Análise Alemanha - Jogo: Alemanha 6 vs 1 Arménia

730 visualizações

Publicada em

Análise ao 1º adversário de Portugal no Mundial 2014. Tudo sobre os de Joachim Low, a Mannschaft com grande influência catalã na sua forma de jogar.
Como jogam, onde são mais fortes, o que Portugal pode explorar.

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
730
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise Alemanha - Jogo: Alemanha 6 vs 1 Arménia

  1. 1. Deutscher Fussball-Bund Análise de Jogo - Alemanha
  2. 2. Plantel by zerozero
  3. 3. Jogo Alemanha 6 vs 1 Arménia Estádio/Data Coface Arena / 6 Junho 2014 19:45 Fase Preparação para o Mundial – Particular Res. Intervalo Alemanha 0 vs 0 Arménia
  4. 4. COMO JOGAM? • Organização ofensiva • Transições – Transição ofensiva – Transição defensiva • Organização defensiva • Bolas paradas ofensivas – Cantos – Livres Directos • Bolas paradas defensivas – Cantos – Livres Laterais
  5. 5. Organização Ofensiva
  6. 6. Organização Ofensiva • Equipa organizada em 4x3x3 tradicional (miolo em 1+2 – Lahm como médio-defensivo) ou em 4x2x3x1 (duplo-pivô com Ozil como “10”). Tem uma grande qualidade no toque curto. Rápidos, mexidos e agressivos com bola e na procura do espaço. Optam por uma saída curta com a equipa a “abrir” toda (campo grande – pelos laterais!). Saem pelos centrais, Hummels é mais forte (qualidade de passe curto, médio e longo), Lahm (sozinho) baixa para pegar no jogo se estiver com o duplo-pivô vão baixando os dois, mas mais principalmente Kroos. Em 2ª fase, quer Khedira quer Kroos aproximam-se do portador da bola se a equipa sair em construção pelo seu lado (ou transporte por um dos dois segundo sistema táctico), enquanto que o MC/MI do lado contrário vai progredindo (sem bola). Fazem muita circulação nestas duas primeiras fases de construção – Lahm + Kroos + Hummels + Mertesacker, principalmente. Em 3ª fase, os extremos procuram o espaço interior dando mais uma linha de passe. Neste momento pode dar-se uma aceleração com um passe mais vertical ou então muita movimentação (sem bola) pelos intervenientes (Lahm e Kroos são os médios que fazem a equipa girar, circular. Khedira + Reus + Muller + Schurrle dão enorme amplitude de movimentos com vários desenhos possíveis. Khedira é mais perigoso quando explora espaço entre central+lateral – com e sem bola. Os laterais não dão muita profundidade (dando largura não são de vocação ofensiva – só Podolski quando está em campo compensa a falta de aptidão ofensiva do Howedes) e eles são obrigados a explorar mais o espaço interior. Não destoar uma condução dos extremos e passe nas costas. Atenção: (Ozil+Gotze) + Khedira + Kroos + Muller exploram bem o espaço entre-linhas enquanto Reus+Schurrle+Lahm (+Podolski) gostam de explorar mais a verticalidade do seu jogo, a sua velocidade, a sua explosão. Em 4ª fase criam muito perigo quando conseguem fazer triangulações e aproveitar o espaço interior/entre linhas. As meias distâncias são muito pouco utilizadas em organização ofensiva são mais decorrentes de lances em que existe uma recuperação alta da posse da bola por Reus, Schurrle ou Kroos. Alertar para os cruzamentos para o coração da área – jogada típica, jogador ganha espaço dentro da área, conduz até linha final, cruza atrasado (este tipo de movimento é muito bem executado por: Podolski, Khedira e Lahm) e surge alguém sozinho – arrastam marcação e vem de trás alguém para o coração da área sozinho (formar duas linhas), normalmente Schurrle ou um dos médios consegue faze-lo com qualidade. • ATENÇÃO: aos passes a rasgar para as costas da defesa (Reus, Schurrle e Muller muito móveis e gostam de explorar isto); Evitar marcações individuais e procurar estar sempre perto do portador da bola bem como controlar espaço nas costas (compensações + dobras); Travar jogo interior – obrigar a jogar para os laterais; Mudanças de velocidade de Ozil, Kroos e Muller muitas vezes com um simples passe.
  7. 7. Transições • Transição ofensiva (após recuperação da posse da bola): – Quando recuperam dentro do seu meio-campo ofensivo procuram explodir com 3 foguetes em direcção à baliza (Reus, Schurrle e Muller). É neste momento que mais tem capacidade para explorar uma meia-distância (agora sem Reus, mais por Toni Kroos). Fazem condução correcta (para corredor central – Ozil muito perigoso) e soltam no momento certo. Quando recuperam atrás podem lançar na frente se o adversário estiver desposicionado ou procuram sair mais curto, mais perto da sua organização. • Transição defensiva (após a perda da posse da bola): – Tem uma reacção à perda muito interessante. Agressivos e rápidos a reagir procuram fechar + procuram encurtar espaços. Duplo-pivot ou MI’s pressionam rápido. Procurar espaço exterior (pouca gente, fruto da maior ocupação espacial da zona interior). São muito fortes neste momento e recuperam muitas bolas principalmente quando perdem em zonas altas pela grande capacidade de mudança de “chip”.
  8. 8. Organização Defensiva
  9. 9. Organização Defensiva • Equipa organizada em 4x4x2 ou em 4x1x4x1 (mais quando joga sem Ozil). Não tem uma 1ª fase muito intensa, não são jogadores de grande capacidade de “pressing” (Muller e/ou Mesut Ozil). Jogam com o bloco subido e tentam ter as linhas próximas. Após este momento, são bastante intensos e agressivos com o encurtamento do espaço principalmente pelos médios. Kroos e Khedira (ou Schweinsteiger) são bastante pressionantes e são quase o tampão da equipa nesta fase do jogo. Em 2ª fase para além da postura dos médios-centro/médios-interiores serem pressionantes, os defesas sobem para evitar jogo entre-linhas (procurar esticar o jogo com mudança de flanco – bola em diagonal!). Os extremos também estão atentos na cobertura e os laterais “apertam” com os extremos adversários (procurar espaço nas costas – preferencialmente nas costas do Howedes!). Em 3ª fase (quando jogam com um 10) muitas vezes – em espaço exterior – o lateral sai formando duas linhas de 3 a par com os médios centro (extremos alemães não recuperam) – aconselhado é procurar tabelas para a frente e conseguir fazer progressão com bola pelo espaço interior – com Lahm em campo isto é dificil porque ele ocupa o espaço entre-linhas. Após a passagem pela linha média os defesas vão baixar e temos um pequeno espaço entre o central e o lateral - não estão em linha - (explorar Howedes, novamente!) e é para lá que temos que dirigir a bola. Forçar também muitas situações de 1x1 com os laterais porque eles não são muito sagazes nesse tipo de compenentes. Em 4ª fase continuam a procurar muito a protecção do espaço interior e as bolas bombeadas para a área não são pontos a explorar (nem a colocação das mesmas ao 2º poste – dois laterais muito altos), aconselhável procurar pelo chão, cruzar para uma possível 2ª linha – em velocidade – entre defesas e médios (que demoram a recuperar e mesmo com Lahm devemos colocar 2 jogadores um para iludir o médio-defensivo e outro para finalizar). Obrigar equipa a rodar – duros de rins e procurar situações de 1x1 com os laterais. • Temos que ser muito rápidos, priveligiar o jogo pelo chão e as variações curtas de flanco. Velocidade, inteligência e proximidade são pontos-chave para ultrapassar a grande capacidade de pressing dos alemães bem como ter capacidade de sair das “zonas pressing” com toque curto.
  10. 10. Bolas Paradas Ofensivas Cantos • Reus ou Kroos na cobrança. Colocam 5 jogadores na área. Muller surge, no canto direito, a atrapalhar o GR. De resto, da 1ª para a 2ª imagem a única alteração é a colocação de Khedira bem ao 2º poste enquanto Howedes não participa nesta bola parada (lado esquerdo). Dois jogadores na entrada da área Schurrle + Reus (Kroos). • Destaque para a importância de Boateng – muito agressivo e perigoso, para a altura de Mertesacker e para a ratice do Muller. As bolas ao 2º poste são de Khedira e/ou Howedes (mais dentro que o 1º). O canto é, normalmente, batido para o coração da área sem muita força. Hummels não sendo muito agressivo consegue impor-se no jogo aéreo. Quando jogar Klose, ele também é um perigo público (ocupa posicionamento do Muller.)
  11. 11. Bolas Paradas Ofensivas Livres Directos • Várias possibilidades para a cobrança. Do lado direito surgem Ozil e Podolski, do lado esquerdo, Kroos, Schweinsteiger, Reus e ainda o Klose. • Ozil e Kroos tentam mais vezes em jeito, colocado. Schweinsteiger, Reus, Klose e Podolski tentam mais vezes em força também. Todos, quase sempre, ao primeiro poste.
  12. 12. Bolas Paradas Defensivas Cantos • Fazem uma marcação zonal com 2 linhas (1 de quatro e outra de 3). Um jogador ao primeiro poste e outro ao seu lado (Boateng), ambos saem ao canto curto. • Dois jogadores na entrada da área. • Não se desorganizam quando o adversário tenta o canto curto e são imperiais no coração da área – Mertesacker (alto!). • Algumas dificuldades com a bola ao 2º poste, dão algum espaço.
  13. 13. Bolas Paradas Defensivas Livres Laterais • Fazem uma marcação individual dentro do possível. Colocam 1 homem na barreira e dependendo dos jogadores adversários que sobem para a área vão destacando os defesas. Os que não tem um jogador para marcar fazem uma marcação zonal nas costas da barreira e na zona da meia- lua. • São todos rápidos e agressivos a sair e na disputa da bola. • Estão todos, excepto o que está na meia-lua, dentro da área.
  14. 14. NOTAS EXTRA
  15. 15. Notas Extra (1) • Weidenfeller (22) procura aguentar o máximo até que o jogador adversário chegue perto da bola. Tenta adivinhar o lado da cobrança, lança-se antes do adversário chutar para tentar ocupar o máximo de espaço. Sai convicto. Bater com força e não temer o olhar. • Klose (11) está muito moralizado por ser o melhor marcador da história da Selecção Alemã e com a ambição de ultrapassar Ronaldo “Fenômeno” na lista dos melhores artilheiros de sempre de um Mundial. • Alguns jogadores como Hummels e Khedira tiveram lesões mais ou menos graves durante a época 13/14. Nem todos estão a 100%. • Marcadores: Podolski (10), Schurrle (9), Klose (11), Howedes (4) e Gotze (19) por duas vezes.
  16. 16. PONTOS FORTES E FRACOS
  17. 17. Pontos Fortes • Muito competentes nas transições; • Mudanças de velocidade em posse (Ozil, Muller e Kroos); • Muita movimentação, passe e critério em organização ofensiva (criação de triângulos e respectivas trocas de bola); • Capacidade de arrastar marcação e explorar espaço nas costas para surgimento de jogador só no coração da área (finalização após passe atrasado); • Entradas na área vindo de trás de Khedira e/ou Lahm ou dos alas (espaço entre central/lateral); • Grande capacidade de pressão dos MI’s/MC e capacidade física dos defesas (evitar jogo aéreo).
  18. 18. Pontos Fracos • Laterais pouco ofensivos + fraco jogo exterior; • Muito espaço entre linha média e defensiva (entre linhas não encurtam espaço rápido); • 1x1 defensivo dos laterais – explosão de Ronaldo, Nani, Vieirinha ou Varela – lentos e duros de rins (Boateng e Howedes) enquanto Durm é muito jovem e Grosskreutz cumprindo bem falta-lhe o “know how” da posição, faltas e erros infantis; • Equipa algo faltosa (explorar a marcação individual nas bolas paradas ofensivas [nossas] – Ronaldo, Pepe e Bruno Alves são rápidos, imperiais e muito agressivos!); • Espaço nas costas quer da 3ª para a 4ª fase de construção quer em 1ª (bola longa para as costas de Mertesacker ou para as costas de Howedes – afastar a bola do Hummels!).

×