Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.

392 visualizações

Publicada em

História.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
392
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ditadura Militar no Brasil - Prof.Altair Aguilar.

  1. 1. Ditadura Militar Brasileira (1964- 1985)
  2. 2. EE ffooii aassssiimm qquuee aa ddiittaadduurraa ccoommeeççoouu eemm 11996644......  MMaarrcchhaa ddaa ffaammíílliiaa ccoomm DDeeuuss ppeellaa LLiibbeerrddaaddee 550000..000000 ppeessssooaass eemm SSããoo PPaauulloo 11 mmiillhhããoo ddee ppeessssooaass nnoo RRiioo ddee JJaanneeiirroo  OO ggoollppee aaccoonntteeccee ddiiaa 3311 ddee mmaarrççoo ddee 11996644  PPrreeddoommíínniioo ddoo ddiissccuurrssoo aannttiiccoommuunniissttaa
  3. 3. OOss pprreessiiddeenntteess ddoo PPeerrííooddoo Paschoal Ranieri Mazzilli (1964) Como Presidente da Câmara dos Deputados, assumiu a Presidência da República, por convocação do Congresso Nacional, que anunciou a vacância do cargo, após a vitória do Movimento Revolucionário de 31 de março de 1964. Marechal Castello Branco (1964-67) Conquistou o poder de forma indireta, através de votação na Câmara. Deu importantes passos para a consolidação da ditadura, instituiu o AI-1 e o AI-2, marcos iniciais do período
  4. 4. Marechal Costa e Silva (1967-69) Governo marcado pelos protestos e movimentos sociais que levaram a criação do AI-5, que restringiu os direitos civis dos brasileiros. Afastou-se do governo alegando problemas de saúde. General Emílio Gatarazzo Médici (1969- 1974) Período de maior violência, marcado pela intolerância. Muitas pessoas se exilaram para fugir das perseguições políticas.Promoveu o Milagre Econômico.
  5. 5. General Ernesto Geisel (1974-79) O governo de Geisel iniciou a abertura do processo político. De acordo com o presidente o processo seria “lleennttoo,, ggrraadduuaall ee sseegguurroo”. General João Figueiredo (1979-1985) Restabelecimento do pluripartidarismo. Criação da Lei da Anistia. Foi o último presidente militar.
  6. 6. AAlliiaannççaa ppaarraa oo pprrooggrreessssoo ““ OO pprroobblleemmaa ccrrííttiiccoo ddaa ddíívviiddaa eexxtteerrnnaa ppooddee sseerr pprroovviissoorriiaammeennttee rreessoollvviiddoo,, ggrraaççaass aaoo ssiinnaall vveerrddee ddoo FFMMII ee aa mmaacciiççaa aajjuuddaa ddoo ggoovveerrnnoo aammeerriiccaannoo aattrraavvééss ddaa AAlliiaannççaa ppaarraa oo PPrrooggrreessssoo,, iinnaauugguurraaddaa ppeelloo pprreessiiddeennttee KKeennnneeddyy””
  7. 7. • Durante o governo de Costa e Silva os protestos contra o regime se intensificaram, os estudantes envolvidos em manifestações políticas passaram a ser perseguidos como criminosos políticos. •O momento mais critico desse confronto se deu com a morte do estudante Edson Luís, de apenas 18 anos, no restaurante Calabouço. O motivo da morte foi um protesto organizado pelos estudantes da escola secundarista, que era no mesmo local do restaurante, contra o preço da comida e contra , obviamente o regime ditatorial. • O evento levou a uma grande manifestação; a PPaasssseeaattaa ddooss CCeemm MMiill “Mataram um estudante, podia ser seu filho...”
  8. 8. Em 1964 a família tradicional brasileira saiu às ruas contra a ameaça comunista, apoiando uma possível tomada de poder pelos militares. Agora o povo carioca saía para protestar contra a violência de uma ditadura cruel, que matou e torturou jovens e suas famílias. Quanta contradição!!! Marcha da Família com Deus pela Liberdade – 1 milhão de pessoas Passeata dos Cem Mil- 100.000 pessoas
  9. 9. O Ato Institucional nº 5 OO AAttoo aauuttoorriizzaavvaa oo pprreessiiddeennttee ddaa RReeppúúbblliiccaa,, eemm ccaarráátteerr eexxcceeppcciioonnaall ee,, ppoorrttaannttoo,, sseemm aapprreecciiaaççããoo jjuuddiicciiaall,, aa:: ddeeccrreettaarr oo rreecceessssoo ddoo CCoonnggrreessssoo NNaacciioonnaall;; iinntteerrvviirr nnooss eessttaaddooss ee mmuunniiccííppiiooss;; ccaassssaarr mmaannddaattooss ppaarrllaammeennttaarreess;; ssuussppeennddeerr,, ppoorr ddeezz aannooss,, ooss ddiirreeiittooss ppoollííttiiccooss ddee qquuaallqquueerr cciiddaaddããoo;; ddeeccrreettaarr oo ccoonnffiissccoo ddee bbeennss ccoonnssiiddeerraaddooss iillíícciittooss;; ee ssuussppeennddeerr aa ggaarraannttiiaa ddoo hhaabbeeaass--ccoorrppuuss
  10. 10. AA vviioollêênncciiaa nnooss ppoorrõõeess ddoo DDOOPPSS
  11. 11. OO ppaappeell ddaa ccuullttuurraa ccoommoo iinnssttrruummeennttoo ddee pprrootteessttoo........  OO ppaappeell ddooss FFeessttiivvaaiiss ddee MMúússiiccaa ccoommoo vveeííccuulloo ddee mmaanniiffeessttaaççããoo ee ccrriiaaççããoo ddee uummaa ccuullttuurraa tteelleevviissiivvaa Pra não dizer que não falei das flores Geraldo Vandré Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não Nas escolas, nas ruas Campos, construções Caminhando e cantando E seguindo a canção... Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer... Pelos campos há fome Em grandes plantações Pelas ruas marchando Indecisos cordões Ainda fazem da flor Seu mais forte refrão E acreditam nas flores Vencendo o canhão... Refrão... Há soldados armados Amados ou não Quase todos perdidos De armas na mão Nos quartéis lhes ensinam Uma antiga lição: De morrer pela pátria E viver sem razão... Nas escolas, nas ruas Campos, construções Somos todos soldados Armados ou não Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não... Os amores na mente As flores no chão A certeza na frente A história na mão Caminhando e cantando E seguindo a canção Aprendendo e ensinando Uma nova lição...
  12. 12. Divino Maravilhoso Caetano Veloso/ Gilberto Gil Atenção ao dobrar uma esquina Uma alegria, atenção menina Você vem, quantos anos você tem? Atenção, precisa ter olhos firmes Pra este sol, para esta escuridão Atenção Tudo é perigoso Tudo é divino maravilhoso Atenção para o refrão É preciso estar atento e forte Não temos tempo de temer a morte Atenção para a estrofe e pro refrão Pro palavrão, para a palavra de ordem Atenção para o samba exaltação Atenção para as janelas no alto Atenção ao pisar o asfalto, o mangue Atenção para o sangue sobre o chão Atenção Tudo é perigoso Tudo é divino maravilhoso Atenção para o refrão É preciso estar atento e forte Não temos tempo de temer a morte
  13. 13. Chico Buarque de Hollanda
  14. 14. Samba de Orly Chico Buarque/Toquinho/Vinìcius de Morais Vai, meu irmão Pega esse avião Você tem razão de correr assim Desse frio, mas veja O meu Rio de Janeiro Antes que um aventureiro Lance mão Pede perdão Pela duração dessa temporada Mas não diga nada Que me viu chorando E pros da pesada Diz que vou levando Vê como é que anda Aquela vida à toa E se puder me manda Uma notícia boa Pede perdão Pela omissão um tanto forçada Mas não diga nada Que me viu chorando E pros da pesada Diz que vou levando Vê como é que anda Aquela vida à toa Se puder me manda Uma notícia boa
  15. 15. Julinho da Adelaide nasceu quando Chico Buarque passou a ser muito conhecido entre os censores do regime militar, na década de 70. Suas músicas eram proibidas somente porque levavam sua assinatura. A saída para burlar a censura foi a criação de um heterônimo. E deu certo. Acorda amor Julinho da Adelaide Acorda amor Eu tive um pesadelo agora Sonhei que tinha gente lá fora Batendo no portão, que aflição Era a dura, numa muito escura viatura Minha nossa santa criatura Chame, chame, chame lá Chame, chame o ladrão, chame o ladrão Acorda amor Não é mais pesadelo nada Tem gente já no vão de escada Fazendo confusão, que aflição São os homens E eu aqui parado de pijama Eu não gosto de passar vexame Chame, chame, chame Chame o ladrão, chame o ladrão Se eu demorar uns meses Convém, às vezes, você sofrer Mas depois de um ano eu não vindo Ponha a roupa de domingo E pode me esquecer Acorda amor Que o bicho é brabo e não sossega Se você corre o bicho pega Se fica não sei não Atenção Não demora Dia desses chega a sua hora Não discuta à toa não reclame Clame, chame lá, chame, chame Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão (Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)
  16. 16. TTrrooppiiccaalliissmmoo • Movimento cultural que se destacou na música, representavam um rompimento com os padrões estéticos vigentes. Na música, introduziram novos elementos a música popular brasileira, como a guitarra. • Música : Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Os Mutantes, Nara Leão, Tom Zé, Torquato Netto, Rogério Duprat •Artes Plásticas: Hélio Oiticica •Cinema: Glaúber Rocha
  17. 17. Belchior Apenas um rapaz latino americano E u s o u a p e n a s u m r a p a z Latino-Americano Sem dinheiro no banco Sem parentes importantes E vindo do interior... Mas trago, de cabeça Uma canção do rádio Em que um antigo Compositor baiano Me dizia Tudo é divino Tudo é maravilhoso...(2x) Tenho ouvido muitos discos Conversado com pessoas Caminhado meu caminho Papo, som, dentro da noite E não tenho um amigo sequer Que ainda acredite nisso Não, tudo muda! E com toda razão... Mas sei Que tudo é proibido Aliás, eu queria dizer Que tudo é permitido Até beijar você No escuro do cinema Quando ninguém nos vê...(2x) Não me peça que eu lhe faça Uma canção como se deve Correta, branca, suave Muito limpa, muito leve Sons, palavras, são navalhas E eu não posso cantar como convém Sem querer ferir ninguém... Mas não se preocupe meu amigo Com os horrores que eu lhe digo Isso é somente uma canção A vida realmente é diferente Quer dizer! A vida é muito pior... Mas se depois de cantar Você ainda quiser me atirar Mate-me logo! À tarde, às três Que à noite Tenho um compromisso E não posso faltar Por causa de vocês...(2x) Eu sou apenas um rapaz Latino-Americano Sem dinheiro no banco Sem parentes importantes E vindo do interior Mas sei que nada é divino Nada, nada é maravilhoso Nada, nada é sagrado Nada, nada é misterioso, não...
  18. 18. E a Imprensa???
  19. 19. Milagre Econômico
  20. 20. As Obras Faraônicas: Ponte Rio-Niterói, Usina de Itaipu e a Transamazônica...
  21. 21. Campanha Ufanista • Governo Médici •O discurso se pautava na onda de desenvolvimento da economia •Utilização do futebol como mobilizador de massas- Copa de 70 •Campanhas ufanistas •Inserção de pessoas na sociedade de consumo. •Primeiro cresceria o bolo da economia para depois ser repartido com a população. ( eu ainda não ganhei meu pedaço ...)
  22. 22. PPrraa ffrreennttee BBrraassiill OOss iinnccrríívveeiiss Noventa milhões em ação Pra frente Brasil, no meu coração Todos juntos, vamos pra frente Brasil Salve a seleção!!! De repente é aquela corrente pra frente, parece que todo o Brasil deu a mão! Todos ligados na mesma emoção, tudo é um só coração! Todos juntos vamos pra frente Brasil! Salve a seleção! Todos juntos vamos pra frente Brasil! Salve a seleção! Gol! Somos milhões em ação Pra frente Brasil, no meu coração Todos juntos, vamos pra frente Brasil Salve a seleção!!! De repente é aquela corrente pra frente, parece que todo o Brasil deu a mão! Todos ligados na mesma emoção, tudo é um só coração! Todos juntos vamos pra frente Brasil! Salve a seleção! Todos juntos vamos pra frente Brasil! Salve a seleção!
  23. 23. E o fim da ditadura? - Uma Abertura Lenta Gradual e Segura...

×