O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Elbia Silva Gannoum

Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Elbia Silva Gannoum

Baixar para ler offline

A participação das fontes renováveis na matriz energética coloca o Brasil em destaque no mundo. Projeções firmes mostram que essas fontes responderão pela maior parte da expansão da capacidade instalada nos próximos cinco anos. É grande o potencial do setor energético para impulsionar o crescimento do país e ajudar na sua transição para uma economia com menor emissão de gases de efeito estufa.

Com painéis sobre as energias hidrelétrica, eólica, solar e de biomassa, este seminário reunirá autoridades, especialistas e formuladores de políticas para discutir os desafios e oportunidades para a ampliação da oferta de energias renováveis e suas consequências para o desenvolvimento do país.

PALESTRANTE
Elbia Silva Gannoum (Associação Brasileira de Energia Eólica - ABEEólica)

A participação das fontes renováveis na matriz energética coloca o Brasil em destaque no mundo. Projeções firmes mostram que essas fontes responderão pela maior parte da expansão da capacidade instalada nos próximos cinco anos. É grande o potencial do setor energético para impulsionar o crescimento do país e ajudar na sua transição para uma economia com menor emissão de gases de efeito estufa.

Com painéis sobre as energias hidrelétrica, eólica, solar e de biomassa, este seminário reunirá autoridades, especialistas e formuladores de políticas para discutir os desafios e oportunidades para a ampliação da oferta de energias renováveis e suas consequências para o desenvolvimento do país.

PALESTRANTE
Elbia Silva Gannoum (Associação Brasileira de Energia Eólica - ABEEólica)

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais de Fundação Fernando Henrique Cardoso

Livros relacionados

Gratuito durante 30 dias do Scribd

Ver tudo

Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Elbia Silva Gannoum

  1. 1. NOVEMBRO DE 2019 Desafios e Oportunidades para as Energias Renováveis no Brasil A INDÚSTRIA DE ENERGIA EÓLICA
  2. 2. MembrosdaABEEólica 2
  3. 3.  O C3E é uma iniciativa internacional do “Clean Energy Ministerial” e da “Agência Internacional de Energia”.  A premiação reconhece e homenageia mulheres profissionais que se destacam na indústria de energias limpas no mundo, pela excelência em áreas como liderança, política, defesa da fonte, avanço técnico, entre outros fatores, contribuindo para o avanço das mulheres no setor.  O Clean Energy Ministerial, do qual fazem parte 25 países e a Comissão Europeia, é um fórum global com objetivo de promover políticas e programas que façam avançar a tecnologia de energia limpa, compartilhando as lições aprendidas e as melhores práticas e incentivando a transição para uma economia global de energia limpa.  A entrega da premiação aconteceu durante o “CEM10/MI-4”, evento do Clean Energy Ministerial que reuniu ministros e diversas autoridades de mais de 25 países para discutir como acelerar o progresso em direção a um futuro de energia limpa.  Durante a entrega da premiação, também foi lançada a campanha “Equal by 30”, um compromisso público das organizações dos setores público e privado para trabalhar em direção à igualdade de remuneração, liderança igualitária e igualdade de oportunidades para as mulheres no setor de energia limpa até 2030. A Presidente da ABEEólica recebeu o prêmio em 29 de maio de 2019 C3E – Woman of Distinction Award
  4. 4. CAPACIDADE INSTALADA NOVA TRAJETÓRIA MUNDIAL Fonte: GWEC | ABEEólica (2018) 4 CAPACIDADE INSTALADA TOTAL Linha do Tempo Brasileira 2012 15º lugar 2,51 GW 2013 13º lugar 3,4 GW 2014 10º lugar 5,9 GW 2015 10º lugar 8,7 GW 2016 9º lugar 10,7 GW 2017 8º lugar 12,77 GW 2018 8º lugar 14,71 GW 2012 8º lugar 1,08 GW 2013 7º lugar 0,95 GW 2014 4º lugar 2,5 GW 2015 4º lugar 2,75 GW 2016 5º lugar 2,01 GW 2017 6º lugar 2,02 GW 2018 5º lugar 1,94 GW
  5. 5. LINHA DO TEMPO DA EÓLICA 1992 1ª turbina em operação no Brasil 1997 Convênio CONFAZ 101/97 – Isenção de ICMS para eólica Prorrogação do convênio em 2010, 2011, 2014, 2017 – validade até 2028 2002 Criação do PROINFA e da ABEEólica 2004 Regulamentação do Novo Modelo do Setor Elétrico 2009 1º Leilão com participação eólica (LER 2009) Existência da Cláusula 5.12 – isenção do risco da transmissão 2010 1ª Participação no Leilão de Fontes Alternativas (LFA 2010) 2011 1 GW 2012 Novo Regra de Conteúdo Local do BNDES – 2013 a 2016 2013 Criação do Selo e Certificado de Energia Renovável 2ª fonte mais competitiva Extinção da Cláusula 5.12 2014 5 GW Resolução CONAMA 462 Licenciamento Ambiental Eólica 2015 PRT 416 de Revisão da Garantia Física das Eólicas 2016 10 GW 2017 Fim do Quadriênio no CCEAR por Disponibilidade 2018 Contrato por Quantidade para fonte eólica 2019 15 GW
  6. 6. 101.0 60,3% 15.5 9.3% 14.9 8.9% 6.0 3.6% 2.3 1.4% 13.4 8.0% 8.9 5.3% 3.6 2.1% 2.0 1.2% Hidrelétrica Eólica Biomassa PCH e CGH Fotovoltaica Gás natural Petróleo Carvão mineral Nuclear 83% Renovável 17% Não Renovável Fonte: ANEEL | CCEE | ABEEólica Matriz Elétrica Brasileira (GW) 70.1% 8.5% 4.5% 4.2% 0.8% 6.2% 0.8% 1.8% 2.5% 0.6% Matriz de Geração (%)
  7. 7. PETRÓLEO 34.4% GÁS NATURAL 12.4% CARVÃO MINERAL 5.8% URÂNIO 1.5% OUTRAS NÃO- RENOVÁVEIS 0.6% PRODUTOS DA CANA 17.4% HIDRÁULICA 12.7% LENHA E CARVÃO VEGETAL 8.4% EÓLICA 1.5% SOLAR 0.1% OUTRAS 5.3% Renováveis 45.3% PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL URÂNIO OUTRAS NÃO-RENOVÁVEIS PRODUTOS DA CANA HIDRÁULICA LENHA E CARVÃO VEGETAL EÓLICA SOLAR OUTRAS Matriz energética Brasileira (%) Oferta Interna de Energia 7 45% Renovável 55% Não Renovável Fonte: BEN 2019 (ano base 2018) | ABEEólica
  8. 8. Fonte: ANEEL | ABEEólica 8 Capacidade Instalada por Estado Capacidade instalada 15,3 GW (614 parques) Capacidade contratada 6,77 GW (237 parques) Total 22,1 GW (851 parques) 13,2 GW 2,1 GW 426 1638 2045 4128 157 782 35 4034 28 3 238 1832 1,056 123 2.851 686 88 0 1.973 0 0 0 426 2,694 2,168 6.979 843 870 35 6.007 28 3 238 1,832 0 1,000 2,000 3,000 4,000 5,000 6,000 7,000 8,000 MA PI CE RN PB PE SE BA RJ PR SC RS
  9. 9. 9 Potencial Eólico Brasileiro Nordeste Elevado potencial próximo à costa e com baixa profundidade - Maior velocidade média do que em terra. Sul e Sudeste Grande potencial próximo à carga. Onshore Offshore Fonte: Atlas Eólico Brasileiro (2013) e UFRN - Malateaux et al.(2018)
  10. 10. 22.1 230.4 240.6 341.2 601.2 928.0 1,524.4 2,518.3 3,473.4 5,968.9 8,722.7 10,736.6 12,763.6 14,704.3 15,356.9 17,239.6 17,853.8 19,298.7 21,083.8 21,083.8 22,124.1 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 Nova (MW) Acumulada (MW) Fonte: ANEEL | ABEEólica 10 EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA
  11. 11. 11 Evolução da Capacidade Instalada Nova Viabilização do Contrato 22 14 55 363 146 290 343 235 97 973 614 383208 10 101 260 327 582 994 900 2,133 2,608 1,724 1,684 1,706 555 910 1,062 1,784 1,040 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2025 ACL (MW) ACR +PROINFA+P&D (MW) Viabilizada Mercado Livre (MW) Viabilizada Mercado Regulado | PROINFA | P&D (MW)
  12. 12. Investimentos em US$ bi Representatividade em relação aos investimentos em renováveis Fonte: BNEF | ABEEólica 12 5.1 3.8 3.0 5.3 4.9 4.4 3.6 1.3 49% 46% 68% 68% 73% 77% 58% 35% 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 Eólica Representatividade
  13. 13. Fonte: EPE PDE 2029 (CP) | ABEEólica 13 Expectativa de Expansão – PDE 2029 Micro e Mini Geração Distribuída Energia Gerada 2029 Capacidade Instalada Acumulada considerando a expansão indicativa 2019-2029
  14. 14. Aerogerador • Acciona • Siemens-Gamesa • GE • Vestas • WEG • Wobben Windpower Pás • Aeris Energy – LM – Tecsis – Wobben Windpower Torres • Nordex-Acciona – Cassol • CTZ Eolic Tower – Dois A Engenharia – Engebasa – Eólicabrás – Gestamp – ICEC – TEN - Torrebrás – Wobben Windpower Peças e Componentes • Mais de 1.000 fornecedores Indústria Eólica Brasileira Capacidade Produtiva: 4 GW/ano (80% nacionalizada)
  15. 15. Fonte: CCEE | ABEEólica 15 PREÇOS NOS LEILÕES REGULADOS X EVOLUÇÃO DA EÓLICA - Evolução Tecnológica x aproveitamento da área - Competição natural de setor de infraestrutura - Ampliação dos índices de nacionalização Novo FINAME - Evolução Tecnológica - Reestabelecimento de melhor TIR - Índice de nacionalização (até 80%) - Taxa de câmbio - Custo Brasil - Antecipação do início de suprimento - ACR + ACL - Conexão - Oferta represada - Estratégias globais de equipamento R$256.97 R$206.09 R$225.25 R$155.93 R$156.00 R$161.45 R$130.61 R$155.05 R$172.06 R$163.09 R$171.65 R$185.66 R$176.49 R$218.55 R$217.86 R$239.00 R$114.84 R$104.87 R$71.22 R$93.51 R$80.20 R$98.73 R$ 164.59 LER 2009 LER 2010 LFA 2010 LER 2011 A-3 2011 A-5 2011 A-5 2012 LER 2013 A-3 2013 A-5 2013 (Dez) A-3 2014 LER 2014 A-5 2014 LFA 2015 A-3 2015 2ºLER 2015 (Nov) A-4 2017 A-6 2017 A-4 2018 A-6 2018 A-4 2019 A-6 2019 Preçosatualizadosparaout-19(R$/MWh) Preço-médio da Eólica nos Leilões (R$/MWh)
  16. 16. UHE 6.0% PCH 8.5% CGH 0.5% UFV 17.8% Biomassa 7.7% Gás Natural 24.6% BA 20.3% RN 5.4% PI 2.0% PB 7.2% EOL 34.9% Fonte: CCEE | ABEEólica Leilão A-6 2019  Realização do Leilão : 18 de Outubro de 2019  Início do suprimento de energia elétrica : 1° de Janeiro de 2025 Resultado do Leilão por Fonte (%) Participação por UF de Eólicas (%) Potência Total Viabilizada (MW) 1.040,2 Garantia Física Total Viabilizada (MWmed) 480 Garantia Física Comercializada no ACR (MWmed) 181,1 (37,7%) Preço Médio (R$/MWh) 98,7
  17. 17. Fonte: ONS | ABEEólica 17 Características Gerais da Fonte Eólica • Um dos melhores ventos do mundo está no Brasil − Vento constante (sem grandes rajadas) − Baixa Volatilidade − Vento forte − Vento previsível (Modelo de Previsão de Geração Eólica) • Complementariedade − Hidrelétricas (Sazonalidade Inversa) − Solar Fotovoltaica − Biomassa − Eólica (agregação diminui variabilidade)
  18. 18. Armazenamento Sistema Nacional Sistemas tecnológicos Operando a variabilidade Complementariedade − Hidrelétrica (sazonalidade reversa) − Fotovoltaica − Biomassa − Eólica (agregação) Fonte: ONS | MRTS | ABEEólica 18
  19. 19. Usinas Híbridas – Um Estudo para Eólica e Solar Fotovoltaica Fonte: MRTS 19
  20. 20. Projetos Híbridos • O modelo de contratação de MUST não contribui com o gargalo de transmissão (falta de escoamento) • O que contribui para a ociosidade do grid dado o perfil variável das fontes de geração • Em uma contratação otimizada encontram-se objetivos/interesses tanto sistêmicos quanto do investidor ao se constituir um projeto híbrido justamente explorando o compartilhamento da conexão e a otimização no uso da rede advindo da complementaridade. Fonte: MRTS
  21. 21. Fonte: CCEE | ABEEólica 21 Fator de Capacidade 38% 32% 27% 35% 35% 43% 50% 52% 61% 56% 45% 41% 38% 25% 25% 29% 39% 47% 53% 56% 59% 48% 52% 36% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2017 2018 Média 42,9% Média 42,2%
  22. 22. Panorama da eólica offshore no Brasil • Atualmente existem 3 projetos em andamento • Entendimento e clareza da Regulamentação • Mecanismos para utilização da área e regularização fundiária • Questões Ambientais − Termo de referência do IBAMA − Emissão de licenças − Impactos Ambientais (Positivos e negativos) − Acompanhamentos • Sistema de Transmissão: Interlocução com o ONS, Parecer de Acesso, Procedimentos de Rede... • Construção • Operação e Manutenção • Experiência Internacional Fonte: The Danish Forest and Nature Agency (2006)/UFRN Usina eólica offshore, instalada em 1994, em Holanda, 4 turbinas de 500 kW. Foi descomissionado em 2016. Fonte: UFRN Fonte: ABEEoilica, UFRN - Malateaux et al.(2018)
  23. 23. Benefícios sociais e ambientais intrínsecos à geração eólica
  24. 24. Certificação de Energia Renovável Brasil • Objetivo: fomentar o mercado de energia de fontes renováveis com alto desempenho em sustentabilidade através do reconhecimento de atributos ambientais, promovendo aos usuários de eletricidade fazer uma escolha consciente e baseada em evidências para a energia renovável. • Plataforma: O Programa de Certificação utiliza uma plataforma de registro e emissão de RECs internacional, conhecida como I-REC. O que garante que os RECs emitidos no Brasil tenham os mesmos padrões daqueles emitidos em outras regiões do mundo.
  25. 25. 25 Desafios e Oportunidades para eólicas Onshore Transmissão DemandaFinanciamento Restrição de Geração Eólica •Constrained - Off Modernização do Setor Elétrico Aprimoramento TUST Logística e Evolução Tecnológica Expansão do Mercado Livre Regulação e processos claros Projeto Híbridos Usinas Offshore Armazenamento e uso de baterias Tributação Impostos e Taxas Regularização Fundiária Cadeia Produtiva Nacional Custos e Benefícios de cada Fontes
  26. 26. OBRIGADA! Elbia Gannoum

×