O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom

604 visualizações

Publicada em

Cidades inteligentes com sabor nacional

Segundo a consultoria de pesquisas ABI Research, US$ 39,5 bilhões devem ser gastos com tecnologias ligadas à implantação de cidades inteligentes em 2016. Do transporte coletivo a centros de compras, a previsão é de grande potencial de transformação da vida urbana, algo que está mais próximo do que imaginamos.
As possibilidades de aplicação do conceito smart city são muitas, diz Nina Lualdi, Diretora Sênior de Estratégia e Planejamento da Cisco Brasil. Porém,ainda é pouco usual a relação de áreas estratégicas para o Brasil, como saúde, educação e segurança pública, com o termo smart city. “A tendência é lembrarmos mais de estacionamentos inteligentes, iluminação pública, trânsito, etc.”, comenta.
Extrapolando as mudanças, a executiva da Cisco afirma que os governos podem promover a inclusão do cidadão, a partir de uma administração participativa, utilizando a conectividade. “É possível fazer a gestão e o planejamento de uma cidade, com base na opinião e necessidade do cidadão avaliada em tempo real”, indica.

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Encarte Especial Revista Cisco Live para Futurecom

  1. 1. > 1º semestre 2013 | edição 10 VOZ DO CLIENTE NET expande serviço NOW e instala hotspots em ruas de grande circulação Bancos adot colaboração futfutfutfutfut dododo Aagênc CAPA_CISCO LIVE#10_FINAL.indd 1 > 1º semestre 2013 | edição 10 LIDERANÇA Rodrigo Dienstmann assumepresidência daCiscodoBrasil VOZ DO CLIENTE NETexpandeserviço NOWeinstala hotspotsemruasde grandecirculação INOVAÇÃO Novas tecnologias revolucionam sala de aula ; Colégio Porto Seguro adere ao WiFi Bancos adotam ferramentas de colaboração e personalizam atendimento futurofuturofuturofuturofuturo dododo Aagência CAPA_CISCO LIVE#10_FINAL.indd 1 24/05/2013 22:47:04 > 1º semestre 2013 | edição 10 LIDERANÇA Rodrigo Dienstmann assumepresidência daCiscodoBrasil VOZ DO CLIENTE NETexpandeserviço NOWeinstala hotspotsemruasde grandecirculação INOVAÇÃO Novas tecnologias revolucionam sala de aula ; Colégio Porto Seguro adere ao WiFi Bancos adotam ferramentas de colaboração e personalizam atendimento futurofuturofuturofuturofuturo dododo Aagência CAPA_CISCO LIVE#10_FINAL.indd 1 24/05/2013 22:47:04 > ESPECIAL FUTURECOM Utilizando microsensores em rede, todos os dias objetos serão conectados e ganharão inteligência. Hoje, mais de 99% das “coisas” no mundo não estão conectadas à Internet. Mas um fenômeno chamado “The Internet of Everything” irá conectar tudo que você possa imaginar. Em 2020, 37 bilhões de “coisas” inteligentes estarão conectadas à Internet. A Internet de Todas as Coisas conecta o mundo físico à Internet. INTERNET DE TODAS AS COISAS: UMA REVOLUÇÃO SOCIAL E DOS NEGÓCIOS Setor público, empresas e pessoas podem se beneficiar da conectividade de tudo e de todos Mesmo ainda sem a conexão de todas as coisas à internet, já é possível identificar inúmeras mudanças no comportamento social, e dos negócios, a partir da expansão da internet e, principalmente, da conectividade sem fio. Quem imaginaria, há cerca de cinco anos, que a forma como solicitamos um serviço de táxi hoje, por um app no smartphone, seria diferente do ato de discar um número telefônico, passar as coordenadas de localização e aguardar o carro previamente identificado? Este exemplo dos apps dos táxis não apenas mudou o comportamento dos usuários como afetou os negócios de taxistas e cooperativas. Está em curso a Internet de Todas as Coisas (IoE), uma nova referência social e dos negócios que, segundo levantamento feito pela Cisco, gera US$ 19 trilhões em oportunidades de negócios nos setores público e privado, sendo US$ 14,4 trilhões potenciais para o setor privado e US$ 4,6 trilhões em ganhos de receita ou redução de custos para o setor público. No limite da criatividade, a Internet de Todas as Coisas é apontada como a nova revolução nos negócios, assim como foi a revolução industrial e a era da informação no final dos anos de 1900. Aliás, estudos indicam que a velocidade de adoção da tecnologia chega ser 5 vezes mais rápida do que outras evoluções industriais, como a eletricidade e a telefonia. À medida que as “coisas” adicionam recursos como sensibilidade, maior capacidade de processamento e independência energética, pessoas e informações estiverem conectadas, estará estabelecida a Internet of Everything (IoE), onde as coisas que estavam em silêncio passam a ter voz a partir de sensores que as conectam à internet. Assim, entende-se IoE como a capacidade de reunir pessoas, processos, dados e coisas conectadas Encarte_Cisco.indd 1 29/10/2014 10:11:44
  2. 2. As empresas que se anteciparem ao fenômeno IoE serão mais produtivas, aperfeiçoarão processos e, por consequência, terão lucratividade maior, porque vão capturar esta eficiência antes dos concorrentes Amri Tarsis, Diretor de Vendas - IoT/IoE para América Latina em rede, para transformar informação em ações que criam novas capacidades, experiências mais ricas e oportunidade econômica para empresas, indivíduos e países. Inteligência De que forma? “IoE se torna não apenas uma revolução no mundo de TI, mas uma das esperanças-chave de evolução global”, diz Nina Lualdi, Diretora Sênior de Estratégia e Planejamento da Cisco Brasil. “É uma oportunidade para as empresas de todas as verticais, criada a partir da necessidade de fazer com que os cidadãos possam ter acesso a uma alta qualidade de vida através de um gerenciamento eficiente dos recursos”, completa. Duas questões são importantes em IoE, de acordo com Nina Lualdi: primeiro é que a conectividade irrestrita irá “revolucionar o jeito como conduzimos as nossas vidas”; e segundo é que IoE não é apenas uma oportunidade de crescimento para empresas de tecnologia, “é uma oportunidade imensa para todas as empresas, independente da indústria, porque vai permitir a criação de novos negócios, produtos e serviços, além de aperfeiçoar aquilo que já existe”, diz. Amri Tarsis, Diretor de Vendas – IoT/IoE para América Latina, arremata: “as empresas que se anteciparem ao fenômeno IoE serão mais produtivas, aperfeiçoarão processos e, por consequência, terão lucratividade maior, porque vão capturar esta eficiência antes dos concorrentes”. Cidades inteligentes com sabor nacional Segundo a consultoria de pesquisas ABI Research, US$ 39,5 bilhões devem ser gastos com tecnologias ligadas à implantação de cidades inteligentes em 2016. Do transporte coletivo a centros de compras, a previsão é de grande potencial de transformação da vida urbana, algo que está mais próximo do que imaginamos, segundo a Cisco. As possibilidades de aplicação do conceito smart city são muitas, diz Nina Lualdi, Diretora Sênior de Estratégia e Planejamento da Cisco Brasil. Porém, ainda é pouco usual a relação de áreas estratégicas para o Brasil, como saúde, educação e segurança pública, com o termo smart city. “A tendência é lembrarmos mais de estacionamentos inteligentes, iluminação pública, trânsito, etc.”, comenta. Extrapolando as mudanças, a executiva da Cisco afirma que os governos podem promover a inclusão do cidadão, a partir de uma administração participativa, utilizando a conectividade. “É possível fazer a gestão e o planejamento de uma cidade, com base na opinião e necessidade do cidadão avaliada em tempo real”, indica. IoE não é apenas uma revolução no mundo da TI. É uma oportunidade que vai revolucionar o jeito como conduzimos as nossas vidas Nina Lualdi, Diretora Sênior de Estratégia e Planejamento da Cisco Brasil Encarte_Cisco.indd 2 29/10/2014 10:12:01

×