SlideShare uma empresa Scribd logo
nefrectomia.pdf
ALINE DUARTE PEREIRA LOPES RA: 22.694
ANDREA P. QUINTANILHA RA:28.817
EDINEIDE MIRANDA SIQUEIRA RA: 23.469
ELIANE N. BRITTO RA:28.975
JULIANA P. GOMES RA:29.313
MARLI RODRIGUES DE MATOS RA: 22.851
PATRICIA L´HOSTE KATZINSKI RA: 22.876
RENATA SOARES RA:29.063
VALDOMIRO F. OLIVEIRA RA:28.962
VANIZETE FEREIRA RA:29133
WAGNER TEOTONIO DE OLIVEIRA RA: 22.795
É A ESPECIALIDADE MÉDICA QUE SE OCUPA DO
DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CLÍNICO DAS
DOENÇAS DO SISTEMA URINÁRIO.
nefrectomia.pdf
● É UMA MASSA
DURA FORMADA
POR CRISTAIS QUE
SE SEPARAM DA
URINA E SE UNEM
PARA FORMAR
PEDRAS.
CÁLCULO RENAL
MEDINDO 1CM
Cirurgia aberta (tradicional)
Litotripsia extracorpórea (LECO)
Abertura da parede abdominal ou lombar
Aplicação de ondas de choque
geradas em meio líquido e
transmitidas para dentro do
organismo sem invadi-lo.
Ureterolitotripsia
transureteroscópica
Nefrolitotomia
percutânea
( Nefrolitotripsia)
Utilizada na retirada de cálculos em
ureter
Caminho direto
ao rim
Cirurgia percutânea para
retirada de cálculo renal
Nefroscópio
ENDOSCÓPIO
nefrectomia.pdf
nefrectomia.pdf
HIPERNEFROMA/ADENOCARCIONOMA
 O TIPO MAIS COMUM É O DA CELULA RENAL OU
ADENOCARCIONOMA QUE REPRESENTA 3% NA POPULAÇÃO
ADULTA.
 É DESCOBERTO ATRAVES DO EXAME FISICO,PELA
PALPAÇÃO DE UMA MASSA ABDOMINAL,POIS A MAIRIA DOS
TUMORES NÃO APRESENTAM SINAIS E SINTOMAS.
 A DETECTAÇÃO TARDIA NO CURSO DA DOENÇA É
COMPOSTA:
-HEMATÚRIA
-ALGIA EM FLANCOS
HIPERNEFROMA / ADENOCARCIONOMA
 ACOMETE INDIVIDUOS ENTRE 50 E 70 ANOS DE IDADE.
 NA POPULAÇÃO AMERICANA OCORRE 51 MIL NOVOS
CASOS.
 13 MIL MORTES A CADA ANO.
*HISTÓRIA FAMILIAR DA DOENÇA
* EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL À SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS INDUSTRIAIS.
OBESIDADE
TABACO
HIPERTENSÃO
DIÁLISE
ULTRASSONOGRAFIA
TOMOGRAFIA
COMPUTADORIZADA
BIOPSIA RENAL
RX RENAL
 CIRURGIA: É O TRATAMENTO MAIS DEFINITIVO PARA O
TUMOR RENAL
*NEFRECTOMIA PARCIAL;
*NEFRECTOMIA RADICAL LAPAROSCOPIA;
 CRIOTERAPIA E RADIOFREQUENCIA
 PALIATIVOS
*INTERFORON;
*EMBOLIZAÇÃO DA ARTERIA RENAL;
 QUIMIOTERAPIA E RADIOTERAPIA
O transplante
renal é uma
das opções de
tratamento
para o renal
crônico e é
considerada a
mais completa
alternativa de
substituição da
função renal.
* Melhor qualidade de vida
* Independência da máquina de diálise.
* Não limitação hídrica e alimentar.
*Não ocorrência de complicações ligadas
a IRC
* Sucesso do Tx renal não pode ser previsto com
absoluta segurança
* Risco operatório
* Possíveis complicações
*Principalmente através do tratamento imunossupressor
* Perda do órgão por rejeição
* Pressão arterial alta, grave e incontrolável (hipertensão)
* Infecções
* Diabetes melito
* Anormalidades congênitas dos rins
* Doenças que causam insuficiência renal, tais como doença auto-
imune.
Os rins para transplantes são obtidos de doadores com morte
cerebral, ou de familiares ou amigos do receptor que ainda estejam
vivos.
O transplante de rim
pode ser recomendado
para pacientes com
insuficiência renal
causada por:
Enquanto o paciente está
sob anestesia geral, é
feita uma incisão no
quadrante inferior direito
do abdome. O rim do
doador é transplantado
para a pélvis inferior
direita do receptor.
O novo rim é
suturado no
lugar. Os vasos
do novo rim
são ligados aos
vasos que vão
para a perna
direita (os
vasos ilíacos), e
o ureter é
suturado na
bexiga.
Na maioria dos casos,
os rins do receptor são
deixados no lugar, e o
rim transplantado
realiza todas as
funções que ambos os
rins realizam em
pessoas sadias. Os
receptores de rins
transplantados devem
tomar medicamentos
imunodepressores por
toda a vida, a fim de
prevenir rejeição do
sistema imune ao
órgão transplantado.
 Sangramento
 Pneumonia
 Infecção
 Distúrbios hídricos (déficit ou excesso)
 Trombose venosa profunda (TVP)
*EXAMES SERICOS
*EXAME DE URINA
*RADIOGRAFIA
*ULTRASSONOGRAFIA
*ECOGRAFIA ABDOMINAL
nefrectomia.pdf
 É essencial a preparação do paciente
 Estimular os liquidos para promover a excreção
 Antibióticos de largo espectro,quando infecção renal
esta presente
 Solicitar exames de coagulação
 Promover a interação “paciente e enfermeiro” para
estabelecer a confiança
 Orientação para paciente e familia sobre o
procedimento
 Reposição de líquidos e hemoderivados
 Observar distensão abdominal e o íleo paralitico
 Sonda nasogástrica
 Observar efeitos dos antibioticos
 Terapia com heparina em dose baixa
 Eliminação traqueobronquica ineficaz das vias aéreas
relacionada com a localização da incisão cirurgica
 Padrão respiratorio ineficaz relacionado com a incisão
cirurgica,anestesia e desconforto
 Dor aguda relacionada com a localização cirurgica,posição
do paciente e distensão adominal
 Retensão da urina relacionada com dor,imobilidade e
anestesia
 RISCO DE INFECÇÃO;
 RISCO DE TROCA GASOSA
PREJUDICADA
 ESTIMULAR MUDANÇA DE DECUBITO;
 MONITORAR SSVV;
 OFERTAR APOIO PSICOLOGICO;
 OBSERVAR SINAIS FLOGISTICOS;
 REALIZAR BALANÇO HIDRICO;
 ORIENTAR A REALIZAR EXAME FISICO ANUAL E RX
TORAX
*UTILIZAR ANALGESICOS PARA ALÍVIO DA DOR;
*Aplicar calor úmido e massagem nas áreas com
dores muscular e desconforto
*Imobilizar a incisão com as mãos durante o
movimento ou exercício de respiração profunda e
tosse
*Assistir e incentivar a deambulação precoce
nefrectomia.pdf
- Tratado de Enfermagem Médico -Cirúrgica Volume 3- Brunner & Suddarth,8ª edição
- Enfermagem Médico-cirúrgica volume1 – Reichman e Affonso, 3ª edição
- Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica volume 3- Brunner e Suddarth, 11ªedição
- Diagnóstico de Enfermagem – Carpenito – 11ª Edição
-http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/2628
- http://www.calculosrenais.com.br/
- http://www.sidneyabreu.com.br/tumor.html

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a nefrectomia.pdf

Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
jaquerico2032
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Bruno Cavalcante Costa
 
vitor
vitorvitor
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
federicoestudio
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
Filipe Simão Kembo
 
Hidrocefalia
HidrocefaliaHidrocefalia
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
Avelino Lopes
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
APENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfAPENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdf
Samuel Dianin
 
Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02
EdEr Mariano
 
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptxDiálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
MIRIAN FARIA
 
34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...
34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...
34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...
Bruno Jorge Pereira, MD, FEBU, FECSM
 
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Yuri Assis
 
Aula endocardite
Aula endocarditeAula endocardite
Aula endocardite
Alberto Las Casas Jr.
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Zilda Romualdo
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
GiselyDallIgna
 
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDESAula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Liliana Mendes
 
DRC (1).pptx
DRC (1).pptxDRC (1).pptx
DRC (1).pptx
lorennaloh
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
douglas870578
 

Semelhante a nefrectomia.pdf (20)

Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
vitor
vitorvitor
vitor
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Hidrocefalia
HidrocefaliaHidrocefalia
Hidrocefalia
 
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
134491411 cuidados-de-enfermagem-ao-paciente-dialitico
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
APENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdfAPENDICITE AGUDA.pdf
APENDICITE AGUDA.pdf
 
Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02
 
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptxDiálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
 
34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...
34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...
34. Palestra Derivações Urinárias (2º Congresso de Urossexopatia Neurogén...
 
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
 
Aula endocardite
Aula endocarditeAula endocardite
Aula endocardite
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
 
Clinica medica
Clinica medicaClinica medica
Clinica medica
 
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDESAula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
Aula lesoes vasculares hepáticas 2016_pdf- LILIANA MENDES
 
DRC (1).pptx
DRC (1).pptxDRC (1).pptx
DRC (1).pptx
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 

Mais de EvelineMachado3

Oxigenoterapia.pptx
Oxigenoterapia.pptxOxigenoterapia.pptx
Oxigenoterapia.pptx
EvelineMachado3
 
esterelidade x infertilidade.pptx
esterelidade x infertilidade.pptxesterelidade x infertilidade.pptx
esterelidade x infertilidade.pptx
EvelineMachado3
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
puericultura.ppt
puericultura.pptpuericultura.ppt
puericultura.ppt
EvelineMachado3
 
nefrectomia.pdf
nefrectomia.pdfnefrectomia.pdf
nefrectomia.pdf
EvelineMachado3
 
histerectomia.pptx
histerectomia.pptxhisterectomia.pptx
histerectomia.pptx
EvelineMachado3
 
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdfassistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
EvelineMachado3
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
EvelineMachado3
 

Mais de EvelineMachado3 (8)

Oxigenoterapia.pptx
Oxigenoterapia.pptxOxigenoterapia.pptx
Oxigenoterapia.pptx
 
esterelidade x infertilidade.pptx
esterelidade x infertilidade.pptxesterelidade x infertilidade.pptx
esterelidade x infertilidade.pptx
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
puericultura.ppt
puericultura.pptpuericultura.ppt
puericultura.ppt
 
nefrectomia.pdf
nefrectomia.pdfnefrectomia.pdf
nefrectomia.pdf
 
histerectomia.pptx
histerectomia.pptxhisterectomia.pptx
histerectomia.pptx
 
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdfassistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
 

Último

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 

Último (6)

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 

nefrectomia.pdf

  • 2. ALINE DUARTE PEREIRA LOPES RA: 22.694 ANDREA P. QUINTANILHA RA:28.817 EDINEIDE MIRANDA SIQUEIRA RA: 23.469 ELIANE N. BRITTO RA:28.975 JULIANA P. GOMES RA:29.313 MARLI RODRIGUES DE MATOS RA: 22.851 PATRICIA L´HOSTE KATZINSKI RA: 22.876 RENATA SOARES RA:29.063 VALDOMIRO F. OLIVEIRA RA:28.962 VANIZETE FEREIRA RA:29133 WAGNER TEOTONIO DE OLIVEIRA RA: 22.795
  • 3. É A ESPECIALIDADE MÉDICA QUE SE OCUPA DO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CLÍNICO DAS DOENÇAS DO SISTEMA URINÁRIO.
  • 5. ● É UMA MASSA DURA FORMADA POR CRISTAIS QUE SE SEPARAM DA URINA E SE UNEM PARA FORMAR PEDRAS. CÁLCULO RENAL MEDINDO 1CM
  • 6. Cirurgia aberta (tradicional) Litotripsia extracorpórea (LECO) Abertura da parede abdominal ou lombar Aplicação de ondas de choque geradas em meio líquido e transmitidas para dentro do organismo sem invadi-lo.
  • 8. Cirurgia percutânea para retirada de cálculo renal Nefroscópio
  • 12. HIPERNEFROMA/ADENOCARCIONOMA  O TIPO MAIS COMUM É O DA CELULA RENAL OU ADENOCARCIONOMA QUE REPRESENTA 3% NA POPULAÇÃO ADULTA.  É DESCOBERTO ATRAVES DO EXAME FISICO,PELA PALPAÇÃO DE UMA MASSA ABDOMINAL,POIS A MAIRIA DOS TUMORES NÃO APRESENTAM SINAIS E SINTOMAS.  A DETECTAÇÃO TARDIA NO CURSO DA DOENÇA É COMPOSTA: -HEMATÚRIA -ALGIA EM FLANCOS
  • 13. HIPERNEFROMA / ADENOCARCIONOMA  ACOMETE INDIVIDUOS ENTRE 50 E 70 ANOS DE IDADE.  NA POPULAÇÃO AMERICANA OCORRE 51 MIL NOVOS CASOS.  13 MIL MORTES A CADA ANO.
  • 14. *HISTÓRIA FAMILIAR DA DOENÇA * EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL À SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS INDUSTRIAIS. OBESIDADE TABACO HIPERTENSÃO DIÁLISE
  • 16.  CIRURGIA: É O TRATAMENTO MAIS DEFINITIVO PARA O TUMOR RENAL *NEFRECTOMIA PARCIAL; *NEFRECTOMIA RADICAL LAPAROSCOPIA;  CRIOTERAPIA E RADIOFREQUENCIA  PALIATIVOS *INTERFORON; *EMBOLIZAÇÃO DA ARTERIA RENAL;  QUIMIOTERAPIA E RADIOTERAPIA
  • 17. O transplante renal é uma das opções de tratamento para o renal crônico e é considerada a mais completa alternativa de substituição da função renal.
  • 18. * Melhor qualidade de vida * Independência da máquina de diálise. * Não limitação hídrica e alimentar. *Não ocorrência de complicações ligadas a IRC
  • 19. * Sucesso do Tx renal não pode ser previsto com absoluta segurança * Risco operatório * Possíveis complicações *Principalmente através do tratamento imunossupressor * Perda do órgão por rejeição
  • 20. * Pressão arterial alta, grave e incontrolável (hipertensão) * Infecções * Diabetes melito * Anormalidades congênitas dos rins * Doenças que causam insuficiência renal, tais como doença auto- imune. Os rins para transplantes são obtidos de doadores com morte cerebral, ou de familiares ou amigos do receptor que ainda estejam vivos. O transplante de rim pode ser recomendado para pacientes com insuficiência renal causada por:
  • 21. Enquanto o paciente está sob anestesia geral, é feita uma incisão no quadrante inferior direito do abdome. O rim do doador é transplantado para a pélvis inferior direita do receptor.
  • 22. O novo rim é suturado no lugar. Os vasos do novo rim são ligados aos vasos que vão para a perna direita (os vasos ilíacos), e o ureter é suturado na bexiga.
  • 23. Na maioria dos casos, os rins do receptor são deixados no lugar, e o rim transplantado realiza todas as funções que ambos os rins realizam em pessoas sadias. Os receptores de rins transplantados devem tomar medicamentos imunodepressores por toda a vida, a fim de prevenir rejeição do sistema imune ao órgão transplantado.
  • 24.  Sangramento  Pneumonia  Infecção  Distúrbios hídricos (déficit ou excesso)  Trombose venosa profunda (TVP)
  • 25. *EXAMES SERICOS *EXAME DE URINA *RADIOGRAFIA *ULTRASSONOGRAFIA *ECOGRAFIA ABDOMINAL
  • 27.  É essencial a preparação do paciente  Estimular os liquidos para promover a excreção  Antibióticos de largo espectro,quando infecção renal esta presente  Solicitar exames de coagulação  Promover a interação “paciente e enfermeiro” para estabelecer a confiança  Orientação para paciente e familia sobre o procedimento
  • 28.  Reposição de líquidos e hemoderivados  Observar distensão abdominal e o íleo paralitico  Sonda nasogástrica  Observar efeitos dos antibioticos  Terapia com heparina em dose baixa
  • 29.  Eliminação traqueobronquica ineficaz das vias aéreas relacionada com a localização da incisão cirurgica  Padrão respiratorio ineficaz relacionado com a incisão cirurgica,anestesia e desconforto  Dor aguda relacionada com a localização cirurgica,posição do paciente e distensão adominal  Retensão da urina relacionada com dor,imobilidade e anestesia
  • 30.  RISCO DE INFECÇÃO;  RISCO DE TROCA GASOSA PREJUDICADA
  • 31.  ESTIMULAR MUDANÇA DE DECUBITO;  MONITORAR SSVV;  OFERTAR APOIO PSICOLOGICO;  OBSERVAR SINAIS FLOGISTICOS;  REALIZAR BALANÇO HIDRICO;  ORIENTAR A REALIZAR EXAME FISICO ANUAL E RX TORAX
  • 32. *UTILIZAR ANALGESICOS PARA ALÍVIO DA DOR; *Aplicar calor úmido e massagem nas áreas com dores muscular e desconforto *Imobilizar a incisão com as mãos durante o movimento ou exercício de respiração profunda e tosse *Assistir e incentivar a deambulação precoce
  • 34. - Tratado de Enfermagem Médico -Cirúrgica Volume 3- Brunner & Suddarth,8ª edição - Enfermagem Médico-cirúrgica volume1 – Reichman e Affonso, 3ª edição - Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica volume 3- Brunner e Suddarth, 11ªedição - Diagnóstico de Enfermagem – Carpenito – 11ª Edição -http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/2628 - http://www.calculosrenais.com.br/ - http://www.sidneyabreu.com.br/tumor.html