Decision Report 25

245 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
245
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Decision Report 25

  1. 1. Negócios & TIC – Tecnologia da Informação e Comunicação encarte especiaL Congresso TI&Varejo: Tecnologia está na moda Joaquim Garcia, diretor de TI da Livraria Cultura ano VII – número 25 Celular: o novo amigo do consumidor Smartphones abrem um leque de oportunidades para o Varejo expandir o atendimento multicanal Internet das Coisas: A era dos aparelhos inteligentes começou
  2. 2. A TI está na moda no setor varejista. Se antes o segmento era apontado como pouco afeito a investir em solu- ções avançadas, agora o cenário é outro. O setor está em plena temporada de avaliação e busca de novos produtos e serviços. Isso por conta de três fortes movimentos: o e-commerce, a mobilidade e o showrooming. O fenômeno do varejo virtual é o mais avançado e vem ditando as regras do varejo tradicional, forçando a renovação dos ambien- tes tecnológicos na busca de soluções mais arrojadas. O uso da mobilidade, principalmente pelos consumidores, também está levando os lojistas a rever seus modelos de atendimento e investir na multicanalidade. O showrroming é o terceiro e mais recente fenômeno e consequência dos dois primeiros. No momento em que o consumidor dispõe de novos canais de consulta e compra, a loja física deixa de ser necessariamente um local de venda e torna-se muito mais um ambiente de con- veniência e contato com o produto. Nessa hora, contam ponto o atendimento diferenciado, a consultoria e o prazer e não obrigatoriamente a venda pura e simples. O efeito colateral do showrooming, e o mais ameaçador, são as facilidades da consulta e venda online, que podem levar o cliente até a loja física não necessariamente para efetivar uma compra, mas apenas para ter contato com o produto. Nessa hora, vale a capacidade de fisgar o cliente, o que pode ser feito pelo próprio concorrente. Empresas como Amazon, por exemplo, já têm utilizado o recurso para garimpar consumidores dentro da loja física do con- corrente. E a tecnologia tem sido fundamental para isso. Para atingir esse nível de atendimento, entra em cena um arsenal de soluções que vão desde sistemas de inteligência analítica até tecnologias de rastreamento e identificação, via dispositivos móveis e redes sociais. Diante dessa perspectiva, o varejo que não acompanhar a demanda desse novo consumidor, conectado e mais exigente, pode perder o cliente dentro ou fora de sua loja. Como reagir a essa solicitação está movimentando o setor e levando os varejis- tas a avaliar opções de acordo com o segmento em que atuam e o porte do negócio. No mês de maio, a Decision Report reuniu CIOs e executivos de diversas áreas para discutir esses e outros temas durante o Congresso e Exposição TI & Varejo. O resultado das discussões você acompanha nesta edição de cobertura. Vale a pena conferir como o setor está enxergando a nova fronteira e constatar que o varejo se tornará, em pouco tempo, a melhor vitrine do que existe de mais avançado em termos de tecnologia da informação. Boa leitura! Graça Sermoud v i s ã o Um banho de loja Direção e edição geral Graça Sermoud gsermoud@conteudoeditorial.com.br Reportagem Léia Machado lmachado@conteudoeditorial.com.br Rodrigo Aron raron@conteudoeditorial.com.br Design Rafael Lisboa Fotografia Izilda França Max Nogueira Direção de Marketing Sergio Sermoud ssermoud@conteudoeditorial.com.br EXECUTIVOs DE CONTAs Catarina Fernandes cfernandes@conteudoeditorial.com.br Marcos Carvalho mcarvalho@conteudoeditorial.com.br EXECUTIVO DE CONTAs RJ Caio Sermoud csermoud@conteudoeditorial.com.br Coordenadores de eventos Nathália Bresciani nbresciani@conteudoeditorial.com.br Eduardo Souza esouza@conteudoeditorial.com.br GERENTE adm. financeiro Laura Raucci lraucci@conteudoeditorial.com.br w w w . d e c i s i o n r e p o r t. c o m . b r julho/agosto 2013 CONTEUDO EDITORIAL CONTEUDO EDITORIAL CONTEUDO EDITORIALConteúdo Editorial Av. Ibirapuera, 2.907 - Cj. 1.118 Moema - 04029-200 - São Paulo SP Tel/Fax: 11-5049-0202 www.conteudoeditorial.com.br A revista Decision Report é uma publi- cação da Conteúdo Editorial, uma em- presa de produtos e serviços editoriais na área de Tecnologia da Informação e Comunicação. A área de Produtos é res- ponsável pela publicação da Decision Report e da Risk Report em versões impressa e on-line e as newsletters De- cisionReportDailyeRiskReportWeekly. EssaáreatambémrespondepelaTVDe- cision e pelos eventos Decision Report Meeting e Decison Report Analysis. Na área de Serviços, a empresa oferece conteúdos sob demanda como revistas customizadas, websites, webTV, news- letters, e-learning, manuais, relatórios e pesquisas.MaissobreaConteúdoEdito- rial em www.conteudoeditorial.com.br FALE CONOSCO: (11) 5049.0202 Acesse os websites das revistas Decision Report www.decisionreport.com.br e Risk Report www.riskreport.com.br. Assine GRÁTIS as newsletters Decision Report Daily e Risk Report Weekly em www.decisionreport.com.br Acompanhe a programação de debates e eventos da TV Decision: Decision Report Meeting e Decision Report Analysis Anuncie na Decision Report e na Risk Report e fale com quem toma decisão. Ligue (011) 5049.0202 e procure nosso departamento Comercial. ••• Assine Decision Report e receba a cada bimestre a melhor cobertura de Negócios e TIC do mercado brasileiro. Ligue (011) 5049.0202 e fale com o nosso Departamento de Assinaturas d e c i s i o n r e p o r t 3
  3. 3. 4 d e c i s i o n r e p o r t V ER T ICA l > VAREJO 22 DESAFIO: Como o Varejo pode explorar o uso dos dispositivos móveis? 26 SOLUÇÃO: E-commerce e M-commerce 28 VALOR: Cases Livraria Cultura e Polishop T E N D Ê N CIAS Internet das coisas 30 A era dos aparelhos inteligentes começou PA N ORAMA 06 Congresso e Exposição TIVarejo Cobertura completa dos painéis de debate e das duas apresentações no formato talk show PA N ORAMA I N T ER N ACIO N AL 10 CA World 2013 Cobertura internacional do evento anual da CA Technologies22 Joaquim Garcia, diretor de TI da Livraria Cultura 29 Felipe Brasil, diretor de E-commerce da Polishop 06 Congresso e Exposição TIVarejo r i s k r e p o r t OVERVIEW 36 BYOD 37 Big data FOCUS 38 SEGURANÇA INTEGRADA: Especialistas traçam o papel da proteção corporativa diante do cenário de ciberataque 40 MAINFRAME: Painel de debates aponta as vulnerabilidades e os riscos que cercam os ambientes de grande porte
  4. 4. Software (SaaS) | Tecnologia | Serviços www.totvs.com /totvs 0800 70 98 100 Confie as informações do seu negócio a um parceiro inovador, ágil e seguro. Varejo que inova vende mais e se diferencia com a TOTVS. A TOTVS é uma das maiores empresas de tecnologia do mundo porque desenvolve soluções integradas para todos os tamanhos de negócios. São serviços, software, infraestrutura e tecnologia para você integrar todo o caminho desde o ponto de venda até a retaguarda. É mais inovação no seu dia a dia e agilidade no atendimento aos clientes. Novos desafios pedem novas soluções. Ligue e agende uma visita com os nossos consultores.
  5. 5. p a n o r a m a n a c i o n a l 6 d e c i s i o n r e p o r t zendo cerca de 14 horas de transmissão. A plateia virtual participou ativamente do TIVarejo, não só acompanhando os painéis de debate e cases de sucesso, mas enviando perguntas, comentários e sugestões. Os nove painéis trouxeram ao palco do evento mais de cinquenta executivos para debater sobre os desafios de negócios e as tendências em soluções e serviços de Tec- nologia da Informação no Varejo. A moderação ficou por conta da diretora editorial das revistas Decision Report e Risk Report, Graça Sermoud. Tecnologias como cloud computing, big data, redes sociais, mobilidade e soluções analíticas ficaram em evi- dência durante os dois dias de Congresso. Além disso, tendências como integração de plataformas de TI, sho- wrooming, atendimento multicanal e TI para pequenos e Nos dias 5 e 6 de junho de 2013 a Fecomercio, em São Paulo, foi palco da segunda edição do Congresso e Exposição TIVarejo. Com objetivo de fomentar uma ampla discussão, o evento contou com nove painéis de debate, cinco apresentações de case de sucesso e duas apresenta- ções no formato talk show. A segunda edição do Congresso TIVarejo reuniu executivos do setor varejista, tanto da área de Tecnologia da Informação como de e-commerce e de negócios, além de consultores e analistas de mercado, para debater os desafios de negócios e destacar as tendências em soluções e serviços aplicados aos cenários empresariais. Os dois dias de Congresso e Exposição receberam um público presencial de 400 participantes, enquanto a plateia online manteve uma audiência total em torno de 800 exe- cutivos. A TVDecision transmitiu o evento ao vivo, perfa- TIVarejo se consolida como maior evento de tecnologia para o Varejo brasileiro A segunda edição do Congresso e Exposição TIVarejo reuniu 1200 pessoas, entre público presencial e online, para debater os desafios de TI no setor
  6. 6. p a n o r a m a n a c i o n a l d e c i s i o n r e p o r t 7 médios varejistas também permearam as discussões de todos os especialistas do Varejo brasileiro. O Congresso e Exposição TIVarejo contou com a pre- sença de líderes de empresas como Martins, Nova Ponto- com, Dpaschoal, Makro Atacadista, Cherry Plus, AFRAC, Leroy Merlin, Livraria Cultura, Fnac Brasil, Dafiti, Ultrafar- ma, Dellavia Pneus, Iguatemi Shopping Centers, Gimba, Supermercados ABC, Cambui e Futurama Supermercados. Executivos da Renner, Riachuelo, Brasil Kirin, BRHomecen- ters, Fashion.me, Lojas Marisa, Drogaria São Paulo e Droga- rias Pacheco, Decathlon, Sonda Supermercados e Buscapé Company também participaram do evento. Do lado dos fornecedores, CA Technologies, Level 3, McAfee, 3CON, SACS Tecnologia, TOTVS, UOLDIVEO, Edicom, Symantec/DSR9, Kony, Altitude Software, Engine- ering/Coach IT, Hughes, IPCorp 91, TalkTelecom, Zanthus e NL Suporte estiveram presentes não só como patrocinado- res do evento, mas participaram nas discussões sobre o ce- nário da tecnologia implementada no segmento de Varejo. O Congresso e Exposição TIVarejo 2013 também contou com apoio institucional da AbCOMM, Assespro, Associação Comercial de São Paulo, E-commerce School, ESPM, Fecomercio, IBEVAR, IDC, SPCVB-São Paulo Con- vention Visitors Bureau e IDC. z
  7. 7. p a n o r a m a n a c i o n a l 8 d e c i s i o n r e p o r t mentar o que compram. A tendência para os próximos anos é a integração das lojas físicas e virtuais e o papel da TI é fundamental nesse processo”, acrescenta. No talk show do segundo dia de Congresso, os exe- cutivos discutiram os desafios do setor na adaptação a novos conceitos, como a mobilidade, que já faz parte do cotidiano do brasileiro, e showrooming, um novo conceito aplicado ao Varejo. “Cada vez mais os consumidores vão às lojas físicas porque querem, não porque precisam. Nesse novo ambiente, muitas vezes eles não querem necessariamente levar o produto naquele momento, mas apenas manuseá-lo e testá-lo”, afirma Eduardo Terra, vice-presidente do IBEVAR. Nesse cenário, Terra levantou uma questão que precisa ser necessariamente avaliada pelos varejistas em suas es- tratégias de showrooming. “Hoje, os custos operacionais de uma loja física são remunerados pelas vendas. No momento em que as vendas deixam de ser o foco principal daquele canal, como varejista vai fechar essa equação?”, ressaltou. A adoção de soluções de mobile commerce e de tecnolo- gias móveis, tanto na mão das forças de vendas e na reta- guarda, como para aprimorar a experiência de compra dos “Atualmente, o maior desafio dos varejistas é utilizar a Tecnologia da Informação de maneira simples e eficiente”, Ney Santos,VPLogistic,ITandSharedServicesCenter Poder de decisão nas mãos do consumidor Durante o Congresso TIVarejo, os especialistas debateram os desafios do setor e tendências tecnológi- cas que podem auxiliar o varejista a aumentar a automa- ção como mobilidade, redes sociais, atendimento multi- canal, integração de plataformas de TI, cloud computing e big data. Neste cenário, a TI entra como o diferencial para as companhias proporcionarem melhores meios de contato com os clientes. “Atualmente, o maior desafio dos varejistas é utilizar a Tecnologia da Informação de maneira simples e eficiente”, afirma Ney Santos, VP Logistic, IT and Shared Services Center durante o talk show de abertura. Para ele, a tecno- logia já está presente no cotidiano dos clientes e dos co- merciantes, mas ainda é muito difícil colocar em prática as aplicações e demais soluções de TI em favor das vendas. De acordo com Flávio Martins, diretor de TI da Martins Comércio e Serviços de Distribuição, a tecnologia precisa ser aliada do Varejo, simplificando processos de compras e aprimorando a experiência dos consumidores. “Os clientes são volúveis, exigentes e infiéis. As empresas varejistas precisam focar no atendimento e na disponibilidade de ser- viços em todos os canais utilizados na comunicação com os consumidores”, aponta o executivo. Entre as maiores inovações destacadas, mobilidade e atendimento multicanal representam os maiores desafios e oportunidades ao setor. “A tendência para o futuro é presenciarmos lojas menores com alta disponibilidade de serviços”, revela Ney Santos. De fato, as grandes redes va- rejistas estão adaptando as lojas físicas para modelos mais integrados, preparados para atender, de forma dinâmica, o consumidor conectado e exigente. “Bases de informação unificada, que permitem agilidade e assertividade em promoções e relacionamentos direcio- nados ainda não são realidade no Brasil. Mas acredito que em breve estaremos diante de modelos de atendimento e conclusão de processos de compras nunca antes imagina- dos”, completa Santos. “Mesmo diante do avanço do comércio eletrônico no País, os consumidores ainda querem sentir, ver e experi-
  8. 8. http://www.trescon.com.br sales@trescon.com.br Rua Jundiaí, 50 | Térreo, Paraíso São Paulo - SP (11) 3509-1900 A 3CON tem a solução perfeita para trazer sua empresa para a era da mobilidade Sua empresa não precisa fazer malabarismos
  9. 9. p a n o r a m a n a c i o n a l 1 0 d e c i s i o n r e p o r t consumidores, foram outros aspectos citados. Nessa dire- ção, a Livraria Cultura iniciou em fevereiro um projeto piloto em sua loja no Recife, fornecendo tablets para os vendedo- res da unidade. “Além de dar mais autonomia para o vende- dor e desafogar a operação na retaguarda, essa abordagem abre a possibilidade de agilizar e aprimorar o atendimento e o relacionamento com o cliente”, informa Joaquim Garcia, diretor de TI da Livraria Cultura. Paulo Vassalo, diretor de Governança de TI da Leroy Merlin, ressalta também sobre os desafios de infraestrutu- ra no Brasil, o que impacta diretamente nos processos de compra e venda do comércio eletrônico. “Quando o consu- midor adquire algum produto pela internet, ele quer receber no mesmo dia ou, no máximo, no dia seguinte. Para fazer- mos o e-commerce funcionar bem, é importante reestru- Integração das redes corporativas às mídias sociais turarmos a governança do Varejo, pois o cliente, estoque e produtos são únicos”, aponta. Vassalo apontou os gargalos da malha logística como uma fase de aprendizado e integração de plataformas em prol da maturidade do Varejo brasileiro. Para ele, equilibrar o legado tecnológico das lojas e aplicabilidade de novos sistemas na ponta não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível. “O Varejo é muito dinâmico e o segredo é ter uma boa arquitetura de aplicação. Ou seja, a empresa cria uma camada compartilhada de processos de dados a fim de estabelecer um alicerce da base de informações. É um tra- balho de filtro para unificar o perfil do cliente, os produtos no estoque e toda a gestão fica centralizada de forma que a entrada de novas tecnologias e processos não se repitam, mas se complementam”, explica. z O Varejo sempre esteve próximo dos clientes. Se os consumidores colocaram as mídias sociais em suas vidas, mantendo participação ativa em diversas redes de relacionamentos, os varejistas precisam acompanhar esta tendência. Mas qual é o melhor caminho para integrar as redes corporativas às novas redes? “Nossa abordagem tem como foco aprimorar os pro- cessos de pré e pós-venda, como um apoio para o comér- cio na loja física. Além disso, estamos melhorando o diá- logo com os clientes por meio dessas redes”, diz Antônio Freitas, diretor comercial e TI da Dpaschoal. Segundo ele, o grande desafio da presença das empresas nas redes sociais é a postagem de conteúdos relevantes, com uma linguagem dinâmica. O caminho escolhido pelo Makro Atacadista foi a monitoração de conteúdos sobre a marca publicados em redes sociais. “Estamos começando a ir além dessa abor- dagem ao monitorar também as publicações de formado- res de opinião que influenciam os nossos clientes”, afirma Alexandre Vilarouca, gerente de TI do Makro Atacadista. Além desse controle, o executivo ressaltou que é fundamental ter a capacidade e a agilidade para rever- “aprimoramos processos e Estamos melhorando o diálogo com os clientes por meio das redes sociais”, Antônio Freitas, diretorcomercialdeTIdaDpaschoal
  10. 10. p a n o r a m a n a c i o n a l d e c i s i o n r e p o r t 1 1 Ajudamos nossos clientes na estratégia e implementação de suas plataformas de tecnologia, para um mundo conectado 24 horas por dia, 7 dias na semana. A SACS e a IBM podem ajudar sua empresa, com Estratégia, Ações e S oluções práticas para responder a estas e outras questões. BPM REDUZA CUSTOS melhorando a eficiência, AUMENTE A AGILIDADE dos negócios GARANTA CONFORMIDADE dos seus processos INTEGRAÇÃO Arquitetura Orientada a Serviços Integração de aplicações com SOA é a FUNDAÇÃO de uma estratégia de Tecnologia INTELIGENTE MOBILIDADE Encante, engaje e fidelize seus clientes, Potencialize o trabalho dos seus colaboradores Agilize sua cadeia de suprimentos REDES SOCIAIS Inspire seus colaboradores a inovarem e colaborarem mais produtivamente Quando isto acontece você cria VALOR tangível no seu negócio CLOUD COMPUTING REPENSE SUA TI, Torne-a extremamente ágil e mais barata Tenha uma estratégia de cloud específica para seu negócio balanceando a ultilização do melhor dos mundos da cloud privada e da pública SMARTER COMMERCE Tenha um PROCUREMENT adaptativo e ágil Faça o MARKETING personalizado para cada canal de VENDA Disponibilize SERVIÇOS de excelência para seus clientes REGRAS E DECISÃO Qual a melhor oferta ou preço para este cliente? Esta transação financeira deve ser bloqueada? Aperfeiçoe e automatize o processo decisório destas e outras frequentes e recorrentes decisões. acesse: www.sacstech.com.br | 11 2246-2792
  11. 11. p a n o r a m a n a c i o n a l 1 2 d e c i s i o n r e p o r t Atendimento em múltiplos canais ter eventuais situações negativas nesses ambientes. “Se bem trabalhadas, as redes sociais tornam possível transformar problemas em oportunidades de negócios”, acrescentou Vilarouca. Para ir ao encontro da popularização das novas mídias, o investimento em redes sociais corporativas, que conec- tam a empresa aos seus colaboradores, fornecedores e clientes, é outra vertente usada entre os varejistas. Essa tendência é apontada como uma alternativa para adotar os conceitos inerentes às redes sociais com maior segurança. “Com as redes corporativas, é possível controlar aspectos essenciais como a publicação de conteúdos e a identificação exata dos usuários”, observa Claudio San- tos, gestor do segmento de Varejo da Totvs. O executivo acrescenta, no entanto, que a adoção de redes sociais corporativas deve ser gradativa a fim de trazer impactos positivos no dia a dia da operação. Outro fator ressaltado pelos participantes do painel é a possibilidade de criar comunidades específicas dentro dessas redes, voltadas a determinados departamentos ou assuntos. “Uma comunidade de gerentes de lojas, por exemplo, gera uma competição natural entre os partici- pantes e isso se reflete positivamente em metas de pro- dutividade”, disse Santos. z “O desafio é saltar dos dados transacionais para os dados preditivos e poder prever a demanda do consumidor a partir do que ele comprou anteriormente” Joaquim Garcia, diretordeTI,LogísticaeGovernançadeProjetosdaLivrariaCultura Uma das principais tendências para o Varejo é integrar loja física, virtual e redes sociais de maneira que o consumidor trafegue em todas elas obtendo informações adicionais e atendimento diferenciado. Como a TI garante este modelo de atendimento multicanal? “O maior desafio é o suporte às diferentes formas de atendimento. As arquiteturas existentes não apoiam as iniciativas de relacionamento omnichannel com a eficiência exigida, criando desde conflitos entre os novos canais e os antigos até o mau funcionamento das ferramentas de co- municação”, afirma Peter Krenslins, diretor de Pré-vendas da CA Technologies. Segundo ele, a TI está sobrecarregada com o trabalho de manter os sistemas das lojas e demais operações bá- sicas funcionando. “As empresas necessitam desafogar a área de TI para focar no desenvolvimento e aplicação das funções de atendimento ao cliente”, explica. Na visão de Joaquim Garcia, diretor de TI, Logística e Governança de Projetos da Livraria Cultura, o papel da tec- nologia é facilitar os processos de interação e atendimento. “Existem projetos que têm dado certo, mas como o con- ceito ainda é novo, o Varejo precisa de tempo para avaliar o resultado do multicanal”, argumenta. Para Antônio Gesteira, executivo do Varejo e Diretor Vogal do IBEVAR, a maioria das empresas está enfrentan- do problemas de convergência com os ambientes físicos e virtuais por falta de planejamento. “Muitas vezes, as com- panhias deixam de lado a loja física dando prioridade ao comércio online, ou vice-versa. O resultado desta ação só pode ser catastrófico para os negócios. A saída é integrar 1 2 d e c i s i o n r e p o r t
  12. 12. p a n o r a m a n a c i o n a l d e c i s i o n r e p o r t 1 3 Cloud computing moderniza o Varejo os pontos de vendas como um todo e focar na gestão geral das ações das lojas”, alerta. De acordo com Alexandre Marquesi, professor da ESPM, para haver o aproveitamento total das oportu- nidades do omnichannel, é preciso sempre repensar as arquiteturas tecnológicas utilizadas pelas empresas e saber onde investir para aperfeiçoar o contato com os consumidores. Para ele, é importante definir a atuação de cada canal, a fim de evitar conflitos de integração de sistemas e aportes precipitados em tecnologias. De fato, defende Anderson Cunha, diretor de TI da Leroy Merlin, o omnichannel veio para responder as necessidades humanas sociais, impulsivas e imediatistas. “O cliente com- partilha muitas informações com sua rede de relacionamen- to. Como o multicanal permite essa interatividade, acaba se tornando uma ferramenta ideal para as empresas varejistas. Porém, precisamos amadurecer o conceito e disponibilizá-lo de maneira efetiva para os consumidores”, aponta. z O uso da computação em nuvem no setor também foi assunto discutido no Congresso TIVarejo. O debate esteve em torno do melhor modelo, seja público, privado ou híbrido. Mas como o varejo está encarando essa nova tendência? “Vejo pequenos movimentos dos varejistas para o cloud como em ferramentas de e-mail, por exemplo. No âmbito das aplicações mais críticas de negócios, o setor é mais resistente e a adoção é incipiente”, afirma Marcelo Ribeiro, diretor de Operações de E-commerce da Level 3. Na avaliação de Flávio Martins, do Grupo Martins, ape- sar das vantagens aparentes, a adoção do cloud computing no Varejo passa necessariamente pela análise de um con- junto de fatores. “O binômio segurança e disponibilidade ainda é o grande desafio”, disse o executivo. “Na teoria, a computação em nuvem é ótima e veio para ficar. Mas é preciso levar em conta a equação custo, risco, inovação e valor gerado para o negócio na hora de decidir seguir esse caminho”, acrescenta o executivo. A escolha dos fornecedores e a atenção para a defini- ção das cláusulas de contratos de prestação de serviços na nuvem foram outros pontos destacados no debate. “Além desses cuidados adicionais, é preciso ter em mente que a capacidade operacional vai aumentar, mas isso não significa necessariamente que custos e processos de gerenciamento vão diminuir”, acrescenta Antônio Gesteira, do IBEVAR. Segundo os participantes, parte do cenário ainda re- lativamente lento de adoção do cloud está relacionada às grandes empresas do setor. Em contrapartida, Bruno Rossi, diretor da consultoria ASM Latin America, observou que no plano das pequenas e médias empresas, especialmente aquelas focadas em operações de e-commerce, o ritmo de investimento nesse modelo vem se intensificando. “A nuvem faz muito sentido, em particular, para pe- quenos varejistas que já nascem nesse novo ambiente. Já temos bons exemplos de sites segmentados que consegui- ram viabilizar rapidamente o crescimento de suas opera- ções com o cloud computing”, disse o analista. O executivo ressaltou, porém, que a adoção da nuvem por empresas de pequeno porte encontra barreiras como a falta de conheci- mento técnico e a ausência de um número mais expressivo de fornecedores especializados no atendimento às deman- das desse perfil de companhia. z “Na teoria, o cloud é ótimo e veio para ficar, mas é preciso levar em conta a equação custo, risco, inovação e valor agregado”, Flávio Martins, diretordeTIda MartinsComércioeServiçosdeDistribuição
  13. 13. p a n o r a m a n a c i o n a l 1 4 d e c i s i o n r e p o r t Mobilidade nos modelos de Varejo Com a expansão da banda larga no Brasil, as pessoas levam a inter- net no bolso e usam o celular para se relacionar, acompanhar notícias e pesquisar assuntos diversos. Com tanta tecnologia ao alcance das mãos, como aplicar a mobilidade nos processos de compra e venda? Segundo Eduardo Terra, vice- -presidente do IBEVAR, o índice de adoção de dispositivos móveis pelos consumidores brasileiros é assus- tador e logo todas as empresas varejistas terão de suportar o uso da mobilidade dentro das lojas. “Quem não se adaptar ficará para trás”, aponta o executivo. Para ele, os serviços móveis serão responsáveis por grandes mudanças no conceito do Varejo, tanto no online quanto no físico, para os clientes e, especial- mente, para os comerciantes. Na opinião de Marcos Paulo, CIO da Dellavia Pneus, a mobilidade traz novas oportunidades para as equipes de ven- das interagirem com os clientes. “Com dispositivos em mãos, os vendedores poderão realizar consultas de preços e promoções de maneira rápida, o que aprimora a prestação de serviços e amplia a fidelidade”, argumenta. Mário Fernandes, gerente de Negócios Multicanal da 3CON, refor- ça a ideia de colocar as informações nas mãos dos funcionários do Varejo. “Enquanto os consumidores possuem formas de pesquisar melhores preços pelo celular, as equipes de comércio também precisam estar devidamen- te equipadas”, defende Fernandes. “Quando se pensa na mobilidade aplicada ao Varejo e nos seus bene- fícios, estamos falando do topo da pirâmide. Embaixo desse estágio, existe muito trabalho a ser feito”, acrescenta Ricardo Scheurer, diretor de Desenvolvimento Tecnológico do Sonda Supermercados. A possibilidade de desenvolver ações sofisticadas para cativar os consumidores e aprimorar a experiên- cia de compra e o engajamento com as marcas foram alguns dos benefí- cios inerentes à mobilidade, destaca- dos pelos executivos. Em contraparti- da, os participantes ressaltaram que grande parte das primeiras iniciativas nessa direção ainda traz um grau elevado de frustração para os consu- midores. “Antes de oferecer qualquer serviço móvel na ponta, as empresas precisam avaliar se possuem capaci- dade operacional e logística para exe- cutar essa ação”, observa Scheurer. Para Rosana Pereira, gerente cor- porativo de TI da Iguatemi Empresa de Shopping Centers, as estratégias das companhias varejistas precisam prever o uso da mobilidade no setor de vendas diretas. “Se vamos instru- mentar o Varejo, temos de mudar o perfil do vendedor, pois ele precisa estar apto a utilizar os equipamentos móveis e saber lidar com as informa- ções ao mesmo tempo em que intera- ge com o consumidor. Não será fácil, mas essa dinâmica no atendimento é imprescindível”, diz. “Hoje, o consu- midor é muito mais rápido na adoção de tecnologia se comparado às em- presas”, afirmou Ubirajara Santos, CIO da Adição Distribuição Express. Divaldo Oliveira, CEO da SACS destaca também o despreparo das empresas, especialmente no que diz respeito às informações e equipa- “Logo, todas as empresas varejistas terão de suportar o uso da mobilidade dentro das lojas”, Eduardo Terra, vice-presidentedoIBEVAR mentos oferecidos aos seus funcioná- rios. “O que acaba acontecendo é um diálogo entre um soldado tecnológico do século XXI, no caso o consumidor, com um índio sem tacape do século XIX, o vendedor”, diz. “É preciso trei- nar os vendedores para interagir com esse cliente muito mais informado”, completa José Guilherme Souza, exe- cutivo do grupo de software da IBM. z
  14. 14. p a n o r a m a n a c i o n a l d e c i s i o n r e p o r t 1 5
  15. 15. p a n o r a m a n a c i o n a l 1 6 d e c i s i o n r e p o r t Pequenos e médios varejistas “A situação do pequeno e médio varejista é alarmante. Muitas vezes, essas empresas investem em TI apenas para cumprir obrigações fiscais e tributárias”, Felipe de Oliveira, gerentedeTIdoCambuíSupermercados O cenário de investimentos em Tecnologia da Informação das grandes redes brasileiras do Varejo caminha para inovações. Em contra- partida, entre os pequenos e médios varejistas, a realidade é bem diferen- te. Com menor poder de fogo e sob os mesmos impactos de seus concorren- tes de grande porte, essas empresas ainda lidam com desafios básicos, como a aplicação da tecnologia para o controle de gestão e a implementação de estratégias de comércio eletrônico. “A situação do pequeno e médio varejista é alarmante. Muitas vezes, essas empresas investem em TI ape- nas para cumprir obrigações fiscais e tributárias. Hoje, ainda há uma grande dificuldade em fazer o básico, o dever de casa”, afirma Felipe de Oliveira, gerente de TI do Cambuí Supermer- cados. Segundo o executivo, mesmo quando há interesse em desenvolver ações diferenciadas na internet ou adotar novos conceitos como cloud computing, as tentativas esbarram em questões como custo e logística. Uma pesquisa realizada pelo Se- brae junto a 2.552 pequenas e médias empresas do segmento de Varejo no estado de São Paulo reforça essa visão. Segundo o estudo, 26% dessas com- panhias não possuem nenhum controle de gestão e 30% desse montante nunca fizeram controle de estoque. Ao mesmo tempo, 53% das participantes possuem apenas acesso à internet e não desenvolvem nenhuma estratégia nesse canal. A visão de que a TI é um mal neces- sário e deve ficar restrita a um segundo plano, à parte das estratégias de negó- cios, ainda é a tônica entre os pequenos empresários. Nesse cenário, a dificul- dade dos gestores de TI para mensurar os ganhos potenciais da aplicação da tecnologia para esse perfil de empreen- dedor foi mais um aspecto ressaltado durante o Congresso TIVarejo. “O pequeno empresário tem ou- tra mentalidade. Quando pensa em um investimento, ele é mais prático, direcionado, pois não pode errar. Esse empreendedor não tem conhecimen- to técnico. Para ele, o que importa é saber o quanto vai gastar e o resulta- do que vai obter”, disse Rodrigo Car- valho, consultor do Sebrae. Como um fator agravante, os participantes destacam os garga- los do mercado de fornecedores de softwares, equipamentos e serviços não customizados a esse público. “Existe uma grande lacuna e falta de informação no atendimento a essas empresas. O mercado de software, por exemplo, tem que parar de ven- der sistemas e começar a oferecer modelo de negócios e entender a re- alidade desses pequenos varejistas”, observa Felipe de Oliveira. Para Marcio Medeiros, gerente de TI do Futurama Supermercados, a ausência de ofertas mais flexíveis e acessíveis é uma das principais bar- reiras nesse contexto. “Os serviços de consultoria são muito caros. O pe- queno e médio empresário não pode pagar o preço cobrado”, acrescenta. Sob esse cenário desafiador de equacionar a cultura dos empresários, a dificuldade de investimentos e a falta de ofertas apropriadas, Gustavo Carrer, consultor do Sebrae, apontou uma alternativa para os gestores de TI das PMEs. “A saída é investir pas- so a passo. Faça projetos piloto, em pequenas proporções, para mostrar as vantagens que a tecnologia pode trazer. A partir dessa abordagem, fica mais fácil expandir o uso da tecnologia nessas empresas”, observou. z A busca por atrair e reter
  16. 16. p a n o r a m a n a c i o n a l d e c i s i o n r e p o r t 1 7 Showrooming: o futuro das lojas físicas “A próxima geração de consumidores conhecerá as companhias varejistas primeiro pela internet”, Leonardo Costi, CIOdaDecathlon clientes sempre foi um dos princípios básicos do Varejo. Em meio às transformações em curso no compor- tamento dos consumidores e diante de tendências como a mobilidade, novas questões estão renovando esse desafio e trazendo, por consequência, novas atribuições para o uso da TI no setor. Um dos modelos que começa a despontar nesse con- texto é o showrooming, no qual o consumidor vai até a loja apenas para manusear o produto e acompanhar de- monstrações. “Entretanto, existe o risco de repetir um fenômeno que já acontece no exterior, onde os consumi- dores experimentam o produto em uma loja física, mas concluem a compra no site de um concorrente, por meio de um dispositivo móvel”, explica Paulo Vassalo, diretor de Governança de TI da Leroy Merlin. Segundo ele, quatro fatores devem ser analisados pelos varejistas: formato da loja, unificação dos preços em todos os canais, logística e gestão desses processos. Para Joaquim Garcia, da Livraria Cultura, conhecer a fundo as preferências do consumidor e tratá-lo como um único cliente em todos os canais disponíveis são dois cami- nhos para ampliar as perspectivas de retenção. “Informa- ção do cliente, todo varejista tem, mas nem todos sabem usá-la. O desafio é saltar dos dados transacionais para os dados preditivos e poder prever a demanda do consumidor a partir do que ele comprou anteriormente”, observa. Segundo Leonardo Costi, CIO da Decathlon, a próxima geração de consumidores conhecerá as companhias vare- jistas primeiro pela internet, deixando para ir às lojas físicas apenas quando precisarem experimentar ou testar alguma coisa. Para Mendel Szlejf, consultor de Varejo e ex-CIO da Marisa, o showrooming é a quebra dos limites do setor comercial como o conhecemos, quando a loja física começa a fazer parte do planejamento da companhia como uma ferramenta e não como representante oficial de vendas. Na opinião de Rodrigo Rodrigues, diretor de TI da Da- fiti, o novo conceito precisa ser testado e usado, de forma coerente, junto às estratégias de negócio. Rodrigues tenta evitar o uso do showrooming, mas acredita que o conceito possa aumentar o número de consumidores com campa- nhas de marketing e interação inovadoras dependendo do segmento de cada empresa varejista. “O grande vilão do Varejo de vestuário são os fretes de troca de produtos que são muitos e onerosos. Para as empresas globais do segmento, contar apenas com o e- -commerce ainda causa muitos desafios, nesse caso o showrooming será incentivado com a missão de diminuir o número de trocas realizadas”, acrescenta Costi. Segundo Ricardo Scheurer, do Sonda Supermercados, a solução para o e-commerce e o showrooming coexistirem em paz, será a criação de um híbrido entre os conceitos. “Os dois formatos possuem lados fortes, mas um não ameaça o outro”, argumenta. Para o executivo, a conver- gência dos canais de atendimento vai permitir a TI ajudar as lojas na aproximação com os consumidores por meio da interação dos dispositivos móveis conectados à rede com o objetivo de aprimorar a experiência dos clientes. z
  17. 17. p a n o r a m a n a c i o n a l 1 8 d e c i s i o n r e p o r t Nos anos 90, os sistemas de ERP foram amplamente discutidos, analisados e implementados. Hoje, estão consolidados em diversos segmentos de negócios, mas, no Varejo, os desafios são pautados na singularidade do setor como os gargalos de logística, estoque, back office e front office, além de atendimento customizado. “O varejo ficou um bom tempo acomodado em sistemas antigos e processos manuais. Porém, a revolução tecnológi- ca forçou o setor a tomar novos rumos, em um prazo muito curto e com um nível de investimento bem abaixo se com- parado, por exemplo, aos bancos”, diz Adriano Luchetta, gerente de Sistemas da BR Home Centers. De acordo com Mendel Szlejf, a integração das platafor- mas de TI no Varejo ganha outro componente preocupante à medida que esse processo precisa ser feito “com o avião voando”, ou seja, com a necessidade de manter, simultane- amente, as operações 100% disponíveis. “Ao mesmo tem- po, há uma carência no mercado de profissionais com bom nível para fazer essa integração”, afirma. Na visão de Cleison Diniz, gerente-geral de Arquitetu- ra de Soluções e Produtos da UOLDIVEO, a ausência de ofertas por parte dos fornecedores que consigam atender 100% das demandas a partir de um único sistema é mais um problema para os varejistas. “Normalmente, essa inte- gração exige muitas customizações, o que torna a imple- mentação muito mais demorada”, completa o executivo. O aumento do número de fusões e aquisições no Varejo é outro movimento complexo nesse momento de transforma- ção. Renato Barros, gerente de Infraestrutura e Operações de TI das Drogarias São Paulo e Pacheco, aponta os processos de adaptação das duas redes e aponta um caminho para minimi- zar os prováveis erros na integração de diferentes plataformas. “A melhor alternativa para reduzir riscos é trabalhar fortemen- te nas fases de homologação e testes dos sistemas, especial- mente aqueles mais críticos para a operação”, afirma. z O uso das informações pelas empresas de Varejo ganha cada vez mais notoriedade para os negócios, representando novas oportunidades de comunicação e de serviços diferenciados. Mas, é preciso levar em conta os riscos envolvidos na utilização desses dados para não haver rupturas de segurança com consequências desagradáveis tanto para os clientes quanto para as companhias. Uma das ferramentas discutidas no Congresso TIVarejo, é o Big Security Data, o conceito de big data voltado para a proteção corporativa, no qual permite identi- ficar fraudes, monitorar ameaças, garantir a identidade de quem manuseia as informações e entender o conteúdo das investidas maliciosas com base na análise de um grande vo- lume de dados, estruturados ou não. Segundo José Roberto Antunes, gerente de Engenharia de Sistemas da McAfee, não basta observar as informações, é preciso compreendê- -las para otimizar a segurança em todos os aspectos. Rodrigo Mastini, coordenador de Segurança da Informa- ção da Riachuello, reforça a iniciativa de aumentar a prote- ção com a ajuda das soluções de big data. “Não devemos tratar apenas os logs de identificação, mas aprofundar as análises para todas as ações realizadas dentro e fora da rede”, aponta. “É difícil implementar proteção em todos os dados, por isso o conceito de big data é ideal para suportar a segurança em toda a cadeia de venda”, acrescenta Ricar- do Dasti, gerente de Segurança da Informação da Renner. Para aprimorar as defesas, Dasti aconselha ao Varejo a implementação de camadas externas de se- gurança. Já Salomão de Oliveira, CSO da Brasil Kirin, recomenda a criação de estruturas estratégicas para adicionar proteção às informações, especialmente as provenientes dos consumidores. z Gestão e integração das plataformas Big security data p a n o r a m a n a c i o n a l
  18. 18. p a n o r a m a n a c i o n a l d e c i s i o n r e p o r t 1 9 A Level 3 é uma companhia de comunicações global, que oferece serviços de Dados, Voz, Vídeo e Data Center, através de uma rede IP própria, confiável e transparente. CONEXÕES CONFIÁVEIS PARA UM MUNDO CONECTADO CRESCIMENTO EFICIÊNCIA SEGURANÇA Conte-nos suas necessidades e conheça nossas soluções! Tel: 0800-7714747 Email: centralderelacionamento.brasil@level3.com Web: www.level3.com DADOS VOZ VÍDEO DATA CENTER
  19. 19. p a n o r a m a i n t e r n a c i o n a l CA W o r l d 2 0 d e c i s i o n r e p o r t Em janeiro de 2013, Mike Gregoire assumiu o posto de CEO da CA Technologies. Em sua palestra de abertura no CA World, evento anual da companhia que aconteceu em abril passado na cidade de Las Vegas (NV/EUA), Gregorie apre- sentou as tendências que nortearão a estratégia da compa- nhia nos próximos anos: SaaS, mobilidade, DevOps, cloud computing e big data analytics management. Segundo Gregorie, o papel do CIO está em processo de mudança, pois os usuários das empresas estão desco- brindo novas tecnologias e diferentes formas de acesso à rede corporativa. O CIO não é mais o mestre dos sistemas e aplicações, ele terá que trabalhar em parceria com os usu- ários e entregar soluções sob demanda, mesmo que isso signifique compra de novas infraestruturas, plataformas ou softwares como serviço. “Hoje, a TI conquistou o posto que sempre almejou: fazer parte do negócio. O CIO é chamado no início de cada projeto, seu conhecimento auxilia nas diretrizes de diversas áreas nas empresas e ele tem poder nos processos de decisão. Além disso, ele não é mais o único a consumir tecnologia, todos os C’Levels podem iniciar um processo de implemen- tação de sistema e contar com o apoio da equipe de TI, pois as demandas vêm do próprio negócio”, conta Ricardo Fer- nandes, country manager da CA Technologies no Brasil. Aplicabilidade. A companhia deixa claro que está usan- do sua expertise na criação de softwares para ambientes de grande porte e aplicando nas tendências do setor. “Trabalhar com mobilidade, aplicações e computação em nuvem não está sendo uma tarefa fácil, mas estamos aprendendo muito com esse novo desafio. Estamos usan- do nosso know how para facilitar e simplificar a TI e alinhá- -la ao negócio. É um trabalho que inclui ações de marke- ting e estratégias voltadas para as demandas dos nossos clientes”, conta Laércio Albuquerque, presidente da CA Technologies para América Latina. No campo da mobilidade, o foco está direcionado à gestão e segurança dos dispositivos. De acordo com pesquisas da CA, menos de 10% das empresas possuem monitoramento das informações trafegadas nos aparelhos móveis. Para mudar este cenário, a companhia foca nas Tecnologia nas mãos do usuário Tendências como SaaS, mobilidade, DevOps, cloud computing e big data fazem parte da estratégia da CA Technologies para os próximos anos P o r L é i a M a c h a d o * ferramentas da suíte de Application Performance Manage- ment, que contemplam relatórios e controles do ponto de vista transacional no universo mobile. Em termos de SaaS, continua Mike Gregorie, espera-se que 25% de todos os gastos de aplicação serão feitos no modelo de software as a service. Para a CA, SaaS não sig- nifica necessariamente uma nuvem pública, mas a filosofia por trás dessa tecnologia é o desenvolvimento de diferentes modelos de negócio. “Para mim, o SaaS é mais uma infraes- trutura tecnológica capaz de mudar o business e nos permite melhorar a qualidade do nosso trabalho, além de ajudar as empresas a obterem os melhores resultados de negócios”, acrescenta o CEO. Já a questão de big data, a CA bate na tecla da análise inteligente da montanha de dados sem abrir mão das exigên- cias regulatórias e normativas de compliance. Um dos objeti- vos da CA é a realização de análises sobre essa montanha de dados em tempo real, o que auxilia em processos analíticos e prevenção de fraudes. A empresa concluiu a aquisição da Layer 7 Technologies, fornecedora de soluções de Application Programming Inter- face (API). A iniciativa permitirá a CA gerenciar e proteger o mercado de API com tecnologia de gestão de acesso e DevOps. Os recursos do CA LISA também foram atualizados com a compra da Nolio, empresa de aplicações com funções de virtualização e serviços. Mike Gregorie se mostrou empe- nhado com os novos direcionamentos da CA Technologies e enxerga um caminho próspero para a os próximos anos. z CA Technologies divulga lista com cinco previsões de TI para 2013: 3 Crescimento do big data; 3 Nuvem pública; 3 Identidade é o novo perímetro; 3 Internet das coisas; 3 Mobile/social. anote!
  20. 20. 2 2 d e c i s i o n r e p o r t Foco: Como o Varejo pode explorar o uso dos dispositivos móveis? VAREJO A grande variedade de smartphones nas mãos das pessoas abre um leque de oportunidades para o Varejo expandir o atendimento ao cliente  P o r L é i a M a c h a d o Celular: o novo amigo do consumidor c e l u la r v i r o u u m companheiro fiel das pessoas. Hoje, ninguém vive sem pelo menos um aparelho telefôni- co no bolso. Os dados da Ana- tel apontaram que o Brasil fechou março deste ano com mais de 264 milhões de li- nhas móveis ativas, número que supera a quantidade de habitantes no País. Com tantos dispositivos nas mãos dos brasilei- ros, nada mais natural que o Varejo apro- veite a onda de oportunidades em vendas, pesquisas de preços e produtos, além de serviços de pagamentos. 2 2 d e c i s i o n r e p o r t
  21. 21. d e c i s i o n r e p o r t 2 3 De acordo com especialistas, os gar- galos estão sendo superados. No campo do acesso à internet, o último balanço da Huawei, divulgado em parceria com a Teleco em abril de 2013, apontou que o Brasil deve terminar o ano com 82 mi- lhões de acessos à banda larga móvel, alta de 11% se comparado ao ano anterior. Segundo a consultoria IDC, em 2012, as vendas de smartphones no Brasil cres- ceram 78%. Um dos principais pontos de alavancagem nas vendas foi a queda nos preços dos dispositivos e a tendên- cia é que este número cresça ainda mais devido aos incentivos fiscais para a pro- dução no País. Para a IDC, até o final de 2013, o Brasil deverá ser o quinto maior mercado de smartphones atrás da China, Estados Unidos, Reino Unido e Japão. A consultoria também apontou um avanço no mercado de tablets no País na ordem de 171% no ano passado com vendas de 3,1 milhões de aparelhos. Para este ano, a IDC espera um salto de 89,5% com 5,8 milhões de unidades comercializadas. Os números apontam para a consolida- ção da mobilidade em solo brasileiro, o que pode acelerar a quebra de barreira cultural em termos de adaptação com novos serviços mobile no Varejo. Para a Câmara Brasileira de Comércio Eletrôni- co - camara-e.net, o mobile commerce terá um crescimento significativo em 2013 tendo em vista que o comércio ele- trônico tem crescido acima de 20% nos últimos anos. Maurício Salvador, sócio-diretor da consultoria GSMD – Gouvêa de Souza, aponta o e-commerce como grande im- pulsionador de crescimento do Varejo no Brasil. Segundo ele, setor representa 3,1% das vendas totais do Varejo no País e a estimativa é que esse percentual suba para 7% em três anos. Da mesma forma, o mobile commerce também deixou de ser Entretanto, para que o Varejo explore a mobilidade de maneira eficaz, é preciso superar alguns desafios como expansão da banda larga, maior penetração de aparelhos inteligentes e quebra de barreiras culturais. d e c i s i o n r e p o r t 2 3 Joaquim Garcia, diretor de TI da Livraria Cultura
  22. 22. 2 4 d e c i s i o n r e p o r t V AREJO DESAFIO expectativa e saltou de 5% de participação nas vendas, no início de 2012, para 10%, em seis meses. Para este ano, o comércio eletrônico deve movimentar R$ 31,11 bi- lhões e a expectativa de participação do m-commerce é de 15%, incluindo tablets. “A mobilidade está crescendo expo- nencialmente no Brasil, principalmen- te com a queda dos preços de aparelhos. Além disso, a pressão do governo por qua- lidade nos serviços de internet exige das operadoras de telefonia melhores cone- xões, o que reflete no acesso aos portais de e-commerce pelo celular”, completa Sal- vador. Para ele, o comércio eletrônico está em forte expansão no País e passa pelas mesmas dificuldades dos sites norte-ame- ricanos em questão de competitividade e bons preços. Porém, a falta de infraestru- tura na área logística é o maior desafio para os varejistas nacionais impactando no crescimento deste segmento no Brasil. Exemplos estrangeiros. A NRF Big Show é o maior evento de Varejo do mundo, acontece anualmente em Nova Iorque e reúne milhares de executivos to- madores de decisão. Neste ano, a Gouvêa de Souza levou uma delegação de executi- vos brasileiros para a convenção e desta- cou três temas mais debatidos: ambiente digital, e-commerce e mobilidade. Para não ficar de fora das tendências e apro- veitar as oportunidades de negócio, os varejistas brasileiros acompanharam de perto o evento e trouxeram boas ideias para alavancar o setor no País. De acordo com Marcos Gouvêa, dire- tor-geral da GSMD, a crescente partici- pação das vendas em canais eletrônicos, tanto no Brasil quanto em países mais desenvolvidos, aponta para um cami- nho de maturidade e aperfeiçoamento frente às demandas de experiência de compra. “A crescente participação das vendas pelos canais digitais, tanto nos Estados Unidos, Inglaterra e mesmo no Brasil, mostra que haverá um lon- go caminho ainda de aperfeiçoamento e melhorias e um intenso aprendizado a ser incorporado à medida que os neo- consumidores sofisticam suas deman- das a partir de experiências positivas ou negativas vivenciadas”, diz o executivo. Segundo uma recente pesquisa da Ac- centure com quatro mil usuários de smar- tphones nos Estados Unidos e Canadá, mais da metade dos entrevistados, que atualmente usam seus smartphones para fazer pagamentos, disseram que estavam muito propensos a usar o celular ainda com mais frequência se tivessem algumas vantagens. Entre elas, a possibilidade de rastrear os recibos; ofertas de benefícios como cupons instantâneos de varejistas, pontos que ficariam armazenados no telefone para futuras compras; ou até mesmo algum atendimento especial, como um serviço prioritário ao cliente. De acordo com o estudo, para que o m-payment seja adotado em grande es- cala em todo o mundo é necessário in- formar aos consumidores sobre a segu- rança e conveniência desses aparelhos eletrônicos quando comparados com outras formas de pagamento. O estudo também aponta a necessidade da co- municação a fim de induzir as pessoas a priorizar o uso dessa tecnologia, este, portanto, é o maior desafio para o Varejo. Loja na ponta dos dedos. Em ter- mos de mobile commerce, os varejistas brasileiros estão adaptando seus sites e portais para as características do celular e do tablet. Na visão de Maurício Salva- dor, o Varejo no Brasil tem usado o tablet como apoio a vendas dentro das lojas para informar melhor o consumidor sobre pre- ços e produtos. Os totens também têm uma boa penetração nas lojas, nos quais o cliente pode comprar alguma mercado- ria em falta no estoque. Já no mobile payment, os exemplos em solo brasileiro ainda são muito in- cipientes. Para Salvador, os desafios estão concentrados na legislação fiscal. Numa loja da Apple, por exemplo, não existe fila no caixa para os pagamentos com cartões. O próprio vendedor finaliza a compra pelo seu celular ou tablet e o cliente tem a possibilidade de receber a nota fiscal por email. Smartphones que utilizam o Square, um pequeno disposi- tivo para leitura de cartões de crédito por meio do celular, também está se difun- dindo rapidamente nos Estados Unidos. “No Brasil, isso ainda não é possí- vel. A legislação não permite, pois o varejista precisa ter uma máquina re- gistradora conectada a uma impressora fiscal, o que inviabiliza o recebimento por um dispositivo móvel. Uma peque- na mudança na lei brasileira já resol- ve o problema. Eu vejo um cenário de mudança para isso em um período de médio prazo”, acrescenta o executivo. Mesmo diante desses gargalos, a mo- bilidade está avançando em passos largos e o maior impulsionador para essa evolu- ção é o próprio consumidor. A experiência de compra é o diferencial num processo de aquisição de algum produto e a marca que entregar isso terá o diferencial competiti- vo.“A maioria dos varejistas já percebeu o movimento da mobilidade e está adaptan- do os sites e portais para essa realidade, visando sempre a entrega de uma expe- riência diferenciada”, conclui Salvador. z u Brasil fechou março/13 com mais de 264 milhões de linhas móveis ativas; � u País deve terminar 2013 com 82 milhões de acessos à banda larga móvel; � u M-commerce representa 10% do mercado brasileiro de Varejo eletrônico. anote!
  23. 23. 2 6 d e c i s i o n r e p o r t C om o avanço da mobilidade e maior penetração da banda larga no Bra- sil, o Varejo está experimentando novas possibilidades de compras e paga- mentos por meio de smartphones e ta- blets. Entretanto, para os serviços mó- veis deslancharem no Brasil, algumas barreiras precisam ser quebradas. “Existem muitos movimentos andan- do em paralelo, tanto no mobile com- merce quanto no mobile payment”, diz Renato Pasquini, gerente de Telecom da FrosSullivan. Para ele, muitos varejis- tas estão trabalhando no desenvolvimen- to da interface de portais adaptadas aos celulares e tablets, o que permitirá me- lhor navegação, facilitará o processo de compras, consulta de preços e produtos. Em meio a tantas tecnologias, um sistema similar ao SMS e a comunicação por proximidade de campo (NFC, Near Field Communication) são as principais tendências que poderão virar padrões dos sistemas de pagamento no Brasil.“O bra- sileiro está familiarizado com o SMS, o que facilita a implementação de transa- ções financeiras por esse meio. Por outro lado, dificilmente veremos uma transa- ção de alto valor no SMS devido aos pro- blemas de fraude, o que já não acontece com o NFC, pois a comunicação é feita numa distância muito curta entre os apa- relhos”, diz João Moretti, diretor-geral da MobilePeople, empresa especializada em soluções móveis corporativas. Segundo Renato Pasquini, 300 mil POS estão habi- litados para a tecnologia de NFC no Brasil. Para Damien Bullot, diretor de Tele- com da Gemalto, o desafio está pautado em três frentes: um bom alinhamento entre os players de TI e todo o ecossiste- ma envolvendo bancos e operadoras de telefonia; disponibilidade da infraestru- tura, incluindo aparelhos celulares inte- ligentes habilitados para as tecnologias de pagamento; e incentivo para uso com entrega de valor ao consumidor final. “O primeiro passo é adaptar a interfa- ce dos sites de e-commerce para celulares e tablets. A experiência de uso precisa ser agradável ou o cliente não voltará a usar o smartphone nos processos de compra. Da mesma forma, os meios de pagamento só terão sucesso se proporcionarem co- modidade e agilidade na hora de pagar”, acrescenta o gerente de Novos Projetos e Mobile do PagSeguro, Igor Taquehara. Segundo Taquehara, a mobilidade no e-commerce está em estágio de ex- perimentação, seja em lojas virtuais, aplicativos de compras ou pagamentos. “Independente do estágio da regulamen- tação do m-payment no Brasil, não pode- mos ficar de braços cruzados. Diferentes players estão desenvolvendo soluções de pagamento para o celular, principalmen- te as de NFC”, completa. O hardware é um dos principais de- safios para o NFC deslanchar no Brasil. Demandas justificam o meio Adaptação do e-commerce para plataformas mobile e sistemas de pagamento estão em alta no Varejo brasileiro V AREJO s OLUÇÃO
  24. 24. d e c i s i o n r e p o r t 2 7 regulamentação é de interesse de toda a comunidade brasileira. Por mais que se- jam muitas empresas envolvidas (varejis- tas, bancos e operadoras), o processo está bem avançado. Acredito que até a Copa de 2014, o Brasil contará com uma norma- tiva para pagamentos móveis”, aponta. “Como os serviços de transações finan- ceiras estão caminhando para o universo móvel, é provável que até o final do ano uma regulamentação específica para o m-payment seja aprovada. Bancos e ope- radoras de telecomunicações estão dis- cutindo o melhor formato e já podemos perceber algumas formas de m-payment em fases de teste e outros em estágios avançados”, completa Renato Pasquini. A parceria entre o Banco do Brasil, Oi e Cielo resultou no lançamento do Oi Car- teira, cartão pré-pago recarregável que funciona tanto no celular como no car- tão tradicional. O produto usa a bandeira Visa e permite diversas transações como compras pelo celular, recarga minutos para o pré-pago Oi, transferência de di- nheiro para outros clientes do serviço e saques em ATMs. A Claro e o Bradesco firmaram parce- ria após a constituição da joint venture MPO (Mobile Payment Operator), reali- zada no final de 2011. O acordo inclui a emissão de cartão pré-pago cobranded (moedeiro) pelo celular e a utilização de tecnologia NFC nas transações com car- tões Bradesco nos celulares da Claro. O lançamento do produto deverá ser feito no segundo semestre de 2013. V AREJO s OLUÇÃO De acordo com Taquehara, quando o UOL lançou a solução de pagamento via tec- nologia de aproximação de campo, há um ano, havia apenas quatro modelos de smartphones da Nokia habilitados para o NFC. Hoje, além da Nokia, Sam- sung, LG, Motorola, Sony e BlackBerry já comercializam aparelhos no Brasil capa- zes de suportar esta tecnologia. “Porém, eles ainda são caros, o que restringe o uso a poucas pessoas. Mas, em breve, a ten- dência se consolidará, conforme os pre- ços caem, automaticamente as pessoas vão derrubando as barreiras e os meios de pagamentos serão massificados no Brasil”, assegura Taquehara. O cofundador do Twitter, Jack Dorsey, desenvolveu o Square, um aplicativo para smartphones que permite fazer cobran- ças em cartões de crédito. A tecnologia está ganhando muitos adeptos nos Es- tados Unidos como taxistas, vendedores populares e pequenos empreendedores e foi muito utilizada durante o NRF Big Show, maior evento de Varejo que acon- tece anualmente em Nova Iorque. Na visão de Maurício Salvador, só- cio da Gouvêa de Souza, o Square tem grande chances de se difundir no Brasil devido à facilidade e agilidade no pro- cesso de pagamento com a possibilida- de de envio do recibo por e-mail. No Brasil, a Cielo lançou um aplicativo se- melhante para rodar em iPhone, iPad, iPod touch ou smartphone e tablet com Android. De fato, essas tecnologias re- presentam uma quebra de paradigmas, pois permitem que qualquer pessoa co- mercialize produtos sem se preocupar com a forma de pagamento. Finanças para o Varejo. Na visão de João Moretti, a mobilidade é uma ten- dência sem volta, porém, os avanços no Varejo ainda esbarram na falta de regula- mentação para os serviços de pagamento. “Essa normativa deverá ser liderada pelo Banco Central do Brasil e pela Anatel. A Caixa Econômica Federal, TIM e Mas- terCard também se juntaram para lançar novas opções de pagamentos via celular no formato mobile money. Por meio de uma conta pré-paga virtual, o clienteTIM poderá efetuar compras e outras transa- ções financeiras utilizando o próprio celu- lar ou um cartão tradicional vinculado ao seu número de telefone. O produto deve estar disponível para o mercado brasileiro no segundo semestre de 2013. Já o Itaú, em parceria com a Redecard, MasterCard,TIM e Gemalto, também está trabalhando no desenvolvimento de novas tecnologias de pagamentos pelo celular. Com a solução Mobile PayPass, o lojista digita o valor no POS Redecard habilitado para NFC e o usuário aproxima o celular da máquina para finalizar o pagamento. As compras serão creditadas no cartão TIM Itaucard e cobradas na fatura enviada pelo banco, como acontece atualmente. A MFS – Mobile Financial Service, joint venture formada pela Telefonica e pela MasterCard Worldwide, também lançou um serviço de pagamento via celular, o Zuum com tecnologia USSD (Unstructu- red Supplementary Service Data). A apli- cação disponibiliza aos clientes da ope- radora o acesso a uma conta pré-paga no celular que permite a realização compras, transferência de valores, recargas para ce- lular, pagamento de contas e saques. Na visão de Renato Pasquini, os meios de pagamento funcionarão no Brasil a partir da massificação, sem es- tarem restritos a um banco ou uma ope- radora. Mas estamos vivendo a era da as- censão do m-paymant e claro que muitas soluções serão experimentadas até que isso seja uma transação comum para os consumidores brasileiros, assim com é comum entrar no site para pesquisar preços ou sacar um cartão de crédito da bolsa para finalizar uma compra. Como toda evolução, as ferramentas vão sur- gindo, ganhando forma, popularizam-se e consolidam-se no mercado. z
  25. 25. 2 8 d e c i s i o n r e p o r t V AREJO v a l o r A experiência é o maior bem que a Livraria Cultura quer entregar ao seu cliente, e a rede varejista tem obtido muito sucesso partindo des- sa premissa, pois o número de pessoas circulando nas lojas vem aumentando exponencialmente. Ao entrarmos em alguma filial da Livraria, mergulhamos na cultura em meio aos livros, revis- tas, filmes, CDs, DVDs, obras de artes e eventos de entretenimento. O mesmo acontece quando acessamos o site da Li- vraria por meio do computador, mas com adicional tecnológico em aplicativos, e- -books, e-readers e toda a facilidade que o e-commerce pode proporcionar. Ago- ra, essa comodidade também poderá ser acessada no smartphone. A mobilidade faz parte da estratégia da rede varejista em trabalhar a venda e o atendimento ao consumidor em várias plataformas. Partindo do princípio de que o cliente é um só, mas a maneira de abordá-lo pode ser feita de diversas for- mas e canais, o mobile commerce da Li- vraria Cultura está em fase de expansão. Segundo Joaquim Garcia, diretor de TI da rede, a mobilidade está cada vez mais forte no Brasil, principalmente com o incentivo do governo federal em reduzir os impostos sobre a venda de celulares. “Estamos vivendo esse momento de ascensão móvel no nosso cotidiano. Para a mobilidade funcionar bem preci- sa estar alinhada à estratégia de tornar a venda uma verdadeira experiência de compra, com conforto, experimenta- ção e inovação”, diz. “O meu cliente é sempre único e precisa ser reconhecido, independente da plataforma de compra”, acrescenta. Para isso, o web site da Li- vraria está sendo adaptado para os apa- relhos com sistemas iOS e Android. Em breve, a plataforma do Windows Phone também será compatível ao e-commerce da rede. “O celular é uma extensão da experiência de compra de livros e, futu- ramente, músicas”, aponta. Outra iniciativa móvel destacada por Garcia é a venda assistida, no qual o vendedor atende o consumidor com um tablete na mão. O projeto piloto, implementado na loja de Recife, tem como objetivo deixar o vendedor mais proativo auxiliando o cliente em todo o processo de compra.“Com o histórico do meu consumidor nas mãos do colabora- dor, consigo estreitar o relacionamento e levo inteligência ao atendimento. Esta- mos em fase de testes e os resultados são muito positivos. A ideia é estender essa operação para outras lojas”, acrescenta. A desenvolvedora brasileira de soluções móveis MMCafé é a parceira da Livraria nas iniciativas mobile. Priorizar o atendimento. Entregar conveniência não é uma tarefa fácil es- tando sob a mira da eficiência operacio- nal. Segundo Garcia, a equipe de TI da Livraria vive o desafio de fazer mais com menos, sem nunca esquecer a inovação imersa no universo da cultura. Como usar a loja como experimentação e levar o mobile cada vez mais perto da operação? “É uma quebra de paradigma. O mobile Consumidor leva o Varejo no bolso As redes da Livraria Cultura e da Polishop avançam na estratégia da mobilidade “Para a mobilidade funcionar bem, ela precisa estar alinhada à estratégia de tornar a venda uma verdadeira experiência de compra” Joaquim Garcia, diretor de TI da Livraria Cultura
  26. 26. d e c i s i o n r e p o r t 2 9 V AREJO v a l o r é um processo novo, entendemos que o cliente é único e tem a autonomia de es- colher onde ele quer comprar”, aponta. Para isso, a Livraria criou estruturas na tecnologia SOA integrada às novas apli- cações e orientada ao serviço. A rede varejista também está estu- dando a melhor forma de oferecer ao consumidor modelos de pagamento pelo celular. Como a tecnologia de co- municação por proximidade de campo (NFC, Near Field Communication) está apenas começando no Brasil, a Livraria otimiza os investimentos em tecnolo- gias que proporcionem experiência para todos os clientes, não somente aos con- sumidores que possuem um aparelho compatível ao NFC. “A tecnologia de proximidade de cam- po é muito incipiente no País, está em processo de maturidade. Claro que esta- mos sempre atentos aos movimentos do mercado, existe muitos modelos de m- -payment para explorarmos, desde o NFC ao SMS e o QrCode, mas ainda não é o momento. O mais importante para nós é a experiência e isso conseguimos entre- gar por meio dos nossos serviços nas lojas, no site e agora nos celulares”, completa. Em julho de 2013, a Livraria Cultura lançará o Kobo Aura HD. O produto che- ga para potencializar o time de eReaders Kobo já disponibilizado pela rede. O equi- pamento foi desenvolvido pela japonesa Rakuten em uma plataforma de padrão aberto e permite que os usuários armaze- nem e-books em sua memória de 4GB, ex- pansível para 32GB com cartão MicroSD. Campanhas interativas. No caso da Polishop, a experiência do cliente também faz parte da estratégia de aten- dimento e levou a companhia a desen- volver um aplicativo para as principais plataformas móveis. De acordo com Fe- lipe Brasil, diretor de E-commerce da rede, a Polishop adotou um recurso de reconhecimento de vídeo que identifica imagens dos produtos nos comerciais de TV. “O cliente aponta o celular para um televisor comum que o aplicativo reconhece o item. Incluímos também recurso de leitura de QrCode, os códi- gos ficam espalhados pelas nossas lojas e nas caixas de produtos. Disponibiliza- mos a programação da Polishop TV para os usuários que queriam assistir nosso canal pelo celular e fechar um pedido em poucos toques na tela”, conta. O maior desafio da Polishop foi inte- grar diferentes tecnologias em uma úni- ca plataforma, mas os desafios já foram superados e, na visão do diretor, os be- nefícios para o consumidor fazem parte do processo de inovação da rede. “Com a explosão do uso de smartphones e o movimento irreversível da mobilização, algumas iniciativas e recursos já se tor- naram fundamentais para o cotidiano do Varejo”, aponta. Segundo ele, para facili- tar a experiência do consumidor, os sites e as campanhas de e-mail marketing pre- cisam ser totalmente compatíveis com os navegadores dos smartphones. No universo dos aplicativos, conti- nua Felipe Brasil, o Varejo tem diversas formas para promover recursos diferen- ciados no telefone, desde um aplicativo que possibilite a básica comercialização de produtos até inovações que despertam a curiosidade dos consumidores. “Nesse ambiente, o grande desafio é conseguir gerar o hábito de uso para que o aplicativo não seja esquecido”, completa. Na opinião do diretor, os consumi- dores de hoje, ansiosos por novidades e lançamentos, exigem atendimento diferenciado com ofertas exclusivas. Isso exige do varejista integrar recursos tecnológicos aos diferentes canais de venda, incluindo também os meios de pagamento pelo celular. “Acredito muito nessa tendência e vejo que o caminho do pagamento pelo celular será por meio da carteira eletrô- nica (e-wallet), que armazenará de for- ma segura todos os cartões de crédito do cliente, evitando assim a apresentação do mesmo nas compras no mundo físico ou no e-commerce.” Para o futuro, a Polishop pretende integrar ainda mais os conceitos de om- nichannel e oferecer uma experiência única ao consumidor.“Em breve, vamos também invadir o mundo dos tablets com muita interatividade”, conclui. z “Com a explosão do uso de smartphones, algumas iniciativas já se tornaram fundamentais para o cotidiano do Varejo. Em breve, vamos também invadir o mundo dos tablets” Felipe Brasil, diretor de E-commerce da Polishop
  27. 27. 3 0 d e c i s i o n r e p o r t t e n d ên c i a s A era dos aparelhos inteligentes começou. A internet das coisas já faz parte das nossas vidas, além do que jamais imaginávamos  P o r R o d r i g o A r o n cada dia a internet se aproxima mais do co- tidiano pessoal e profis- sional das pessoas. Com o avanço da tecnologia e da mobilidade, novos produtos e conceitos chegam até nós ininterruptamente, seja na forma de dispositivos ou serviços como smar- tphones e a rede 4G, por exemplo. 3 0 d e c i s i o n r e p o r t Internet das coisas: o futuro chegou!
  28. 28. A TELIUM está inaugurando seu novo Data Center em Porto Alegre. Este Data Center terá muitas novidades para oferecer a disponibilidade e segurança necessárias para seu negócio. São um total de 84 racks, oferecendo capacidade para mais de 3000 servidores, com estabilidade elétrica garantida através de geradores, UPS e quadros de distribuição elétrica redundantes. Além disso, o novo Data Center da TELIUM conta com um sofisticado sistema de resfriamento, através do confinamento de corredores frios, garantindo um aumento de 20% na eficiência energética das máquinas, poupando recursos naturais e o meio ambiente. Toda essa estrutura ainda conta com altíssima segurança física do ambiente, vídeo vigilância, controle de acesso biométrico ao Data Center e avançadosistemadedetecçãoecombateaincêndios com gás FM-200. Tudo isso para garantir a mais alta segurança das informações vitais para o seu negócio. Área de Condensadores Saída de Emergência Sala de No-Breaks Para Cima 2340 mm 18493,3333 mm 1470 mm 2800 mm 7625mm 2250mm AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Corredor de ar frio confinado Corredor de ar frio confinado Corredor de ar frio confinado Corredor de ar frio confinado 2430 mm2600mm CONHEÇA O NOVO DATA CENTER TELIUM EM PORTO ALEGRE RACKS AGILIDADE NO SUPORTE Os Racks do novo Data Center da Telium contam com um poderoso sistema de resfriamento de padrão internacional, que funciona a partir de corredores de ar frio confinado. O Data Center contará com uma equipe de operações no local, trazendo agilidade ao suporte. CÂMERAS DE VIGILÂNCIA O Data Center será monitorado 24x7x365 por meio de diversas câmeras de vigilância, garantindo a segurança das informações armazenadas. SEGURANÇA O novo Data Center da Telium possui controle de acesso biométrico, que impede o acesso não autorizado ao local aonde estão armazenadas suas informações. @telium /telium TELIUM.com.br 4003.5800 Data Center Telecom Serviços de TI| | Soluções para um mundo conectado SIGA-NOS: Porto Alegre 51 3387.3700
  29. 29. 3 2 d e c i s i o n r e p o r t t e n d ên c i a s A era digital móvel movimenta não só a fantasia consumista dos usuários, mas também um promissor mercado global. Segundo o Gartner, a receita de serviços móveis atingirá o valor de US$ 1 trilhão até o final de 2013. No Brasil, este faturamento pode chegar a US$ 6 bilhões este ano. De acordo com o instituto de pesqui- sa, as vendas de aparelhos móveis de- vem crescer 11,3%, em 2013, alavancando também a indústria de aplicativos. Até 2016, esse mercado pode chegar a US$ 74 bilhões graças às mais de 305 bilhões de operações correspondentes a downloads. A comunicação dos dispositivos eletroe- letrônicos, sensores wireless e chips res- ponsáveis pela interação com a web abriu um leque de oportunidades de conexão e troca de informações, a chamada inter- net das coisas (IoT, na sigla em inglês). Segundo Steve Prentice, analista do Gartner, a conexão móvel inteligente será inevitável nos próximos anos. “Existem dois pontos importantes para a consoli- dação do conceito da internet das coisas. O primeiro está vinculado ao aumento do número de dispositivos móveis em todo o planeta e o segundo está ligado a esse crescimento, pois logo teremos uma quantidade muito grande de dados prove- nientes dos aparelhos, das pessoas e das máquinas, forçando, assim, um estado global de conectividade”, afirma. De onde vem? O conceito de internet das coisas surgiu em 2011 durante um consórcio formado pela União Europeia e foi desenvolvida pelo MIT (Massachuset- ts Institute of Technology), universidade norte-americana dedicada à criação da IoT, utilizando tecnologias RFID (identificação por radiofrequência) e sensores de rede sem fio. No encontro dos países europeus, fo- ram identificadas mais de 150 aplicações da mobilidade em setores de transporte, cida- des inteligentes, cadeias de suprimentos, saúde, estilo de vida, comércio, redes de energia elétrica, entre outros. A partir disso, a ideia é implementar inteligência de comunicação, via rede e nos objetos, no modelo M2M (Machine to Machine), de forma que as coisas pos- sam conversar entre si, até mesmo sem a intervenção humana. Essa iniciativa aprimora a experiência de ações diárias como abrir uma geladeira. Nesse caso, o eletrodoméstico recebe dicas automáticas sobre dieta ou cria uma lista de compras de produtos em falta na cozinha do usu- ário, por exemplo. Este cenário abriu os olhos do mer- cado de TI, no qual os desenvolvedores e players de todo o mundo buscam agregar ainda mais valor à tecnologia. Segundo um estudo divulgado pela Cisco, a apli- cação do conceito IoT pode gerar US$ 14,4 Nuvem das coisas Imagine a possibilidade de sincroni- zar todos os aparelhos domésticos e do trabalho ajustando apenas o despertador. Esse é o exemplo mais simplório da união da internet das coisas com o cloud computing, o chamado Cloud of Things (CoT). A iniciativa partiu do MIT (Massachu- setts Institute of Technologies) que prevê um aumento significativo da experiência na troca de dados sem fio entre as coisas. A ideia consiste em enviar todas as informações provenientes dos sensores e dispo- sitivos com RFID para a nuvem, de modo que as configurações sejam alinhadas automaticamente aos demais eletroeletrônicos. trilhões de lucro na economia global, por meio do desenvolvimento e venda de apli- cativos. A própria Cisco vem trabalhando na criação de padrões abertos para ace- lerar a adoção da internet das coisas na estratégia de negócio dos clientes. Ainda segundo a Cisco, em 2008, o número de equipamentos conectados à internet ultrapassou a quantidade de pessoas na Terra, podendo chegar aos 50 bilhões em 2020, somando não ape- nas tablets e smartphones, mas carros, eletrodomésticos, etiquetas de lojas e até animais. A startup holandesa Sparked, por exemplo, desenvolveu um dispositivo de troca de informações via wireless para serem usados em vacas, proporcionando ao dono do gado detectar remotamente se alguma fêmea está grávida, doente ou perdida do rebanho. E os gargalos? “Do ponto de vista técnico, os desafios são poucos porque a tecnologia empregada não é tão com- plexa para nosso conhecimento atual. Os maiores problemas serão sentidos na adaptação dos novos modelos de negócios e nas operadoras web, pois o volume de banda larga necessária para a comunica- ção das coisas precisará de disponibili- dade e fluxo contínuos de rede, exigindo investimentos significativos na cobertura wireless dos aparelhos”, aponta o analis- ta do Gartner, Steve Prentice. Rob Lloyd, presidente de Vendas e Desenvolvimento da Cisco, afirma que, atualmente, 99% dos eletroeletrônicos de todo o mundo não estão conectados à internet. Para ele, o primeiro desafio do conceito IoT é ligar todos os equipamen- tos digitais possuidores de endereço IP
  30. 30. d e c i s i o n r e p o r t 3 3 t e n d ên c i a s Internet das coisas X internet de tudo Segundo a Cisco, a era da IoT irá além dos aparelhos conectados. A troca de dados envolverá pessoas e processos tecnológicos gerando bilhões de conexões e utilizando formatos de comunicação M2M, P2M (People to Machine) e P2P (People to People). A tomada de decisão, seja em relação aos negócios ou até a hora de acordar para um compromisso, se baseará em informações provenientes de inúmeros sensores espalhado em todos os lugares que analisam desde as condições climáticas até resultados de bolsas de valores globais, tudo em tempo real. à rede mundial de computadores, além de conectar pessoas a processos, objetos e dados. Indo mais fundo na discussão, Steve Prentice coloca como principal obstáculo o desenvolvimento e a criação de todos os equipamentos que estarão conectados à web. “A maioria dos dispositivos que supos- tamente farão parte da internet das coi- sas simplesmente ainda não existem. Se partirmos do zero, em relação ao número de aparelhos existentes (smartphones, tablets, TVs inteligentes e demais equipa- mentos), não chegam nem na metade dos anunciados nos meios de comunicação de empresas como Ericsson, IBM e Cisco. De- vido à falta de conhecimento atual sobre o futuro da tecnologia, é difícil arriscar um palpite, tudo vai depender da qualidade disponível de acesso e da criação dos pró- ximos devices. Entretanto, teremos dez anos pela frente para descobrir isso.” No Brasil, a internet das coisas está sendo empregada desde 2011. De acordo com a Associação Brasileira de Automa- ção GS1, o conceito de RFID e sensores wireless foram colocados em prática no território nacional por iniciativas priva- das e públicas, desde rebanhos de gado, identificação de automóveis pelo Sistema Nacional de Identificação de Veículos (SI- NIAV) e até pelas Forças Armadas. Segun- do a associação, a internet das coisas será o novo pilar dos processos de manufatu- ra, serviços de saúde, produção e distri- buição inteligente de energia (smart grid) e de outros setores do mercado. O Rio de Janeiro é um exemplo de aplicabilidade. Por meio de câmeras, sensores e camadas de informação, a capital carioca implantou o projeto de Cidades Inteligentes, transmitindo ima- gens e dados para um telão de 80 me- tros quadrados no Centro de Operações do município. A iniciativa permite aos responsáveis pela segurança urbana ob- servar e resolver problemas de trânsito, casos de usurpação pública entre outras ocorrências em tempo real. A cidade de Vitória da Conquista, no estado da Bahia, implementou etiquetas de ra- diofrequência em uniformes escolares do ensino médio público. O sistema moni- tora a entrada de alunos nas escolas e, em caso de ausência, envia mensagens aos celulares dos pais das crianças. Impacto no negócio. Com a escassez dos endereços eletrônicos, foram cria- dos os protocolos Ipv6, proporcionando o equivalente a 100 endereços virtuais por átomo da Terra, um número prati- camente impronunciável! Será que as companhias de todo o mundo estão pre- paradas para integrar e gerenciar a gran- de quantidade de informações geradas diariamente? De acordo com Steve Prentice, o desa- fio para os CIOs e equipes de gestão de TI será a transformação dos dados em valor de negócio, com o uso de tecnologias de big data e análises avançadas.“O sucesso de mercado será correspondente à capa- cidade das empresas em coletar, analisar e construir informações críticas. Além disso, o mais importante nessa equação é usar adequadamente os dados, a fim de transformá-los em melhores insights para os negócios”, revela. De fato, as companhias sofrerão com esses processos, que vão minar a experiência dos profissionais de alto nível de Tecnologia da Informação se comparada com os trabalhos não tão qualificados do passado, argumenta o analista do Gartner. z A internet das coisas é baseada em três etapas: z Identificação dos aparelhos, por meio da tecnologia RFID (radiofrequência); z Sensores, que detectam mudanças na qualidade física dos equipamentos; z Miniaturização e Nanotecnologia, pequenos objetos com a capacidade de interagir e se conectar com a rede mundial de computadores. anote!
  31. 31. Segurança da Informação e Gestão de Risco Ano 8 Número 15 2013 Yanis Cardoso, gerente de SI da Embratel Mainframe: Mito ou realidade? Especialistas debatem as vulnerabilidades dos ambientes de grande porte Segurança integrada como estratégia de proteção
  32. 32. BYOD: O lado vulnerável da TI Overview Pesquisa da Check Point aponta o impacto dos dispositivos móveis sobre a segurança das informações corporativas 3 6 r I S K r e p o r t De smartphones a tablets, os dispositivos móveis, junta- mente com a adoção do Bring Your Own Device (BYOD), expõem as em- presas a riscos e altos custos com inci- dentes de segurança, trazendo grande preocupação para as equipes de TI, responsáveis pela proteção corpora- tiva. Hoje, as informações, incluindo dados importantes de clientes, são ar- mazenadas em dispositivos móveis pessoais e o vazamento ou perda de dados empresariais está trazendo al- tos custos para as companhias. De acordo com o relatório de se- gurança móvel da Check Point, que entrevistou 800 profissionais de TI nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Japão, a maioria das em- presas (79%) sofreu um incidente no ano passado. O estudo detectou que os incidentes de segurança móvel cus- taram mais de US$ 100.000 para 42% das empresas, das quais 16% reporta- ram custos acima de US$ 500.000. Segundo a pesquisa, duas em cada três empresas permitem o uso de dis- positivos pessoais conectados às re- des corporativas. Entre elas, 63% não administram as informações corpora- tivas armazenadas nesses aparelhos. Os dados são os mais diversos, mas o e-mail corporativo está no topo do ranking do armazenamento com 88%, seguido por informações de contato para colegas, clientes e parceiros, com 74%, e dados de clientes com 53%. De todos os possíveis problemas que poderiam acontecer com a políti- ca do BYOD, a perda de informações corporativas é, de longe, a maior preo- cupação com 94%, contra custo para substituição de aparelhos perdidos ou 0% 50% 100% roubados (20%) e violações de multas por conformidade (10%). Em todas as diferentes plataformas móveis, os dispositivos que usam o sis- tema Android estão no topo do ranking em termos de risco com 49%, contra 25% da Apple/iOs, 17% do Windows Mobile e 9% do BlackBerry. z
  33. 33. r I S K r e p o r t 3 7 A capacidade de detectar violações de dados em ques- tão de minutos é fundamental para evitar a perda de informações. De acordo com a pesquisa Needle in a Da- tastack, da McAfee, apenas 35% das empresas pesquisadas afirmaram ser capazes de fazê-lo, enquanto 22% das companhias precisariam de um dia para identificar uma violação. De acordo com José Antunes, ge- rente de Engenharia de Sistemas da McAfee, os bancos de dados passaram por uma necessária evolução para li- dar com a montanha de informações, inclusive não estruturadas. Este cená- rio deixou a segurança do ambiente corporativo ainda mais complexa. “A ameaça interna prejudica todo o fun- cionamento da empresa, já a ameaça externa impacta o negócio”, aponta. Na visão de Antunes, a segurança corporativa está diante do desafio de detecção de invasões em questões de minutos. Segundo a pesquisa da McAfee, 73% dos entrevistados afir- maram ser capazes de avaliar o esta- do de proteção corporativa em tempo real, porém, apenas 24% conseguiram reconhecê-las rapidamente. A pesquisa aponta também que 58% das organizações que afirmaram terem sofrido violações de segurança no ano passado, apenas 24% conse- guiram reconhecê-las em poucos mi- nutos. Além disso, quando a questão é realmente encontrar a origem da vio- lação, apenas 14% conseguiram fazê- -lo em questão de minutos, enquanto 33% afirmaram que levou um dia e 16% disseram que levou uma semana. De acordo com Antunes, o tema de big data é novo para o segmento de segurança e esse desafio se insere nas estratégias de proteção das empre- sas em duas vertentes. “Existe a se- gurança do big data, dos dados gera- dos diariamente nas empresas. Além da capacidade de correlacionar uma imensa massa de dados para trans- formar a informação em estratégia de defesa da empresa”, explica. Segundo o executivo, as empre- sas devem ir além da comparação de padrões para conseguir realizar aná- lises e modelagens de acordo com os riscos atuais. “O ideal é que essa abordagem seja apoiada por um sis- tema de gestão de dados capaz de criar análises em tempo real a fim de identificar as ameaças e saber trata- -las rapidamente”, completa. Além da capacidade de detectar ameaças em tempo real, as empresas devem ser capazes de identificar ten- dências e padrões potencialmente si- nistros de longo prazo. Ou seja, não é simplesmente encontrar uma “agulha num palheiro de dados”, as empresas devem adotar um horizonte de tempo mais longo com contexto baseado em riscos para encontrar “a agulha” certa e ser capaz de tomar a iniciativa de lidar com as ameaças atuais. z Big data: o poder da segurança para o negócio Estudo da McAfee constata que apenas 35% das empresas são capazes de detectar rapidamente falhas de segurança Como descobrir a origem das violações Afirmaram que levaria um dia para fazê-lo Afirmaram que levaria apenas alguns minutos Afirmaram que levaria uma semana para fazê-lo 33% 14% 16%
  34. 34. Focus Segurança integrada com o futuro A s tecnologias recentes trazem oportunidades e riscos na mesa medida. A questão da segurança é o ponto convergente entre as principais ten- dências. Hoje, as empresas não podem fechar os olhos para a adoção de mobilidade, cloud com- puting e big data, mas precisam de uma visão mais abrangente da segurança que envolva produtos e serviços integrados. Para Daniel Sobral, gerente de Segurança da Informação do Grupo Friboi/JBS, os ataques às empresas são inúmeros e bem desenvolvidos, principalmente os APTs (Advanced Persistent Threats). “Ficou fácil e rentável para os criadores de malwa- res inventarem novas e complexas ameaças, pois existem até manuais de programação de vírus e aplicativos maliciosos na internet”, afirma o executivo durante painel de debate, promo- vido pela TVDecision com o patrocínio da IBM. A segurança integrada foi o tema central da discussão, principalmente quando envolve tendências como mobilidade e big data. Mas como garantir uma segurança inteligente e in- tegrada para suportar os novos negócios? Na visão de Daniel Sobral, os cibercriminosos nunca tiveram tanta gana em reali- Especialistas traçam o cenário dos ciberataques e o papel da Segurança da Informação dentro das estratégias de proteçãocorporativa|PorRodrigoAron 3 8 r I S K r e p o r t “Ficou fácil e rentável para os criadores de malwares inventarem novas e complexas ameaças, pois existem até manuais de programação de vírus e aplicativos maliciosos na internet”, Daniel Sobral, gerente de Segurança da Informação do Grupo Friboi/JBS
  35. 35. zar invasões, pois o mercado de roubo de informações está em alta e tende a crescer em um futuro próximo. Para Paulo Yukio, diretor de SI da Ambev, outra facilidade encontrada pelos hackers é a falta de mão de obra especializada em processos de proteção dos ativos dentro das corporações. “Os poucos profissionais da área de Segurança da Informação não dão conta de assegurar todas as empresas. Para suprir essa demanda, vamos presenciar o aumento de serviços de consul- toria e suporte com foco em proteção”, disse o executivo. De acordo com um estudo da IDC, até 2015, o mercado de gestores da área de segurança e de redes terá uma lacuna de apro- ximadamente 23,6 mil vagas para profissionais qualificados, nú- mero que tende a aumentar até 2020 com o incremento de mais dispositivos móveis e outros aparelhos conectados à internet. Estratégias de defesa. Para Edinaldo Moraes, gerente de TI e SI da GetNet, as ferramentas e políticas de segurança estão acompanhando a evolução das ameaças, principalmente com uso de tecnologias de rastreamento. “Pode demorar um pouco, mas logo teremos soluções capazes de identificar e encontrar a fonte dos ataques”, aponta. Na opinião de Moraes, as aplicações atuais de proteção podem até apresentar falhas, mas garante: “Somos melhores do que o cibercrime.” Felipe Penaranda, líder de SI da IBM, destaca a necessidade de soluções integradas de segurança para as novas tecnologias como mobilidade e cloud computing. “É preciso haver cons- cientização sobre os processos de proteção às informações. No caso do BYOD e demais recursos móveis, as empresas devem definir políticas de acesso sólidas e baseadas nas melhores prá- ticas de defesa corporativa a fim de gerar confiança em toda rede”, diz Penaranda. “No modelo de cloud computing, as com- panhias ainda carecem de ferramentas aprimoradas para assegu- rar os processos feitos e mantidos nos ambientes virtualizados. Estamos trabalhando para reduzir essa lacuna”, argumenta. Renan Baptista, líder técnico de Serviços em Segurança da IBM, colocou a SI como um guia para as organizações traça- rem as metas de negócios. “A proteção aos dados atingiu um novo patamar de relevância. Hoje, não dá para traçar estraté- gias de mercado sem introduzir a Segurança da Informação como agente facilitador de implantações tecnológicas. Trata-se de uma proteção integrada, inteligente e eficiente no combate ao cibercrime”, conclui o especialista. z r I S K r e p o r t 3 9 Durante o painel de debates, a plateia online de executivos respondeu enquetes disponibilizadas na plataforma de transmissão: Quais itens são mais importantes para a Segurança da Informação? Visão integrada: 49% Educação digital: 46% Soluções tecnológicas: 5% Quais tendências impactam mais o seu ambiente de segurança? Cloud computing: 52% Mobilidade: 29% Big data: 19% “Os profissionais de segurança não dão conta de assegurar os dados. Para suprir essa demanda, vamos presenciar o aumento de serviços de consultoria e suporte com foco em proteção”, Paulo Yukio, diretor de SI da Ambev
  36. 36. 4 0 r I S K r e p o r t Segurança em mainframe: mito ou realidade? P assaram quase cinquenta anos e mesmo assim o mainframe ainda é o ambiente mais robusto, usado por grandes empresas para o tráfego de in- formações críticas de negócio. O mainframe não morreu, não perdeu a potência e nem a confia- bilidade, entretanto, passou por transformações, ganhou no- vas funcionalidades, diferentes linguagens de programação e tecnologias avançadas. De acordo com a IDC, este mercado movimentou US$ 10 bilhões no ano passado e a previsão é de crescimento para os próximos anos. Mas até que ponto os mainframes, considerados um dos ambientes computacionais mais seguros do mundo, estão imunes ao aumento e sofisticação dos ataques, fraudes, in- vasões e roubos de informações. Em geral, as pessoas acre- ditam na ausência de vulnerabilidades nas grandes máqui- nas, mas a verdade não é bem assim. A realidade é que, no passado, o mainframe era basicamente um servidor solo com rede segregada. Com o advento das redes TCP/IP e da internet, além de outros fatores como mobilidade e mídias sociais, os ambientes de grande porte passaram também a fazer parte da rede mundial de servidores sendo suscetí- veis às vulnerabilidades internas e externas. Afinal, a proteção total no mainframe é um mito ou uma realidade? Para Yanis Cardoso, gerente de Segurança da Informação da Embratel, desde o modelo SLA esses am- bientes já apresentavam riscos internos nos processos ina- dequados de configuração de acessos e controles de identi- dades. “Hoje, o grande desafio é tirar da cabeça das pessoas As vulnerabilidades e os riscos que cercam os ambientes de grande porte derrubam o tabu da plataforma invulnerável, porém, especialistas apontam o mainframe como a melhor opção para trabalhar dados críticos | Por Léia Machado Focus f o t o s : I z i l d a F r a n ç a
  37. 37. r I S K r e p o r t 4 1 a crença de que o mainframe não tem vulnerabilidade. As ameaças existem e precisam ser tratadas”, aponta o execu- tivo durante painel de debate promovido pela TVDecision com patrocínio da 3COM e da MSCS-X. Francimara Viotti, gerente-executiva de Segurança da In- formação do Banco do Brasil, concorda com Cardoso e acres- centa que o mainframe é uma invenção humana e traz consigo as imperfeições em acessos físicos ou virtuais. “Ele sempre teve riscos, principalmente no elo mais fraco, as pessoas”, diz. De fato, as vulnerabilidades sempre existiram, mas o cenário de proteção das grandes máquinas se tornou ainda mais com- plexo devido ao volume exponencial de aplicações inseridas. Mesmo assim, o mainframe ainda é muito seguro. Na visão de Henrique Takaki, coordenador do Grupo de Prevenção à Fraude da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços – ABECS, o ponto chave da proteção pre- cisa ser baseado no bom senso. “Eu considero o ambiente de grande porte como o mais seguro. O que mudou é a forma de como lidamos com a segurança e como colocamos uma aplica- ção no ar. Precisamos usar as ferramentas e aplicações corretas, além de mudar a cultura da empresa, pois, hoje, várias pessoas têm acesso às informações críticas”, aponta. Modelos e aplicações. Segundo os especialistas presentes no painel, o grau de complexidade da proteção do mainfra- me também depende da plataforma utilizada e se ele está ou não na internet. Na opinião de Paulo Lopes, diretor de De- senvolvimento de Sistemas da Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerias - Prodemge, a maioria das empresas que usam mainframe não os coloca na internet justamente pelo risco do ambiente web. “Os grandes computadores utilizam duas plataformas: a alta, na qual é extremamente protegida, são raros os casos de invasão, e a open, que apresenta mais facilidade ao trabalho das equipes de TI, porém, é mais vulnerável”, explica Napoleão Filho, diretor de Infraestrutura Tecnológica da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia – Prodeb. De acordo com Adriano Assis, gerente de Infraestrutura de Redes de Segurança do Sistema de Cooperativas de Crédi- to do Brasil – Sicoob, a proliferação das ameaças ao mainfra- me foi causada pelo aumento do volume de aplicações desti- nadas aos sistemas de processamentos. “A demanda por mais funções no mainframe ocasionou em uma abertura maior de acessos às informações. Quanto mais usuários, maiores são as vulnerabilidades”, aponta Assis. Para Mardem Barbosa, analista de Suporte de Software da Companhia de Saneamento de Minas Gerais – COPASA, as vulnerabilidades do mainframe, independente da plata- forma, se baseiam em acessos indevidos, invasão, roubo e adulteração de informações. “Essas questões exigem ferra- mentas de monitoria, mas existe outro agravante, a escassez de mão de obra qualificada.” Faltam talentos. Segundo Napoleão Filho, que está no mercado de TI há 44 anos e iniciou sua carreira pelo main- frame, os jovens profissionais não demonstram interesse em trabalhar com os ambientes de grande porte, pois esses computadores exigem muito trabalho lógico e intelectual. Na opinião de Fábio Neves, gestor de Segurança da Cia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo - Prodesp, é importante disseminar o conhecimento interno dos pro- “Hoje, o grande desafio é tirar da cabeça das pessoas a crença de que o mainframe não tem vulnerabilidade” Yanis Cardoso, gerente de Segurança da Informação da Embratel
  38. 38. 4 2 r I S K r e p o r t4 2 r I S K r e p o r t fissionais mais experientes e criar novos talentos internos. “Nosso apelo é para as empresas se preocuparem com pro- cessos de capacitação em mainframe. O mercado está escasso e as ferramentas de proteção ainda são incompletas, preci- samos fazer customizações para que elas atendam as nossas necessidades”, completa Francimara. Há poucos anos, a Prodemge abriu um concurso público para contratar recém-formados em tecnologia e Paulo Lopes fez a recepção desses novos profissionais. Ele questionou ao grupo quem havia feito estágio em ambiente mainframe e qual era a percepção desta plataforma. Um jovem levantou a mão e respondeu: “tosco, tudo é texto e difícil, não tem frameworks com interfaces de usuários”. “Para muitas pesso- as, o conceito do mainframe ainda é assim, mas esse cenário já vem mudando há alguns anos e o mercado precisa de um reposicionamento dessa tecnologia, pois ela é necessária no nosso cotidiano”, acrescenta Lopes. Quebra de paradigma. De fato, o mainframe não está livre das vulnerabilidades atuais, mas todos os especialistas presen- tes no debate acreditam que a plataforma é a mais confiável e robusta para trabalhar grandes volumes de dados críticos de “O mainframe sempre teve vulnerabilidades, pois é uma máquina criada por homens. Mas ele é o alicerce do nosso trabalho e precisa de proteção” Francimara Viotti, gerente-executiva de Segurança da Informação do Banco do Brasil negócio e de TI, principalmente na análise e identificação de informações sensíveis ao core business. Se o mainframe foi e sempre será muito importante para as empresas, é certo que ele precisa acompanhar os avanços da atualidade. Como ele pode ser inovador? Quais são os desafios para disseminar o conhecimento e reter os talentos? “O mainframe é o alicerce do nosso trabalho. Uma ins- tituição financeira como o Banco do Brasil tem uma grande base de dados e precisa de uma solução robusta. Mas isso não nos impede de trabalhar com novas tecnologias em ou- tras plataformas”, aponta Francimara. Segundo a executiva, as práticas de segurança em ambientes de grande porte não mudaram, são as políticas de proteção que norteiam como a empresa trabalha no mainframe. “O desafio que temos hoje é de monitoramento e as ferramentas não estão preparadas para isso, justamente por causa da corrida das empresas para a baixa plataforma”, diz. Para Régio Lopes, especialista em Segurança da Infor- mação da Caixa Seguros, o caminho de proteção do mainfra- me deve ser traçado com processos de análises do impacto do risco no negócio. “É importante entender quão crítica é uma informação para a empresa e quanto custa a perda de dados, até mesmo para justificar o investimento em solu- ções de segurança”, aponta. Na opinião de Henrique Takaki, muitos gestores de main- frame têm a mentalidade da década de 70, o que torna ainda mais complexa a proteção desses ambientes. “O caminho é mostrar para esses profissionais as transformações de acesso e como isso impacta na segurança. Ao mesmo tempo, é im- portante formar os novos talentos, ou seja, o velho precisa se atualizar e o novo tem de buscar conhecimento”, completa. “Antigamente, a máquina responsável pelo processamen- to dos dados ficava segregada dos demais equipamentos, com uma segurança física maior. Hoje, o cenário é outro, as empre- sas precisam providenciar monitoramento e controle ininter- ruptos aliados às políticas e ferramentas adequadas de prote- ção”, conclui Aloysio Oliveira, CEO da MSCS-X. z Focus

×