O período democrático ou populista

491 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre o período democrático ou populista (1945-1964) da História do Brasil.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
491
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O período democrático ou populista

  1. 1. (1945-1964) O PERÍODO DEMOCRÁTICO OU POPULISTA POPULISMO: doutrina e prática política, de esquerda ou de direita, que prega a defesa dos interesses das camadas não privilegiadas da população, mas que frequentemente se limita a ações de cunho paternalista, angariando dessa forma o apoio popular. Frequentemente o povo aglutina-se em torno da figura de um líder carismático. (Dicionário Houaiss)
  2. 2. O FIM DO ESTADO NOVO Participação do Brasil na 2ª Guerra Mundial: apesar do governo de Vargas ter certa simpatia pela ideologia nazista e manter relações comerciais com a Alemanha, o Brasil entra na guerra ao lado dos Aliados. Contradição: Getúlio Vargas posicionou-se externamente ao lado das democracias, ao mesmo tempo em que mantinha um governo não- democrático no Brasil. Pressões populares e da oposição pediam pelo restabelecimento da democracia no Brasil.
  3. 3. O FIM DO ESTADO NOVO Reorganização da vida partidária:  União Democrática Nacional (UDN): oposição liberal a Getúlio Vargas.  Partido Social Democrático (PSD): criado por Vargas e formado pela elite econômica.  Partido Trabalhista Brasileiro (PTB): criado por Vargas com o apoio dos trabalhadores.  Partido Comunista Brasileiro (PCB): reorganizado em 1943. Queremismo: movimento que queria a continuidade de Vargas na presidência. Com boatos de um novo golpe de Vargas, as forças armadas obrigaram o presidente a renunciar. Eleições foram realizadas no final do ano de 1945.
  4. 4. O GOVERNO DUTRA (1946-1951) Criação de uma nova Constituição em 1946: mistura de princípios liberais com outros de caráter centralizador. O PCB foi colocado na ilegalidade em 1947 por ser considerado “antidemocrático”. Desarticulação do movimento operário. Rompimento de relações com a União Soviética e alinhamento aos Estados Unidos na Guerra Fria.
  5. 5. O GOVERNO DUTRA (1946-1951) Política liberal: reintegração do Brasil ao livre comércio internacional. Grande aumento no volume de importações, diminuindo as reservas econômicas e mergulhando o país em uma grande crise. Plano SALTE: plano de recuperação econômica baseado em investimentos do governo nas áreas: saúde, alimentação, transporte e energia.
  6. 6. Charge – Governo Dutra
  7. 7. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954) Reordenação de uma política de caráter trabalhista e nacionalista. Projeto de industrialização acelerada e desenvolvimento do país baseado no nacionalismo. Plano Lafer: investimentos na criação de novas fontes de energia, na ampliação da indústria de base, em transportes, e em técnicas de agricultura, com base no capital nacional. Criação da Eletrobrás e da Petrobrás (monopólio da perfuração e da maior parte das refinarias de petróleo do país).
  8. 8. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954) Apoio político estratégico aos Estados Unidos buscando auxílio para o desenvolvimento econômico, ao mesmo tempo em que mantinha relações com outros países. Campanha popular “O petróleo é nosso” (1952-53): caráter nacionalista e anti-imperialista que desagradou o governo americano. Crise econômica: inflação, falta de investimentos externos no setor industrial e declínio nos preços do café. Greve dos 300 mil: organizada pelo PCB, reivindicava aumento salarial e controle inflacionário.
  9. 9. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954) Vargas passou a reprimir os protestos, e a classe média passou a temer por um novo golpe. Forte oposição, grave crise econômica e política: pressões para renunciar e tentativas de impeachment. Crime da Rua Toneleros: o chefe da guarda pessoal de Vargas encomendou o assassinato do jornalista e oposicionistas de Vargas, Carlos Lacerda. Lacerda tomou um tiro no pé, e a suspeita pela tentativa de assassinato recaiu sobre Vargas. Em meio à crise, Getúlio Vargas suicidou-se em 1954.
  10. 10. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954)
  11. 11. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954)
  12. 12. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954)
  13. 13. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954)
  14. 14. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954)
  15. 15. E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História." (Rio de Janeiro, 23/08/54 - Getúlio Vargas) Trecho da Carta Testamento do Presidente Getúlio Vargas.
  16. 16. O SEGUNDO GOVERNO VARGAS (1951-1954)
  17. 17. O GOVERNO CAFÉ FILHO (1954-1955)
  18. 18. O GOVERNO CAFÉ FILHO (1954-1955) Implantação do liberalismo econômico exacerbado, abrindo portas ao capital estrangeiro. Ficou no poder por pouco mais de um ano, e foi substituído pelo presidente da Câmara dos Deputados (Carlos Luz) e depois pelo presidente do Senado (Nereu Ramos). Instrução 113 da SUMOC (Superintendência da Moeda e do Crédito): garantia a importação de máquinas e equipamentos no exterior, sem impostos, desde que os empresários estrangeiros tivessem sócio nacional.
  19. 19. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  20. 20. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961) Tentativa de um golpe militar após a sua eleição, por ser considerado da linha getulista. Política de Boa Vizinhança: através de sua habilidade política, JK conseguiu neutralizar as oposições mais duras e fez um mandato com bastante tranquilidade. Surgimento das Ligas Camponesas: defesa dos interesses do homem do campo e luta por um projeto de reforma agrária. Internacionalização do mercado interno com investimentos nas indústrias de bens de consumo duráveis (automobilística, caminhões e eletrodomésticos). Contratação de altos empréstimos públicos externos.
  21. 21. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961) Utilização da Instrução 113 da SUMOC: entrada de investimentos estrangeiros no país. Plano de Metas - “50 anos em 5”: promover o desenvolvimento e modernização do país, com o foco em energia, transporte, indústria pesada e alimentação, a partir de capital estrangeiro. Construção da nova capital do país (Brasília), marcando a ocupação sistemática da região Centro-Oeste. Consequências do governo de JK: desnacionalização da economia brasileira, crescimento significativo da dívida externa e aumento da dependência da tecnologia estrangeira. A modernização do Brasil não resolveu os problemas de concentração de renda e desigualdade social no Brasil.
  22. 22. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  23. 23. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  24. 24. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  25. 25. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  26. 26. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  27. 27. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  28. 28. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  29. 29. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  30. 30. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  31. 31. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  32. 32. O GOVERNO JUSCELINO KUBITSCHECK (1956-1961)
  33. 33. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  34. 34. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961) Político personalista, carismático e moralista. Política de contenção dos gastos públicos e de combate à inflação. Tinha como símbolo de seu governo a vassoura, para varrer a corrupção do governo. Adotou uma política externa independente, aproximando- se dos países de Terceiro Mundo e também com a URSS e Cuba. Preocupação com problemas menores, proibições de: brigas de galo, corridas de cavalo em dias úteis, maiôs indecentes nos concursos de misses, uso de minissaias nas repartições públicas etc.
  35. 35. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961) Renunciou com 7 meses de governo sem razões convincentes. Acreditava-se que Jânio queria comover o povo, que pediria o seu retorno, dando-lhe poder para impor um governo autoritário.
  36. 36. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  37. 37. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  38. 38. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  39. 39. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  40. 40. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  41. 41. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  42. 42. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  43. 43. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  44. 44. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  45. 45. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  46. 46. O GOVERNO JÂNIO QUADROS (1961)
  47. 47. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  48. 48. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964) Após a renuncia de Jânio, o governo deveria ser entregue ao seu vice João Goulart, entretanto, alguns setores militares da sociedade não aceitavam a sua posse, por ser herdeiro da política trabalhista de Vargas. Solução parlamentarista: João Goulart assumiu o governo, mas com os poderes limitados. Para governar junto a ele, Tancredo Neves foi designado Primeiro- Ministro. Política externa independente: reatamento de relações com a URSS, e adoção de posição contrária à expulsão de Cuba da OEA.
  49. 49. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964) Cancelamento das autorizações de funcionamento da empresa de mineração americana Hanna Corporation em Minas Gerais. Reformas de Base: Jango iniciou um projeto de reformas educacional, agrária e administrativa. Após votação de plebiscito em 1963 a população escolheu o retorno ao presidencialismo. Plano Trienal: com o objetivo de reduzir a inflação e manter o crescimento econômico. Setores conservadores da sociedade combatiam as reformas de base.
  50. 50. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964) No campo as lutas das Ligas Camponesas pela reforma agrária se radicalizavam. As medidas defendidas por Jango eram barradas pelo Congresso, e os movimentos de esquerda passaram a comandar manifestações, greves e invasões de terras. Marcha da Família com Deus pela Liberdade: 500 mil pessoas manifestaram-se contra a possibilidade de uma revolução socialista no Brasil. Em 1º de Abril de 1964, militares apoiados pela classe média e conservadores, por meio de um golpe tomaram o poder.
  51. 51. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  52. 52. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  53. 53. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  54. 54. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  55. 55. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  56. 56. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  57. 57. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  58. 58. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)
  59. 59. O GOVERNO JOÃO GOULART (1961-1964)

×