SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
 O Benzeno é um hidrocarboneto classificado como
hidrocarboneto aromático.
 E é a base para esta classe de hidrocarbonetos: todos os
aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno),
que, por isso, é também chamado de anel aromático,
possui a fórmula C 6H6.
 À temperatura ambiente, o benzeno é um líquido
volátil, estável e incolor;
 É altamente inflamável;
 Além de inflamável e incolor, tem um aroma doce e
agradável;
 Tem efeito anestésico geral;
 O nome benzeno deriva do ácido benzoico, que foi
descoberto no século XVI, e que recebeu este nome
por ter sido obtido pela essência do benjoeiro.
 O benzeno foi descoberto em 1825 por Michael
Faraday (1791 - 1867) no gás de iluminação usado
em Londres na época.
 Em 1834, o químico Edilhardt Mitscherlich
determinou a fórmula molecular do benzeno como
sendo C6H6.
 Só em 1865, Kekulé(1829 - 1896) propôs a idéia de
um anel hexagonal para a fórmula C6H6.
 É utilizado como matéria prima para síntese de
outros compostos orgânicos e como aditivo nos
combustíveis para veículos, substituindo, em
parte, o chumbo.
 O Benzeno é encontrado em detergentes,
refrigerantes, antissépticos bucais, plásticos,
sabão em pó, gasolina, anilina , tintas, copos
descartáveis, isopor, nylon, etc.
 As indústrias que envolvem o uso de benzeno
incluem a indústria da borracha, refinarias de
petróleo, indústrias químicas, fabricantes de
calçados e indústrias conexas à gasolina.
 O benzeno era utilizado como um solvente comum
na industria, bem como o tíner e aguarrás;
 Devido ao seu alto perigo à saúde e à vida,
facilmente reconhecido por sua própria história, o
benzeno foi substituído por tolueno, que ainda
continha 25% de benzeno, e o tolueno substituído
na industria pelo xileno. Um processo de
substituição gradativo que durou décadas.
 A espuma de poliuretano, muito utilizada em
isolamentos acústicos, é produzida por anilina,
que por sua vez deriva-se do benzeno.
 Medicamentos, corantes, perfumes, adoçantes
de sacarina, detergentes e etc., também
possuem benzeno, que por sua vez encontra-se
na composição do tolueno.
 Desinfetantes comuns também possuem uma
certa quantidade de benzeno, que por sua vez
estão localizados nas cadeias aromáticas do
fenol.
Perigos para o ser
humano
 O benzeno produz um
considerável número de
efeitos biológicos.
 Os efeitos agudos do
benzeno refletem a sua
atividade como anestésico
geral e podem conduzir a
uma depressão do sistema
nervoso central , perda da
consciência entre outros.
 Os vapores do benzeno, se inalados, causam
tontura, dores de cabeça e até mesmo
inconsciência. Se inalados em pequenas
quantidades por longos períodos causam sérios
problemas sanguíneos, como leucopenia.
 Na história recente, tem havido muitos
exemplos dos efeitos nocivos para a saúde do
benzeno e seus derivados. A síndrome do óleo
tóxico causou imunossupressão localizada em
Madrid em 1981 de pessoas ingerindo óleo de
colza contaminado com anilida.
 Leucopenia
 A leucopenia é a redução no número
de leucócitos, por volume
de sangue circulante. Os leucócitos,
também conhecidos como glóbulos
brancos, são células presentes no sangue e
produzidas na medula óssea e no tecido
linfático.
 São chamados de glóbulos brancos, pois,
ao contrário das hemácias (glóbulos
vermelhos), não possuem pigmentos.
Realizar a defesa do organismo contra
agentes infecciosos, isso se dá pelo seu
potencial de produzir anticorpos.
 A exposição ao benzeno é uma das
principais causas motrizes para o
desenvolvimento da leucopenia, pois, em
após um longo tempo exposto ao agente,
as cadeias aromáticas acabam por causar
danos e supressões na medula óssea, onde
originam-se os leucócitos. Logo, o sangue
fica vulnerável sem suas células básicas
de defesa.
 A Síndrome de Fadiga
Crônica
 também foi correlacionada
com as pessoas que comem
alimento "desnaturado“ – que
sofre desnaturação de
proteínas – que utilizou
solventes para remover a
gordura ou que contenham
ácido benzoico, mas a
causalidade não está
provada.
Síndrome do
Óleo Tóxico
 Foi um surto de uma doença
ocorrido na Espanha, no ano de
1981, levando muitas pessoas à
morte. Caracterizava-se por
intensas mialgias e infiltrados
pulmonares;
 Teve como causa a ingestão de
um óleo fraudulentamente
comercializado como azeite de
oliva, o óleo de colza.
 Ele foi vendido por vendedores
ambulantes como sendo azeite
de oliva e, portanto, utilizado
por quem o comprava, na
alimentação;
 20.000 pessoas ingeriram o óleo;
 Cerca de 300 morreram após sua
ingestão
 Muitas outras
desenvolveram doença crônica
Intoxicação por
Benzeno
Dados: Não encontrados na
internet
Fonte: Livro Higiene Ocupacional,
de Ezio Brevigliero.
 Numa fábrica de colagem de peças
plásticas por imersão em benzeno,
110 trabalhadores foram expostos
ao elemento. A empresa tinha 150
colaboradores, e 106 deles
apresentaram alterações
compatíveis com a intoxicação pela
substância após exames médicos -
números estatísticos bem elevados.
 Quatro mortes foram
desencadeadas por tal exposição.
O tempo médio de exposição
desses quatro trabalhadores foi de
apenas 4 meses, e o mais alarmante
é que as vítimas não atuavam
diretamente com a substância.
 As vítimas fatais eram 3 auxiliares
de serviços gerais e 1 ajudante de
laboratório.
Explosão da central
petroquímica de Jilin
Data: 13 de novembro de
2005;
Local: Jilin – China.
 Este acidente constituiu uma
série de explosões que
provocaram 5 mortos e mais de
10.000 refugiados. As explosões
causaram uma nuvem tóxica e
não só, também foi poluído o
rio Songhua por uma extensão
de mais 80km.
 Esta contaminação impediu o
abastecimento de água das
aldeias próximas do local do
acidente.
 O produto mais poluente neste
acidente foi o benzeno.
 O benzeno tem como dose letal
500 mg/kg via oral.Mancha negra no rio Songhua
Frentistas
contaminados por
Benzeno
Data: 01 de outubro de 2015
Local: Santa Catarina – Brasil.
 A intoxicação humana pelo benzeno pode
ocorrer por três vias de absorção:
 Respiratória (aspiração por vapores);
 Cutânea;
 Digestiva.
- A via respiratória é a principal, do ponto de vista
toxicológico, sendo retido 46% do benzeno inalado.
Uma vez absorvido, quase imediatamente é
eliminado em 50% pelos pulmões.
 O benzeno que permanece no corpo, distribui-se
por vários tecidos. Na intoxicação aguda, a maior
parte é retida no sistema nervoso central, enquanto
que na intoxicação crônica permanece na medula
óssea (40%), no fígado (43%) e nos tecidos
gordurosos (10%).
 Após sua absorção, parte do benzeno distribuído
pelo organismo é metabolizado pelo fígado e cerca
de 30% é transformado em fenol e em derivados
como pirocatecol, hidroquinona e hidroxiquinona,
os quais são eliminados pela urina nas primeiras
horas até 24 horas após cessada a exposição.
 As atividades que manipulam ou tem exposição do benzeno são
sujeitas a aposentadoria especial, segundo o Perfil Profissiográfico
da Previdência(PPP)
Código Agente nocivo Tempo de Exposição
1.0.3
Benzeno e seus compostos tóxicos:
a) produção e processamento de
benzeno;
b) utilização de benzeno como
matéria-prima em sínteses orgânicas e
na produção de derivados;
c) utilização de benzeno como insumo
na extração de óleos vegetais e
álcoois;
d) utilização de produtos que
contenham benzeno, como colas,
tintas, vernizes, produtos gráficos e
solventes;
e) produção e utilização de
clorobenzenos e derivados;
f) fabricação e vulcanização de
artefatos de borracha;
g) fabricação e recauchutagem de
pneumáticos.
25 ANOS
 No Brasil, as principais fontes de produção do benzeno
são atualmente os centros de produção petroquímica e
refino de petróleo, os quais são responsáveis por
aproximadamente 95% da produção nacional. Os
outros 5% provém da destilação fracionada de óleos
leves de alcatrão e BTX (benzeno, tolueno,
xileno), obtido a partir da destilação seca do carvão
mineral nas siderúrgicas.
 O carvão mineral (hidrocarboneto) é um
combustível fóssil(não renovável) que está
presente em diversas regiões do planeta.
 A partir do século XVIII, este passou a ser cada
vez mais utilizado, substituindo a lenha, que
era a mais utilizada até então.
Benzeno e Carvão
Mineral
Carvão: fonte de substâncias
aromáticas
Principais fontes de hidro
carbonetos aromáticos:
•Hulha e Petróleo
•Na destilação seca(a 1000ºC) a
hulha fornece gases, vapores e um
resíduo sólido cinzento, com brilho
metálico e rico em carbono,
denominado “coque”.
•A condensação dos gases e vapores
produz o ALCATRÃO e as águas
amoniacais. Resta, sem se
condensar, uma mistura de gases:
Hidrogênio, Metano, Monóxido de
Carbono e Dióxido de Carbono,
entre outros.
 A mistura gasosa obtida na
destilação é utilizada como
combustível doméstico e
industrial. É conhecida também
como “gás de rua”, pois era
utilizada em lampiões a gás do
início do século XX.
 O ALCATRÃO é constituído
por uma mistura de compostos
aromáticos. Por destilação
fracionada, obtêm-se diversas
frações: benzeno, tolueno,
xileno, fenóis, anilinas, cresóis,
antraceno, fenantreno, etec.,
restando, ainda, um resíduo
chamado “piche”.
 1. O Anexo tem como objetivo regulamentar ações,
atribuições e procedimentos de prevenção da
exposição ocupacional ao benzeno, visando à
proteção da saúde do trabalhador, visto tratar-se
de um produto comprovadamente cancerígeno.
 2. O presente Anexo se aplica a todas as empresas
que produzem, transportam, armazenam, utilizam
ou manipulam benzeno e suas misturas líquidas
contendo 1% (um por cento) ou mais de volume e
aquelas por elas contratadas(terceirizadas), no que
couber.
 2.1 O presente anexo NÃO se aplica às
atividades de armazenamento, transporte,
distribuição, venda e uso de combustíveis
derivados de petróleo.
 Ou seja, o anexo se aplica às organizações que
manipulam benzeno, mas não às certas
atividades fins da organização.
 3.1 É proibido utilizar o benzeno para
quaisquer emprego, exceto nas INDÚSTRIAS e
LABORATÓRIOS que:
 O produzem;
 Utilizem como base;
 O empreguem em combustíveis derivados do
petróleo;
 O empreguem nos trabalhos de investigação feitos
em laboratórios, quando não for possível sua
substituição.
 4. As empresas que manipulam o benzeno têm
que cadastrar seus estabelecimentos no DSST
apresentando:
 Identificação da empresa, CNPJ, ramo e CNAE;
 Nº de trabalhadores por estabelecimento;
 Nome das empresas que fornecem o benzeno(se for
o caso);
 Utilização a que se destina o benzeno;
 Quantidade média de processamento mensal;
 Documento base do PPEOB.
 4.1.1 SOMENTE SERÃO CADASTRADAS AS
INSTALAÇÕES APTAS A OPERAR.
 O PPEOB – Programa de Proteção a Exposição
ao Benzeno – do laboratório ou instituições
deve ser mantido a disposição da
fiscalização(Sindicato da categoria, MTE, MP).
 As alterações de instalações que influenciem no
uso do benzeno devem ser informadas ao
DSST, para que se atualize os dados.
 O PPEOB foi legalmente ratificado com a
Portaria nº 25/94
 Deve representar o mais elevado grau de
compromisso de sua diretoria com os
princípios e diretrizes da prevenção da
exposição dos trabalhadores ao benzeno
devendo:
 Ser formalizado pela administração;
 Ter indicação de um responsável que responderá
pelo mesmo junto aos Órgãos Públicos e demais
mecanismos de regulação junto com os
trabalhadores;
 Dentro do PPEOB deve ter:
 O caráter das instalações ou misturas que contenham
concentração > 1%;
 Avaliação das concentrações;
 Ações de vigilância à saúde dos trabalhadores
próprios e terceirizados;
 Descrição dos acordos coletivos(tripartite) referentes
ao benzeno;
 Procedimento para seu arquivamento por 40 anos;
 Adequação da Proteção Respiratória;
 Definição das operações de manutenção;
 Levantamento de todas as situações onde possam ocorrer
concentrações elevadas de benzeno, com dados
qualitativos e quantitativos;
 Procedimentos para proteção coletiva e individual dos
trabalhadores, do risco exposto nas situações críticas
através de medidas como:
 Organização do trabalho, sinalização, isolamento de área,
treinamento, ventilação apropriada, proteção respiratória e
contra contato com a pele
 Descrição dos processos usuais nas operações de:
drenagem, lavagem, purga de equip., operação manual
de válvulas, transferências, limpezas, controle de
vazamentos, partidas e paradas de unidades que
requeiram procedimentos pesados no controle de vapores
e prevenção de contato diretos ao trabalhador;
 Descrição dos recursos básicos para controle da situação
emergencial, até que tudo se normalize;
 Cronograma detalhado das mudanças das mudanças que
podem ser realizadas na empresa para prevenção ao
agente e a adequação ao VRT;
 Exigências contratuais;
 Procedimentos específicos para proteção ao trabalho
do menor de 18 anos e à mulheres grávidas ou em
período de amamentação.
O Valor de Referência Tecnológico do
Benzeno deve ser considerado no
programa de melhoria contínua dos
ambientes de trabalho.
Para execução deste anexo, é definida
uma categoria de VRT que corresponde
à concentração média no ar ponderada
para uma jornada de 8 horas, obtida na
zona de respiração do trabalhador ou de
GHE.
Os valores são:
•1,0 ppm para as abrangidas
neste anexo;
•2,5 ppm para as empresas
siderúrgicas;
O prazo de adequação das empresas ao
VRT-MPT tem que ser acordado na
comissão tripartite.
 9.1. A organização, constituição, atribuições e treinamentos
devem ser acordadas entre a representação do empregador
e do trabalhador;
 10. Os trabalhadores e terceirizados devem participar dos
treinamentos a respeito do benzeno;
 11. Áreas, recipientes, equipamentos e pontos com risco de
exposição ao agente devem ser sinalizados com os dizeres:
“PERIGO: PRESENÇA DE BENZENO” e seu acesso é só
para autorizados;
 12. Informações sobre riscos do benzeno à saúde devem ser
permanentes, colocando uma Ficha de Informações de Seg.
sobre Benzeno à disposição do empregado;
 13. É responsabilidade do fabricante e fornecedor do
benzeno rotular o produto com informações básicas,
destacando carcinogenicidade e bula;
 O benzeno foi incluido no anexo 13-A da NR 15, item
"SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS".
 O benzeno foi retirado do anexo 11 da NR 15 onde constava com
Limite de Tolerância de 8 ppm ou 24 mg/m3, com absorção
também pela pele e insalubridade Grau Máximo.
O Anexo 13, da NR 15, relaciona as atividades e operações,
envolvendo agentes químicos, consideradas insalubres em
decorrência de avaliação ocupacional. Tendo em vista que existem
atividades para as quais se admite o uso de benzeno, incluída a
sua fabricação, e que não foi exigida hermetização do processo.
 Deve-se considerar, para essas atividades, citadas no item 3, alínea
"c" , do anexo 13-A da NR 15, que há insalubridade de Grau
Máximo.
 Sendo assim, o trabalhador que atue exposto a combustíveis e
derivados têm o direito a adicional de 40%(insalubridade máxima)
 Em caso de contato com a pele, lavar com água
e sabão:
 Instalar chuveiro e lava-olho nos locais de risco de
contato.
 Em caso de contato com os olhos, lavar por 15
minutos. Procurar socorro médico em seguida.
Em caso de ingestão recente pode ser indicada
lavagem gástrica, caso não se consiga induzir o
vômito. Prevenir aspiração pelos pulmões. Uso de
anticonvulsivantes benzodiazepinicos (diazepam)
em caso de convulsões.
 A Anexo 13-A da NR-15 já sofreu diversas revogações e
implementações por parte do legislativo ao longo dos anos, basta
lê-lo.
 A ampliação mais recente sobre o benzeno foi feita em 2016, para a
atividade dos trabalhadores dos postos de combustíveis
 A atividade de abastecimento de veículos nos postos,
recentemente, passou por modificações legais para que o frentista
não sofra com as ações na exposição ao benzeno
 As mudanças foram feitas com a Portaria 1109 de setembro de
2016, que inclui a NR-9 e seu Anexo II sobre exposição
ocupacional ao benzeno em postos revendedores de combustíveis.
 O anexo tem 14 itens que discorrem sobre as medidas de
segurança que devem ser implementadas nos postos.
 Seu prazo de implementação nos 39 mil postos do Brasil é de 6 à
15 anos.
 Fonte: https://www.brasilpostos.com.br/noticias/saude-e-
seguranca-do-colaborador/ministerio-do-trabalho-aumenta-a-
prevencao-de-riscos-ocupacional-nos-postos/
 Uniformes devem ser Lavados e Separados(ao
menos uma vez na semana)
 Proteção Respiratória de Face Inteira
 Luvas para os frentistas;
 Abastecimento só até o automático;
 Protetor de respingo na pistola;
 Controle médico de saúde(realizando hemograma
a cada 6 meses)
 Capacitação dos colaboradores, fornecedores e
terceirizados;
 Pistola automática para todas as bombas
 http://anossavolta.blogs.sapo.pt/5145.html
 http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/10/exposicao-
a-benzeno-contamina-frentistas-gauchos-aponta-pesquisa-
4859890.html
 http://ambinternatomedtrabtub.blogspot.com.br/2011/09/intoxi
cacao-por-benzeno.html
 https://www.linkedin.com/pulse/riscos-qu%C3%ADmicos-
jhonas-santana
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Benzeno
 http://www.infoescola.com/doencas/sindrome-do-oleo-toxico/
 http://www.sato.adm.br/guiadp/paginas/paral_perfil_ativ_suj_
ap_escpecial.htm
 http://www.capecanaveral4045.com/benzeno.html
 http://quimaniadodiaadia.blogspot.com.br/2013/10/o-carvao-
mineral.html
 Grupo/Empenho:
 Jhonas Santana de Queiroz;
 Eduarda de Barros;
 Lucas Ramos;
 Disciplina: Higiene Ocupacional II
 Docente: Ricardo Luis
 Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de
Pernambuco

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)
Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)
Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)Claudio Cesar Pontes ن
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosHugoDalevedove
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentoserika budemberg
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPISergio Silva
 
Palestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaPalestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaFlávia Piol
 
Segurança no trabalho
Segurança no trabalhoSegurança no trabalho
Segurança no trabalhoAna Castro
 
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de IncêndioFicha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de IncêndioAna Lucia Santana
 
Sinalização de segurança
Sinalização de segurançaSinalização de segurança
Sinalização de segurançaSónia Palma
 
Treinamento de segurança do trabalho ok
Treinamento de segurança do trabalho okTreinamento de segurança do trabalho ok
Treinamento de segurança do trabalho okLewis Sophia
 

Mais procurados (20)

Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)
Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)
Manuseio de Produtos Químicos (Oficial)
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
Exposição ao Benzeno
Exposição ao BenzenoExposição ao Benzeno
Exposição ao Benzeno
 
Anexo 2 da nr 9
Anexo 2 da nr 9Anexo 2 da nr 9
Anexo 2 da nr 9
 
Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Programa de conservação auditiva PCA rev.00Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Programa de conservação auditiva PCA rev.00
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
Produtos quimicos
Produtos quimicosProdutos quimicos
Produtos quimicos
 
Nr – 23
Nr – 23Nr – 23
Nr – 23
 
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentosApostila nr-20-formaseg-treinamentos
Apostila nr-20-formaseg-treinamentos
 
Nr20 trein treinamento-nr-20
Nr20 trein treinamento-nr-20Nr20 trein treinamento-nr-20
Nr20 trein treinamento-nr-20
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
 
Proteção combate incendio
Proteção combate incendioProteção combate incendio
Proteção combate incendio
 
Benzeno
BenzenoBenzeno
Benzeno
 
Palestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditivaPalestra Proteção auditiva
Palestra Proteção auditiva
 
Aula 001 Risco Químico
Aula 001 Risco QuímicoAula 001 Risco Químico
Aula 001 Risco Químico
 
Segurança no trabalho
Segurança no trabalhoSegurança no trabalho
Segurança no trabalho
 
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de IncêndioFicha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
 
Sinalização de segurança
Sinalização de segurançaSinalização de segurança
Sinalização de segurança
 
Proteção respiratória
Proteção respiratóriaProteção respiratória
Proteção respiratória
 
Treinamento de segurança do trabalho ok
Treinamento de segurança do trabalho okTreinamento de segurança do trabalho ok
Treinamento de segurança do trabalho ok
 

Semelhante a O benzeno, fonte de aromáticos e riscos à saúde

Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticosEstudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticosManuel Vicente
 
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008 Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008 Manuel da Mata Vicente
 
FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.pptFUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.pptPelotaMECXII
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicaspsfescola
 
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º anoAula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º anoMinistry of Education
 
Artigo tabaco 02
Artigo tabaco 02Artigo tabaco 02
Artigo tabaco 02marcosdiego
 
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das CiênciasPPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das CiênciasMinistry of Education
 

Semelhante a O benzeno, fonte de aromáticos e riscos à saúde (13)

Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticosEstudo dos hidrocarbonetos aromaticos
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos
 
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008 Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008
Estudo dos hidrocarbonetos aromaticos 008
 
Funcoes organicas revisão 2012
Funcoes organicas   revisão 2012Funcoes organicas   revisão 2012
Funcoes organicas revisão 2012
 
Funcoes organicas 2012 coc
Funcoes organicas   2012 cocFuncoes organicas   2012 coc
Funcoes organicas 2012 coc
 
FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.pptFUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Tabaco
TabacoTabaco
Tabaco
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
treinamneto benzeno.pdf
treinamneto benzeno.pdftreinamneto benzeno.pdf
treinamneto benzeno.pdf
 
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º anoAula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
 
Tabagismo 2010
Tabagismo 2010Tabagismo 2010
Tabagismo 2010
 
Artigo tabaco 02
Artigo tabaco 02Artigo tabaco 02
Artigo tabaco 02
 
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das CiênciasPPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
 

O benzeno, fonte de aromáticos e riscos à saúde

  • 1.
  • 2.  O Benzeno é um hidrocarboneto classificado como hidrocarboneto aromático.  E é a base para esta classe de hidrocarbonetos: todos os aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno), que, por isso, é também chamado de anel aromático, possui a fórmula C 6H6.
  • 3.  À temperatura ambiente, o benzeno é um líquido volátil, estável e incolor;  É altamente inflamável;  Além de inflamável e incolor, tem um aroma doce e agradável;  Tem efeito anestésico geral;
  • 4.
  • 5.  O nome benzeno deriva do ácido benzoico, que foi descoberto no século XVI, e que recebeu este nome por ter sido obtido pela essência do benjoeiro.  O benzeno foi descoberto em 1825 por Michael Faraday (1791 - 1867) no gás de iluminação usado em Londres na época.  Em 1834, o químico Edilhardt Mitscherlich determinou a fórmula molecular do benzeno como sendo C6H6.  Só em 1865, Kekulé(1829 - 1896) propôs a idéia de um anel hexagonal para a fórmula C6H6.
  • 6.  É utilizado como matéria prima para síntese de outros compostos orgânicos e como aditivo nos combustíveis para veículos, substituindo, em parte, o chumbo.
  • 7.  O Benzeno é encontrado em detergentes, refrigerantes, antissépticos bucais, plásticos, sabão em pó, gasolina, anilina , tintas, copos descartáveis, isopor, nylon, etc.
  • 8.  As indústrias que envolvem o uso de benzeno incluem a indústria da borracha, refinarias de petróleo, indústrias químicas, fabricantes de calçados e indústrias conexas à gasolina.  O benzeno era utilizado como um solvente comum na industria, bem como o tíner e aguarrás;  Devido ao seu alto perigo à saúde e à vida, facilmente reconhecido por sua própria história, o benzeno foi substituído por tolueno, que ainda continha 25% de benzeno, e o tolueno substituído na industria pelo xileno. Um processo de substituição gradativo que durou décadas.
  • 9.  A espuma de poliuretano, muito utilizada em isolamentos acústicos, é produzida por anilina, que por sua vez deriva-se do benzeno.
  • 10.  Medicamentos, corantes, perfumes, adoçantes de sacarina, detergentes e etc., também possuem benzeno, que por sua vez encontra-se na composição do tolueno.
  • 11.  Desinfetantes comuns também possuem uma certa quantidade de benzeno, que por sua vez estão localizados nas cadeias aromáticas do fenol.
  • 12. Perigos para o ser humano  O benzeno produz um considerável número de efeitos biológicos.  Os efeitos agudos do benzeno refletem a sua atividade como anestésico geral e podem conduzir a uma depressão do sistema nervoso central , perda da consciência entre outros.
  • 13.  Os vapores do benzeno, se inalados, causam tontura, dores de cabeça e até mesmo inconsciência. Se inalados em pequenas quantidades por longos períodos causam sérios problemas sanguíneos, como leucopenia.  Na história recente, tem havido muitos exemplos dos efeitos nocivos para a saúde do benzeno e seus derivados. A síndrome do óleo tóxico causou imunossupressão localizada em Madrid em 1981 de pessoas ingerindo óleo de colza contaminado com anilida.
  • 14.  Leucopenia  A leucopenia é a redução no número de leucócitos, por volume de sangue circulante. Os leucócitos, também conhecidos como glóbulos brancos, são células presentes no sangue e produzidas na medula óssea e no tecido linfático.  São chamados de glóbulos brancos, pois, ao contrário das hemácias (glóbulos vermelhos), não possuem pigmentos. Realizar a defesa do organismo contra agentes infecciosos, isso se dá pelo seu potencial de produzir anticorpos.  A exposição ao benzeno é uma das principais causas motrizes para o desenvolvimento da leucopenia, pois, em após um longo tempo exposto ao agente, as cadeias aromáticas acabam por causar danos e supressões na medula óssea, onde originam-se os leucócitos. Logo, o sangue fica vulnerável sem suas células básicas de defesa.
  • 15.  A Síndrome de Fadiga Crônica  também foi correlacionada com as pessoas que comem alimento "desnaturado“ – que sofre desnaturação de proteínas – que utilizou solventes para remover a gordura ou que contenham ácido benzoico, mas a causalidade não está provada.
  • 16. Síndrome do Óleo Tóxico  Foi um surto de uma doença ocorrido na Espanha, no ano de 1981, levando muitas pessoas à morte. Caracterizava-se por intensas mialgias e infiltrados pulmonares;  Teve como causa a ingestão de um óleo fraudulentamente comercializado como azeite de oliva, o óleo de colza.  Ele foi vendido por vendedores ambulantes como sendo azeite de oliva e, portanto, utilizado por quem o comprava, na alimentação;  20.000 pessoas ingeriram o óleo;  Cerca de 300 morreram após sua ingestão  Muitas outras desenvolveram doença crônica
  • 17. Intoxicação por Benzeno Dados: Não encontrados na internet Fonte: Livro Higiene Ocupacional, de Ezio Brevigliero.  Numa fábrica de colagem de peças plásticas por imersão em benzeno, 110 trabalhadores foram expostos ao elemento. A empresa tinha 150 colaboradores, e 106 deles apresentaram alterações compatíveis com a intoxicação pela substância após exames médicos - números estatísticos bem elevados.  Quatro mortes foram desencadeadas por tal exposição. O tempo médio de exposição desses quatro trabalhadores foi de apenas 4 meses, e o mais alarmante é que as vítimas não atuavam diretamente com a substância.  As vítimas fatais eram 3 auxiliares de serviços gerais e 1 ajudante de laboratório.
  • 18. Explosão da central petroquímica de Jilin Data: 13 de novembro de 2005; Local: Jilin – China.  Este acidente constituiu uma série de explosões que provocaram 5 mortos e mais de 10.000 refugiados. As explosões causaram uma nuvem tóxica e não só, também foi poluído o rio Songhua por uma extensão de mais 80km.  Esta contaminação impediu o abastecimento de água das aldeias próximas do local do acidente.  O produto mais poluente neste acidente foi o benzeno.  O benzeno tem como dose letal 500 mg/kg via oral.Mancha negra no rio Songhua
  • 19. Frentistas contaminados por Benzeno Data: 01 de outubro de 2015 Local: Santa Catarina – Brasil.
  • 20.  A intoxicação humana pelo benzeno pode ocorrer por três vias de absorção:  Respiratória (aspiração por vapores);  Cutânea;  Digestiva. - A via respiratória é a principal, do ponto de vista toxicológico, sendo retido 46% do benzeno inalado. Uma vez absorvido, quase imediatamente é eliminado em 50% pelos pulmões.
  • 21.  O benzeno que permanece no corpo, distribui-se por vários tecidos. Na intoxicação aguda, a maior parte é retida no sistema nervoso central, enquanto que na intoxicação crônica permanece na medula óssea (40%), no fígado (43%) e nos tecidos gordurosos (10%).  Após sua absorção, parte do benzeno distribuído pelo organismo é metabolizado pelo fígado e cerca de 30% é transformado em fenol e em derivados como pirocatecol, hidroquinona e hidroxiquinona, os quais são eliminados pela urina nas primeiras horas até 24 horas após cessada a exposição.
  • 22.  As atividades que manipulam ou tem exposição do benzeno são sujeitas a aposentadoria especial, segundo o Perfil Profissiográfico da Previdência(PPP) Código Agente nocivo Tempo de Exposição 1.0.3 Benzeno e seus compostos tóxicos: a) produção e processamento de benzeno; b) utilização de benzeno como matéria-prima em sínteses orgânicas e na produção de derivados; c) utilização de benzeno como insumo na extração de óleos vegetais e álcoois; d) utilização de produtos que contenham benzeno, como colas, tintas, vernizes, produtos gráficos e solventes; e) produção e utilização de clorobenzenos e derivados; f) fabricação e vulcanização de artefatos de borracha; g) fabricação e recauchutagem de pneumáticos. 25 ANOS
  • 23.  No Brasil, as principais fontes de produção do benzeno são atualmente os centros de produção petroquímica e refino de petróleo, os quais são responsáveis por aproximadamente 95% da produção nacional. Os outros 5% provém da destilação fracionada de óleos leves de alcatrão e BTX (benzeno, tolueno, xileno), obtido a partir da destilação seca do carvão mineral nas siderúrgicas.
  • 24.  O carvão mineral (hidrocarboneto) é um combustível fóssil(não renovável) que está presente em diversas regiões do planeta.  A partir do século XVIII, este passou a ser cada vez mais utilizado, substituindo a lenha, que era a mais utilizada até então.
  • 25. Benzeno e Carvão Mineral Carvão: fonte de substâncias aromáticas Principais fontes de hidro carbonetos aromáticos: •Hulha e Petróleo •Na destilação seca(a 1000ºC) a hulha fornece gases, vapores e um resíduo sólido cinzento, com brilho metálico e rico em carbono, denominado “coque”. •A condensação dos gases e vapores produz o ALCATRÃO e as águas amoniacais. Resta, sem se condensar, uma mistura de gases: Hidrogênio, Metano, Monóxido de Carbono e Dióxido de Carbono, entre outros.  A mistura gasosa obtida na destilação é utilizada como combustível doméstico e industrial. É conhecida também como “gás de rua”, pois era utilizada em lampiões a gás do início do século XX.  O ALCATRÃO é constituído por uma mistura de compostos aromáticos. Por destilação fracionada, obtêm-se diversas frações: benzeno, tolueno, xileno, fenóis, anilinas, cresóis, antraceno, fenantreno, etec., restando, ainda, um resíduo chamado “piche”.
  • 26.  1. O Anexo tem como objetivo regulamentar ações, atribuições e procedimentos de prevenção da exposição ocupacional ao benzeno, visando à proteção da saúde do trabalhador, visto tratar-se de um produto comprovadamente cancerígeno.  2. O presente Anexo se aplica a todas as empresas que produzem, transportam, armazenam, utilizam ou manipulam benzeno e suas misturas líquidas contendo 1% (um por cento) ou mais de volume e aquelas por elas contratadas(terceirizadas), no que couber.
  • 27.  2.1 O presente anexo NÃO se aplica às atividades de armazenamento, transporte, distribuição, venda e uso de combustíveis derivados de petróleo.  Ou seja, o anexo se aplica às organizações que manipulam benzeno, mas não às certas atividades fins da organização.
  • 28.  3.1 É proibido utilizar o benzeno para quaisquer emprego, exceto nas INDÚSTRIAS e LABORATÓRIOS que:  O produzem;  Utilizem como base;  O empreguem em combustíveis derivados do petróleo;  O empreguem nos trabalhos de investigação feitos em laboratórios, quando não for possível sua substituição.
  • 29.  4. As empresas que manipulam o benzeno têm que cadastrar seus estabelecimentos no DSST apresentando:  Identificação da empresa, CNPJ, ramo e CNAE;  Nº de trabalhadores por estabelecimento;  Nome das empresas que fornecem o benzeno(se for o caso);  Utilização a que se destina o benzeno;  Quantidade média de processamento mensal;  Documento base do PPEOB.
  • 30.  4.1.1 SOMENTE SERÃO CADASTRADAS AS INSTALAÇÕES APTAS A OPERAR.  O PPEOB – Programa de Proteção a Exposição ao Benzeno – do laboratório ou instituições deve ser mantido a disposição da fiscalização(Sindicato da categoria, MTE, MP).  As alterações de instalações que influenciem no uso do benzeno devem ser informadas ao DSST, para que se atualize os dados.
  • 31.  O PPEOB foi legalmente ratificado com a Portaria nº 25/94  Deve representar o mais elevado grau de compromisso de sua diretoria com os princípios e diretrizes da prevenção da exposição dos trabalhadores ao benzeno devendo:  Ser formalizado pela administração;  Ter indicação de um responsável que responderá pelo mesmo junto aos Órgãos Públicos e demais mecanismos de regulação junto com os trabalhadores;
  • 32.  Dentro do PPEOB deve ter:  O caráter das instalações ou misturas que contenham concentração > 1%;  Avaliação das concentrações;  Ações de vigilância à saúde dos trabalhadores próprios e terceirizados;  Descrição dos acordos coletivos(tripartite) referentes ao benzeno;  Procedimento para seu arquivamento por 40 anos;  Adequação da Proteção Respiratória;  Definição das operações de manutenção;
  • 33.  Levantamento de todas as situações onde possam ocorrer concentrações elevadas de benzeno, com dados qualitativos e quantitativos;  Procedimentos para proteção coletiva e individual dos trabalhadores, do risco exposto nas situações críticas através de medidas como:  Organização do trabalho, sinalização, isolamento de área, treinamento, ventilação apropriada, proteção respiratória e contra contato com a pele  Descrição dos processos usuais nas operações de: drenagem, lavagem, purga de equip., operação manual de válvulas, transferências, limpezas, controle de vazamentos, partidas e paradas de unidades que requeiram procedimentos pesados no controle de vapores e prevenção de contato diretos ao trabalhador;  Descrição dos recursos básicos para controle da situação emergencial, até que tudo se normalize;  Cronograma detalhado das mudanças das mudanças que podem ser realizadas na empresa para prevenção ao agente e a adequação ao VRT;  Exigências contratuais;
  • 34.  Procedimentos específicos para proteção ao trabalho do menor de 18 anos e à mulheres grávidas ou em período de amamentação. O Valor de Referência Tecnológico do Benzeno deve ser considerado no programa de melhoria contínua dos ambientes de trabalho. Para execução deste anexo, é definida uma categoria de VRT que corresponde à concentração média no ar ponderada para uma jornada de 8 horas, obtida na zona de respiração do trabalhador ou de GHE. Os valores são: •1,0 ppm para as abrangidas neste anexo; •2,5 ppm para as empresas siderúrgicas; O prazo de adequação das empresas ao VRT-MPT tem que ser acordado na comissão tripartite.
  • 35.  9.1. A organização, constituição, atribuições e treinamentos devem ser acordadas entre a representação do empregador e do trabalhador;  10. Os trabalhadores e terceirizados devem participar dos treinamentos a respeito do benzeno;  11. Áreas, recipientes, equipamentos e pontos com risco de exposição ao agente devem ser sinalizados com os dizeres: “PERIGO: PRESENÇA DE BENZENO” e seu acesso é só para autorizados;  12. Informações sobre riscos do benzeno à saúde devem ser permanentes, colocando uma Ficha de Informações de Seg. sobre Benzeno à disposição do empregado;  13. É responsabilidade do fabricante e fornecedor do benzeno rotular o produto com informações básicas, destacando carcinogenicidade e bula;
  • 36.  O benzeno foi incluido no anexo 13-A da NR 15, item "SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS".  O benzeno foi retirado do anexo 11 da NR 15 onde constava com Limite de Tolerância de 8 ppm ou 24 mg/m3, com absorção também pela pele e insalubridade Grau Máximo. O Anexo 13, da NR 15, relaciona as atividades e operações, envolvendo agentes químicos, consideradas insalubres em decorrência de avaliação ocupacional. Tendo em vista que existem atividades para as quais se admite o uso de benzeno, incluída a sua fabricação, e que não foi exigida hermetização do processo.  Deve-se considerar, para essas atividades, citadas no item 3, alínea "c" , do anexo 13-A da NR 15, que há insalubridade de Grau Máximo.  Sendo assim, o trabalhador que atue exposto a combustíveis e derivados têm o direito a adicional de 40%(insalubridade máxima)
  • 37.  Em caso de contato com a pele, lavar com água e sabão:  Instalar chuveiro e lava-olho nos locais de risco de contato.  Em caso de contato com os olhos, lavar por 15 minutos. Procurar socorro médico em seguida. Em caso de ingestão recente pode ser indicada lavagem gástrica, caso não se consiga induzir o vômito. Prevenir aspiração pelos pulmões. Uso de anticonvulsivantes benzodiazepinicos (diazepam) em caso de convulsões.
  • 38.  A Anexo 13-A da NR-15 já sofreu diversas revogações e implementações por parte do legislativo ao longo dos anos, basta lê-lo.  A ampliação mais recente sobre o benzeno foi feita em 2016, para a atividade dos trabalhadores dos postos de combustíveis  A atividade de abastecimento de veículos nos postos, recentemente, passou por modificações legais para que o frentista não sofra com as ações na exposição ao benzeno  As mudanças foram feitas com a Portaria 1109 de setembro de 2016, que inclui a NR-9 e seu Anexo II sobre exposição ocupacional ao benzeno em postos revendedores de combustíveis.  O anexo tem 14 itens que discorrem sobre as medidas de segurança que devem ser implementadas nos postos.  Seu prazo de implementação nos 39 mil postos do Brasil é de 6 à 15 anos.  Fonte: https://www.brasilpostos.com.br/noticias/saude-e- seguranca-do-colaborador/ministerio-do-trabalho-aumenta-a- prevencao-de-riscos-ocupacional-nos-postos/
  • 39.  Uniformes devem ser Lavados e Separados(ao menos uma vez na semana)  Proteção Respiratória de Face Inteira  Luvas para os frentistas;  Abastecimento só até o automático;  Protetor de respingo na pistola;  Controle médico de saúde(realizando hemograma a cada 6 meses)  Capacitação dos colaboradores, fornecedores e terceirizados;  Pistola automática para todas as bombas
  • 40.  http://anossavolta.blogs.sapo.pt/5145.html  http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/10/exposicao- a-benzeno-contamina-frentistas-gauchos-aponta-pesquisa- 4859890.html  http://ambinternatomedtrabtub.blogspot.com.br/2011/09/intoxi cacao-por-benzeno.html  https://www.linkedin.com/pulse/riscos-qu%C3%ADmicos- jhonas-santana  https://pt.wikipedia.org/wiki/Benzeno  http://www.infoescola.com/doencas/sindrome-do-oleo-toxico/  http://www.sato.adm.br/guiadp/paginas/paral_perfil_ativ_suj_ ap_escpecial.htm  http://www.capecanaveral4045.com/benzeno.html  http://quimaniadodiaadia.blogspot.com.br/2013/10/o-carvao- mineral.html
  • 41.  Grupo/Empenho:  Jhonas Santana de Queiroz;  Eduarda de Barros;  Lucas Ramos;  Disciplina: Higiene Ocupacional II  Docente: Ricardo Luis  Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Pernambuco