Brasil - Confed Cup 2013

394 visualizações

Publicada em

Análise feita ao vencedor da Confed Cup (2013). Os comandados de Scolari ao som do "samba" e Neymar com a batuta.

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil - Confed Cup 2013

  1. 1. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  2. 2. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil ANÁLISE INDIVIDUAL: Jefferson -> É um seguro, joga no Botafogo do Brasil, ainda não somou qualquer minuto na competição. Júlio César -> Não é muito forte no jogo de pés, mas é seguro quando sai dos postes e dentro deles. Diego Cavalieri -> Foi durante 2 anos e meio guarda-redes dos quadros do Liverpool mas nunca se adaptou, é alto (1,89 m) e é seguro, não somou qualquer minuto na competição. Thiago Silva -> É rápido, alto, forte fisicamente e muito bom no jogo de pés. Dificilmente perde um lance divido nas alturas. David Luiz -> É, por ventura, o central mais evoluído com a bola nos pés mas é muito infantil, cometendo erros inacreditáveis, que podem ser explorados. Dante -> É forte fisicamente porque o campeonato onde joga assim o exige, é fraco na construção de jogo e facilmente batido com bola nas costas. Réver -> É um central alto (1,91 m), tem experiencia e é forte no jogo aéreo, é no entanto, melhor que o Dante com bola nos pés. Daniel Alves -> É rápido, tem força, tem técnica, tem qualidade. É agressivo e aguerrido, não para, dá muita profundidade e tem cruzamentos verdadeiramente venenosos. Marcelo -> Tecnicamente é dos jogadores mais evoluídos do mundo, contudo, comete alguns erros defensivamente, muito por culpa da sua qualidade técnica comete erros infantis que podem e devem ser explorados. Filipe Luis -> É rápido, muito combativo mas está muito longe do nível do Marcelo. Falta-lhe consistência apesar de dar profundidade ao jogo. Fernando -> Custou 11 milhões ao Shaktar, tem bom remate e é forte fisicamente. Jean -> Pode ser lateral direito, joga no Fluminense, é um médio de características mais defensivas, também não somou qualquer minuto na competição. Luiz Gustavo -> Tem sido utilizado como unidade mais defensiva do meio-campo, é bom de bola, é combativo mas não é muito forte fisicamente, contudo, tem sido importante na compensação defensiva dos laterais. Paulinho -> Muito bom com bola, sabe circular, sabe pautar o jogo e é influente nesta equipa, com um pouco de criatividade e era um médio soberbo. Lucas -> É explosivo, rapidíssimo, ganha facilmente metros, tem muita qualidade técnica e muita força. Hernanes -> É um médio-ofensivo mas Scolari tem utilizado o médio no duplo pivô dando-lhe assim maior criatividade, melhor toque de bola (contra o México, usou-o para desenhar um puro 4x3x3). Neymar -> É a figura da equipa, tem feito um torneio excepcional, tem técnica, tem irreverência, tem velocidade e tem, acima de tudo, determinação de provar ao país que é a nova figura e o verdadeiro dono da “10”. Oscar ->É mágico, franzino mas de grande toque de bola, tem sido fundamental na necessidade de ter bola, ela sabe-a ter e como a ter. Hulk -> Tem sido algo prejudicado pelas distribuições que Scolari faz no trio que joga nas costas do avançado centro. É explosivo, tem velocidade, tem drible, tem golo e tem potência quer seja no arranque quer seja no remate. Bernard -> É talento puro, irreverência, velocidade e técnica, muita técnica…no passe, no drible. Jadson -> É talentoso, mais experiente que Bernard ou Oscar, contudo muito menos irreverente neste momento e muito menos virtuoso. Fred -> Não é um avançado que seja um prodígio da técnica, usa mais o corpo para ganhar lances, não tem muito tempo a bola nos seus pés. Jô -> Veio substituir Damião, tem mais velocidade, mais explosão e mais técnica que o Fred, daí ter aproveitado sempre o facto de chegar ao jogo com os adversários quebrados psicológica e fisicamente (golo ao Japão). Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  3. 3. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil COMO JOGAM – NO GERAL: Apresentam-se em 4x2x3x1, com Júlio César na baliza, Daniel Alves e Marcelo nas faixas, Thiago e David Luiz são os centrais. Os pivots são o Paulinho e o Luiz Gustavo, os 3 homens que jogam nas costas do Fred (avançado centro), são o Hulk, o Oscar e o Neymar. Não tem um modelo de jogo definido e quase que vivem em conjunto dois modelos de jogo: um modelo de posse e outro de transição rápida. Uma equipa que tem indícios de posse mas que fruto da capacidade de explosão, particularmente de Hulk e Neymar, acaba por jogar também em transições. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  4. 4. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil ORGANIZAÇÃO OFENSIVA (ATAQUE): Procuram sair apoiado, pelos centrais ou pelo Luiz Gustavo na 1º zona de construção, com apoio de Paulinho que procura sempre dar linhas de passe aos seus colegas para circular a bola. Daniel Alves e Marcelo dão grande largura, não estando “colados” nas linhas laterais, são eles que assumem movimentos mais verticais, dando a profundidade e largura ao ataque, com alas como Neymar ou Hulk que procuram zonas interiores. Oscar vai fazendo diagonais invertidas (dentro->fora) para permitir que os alas tenham espaço interior, Fred procura sempre dar linhas de passe, normalmente não dá muitos toques na bola, soltando-a rapidamente. O médioofensivo, por norma Oscar, vai também procurar jogo quando o Fred fica mais posicional. O jogo do Brasil ganha mais objectividade e criatividade quando a bola chega ao trio que antecede Fred na organização estrutural da equipa, saindo assim em transição rápida tirando partido assim, da explosão e velocidade de Hulk e Neymar. Se procurarem jogo directo, vão tomar o Fred como referência que vai procurar jogar de primeira. Quando Alves ou Marcelo procuram cruzamentos para a área, com os alas e Oscar a entrarem na área, o Fred ataca o primeiro poste, por norma, dando o segundo poste ao extremo contrário (exemplo do golo de Neymar). Hulk e Óscar nas faixas transformam o Brasil uma equipa mais vertical, por norma, quando Neymar passa para o corredor central, Oscar abre na direita e Hulk passa para a esquerda, o que demonstra a muita mobilidade que esta equipa tem neste trio. Contudo, desta forma o Brasil cai mais em tentação de sair em transição rápida porque Neymar puxa mais pela solução individual. Scolari pediu ainda que a equipa, em vantagem, para gerir jogo, mudasse o seu sistema de jogo largando o 4x2x3x1 e passando a utilizar um 4x3x3 para baixar e circular a bola na gestão da vantagem (com Luiz Gustavo como médio defensivo). Ainda referir que Óscar é mais influente quando joga no corredor central porque é muito forte na condução e permite circular. Enquanto Hulk é mais forte sobre a direita, usando as diagonais e os seus remates potentes que tantas redes balançaram no nosso campeonato enquanto que Neymar na esquerda tem mais espaço mas como “10” também desequilibra, quando o faz, obriga a equipa a afunilar o seu jogo pelo corredor central. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  5. 5. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA (DEFESA): Estruturalmente em 4x1x3x2, com uma pressão alta, uma equipa subida com um dos pivots defensivos a subir para formar a linha de 3 que está nas costas de Fred que é auxiliado na pressão pelo jogador que estiver, no momento, na posição “10”. São muito agressivos, principalmente Hulk, Neymar, Oscar e os laterais, Fred é menos agressivo, procuram também incansavelmente a posse da bola. Equipa que se vai balanceando para o lado do portador da bola, abrindo espaço no corredor oposto que podem ser aproveitados com o posicionamento algum jogador daquele lado (fazer campo grande). Daniel Alves e Marcelo muitas vezes são da sua posição para atacarem o adversário quando ele já vai a “fugir” para terrenos interiores, aqui é importante a movimentação do Luis Gustavo (ou Paulinho, depende do momento do jogo, quem estiver mais atrás e se o adversário não for ao seu encontro ou para a sua zona) ou do próprio ala desse lado que vai fechar o corredor. O David Luiz é muito infantil e comete alguns erros que podem ser aproveitados, nomeadamente quando a bola é bombeada para a área, contudo, mais jogadores o fazem, facilitando demais na hora de aliviar a bola da zona defensiva (atenção para o lance do Marcelo ainda na primeira parte). A equipa baixa muito quando o adversário está nas imediações da área, com os alas e os laterais quase em zonas semelhantes á dos centrais. Nota para a dificuldade de acompanhamento dos extremos, particularmente Neymar, na parte final do jogo, já algo desgastado, do outro lado o Lucas tinha acabado de entrar, o que causou muitas dificuldades ao Marcelo que também muito desgasto e com um opositor mais vertical, mais rápido se viu em dificuldades tendo ele conseguido tirar alguns bons cruzamentos na linha de fundo. Quando a bola é cruzada o lateral está muito próximo do segundo poste e se atacarmos as costas do David Luiz na antecipação ao Júlio César pode ser perigoso, algo que o México ainda conseguiu fazer na parte final mas com pouca eficácia porque os cruzamentos saíram com muita força. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  6. 6. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil TRANSIÇÕES TRANSIÇÃO OFENSIVA (DEFESA -> ATAQUE) Tem duas formas de sair a jogar, é neste momento que se define a forma como o Brasil vai construir o seu jogo: → Jogo apoiado -> Quando a bola entra num dos homens do pivot ou em Oscar que vai procurar sair a jogar em posse, trocando a bola e a esperar que haja uma subida da equipa. → Transição rápida -> Quando a bola entra em Hulk ou Neymar que vão forçar a transição rápida, utilizando as suas características, a força, a velocidade, a explosão e a técnica para provocar desequilíbrios no adversário. TRANSIÇÃO DEFENSIVA (ATAQUE -> DEFESA) Nenhum dos homens que pressiona alto é muito agressivo neste momento do jogo, normalmente, Neymar quando joga na posição “10” já é mais combativo, mais agressivo, próprio das características dele. Paulinho é o mais influente neste momento, a equipa demora muito a baixar portanto exige que o médio seja agressivo e que impeça ao máximo uma transição eficaz do adversário. Se o adversário não for muito rápido a defender, a equipa demora a baixar. Se o adversário for rápido, eles baixam rapidamente mas sem serem muito agressivos, excepto os laterais e claro, o Paulinho. Nota para a recuperação de bola no Fred é ideal para a construção porque ele não é agressivo. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  7. 7. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil REPOSIÇÕES DA BOLA EM JOGO PONTAPÉ-DE-SAÍDA A FAVOR: Fred e o homem que estiver a jogar na posição de médio-ofensivo são quem (re)inicia a partida. Os alas estão pertos do circulo central e o Paulinho também mas no corredor central. Sendo ele o responsável por começar a organizar o jogo. Porém a bola pode não ser dirigida para ele, por norma para Daniel Alves ou Marcelo, que tratam de lhe dar a bola com o médio a fazer um movimento de aproximação, saem a jogar curto. PONTAPÉ-DE-SAÍDA CONTRA: Equipa sobe em bloco e cai toda sobre o lado para onde está o portador da bola para se “instalar” no modo de defender. Normalmente, o “10” está ao lado do Paulinho no circulo central, dado espaço nas faixas para os alas e para o Fred que está num lado. PONTAPÉ-DE-BALIZA A FAVOR: Batido de forma longa com a seguinte disposição: Thiago e David Luiz numa primeira linha, Dani Alves e Marcelo numa segunda linha. Seguido de Luiz Gustavo e mais a frente, pouco, Paulinho, depois Hulk, Oscar e Neymar numa quarta linha e Fred mais a frente que vem atrás buscar a bola para dar, de primeira, num dos alas. Não alargam muito a sua zona de acção, muito centrais no terreno. PONTAPÉ-DE-BALIZA CONTRA: Batido de forma curta, sobem o Fred e o médio-ofensivo, quando é batido longo a equipa distribui-se de forma idêntica ao modo de atacar. Thiago ou David, por norma, saem das posições, vindos de trás, para “limpar” o lance impondo o físico e a altura. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  8. 8. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil BOLAS PARADAS CANTOS OFENSIVOS: Os cobradores são Hulk sobre a direita e Neymar sobre a esquerda. Luiz Gustavo ao primeiro poste, Fred na pequena área, Hulk na meia-lua, Paulinho na frente do Thiago e como último homem David Luiz. Daniel Alves e Marcelo mais atrás e Óscar surge perto do local da marcação para canto curto. A bola é bombeada na área, mas, por norma é lançada para um dos centrais, uma vez que o Fred parece algo fora do lance, tendo em conta o habitual das bolas paradas. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  9. 9. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil CANTOS DEFENSIVOS: Marcação mista, com Daniel Alves e Fred ao primeiro poste, com Óscar fora da área “supervisionando” a uma possível tentativa de remate fora-da-área. A marcação ao homem engloba todos os outros jogadores e só ficam os 3 de fora devido ao número de jogadores adversários na área. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  10. 10. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil LIVRES LATERAIS OFENSIVOS: Neymar ou Hulk se for sobre a esquerda e Hulk ou Daniel Alves se for sobre o lado direito. Luis Gustavo ao primeiro poste, Paulinho e Fred na zona de penalty mas próximos da grande área. Thiago e David Luiz ao segundo poste. Thiago recua ainda mais para ficar sozinho e ter liberdade enquanto que o David Luiz sobe para zona de penalty. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  11. 11. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil LIVRES LATERAIS DEFENSIVOS: Marcação mista fruto da quantidade de adversários na área, se estiver em número igual procuram homem-a-homem. Hulk e/ou Oscar na barreira. São muito agressivos, procuram choque e baixam rapidamente mal o cobrador do lance execute. Neymar também não assume uma marcação fixa e o Oscar quando não está na barreira também não o faz. Procuram colocar os centrais com os jogadores mais altos. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada
  12. 12. Realizado por: Futebol-Relatórios e Tácticas Relatório de observação do Brasil LIVRES DIRECTOS OFENSIVOS: Cobradores: David Luiz mais em força, mais longe, descaído para a esquerda; Neymar numa zona central, mais colocado; Hulk também mais em força, mas também pode rematar colocado, explora mais os livres sobre a direita. Jogo observado: Brasil 2x0 México – Taça das Confederações 2013 – Fase de grupos 2º jornada

×