Página1
CHICO BUARQUE E ZECA AFONSO
2 HOMENS, DOIS PAÍSES, UM SÓ IDEAL: LIBERDADE
“As pessoas têm medo das mudanças.
Eu te...
Página2
CHICO BUARQUE: CONTRA A DITADURA NO BRASIL
A Ditadura Militar (iniciada em 1964) foi um período difícil para o Bra...
Página3
Em 1969 Chico participa na passeata dos cem mil1
, contra a repressão do regime militar. Ameaçado pelo Regime Mili...
Página4
Meu caro amigo me perdoe, por favor
Se eu não lhe faço uma visita
Mas como agora apareceu um portador
Mando notíci...
Página5
E a gente vai tomando que, também, sem a cachaça
Ninguém segura esse rojão
Meu caro amigo eu não pretendo provocar...
Página6
Que a gente vai cavando só de birra, só de sarro
E a gente vai fumando que, também, sem um cigarro
Ninguém segura ...
Página7
ZECA AFONSO: CONTRA A DITADURA EM PORTUGAL
José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Zeca Afonso) viveu entre Aveir...
Página8
Morena». Os militares do MFA estão entre a assistência e escolhem «Grândola» para senha da Revolução (um mês depoi...
Página9
tes”; a pobreza com “Menino do Bairro Negro” ou o “Tecto do Mendigo”.
Exaltou valores solidários como “Traz Outro ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Chico buarque e zeca afonso

536 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Chico buarque e zeca afonso

  1. 1. Página1 CHICO BUARQUE E ZECA AFONSO 2 HOMENS, DOIS PAÍSES, UM SÓ IDEAL: LIBERDADE “As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem” “Traz um amigo também” http://www.porto24.pt/wp-content/uploads/2014/04/Joseafonso.jpg http://4.bp.blogspot.com/_vlervM4gZCU/SqvpuKQ-3SI/AAAAAAAAABE/Hs6v_ghC4Ag/s320/especial50_4.jpg
  2. 2. Página2 CHICO BUARQUE: CONTRA A DITADURA NO BRASIL A Ditadura Militar (iniciada em 1964) foi um período difícil para o Brasil, e marcante na carreira de Chico Buarque, devido à perseguição dos censores que proibiram a execução de grande parte de suas canções. As suas canções, sempre com mensagens subliminares, ganha- ram notoriedade. Na sua obra, Chico Buarque aborda a realidade do Brasil, revoltado e insatisfeito com as atitudes do governo militar, manifestando-se, artisticamente, em prol das mudanças pelas quais o país precisava passar, e em favor da liberdade de expres- são da sociedade brasileira. Em 1963 Chico Buarque frequenta o curso de Arquitetura e Urbanismo da Uni- versidade de São Paulo, onde participa de movimentos estudantis. Nesse mesmo ano participa do musical Balanço do Orfeu com a música "Tem mais Samba", que segundo ele, foi o ponto de partida para sua carreira. http://1.bp.blogspot.com/_7ZbqH8rkbfM/TTCIhDYSxdI/AAAAAAAAADA/tam8WyWXQu4/s1600/Chico+Buarque+n a+luta+contra+a+ditadura.jpg
  3. 3. Página3 Em 1969 Chico participa na passeata dos cem mil1 , contra a repressão do regime militar. Ameaçado pelo Regime Militar, exila-se em Itália.. As canções Apesar de você e Cálice são proibidas pela censura brasileira. Adota o pseudónimo de Julinho da Adelaide, estratégia adotada para enganar a censura, então implacável (Julinho da Adelaide chegou a ter bilhete de identidade e concedeu uma entrevista a um jornal da época), com o qual compôs apenas três canções: Milagre Brasilei- ro, Acorda amor e Jorge Maravilha. No ano seguinte (1970), regressa ao Brasil, continuando com composições que denunciam aspetos sociais, económicos e culturais, A sua música "Apesar de Você" vende cerca de 100 mil cópias, mas é censurada e recolhida das lojas. Uma das canções de Chico Buarque que critica a ditadura é uma carta musicada, escrita em homenagem a Augusto Boal, que se encon- trava exilado em Lisboa, enquanto o Brasil esteve sob o jugo da ditadura militar. A canção Meu Caro Amigo, foi lançada originalmente num disco de título quase igual, chamado Meus Caros Amigos, em 1976. A canção é utilizada como forma de dar a conhecer a situação vivida no país, passando a substituir a tradicional carta, que seria, de imediato, censurada (na época era a forma mais comum de se fazer ouvir): 1 No dia 26 de junho de 1968, cerca de cem mil pessoas ocuparam as ruas do centro do Rio de Janeiro e realizaram o mais importante protesto contra a ditadura mili- tar até então. A manifestação, iniciada a partir de um ato político na Cinelândia, pretendia cobrar uma postura do governo frente aos problemas estudantis e, ao mesmo tempo, refletia o descontentamento crescente com o governo; dela participaram também intelectuais, artistas, padres e grande número de mães.
  4. 4. Página4 Meu caro amigo me perdoe, por favor Se eu não lhe faço uma visita Mas como agora apareceu um portador Mando notícias nessa fita Aqui na terra 'tão jogando futebol Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll Uns dias chove, noutros dias bate sol Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta Muita mutreta2 pra levar a situação Que a gente vai levando de teimoso e de pirraça 3 2 o Golpe Militar 3 Sofrimento quando os interesses dos militares não eram atendidos http://www.documentosrevelados.com.br/wpcontent/uploads/2012/01/passeataanisti a.jpg http://2.bp.blogspot.com/- HZ5IXThCXs/UGRnZa0g2TI/AAAAAAAASwo/7qbXdLpou_c/s1600/Evandro+pass eata+cem+mil.JPG
  5. 5. Página5 E a gente vai tomando que, também, sem a cachaça Ninguém segura esse rojão Meu caro amigo eu não pretendo provocar Nem atiçar suas saudades Mas acontece que não posso me furtar A lhe contar as novidades Aqui na terra 'tão jogando futebol Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll Uns dias chove, noutros dias bate sol Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta É pirueta4 pra cavar o ganha-pão5 4 Refere-se às artimanhas a que tinham de recorrer os socialistas para passar a sua mensagem. 5 Referência àquilo que se tornara uma rotina: a perseguição dos militares. http://4.bp.blogspot.com/- tSv- VIfqz3fU/UHooICbwawI/AAA AAAAAS9E/s88ifOr2hT Y/s1600/tropicalia.jpg © Foto de Evandro Teixeira/CPDOC-JB. Edu Lobo, Caetano Veloso e Othon Bastos na Passeata dos Cem Mil. Rio de Janeiro, 1968.
  6. 6. Página6 Que a gente vai cavando só de birra, só de sarro E a gente vai fumando que, também, sem um cigarro Ninguém segura esse rojão Meu caro amigo eu quis até telefonar Mas a tarifa não tem graça Eu ando aflito pra fazer você ficar A par de tudo que se passa Aqui na terra 'tão jogando futebol Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll Uns dias chove, noutros dias bate sol Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta Muita careta pra engolir a transação E a gente tá engolindo cada sapo no caminho E a gente vai se amando que, também, sem um carinho Ninguém segura esse rojão Meu caro amigo eu bem queria lhe escrever Mas o correio andou arisco Se permitem, vou tentar lhe remeter Notícias frescas nesse disco Aqui na terra 'tão jogando futebol Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll Uns dias chove, noutros dias bate sol Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta A Marieta manda um beijo para os seus Um beijo na família, na Cecília e nas crianças O Francis aproveita pra também mandar lembranças A todo o pessoal Adeus
  7. 7. Página7 ZECA AFONSO: CONTRA A DITADURA EM PORTUGAL José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Zeca Afonso) viveu entre Aveiro (onde nasceu) Angola e Moçambique (para onde foi viver a sua família, devido à profissão de seu pai). Com 11 anos vai viver com a sua tia, em Coimbra, onde frequenta o liceu. A sua família desloca- se para Timor e com a sua pelos Japoneses, José Afonso fica sem notícias dos pais durante três anos, até ao final da II Guerra Mundial, em 1945. Nesse mesmo ano começa a cantar serenatas como «bicho», designação da praxe de Coimbra para os estudantes liceais (José Afon- so andava no 5.º ano do liceu). A sua vida continuará a dividir-se entre Portugal e Moçambique. Torna-se professor de História e Português, sendo proibido de lecionar em 1968. Continua o seu percurso como cantor, tendo publicado várias músicas. Em 1973 José Afonso continua a sua «peregrinação», cantando um pouco em todo o lado. Muitas dessas sessões foram proibidas pela PIDE/DGS e, em abril é preso, ficando 20 dias em Caxias, até finais de Maio. Na prisão política, escreve o poema «Era Um Redondo Vocábulo». A 29 de Março de 1974, o Coliseu, em Lisboa, enche-se para ouvir José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Jorge Letria, Manuel Freire, José Bara- ta Moura, Fernando Tordo e outros, que terminam a sessão com «Grândola, Vila http://blitz.sapo.pt/iv/0/538/424/encontrocano-5014.jpg
  8. 8. Página8 Morena». Os militares do MFA estão entre a assistência e escolhem «Grândola» para senha da Revolução (um mês depois assistir-se-á à Revolução dos cravos). No dia do espetáculo, a censura avisara a Casa de Imprensa, organizadora do evento, de que eram proibidas as representações de «Venham Mais Cinco», «Menina dos Olhos Tristes», «A Morte Saiu à Rua» e «Gastão Era Perfeito». No entanto, «Grândola» foi autorizada. Zeca Afonso foi, então, juntamente com Adriano Correia de Oliveira, um dos mentores da canção de intervenção em Portugal e um baladei- ro/compositor notável, que conciliou a música popular portuguesa e os temas tradicionais com a palavra de protesto. Inspirou-se, para as suas can- ções, no povo português, exaltando as suas vivências, os seus sofrimentos e as suas aspirações. Foi essa a sua posição durante a ditadura fascista, quando, pela sua música, denunciou crimes cometidos pelo governo, como foram os casos dos assassinatos de Catarina Eufémia, em 1954, com “Can- tar Alentejano” e de José Dias Coelho, em 1961, com “A Morte Saiu à Rua”. Denunciou, ainda, as arbitrariedades da PIDE/DGS em temas como os “Vampiros” e “Era de Noite e Levaram”, ou o “Cavaleiro e o Anjo”; denunciou a guerra colonial com o tema “Menina dos Olhos Tris- https://standardsandpeople.files.wordpress.com/2012/02/zeca-angola-75.jpg
  9. 9. Página9 tes”; a pobreza com “Menino do Bairro Negro” ou o “Tecto do Mendigo”. Exaltou valores solidários como “Traz Outro Amigo Também” ou “O Meu Menino é D’oiro”. Gritou a revolta em “ Redondo Vocábulo” ou a “Epigrafe Para Arte de furtar”. Deixa-nos em 1987, tendo pautado a sua vida pela recusa permanen- te do caminho mais fácil, da acomodação, no combate ao fascismo de Salazar, na denúncia dos oportunis- tas, dos "vampiros"… https://amigosmaioresqueopensamento.files.wordpress.com/2012/05/zecavampiros001.jpg?w=580&h=808 http://i1.ytimg.com/vi/gaLWqy4e7ls/hqdefault.jpg

×