SlideShare uma empresa Scribd logo
A condição Humana e EspiritualidadeCristã - Agostinho x
Pelágio
A imago Dei é fator que diferencia, pois ao lermos os primeiro capítulos
do livro do Genesis apenas em um momento é expresso que determinado ser
possuiria a imagem e semelhança de Deus, obviamente, tudo o que foi criando
ali possui natureza espiritual, porém “imagem e semelhança” foram reservadas,
exclusivamente ao homem: “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem,
conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as
aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se
move sobre a terra”. Gn. 1:26.
Isso implica que o Gênero humano (adam) deverá realiza-se
coletivamente num viver solidaria e amoroso, “Não é bom que o homem esteja
só”, mas o homem afastou-se do propósito divino e como expressa Calvino tem-
se o pecado hereditário que afeta todos que advém do primeiro adão, havendo
assim uma universalidade do pecado -“Eu nasci na iniqüidade, e em pecado, me
concebeu minha mãe” (Sl 51.5) - que ao contrário do que dizia Pelágio e seus
seguidores, “O pecado não seria congênito nem transmitido, mas seria adquirido
por imitação. Para Pelágio, o homem nasceria bom e inocente1”.
“Agostinho discorda dessa tese e vê nas doutrinas pelagianas a
manifestação da presunção humana que erroneamente levaria a supor que a
salvação depende apenas de nossa vontade, de nossos próprio atos, escolhas
e obras, negando o caráter salvador e redentor de Jesus Cristo. A visão
agostiniana do pecado original foi herdada por todo o cristianismo ocidental e
está presente em todas as denominações cristãs históricas católicas ou
protestantes2”.
Tendo feito as primeira considerações a respeito da Imago Dei, da visão
agostiniana, pelagiana e de Calvino partirei para alguns apontamento em relação
as visões proposta sobre o pecado no cristianismo. O homem não é Deus é
semelhante a Deus, mas não é Deus, temos até certo grau de proximidade com
o Criador sem contudo sermos como o Criador é, sua função é de guardião de
um bom servo que trabalha e cuida esperando ansiosamente o retorno do seu
Senhor. “E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e
enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves
dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra. Gn. 1:28”, dois verbos
importantes: Sujeitai-a e dominai, como seria a sujeição e dominação aqui
expressas, certamente, não tem relação com uso dos recursos disponibilizados
de forma irresponsável, como já dito acima somos “mordomos” temos um lugar
abaixo do criador e acima do restante de sua criação, logo, a forma como agimos
em relação a criação está diretamente relacionada com o relacionamento que
mantemos com o criador. Certamente ninguém em pleno estado de sua saúde
mental destrói sua residência nem tão pouco a fonte de sua vida, contudo temos
assistido isso acontecer.
O homem tem seu papel bem defino (guardião), não é dono do universo
o servo mau deverá prestar contas ao seu senhor, pois o que está sobre sua
responsabilidade não lhe pertence foi-lhe outorgado momentaneamente com o
fito de lhe fornecer vida, Paulo aprofunda a reflexão e aprimora nossa
responsabilidade, visto que em Cristo é proclamada a igualdade de classes de
gêneros, de nacionalidades, etc. “Nisto não há judeu nem grego; não há servo
nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo
Jesus. Gálatas 3:28”. Somos iguais aos olhos do Pai, convocados a viver em
harmonia uns com os outros e com criação, repudiando as injustiças, sujeitando-
se a Deus.
Além disso, Deus tem o melhor caminho a oferecer para seus filhos e
filhas, contudo estes desviam-se deste caminho buscam um viver autônomo e
as consequências são descritas nos versos abaixo:
“E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos
olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu,
e deu também a seu marido, e ele comeu com ela.
Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e
coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.
E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e
esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as
árvores do jardim. E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?
E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-
me. E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de
que te ordenei que não comesses? Então disse Adão: A mulher que me deste
por companheira, ela me deu da árvore, e comi.” Gn. 3:6-12, agora vemos que
o homem juntamente com a natureza (“Espinhos, e cardos também, te produzirá
Gn. 3.18”, Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com
dores de parto até agora. Romanos 8:22) têm sua natureza benigna corrompida,
marcada pelo medo e pela dor.
O homem carece então de redenção necessita de restauração da
condição pecaminosa, voltando a perfeita condição que outrora era
coparticipante, seu relacionamento constante com Deus é afetado, porém
entrará em ação o plano redentor de Javé revelado em Cristo.
Mas, como agir em relação ao pecado? Somos todos pecadores? é uma
condição inapta ao homem ou somos afetados pelo meio no qual estamos
inseridos? Vários outros questionamento foram levantados ao longo da história
obtendo diversas respostas sobre o tema do pecado, porém a visão que
prevaleceu foi a de Santo Agostinho que refutou a visão de Pelágio, podemos
dizer que a ideia de Pelágio era a seguinte: “O pelagianismo sustenta
basicamente que todo homem nasce moralmente neutro, e que é capaz, por si
mesmo, sem qualquer influência externa, de converter-se a Deus e obedecer à
sua vontade, quando assim o deseje”3. É notório que no pelagianismo o homem
é levado a uma prática ascética e autônoma.
Agostinho, porém, levanta-se contrário entende assim a ação do pecado:
“Agostinho ensinava e defendia a doutrina “do pecado original”, e os seus
inevitáveis efeitos mortais sobre a vida de todos os descendentes de Adão”4.
Agostinho acredita que o cerne da questão estava no fato de que Adão buscou
autonomia ser como Deus quebrando o vínculo que estabelecia-se fazendo
assim necessária a religare dei. Conceitos com livre arbítrio podem tangenciar a
questão, pois foi um ato voluntário e não condicional o homem buscou autonomia
e afastou-se de Deus Pai.
Mesmo diante de tal rebelião Deus deseja restabelecer o laços e revela-
se em Cristo, afim de redimir o que havia se afastado; para Agostinho ao
contrário do que pensava Pelágio há a hereditariedade do pecado todos somos
coparticipantes em Adão do pecado não sendo uma condicionante, “Porque
todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Romanos 3:23”. Esta
destituição irá criar uma estruturas de pecaminosas em sociedade, pois a
sociedade é o que é devido as relações corrompidas que o homem mantêm com
o Criador, Outro teólogo que contribui doutrinariamente sobre o conceito do
pecado foi Calvino, o reformador tem seu pensamento fortemente ligado ao de
Agostinho. Também acreditava que o homem foi criado com uma natureza pura,
que se corrompe a partir de Adão passando hereditariamente a sua posteridade,
tornando o ser humano culpado diante de Deus por sua decisão deliberada de
um viver autônomo.
Deus tem um propósito superior ao criar o homem não precisava mas por
amor cria, para que este possa viver de acordo com sua vontade e em
dependência total desfrutando a boa perfeita e agradável vontade de Deus, em
harmonia com a natureza e com o próximo, a decisão de ser como Deus,
desestabiliza a ordem estabelecida por Javé em que determinava o papel do
homem como intermediário não maior que Deus não menor que a criação entra
em cena o pecado, que para Pelágio é inapto ao homem que é influenciado pelo
meio e não portador, hereditário, Agostinho apresenta uma visão que diferente
de Pelágio, crê na hereditariedade do pecado que se inicia da decisão de Adão
de viver de acordo com a sua verdade.
Bibliografia:
1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Pecado_original
2. http://pt.wikipedia.org/wiki/Pecado_original
3. http://www.guia.heu.nom.br/pelagianismo.htm
4. http://filosofarparaviver.blogspot.com.br/2009/10/graca-e-pecado-
original-as-disputas-de.html
A Condição humana e espiritualidade cristã - Agostinho x Pelágio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ano litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são joséAno litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são josé
malkmam
 
Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4
Roseli Lemes
 
Missa parte por parte março 2015
Missa parte por parte março 2015Missa parte por parte março 2015
Missa parte por parte março 2015
Oswaldo Michaelano
 
Slide semana santa
Slide semana santaSlide semana santa
Slide semana santa
jucrismm
 
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
Daniel de Melo
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
REFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análise
REFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análiseREFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análise
REFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análise
Divulgador do Espiritismo
 
Ano litúrgico
Ano litúrgicoAno litúrgico
Ano litúrgico
mbsilva1971
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
paikachambi
 
IV Ministério de leitores
IV Ministério de leitoresIV Ministério de leitores
IV Ministério de leitores
Fernando José Ribeiro dos Santos
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)
Jackson Façanha Damasceno
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Catequese Anjos dos Céus
 
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesusEade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
JoyAlbanez
 
Ebd 2010 licao 7 a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)
Ebd 2010 licao 7   a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)Ebd 2010 licao 7   a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)
Ebd 2010 licao 7 a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
O consolador prometido
O consolador prometidoO consolador prometido
O consolador prometido
Claudio Macedo
 
Maria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucasMaria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucas
Alencar Santana
 
Sacrosanctum Concilium
Sacrosanctum ConciliumSacrosanctum Concilium
Sacrosanctum Concilium
José Vieira Dos Santos
 
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significadoDo Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Luis Miranda
 
Eae 98 - categoria dos mundos habitados
Eae   98 - categoria dos mundos habitadosEae   98 - categoria dos mundos habitados
Eae 98 - categoria dos mundos habitados
Norberto Scavone Augusto
 

Mais procurados (20)

Ano litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são joséAno litúrgico paróquia são josé
Ano litúrgico paróquia são josé
 
Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4Curso Básico de Espiritismo 4
Curso Básico de Espiritismo 4
 
Missa parte por parte março 2015
Missa parte por parte março 2015Missa parte por parte março 2015
Missa parte por parte março 2015
 
Slide semana santa
Slide semana santaSlide semana santa
Slide semana santa
 
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
REFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análise
REFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análiseREFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análise
REFORMA ÍNTIMA NA PRÁTICA - Perguntas para auto-análise
 
Ano litúrgico
Ano litúrgicoAno litúrgico
Ano litúrgico
 
Princípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do EspiritismoPrincípios Básicos do Espiritismo
Princípios Básicos do Espiritismo
 
IV Ministério de leitores
IV Ministério de leitoresIV Ministério de leitores
IV Ministério de leitores
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)
 
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
Ser cristão   objetivo primeiro da catequeseSer cristão   objetivo primeiro da catequese
Ser cristão objetivo primeiro da catequese
 
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesusEade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
Eade i-ii-8-o-cristianismo-os-discípulos-de-jesus
 
Ebd 2010 licao 7 a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)
Ebd 2010 licao 7   a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)Ebd 2010 licao 7   a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)
Ebd 2010 licao 7 a oracao da igreja e o trabalho do espirito santo (1)
 
O consolador prometido
O consolador prometidoO consolador prometido
O consolador prometido
 
Maria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucasMaria no evangelho de lucas
Maria no evangelho de lucas
 
Sacrosanctum Concilium
Sacrosanctum ConciliumSacrosanctum Concilium
Sacrosanctum Concilium
 
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significadoDo Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
Do Advento ao Presépio: espiritualidade, símbolos e significado
 
Eae 98 - categoria dos mundos habitados
Eae   98 - categoria dos mundos habitadosEae   98 - categoria dos mundos habitados
Eae 98 - categoria dos mundos habitados
 

Semelhante a A Condição humana e espiritualidade cristã - Agostinho x Pelágio

Principios elementares
Principios elementaresPrincipios elementares
Principios elementares
Walber Michellon
 
Estudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismoEstudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismo
Paulo Dias Nogueira
 
Resumo pecado
Resumo   pecadoResumo   pecado
Resumo pecado
Miqueias Souza
 
As duas naturezas
As duas naturezasAs duas naturezas
As duas naturezas
Silvio Dutra
 
Romanos 5
Romanos   5Romanos   5
Romanos 5
Joel Silva
 
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequênciasPecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
IsaacAmorim10
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Razões da nossa fé lição 3
Razões da nossa fé   lição 3Razões da nossa fé   lição 3
Razões da nossa fé lição 3
Mariângela Domeniche Perdomo
 
O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6
Quenia Damata
 
LIÃO 1 A deformação do caráter humano
LIÃO 1 A deformação do caráter humanoLIÃO 1 A deformação do caráter humano
LIÃO 1 A deformação do caráter humano
Damiao Silva
 
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
IvairCampos1
 
A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)
Deusdete Soares
 
Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.
Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.
Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.
Pastor Marcello Rocha
 
50 perguntas e respostas da bíblia
50 perguntas e respostas da bíblia50 perguntas e respostas da bíblia
50 perguntas e respostas da bíblia
Denilson Queiroz
 
O homem sem deus
O homem sem deusO homem sem deus
O homem sem deus
Pastor Robson Colaço
 
Livre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nistoLivre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nisto
MINISTERIO IPCA.
 
Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo   Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo
Maressa Almeida
 
A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)
A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)
A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)
miguelucuepandi
 
Agostinho
AgostinhoAgostinho
Agostinho
celio correa
 
Monografia - O estado Original do Homem
Monografia - O estado Original do HomemMonografia - O estado Original do Homem
Monografia - O estado Original do Homem
Rubens Bastos
 

Semelhante a A Condição humana e espiritualidade cristã - Agostinho x Pelágio (20)

Principios elementares
Principios elementaresPrincipios elementares
Principios elementares
 
Estudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismoEstudos doutrinários no metodismo
Estudos doutrinários no metodismo
 
Resumo pecado
Resumo   pecadoResumo   pecado
Resumo pecado
 
As duas naturezas
As duas naturezasAs duas naturezas
As duas naturezas
 
Romanos 5
Romanos   5Romanos   5
Romanos 5
 
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequênciasPecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Razões da nossa fé lição 3
Razões da nossa fé   lição 3Razões da nossa fé   lição 3
Razões da nossa fé lição 3
 
O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6
 
LIÃO 1 A deformação do caráter humano
LIÃO 1 A deformação do caráter humanoLIÃO 1 A deformação do caráter humano
LIÃO 1 A deformação do caráter humano
 
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
02 - Pecado. doutrina ensinamento sobre como essa doutrina afeta a prática cr...
 
A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)
 
Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.
Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.
Publicação 16 - O homossexualismo à luz da bíblia.
 
50 perguntas e respostas da bíblia
50 perguntas e respostas da bíblia50 perguntas e respostas da bíblia
50 perguntas e respostas da bíblia
 
O homem sem deus
O homem sem deusO homem sem deus
O homem sem deus
 
Livre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nistoLivre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nisto
 
Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo   Vamos falar sobre sexo
Vamos falar sobre sexo
 
A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)
A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)
A mulher sabia de Devi Titus (Miguel Ucuepandi)
 
Agostinho
AgostinhoAgostinho
Agostinho
 
Monografia - O estado Original do Homem
Monografia - O estado Original do HomemMonografia - O estado Original do Homem
Monografia - O estado Original do Homem
 

Mais de Werkson Azeredo

Vocabulário da psicanálise de Laplanche e Pontalis
Vocabulário da psicanálise de Laplanche e PontalisVocabulário da psicanálise de Laplanche e Pontalis
Vocabulário da psicanálise de Laplanche e Pontalis
Werkson Azeredo
 
Educação transformadora
Educação transformadoraEducação transformadora
Educação transformadora
Werkson Azeredo
 
Igreja e missão ii
Igreja e missão iiIgreja e missão ii
Igreja e missão ii
Werkson Azeredo
 
Cidadão integral
Cidadão integralCidadão integral
Cidadão integral
Werkson Azeredo
 
Tecnologia no ambiente educacional
Tecnologia no ambiente educacionalTecnologia no ambiente educacional
Tecnologia no ambiente educacional
Werkson Azeredo
 
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiPerseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Werkson Azeredo
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Werkson Azeredo
 
Fundamentos da educação religiosa ecumenismo e diálogo inter-religioso
Fundamentos da educação religiosa   ecumenismo e diálogo inter-religiosoFundamentos da educação religiosa   ecumenismo e diálogo inter-religioso
Fundamentos da educação religiosa ecumenismo e diálogo inter-religioso
Werkson Azeredo
 
Didática e metodologia do ensino religioso
Didática e metodologia do ensino religiosoDidática e metodologia do ensino religioso
Didática e metodologia do ensino religioso
Werkson Azeredo
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Werkson Azeredo
 
Psicologia da religião
Psicologia da religiãoPsicologia da religião
Psicologia da religião
Werkson Azeredo
 

Mais de Werkson Azeredo (11)

Vocabulário da psicanálise de Laplanche e Pontalis
Vocabulário da psicanálise de Laplanche e PontalisVocabulário da psicanálise de Laplanche e Pontalis
Vocabulário da psicanálise de Laplanche e Pontalis
 
Educação transformadora
Educação transformadoraEducação transformadora
Educação transformadora
 
Igreja e missão ii
Igreja e missão iiIgreja e missão ii
Igreja e missão ii
 
Cidadão integral
Cidadão integralCidadão integral
Cidadão integral
 
Tecnologia no ambiente educacional
Tecnologia no ambiente educacionalTecnologia no ambiente educacional
Tecnologia no ambiente educacional
 
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiPerseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
 
Fundamentos da educação religiosa ecumenismo e diálogo inter-religioso
Fundamentos da educação religiosa   ecumenismo e diálogo inter-religiosoFundamentos da educação religiosa   ecumenismo e diálogo inter-religioso
Fundamentos da educação religiosa ecumenismo e diálogo inter-religioso
 
Didática e metodologia do ensino religioso
Didática e metodologia do ensino religiosoDidática e metodologia do ensino religioso
Didática e metodologia do ensino religioso
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
 
Psicologia da religião
Psicologia da religiãoPsicologia da religião
Psicologia da religião
 

Último

Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 

Último (18)

Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 

A Condição humana e espiritualidade cristã - Agostinho x Pelágio

  • 1. A condição Humana e EspiritualidadeCristã - Agostinho x Pelágio A imago Dei é fator que diferencia, pois ao lermos os primeiro capítulos do livro do Genesis apenas em um momento é expresso que determinado ser possuiria a imagem e semelhança de Deus, obviamente, tudo o que foi criando ali possui natureza espiritual, porém “imagem e semelhança” foram reservadas, exclusivamente ao homem: “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra”. Gn. 1:26. Isso implica que o Gênero humano (adam) deverá realiza-se coletivamente num viver solidaria e amoroso, “Não é bom que o homem esteja só”, mas o homem afastou-se do propósito divino e como expressa Calvino tem- se o pecado hereditário que afeta todos que advém do primeiro adão, havendo assim uma universalidade do pecado -“Eu nasci na iniqüidade, e em pecado, me concebeu minha mãe” (Sl 51.5) - que ao contrário do que dizia Pelágio e seus seguidores, “O pecado não seria congênito nem transmitido, mas seria adquirido por imitação. Para Pelágio, o homem nasceria bom e inocente1”. “Agostinho discorda dessa tese e vê nas doutrinas pelagianas a manifestação da presunção humana que erroneamente levaria a supor que a salvação depende apenas de nossa vontade, de nossos próprio atos, escolhas e obras, negando o caráter salvador e redentor de Jesus Cristo. A visão agostiniana do pecado original foi herdada por todo o cristianismo ocidental e está presente em todas as denominações cristãs históricas católicas ou protestantes2”. Tendo feito as primeira considerações a respeito da Imago Dei, da visão agostiniana, pelagiana e de Calvino partirei para alguns apontamento em relação as visões proposta sobre o pecado no cristianismo. O homem não é Deus é semelhante a Deus, mas não é Deus, temos até certo grau de proximidade com o Criador sem contudo sermos como o Criador é, sua função é de guardião de um bom servo que trabalha e cuida esperando ansiosamente o retorno do seu Senhor. “E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e
  • 2. enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra. Gn. 1:28”, dois verbos importantes: Sujeitai-a e dominai, como seria a sujeição e dominação aqui expressas, certamente, não tem relação com uso dos recursos disponibilizados de forma irresponsável, como já dito acima somos “mordomos” temos um lugar abaixo do criador e acima do restante de sua criação, logo, a forma como agimos em relação a criação está diretamente relacionada com o relacionamento que mantemos com o criador. Certamente ninguém em pleno estado de sua saúde mental destrói sua residência nem tão pouco a fonte de sua vida, contudo temos assistido isso acontecer. O homem tem seu papel bem defino (guardião), não é dono do universo o servo mau deverá prestar contas ao seu senhor, pois o que está sobre sua responsabilidade não lhe pertence foi-lhe outorgado momentaneamente com o fito de lhe fornecer vida, Paulo aprofunda a reflexão e aprimora nossa responsabilidade, visto que em Cristo é proclamada a igualdade de classes de gêneros, de nacionalidades, etc. “Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. Gálatas 3:28”. Somos iguais aos olhos do Pai, convocados a viver em harmonia uns com os outros e com criação, repudiando as injustiças, sujeitando- se a Deus. Além disso, Deus tem o melhor caminho a oferecer para seus filhos e filhas, contudo estes desviam-se deste caminho buscam um viver autônomo e as consequências são descritas nos versos abaixo: “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás? E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi- me. E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de
  • 3. que te ordenei que não comesses? Então disse Adão: A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi.” Gn. 3:6-12, agora vemos que o homem juntamente com a natureza (“Espinhos, e cardos também, te produzirá Gn. 3.18”, Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora. Romanos 8:22) têm sua natureza benigna corrompida, marcada pelo medo e pela dor. O homem carece então de redenção necessita de restauração da condição pecaminosa, voltando a perfeita condição que outrora era coparticipante, seu relacionamento constante com Deus é afetado, porém entrará em ação o plano redentor de Javé revelado em Cristo. Mas, como agir em relação ao pecado? Somos todos pecadores? é uma condição inapta ao homem ou somos afetados pelo meio no qual estamos inseridos? Vários outros questionamento foram levantados ao longo da história obtendo diversas respostas sobre o tema do pecado, porém a visão que prevaleceu foi a de Santo Agostinho que refutou a visão de Pelágio, podemos dizer que a ideia de Pelágio era a seguinte: “O pelagianismo sustenta basicamente que todo homem nasce moralmente neutro, e que é capaz, por si mesmo, sem qualquer influência externa, de converter-se a Deus e obedecer à sua vontade, quando assim o deseje”3. É notório que no pelagianismo o homem é levado a uma prática ascética e autônoma. Agostinho, porém, levanta-se contrário entende assim a ação do pecado: “Agostinho ensinava e defendia a doutrina “do pecado original”, e os seus inevitáveis efeitos mortais sobre a vida de todos os descendentes de Adão”4. Agostinho acredita que o cerne da questão estava no fato de que Adão buscou autonomia ser como Deus quebrando o vínculo que estabelecia-se fazendo assim necessária a religare dei. Conceitos com livre arbítrio podem tangenciar a questão, pois foi um ato voluntário e não condicional o homem buscou autonomia e afastou-se de Deus Pai. Mesmo diante de tal rebelião Deus deseja restabelecer o laços e revela- se em Cristo, afim de redimir o que havia se afastado; para Agostinho ao contrário do que pensava Pelágio há a hereditariedade do pecado todos somos
  • 4. coparticipantes em Adão do pecado não sendo uma condicionante, “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Romanos 3:23”. Esta destituição irá criar uma estruturas de pecaminosas em sociedade, pois a sociedade é o que é devido as relações corrompidas que o homem mantêm com o Criador, Outro teólogo que contribui doutrinariamente sobre o conceito do pecado foi Calvino, o reformador tem seu pensamento fortemente ligado ao de Agostinho. Também acreditava que o homem foi criado com uma natureza pura, que se corrompe a partir de Adão passando hereditariamente a sua posteridade, tornando o ser humano culpado diante de Deus por sua decisão deliberada de um viver autônomo. Deus tem um propósito superior ao criar o homem não precisava mas por amor cria, para que este possa viver de acordo com sua vontade e em dependência total desfrutando a boa perfeita e agradável vontade de Deus, em harmonia com a natureza e com o próximo, a decisão de ser como Deus, desestabiliza a ordem estabelecida por Javé em que determinava o papel do homem como intermediário não maior que Deus não menor que a criação entra em cena o pecado, que para Pelágio é inapto ao homem que é influenciado pelo meio e não portador, hereditário, Agostinho apresenta uma visão que diferente de Pelágio, crê na hereditariedade do pecado que se inicia da decisão de Adão de viver de acordo com a sua verdade. Bibliografia: 1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Pecado_original 2. http://pt.wikipedia.org/wiki/Pecado_original 3. http://www.guia.heu.nom.br/pelagianismo.htm 4. http://filosofarparaviver.blogspot.com.br/2009/10/graca-e-pecado- original-as-disputas-de.html