Filosofia - teoria do conhecimento na modernidade

16.177 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
291
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia - teoria do conhecimento na modernidade

  1. 1. Teoria do Conhecimento A teoria do conhecimento na Idade Moderna Profº. Francisco Vasconcelos Silva Júnior
  2. 2. Ramo da filosofia que estuda a possibilidade e a capacidade humana de conhecer a realidade A Teoria do conhecimento na Antiguidade Platão Aristóteles Sócrates A teoria do conhecimento na idade média Santo Agostinho São Tomás de Aquino O que vimos até aqui?
  3. 3. Questões Iniciais • Se a verdade depende da revelação e da vontade divina, e se nosso intelecto foi pervertido pela nossa vontade pecadora, como podemos conhecer a verdade? • Se a verdade depender da fé e da fraqueza da nossa vontade, como nossa razão poderá conhecê-la?
  4. 4. A Teoria do Conhecimento na Idade Moderna Chamamos de modernidade ao período que se esboça no Renascimento, desenvolve-se na Idade Moderna e atinge seu auge no século XVIII. RENASCIMENTO - período marcado por transformações em muitas áreas da vida humana, que assinalam o final da Idade Média e o início da Idade Moderna
  5. 5. • • • • • A passagem do feudalismo para o capitalismo; A formação dos Estados Nacionais O movimento da Reforma O descobrimento da ciência natural A invenção da imprensa
  6. 6.  A separação entre fé e razão – o que levou o desenvolvimento do método científico para as ciências naturais.  O antropocentrismo – que estabeleceu a razão humana como fundamento do saber.  O interesse pelo saber ativo – que levou a transformação da natureza e ao desenvolvimento das técnicas em oposição ao saber contemplativo.
  7. 7. • Que obra prima é o homem! Como é nobre em sua razão! Que capacidade infinita! Como é preciso e bemfeito em forma e movimento! Um anjo na ação! Um deus no entendimento, paradigma dos animais, maravilha do mundo... SHAKESPEARE, W. Hamlet. p.51
  8. 8. HOMEM MEDIEVAL • Pensamento contemplativo; • Submisso às verdades inquestionáveis da fé; • Fé e razão juntas; • Superioridade da alma; • Liberdade e Pecado. HOMEM MODERNO • Disposição para investigar os problemas do mundo; • Maior espírito de observação sobre a natureza; • Dedicou-se maior tempo à pesquisa e às experimentações; • Abriu a mente ao livre exame do mundo; • Exerceu domínio sobre a realidade, depois de conhecê-la; • Principal lema: Prever para Prover.
  9. 9. Razão RACIONALISMO EMPIRISMO Experiência
  10. 10. O EMPIRISMO • O empirismo é a doutrina filosófica que afirma a existência objetiva e evidente da verdade. Segundo essa doutrina, o conhecimento da verdade se faz por meio da experiência sensível. Empirismo: do grego empeiria que significa experiência, sabedoria adquirida pela experiência • Para os empiristas somente a experiência pode nos dar a certeza do que conhecemos.
  11. 11. Francis Bacon 1561 – 1626 “Saber é poder” John Locke 1632 – 1704 Uma infinidade de seres inferiores ao ser humano prova uma infinidade de seres superiores a ele David Hume 1711 – 1776 “O hábito... é o grande guia da vida humana”. Principais Representantes do Empirismo
  12. 12. O RACIONALISMO • Para os racionalistas, a fonte do conhecimento é a razão, o pensamento puro. O conhecimento para eles depende apenas da razão é através dela que penetramos na essência das coisas. Racionalismo vem do latim rationalis e significa dotado de razão, racional. • Somente a razão pode nos dar certeza sobre alguma coisa, somente por meio dela poderemos nos certificar de que estamos diante da verdade
  13. 13. René Descartes 1596 – 1650 “Ego oogito ego sum” Baruch Espinoza 1632 – 1677 “A felicidade não é um prémio da virtude, é a própria virtude.” Gottfried Wilhelm Leibniz 1646 – 1716 “Amar, é encontrar a própria felicidade na felicidade alheia.” Principais Representes do Racionalismo
  14. 14. • "Não é por julgarmos uma coisa boa que nos esforçamos por ela, que a queremos, que a apetecemos, que a desejamos, mas, ao contrário, é por nos esforçarmos por ela, por querê-la, por apetecê-la, por desejá-la, que a julgamos boa". • Espinoza, Ética, parte 3 prop. 9 esc.
  15. 15. ATIVIDADE 1. O que é o empirismo? 2. Para os empiristas qual era fonte de todo o conhecimento? 3. Para os racionalistas qual era a fonte de todo o conhecimento? 4. Será que todo conhecimento humano é resultado da experiência? Justifique sua reposta. 5. Como adquirimos experiência? Explique.

×