O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas praias brasileiras?- Miguel Marques

Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas praias brasileiras?- Miguel Marques

Baixar para ler offline

Ainda estão vivas na memória as imagens do derramamento de petróleo que atingiu as praias brasileiras, do Maranhão ao Rio de Janeiro. O choque nos despertou para os riscos a que está exposta a vida marinha num país com uma costa litorânea tão extensa e densamente povoada quanto o Brasil. E para a necessidade de protegê-la, não apenas de "crises agudas" que ganham as manchetes dos jornais, mas também de silenciosos processos de degradação que a ameaçam permanentemente. O desafio do desenvolvimento sustentável não é pequeno na Amazônia azul, incluída a faixa litorânea.

Estamos preparados para enfrentar esse desafio, que se tornará cada vez maior à medida que se intensifique o uso dos recursos do mar, do seu leito e do seu subsolo? Que lições aprendemos com o recente episódio de derramamento de petróleo? Que políticas e medidas devem ser adotadas para compatibilizar a exploração dos recursos naturais com a preservação da vida marinha e das atividades e populações que dela dependem?

Para abordar essas questões, a Fundação FHC reúne um painel de especialistas, com representantes da Universidade, da Marinha Brasileira e do setor privado.

MIGUEL MARQUES
Economista, é sócio da PwC Portugal e líder do Centro de Excelência Global da PwC para os Assuntos do Mar. Licenciado em Economia pela Universidade do Porto, é pós-graduado pela Kellogg Northwestern University (Chicago – EUA).

Ainda estão vivas na memória as imagens do derramamento de petróleo que atingiu as praias brasileiras, do Maranhão ao Rio de Janeiro. O choque nos despertou para os riscos a que está exposta a vida marinha num país com uma costa litorânea tão extensa e densamente povoada quanto o Brasil. E para a necessidade de protegê-la, não apenas de "crises agudas" que ganham as manchetes dos jornais, mas também de silenciosos processos de degradação que a ameaçam permanentemente. O desafio do desenvolvimento sustentável não é pequeno na Amazônia azul, incluída a faixa litorânea.

Estamos preparados para enfrentar esse desafio, que se tornará cada vez maior à medida que se intensifique o uso dos recursos do mar, do seu leito e do seu subsolo? Que lições aprendemos com o recente episódio de derramamento de petróleo? Que políticas e medidas devem ser adotadas para compatibilizar a exploração dos recursos naturais com a preservação da vida marinha e das atividades e populações que dela dependem?

Para abordar essas questões, a Fundação FHC reúne um painel de especialistas, com representantes da Universidade, da Marinha Brasileira e do setor privado.

MIGUEL MARQUES
Economista, é sócio da PwC Portugal e líder do Centro de Excelência Global da PwC para os Assuntos do Mar. Licenciado em Economia pela Universidade do Porto, é pós-graduado pela Kellogg Northwestern University (Chicago – EUA).

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais de Fundação Fernando Henrique Cardoso

Livros relacionados

Gratuito durante 30 dias do Scribd

Ver tudo

Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas praias brasileiras?- Miguel Marques

  1. 1. A Economia do Mar e Os Desafios Ambientais no Brasil e no Mundo Brasil – S. Paulo - FFHC Março 2020 LEME - Barómetro PwC da Economia do Mar MAREECOFIN- PwC Economia e Finanças do Mar Centro de Excelência Global da PwC para a Economia Azul
  2. 2. Rápida urbanização A maioria das grandes cidades está localizada na linha costeira ou próximo do mar… Alterações demográficas e sociais Os oceanos poporcionam emprego, lazer, identidade… Alterações climáticas e escassez de recursos Uma abordagem ambientalmente sustentável aos oceanos é fundamental para o desenvolvimento da Humanidade… Avanços tecnológicos A digitalização está a desafiar os modelos tradicionais de competitividade. Os avanços tecnológicos permitem-nos superar barreiras geofísicas. A robótica e a monitorização via satélite são críticos para a exploração marítima… Mudanças no poder económico global Porque os mares são partilhados, a estratégia deve ser igualmente partilhada – a economia do mar deve ser integrada, não só entre indústrias, mas entre empresas e países… Para a PwC a economia azul é uma resposta às megatendências globais, que têm impacto em todas as metas globais da ONU para o desenvolvimento sustentável Economia azul 2
  3. 3. Desde 2005 que a PwC analisa quantitativamente a Economia Azul. Publicações LEME Barómetro PwC da Economia do Mar Relatórios Internacionais MAREECOFIN (Finanças) Bússola (Olhar para o futuro)Excellens Mare (Prémios anuais) • Transportes marítimos, portos e logística • Construção naval, manutenção e equipamento • Energia Offshore • Segurança naval, pirataria e desastres marítimos • Pescas e aquacultura • Entretenimento, desporto, turismo e cultura C. 70 relatórios publicados 3
  4. 4. Mergulhar no ‘Azul’: O valor de uma visão integrada Economia do Mar / Economia do Oceano Crescimento Azul / Economia Azul = Abordagem Integrada 1. "Pensamento azul“ – É uma abordagem mais sustentável e inclusiva, promove o crescimento, o emprego e a inovação. 2. Estratégia para a execução – Existem pelo menos três elementos essenciais necessários para colocar em ação uma abordagem integrada: a estrutura certa, as pessoas certas e a tecnologia e equipamentos certos. “Azul – Um contexto tridimensional”: superfície da água, coluna de água, fundo do mar, vento acima da água, céu acima da água, espaço aéreo acima do céu Encontrar benefícios mútuos 4
  5. 5. A preservação ambiental valoriza o mar! Contribua para uma cultura de segurança no mar! Em lazer ou em trabalho, cumpra com as regras de salvaguarda da vida humana no mar. Há mar e mar, há ir e voltar. O Tempo Azul é longo – É necessário Capital paciente A utilização humana do mar tem aumentado Fonte: PwC Helm - Economy of the Sea Barometer 30 80 130 180 230 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 LEME – Barómetro PwC da Economia do Mar Index 100 = 2008 Frota de Navios de Mercadorias Produção Offshore Petróleo e Gás Produção Global de Peixe em Aquacultura Produção Global de Peixe em Captura Comércio internacional marítimo Ataques piratas e assaltos à mão armada Passageiros de cruzeiros no mundo Resumo da atividade dos estaleiros mundiais A evolução global dos indicadores, nos últimos 20 anos Ataques Petróleo e Gás Estaleiros Cruzeiros Aquacultura Pesca Navios Comércio Estaleiros Pesca Petróleo e Gás Comércio Cruzeiros Navios Aquacultura Ataques
  6. 6. Desequilíbrio % % Setor Economia Azul 3 na Ásia representam 82% da construção naval mundial (construções completadas em CGT, 2008 / 2018) 2 países europeus representam 62% das energia eólica offshore mundial (capacidade em MW, 2013 / 2018) 4 países asiáticos representam 85% da demolição mundial de navios (em GT, 2013 / 2017) As Caraíbas e o Mediterrâneo atraem 52% do total de passageiros de cruzeiros (2013 / 2019) 3 países na Ásia representam 75% da aquacultura mundial (em toneladas produzidas, 2010 / 2016) 82% 62% 85% 52% 75% 80% 90% 56% 73% 60% Utilização desequilibrada do Oceano
  7. 7. - Está no Top 25 das ZEE; - Embora esteja localizado fora do corredor de navegação com mais tráfego comercial, tem dimensão, carga de matérias-primas e frota em quantidade suficiente para potenciar os transportes marítimos, portos e logística; - Construiu 0,7% dos navios novos construídos no mundo; - Está no Top 10 mundial de energia fóssil offshore (petróleo & gás). No entanto, em termos de energia renovável offshore não tem existido uma grande aposta; - Figura no top 25 das maiores marinhas de guerra do mundo; Brazil no Mundo Assuntos relevantes identificados em Circum-navegação: LEME Mundo: 9
  8. 8. - Consta dos registos internacionais de ataques de piratas; - A produção de produtos alimentares em águas interiores tem elevado potencial; - No ranking dos melhores atletas do mundo em termos de desportos náuticos, como por exemplo a vela e o surf, é normal encontrarem-se atletas do Brasil. O potencial do Brasil em termos de desportos náuticos, marinas e turismo marítimo é elevado; - O Brasil conta com cerca de 17 pontos de ligação de cabos marítimos. Brazil no Mundo Assuntos relevantes identificados em Circum-navegação: LEME Mundo: 10
  9. 9. ZEE (milhões de Km2) EUA 12,2 Federação dos Estados da Micronésia 3,0 França 10,1 Dinamarca 2,6 Austrália 9,1 Noruega 2,4 Rússia 7,6 Papua Nova Guiné 2,4 Reino Unido 6,8 Índia 2,3 Indonésia 6,0 Ilhas Marshall 2,0 Canadá 5,7 Filipinas 1,8 Nova Zelândia 4,1 Portugal 1,7 Japão 4,0 Ilhas Salomão 1,6 Brasil 3,7 África do Sul 1,5 Chile 3,7 Seychelles 1,3 Kiribati 3,5 República da Maurícia 1,3 México 3,3 Principais Zonas Económicas Exclusivas, fevereiro de 2018 (em milhões de km2) Contexto internacional 11 Fonte: Marineregions.org
  10. 10. Transportes marítimos, portos e logística
  11. 11. Principais países em termos de frota marítima, a 1 de janeiro de 2018 (milhares de DWT e nº de navios) Transportes marítimos, portos e logística Nota: Embarcações de 1.000 GT e acima. a “Localização do beneficiário" indica o país / economia em que a empresa que tem a principal responsabilidade comercial do navio está localizada. Localização do beneficiário a Tonelada peso-morto (milhares de DWT) Número de navios Grécia 330.176 4.371 Japão 223.615 3.841 China 183.094 5.512 Alemanha 107.119 2.869 Singapura 103.583 2.629 Hong Kong SAR (China) 97.806 1.592 Coreia do Sul 77.277 1.626 EUA 68.930 2.071 Noruega 59.380 1.982 Bermuda 54.252 494 Taiwan 50.422 987 Reino Unido 49.989 1.354 Mónaco 39.323 421 Dinamarca 39.212 944 Turquia 27.241 1.522 Índia 24.852 1.011 Suíça 24.805 411 Bélgica 23.630 272 Rússia 22.219 1.707 Indonésia 20.299 1.948 Itália 19.750 746 13 Fonte: UNCTAD - Review of Maritime Transport 2018
  12. 12. Principais 15 terminais de contentores e respetiva taxa de transferência, 2016 e 2017 Transportes marítimos, portos e logística 14 Nome do porto País 2016 2017 Variação percentual Tx. cresc. 2016-17 Tx. cresc. 2012-17 Média 2016/2017 milhões TEUs Shanghai China 37.1 40.2 8,3% 8,3% 4,4% 6,4% Singapura Singapura 30.9 33.7 9,0% 9,0% 1,3% 5,1% Shenzhen China 24.0 25.2 5,1% 5,1% 1,9% 3,5% Ningbo China 21.6 24.6 14,1% 14,1% 9,4% 11,8% Busan Coreia do Sul 19.9 21.4 7,8% 7,8% 4,7% 6,3% Hong Kong Hong Kong (China) 19.8 20.8 4,8% 4,8% -2,1% 1,3% Guangzhou China 18.9 20.4 8,0% 8,0% 6,7% 7,4% Qingdao China 18.0 18.3 1,4% 1,4% 4,7% 3,1% Dubai EAU 14.8 15.4 4,5% 4,5% 3,0% 3,8% Tianjin China 14.5 15.2 5,0% 5,0% 4,3% 4,7% Roterdão Holanda 12.4 13.6 9,8% 9,8% 2,7% 6,3% Port Kelang Malásia 13.2 12.1 -8,4% -8,4% 3,8% -2,3% Antuérpia Bélgica 10.0 10.5 4,1% 4,1% 4,0% 4,0% Xiamen China 9.6 10.4 8,0% 8,0% 7,6% 7,8% Kaohsiung Taiwan 10.5 10.2 -2,2% -2,2% 1,1% -0,5% Fonte: UNCTAD - Review of Maritime Transport 2018
  13. 13. Principais produtores, utilizadores, exportadores e importadores, 2017 (quota de mercado global em %) Transportes marítimos, portos e logística 15 Fonte: UNCTAD - Review of Maritime Transport 2018 Produtores de aço % Consumidores de aço % China 49% China 46% Japão 6% EUA 6% Índia 6% Índia 5% EUA 5% Japão 4% Rússia 4% Coreia do Sul 4% Coreia do Sul 4% Alemanha 3% Alemanha 3% Rússia 3% Turquia 2% Turquia 2% Brasil 2% México 2% Outros 19% Outros 25% Exportadores de minério de ferro % Importadores de minério de ferro % Austrália 56% China 72% Brasil 26% Japão 9% África do Sul 4% Europa 8% Canadá 3% Coreia do Sul 5% Índia 2% Outros 6% Outros 9%
  14. 14. Construção Naval, Manutenção e Equipamento
  15. 15. Principais países em termos de construção naval (construções completadas), 2018 Construção naval, manutenção e equipamento 17 Fonte: Sea Europe, Shipbuilding Market Monitoring, Report No 46, 2019 País NO. 1.000 GT % 1.000 CGT % Croácia 13 17 0,00% 46 0,1% Finlândia 3 138 0,20% 152 0,50% França 10 361 0,60% 332 1,00% Alemanha 9 463 0,80% 428 1,30% Itália 7 477 0,80% 520 1,60% Holanda 29 47 0,10% 87 0,30% Polónia 34 57 0,10% 133 0,40% Roménia 33 142 0,20% 196 0,60% Espanha 38 225 0,40% 186 0,60% Outros UE-28 37 28 0,20% 77 0,30% UE-28 213 1.955 3,40% 2.157 6,70% Noruega 23 57 0,10% 107 0,30% Rússia 18 92 0,20% 122 0,40% Turquia 64 113 0,20% 221 0,70% Outros 2 1 0,00% 5 0,00% Outros países Europeus 107 264 0,50% 454 1,40% Japão 457 14.526 25,00% 7.536 23,40% Coreia do Sul 212 14.320 24,60% 7.386 23,00% China 782 22.840 39,30% 11.448 35,60% Brasil 21 384 0,70% 237 0,70% Índia 20 15 0,00% 39 0,10% Indonésia 174 163 0,30% 371 1,20% Malásia 73 30 0,10% 117 0,40% Filipinas 39 1.996 3,40% 880 2,70% Singapura 20 79 0,10% 82 0,30% Taiwan 41 333 0,60% 292 0,90% EUA 60 268 0,50% 312 1,00% Vietname 72 482 0,80% 364 1,10% Outros 110 447 0,80% 462 1,40% Resto do Mundo 630 4.196 7,20% 3.155 9,80% Total Mundial 2.401 58.101 100,00% 32.137 100,00%
  16. 16. Construções concluídas em estaleiros globais (em milhões CGT) Fonte: Sea Europe, Shipbuilding Market Monitoring, Report No 46, 2019 Transporte marítimo, portos e logística 18
  17. 17. Energia Offshore
  18. 18. Top 10 de países produtores de Petróleo e Gás Offshore (milhões de bbl) Energia Offshore País 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 Arábia Saudita 1.123,88 1.134,83 1.270,04 1.401,52 1.511,07 1.643,54 1.532,95 1.630,71 Qatar 1.359,87 1.393,71 1.416,33 1.397,86 1.420,07 1.406,34 1.416,17 1.409,62 Noruega 1.279,43 1.308,85 1.242,77 1.253,15 1.322,54 1.334,52 1.370,09 1.318,59 Irão 666,58 655,32 685,75 713,31 881,04 989,77 1126,36 1.270,89 Brasil 781,22 774,95 766,55 851,76 927,68 959,17 1026,86 1.007,97 EUA 844,42 771,45 743,89 786,4 817,47 831,08 839,43 845,90 EAU 580,13 579,13 618,56 611,24 643,17 671,7 656,72 705,79 México 832,83 832,54 837,1 827,39 784,37 746,12 693,68 651,94 Austrália 388,87 407,25 404,48 423,49 410,9 438,28 527,18 625,83 Reino Unido 629,02 536,13 492,35 492,96 561,98 574,54 568,4 600,82 País Tx. Cresc. 2017-18 Tx. Cresc. 2013-18 Média Arábia Saudita 6,4% 5,1% 5,8% Qatar -0,5% -0,1% -0,3% Noruega -3,8% 1,2% -1,3% Irão 12,8% 13,1% 13,0% Brasil -1,8% 5,6% 1,9% EUA 0,8% 2,6% 1,7% EAU 7,5% 2,7% 5,1% México -6,0% -4,9% -5,4% Austrália 18,7% 9,1% 13,9% Reino Unido 5,7% 4,1% 4,9% 20 Fonte: Rystad Energy Ucube (consulted on August 2, 2019)
  19. 19. Principais países com capacidade instalada em termos de eólica offshore Fonte: Global Wind Report Market update 2019 Total 2013 Total 2014 Total 2015 Total 2016 Total 2017 Total 2018 Quota do Total (MW) Reino Unido 3.681 4.500 5.100 5.156 6.651 7.963 34,41% Alemanha 520 1.012 3.295 4.108 5.411 6.380 27,57% China 429 654 1.035 1.627 2.788 4.588 19,83% Dinamarca 1.271 1.271 1.271 1.271 1.268 1.329 5,74% Holanda 247 247 427 1.118 1.118 1.118 4,83% Bélgica 572 712 712 712 877 1186 5,13% EUA 0,02 0,02 0,02 30 30 30 0,13% Coreia do Sul 5 5 5 35 38 73 0,32% Outros 321 323 322 426 477 473 2,04% Total 7.046 8.724 12.167 14.483 18.658 23.140 100,00% 21 Tx. Cresc. 2017-18 Tx. Cresc. 2013-18 Média 19,7% 16,7% 18,2% 17,9% 65,1% 41,5% 64,6% 60,7% 62,6% 4,8% 0,9% 2,9% 0,0% 35,3% 17,6% 35,2% 15,7% 25,5% 0,0% 331,7% 165,9% 92,1% 71,0% 81,5% -0,8% 8,1% 3,6% Energia Offshore
  20. 20. Capacidade acumulada offshore mundial, anual 2012-2018 (MW) Energia Offshore 5415 7046 8724 12167 14483 18658 23140 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 22 Fonte: Global Wind Report Market update 2019
  21. 21. Segurança naval, pirataria e desastres marítimos (derrames de petróleo e ilhas de plástico)
  22. 22. Segurança naval, pirataria e desastres marítimos (derrames de petróleo e ilhas de plástico) Principais países em termos de frotas navais de guerra (Soma do número de porta-aviões, fragatas, destroyers, corvetas e submarinos) Total (Porta-aviões + Fragatas + Destroyers + Corvetas + Submarinos) Top 25 2016 2017 2018 2019 1 China 175 190 192 204 2 EUA 162 160 161 197 3 Rússia 161 166 163 165 4 Coreia do Norte 75 89 98 96 5 Japão 63 69 63 65 6 Índia 66 66 64 63 7 Coreia do Sul 57 57 55 55 8 Irão 42 41 41 43 9 Turquia 37 37 38 38 10 França 36 29 37 37 11 Indonésia 18 35 35 37 12 Taiwan 29 29 29 33 13 Reino Unido 30 32 31 30 14 Itália 30 31 30 30 15 Vietname 23 26 29 29 16 Grécia 24 24 24 24 17 Egito 21 18 21 22 18 Alemanha 20 21 21 21 19 Austrália 22 19 19 20 20 Peru 19 20 18 18 21 Argélia 20 27 29 17 22 Paquistão 0 0 0 17 23 Brasil 19 18 17 16 24 Canadá 17 16 16 16 25 Colômbia - - - 16 Fonte: Global Firepower – julho 2019 24
  23. 23. Segurança naval, pirataria e desastres marítimos (derrames de petróleo e ilhas de plástico) Nota: Todos os ataques assinalados com "a" são atribuídos a piratas da Somália. Principais localizações de ataques de piratas (2011-2018) Fonte: ICC International Maritime Bureau - Piracy e Armed Robbery Against Ships Localizações 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 Total Sudeste Asiático Indonésia 46 81 106 100 108 49 43 36 569 Malásia 16 12 9 24 13 7 7 11 99 Estreito de Singapura 11 6 9 8 9 2 4 3 52 Filipinas 5 3 3 6 11 10 22 10 70 Outros Ásia 2 2 1 3 6 - - - 14 Extremo Oriente Mar do Sul da China 13 2 4 1 - - - - 20 Vietname 8 4 9 7 27 9 2 4 70 Outros Extremo Oriente 2 1 0 0 4 7 2 3 19 Subcontinente Indiano Bangladesh 10 11 12 21 11 3 11 12 91 Índia 6 8 14 13 13 14 4 6 78 América do Sul Brasil 3 1 1 1 - - - 4 10 Colômbia 4 5 7 2 5 4 6 1 34 Equador 6 4 3 0 - - 2 4 19 Guiana 1 0 2 1 - 2 1 2 9 Haiti 2 2 0 0 2 4 1 3 14 Peru 2 3 4 0 - 11 2 4 26 Venezuela 4 0 0 1 1 5 12 11 34 Outros América do Sul 3 2 1 0 0 1 0 0 7 África Benim 20 2 0 0 0 1 0 5 28 Egito 3 7 7 0 1 0 0 0 18 Guiné 5 3 1 0 3 3 2 3 20 Golfo de Áden a 37 13 6 4 0 1 3 1 65 Costa do Marfim 1 5 4 3 1 1 1 1 17 Nigéria 10 27 31 18 14 36 33 48 217 Mar Vermelho a 39 13 2 4 0 0 1 0 59 Somália a 160 49 7 3 0 1 5 2 227 Togo 6 15 7 2 0 1 0 1 32 Congo 3 4 3 7 5 6 1 6 35 Outros África 11 12 11 16 12 13 15 20 110 Total 439 297 264 245 246 191 180 201 2063 25
  24. 24. Pescas e Aquacultura
  25. 25. Pescas e Aquacultura Principais países em termos de pesca (captura marinha) Fonte: FAO - The State of the World Fisheries and Aquaculture in 2018 2016 País 2003 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Peso Variação Variação Ranking 2016 2015/2016 2003/2016 (milhões de toneladas) (Percentagem) Tx. Cresc. 2015-16 Tx. Cresc. 2012-16 Média 1 China 12,20 13,50 13,90 14,00 14,80 15,31 15,25 19,23% -0,44% 24,97% -0,4% 2,5% 1,0% 2 Indonésia 4,30 5,30 5,40 5,60 6,00 6,22 6,11 7,71% -1,72% 42,07% -1,8% 2,9% 0,6% 3 EUA 4,90 5,10 5,10 5,10 5,00 5,02 4,90 6,18% -2,43% -0,06% -2,4% -0,8% -1,6% 4 Rússia 3,10 4,00 4,10 4,10 4,00 4,17 4,47 5,63% 7,05% 44,06% 2,2% 7,2% 4,7% 5 Peru 6,10 8,20 4,80 5,80 3,50 4,79 3,77 4,76% -21,15% -38,13% -21,3% -14,4% -17,8% 6 Índia 3,00 3,30 3,40 3,40 3,40 3,50 3,60 4,54% 2,92% 19,97% 1,8% 2,9% 2,3% 7 Japão 4,60 3,70 3,60 3,60 3,60 3,42 3,17 3,99% -7,48% -31,15% -7,3% -3,0% -5,2% 8 Vietname 1,60 2,30 2,40 2,60 2,70 2,61 2,68 3,38% 2,72% 67,38% 2,7% 3,1% 2,9% 9 Noruega 2,50 2,30 2,10 2,10 2,30 2,29 2,03 2,56% -11,34% -18,68% -11,4% -2,5% -6,9% 10 Filipinas 2,00 2,20 2,10 2,10 2,10 1,95 1,87 2,35% -4,26% -6,75% -4,1% -3,2% -3,7% 11 Malásia 1,30 1,40 1,50 1,50 1,50 1,49 1,57 1,99% 5,92% 21,08% 2,3% 5,4% 3,8% 12 Chile 3,60 3,10 2,60 1,80 2,20 1,79 1,50 1,89% -16,07% -58,36% -16,2% -13,5% -14,9% 13 Marrocos 0,90 1,00 1,20 1,20 1,40 1,35 1,43 1,81% 6,08% 59,00% 5,9% 7,4% 6,7% 14 Coreia do Sul 1,60 1,70 1,70 1,60 1,70 1,64 1,38 1,74% -16,04% -13,94% -15,9% -4,1% -10,0% 15 Tailândia 2,70 1,60 1,60 1,60 1,60 1,32 1,34 1,69% 1,97% -50,26% -3,5% 1,5% -1,0% 16 México 1,30 1,50 1,50 1,50 1,40 1,32 1,31 1,65% -0,30% 0,85% -2,7% -0,8% -1,7% 17 Myanmar 1,10 2,20 2,30 2,50 2,70 1,11 1,19 1,49% 7,05% 7,73% -11,6% 7,2% -2,2% Total 17 principais países 56,80 62,40 59,30 60,10 59,90 59,28 57,55 72,60% -2,90% 1,33% -2,9% -1,6% -2,3% Resto do mundo 22,90 20,20 20,40 21,20 21,60 21,97 21,72 27,40% -1,14% -5,14% -1,1% 1,5% 0,2% Total mundial 79,70 82,60 79,70 81,00 81,50 81,25 79,28 100,00% -2,43% -0,53% -2,4% -0,8% -1,6% Quota 17 principais países (%) 71,30 75,50 74,40 73,80 73,50 72,96 72,60 -0,8% -0,5% -0,6% 27
  26. 26. Pescas e Aquacultura Principais produtores em aquacultura (em milhares de toneladas e quota do total mundial) Produção total de animais aquáticos Quota Produtor 2010 2012 2014 2016 2016 Tx. Cresc. 2014-16 Tx. Cresc. 2010-16 Média China 36.734 41.108 45.469 49.244 62% 4,1% 5,0% 4,5% Índia 3.786 4.210 4.881 5.700 7% 7,1% 8,1% 7,6% Indonésia 2.305 3.068 4.254 4.950 6% 7,9% 13,6% 10,7% Vietname 2.683 3.085 3.397 3.625 5% 3,3% 5,1% 4,2% Bangladesh 1.309 1.726 1.957 2.204 3% 6,1% 9,1% 7,6% Noruega 1.020 1.321 1.333 1.326 2% -0,3% 4,5% 2,1% Egito 920 1.018 1.137 1.371 2% -7,7% 6,7% -0,5% Chile 701 1.071 1.215 1.035 1% 6.9% 9.8% 8,3% Top 8 subtotal 49.458 56.607 63.643 69.455 87% 4,5% 5,8% 5,1% Resto do Mundo 9.504 9.859 10.141 10.576 13% 1,8% 40,9% 21,3% Mundo 58.962 66.466 73.784 80.031 100% 4,1% 5,2% 4,7% Fonte: FAO - The State of the World Fisheries and Aquaculture in 2018 28
  27. 27. Entretenimento, desporto, turismo e cultura
  28. 28. Entretenimento, desporto, turismo e cultura Quota de mercado de cada região do globo na indústria dos cruzeiros, por região 34,4% 17,3% 16,2% 11,1% 4,9% 4,8% 4,7% 4,3% 2,3% Caraíbas Mediterrâneo Outros Europa s/ Mediterrâneo China Austrália, Nova Zelândia, Pacífico Alasca Ásia s/ China América do Sul Fonte: CLIA - State of the Cruise Industry Outlook 2019 30
  29. 29. Novos usos do Mar
  30. 30. Telecomunicações Principais países com ligações de cabos submarinos (por número de pontos intermédios) Fonte: Submarine Cable Map País Número País Número País Número País Número Indonésia 125 Maldivas 11 Maurícias 5 Bélgica 3 EUA 117 Cabo Verde 10 Panamá 5 Belize 3 Reino Unido 88 Irlanda 10 Somália 5 Camarões 3 Noruega 34 Países Baixos 9 Emirados Árabes Unidos 5 Ilhas Caimão 3 Dinamarca 30 Canadá 8 Argélia 4 Cuba 3 Filipinas 30 México 8 Comores 4 Estónia 3 Japão 22 Omã 8 Chipre 4 Ilhas Faroé 3 Espanha 22 Finlândia 7 República Dominicana 4 Estados Federados da Micronésia 3 Bahamas 19 Irão 7 Grécia 4 Granada 3 Suécia 19 Jamaica 7 Guernsey 4 Haiti 3 Brasil 17 São Vicente e Granadinas 7 Islândia 4 Honduras 3 Polinésia Francesa 17 Singapura 7 Líbano 4 Jersey 3 Austrália 16 África do Sul 7 Madagáscar 4 Myanmar 3 China 16 Ilhas Virgens (EUA) 7 Nova Caledónia 4 Nigéria 3 Papua Nova Guiné 16 Colômbia 6 Perú 4 Reunião 3 Portugal 15 Egipto 6 Qatar 4 Saint Martin 3 Venezuela 15 Alemanha 6 Coreia do Sul 3 Arábia Saudita 3 Chile 14 Guadalupe 6 Ilhas Salomão 4 Sint Eustatius e Saba 3 Índia 14 Malta 6 Sri Lanka 4 Vietname 3 Itália 14 Ilhas Marianas do Norte 6 Tailândia 4 Iémen 3 Líbia 14 Taiwan 6 Tonga 4 Aruba 2 Malásia 14 Trindade e Tobago 6 Turquia 4 Ascensão e Tristão da Cunha 2 França 13 Guiné Equatorial 5 Angola 3 Bangladesh 2 Nova Zelândia 13 Gronelândia 5 Argentina 3 Barbados 2 Rússia 13 Ilha de Man 5 Bahrain 3 Bermuda 2 Congo 1 32
  31. 31. Biotecnologia Azul Quotas de mercado em biotecnologia azul, por região (2018) Fonte: Global Blue Biotechnology Market 2019-2023, Technavio 41,57% 33,64% 24,79% Américas Europa, Médio Oriente e África Ásia-Pacífico 33
  32. 32. pwc.com Obrigado © 2020 PwC. Todos os direitos reservados. PwC refere-se à PwC Portugal, constituída por várias entidades legais, ou à rede PwC. Cada firma membro é uma entidade legal autónoma e independente. Para mais informações consulte www.pwc.com/structure.

×