As Vanguardas  Europeias       Eo Texto Literário
VANGUARDA: movimento formado porgrupos     de      pessoas      que, por  seusconhecimentos ou por uma tendêncianatural, e...
CU B I S      1907 - França MO
CUBISMO• Decomposição da realidade em figuras  geométricas.• Manifesta-se a partir de 1917, na literatura.• Seu divulgador...
Hípica                                                                         Saltos records                             ...
Poema CubistaPoema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade   Quando nasci, um anjo torto   desses que vivem na sombra   d...
F UT URI  SM O                                1909 - França•Lançado por Marinetti no manifesto “LeFuturisme”, 1909.•Surge ...
Futurismo - 1909- Atitude de irreverência- Destruição de códigos e valores cristalizados, arteagressiva- Corte dos elos co...
Poema futuristaOde triunfal  Álvaro de Campos  À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica  Tenho febre e es...
ODE AO BURGUÊS                                                               Eu insulto o burguês! O burguês-níquel,      ...
EX P R ES S I ON I      SM O   1905 - Alemanha
O meu tempo  Cantos e metrópoles, lavinas febris,  Terras descoradas, pólos sem  glória,  Miséria, heróis e mulheres da  e...
EXPRESSIONISMO• Paralelo ao Futurismo e Cubismo.• Surge em 1910 pela revista “Der Sturn”.• A arte brota da vida interior; ...
POEMA EXPRESSIONISTAA noite – Augusto dos Anjos    A nebulosidade ameaçadora    Tolda o éter, mancha a gleba, agride os ri...
F A U VI SM      O        1909 - França
Fauvismo - 1909Assim como o Expressionismo, há predomínio dascores intensas e distorções ousadas.- Fauves (selvagens) no s...
POÉTICA                                       MANUEL BANDEIRA                                       Estou farto do lirismo...
DA DA Í S   MO       1916 - Suíça
Poema dadaísta     Pegue um jornal.   Pegue a tesoura.   Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu ...
MATURIDADE                O Sr. E a Sra. Amadeu                 Participam a V. Exa.                    O Feliz nascimento...
S U R R EA L I     SM O           1921 - França
SURREALISMO• Surge em 1924 com o Manifesto  Surrealista de André Breton.• Propõe que o homem se liberte da  razão, da crít...
Pré-história                                                Mamãe vestida de rendas                                       ...
Os Amantes - 1928 - Magritte
TabacariaÁlvaro de Campos Não sou nada.Nunca serei nada.Não posso querer ser nada.À parte isso, tenho em mim todos os sonh...
Golconda - Magritte
De Chirico – Heitor e Andrômaca
Abaporu – 1928 - Tarsila   Antropofagia – 1929 - Tarsila
O Elefante Celebes – Max Ernst
O Homem Amarelo – Anita Malfatti
Poema SurrealistaAs realidades                            No trono havia uma vez   Era uma vez uma realidade              ...
Vanguardas  Europeias
Vanguardas  Europeias
Vanguardas  Europeias
Vanguardas  Europeias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vanguardas Europeias

4.267 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vanguardas Europeias

  1. 1. As Vanguardas Europeias Eo Texto Literário
  2. 2. VANGUARDA: movimento formado porgrupos de pessoas que, por seusconhecimentos ou por uma tendêncianatural, exercem papel de precursoras ou depioneiras em determinado movimentocultural, artístico ou científico.Assim aconteceu com o conjunto de cinco“ismos”: Cubismo, Futurismo, Expressionismo(Fauvismo), Dadaísmo e Surrealismo.
  3. 3. CU B I S 1907 - França MO
  4. 4. CUBISMO• Decomposição da realidade em figuras geométricas.• Manifesta-se a partir de 1917, na literatura.• Seu divulgador foi Appolinaire.• Decomposição da imagem em diferentes planos.• Desintegração da realidade gerando uma poesia ausente de lógica.• Linguagem caótica.
  5. 5. Hípica Saltos records Cavalos da Penha Correm jóqueis de Higienópolis Os magnatas As meninas E a orquestra toca Chá Na sala de cocktails Oswald de AndradePintor- quadro Les demoiselles d’Avignon (1907)Pablo Picasso- Mulheres da esquerda cultura ibérica Mulheres da direita influência da arte negra (Poesias Reunidas – 5ª ed.- Rio de Janeiro – Civilização Brasileira, 1978 p.129)
  6. 6. Poema CubistaPoema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
  7. 7. F UT URI SM O 1909 - França•Lançado por Marinetti no manifesto “LeFuturisme”, 1909.•Surge entre o Simbolismo e a 1ª GuerraMundial.•Exalta a vida moderna.•Culto da máquina e da velocidade.•Destruição do passado e do academicismo•Liberdade de expressão.
  8. 8. Futurismo - 1909- Atitude de irreverência- Destruição de códigos e valores cristalizados, arteagressiva- Corte dos elos com o passado- Palavras em liberdade “ É preciso destruir a sintaxe, dispondo os substantivosao acaso, como nascem”. (Manifesto Futurista, 1912)VelhiceO netinho jogou os óculos na latrina. Oswald de Andrade
  9. 9. Poema futuristaOde triunfal Álvaro de Campos À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu [sinto! Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos [modernos, De vos ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão de todas as minhas sensações, Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas!
  10. 10. ODE AO BURGUÊS Eu insulto o burguês! O burguês-níquel, o burguês-burguês! A digestão bem feita de São Paulo! O homem-curva! o homem-nádegas! O homem que sendo francês, brasileiro, italiano, é sempre um cauteloso pouco-a-pouco! ------------------------------------------------------- Eu insulto o burguês-funesto! O indigesto feijão com toucinho, dono das tradições!Pintor - Giácomo Balla Fora os que algarismam os amanhãs!Vôo de andorinhas Olha a vida dos nossos setembros! ------------------------------------------------------ Ódio e insulto! Ódio e raiva! Ódio e mais ódio! Morte ao burguês de giolhos cheirando religião e que não crê em Deus! Ódio vermelho! Ódio fecundo! Ódio cíclico! Ódio fundamento, sem perdão! Mário de Andrade Mário de Andrade. Poesias Completas. São Paulo: Circulo do Livro, sd, p.45-7.
  11. 11. EX P R ES S I ON I SM O 1905 - Alemanha
  12. 12. O meu tempo Cantos e metrópoles, lavinas febris, Terras descoradas, pólos sem glória, Miséria, heróis e mulheres da escória, Sobrolhos espectrais, tumulto em carris. Soam ventoinhas em nuvens perdidas. Os livros são bruxas. Povos desconexos. A alma reduz-se a mínimos complexos. A arte está morta. As horas reduzidas. (Wilheim Klem)Edvard Munch - O Grito
  13. 13. EXPRESSIONISMO• Paralelo ao Futurismo e Cubismo.• Surge em 1910 pela revista “Der Sturn”.• A arte brota da vida interior; do íntimo do ser.• A obscuridade do ser é transportada para a expressão.• As telas retratam o patético, os vícios, os horrores, a guerra.• Protesta contra a violência e usa cores explosivas.• Reflete a crise de consciência gerada pela guerra.
  14. 14. POEMA EXPRESSIONISTAA noite – Augusto dos Anjos A nebulosidade ameaçadora Tolda o éter, mancha a gleba, agride os rios E urde amplas teias de carvões sombrios No ar que álacre e radiante, há instantes, fora. A água transubstancia-se. A onda estoura Na negridão do oceano e entre os navios Troa bárbara zoada de ais bravios, Extraordinariamente atordoadora. A custódia do anímico registro A planetária escuridão se anexa... Somente, iguais a espiões que acordam cedo, Ficam brilhando com fulgor sinistro Dentro da treva omnímoda e complexa Os olhos fundos dos que estão com medo!
  15. 15. F A U VI SM O 1909 - França
  16. 16. Fauvismo - 1909Assim como o Expressionismo, há predomínio dascores intensas e distorções ousadas.- Fauves (selvagens) no sentido de libertação eexperimento.- Equilíbrio novo e radical em Matisse, seu principallíder.
  17. 17. POÉTICA MANUEL BANDEIRA Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor. Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo. Abaixo os puristas. Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis Estou farto do lirismo namorador Político Raquítico Sifilítico De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora deHenry Matisse - Harmonia em vermelho si mesmo. De resto não é lirismo Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes maneiras de agradar às agraves mulheres, etc. Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare. - Não quero saber do lirismo que não é libertação.
  18. 18. DA DA Í S MO 1916 - Suíça
  19. 19. Poema dadaísta Pegue um jornal. Pegue a tesoura. Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema. Recorte o artigo. Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta- as num saco. Agite suavemente. Tire em seguida cada pedaço um após o outro. Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco. O poema se parecerá com você. E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público.Tristan Tzara
  20. 20. MATURIDADE O Sr. E a Sra. Amadeu Participam a V. Exa. O Feliz nascimento De sua filha Gilberta Oswald de AndradeMarcel Duchamp “ Roda de Bicicleta”
  21. 21. S U R R EA L I SM O 1921 - França
  22. 22. SURREALISMO• Surge em 1924 com o Manifesto Surrealista de André Breton.• Propõe que o homem se liberte da razão, da crítica, da lógica.• Adere a filosofia de Sigmund Freud.• Expressa o interior humano investigando o inconsciente.
  23. 23. Pré-história Mamãe vestida de rendas Tocava piano no caos Uma noite abriu as asas Cansada de tanto som, Equilibrou-se no azul, De tonta não mais olhou Para mim, para ninguém! Cai no álbum de retratos.Salvador Dali - Criança Geopolítica Murilo Mendesassistindo ao nascimento do novo homem (1943)
  24. 24. Os Amantes - 1928 - Magritte
  25. 25. TabacariaÁlvaro de Campos Não sou nada.Nunca serei nada.Não posso querer ser nada.À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.----------------------------------------------------------------Fiz de mim o que não soubeE o que podia fazer de mim não o fiz.O dominó que vesti era errado.Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.----------------------------------------------------------------Quando quis tirar a máscara,Estava pregada à cara.Quando a tirei e me vi ao espelho,Já tinha envelhecido.Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado
  26. 26. Golconda - Magritte
  27. 27. De Chirico – Heitor e Andrômaca
  28. 28. Abaporu – 1928 - Tarsila Antropofagia – 1929 - Tarsila
  29. 29. O Elefante Celebes – Max Ernst
  30. 30. O Homem Amarelo – Anita Malfatti
  31. 31. Poema SurrealistaAs realidades No trono havia uma vez Era uma vez uma realidade um velho rei que se aborrecia com suas ovelhas de lã real e pela noite perdia o seu manto a filha do rei passou por ali e por rainha puseram-lhe ao lado E as ovelhas baliam que linda que a re a re a realidade. está CAUDA: dade dade a reali a re a re a realidade. dade dade a realidade Na noite era uma vez A real a real uma realidade que sofria de insônia idade idade dá a reali Então chegava a madrinha fada ali e realmente levava-a pela mão a re a realidade a re a re a realidade. era uma vez a REALIDADE. (Louis Aragon)

×