SlideShare uma empresa Scribd logo

Digitalização tem de contaminar toda a cadeia de valor

Desde que em 2011 na Feira de Hannover – Hannover- Messe, na Alemanha, foi (re)lançado o termo Indústria 4.0, que esta expressão entrou no léxico dos empresários, dos decisores de política pública, e mesmo da população em geral. - Ana Teresa Lehmann, Professora Universitária.

1 de 2
Baixar para ler offline
10Portugal Business on the Way
Ever since the term Industry 4.0 was (re)launched in 2011,
at the HannoverMesse fair in Germany, the expression has
entered the vocabulary of businessmen and policy makers,
as well as the general population.
Normally, “4.0” is associated to the manufacturing and
productive dimension of a company, aggregating and con-
solidating a series of interconnected digital technologies,
from robotics to automation, including the Internet of
Things (IoT), big data, artificial intelligence and 3D print-
ing – in a convergence of technological possibilities which
promotes the fusion of cyber-physical systems, significant-
ly improving efficiency, as well as industrial productivity
and corporate competition.
However, it would be very narrow to keep Industry 4.0
restricted to the factory. Or to the warehouse. Or even
to supply. Digitalisation has to be a 360º concept, it has
to go from conception/design to post-sale service. In this
regard, the digitalisation of small and medium sized com-
panies, given their smaller size and financial, human and
technological resources, is a big challenge. Especially for
Portugal, a country where 99.7% of companies are small
or medium sized. However, and from a positive perspec-
tive, companies are indeed adopting 4.0 technology, or
at least taking an interest in them; they are not showing
much resistance to change. From the larger corporations
to micro-companies, they have grasped that the future lies
in digitalisation.
If this much is true within the factories or the ware-
houses, it does not yet fully apply to trade and exports,
which is why the subject of this edition of BOW magazine,
Exports 4.0, is so appropriate.
For several reasons, we are at the back of the European
pack in terms of e-commerce (and, in this respect, the
most important dimension of it, which is international);
Desde que em 2011 na Feira de Hannover – Hannover-
Messe, na Alemanha, foi (re)lançado o termo Indústria
4.0, que esta expressão entrou no léxico dos empresários,
dos decisores de política pública, e mesmo da população
em geral.
Normalmente, o “4.0” é associado à dimensão fabril
e produtiva da empresa: agregando e consolidando um
conjunto de tecnologias digitais conectadas que vão des-
de a robótica até à automação, passando pela Internet das
Coisas (IoT), big data, inteligência artificial, impressão 3D
– numa convergência de possibilidades tecnológicas que
promove a fusão de sistemas ciberfísicos, melhorando sig-
nificativamente a eficiência e, bem assim, a produtividade
industrial e a competitividade das empresas.
No entanto, seria redutor encerrar a Indústria 4.0 na
fábrica. Ou no armazém. Ou do lado da oferta. Digita-
lização tem de ser um conceito 360º, tem de ir desde a
conceção/design até ao serviço pós venda. Neste âmbito, a
digitalização das PME, pela sua menor dimensão e recur-
sos (financeiros, humanos e tecnológicos) mais reduzidos,
é o grande desafio. Sobretudo para Portugal, um país onde
99,7% do número de empresas são PME. Contudo, e de
forma muito positiva, as empresas estão a acolher as tec-
nologias 4.0 ou pelo menos a interessar-se por elas; não
exibem grande resistência à mudança. Das grandes cor-
porações às microempresas, percebem que o futuro passa
pela digitalização.
Se tal é verdade dentro das fábricas ou dos armazéns,
não é ainda tão verdade quando o produto deles sai – no
comércio, na exportação. Daí que o mote desta edição da
revista BOW (Exportação 4.0) seja totalmente apropriado.
Por diversas razões, estamos na cauda da Europa em
termos de comércio eletrónico (e, neste, a vertente que
mais interessa é a internacional); e a Europa está bem atrás
Ana Teresa Lehmann
Professora Universitária
University Professor
Foto:DR
Digitalização tem de contaminar
toda a cadeia de valor
Digitalisation has to penetrate
the entire value chain
11 Portugal Business on the Way
comparando, por exemplo, com os Estados Unidos. Em
Portugal, temos uma relação bipolar com as tecnologias
digitais: se lideramos o uso de internet para aceder às re-
des sociais (86% dos consumidores face à média europeia
de 57%), no âmbito do recurso ao digital para fazer com-
pras estamos entre os três últimos da UE. Estima-se que
17% das empresas tenham presença (em geral incipiente)
no comércio eletrónico. Não podemos desperdiçar a opor-
tunidade de digitalizar o comércio. Porque abre mercado e
reduz custos e riscos. Mas implica uma transição que nem
sempre é fácil.
Por outro lado, digitalização é um desafio que não se es-
gota no lado da oferta: se é evidente que, por via das tecno-
logias, da melhoria da capacidade produtiva, da eficiência,
é intrinsecamente ligada à oferta, também e cada vez mais
é um fenómeno definidor para a procura. Hoje em dia, o
consumidor também se digitalizou; gosta de fazer as suas
compras do conforto de casa, do seu smartphone ou tablet –
onde quer que esteja, e de forma imediata. Mais, o novo
consumidor não se limita a ser um comprador do que já
existe; quer participar, quer desenhar, quer personalizar,
quer co-criar. Daí que a interface empresa-consumidor (o
lado da procura) terá de ser também digital. Naturalmen-
te, este facto não retira importância, em alguns casos, ao
contacto humano e à existência de lojas físicas – mas reduz
a sua necessidade.
A digitalização da cadeia de valor, e em particular a
utilização de plataformas de comércio eletrónico em subs-
tituição de lojas físicas, mormente na exportação, tem
uma consequência muito clara, que as empresas podem e
devem explorar em proveito próprio: permitem poupar
muito em investimento, aliviando a estrutura, quer em
termos de custos fixos, quer variáveis. Permitem que uma
microempresa sem grandes recursos e sem capital para se
internacionalizar através de investimento direto estrangei-
ro (IDE) possa exportar através de um website ou de uma
plataforma online. Possa ser uma born global.
Naturalmente, a mudança do comércio físico para o co-
mércio eletrónico não é isenta de riscos e fricções; pode
ser difícil e arriscado. Levanta questões próprias que têm
de ser ultrapassadas.
Mas é uma necessidade, porque o consumidor contem-
porâneo cada vez menos irá às lojas físicas: estas tornar-
se-ão locais de teste, de estudo, continuarão a existir mas
muito menos. E até nestas lojas “analógicas” o digital en-
trará cada vez mais em força, no apoio à identificação de
peças, na personalização, na gestão dos stocks, nos arma-
zéns, nas montras digitais, nas simulações e nas experiên-
cias que terão de ser disponibilizadas ao consumidor nas
lojas do futuro. Se isto é verdade no comércio local, mais
pronunciada será a tendência na exportação, fazendo que
esta seja cada vez mais 4.0.
and Europe itself is still far behind the United States, for
instance. Portugal has somewhat of a bipolar relationship
with digital technology: we are leaders in the use of inter-
net to access social media (86% of consumers, compared
to a European average of 57%), but in terms of using it for
shopping we are among the bottom three countries of the
European Union. The estimate is that 17% of companies
have a (generally still budding) presence in e-commerce.
We cannot waste the opportunity to digitalise trade, since
it opens up the market and reduces costs and risks. But it
does imply a transition which is not always easy to accom-
plish.
On the other hand, digitalisation is a challenge which
goes beyond supply: obviously it is intrinsically connected
to supply, due to the technology, improvement in produc-
tivity and efficiency, but it is also an increasingly defining
feature for demand. Nowadays, the consumer has become
digitalised as well, he likes to shop from the comfort of
his home, using his smartphone or tablet – wherever he
is, whenever he wants. Furthermore, the consumer is not
content to buy what already exists, he wants to design,
customise and co-create. That is why the company-con-
sumer interface – on the side of demand – will have to be
digital as well. Naturally, this does not make human con-
tact and the existence of physical spaces less important, it
just makes them less necessary.
Digitalisation of the value chain, and especially the use
of e-commerce platforms instead of physical shops, espe-
cially for exporting, has a very clear consequence, which
companies can, and should, take advantage of: it allows
for savings in investment, relieving the structure, both in
terms of fixed and of variable costs. It also allows a mi-
cro-company with fewer resources, and unable to resort
to direct foreign investment (IDE) to internationalise and
to export, using an online platform or website, and to go
global.
Naturally, there are also risks and frictions involved in
switching from physical commerce to e-commerce, it can
be difficult and risky, and it raises questions that must be
dealt with.
But it is a necessity, because the trend is for the con-
sumer to visit shops less and less, and for these to become
testing and survey grounds, which will continue to exist,
but in smaller numbers. And even these “analogical” shops
will be increasingly digitalised, with technology used to
identify parts, customise, manage stock and warehouses,
digital displays, simulations and experiences which will be
made available to shoppers in future stores. And if this is
true for local trade, then it will be even more so for trends
in exports, making this an increasingly 4.0 reality.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Digitalização tem de contaminar toda a cadeia de valor

Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Gabriel Coimbra
 
Trabalho de informatica
Trabalho de informaticaTrabalho de informatica
Trabalho de informaticaRenata Luciana
 
Estrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apan
Estrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apanEstrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apan
Estrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apanElisabete Ferreira
 
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010E-Consulting Corp.
 
Marketing Digital - Aula 3
Marketing Digital - Aula 3Marketing Digital - Aula 3
Marketing Digital - Aula 3GPA
 
Estudo de Casos de Boas Práticas de Negócio Electrónico
Estudo de Casos de Boas Práticas de Negócio ElectrónicoEstudo de Casos de Boas Práticas de Negócio Electrónico
Estudo de Casos de Boas Práticas de Negócio Electróniconesi
 
"Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n...
"Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n..."Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n...
"Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n...Frédéric Donier
 
A importancia da internet no comercio
A importancia da internet no comercioA importancia da internet no comercio
A importancia da internet no comercioChristoforever
 
Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para FuturecomEncarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para FuturecomCisco do Brasil
 
TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020
TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020
TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020Filipe Monteiro
 
Revista Cisco Live 11 ed
Revista Cisco Live 11 edRevista Cisco Live 11 ed
Revista Cisco Live 11 edCisco do Brasil
 
[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019
[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019
[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019MJV Technology & Innovation Brasil
 
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por BertagliaTecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por BertagliaPaulo Roberto Bertaglia
 
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply ChainBertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply ChainPaulo Roberto Bertaglia
 

Semelhante a Digitalização tem de contaminar toda a cadeia de valor (20)

Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
Diretório Global das TIC | Edição 2014 - 2015
 
Trabalho de informatica
Trabalho de informaticaTrabalho de informatica
Trabalho de informatica
 
Fundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TIFundamentos da Gestão de TI
Fundamentos da Gestão de TI
 
Economia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTTEconomia digital Telcos e OTT
Economia digital Telcos e OTT
 
MJV Trends - Tendências em Varejo 2020
MJV Trends - Tendências em Varejo 2020MJV Trends - Tendências em Varejo 2020
MJV Trends - Tendências em Varejo 2020
 
Directorio-das-TIC-2017
Directorio-das-TIC-2017Directorio-das-TIC-2017
Directorio-das-TIC-2017
 
Estrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apan
Estrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apanEstrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apan
Estrategia digital elisabete_ferreira_jwt_apan
 
ACSP - Associação Comercial de São Paulo -
ACSP - Associação Comercial de São Paulo -ACSP - Associação Comercial de São Paulo -
ACSP - Associação Comercial de São Paulo -
 
Decision Report 25
Decision Report 25Decision Report 25
Decision Report 25
 
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010 E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
E-Book E-Commerce E-Consulting Corp. 2010
 
Marketing Digital - Aula 3
Marketing Digital - Aula 3Marketing Digital - Aula 3
Marketing Digital - Aula 3
 
Estudo de Casos de Boas Práticas de Negócio Electrónico
Estudo de Casos de Boas Práticas de Negócio ElectrónicoEstudo de Casos de Boas Práticas de Negócio Electrónico
Estudo de Casos de Boas Práticas de Negócio Electrónico
 
"Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n...
"Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n..."Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n...
"Da Inteligência Estratégica ao Insight Management" artigo @newsletter ccfb n...
 
A importancia da internet no comercio
A importancia da internet no comercioA importancia da internet no comercio
A importancia da internet no comercio
 
Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para FuturecomEncarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom
 
TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020
TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020
TrendsBook: Tendências de Marketing para 2020
 
Revista Cisco Live 11 ed
Revista Cisco Live 11 edRevista Cisco Live 11 ed
Revista Cisco Live 11 ed
 
[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019
[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019
[Pocket Content] Report - Tendências de Inovação para Negócios 2019
 
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por BertagliaTecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
Tecnologia da Informação Aplicada a Logistica por Bertaglia
 
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply ChainBertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
Bertaglia_Tecnologia Aplicada ao Supply Chain
 

Mais de AEP | INTERNACIONAL

A Internacionalização e a Recuperação de Portugal
A Internacionalização e a Recuperação de PortugalA Internacionalização e a Recuperação de Portugal
A Internacionalização e a Recuperação de PortugalAEP | INTERNACIONAL
 
Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)
Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)
Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)AEP | INTERNACIONAL
 
Cronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino Unido
Cronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino UnidoCronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino Unido
Cronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino UnidoAEP | INTERNACIONAL
 
Especial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHA
Especial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHAEspecial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHA
Especial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHAAEP | INTERNACIONAL
 
Croácia - Diagnóstico de Mercado
Croácia - Diagnóstico de MercadoCroácia - Diagnóstico de Mercado
Croácia - Diagnóstico de MercadoAEP | INTERNACIONAL
 
MISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionais
MISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionaisMISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionais
MISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionaisAEP | INTERNACIONAL
 
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAlemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAEP | INTERNACIONAL
 
ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!
ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!
ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!AEP | INTERNACIONAL
 
Next Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e China
Next Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e ChinaNext Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e China
Next Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e ChinaAEP | INTERNACIONAL
 
BREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino Unido
BREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino UnidoBREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino Unido
BREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino UnidoAEP | INTERNACIONAL
 
201109 l373 - ia boeing rebalancing us
201109   l373 - ia boeing rebalancing us201109   l373 - ia boeing rebalancing us
201109 l373 - ia boeing rebalancing usAEP | INTERNACIONAL
 
Mercado Alvo - Argélia, Egito, Marrocos
Mercado Alvo - Argélia, Egito, MarrocosMercado Alvo - Argélia, Egito, Marrocos
Mercado Alvo - Argélia, Egito, MarrocosAEP | INTERNACIONAL
 
TARGET MARKET - Espanha, Bélgica, Roménia
TARGET MARKET - Espanha, Bélgica, RoméniaTARGET MARKET - Espanha, Bélgica, Roménia
TARGET MARKET - Espanha, Bélgica, RoméniaAEP | INTERNACIONAL
 
Diagnóstico Flash_ Mercado China
Diagnóstico Flash_ Mercado ChinaDiagnóstico Flash_ Mercado China
Diagnóstico Flash_ Mercado ChinaAEP | INTERNACIONAL
 
As janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aep
As janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aepAs janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aep
As janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aepAEP | INTERNACIONAL
 
Mais fortes e preparados para novos desafios
Mais fortes e preparados para novos desafiosMais fortes e preparados para novos desafios
Mais fortes e preparados para novos desafiosAEP | INTERNACIONAL
 
Mercado-Alvo: Chile, Colômbia e Peru
Mercado-Alvo: Chile, Colômbia e PeruMercado-Alvo: Chile, Colômbia e Peru
Mercado-Alvo: Chile, Colômbia e PeruAEP | INTERNACIONAL
 
Países Nórdicos - Diagnóstico Flash
Países Nórdicos - Diagnóstico FlashPaíses Nórdicos - Diagnóstico Flash
Países Nórdicos - Diagnóstico FlashAEP | INTERNACIONAL
 

Mais de AEP | INTERNACIONAL (20)

A Internacionalização e a Recuperação de Portugal
A Internacionalização e a Recuperação de PortugalA Internacionalização e a Recuperação de Portugal
A Internacionalização e a Recuperação de Portugal
 
Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)
Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)
Cologistics - 𝐋𝐚𝐧ç𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐝𝐨 𝐂𝐨𝐋𝐨𝐠𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐬 𝐁𝐮𝐬𝐢𝐧𝐞𝐬𝐬 𝐀𝐜𝐜𝐞𝐥𝐞𝐫𝐚𝐭𝐨𝐫 (𝐂𝐁𝐀)
 
Mercado China EUA e RÚSSIA
Mercado China EUA e RÚSSIAMercado China EUA e RÚSSIA
Mercado China EUA e RÚSSIA
 
Cronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino Unido
Cronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino UnidoCronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino Unido
Cronograma das medidas SPS a aplicar pelo Reino Unido
 
Especial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHA
Especial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHAEspecial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHA
Especial Mercados da ESPANHA, FRANÇA e ALEMANHA
 
Croácia - Diagnóstico de Mercado
Croácia - Diagnóstico de MercadoCroácia - Diagnóstico de Mercado
Croácia - Diagnóstico de Mercado
 
Lançamentos e Atividades AEP
Lançamentos e Atividades AEPLançamentos e Atividades AEP
Lançamentos e Atividades AEP
 
MISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionais
MISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionaisMISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionais
MISSÕES VIRTUAIS - mas muito reais para as PME nacionais
 
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAlemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
 
ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!
ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!
ESPECIAL: Economia da Defesa e a Internacionalização!
 
Next Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e China
Next Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e ChinaNext Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e China
Next Challenge Asia: Projeto com mira no Japão, Coreia do Sul e China
 
BREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino Unido
BREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino UnidoBREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino Unido
BREXIT: o que muda nas relações comerciais entre a UE e o Reino Unido
 
201109 l373 - ia boeing rebalancing us
201109   l373 - ia boeing rebalancing us201109   l373 - ia boeing rebalancing us
201109 l373 - ia boeing rebalancing us
 
Mercado Alvo - Argélia, Egito, Marrocos
Mercado Alvo - Argélia, Egito, MarrocosMercado Alvo - Argélia, Egito, Marrocos
Mercado Alvo - Argélia, Egito, Marrocos
 
TARGET MARKET - Espanha, Bélgica, Roménia
TARGET MARKET - Espanha, Bélgica, RoméniaTARGET MARKET - Espanha, Bélgica, Roménia
TARGET MARKET - Espanha, Bélgica, Roménia
 
Diagnóstico Flash_ Mercado China
Diagnóstico Flash_ Mercado ChinaDiagnóstico Flash_ Mercado China
Diagnóstico Flash_ Mercado China
 
As janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aep
As janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aepAs janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aep
As janelas de luz que se abrirão e o cromossoma da aep
 
Mais fortes e preparados para novos desafios
Mais fortes e preparados para novos desafiosMais fortes e preparados para novos desafios
Mais fortes e preparados para novos desafios
 
Mercado-Alvo: Chile, Colômbia e Peru
Mercado-Alvo: Chile, Colômbia e PeruMercado-Alvo: Chile, Colômbia e Peru
Mercado-Alvo: Chile, Colômbia e Peru
 
Países Nórdicos - Diagnóstico Flash
Países Nórdicos - Diagnóstico FlashPaíses Nórdicos - Diagnóstico Flash
Países Nórdicos - Diagnóstico Flash
 

Último

Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Henry Quaresma
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024DL assessoria 31
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 30
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024Dl assessoria S3
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...DL assessoria 31
 
apresentação............................
apresentação............................apresentação............................
apresentação............................Judite Silva
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...Dl assessoria S3
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024Dl assessoria S3
 
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024DassessoriaAa
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...DL assessoria 29
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...Raislane Santos
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...mariaclarinhaa2723
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...dl assessoria9
 
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brBolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brPatriciagomes889620
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024AssessoriaDl1
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...dl assessoria9
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...sdl192405
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024DL assessoria 27
 

Último (20)

Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
Comércio Exterior de Santa Catarina em 2023
 
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
MAPA - BEDU - MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA - 51/2024
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - TEORIA E PRÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - 51/2024
 
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
Entender e compreender as teorias que embasaram e ainda embasam as tendências...
 
apresentação............................
apresentação............................apresentação............................
apresentação............................
 
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
ATIVIDADE 1 - MKT - GESTÃO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - 51/2024ESTÃO DE CANAIS...
 
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - HISTÓRIA DA AMÉRICA - 51/2024
 
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
MAPA – SAUDE - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51/2024
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
CONTRIBUIÇÕES DA CONSULTORIA EMPRESARIAL NA REDUÇÃO DAS FALHAS DE CONHECIMENT...
 
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
As plataformas digitais, como o Book Creator e o Canva, abrem novas possibili...
 
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
Em nossa disciplina Prática Pedagógica: Saberes Digitais, estamos imersos em ...
 
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.brBolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
Bolsa de Valores Simples - www.bolsadevaloressimples.com.br
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
O ATP (Adenosina Tri-fosfato) é descrito como uma “moeda energética”, por ser...
 
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
MAPA - DIDÁTICA - 51/2024MAPA - DIDÁTICA - 51/2024
 

Digitalização tem de contaminar toda a cadeia de valor

  • 1. 10Portugal Business on the Way Ever since the term Industry 4.0 was (re)launched in 2011, at the HannoverMesse fair in Germany, the expression has entered the vocabulary of businessmen and policy makers, as well as the general population. Normally, “4.0” is associated to the manufacturing and productive dimension of a company, aggregating and con- solidating a series of interconnected digital technologies, from robotics to automation, including the Internet of Things (IoT), big data, artificial intelligence and 3D print- ing – in a convergence of technological possibilities which promotes the fusion of cyber-physical systems, significant- ly improving efficiency, as well as industrial productivity and corporate competition. However, it would be very narrow to keep Industry 4.0 restricted to the factory. Or to the warehouse. Or even to supply. Digitalisation has to be a 360º concept, it has to go from conception/design to post-sale service. In this regard, the digitalisation of small and medium sized com- panies, given their smaller size and financial, human and technological resources, is a big challenge. Especially for Portugal, a country where 99.7% of companies are small or medium sized. However, and from a positive perspec- tive, companies are indeed adopting 4.0 technology, or at least taking an interest in them; they are not showing much resistance to change. From the larger corporations to micro-companies, they have grasped that the future lies in digitalisation. If this much is true within the factories or the ware- houses, it does not yet fully apply to trade and exports, which is why the subject of this edition of BOW magazine, Exports 4.0, is so appropriate. For several reasons, we are at the back of the European pack in terms of e-commerce (and, in this respect, the most important dimension of it, which is international); Desde que em 2011 na Feira de Hannover – Hannover- Messe, na Alemanha, foi (re)lançado o termo Indústria 4.0, que esta expressão entrou no léxico dos empresários, dos decisores de política pública, e mesmo da população em geral. Normalmente, o “4.0” é associado à dimensão fabril e produtiva da empresa: agregando e consolidando um conjunto de tecnologias digitais conectadas que vão des- de a robótica até à automação, passando pela Internet das Coisas (IoT), big data, inteligência artificial, impressão 3D – numa convergência de possibilidades tecnológicas que promove a fusão de sistemas ciberfísicos, melhorando sig- nificativamente a eficiência e, bem assim, a produtividade industrial e a competitividade das empresas. No entanto, seria redutor encerrar a Indústria 4.0 na fábrica. Ou no armazém. Ou do lado da oferta. Digita- lização tem de ser um conceito 360º, tem de ir desde a conceção/design até ao serviço pós venda. Neste âmbito, a digitalização das PME, pela sua menor dimensão e recur- sos (financeiros, humanos e tecnológicos) mais reduzidos, é o grande desafio. Sobretudo para Portugal, um país onde 99,7% do número de empresas são PME. Contudo, e de forma muito positiva, as empresas estão a acolher as tec- nologias 4.0 ou pelo menos a interessar-se por elas; não exibem grande resistência à mudança. Das grandes cor- porações às microempresas, percebem que o futuro passa pela digitalização. Se tal é verdade dentro das fábricas ou dos armazéns, não é ainda tão verdade quando o produto deles sai – no comércio, na exportação. Daí que o mote desta edição da revista BOW (Exportação 4.0) seja totalmente apropriado. Por diversas razões, estamos na cauda da Europa em termos de comércio eletrónico (e, neste, a vertente que mais interessa é a internacional); e a Europa está bem atrás Ana Teresa Lehmann Professora Universitária University Professor Foto:DR Digitalização tem de contaminar toda a cadeia de valor Digitalisation has to penetrate the entire value chain
  • 2. 11 Portugal Business on the Way comparando, por exemplo, com os Estados Unidos. Em Portugal, temos uma relação bipolar com as tecnologias digitais: se lideramos o uso de internet para aceder às re- des sociais (86% dos consumidores face à média europeia de 57%), no âmbito do recurso ao digital para fazer com- pras estamos entre os três últimos da UE. Estima-se que 17% das empresas tenham presença (em geral incipiente) no comércio eletrónico. Não podemos desperdiçar a opor- tunidade de digitalizar o comércio. Porque abre mercado e reduz custos e riscos. Mas implica uma transição que nem sempre é fácil. Por outro lado, digitalização é um desafio que não se es- gota no lado da oferta: se é evidente que, por via das tecno- logias, da melhoria da capacidade produtiva, da eficiência, é intrinsecamente ligada à oferta, também e cada vez mais é um fenómeno definidor para a procura. Hoje em dia, o consumidor também se digitalizou; gosta de fazer as suas compras do conforto de casa, do seu smartphone ou tablet – onde quer que esteja, e de forma imediata. Mais, o novo consumidor não se limita a ser um comprador do que já existe; quer participar, quer desenhar, quer personalizar, quer co-criar. Daí que a interface empresa-consumidor (o lado da procura) terá de ser também digital. Naturalmen- te, este facto não retira importância, em alguns casos, ao contacto humano e à existência de lojas físicas – mas reduz a sua necessidade. A digitalização da cadeia de valor, e em particular a utilização de plataformas de comércio eletrónico em subs- tituição de lojas físicas, mormente na exportação, tem uma consequência muito clara, que as empresas podem e devem explorar em proveito próprio: permitem poupar muito em investimento, aliviando a estrutura, quer em termos de custos fixos, quer variáveis. Permitem que uma microempresa sem grandes recursos e sem capital para se internacionalizar através de investimento direto estrangei- ro (IDE) possa exportar através de um website ou de uma plataforma online. Possa ser uma born global. Naturalmente, a mudança do comércio físico para o co- mércio eletrónico não é isenta de riscos e fricções; pode ser difícil e arriscado. Levanta questões próprias que têm de ser ultrapassadas. Mas é uma necessidade, porque o consumidor contem- porâneo cada vez menos irá às lojas físicas: estas tornar- se-ão locais de teste, de estudo, continuarão a existir mas muito menos. E até nestas lojas “analógicas” o digital en- trará cada vez mais em força, no apoio à identificação de peças, na personalização, na gestão dos stocks, nos arma- zéns, nas montras digitais, nas simulações e nas experiên- cias que terão de ser disponibilizadas ao consumidor nas lojas do futuro. Se isto é verdade no comércio local, mais pronunciada será a tendência na exportação, fazendo que esta seja cada vez mais 4.0. and Europe itself is still far behind the United States, for instance. Portugal has somewhat of a bipolar relationship with digital technology: we are leaders in the use of inter- net to access social media (86% of consumers, compared to a European average of 57%), but in terms of using it for shopping we are among the bottom three countries of the European Union. The estimate is that 17% of companies have a (generally still budding) presence in e-commerce. We cannot waste the opportunity to digitalise trade, since it opens up the market and reduces costs and risks. But it does imply a transition which is not always easy to accom- plish. On the other hand, digitalisation is a challenge which goes beyond supply: obviously it is intrinsically connected to supply, due to the technology, improvement in produc- tivity and efficiency, but it is also an increasingly defining feature for demand. Nowadays, the consumer has become digitalised as well, he likes to shop from the comfort of his home, using his smartphone or tablet – wherever he is, whenever he wants. Furthermore, the consumer is not content to buy what already exists, he wants to design, customise and co-create. That is why the company-con- sumer interface – on the side of demand – will have to be digital as well. Naturally, this does not make human con- tact and the existence of physical spaces less important, it just makes them less necessary. Digitalisation of the value chain, and especially the use of e-commerce platforms instead of physical shops, espe- cially for exporting, has a very clear consequence, which companies can, and should, take advantage of: it allows for savings in investment, relieving the structure, both in terms of fixed and of variable costs. It also allows a mi- cro-company with fewer resources, and unable to resort to direct foreign investment (IDE) to internationalise and to export, using an online platform or website, and to go global. Naturally, there are also risks and frictions involved in switching from physical commerce to e-commerce, it can be difficult and risky, and it raises questions that must be dealt with. But it is a necessity, because the trend is for the con- sumer to visit shops less and less, and for these to become testing and survey grounds, which will continue to exist, but in smaller numbers. And even these “analogical” shops will be increasingly digitalised, with technology used to identify parts, customise, manage stock and warehouses, digital displays, simulations and experiences which will be made available to shoppers in future stores. And if this is true for local trade, then it will be even more so for trends in exports, making this an increasingly 4.0 reality.