Cap. 03 i reinado e regências

703 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
703
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap. 03 i reinado e regências

  1. 1. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) CAPÍTULO – 04 História I Reinado e Período Regencial. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  2. 2. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • A Revolução Liberal do Porto (1820): – POR – crise econômica e domínio inglês. – Liderança da burguesia portuguesa. – Objetivos: Volta de D. João VI. Constituição. Recolonização do Brasil (volta do monopólio português). – 1821: D. João VI retorna a Portugal. D. Pedro assume como Regente. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  3. 3. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA (1821 – 1822): • Cortes portuguesas (parlamento) tentam recolonizar o Brasil. • Exigência da volta de D. Pedro para Portugal. • JAN/1822: “Dia do Fico”. – Elites coloniais brasileiras aproximam-se de D. Pedro. – D. Pedro anuncia permanência no Brasil. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  4. 4. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • MAI/1822: Decreto do “Cumprase”. • JUN/1822: D. Pedro convoca Assembléia Constituinte. • AGO/1822: tropas portuguesas no Brasil consideradas inimigas. • 7/9/1822: Após receber ultimato de POR, D. Pedro proclama a independência. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  5. 5. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • DEZ/1822: D. Pedro é coroado (DOM PEDRO I). • Dependência econômica em relação a ING. • Manutenção das estruturas sociais e econômicas: – Latifúndio. – Agroexportação. – Monocultura. – Escravismo. • Sem participação popular no processo de independência. – Aliança circunstancial de interesses de D. Pedro e das elites brasileiras para manter seus privilégios. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  6. 6. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Revoltas contra a independência: - BA, PA (portugueses). - CISPLATINA (Uruguai – separatismo). - Mercenários – repressão. - Aumento de impostos. - Unidade territorial mantida. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  7. 7. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Reconhecimento externo da independência: – 1º - EUA (1824): Doutrina Monroe + mercados. – 2º - POR (1825): indenização de 2 milhões de libras. – 3º - ING (1825): empréstimo de 2 milhões de libras + renovação de tratados de 1810 (privilégios alfandegários) + fim do tráfico negreiro (não cumprido). • Dependência econômica: – Empréstimos e impostos. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  8. 8. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Constituição imperial: A) “Constituição da Mandioca” (1823) – projeto frustrado: – Submissão do poder Executivo ao poder Legislativo. – Antilusitanismo; – Voto censitário (150 alqueires de mandioca). B) 1ª Constituição Brasileira (1824): – Outorgada. – Monarquia Constitucional Hereditária. – Catolicismo oficial. – Igreja atrelada ao Estado (Padroado e Beneplácito). – 4 poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário e Moderador. – Voto censitário e indireto. 100 mil réis – mínimo. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  9. 9. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Confederação do Equador (1824): – Revolta separatista, urbana, republicana e popular. – PE, RN, CE, PB e AL. – Causas: Autoritarismo de D. Pedro I. Pobreza generalizada. Alta de impostos. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  10. 10. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) – Líderes: Paes de Andrade, Cipriano Barata e Frei Caneca. – Contratação de mercenários e navios. Novo aumento de impostos. – Violentamente reprimida. Frei Caneca é executado. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  11. 11. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • A crise do I Reinado: – Dificuldades financeiras (queda nas exportações, empréstimos, falta de um produto significativo e despesas militares). – Autoritarismo de D. Pedro I. – Críticas da imprensa. – Questão Sucessória (POR – 1826). Medo da recolonização. – Guerra da Cisplatina (URU – 1828). Separação do Uruguai (8 mil mortos e gastos inúteis). – Assassinato de Frei Caneca e do jornalista Libero Badaró. Impopularidade. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  12. 12. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) – Desregramento moral de D. Pedro I. – Noite das Garrafadas (RJ – 1831). – Ministério dos Brasileiros/ Ministério dos Marqueses. – Abdicação (7/4/1831). D. Pedro de Alcântara era menor de idade. Regentes. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  13. 13. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Transição até a maioridade de D. Pedro II. • Instabilidade política (agitações internas). • Fases: – Regência Trina Provisória (ABR/JUL 1831); – Regência Trina Permanente (1831 – 1834); – Regência Una do Padre Feijó (1835 – 1837); AVANÇO LIBERAL – Regência Una de Araújo Lima (1837 – 1840). REGRESSO CONSERVADOR www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  14. 14. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) DESENVOLVIMENTO DOS PARTIDOS POLÍTICOS: www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  15. 15. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Regência Trina Provisória (ABR/JUL 1831): – Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, Nicolau Pereira de Campos Vergueiro e José Carneiro de Campos. – Suspensão provisória do Poder Moderador. – Proibição de criar novos impostos. – Proibição de dissolver a Câmara de Deputados. – Eleição de uma Regência Permanente. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  16. 16. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Regência Trina Permanente (1831 – 1834): Típico Coronél – Brigadeiro Francisco Lima e Silva, João Bráulio Muniz (Norte) e José da Costa Carvalho (sul). – Criação da Guarda Nacional (ago/1831 – Padre Diogo Feijó). Redução do exército e da Marinha. Comando: “coronéis” (patente vendida ou eleita entre os chamados “cidadãos ativos” – eleitores). Defesa de interesses pessoais dos grandes fazendeiros. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  17. 17. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) – Criação do Código de Processo Criminal (NOV/1832): Autoridade judiciária e policial (nos municípios) aos “juízes de paz”, eleito entre os grandes proprietários. – Ato Adicional de 1834: Reforma constitucional. Objetivo: conciliação entre moderados e exaltados. Assembléias Legislativas Provinciais (Deputados Estaduais). Capital nomeava os Presidentes de Província. RJ = Município Neutro. Substituição da Regência Trina por Regência Una. Suspensão do Poder Moderador e do Conselho de Estado até o fim do Período Regencial. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  18. 18. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Regência Una do Padre Feijó (1835 – 1837): PADRE FEIJÓ – Várias revoltas pelo país (Cabanagem, Sabinada e Revolução Farroupilha). – Divisão nos Liberais Moderados: Progressistas (posteriormente liberais): classe média urbana, alguns proprietários rurais e alguns membros do clero. Favoráveis a Feijó e ao Ato Adicional. Regressistas (posteriormente conservadores): maioria dos grandes proprietários, grandes comerciantes e burocratas. Centralizadores e contrários ao Ato Adicional. – Feijó renuncia em 1837 (oposição crescente). www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  19. 19. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Regência Una de Araújo Lima (1837 – 1840): – Regressistas no poder. – Retorno da centralização monárquica. – Criação do Colégio Pedro II, Arquivo Público Nacional e Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (“Ministério das Capacidades” – Bernardo Pereira de Vasconcelos, ministro da ARAÚJO LIMA Justiça). – Lei Interpretativa do Ato Adicional (mai/1840): anulação prática do Ato Adicional. Capital (RJ) com poderes para nomear funcionários públicos, controlar órgãos da polícia e da justiça nos Estados. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  20. 20. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) – Fundação do “Clube da Maioridade” (1840): Grupo Progressista (ou Liberais). Antecipação da maioridade de D. Pedro II. Imperador = paz interna. “Golpe da Maioridade” – vitória do grupo liberal. Fim do período regencial. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  21. 21. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) PRINCIPAIS REBELIÕES DO PERÍODO REGENCIAL: www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  22. 22. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Cabanagem (PA/AM 1835 – 1840): – Ampla participação popular (índios, negros, mestiços, escravos ou livres, porém, todos sem posses). – Luta contra desigualdades. – Sem programa político definido. – Chegaram a tomar o poder mas foram traídos (Antônio Malcher, Francisco Vinagre e Eduardo Angelim). – Por ser a mais popular das revoltas, foi a mais severamente reprimida (30 mil mortos ou 25% da população total da Província). – As lideranças anônimas da Cabanagem: Domingos Onça, Mãe da Chuva, João do Mato, Sapateiro, Remeiro, Gigante do Fumo, Piroca Cana, Chico Viado, Pepira, Zefa de Cima, Zefa de Baixo, Maria da Bunda, etc. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  23. 23. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Revolta dos Malês (BA 1835): – Revolta de negros escravos islâmicos (alfabetizados que liam o Alcorão). No mínimo 100 negros foram massacrados. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  24. 24. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • Revolução Farroupilha ou Guerra dos Farrapos (RS 1835 – 1845): – A mais elitista e longa de todas as revoltas. – Principais lideranças (estancieiros): Bento Gonçalves (maior líder), Davi Canabarro, Guiuseppe Garibaldi. – Causas: Altos impostos sobre o charque gaúcho; Baixos impostos de importação sobre o charque platino (ARG e URU); Nomeação do Presidente de Província (governador) pelo Rio de Janeiro, contrário aos interesses gaúchos. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  25. 25. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) – Proclamação da República do Piratini, ou República Rio-Grandense (RS, a partir de 1835) e da República Juliana (SC, de julnov de 1839). – Experiência de combate (guerras fronteiriças) e recursos econômicos para manter a guerra (elite provincial). – Não houve unanimidade: Porto Alegre apoiou o governo central, bem como áreas de colonização germânica ou ligadas ao comércio com a capital. www.nilbarra.blogspot.com Garibaldi Bandeira da República Juliana Bandeira dos farrapos Prof. Evanildo Pitombeira
  26. 26. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) – Acordo encerra conflito em 1845: “Paz de Ponche Verde” Anistia dos envolvidos gaúchos; Incorporação dos farrapos no exército nacional; Permissão para escolher o Presidente de Província; Devolução de terras confiscadas na guerra; Proteção ao charque gaúcho da concorrência externa; Libertação dos escravos envolvidos (?); “Surpresa de Porongos” (traição aos negros – 14/11/1844) www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  27. 27. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • A Sabinada (BA – 1837 – 1838): – Francisco Sabino Barroso (líder). – Dificuldades econômicas da Província (causa principal) e recrutamento forçado para lutar contra os Farrapos no sul (causa imediata). – Obj: República Provisória até a maioridade de D. Pedro II. – Adesão da classe média urbana. – Líderes presos ou mortos e expulsos da Bahia. Bandeira da República Bahiense, proclamada durante a rebelião. www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  28. 28. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) • A Balaiada (MA 1838 – 1841): – Manuel dos Anjos Ferreira (o “Balaio”), Raimundo Gomes (o “Cara Preta”) e Negro Cosme Bento: principais líderes. – Causas: pobreza generalizada: concorrência com algodão dos EUA, privilégios de latifundiários e comerciantes portugueses. – Vinganças pessoais (sem projeto político). – Desunião entre participantes. – Manipulados e traídos pelos liberais locais (“bem-te-vis”). – Reprimidos por Luís Alves de Lima e Silva (futuro Duque de Caxias). www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira
  29. 29. BRASIL - I IMPÉRIO e REGÊNCIAS (1822 – 1840) Fim www.nilbarra.blogspot.com Prof. Evanildo Pitombeira

×