aerofotogramétricos
 
1 cartografia em portugal
1 cartografia em portugal1 cartografia em portugal
1 cartografia em portugal
 
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento RemotoCap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
Cap. I - Elementos de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto
 
A evolução das paisagens
A evolução das paisagensA evolução das paisagens
A evolução das paisagens
 
Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2Geoprocessamento - Parte2
Geoprocessamento - Parte2
 

Semelhante a Cartografia

03.08.2023 CG AULA_1.pdf
03.08.2023 CG AULA_1.pdf03.08.2023 CG AULA_1.pdf
03.08.2023 CG AULA_1.pdfAnataliaIts
 
Fundamentos de cartografia
Fundamentos de cartografiaFundamentos de cartografia
Fundamentos de cartografiaHudson Góis
 
Texto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafia
Texto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafiaTexto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafia
Texto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafiaAndrea Scabello
 
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º AnoEspaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º AnoPré Master
 
Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]Marco Aurélio Gondim
 
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfRepresentacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfAndressaAmorim22
 
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUYIfes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUYKéliton Ferreira
 
fundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.pptfundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.pptEvertonFAlves1
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxMrcioHenrique50
 

Semelhante a Cartografia (20)

03.08.2023 CG AULA_1.pdf
03.08.2023 CG AULA_1.pdf03.08.2023 CG AULA_1.pdf
03.08.2023 CG AULA_1.pdf
 
Fundamentos de cartografia
Fundamentos de cartografiaFundamentos de cartografia
Fundamentos de cartografia
 
CARTOGRAFIA BÁSICA.pdf
CARTOGRAFIA BÁSICA.pdfCARTOGRAFIA BÁSICA.pdf
CARTOGRAFIA BÁSICA.pdf
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Apostila elementos cartografia
Apostila elementos cartografiaApostila elementos cartografia
Apostila elementos cartografia
 
Texto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafia
Texto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafiaTexto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafia
Texto 02 reflexoes_cartografia_temgegrafia
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Mapas escalas e projeções cartográficas
Mapas escalas e projeções cartográficasMapas escalas e projeções cartográficas
Mapas escalas e projeções cartográficas
 
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º AnoEspaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
Espaço E Representações Cartográficas - 3º Ano
 
Cartografia.
Cartografia.Cartografia.
Cartografia.
 
Aval parc geo 3
Aval parc geo 3Aval parc geo 3
Aval parc geo 3
 
02 cartografia geral
02 cartografia geral02 cartografia geral
02 cartografia geral
 
Cartografia e Mapas
Cartografia e MapasCartografia e Mapas
Cartografia e Mapas
 
Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Cartografia - Geografia Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
 
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdfRepresentacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
Representacoes_cartograficas_escalas_e_projecoes.pdf
 
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUYIfes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
Ifes aula 4-cartografia https://youtu.be/KsrS8ub_hUY
 
Texto para blog
Texto para blogTexto para blog
Texto para blog
 
fundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.pptfundamentos-da-cartografia.ppt
fundamentos-da-cartografia.ppt
 
Apostila topografia fasb 2010
Apostila topografia fasb 2010Apostila topografia fasb 2010
Apostila topografia fasb 2010
 
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptxAula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
Aula 6 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem. Cartografia.pptx
 

Mais de Jones Fagundes

Fundações em estaca sa
Fundações em estaca saFundações em estaca sa
Fundações em estaca saJones Fagundes
 
Escala e Projecao - cartografia
Escala e Projecao - cartografiaEscala e Projecao - cartografia
Escala e Projecao - cartografiaJones Fagundes
 
Topografia e Geodésia
Topografia e GeodésiaTopografia e Geodésia
Topografia e GeodésiaJones Fagundes
 
Apostila de Cálculo Diferencial e Integral I
Apostila de Cálculo Diferencial e Integral IApostila de Cálculo Diferencial e Integral I
Apostila de Cálculo Diferencial e Integral IJones Fagundes
 
Geologia de engenharia
Geologia de engenhariaGeologia de engenharia
Geologia de engenhariaJones Fagundes
 
Mecânica das Estruturas
Mecânica das EstruturasMecânica das Estruturas
Mecânica das EstruturasJones Fagundes
 
Exercicios de ciencias dos materiais
Exercicios de ciencias dos materiaisExercicios de ciencias dos materiais
Exercicios de ciencias dos materiaisJones Fagundes
 
Derivadas Aplicações
Derivadas AplicaçõesDerivadas Aplicações
Derivadas AplicaçõesJones Fagundes
 

Mais de Jones Fagundes (16)

Método de hard cross
Método de hard crossMétodo de hard cross
Método de hard cross
 
Fundações em estaca sa
Fundações em estaca saFundações em estaca sa
Fundações em estaca sa
 
Apostila 4 topografia
Apostila 4 topografiaApostila 4 topografia
Apostila 4 topografia
 
Apostila 3 topografia
Apostila 3 topografiaApostila 3 topografia
Apostila 3 topografia
 
Apostila 2 topografia
Apostila 2 topografiaApostila 2 topografia
Apostila 2 topografia
 
Apostila 1 topografia
Apostila 1 topografiaApostila 1 topografia
Apostila 1 topografia
 
Escala e Projecao - cartografia
Escala e Projecao - cartografiaEscala e Projecao - cartografia
Escala e Projecao - cartografia
 
Topografia e Geodésia
Topografia e GeodésiaTopografia e Geodésia
Topografia e Geodésia
 
Apostila de Cálculo Diferencial e Integral I
Apostila de Cálculo Diferencial e Integral IApostila de Cálculo Diferencial e Integral I
Apostila de Cálculo Diferencial e Integral I
 
Geologia de engenharia
Geologia de engenhariaGeologia de engenharia
Geologia de engenharia
 
Física i
Física iFísica i
Física i
 
Mecânica das Estruturas
Mecânica das EstruturasMecânica das Estruturas
Mecânica das Estruturas
 
Exercicios de ciencias dos materiais
Exercicios de ciencias dos materiaisExercicios de ciencias dos materiais
Exercicios de ciencias dos materiais
 
Derivadas
DerivadasDerivadas
Derivadas
 
Derivadas Aplicações
Derivadas AplicaçõesDerivadas Aplicações
Derivadas Aplicações
 
Física II
Física IIFísica II
Física II
 

Último

Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 

Último (7)

Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 

Cartografia

  • 1. Topografia e Geodésia IM/UFRJ modificado e ampliado por CTTMAR/UNIVALI
  • 2. Ciências Cartográficas Histórico Os mapas mais antigos datam de 5000 anos AC e representavam áreas da antiga Mesopotâmia, dos rios Eufrates e Nilo em tábuas de argila. Aos fenícios são atribuídas as primeiras cartas náuticas, que serviam de apoio à navegação. Estimativas do tamanho da Terra foram realizadas por Eratóstenes (276- 195 AC) e repetido por Posidonius (130-50 AC), através da observação angular do Sol e estrelas. Os romanos interessavam-se pela Cartografia apenas com fins práticos: cartas administrativas de regiões ocupadas e representações de vias de comunicação. Na Idade Média, como praticamente ocorreu em toda a humanidade, há um retrocesso no desenvolvimento da Cartografia. Com o Renascimento inicia-se também o ciclo das grandes navegações. As descobertas marítimas dos Escandinavos não acrescentam nenhum material novo ao conhecimento do mundo, exceto a descoberta da bússula a partir do século XIII. Ao fim da Idade Média e início da Moderna, surgem os PORTULANOS, cartas com a posição dos portos de diferentes países, bem como indicação do Norte e Sul (Rosa dos Ventos), voltadas para a navegação e comércio.
  • 3. Ciências Cartográficas Histórico A Idade Moderna trás com a política de expansão territorial e colonial a necessidade de conhecimentos mais precisos das regiões. Cassini desenvolve o primeiro mapa da França, com auxílio da astronomia de posição (escala de 1/86 400), em 1670. No século XX, muitos fatores ajudam a promover uma aceleração acentuada no desenvolvimento da Cartografia. Pode-se incluir o aperfeiçoamento da litografia, a invenção da fotografia, da impressão a cores, o incremento das técnicas estatísticas, o aumento do transporte de massas. A invenção do avião foi significante para a Cartografia. A junção da fotografia com o avião, tornou possível o desenvolvimento da fotogrametria, ciência e técnica que permite o rápido mapeamento de grandes áreas, através de fotografias aéreas, gerando mapas mais precisos de grandes áreas, a custos menores que o mapeamento tradicional. Desenvolvem-se técnicas de apoio que incrementam a sua utilização.
  • 4. Ciências Cartográficas Um mapa moderno hoje é construído através de um processo complexo e envolve a Geodésia, a Fotogrametria, o SR e a Cartografia.
  • 5. Ciências Cartográficas Sensoriamento Remoto Coleta dados por meio de sensores, sem ter contato físico com o alvo. A preocupação maior é com o conteúdo temático e sua interpretação
  • 6. Ciências Cartográficas Fotogrametria Medição, numa perspectiva fotográfica, das distâncias e das dimensões reais dos objetos Coleta dados através de câmaras que obtém fotografias terrestres, aéreas e espaciais A preocupação maior é medir a geometria dos objetos espaciais, sem necessariamente fazer contato físico com os mesmos Com os recentes avanços em direção da automação, foi uma das primeiras a usar o computador
  • 7. Ciências Cartográficas Cartografia Arte e ciência de compor cartas geográficas ou topográficas Aplica princípios cartográficos para transformar dados brutos em um mapa final de alta qualidade, geralmente impresso em cores Uma intensa discussão tem ocorrido internacionalmente, voltada ao estabelecimento de novas definições para a Cartografia e para mapa
  • 8. Algumas definições de Cartografia Segundo OLIVEIRA (1993a, p. 13) citando a Associação Cartográfica Internacional (ACI) em 1964, que Cartografia é o “conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado nos resultados de observações diretas ou de análise de documentação, com vistas à elaboração e preparação de cartas, projetos e outras formas de expressão, assim como sua utilização”.
  • 9. Cartografia Coloca ainda que a cartografia é um método científico com a finalidade de expressar fatos e fenômenos da observação da Terra e de outros astros através de simbologia própria.
  • 10. Cartografia A Cartografia expressa-se principalmente através dos mapas, cartas e plantas. Entende-se por mapa a “representação gráfica, em geral uma superfície plana e numa determinada escala, com a representação de acidentes físicos e culturais da superfície da Terra, ou de um planeta ou satélite” (OLIVEIRA, op. cit., p. 31).
  • 11. Cartografia Por carta entende-se como “representação dos aspectos naturais e artificiais da Terra, destinada a fins práticos da atividade humana, permitindo a avaliação precisa de distâncias, direções e a localização plana, geralmente em média ou grande escala, de uma superfície da Terra, subdividida em folhas, de forma sistemática, obedecido um plano nacional ou internacional” (idem).
  • 12. Cartografia No Brasil conforme OLIVEIRA (ibidem) existe uma tendência de chamar como mapas documentos simples e cartas documentos mais detalhados. DUARTE (1988, p. 115) compartilha da mesma idéia e acrescenta que o mapa seria o gênero e a carta a espécie.
  • 13. Cartografia Também existe a tendência no uso diário de chamar o mesmo documento hora de mapa outra de carta. Importante dentro do espectro da cartografia, para o bom uso da mesma e de metodologias correlatas são os conhecimentos sobre projeções, escalas, orientações, leituras e as finalidades de documentos cartográficos.
  • 14. Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento Algumas Características dos Mapas (Cartas) - Permitem a coleta de informações em gabinete; - Apresentam informações não visíveis no terreno, como toponímia, fronteiras, curvas de nível; - Codificam as informações através de símbolos; - Exigem atualização permanente; - Representam um modo de armazenamento de informações convenientes ao manuseio de fenômenos espaciais e de suas distribuições e relacionamento; - Constituem um dos elementos básicos do planejamento das atividades sócioeconômicas das atividades humanas.
  • 15. Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento Plantas A principal característica da planta é a exigüidade das dimensões da área representada. A outra, é sem dúvida, a ausência de qualquer referência à curvatura da Terra. O termo Planta, pode ser assim definido: “Carta que representa uma área de extensão suficientemente restrita para que a sua curvatura não precise ser levada em consideração, e que, em conseqüência, a escala possa ser considerada constante”. Já que a representação se restringe a uma área muito limitada, a escala tende a ser muito grande, e em conseqüência, a aumentar o número de detalhes. Mas é a prevalência do aspecto da área diminuta que caracteriza a planta. Do ponto de vista mais cartográfico, é a planta urbana, sobretudo, com sua intenção cadastral que é mais característica. A planta moderna, de origem fotogramétrica, além da riqueza de detalhes, é de suma precisão geométrica. Uma planta, geralmente apresenta grande riqueza de detalhes, escala grande e rigor geométrico.
  • 16. Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento Mapas Gerais Um mapa geral é aquele que atende a uma gama imensa e indeterminada de usuários. Um exemplo, deste tipo de mapa, é o mapa do IBGE na escala de 1:5.000.000, representando o território brasileiro, limitado por todos os países vizinhos, o Oceano Atlântico, etc., contendo através de linhas limítrofes e cores, todos os estados e territórios além das principais informações físicas e culturais como rios, serras, ilhas, cabos, cidades importantes, algumas vilas, estradas, etc. Como se vê, é um mapa de orientação ou informações generalizadas, mas absolutamente insuficiente para muitas e determinadas necessidades. As consultas feitas sobre um mapa geral têm que ser igualmente generalizadas. Se quisermos medir com exatidão à distância, por rodovia, entre São Paulo e Rio de Janeiro, corremos o risco de acrescentar ou diminuir vários quilômetros em relação à distância real.
  • 17. Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento Mapas Especiais Em oposição aos mapas gerais, são feitos os mapas especiais para grupos de usuários muito distintos entre si, e, na realidade, cada mapa especial, concebido para atender uma determinada faixa técnica ou científica, é, via de regra, muito específico e sumamente técnico, não oferecendo, a outras áreas científicas ou técnicas, nenhuma utilidade, salvo as devidas exceções. Destina-se à representação de fatos, dados ou fenômenos típicos, tendo, deste modo, que se cingir, rigidamente, aos métodos, especificações técnicas e objetivos do assunto ou atividade a que está ligado. Uma carta náutica, por exemplo, precaríssima em relação à representação terrestre ou continental, é, por outro lado, minuciosa quanto à representação de profundidade, de bancos de areia, recifes, faróis, etc. É que este mapa destina-se exclusivamente à segurança da navegação.
  • 18. Cartografia - CURSO DE GPS E CARTOGRAFIA BÁSICA Instituto CEUB de Pesquisa e Desenvolvimento Mapas Temáticos Trata-se de documentos em quaisquer escalas em que, sobre um fundo geográfico básico, são representados os fenômenos geográficos, geológicos, demográficos, econômicos, agrícolas, etc., visando ao estudo, à análise e à pesquisa dos temas, no seu aspecto especial. A simbologia empregada na representação de tantos e diversificados assuntos é a mais variada que existe no âmbito da comunicação cartográfica, uma vez que na variação de tantos temas a salientar, suas formas de expressão podem ser qualitativas ou quantitativas.
  • 19. Cartografia Digital OLIVEIRA (op. cit., p. 85) entende como o “processo mediante o qual determinadas etapas da elaboração de uma carta são realizadas com o emprego de computadores e os seus acessórios, como digitalizadores, plotters e terminais de vídeo”.
  • 20. Cartografia Digital Com o desenvolvimento tecnológico de na área da computação, tanto a nível de hardware e software, permitiram que a cartografia digital, ou seja, a criação de mapas digitais, tivessem praticamente todas as suas etapas automatizadas. A modelagem cartográfica contribuiu também de forma decisiva para o avanço da mesma.
  • 21. Cartografia Digital A fotogrametria digital, imagens de satélite, fotografias aéreas digitais, ortofotos digitais, GPS, sistemas de digitalização de alta resolução, programas que permitem trabalhar com várias projeções, escalas, dados nos formatos rasters (imagens) e vetoriais (linhas, polígonos, ect.), com layers distintas de informação (camadas); e dispositivos de saída como impressoras e traçadores gráficos (laser, jato de tinta, ect.) dão suporte hoje a cartografia digital.
  • 22. Ciências Cartográficas Geodésia A Geodésia é uma ciência que se ocupa do estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto geométrico e com o estudo de certos fenômenos físicos tais como a gravidade e o campo gravitacional terrestre, para encontrar explicações sobre as irregularidades menos aparentes da própria forma da Terra. Atualmente utiliza novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o GPS - Sistema de Posicionamento Global
  • 23. Ciências Cartográficas Três superfícies Geóide Elipsóide Desvio da Vertical Ondulação Geoidal Superfície Física
  • 24. Ciências Cartográficas Elipsóide ELIPSÓIDE DE REVOLUÇÃO a b Achatamento f = (a – b) a
  • 26. Ciências Cartográficas Elipsóide de referência – recomendado pela União Geodésica e Geofísica Internacional em 1967: UGGI 67 Semi-eixo maior – a: 6.378.160 m Achatamento – f: 1/298,25 Origem das coordenadas (Datum planimétrico) Estação: Vértice Chuá (MG) Altura geoidal: 0 m Coordenadas: • Latitude: 19o 45’ 41,6527” S • Longitude: 48o 06’ 04,0639” W • Azimute geodésico para o Vértice Uberaba: 271o 30’ 04,05”
  • 27. Ciências Cartográficas Nome Data a b f Utilização Delambre 1810 6376428 6355598 1/311,5 Bélgica Everest 1830 6377276 6356075 1/300,80 Índia,Burma Bessel 1841 6377997 6356079 1/299,15 Europa Central e Chile Airy 1849 6377563 6356257 1/299,32 Inglaterra Clarke 1866 6378208 6356584 1/294,98 USA Hayford 1924 6378388 6356912 1/297,0 Mundial Krasovsky 1940 6378245 6356863 1/298,30 Rússia Ref. 67 1967 6378160 6356715 1/298,25 Brasil e América do Sul WGS 84 1984 6378185 6356??? 1/298,26 Mundial levantamento de satélites
  • 28. Ciências Cartográficas Coordenadas Geográficas A Terra possui um movimento de rotação, em torno de seu eixo. Este eixo intercepta a superfície em dois pontos, os polos Sul e Norte.O círculo máximo primário, perpendicular ao eixo é denominado equador, e os polos Sul e Norte geográficos. Meridiano Origem Equador φ + λ + φ − λ − φ − λ + φ + λ −
  • 29. Ciências Cartográficas Coordenadas Geográficas Não é dado nenhum nome específicos aos círculos máximos secundários, mas a palavra meridiano define cada semicírculo de um par, que juntos formam um círculo secundário. A cada meridiano, opõe-se o seu antimeridiano, ou seja o meridiano diametralmente oposto. O círculo secundário completo, compreende o meridiano e o seu antimeridiano. Meridiano Origem Equador φ + λ + φ − λ − φ − λ + φ + λ −
  • 30. Ciências Cartográficas Coordenadas Geográficas Qualquer ponto na superfície poderá ser localizado pela definição apenas, de dois ângulos vetoriais. São escolhidos para isto dois planos ortogonais que se interceptam no centro da esferas, considerados então como origem. Um plano já foi definido e é o plano do Equador. O Equador é utilizado como origem para as medições do ângulo vetorial conhecido como latitude. O outro plano é um plano arbitrário, definido pelo meridiano que passa pelo centro ótico da luneta do Observatório de Greenwich, utilizado para as medições do ângulo vetorial denominado de longitude. Meridiano Origem Equador φ + λ + φ − λ − φ − λ + φ + λ −
  • 31. Cartografia Temática Conforme OLIVEIRA (1993b, p. 86) é “parte da cartografia que se ocupa do planejamento, execução e impressão de mapas temáticos”. O mesmo autor (1993a, p. 32) define mapa temáticos como sendo os “documentos em quaisquer escala, em que, sobre um fundo geográfico básico, são representados os fenômenos geográficos, geológicos, demográficos, econômicos, agrícolas, etc., visando ao estudo, à análise e à pesquisa dos temas, no seu aspecto especial”.
  • 32. Cartografia Temática Segundo ROBINSON et. alii. (1995, p. 13) mapas temáticos seriam aqueles que representam a distribuição de um único atributo ou o relacionamento entre vários. Faz distinção entre mapas temáticos. Aqueles que apresentam atributos de fenômenos mas que seu uso é para localização ficaria na categoria de mapas de referência gerais, e aqueles que enfocam atenção na estrutura de distribuição seriam mapas temáticos.
  • 33. Cartografia Temática Para MARTINELLI (1991, p. 9) em relação a cartografia temática é necessário a introdução das representações gráficas, pois estas fazem parte do sistema de linguagem ao qual o homem construiu para comunicação. Esta “compõem uma linguagem gráfica, bidimensional, atemporal, destinada à vista. Tem supremacia sobre as demais, pois demanda apenas um instante de percepção” (supra).
  • 34. Cartografia Temática Esta se dá através da construção da imagem (nos planos X, Y e Z) de caráter semiológico monossêmico*. O mesmo (op. cit., p. 35) considera a definição ideal de cartografia, e que também cabe a cartografia temática a dada por SALICHTCHEV (1973, p. 110) como “a ciência da representação e do estudo da distribuição espacial dos fenômenos naturais e sociais, suas relações e suas transformações ao longo do tempo, por meio de representações cartográficas – modelos icônicos – que reproduzem este ou aquele aspecto da realidade de forma gráfica e generalizada”. * monossemia - Condição ou situação semântica em que palavras ou expressões remetem a um único sentido
  • 35. Cartografia Temática Dentro desta linha de pensamento o “mapa temático reportaria certo número de conjuntos espaciais resultantes da classificação dos fenômenos que integram o objeto de estudo de determinado ramo específico, fruto da divisão do trabalho científico” (op. cit., p. 37). Vale ressaltar também que (MARTINELLI, op. cit., p. 38) que o processo de comunicação cartográfica além de considerar à teoria da informação deveria considerar as ciências cognitivas já que “na utilização dos mapas estimula-se uma operação mental; há uma interação entre o mapa, como mero produto concreto e os processos mentais do usuário.
  • 36. Cartografia Temática Esse processo não se limita somente à percepção imediata dos estímulos, envolve também a memória, a reflexão, a motivação e a atenção”. Por último quanto a representação da cartografia temática, esta pode se dar através de representações qualitativas, ordenadas, quantitativas e dinâmicas, pois estão ligadas diretamente a divulgação dos fenômenos que se quer representar, que podem ser local, linear ou zonal e também temporal.
  • 37. Referências bibliográficas DUARTE, Paulo A. Cartografia básica. 2 ed. – Florianópolis: UFSC, 1988 LOCH, Carlos & LAPOLLI, Édis M. Elementos básicos da fotogrametria e sua utilização prática. 2 ed. – Florianópolis: UFSC, 1989 LOCH, Carlos. Noções básicas para a interpretação de imagens aéreas, bem como algumas de suas aplicações nos campos profissionais. – Florianópolis: Ed. Da UFSC, 1993. MARCHETTI, Delmar A.B. & GARCIA, Gilberto J. Princípios de fotogrametria e fotointerpretação. 1 ed. – São Paulo: Nobel, 1986 MARTINELLI, Marcello. Curso de cartografia temática. – São Paulo: Contexto, 1991 OLIVEIRA, Cêurio de. Curso de cartografia moderna. 2 ed. – Rio de Janeiro: IBGE, 1993 OLIVEIRA, Cêurio de. Dicionário cartográfico. 4 ed. – Rio de Janeiro: IBGE, 1993 ROBINSON, Arthur H. et. alii. Elements of cartography. 6th ed. New Work, USA: John Wiley & Sons, 1995. 526 p.