Didática e metodologia do ensino religioso

6.458 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.458
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
112
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Didática e metodologia do ensino religioso

  1. 1. DIDÁTICA E METODOLOGIA DO ENSINO RELIGIOSO WERKSON DA SILVA AZEREDO 1 WERKSON DA SILVA AZEREDO2 Curso Pós-Graduação Especialização em Ciências da Religião FANAN – Faculdade de Nanuque RESUMO Este trabalho tem o objetivo de analisar a didática e a metodologia do Ensino Religioso uma vez que o desempenho do aluno em contato com um professor munido de todo um aparato didático-pedagógico pode ser potencializado, ressaltamos também, como a didática tem um papel importante no desenvolvimento de uma educação crítico- reflexiva. Em seguida, trataremos da Metodologia do Ensino Religioso com seu desenvolvimento ao longo da História brasileira desde da ação jesuítica até sua nova roupagem com o advento da LDBEN/97 - Lei 9475/97, nova redação do art. 33 da Lei 9394/96 e como o Ensino Religioso através de alguns princípios metodológicos pode alcançar seus objetivos, fugindo de uma matriz histórica de doutrinação e partindo para uma ação de conscientização tratando de temas diversos (diversidade, cidadania, dialogo, tolerância, ética, respeito etc.). 1. INTRODUÇÃO A didática, como veremos, é uma ferramenta indispensável para o professor pode ser diferencial para o aprendizado do discente mais que possuir conteúdo teórico o educador necessita de recursos que o aproxime da realidade dos alunos, se pudéssemos representar a didática com uma imagem a representaríamos como uma ponte entre o conteúdo e a aquisição-transmissão do conhecimento. “A didática é uma disciplina que estuda o processo de ensino no seu conjunto, no qual os objetivos, conteúdos, métodos e formas organizativas da aula se relacionam entre si de modo a criar as condições e os modos de garantir aos alunos uma aprendizagem significativa” (Libâneo, 2001). “A Didática passou de (...) apêndice de orientações mecânicas e tecnológicas para um atual (...) modo crítico de desenvolver uma prática educativa, forjadora de um projeto histórico, que não se fará tão somente pelo educador, mas pelo educador, conjuntamente, com o educando e outros membros dos diversos setores da sociedade” (Santos, 2003. P. 139, apud, OLIVEIRA).
  2. 2. Quando pensamos no contexto religioso brasileiro atual com sua dinamicidade e pluralidade já podemos supor como é desafiante a prática do Ensino Religioso nas escolas públicas e privadas, logo a abordagem deve ser diferenciada. O ER por muito tempo foi sinônimo de catecismo mesmo no ambiente escolar, contudo vem passando por uma renovação ganhou nova legislação (LDBEN/97 - Lei 9475/97, nova redação do art. 33 da Lei 9394/96) prevendo sua laicidade e o não proselitismo, esse tem que ser inovador respeitando e a diversidade- pluralidade levando os alunos a saberem lidar com o diferente através de um olhar que contemple não apenas a si como o outro. ______________________ 1 Aluno do Curso de Pós Graduação- Especialização em Ciências da Religião - Lato – Sensu- Faculdade Vale do Cricaré. 2 Graduado em Teologia.
  3. 3. 2.DIDÁTICA 2.1 Um pouco de História. O pai da didática como ficou conhecido Jan Amos Komensky (1592-1670 - Educador e pedagogo do século XVII) ou Comenius nasceu em Nivnice, Morávia, hoje República Tcheca. “Superou o pessimismo antropológico que marcou a Idade Média e Propôs um sistema articulado de ensino, reconhecendo o igual direito dos homens ao saber. Destacou-se pela ousadia de suas propostas e foi considerado como um revolucionário da educação” (Tavares, 2011, p.18). Percebe-se o quão contemporâneo pode ser o posicionamento de Comenius para a realidade da educação no Brasil, marcada pela desigualdade. Comenius ficou conhecido por definir o processo de ensino em três fases distintas que seria respectivamente: A escola Materna (responsável pelos sentindo e iniciaria todo processo, sendo responsável por ensinar a criança a falar); Escola Elementar (nesta a criança toma contato com a língua materna e outros saberes como estudos sociais etc.); Escola Latina (nesta Comenius diz ser o momento de contato com as ciências). Uma de suas obras mais conhecidas é a “Didática Magna” na qual três desejos de Comenius ficam bem claros: 1.Que todos os homens (jovens e velhos, ricos e pobres) fossem educados plenamente. 2. Que todos os homens fossem educados integralmente, para falar sabiamente sobre tudo, com qualquer um, quando necessário. 3. Que todos os homens fossem educados em todos os aspectos: para a verdade, a racionalidade, a sapiciência, a moralidade, a honradez e para a fé. 2.2.Conceituando. O que seria a didática? O que é ter didática? Essas são perguntas relevantes para iniciar nossa abordagem sobre didática e sua aplicabilidade no processo de ensino-aprendizagem, basicamente didática seria a capacidade do educador de proporcionar o melhor ensino possível aos seus alunos, independente dos desafios que educação no contexto brasileiro apresente para os professores, (desvalorização profissional e salarial - que em muitos casos os coloca em rotinas desgastantes de mais de dez horas de trabalhos diário -, por
  4. 4. consequência terão pouco tempo para preparar suas aula, falta de material teórico, etc.). Estes sabem que sua atuação deve proporcionar um aprendizado eficiente para seus alunos, a razão de ser um professor é a transmissão de conhecimento que conduza a emancipação, reflexão e autonomia. Porém, o que leva alguns alunos a se identificarem mais com um professor em detrimento de outrem? Ou, desenvolverem suas potencialidades de forma mais eficiente em contato com determinado educador, como nos diz Libâneo: “Os alunos mais velhos comentam entre si: “Gosto dessa professora porque ela tem didática”. Os mais novos costumam dizer que com aquela professora eles gostam de aprender. ” Possuir didática é fator de diferenciação para o profissional educador e para o discente em contato com este, como revela o gráfico1 abaixo: GRÁFICO 1 - A importância de uma boa aula: pesquisa nos EUA indica que a qualidade do professor tem influência direta no desempenhodos estudantes. “A didática é uma disciplina que estuda o processo de ensino no seu conjunto, no qual os objetivos, conteúdos, métodos e formas organizativas da aula se relacionam entre si de modo a criar as condições e os modos de garantir aos alunos uma aprendizagem significativa” (Libâneo, 2001). A Didática como disciplina analisará dentro de um contexto e qual a melhor perspectiva,
  5. 5. abordagem a ser utiliza para que os objetivos pré-estabelecidos possam ser alcançados. Marques, em seu dicionário pedagógico nos fornece outra definição do termo didática: Termo que designa o procedimento cujo objeto é instruir pelo ensino. É considerada uma disciplina que reúne os instrumentos necessários aos professores para estruturar e realizar o processo de ensino. Há uma didática geral e didáticas específicas. As últimas estão diretamente relacionadas com as especificidades do ensino de determinadas disciplinas ou áreas curriculares [...]. O professor que naturalmente não possua os atributos necessários pode valer- se da Didática e seus instrumentos a fim de munir-se de todo um aparato que lhe capacitará a exercer sua função de forma excelente. Avaliando o contexto no qual está inserido, a disciplina e a melhor abordagem tornando o conhecimento cada vez mais próximo à realidade do aprendiz, assim o que outrora era teórico e abstrato, torna-se tangível, como esclarece Libâneo sobre a atuação do professor: “O professor, na sala de aula, utiliza-se dos conteúdos da matéria para ajudar os alunos a desenvolverem competências e habilidades de observar a realidade, perceber as propriedades e características do objeto de estudo, estabelecer relações entre um conhecimento e outro, adquirir métodos de raciocínio, capacidade de pensar por si próprios, fazer comparações entre fatos e acontecimentos, formar conceitos para lidar com eles no dia-a-dia de modo que sejam instrumentos mentais para aplicá-los em situações da vida prática.” Voltemos a analisar o termo didática e a segunda pergunta com a qual iniciamos o presente estudo, “o que é ter didática? ”, sabemos que ter didática não é sinônimo de possuir conhecimento, uma vez que não nos é estranho ouvir de algum aluno: “aquele professor possui muito conhecimento, mas não tem didática, não consigo aprender” O vocábulo “Didática” surgiu do grego Τεχνή διδακτική (techné didaktiké), que se traduz por “arte” ou “técnica de ensinar”, logo, ter didática refere-se a conhecer os atalhos para aquisição de conhecimento, como proporcionar o ensino, como define Gil, sobre o que seria a Didática: (...) a sistematização e racionalização do ensino, constituída de métodos e técnicas de ensino de que se vale o professor para efetivar a sua
  6. 6. intervenção no comportamento do estudante (Gil 1997, pag. 109, Apud, OLIVEIRA). Maria Rita Oliveira (1988) amplia nossa concepção sobre o tema, a partir da realidade brasileira e o ambiente escolar: “A autora conceitua Didática, considerando o Brasil, como uma concepção de ensino e prática social articulada a outras práticas sociais na formação social brasileira. A autora apresenta uma conceituação da didática como crítica. Nela, há um compromisso com o ensino, ensino esse voltado para os interesses das classes populares, com a transformação das relações de opressão e dominação e com a democratização da escola pública; com o entendimento da sala de aula como espaço de progressão próprio do saber didático-prático. A didática é definida como teoria pedagógica de caráter prático, ou seja, teoria que busca prover respostas a demandas apresentadas pela sociedade à área pedagógica, sobre o desenvolvimento da prática no dia a dia da sala de aula, por meio de princípios construídos sobre a realidade concreta dessa prática, envolvendo um saber tecnológico que implique técnicas e regras sobre como ensinar. A didática – teoria pedagógica – estuda e ensina como transformar o saber escolar, ou seja, o processo de pedagogização do saber científico” (Tavares, 2011, p. 15) 2.3. Didática: mais do que técnicas. Até o presente momento utilizou-se conceitos de teóricos com a intenção de desvendar e conceituar a Didática, todavia mais que definir é preciso conhecer sua amplitude e a finalidade, uma das definições que nos foi apresenta (Gil, 1997) e desta como “Técnicas de Ensino” ampliaremos nossa compreensão, pois didáticaé bem mais do que técnicas. Santos (apud, 2003. P. 139) nos auxilia com sua colocação sobre a função da Didática: “A Didática passou de (...) apêndice de orientações mecânicas e tecnológicas para um atual (...) modo crítico de desenvolver uma prática educativa, forjadora de um projeto histórico, que não se fará tão somente pelo educador, mas pelo educador, conjuntamente, com o educando e outros membros dos diversos setores da sociedade”. Além disso, quando ampliamos nossos olhares para questões sociopolíticas perceberemos que há toda uma dinâmica que envolve o papel do educador, os vários grupos sociais têm perspectivas distintas no tocante a Educação e mais, suas demandas são opostas “Os grupos que detêm o poder político e econômico querem uma educação que forme pessoas submissas [...] Os grupos que se
  7. 7. identificam com as necessidades e aspirações do povo querem uma educação que contribua para formar crianças e jovens capazes de compreender criticamente as realidades sociais [...](Libâneo 2001, p. 2)” Assim, a Didática toma um norte todo especial pois consciente da sua responsabilidade para contribuir com uma educação libertadora que torna o indivíduo reflexivo-critico ante uma realidade social o Educar utilizará a Didática da melhor forma possível para alcançar sua finalidade: que seria preparar os alunos para a vida e sociedade. “A Didática é o principal ramo de estudo da Pedagogia. Ela investiga os fundamentos, as condições e os modos de realização da instrução e do ensino. A ela cabe converter objetivos sociopolíticos e pedagógicos em objetivos de ensino, selecionar conteúdos e métodos em função desses objetivos. ” (Libâneo 1992, p. 25) 3.METOLOGIA DO ENSINO RELIGIOSO 3.1 Analise histórica do Ensino Religioso no Brasil O Ensino religioso sempre esteve presente na educação do Brasil inicia-se com a ação jesuítica que ocorria dentro do pacto existente entre coroa Portuguesa e o Igreja Católica, tal pacto e conhecido como padroado, Zabatiero: Por padroado se entende o acordo entre a Cúria Romana e a Corte Portuguesa mediante o qual a primeira delega ao monarca português o direito de gerir a Igreja Católica nas terras brasileiras. Se, por um lado, o Vaticano cedia à corte parcela significativa do seu poder, por outro, garantia que o Estado português assegurasse o sustento financeiro e a perpetuação da Igreja Católica como a religião oficial dos povos dirigidos pelo monarca português. Esse sincretismo Igreja- Estado é denominado, na teologia, de Cristandade. A proposta do padroado trazia benefícios para ambas as partes envolvidas porém no que se refere a educação trouxe um caráter catequético romanista: “O que prevalecia no ensino religioso era a evangelização da religião oficial, ou seja, da Igreja Católica e não dos protestantes, judeus, espíritas, entre outros. ” (Web artigos) posteriormente (Primeira República) o ensino religioso começa a perder espaço: “de uma maneira geral, na sociedade, que começa a estabelecer um grau facultativo para o referido ensinamento, tornando-se posteriormente quase que figurativo nos atuais estados laicos, seja nas escolas públicas ou privadas. ” (Leonor, 2006) Após a Proclamação da República em 1889, Igreja e Estado se
  8. 8. separam e a liberdade de culto juntamente com o reconhecimento da diversidade religiosa é estabelecida. “Porém, o ensino religioso em nosso país continua sendo, na prática, o ensino da fé cristã, muitas vezes relegando totalmente outros ensinamentos religiosos. ” Com a constituição de 1934 ocorre uma nova aproximação entre estado e igreja temos mais uma vez a formação de um estado autoritário. Vemos a seguir as fases seguintes pelas quais trilhou o Ensino Religioso:  De 1930 a 1937 o ensino religioso é de caráter facultativo, pois as aulas são ministradas conforme os princípios da confissão religiosa do aluno, manifestadas pelos pais e responsáveis.  No Estado Novo (1937-19450) o ensino religioso deixou de ser obrigatório para os alunos.  No terceiro período republicano (1946-1964) o ensino religioso foi contemplado como dever do Estado para com a liberdade religiosa do cidadão que frequenta a escola.  Durante o quarto período republicano (1964-1984) o ensino religioso passou a ser obrigatório para a escola, pois o aluno poderia decidir em fazer ou não, no ato da matrícula, o ensino religioso.  De 1986 a 1996, o ensino religioso buscou a sua redefinição como disciplina regular do conjunto curricular. O Ensino Religioso passou a ser facultativo, sendo uma disciplina dos horários normais das escolas públicas do ensino Fundamental. Atualmente, o ensino religioso passou por uma reformulação na qual está orientado com temas como: diversidade, cidadania, dialogo, tolerância, ética, respeito etc. não cabendo a esse o papel de doutrinador, qualquer pratica proselitista é vedada de acordo com a LDBEN/97 - Lei 9475/97, nova redação do art. 33 da Lei 9394/96, a laicidade dever uma ação permanente na sua prática pedagógica: Art. 1º - O art. 33 da Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 33- O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo.
  9. 9. 3.2 O Ensino Religioso pode ser definido como:  Um processo de observação, reflexão e informação sobre as diversas manifestações do sagrado, a partir do contexto social e cultural do educando.  Uma abertura ao diálogo inter-religioso, na perspectiva dos valores universais, comuns a todas as tradições religiosas, espirituais e místicas, tendo por base a alteridade e o direito à liberdade de consciência, expressão do pensamento e opção religiosa. (Borres Guilouski e Emerli Schlögl, Equipe Pedagógica da ASSINTEC/SME de Curitiba) Que tem os seguintes objetivos:  Proporcionar o conhecimento e a compreensão das diferentes manifestações do sagrado, a partir da realidade sociocultural dos educandos.  Contribuir com a construção da cidadania mediante o conhecimento do fenômeno religioso, do exercício do diálogo inter-religioso, do respeito às diferenças, da superação de preconceitos e estabelecimento de relações democráticas e humanizadoras.  Refletir sobre o sentido da vida e sobre os questionamentos existenciais.  Analisar o papel das tradições religiosas, espirituais e místicas na estruturação e manutenção das diferentes culturas.  Educar para a cultura da paz, da fraternidade e da solidariedade para com todos os seres, incluindo a natureza e a humanidade. (Borres Guilouskie Emerli Schlögl, Equipe Pedagógica da ASSINTEC/SME de Curitiba) 3.3 Princípios metodológicos A partir destes apontamentos cabe algumas colocações sobre o ensino religioso e sua função no meio escolar, antes de mais nada a constituição brasileira prevê que o ensino religioso deve ser laico e não proselitista, assim deve tratar das diversas expressões religiosas não só no contexto brasileiro (catolicismo, protestantismo, espiritas, umbandistas etc.) como religiões e expressões do sagrado no mundo (ex.: budismo) respeitando o pluralismo. Para uma metodologia adequada que cumpra os objetivos tanto pedagógicos quanto legais (LDBEN/97 - Lei 9475/97, nova redação do art. 33 da Lei 9394/96) do ensino religioso é preciso ir além da apresentação de temas vinculados ao
  10. 10. sagrado ou a um estrutura religiosa cabe ao educar pôr os educados em contado com “fundamentos de vida não religiosos, que também levam à compreensão da realidade.” (SEED, 2008). Dentro dessa perspectiva o professor toma a função de orientador conduzindo o educando aos múltiplos olhares, deixando de olhar apenas para si de forma ortodoxa, mas considerando e respeitando a diversidade: O professor de Ensino Religioso, no exercício de sua prática pedagógica, precisa ser o mediador que envolva e leve o aluno interagir com o conhecimento religioso de maneira transparente, assim aceitando as desigualdades. Percebe-se que o aluno é o sujeito desta práxis educacional e está em interação com o outro e a mesma contribui para a construção de seu arcabouço cultural1. Segundo o FONAPER (FONAPER–Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso) o profissional professor do ER deve ainda ter o seguinte perfil: A atual proposta de Ensino Religioso requer um profissional de Educação com: formação adequada ao desempenho de sua ação educativa; abertura ao conhecimento e aprofundamento permanente de outras experiências religiosas além da sua; consciência e espírito sensível voltados à complexidade e pluralidade da questão religiosa; disposição ao diálogo, com capacidade de articulá-lo a luz das questões suscitadas no processo de aprendizagem dos estudantes; uma vivência de reverência à alteridade; capacidade de ser o interlocutor entre escola e comunidade, reconhecendo que a escola propicia a sociabilização do conhecimento religioso sistematizado, ao passo que a família e a comunidade religiosa são os espaços privilegiados para a vivência religiosa e para a opção de fé. A metodologia do ensino religioso buscará o que o aluno saiba reconhecer e perceber toda uma diversidade que o rodeia, conduzindo ao diálogo religioso, mostrando ao aluno uma nova forma de pensar e viver dentro da pluralidade religiosa existente nas escolas, nas ruas, nas próprias famílias, ou seja, no seu habitat. A educação que em sua abordagem não promove este contato de ampliação e formação do indivíduo peca por si só: Esta disciplina também ensina viver e conviver, estimulando o aluno a sair de si mesmo para encontrar o outro. Principalmente se este outro for pessoas que necessita de uma educação especial. Então o ensino religioso, na sua dinâmica interpessoal incluirá o diferente, como cidadão com direitos iguais aos demais (...) Aliás, as dimensões religiosa e cultural fazem parte do crescimento integral do cidadão, que
  11. 11. não pode deixar de lado este tão importante complemento. Imperdoável privar o educando do acesso aos conhecimentos desta natureza, sejam quais forem suas dificuldades em superar os limites como pessoa. (Neves, 2006). 3.4 Como desenvolver de forma eficiente a metodologia do ensino religioso? Dentro do contexto no qual será trabalhada a disciplina e lembrando da responsabilidade do ER com a diversidade uma forma de abordar de maneira interessante para os educandos seria os debates nos quais professores e alunos em reflexão conjunta construíssem uma visão ampla da pluralidade no campo religioso mundial e do diferente (aqueles que possuem necessidades sejam físicas ou sociais), para que tais alunos construam ou possam ter as bases para construção de um viver mais ético: A metodologia do Ensino Religioso deve ser dinâmica e inovadora, permitindo a interação e o diálogo no processo de construção e socialização do conhecimento, de maneira que professor e alunos juntos possam (re) significar o conhecimento. Não se trata de oferecer uma receita pronta e definitiva, mas uma sugestão a partir da qual o professor possa desenvolver os conteúdos desta disciplina, usando de sua criatividade. (Borres Guilouski e Emerli Schlögl, Equipe Pedagógica da ASSINTEC/SME de Curitiba) Assim, definiremos três momentos distintos para a metodologia do ER:  Sensibilização: configura-se com atividades de sensibilização, permitindo integrar os diferentes aspectos do educando: biofísico, afetivo, cognitivo, cultural, social, religioso, ético e estético. Essas atividades de integração (holopráxis) são orientadas com a intencionalidade de propiciar ao aluno uma abertura ao outro e à humanização, bem como o estabelecimento de relações que favoreçam o aprendizado por meio do diálogo.  Observação-reflexão-informação: No momento seguinte, sugere-se a realização de atividades de observação-reflexão informação, de forma simultânea, numa dinâmica circular, em que, ao mesmo tempo, observa se, reflete-se e se informa. Busca-se, desse modo, decodificar e analisar os elementos básicos que compõem o fenômeno religioso, enfocando os conteúdos em uma rede de relações.
  12. 12.  Síntese e proposição ética: O terceiro e último momento constitui uma síntese e proposição ética. Nesse momento, busca-se coletivamente estabelecer com os alunos um referencial de comportamento ético, deforma articulada com o conteúdo trabalhado.
  13. 13. REFERÊNCIAS TAVARES, Rosilene Horta. Didática geral, Belo Horizonte, UFMG, 2011. LIBÂNEO, José Carlos. DIDÁTICA Velhos e novos temas - Edição do Autor Maio de 2002. LIBÂNEO, José Carlos O Essencial Da Didática E O Trabalho De Professor Em Busca De Novos Caminhos/ - Goiânia, novembro de 2001 MARQUES, Ramiro. Dicionário Breve de Pedagogia 2ª Edição (Revista e aumentada). OLIVEIRA, M. Rita Neto Sales. Histórico da Didática. In:____. O conteúdo da Didática: um discurso da neutralidade científica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1988. p. 33-47. LIBÂNEO, José Carlos. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1992. Neves, Leonor Maria Bernardes. Metodologia para o ensino religioso escolar “dimensão religiosa do ser humano”, diocese de são José do Rio Preto – SP, novembro de 2006. GUILOUSKI, Borres; SCHLÖGL, Emerli. (Equipe Pedagógica da ASSINTEC/SME de Curitiba) Curso: Introdução ao Ensino Religioso - Ênfase aos 1.º e 2.º anos Apostila 4, Curitiba – 2010. (FONAPER–Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso, 2000, p. 34 e 35). BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado,1998. ZABATIERO, Júlio Paulo Tavares. Religião na Esfera Pública, Faculdade Unida, Vitória – ES. 2014 CORDEIRO, Fábio Medeiros e PAIVA, Luiz Henrique Rodrigues. A Metodologia e a Didática no Ensino Religioso das Escolas Públicas e Colégios Religiosos de Pernambuco em 1940 Revista de Teologia e Ciências da Religião, Universidade Católica de Pernambuco. SEED - Secretaria De Estado Da Educação, O Sagrado no Ensino Religioso, Curitiba, 2008. http://www.fonaper.com.br/noticias/64_texto_apresentado_no_vi_conere__fona per_mariajose.pdf Acesso em 27 de Maio de 2014. http://www.webartigos.com/artigos/metodologia-do-ensino-da-religiao/58081/ Acesso em 27 de Maio de 2014.

×