Guerra das trincheiras

1.279 visualizações

Publicada em

Aqui está um trabalho sobre as trincheiras, relata o que são, quando ocorreu, o dia-a-dia dos soldados, alguns depoimentos dos sobreviventes e algumas curiosidades :)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.279
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerra das trincheiras

  1. 1. “ VIVER NAS TRINCHEIRAS “
  2. 2. Índice • O que são trincheiras? • Quando ocorreu? • Características • Quotidiano • Depoimentos • Curiosidades
  3. 3. O que são as trincheiras? • As trincheira eram escavações no chão, com cerca de dois metros de profundidade e vários quilómetros de extensão, nelas milhões de soldados ficaram sujeitos à fome ao frio e ao medo constante da morte por bombardeios, tiros e doenças. • Eram abrigos elaborado por meio de trabalhos de escavações para possibilitar o tiro, a proteção e a circulação das tropas.
  4. 4. Quando ocorreu? • A guerra das trincheiras foi a segunda fase da Primeira Guerra Mundial. • Iniciou-se em 1914 e acabou em julho de 1918, matando mais de 20 milhões de pessoas. • Os alemães queriam ficar a todo o custo nas zonas que ainda ocupavam entra a Bélgica e a França, por isso o comandante alemão mandou escavar as trincheiras que lhes dariam proteção contra as tropas francesas e inglesas.
  5. 5. Características • São abertas em forma subterraneamente, mais ou menos extensa, com um parapeito, destinada a proteger os combatentes em qualquer situação da luta. • Abertas pelas próprias tropas, são condicionadas pelas condições do terreno. • Geralmente tem uma profundidade suficiente para ocultar completamente um homem de pé, abrigando-o do fogo inimigo.
  6. 6. Características • Um soldado numa trincheira nunca vê mais de 10 metros, em caso de invasão por uma força inimiga, esta não possa "fazer tiro" no "enfiamento". • A abertura de trincheiras está associada a outras estruturas defensivas de fortificação como abrigos subterrâneos e casamatas. • Conhecido como Frente Ocidental, as trincheiras estendiam-se por cerca de mil quilómetros, indo do litoral do mar do Norte até a fronteira da Suíça.
  7. 7. Quotidiano • A vida nas trincheiras era completamente uma tortura. • Foi a fase mais sangrenta, onde se verificava as piores condições humanas de sobrevivência em um campo de batalha. • Os soldados nas trincheiras tinham que tentar manter a sua higiene pessoal e bem-estar, mas era muito difícil, pois havia várias infecções de pele, infestações de ratos e de rã e piolhos. • A maior parte da comida era enlatada.
  8. 8. Quotidiano • Quando chovia, os túneis inundavam e os soldados tinham que lutar, comer e dormir com os uniformes encharcados. Por vezes a lama era tanta que atingia o peito dos soldados. • As doenças espalhavam-se muito facilmente, matando milhares de pessoas. • Quando os soldados morriam dentro das trincheiras, muitas vezes não era possível retirá-los, desta forma, vários corpos se decompunham nas valas e o cheiro se tornava insuportável para os soldados.
  9. 9. Quotidiano • Milhares de soldados permaneciam durante meses dentro desses túneis. • Durante as ofensivas, os soldados não podiam para acorrer os seus colegas. Cada um levava um kit de emergência e deveria cuidar de si até a chegada dos padioleiros, que retiravam os feridos em macas. Por causa do fogo cruzado e da lama que atrapalhava o deslocamento, era um trabalho muito arriscado.
  10. 10. Depoimentos “A mesma velha trincheira, a mesma paisagem, os mesmos ratos, crescendo como mato, os mesmos abrigos, nada de novo, os mesmos e velhos cheiros, tudo na mesma, os mesmo cadáveres no front,” “A mesma metralha, das duas às quatro, como se sempre cavando, como sempre caçando, a mesma velha guerra dos diabos.” A. A. Milne, Combate no Somme apud JUNIOR, Alfredo Boulos. História Geral. Moderna & Contemporânea. Vol. 2. Ensino Médio. São Paulo: FTD, 1997, p. 199.
  11. 11. Depoimentos “Ainda estou atolado nesta trincheira. (...) Não me lavei. Nem mesmo cheguei a tirar a roupa, e a média de sono, a cada 24 horas, tem sido de duas horas e meia. Não creio que já tenhamos começado a rastejar como animais, mas não acredito que me tivesse dado conta se já houvesse começado: é um questão de somenos.” MARQUES apud JUNIOR, Alfredo Boulos. História Geral. Moderna & Contemporânea. Vol. 2. Ensino Médio. São Paulo: FTD, 1997, p. 200.
  12. 12. Curiosidades • As “casas de banhos" eram latrinas: buracos no chão com 1,5 m de profundidade. Quando estavam quase preenchidas, eram cobertas com terra e escavavam-se novos buracos. Quando não dava tempo de chegar até a latrina, eles iam à cratera de bomba mais próxima... • Nos períodos de calmaria, cada soldado ficava oito dias em trincheiras da linha de frente. Depois, passava quatro dias nas trincheiras da retaguarda, mais tranquilas. Aí finalmente tinham quatro dias de folga, gozados em acampamentos militares a quilómetros do campo de batalha.
  13. 13. Curiosidades • Os sacos de areia serviam de proteção pois eram capazes de barrar os tiros inimigos. Eram tão úteis que cada soldado sempre carregava dois sacos vazios, que podia encher rapidamente para se proteger. • Como o terror da guerra era quase insuportável na vida das trincheiras muitos soldados feriram-se a si próprios para serem mandados de volta para casa! Os mais desesperados saíam da trincheira para ser mortos pelo inimigo.
  14. 14. Curiosidades • Para conquistar uma trincheira inimiga era preciso atravessar a terra de ninguém, o espaço entre as duas linhas que se enfrentavam. A distância entre as linhas variava de 100 m a 1 km, num terreno cheio de crateras de bombas. • No Natal de 1914, em plena Primeira Guerra Mundial, soldados ingleses e alemães deixaram as trincheiras e fizeram uma trégua. Durante seis dias, eles enterraram seus mortos, trocaram presentes e jogaram futebol.
  15. 15. Trabalho realizando por: •Ana Beatriz nº2 •Inês Costa nº5 •Nikol Veneva nº13 •Patrícia Coutinho nº15

×