SlideShare uma empresa Scribd logo
LEANDROCBL@HOTMAIL.COM
Ecologia
     • Conceitos Básicos

                         Indivíduo: exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta.

                         Espécie: conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e aos seus ancestrais que
                         Espécie
                         cruzam entre si, naturalmente, produzindo descendentes férteis.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                 leandrocbl@hotmail.com
                         População: conjunto de indivíduos da mesma espécie que ocupam uma determinada
                         área, num determinado período de tempo.

                         Comunidade ou biocenose: conjunto de populações diferentes que coexistem em
                                          biocenose
                         determinada região, interagindo direta ou indiretamente umas com as outras.

                         Ecossistema: conjunto formado pela comunidade (meio biótico) e o ambiente físico
                         Ecossistema
                         (meio abiótico). Ex: Lagoa, Deserto, Floresta, etc.

                         Biosfera: conjunto de todos os ecossistemas do planeta; corresponde à porção da Terra
                         Biosfera
                         onde existe vida.
Ecologia
                1) Conceitos Básicos

                         Hábitat: local onde o indivíduo ou a espécie pode ser encontrado. Corresponde a seu
                         “endereço” no ecossistema onde vive.

                         Nicho Ecológico: papel desempenhado pelo organismo no ecossistema. Define o modo
                               Ecológico
                         de vida único e particular que cada espécie explora no hábitat.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                    leandrocbl@hotmail.com
                         Ecótone: região de transição entre dois ecossistemas. Apresenta grande biodiversidade.
                         Ecótone

                         Bioma: conjunto de ecossistemas com características relativamente uniformes de clima,
                         Bioma
                         solo, fauna e flora. Exemplos de biomas brasileiros: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga e
                         Pampas.
Ecologia
                         Níveis de organização da Ecologia

                           Átomos  Moléculas  Organelas  Célula  Tecidos  Órgãos  Sistemas 
                           Organismos (indivíduos)  Populações  Comunidades  Ecossistemas  Biosfera
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                          leandrocbl@hotmail.com
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  1) Conceitos Prévios

                         a) Organismos Autótrofos

                           São organismos que possuem a capacidade de utilizar o CO2 como fonte de
                           carbono para produzir matéria orgânica.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                        leandrocbl@hotmail.com
                                          6CO2 + 12H2O  C6H12O6 + 6H2O + 6O2


                            Os organismos podem ser autótrofos de duas maneiras:
                            I) Realizando fotossíntese
                            • A fonte de energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica
                                provém da luz.
                            II) Realizando quimiossíntese
                            • A energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica provém de
                                 reações químicas.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  1) Conceitos Prévios

                         a) Organismos Autótrofos
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                     leandrocbl@hotmail.com
                              Algas Verdes          Árvores     Cianobactérias




                               Algas Pardas         Bromélias   Algas unicelulares
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  1) Conceitos Prévios

                         a) Organismos Heterótrofos

                           São organismos que não são capazes de produzir matéria orgânica. Dessa maneira,
                           precisam obter a matéria orgânica pronta.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                             leandrocbl@hotmail.com
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  1) Conceitos Prévios

                         •   Importância dos autótrofos

                             Os autótrofos, por serem capazes de produzir matéria orgânica, são os grandes
                             produtores de nutrientes dos ecossistemas.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                             leandrocbl@hotmail.com
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  2) Cadeias Alimentares

                         •   Conceito

                             Relação alimentar entre organismos de um ecossistema. Representa a série de
                             organismos pela qual flui a energia inicialmente assimilada pelos produtores.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                             leandrocbl@hotmail.com
                              Luz
                                           Capim  Gafanhoto  Sapo  Serpente



                          Na cadeia acima o capim
                           Os Os consumidoressão
                            Toda cadeia alimentar
                                Os Produtores
                               decompositores
                                                          Decompositores
                         São sempre heterótrofos
                           possui 3 componentes:
                                (autótrofo) é o
                                 São sempre
                            também heterótrofos,
                                                        (bactérias e fungos)
                          São representados pelos
                             organismo produtor.
                             representadosúnicos
                             porém são os pelos
                         organismos carnívoros ou
                         III)Produtores sapo e a
                           organismos converter
                           capazes de autótrofos
                              Gafanhoto,
                         IV)Consumidores umou
                          serpente, consumidores
                            (Fotossintetizantes
                              herbívoros de
                             matéria orgânica em
                         V)Decompositores
                            Quimiossintetizantes)
                             e bactérias e fungos
                                 ecossitema.
                           compostos inorgânicos
                               decompositores
                                   simples.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
                         TEIA ALIMENTAR
leandrocbl@hotmail.com




                                                               leandrocbl@hotmail.com
                                                          10
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
                         FLUXO DE ENERGIA




                                                 1   2
                         Quantidade de energia
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                             leandrocbl@hotmail.com
                                                     3   4




                                                             6
                                                         5       8
                                                             7       10
                                                                 9
                                                                     11




                                                                     Fluxo de energia
                                                                                        11
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
leandrocbl@hotmail.com




                                                               leandrocbl@hotmail.com
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia

                         PIRÂMIDES ECOLÓGICAS



                         •   Pirâmide de Energia
leandrocbl@hotmail.com




                                                               leandrocbl@hotmail.com
                         É sempre direta!!!
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
     PIRÂMIDES ECOLÓGICAS

     b) Pirâmide de números

     Pode ser direta ou inversa

                          Se os produtores forem de
                            grande tamanho (uma
leandrocbl@hotmail.com




                                                               leandrocbl@hotmail.com
                            árvore) e os herbívoros
                          pequenos (lagartas) a base
                         da pirâmide será estreita e o
                           gráfico não apresentará
                              forma de pirâmide.

                           Se os produtores forem
                          organismos pequenos e os
                         consumidores relativamente
                           maiores, a pirâmide será
                               sempre direta.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia

                         PIRÂMIDES ECOLÓGICAS

                                                        Expressa a quantidade de substância viva
                         b) Pirâmide de biomassa          (“peso seco”) em cada nível trófico.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                        leandrocbl@hotmail.com
                           Pode ser direta ou inversa


                                                                                           Peixes
                           Carnívoros
                                      Herbívoros                             Zooplâncton

                                        Produtores
                                                                                         Fitoplâncton
Ecologia
                3) Estudo das populações

                c) Densidade Populacional

                         Número de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa determinada área ou
                         volume (habitats aquáticos).
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                       leandrocbl@hotmail.com
                                   Densidade     Número de indivíduos
                                               =
                                  populacional     Área ou volume


                         Fatores que determinam a densidade populacional:

                              o   Taxa de Natalidade
                              o   Taxa de Imigração
                              o   Taxa de Mortalidade
                              o   Taxa de Emigração
Ecologia
                3) Estudo das populações

                b) Fatores que alteram o tamanho populacional

                                                          Todas as populações possuem potencial
                                                          para crescer.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                           leandrocbl@hotmail.com
                                                          Um único casal de pássaros, chocando 6 ovos
                                                          por ano, e com mortalidade zero, produziria ao
                                                          final de 15 anos cerca de 10 milhões de
                                                          descendentes.

                                                          Essa   capacidade   teórica   de   crescer
                                                          apresentada pelas populações é chamada de
                                                          potencial biótico.
Ecologia
                3) Estudo das populações

                b) Fatores que alteram o tamanho populacional
                                                                  Em condições naturais, o crescimento de
                                                                  uma    população      é   limitado   pela
                                                                  disponibilidade de recursos do meio.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                 leandrocbl@hotmail.com
                                                                  O     tamanho     da    população   será
                                                                  determinado pelos efeitos combinados dos
                                                                  fatores ambientais:

                                                                  *Abióticos:     água,    espaço,      clima,
                                                                  disponibilidade de nutrientes, etc.

                                                                  *Bióticos: predação, competição, doenças,
                         Quando uma população atinge a            alimentação, etc.
                         A curva de crescimento real de uma
                         capacidade suportada pelo meio, seu
                         população descreve uma curva em forma
                         tamanho passa a oscilar em torno de um
                         de “S” (curva sigmóide)
                         valor médio.
Ecologia
                4) Relações Ecológicas

                         A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são
                         genericamente denominadas relações ecológicas, e costumam ser classificadas pelos
                         biólogos em intra-específicas, interespecíficas, harmônicas e desarmônicas.

                         a) Relações intra-específicas: São as que se estabelecem entre indivíduos de uma
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                leandrocbl@hotmail.com
                         mesma espécie.

                         b) Relações interespecíficas: São as que se estabelecem entre indivíduos de espécies
                         diferentes.

                         c) Relações harmônicas: Pelo menos uma das espécies se beneficia e não há prejuízo
                         para nenhuma das partes associadas.

                         d) Relações desarmônicas: Uma ou ambas as espécies são prejudicadas.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                                                 Intra-Específica            Colônias
                                                                            Sociedades
                         Relações Harmônicas                               Mutualismo
                                                 Interespecífica         Protocooperação
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                  leandrocbl@hotmail.com
                                                                          Comensalismo
                                                 Intra-Específica   Competição intra-específica
                                                                          Canibalismo
                                                                    Competição interespecífica
                         Relações Desarmônicas                            Predatismo
                                                 Interespecífica          Parasitismo
                                                                         Amensalismo
                                                                         Esclavagismo
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                a) Relações Intra-específicas Harmônicas

                         I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos fisicamente entre
                         si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho.
                                Ex: Corais, bactérias (estreptococos), caravela
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                   leandrocbl@hotmail.com
                         II) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados de modo
                         cooperativo e não ligados anatomicamente.
                                Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas.

                              Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem definidas,
                         havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                a) Relações Intra-específicas Harmônicas

                         I) Colônia:
leandrocbl@hotmail.com




                                                            leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                a) Relações Intra-específicas Harmônicas

                         II) Sociedade: Abelhas
leandrocbl@hotmail.com




                                                             leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                a) Relações Interespecíficas Harmônicas

                         I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à
                         sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos.
                         Ex:
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                 leandrocbl@hotmail.com
                           o Líquens (associação entre algas ou cianobactérias e fungos)
                           o Bacteriorriza: Associação formada por bactérias do gênero Rhizobium com raízes de
                              leguminosas, como o feijão.
                           o Herbívoros e Protozoários.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                a) Relações Interespecíficas Harmônicas

                         II) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que
                         ambos se beneficiam, mas a existência não é obrigatória.
                         Ex:
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                              leandrocbl@hotmail.com
                           o Paguro e anêmonas do mar
                           o Cervo e pássaro anu
                           o Pássaro palito e jacaré
                           o Insetos polinizadores e angiospermas
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                a) Relações Interespecíficas Harmônicas

                         III) Comensalismo: É a associação entre espécies diferentes, na qual uma espécie é
                         beneficiada sem causar prejuízo ou benefício a outra.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                  leandrocbl@hotmail.com
                         Comensalismo típico: Relação em que uma espécie se alimenta de restos alimentares de
                         outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que aproveitam restos das presas dos leões.

                         Inquilinismo: Relação ecológica em que uma espécie inquilina vive sobre ou no interior
                         de uma espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos vegetais essa associação recebe o
                         nome de epifitismo. Ex: Bromélias.

                         Forésia: Relação na qual uma espécie usa a outra como meio de transporte. Ex: Tubarão
                         e rêmoras.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Intra-específicas desarmônicas

                         I) Competição Intra-específica: Ocorre entre indivíduos da mesma espécie, e é motivada
                         por disputas por território, alimento e companheiro sexual.
                         Obs.: A competição é um fator que regula o tamanho da população
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                  leandrocbl@hotmail.com
                         II) Canibalismo: Relação na qual um organismo se alimenta de outro da mesma espécie.
                         Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         I) Competição Interespecífica: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes.
                         Geralmente ocorre quando duas espécies apresentam sobreposição de nichos
                         ecológicos.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                leandrocbl@hotmail.com
                         Obs.: A disputa pelo mesmo recurso ambiental é um importante fator no controle do
                         tamanho das populações.
                         Obs2.: Quando uma competição é muito severa uma das espécies pode ser eliminada
                         (extinta) ou obrigada a emigrar.
                         Obs3.: A introdução de espécies exóticas têm causado graves impactos ambientais
                         devido ao fato dessas espécies competirem pelos mesmos recurso que espécies nativas.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         I) Competição Interespecífica
leandrocbl@hotmail.com




                                                                    leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         II) Predatismo: Ocorre quando organismo predadores matam indivíduos da população
                         de presas para deles se alimentarem.
                         Ex: Leões e girafas.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                leandrocbl@hotmail.com
                         Obs.: A relação presa-predador pode ser um fator regulador da densidade populacional
                         de ambos.

                                                              Presa
                           Nº de indivíduos
                                                                               Predador




                                                                                           Tempo
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         II) Predatismo:
leandrocbl@hotmail.com




                                                            leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         III) Parasitismo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes e
                         moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira.

                         Endoparasitismo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                               leandrocbl@hotmail.com
                         Ex: Protozoários flagelados e cupim.
                         Ectoparasitismo: Quando o parasita vive na superfície do hospedeiro.
                         Ex: Piolho e homem.
                         Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da planta
                         hospedeira. Ex: Cipó-chumbo.
                         Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da planta
                         hospedeira. Ex: Erva de passarinho.

                         Obs.: O parasitismo pode ser um fator regulador do tamanho de uma população.
                         Obs2.: Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para
                         sobreviverem.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         III) Parasitismo
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                  leandrocbl@hotmail.com
                                                                     Pernilongo

                           Erva-de-passarinho          Cipó chumbo
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         IV) Amensalismo: Também chamado de antibiose, uma espécie denominada inibidora
                         libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de outra denominada
                         amensal.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                           leandrocbl@hotmail.com
                         Ex: Algas pirrófitas e animais marinhos (Maré vermelha).




                                    Algas Pirrófitas
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                b) Relações Interespecíficas desarmônicas

                         V) Esclavagismo: Uma espécie se beneficia do trabalho de outra.
                         Ex: Chupim.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                  leandrocbl@hotmail.com
                         Essa espécie de pássaro bota seus ovos no ninho de outras espécies, que passa a chocá-
                         los até a eclosão.
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                Formas especiais de adaptação
                •        Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente,
                         confundindo-se com ele na cor e/ou na forma.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                         leandrocbl@hotmail.com
                b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por assemelhar-se a
                   outras
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                Formas especiais de adaptação
                b) Mimetismo
leandrocbl@hotmail.com




                                                           leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                5) Relações Ecológicas

                Formas especiais de adaptação
                c) Aposematismo: Forma de adaptação na qual uma espécie exibe cores chamativas para
                    advertir seus possíveis predadores quanto a seu paladar desagradável ou pelo veneno
                    que possui.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                          leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                6) Sucessão Ecológica

                         Processo que consiste na substituição ordenada e gradual de uma comunidade por
                         outra, até o estabelecimento de uma comunidade relativamente estável, denominada
                         comunidade clímax.

                         Etapas da sucessão: Ecese  Séries  Comunidade clímax
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                  leandrocbl@hotmail.com
                         Estágio Inicial: Constituído pela comunidade pioneira ou (ecese) que modifica o
                         ambiente e é gradualmente substituída por comunidades temporárias (séries) até atingir
                         a comunidade clímax.

                          o Espécies pioneiras: Líquens e briófitas
                          o Séries: são comunidades temporárias que se sucedem após a colonização
                          o Comunidade clímax: É a que encerra a sucessão. É o estágio no qual se encontra
                            grande biodiversidade, não havendo mais substituição de espécies.
Ecologia
                            Espécies
                            Pioneiras
                         se estabelecem
leandrocbl@hotmail.com




                                                     leandrocbl@hotmail.com
                         Comunidades
                          temporárias




                          Comunidades
                          permanentes
Ecologia
                6) Sucessão Ecológica
                         Tipos de sucessão ecológica

                         Sucessão Primária: Ocorre quando o desenvolvimento de uma comunidade inicia-se em
                         uma área estéril, ou seja, onde não existia vida.
                         Ex: Ilhas vulcânicas.
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                             leandrocbl@hotmail.com
                         Sucessão Secundária: Ocorre quando o desenvolvimento de uma comunidade inicia-se
                         em uma área anteriormente ocupada por outras comunidades bem estabelecidas.
leandrocbl@hotmail.com
leandrocbl@hotmail.com
Ecologia
                6) Sucessão Ecológica

                                    Característica                   Eventos ao longo da sucessão
                         Composição em espécies           Muda rapidamente no início, depois mais
                                                          lentamente.
                         Tamanho dos indivíduos           Tende a aumentar
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                              leandrocbl@hotmail.com
                         Diversidade de espécies          Aumenta, atingindo o máximo na comunidade
                                                          clímax
                         Biomassa total                   Aumenta
                         Produtividade primária bruta     Aumenta no início depois estabiliza
                         Respiração da comunidade         Aumenta
                         Razão Fotossíntese/Respiração    F > R, no início, depois F = R
                         Produtividade Líquida            Inicialmente grande, depois diminui, igualando no
                                                          clímax
                         Cadeias alimentares              Ficam mais elaboradas
                         Reciclagem de nutrientes         Aumenta, tornando-se mais rápida
Ciclos Biogeoquímicos
                                                 Ciclo da
                                                  água
leandrocbl@hotmail.com




                                                            leandrocbl@hotmail.com
Ciclos Biogeoquímicos
                                                 Ciclo do
                                                 Carbono
leandrocbl@hotmail.com




                                                            leandrocbl@hotmail.com
Ciclos Biogeoquímicos
                                                 Ciclo do
                                                 oxigênio
leandrocbl@hotmail.com




                                                            leandrocbl@hotmail.com
Ciclos Biogeoquímicos
                                                                   N2 atmosférico                        Ciclo do
                                   FIXAÇÃO DO
                                   NITROGÊNIO                                 DESNITRIFICAÇÃO           Nitrogênio
                                  ATMOSFÉRICO


                                                Assimilação pelos herbívoros
leandrocbl@hotmail.com




                                                                                                                           leandrocbl@hotmail.com
                                                                           Absorção pelas raízes
                                                Excreção   Morte e
     Bactérias                                             decomposição
   fixadoras de                                                                                         Bactérias
      N2 nos                                                                                            desnitrificantes
                                                                                    NO3(nitrato)
    nódulos de
                                                                           Absorção
     raízes de
                                                                           de NH3 por
   leguminosas                                                                                           Nitrobacter
                                            Decompositores                 algumas
                                                                           plantas
                                                    NH3 (amônia)                    NO2 (nitrito)

                                                                                               NITRIFICAÇÃO
                         Bactérias
                         fixadoras de N2
                                                      Nitrosomonas
                         no solo
leandrocbl@hotmail.com
                         48
leandrocbl@hotmail.com
LEANDROCBL@HOTMAIL.COM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
Dalu Barreto
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
Elizabete Costa
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Silvana Sanches
 
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoCEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
PCachoeira
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
URCA
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Marcionedes De Souza
 
Nomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomiaNomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomia
Iuri Fretta Wiggers
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
Slides de Tudo
 
9 ano origem da vida
9  ano origem da vida9  ano origem da vida
9 ano origem da vida
Jane Jeiza
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Silvana Sanches
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Silvana Sanches
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
César Milani
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
Renata Magalhães
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
Rebeca Vale
 
Genética Introdução
Genética   IntroduçãoGenética   Introdução
Genética Introdução
Mateus Domingos
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
emanuel
 
Lista de exercícios 7º ano 2º bimestre - 1ª parte
Lista de exercícios 7º ano   2º bimestre - 1ª parteLista de exercícios 7º ano   2º bimestre - 1ª parte
Lista de exercícios 7º ano 2º bimestre - 1ª parte
Leonardo Kaplan
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
César Milani
 

Mais procurados (20)

Genética introdução
Genética introduçãoGenética introdução
Genética introdução
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º anoCEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
CEET_Aula sobre os vírus - 2º ano
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Nomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomiaNomenclatura taxonomia
Nomenclatura taxonomia
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
9 ano origem da vida
9  ano origem da vida9  ano origem da vida
9 ano origem da vida
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Genética Introdução
Genética   IntroduçãoGenética   Introdução
Genética Introdução
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
 
Lista de exercícios 7º ano 2º bimestre - 1ª parte
Lista de exercícios 7º ano   2º bimestre - 1ª parteLista de exercícios 7º ano   2º bimestre - 1ª parte
Lista de exercícios 7º ano 2º bimestre - 1ª parte
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 

Semelhante a Ecologia geral

Semi ecologia geral
Semi ecologia geralSemi ecologia geral
Semi ecologia geral
aulasdotubao
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
celembio
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
TainTeixeiraBiolouka
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
Ecologia geral parte 1
Ecologia geral parte 1Ecologia geral parte 1
Ecologia geral parte 1
Marcos Albuquerque
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
PatriciaZanoli
 
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
DanielDias872409
 
Vida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosVida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivos
Jolealpp
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Antonio Fernandes
 
Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03
Lunna01
 
Ecologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologia
Ecologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologiaEcologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologia
Ecologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologia
alessandraoliveira324
 
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março 2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
Luiza Collet
 
1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidade
margaridabt
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Angela Boucinha
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Magali Feldmann
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
Michele Moreira
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Andrey Moreira
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 

Semelhante a Ecologia geral (20)

Semi ecologia geral
Semi ecologia geralSemi ecologia geral
Semi ecologia geral
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
 
Ecologia geral parte 1
Ecologia geral parte 1Ecologia geral parte 1
Ecologia geral parte 1
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
 
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
1. Cadeias e Teias Alimentares 11-03.pdf
 
Vida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosVida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivos
 
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e EcossitemasConceitos em Ecologia e Ecossitemas
Conceitos em Ecologia e Ecossitemas
 
Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03
 
Ecologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologia
Ecologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologiaEcologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologia
Ecologia.pdfEcologiaEcologiaEcologiaEcologia
 
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março 2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
 
1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidade
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 

Mais de terceirob

Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)
terceirob
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
terceirob
 
Povos orientais
Povos orientaisPovos orientais
Povos orientais
terceirob
 
D sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoáriosD sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoários
terceirob
 
Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
terceirob
 
Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º ano
terceirob
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas  EuropeiasVanguardas  Europeias
Vanguardas Europeias
terceirob
 
Componentes da cultura
Componentes da culturaComponentes da cultura
Componentes da cultura
terceirob
 

Mais de terceirob (9)

Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Povos orientais
Povos orientaisPovos orientais
Povos orientais
 
D sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoáriosD sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoários
 
Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
 
Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º ano
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas  EuropeiasVanguardas  Europeias
Vanguardas Europeias
 
Componentes da cultura
Componentes da culturaComponentes da cultura
Componentes da cultura
 

Último

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

Ecologia geral

  • 2. Ecologia • Conceitos Básicos Indivíduo: exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta. Espécie: conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e aos seus ancestrais que Espécie cruzam entre si, naturalmente, produzindo descendentes férteis. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com População: conjunto de indivíduos da mesma espécie que ocupam uma determinada área, num determinado período de tempo. Comunidade ou biocenose: conjunto de populações diferentes que coexistem em biocenose determinada região, interagindo direta ou indiretamente umas com as outras. Ecossistema: conjunto formado pela comunidade (meio biótico) e o ambiente físico Ecossistema (meio abiótico). Ex: Lagoa, Deserto, Floresta, etc. Biosfera: conjunto de todos os ecossistemas do planeta; corresponde à porção da Terra Biosfera onde existe vida.
  • 3. Ecologia 1) Conceitos Básicos Hábitat: local onde o indivíduo ou a espécie pode ser encontrado. Corresponde a seu “endereço” no ecossistema onde vive. Nicho Ecológico: papel desempenhado pelo organismo no ecossistema. Define o modo Ecológico de vida único e particular que cada espécie explora no hábitat. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Ecótone: região de transição entre dois ecossistemas. Apresenta grande biodiversidade. Ecótone Bioma: conjunto de ecossistemas com características relativamente uniformes de clima, Bioma solo, fauna e flora. Exemplos de biomas brasileiros: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga e Pampas.
  • 4. Ecologia Níveis de organização da Ecologia Átomos  Moléculas  Organelas  Célula  Tecidos  Órgãos  Sistemas  Organismos (indivíduos)  Populações  Comunidades  Ecossistemas  Biosfera leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 5. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia 1) Conceitos Prévios a) Organismos Autótrofos São organismos que possuem a capacidade de utilizar o CO2 como fonte de carbono para produzir matéria orgânica. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com 6CO2 + 12H2O  C6H12O6 + 6H2O + 6O2 Os organismos podem ser autótrofos de duas maneiras: I) Realizando fotossíntese • A fonte de energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica provém da luz. II) Realizando quimiossíntese • A energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica provém de reações químicas.
  • 6. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia 1) Conceitos Prévios a) Organismos Autótrofos leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Algas Verdes Árvores Cianobactérias Algas Pardas Bromélias Algas unicelulares
  • 7. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia 1) Conceitos Prévios a) Organismos Heterótrofos São organismos que não são capazes de produzir matéria orgânica. Dessa maneira, precisam obter a matéria orgânica pronta. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 8. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia 1) Conceitos Prévios • Importância dos autótrofos Os autótrofos, por serem capazes de produzir matéria orgânica, são os grandes produtores de nutrientes dos ecossistemas. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 9. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia 2) Cadeias Alimentares • Conceito Relação alimentar entre organismos de um ecossistema. Representa a série de organismos pela qual flui a energia inicialmente assimilada pelos produtores. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Luz Capim  Gafanhoto  Sapo  Serpente Na cadeia acima o capim Os Os consumidoressão Toda cadeia alimentar Os Produtores decompositores Decompositores São sempre heterótrofos possui 3 componentes: (autótrofo) é o São sempre também heterótrofos, (bactérias e fungos) São representados pelos organismo produtor. representadosúnicos porém são os pelos organismos carnívoros ou III)Produtores sapo e a organismos converter capazes de autótrofos Gafanhoto, IV)Consumidores umou serpente, consumidores (Fotossintetizantes herbívoros de matéria orgânica em V)Decompositores Quimiossintetizantes) e bactérias e fungos ecossitema. compostos inorgânicos decompositores simples.
  • 10. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia TEIA ALIMENTAR leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com 10
  • 11. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia FLUXO DE ENERGIA 1 2 Quantidade de energia leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com 3 4 6 5 8 7 10 9 11 Fluxo de energia 11
  • 12. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 13. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia PIRÂMIDES ECOLÓGICAS • Pirâmide de Energia leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com É sempre direta!!!
  • 14. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia PIRÂMIDES ECOLÓGICAS b) Pirâmide de números Pode ser direta ou inversa Se os produtores forem de grande tamanho (uma leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com árvore) e os herbívoros pequenos (lagartas) a base da pirâmide será estreita e o gráfico não apresentará forma de pirâmide. Se os produtores forem organismos pequenos e os consumidores relativamente maiores, a pirâmide será sempre direta.
  • 15. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia PIRÂMIDES ECOLÓGICAS Expressa a quantidade de substância viva b) Pirâmide de biomassa (“peso seco”) em cada nível trófico. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Pode ser direta ou inversa Peixes Carnívoros Herbívoros Zooplâncton Produtores Fitoplâncton
  • 16. Ecologia 3) Estudo das populações c) Densidade Populacional Número de indivíduos de uma mesma espécie que vive numa determinada área ou volume (habitats aquáticos). leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Densidade Número de indivíduos = populacional Área ou volume Fatores que determinam a densidade populacional: o Taxa de Natalidade o Taxa de Imigração o Taxa de Mortalidade o Taxa de Emigração
  • 17. Ecologia 3) Estudo das populações b) Fatores que alteram o tamanho populacional Todas as populações possuem potencial para crescer. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Um único casal de pássaros, chocando 6 ovos por ano, e com mortalidade zero, produziria ao final de 15 anos cerca de 10 milhões de descendentes. Essa capacidade teórica de crescer apresentada pelas populações é chamada de potencial biótico.
  • 18. Ecologia 3) Estudo das populações b) Fatores que alteram o tamanho populacional Em condições naturais, o crescimento de uma população é limitado pela disponibilidade de recursos do meio. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com O tamanho da população será determinado pelos efeitos combinados dos fatores ambientais: *Abióticos: água, espaço, clima, disponibilidade de nutrientes, etc. *Bióticos: predação, competição, doenças, Quando uma população atinge a alimentação, etc. A curva de crescimento real de uma capacidade suportada pelo meio, seu população descreve uma curva em forma tamanho passa a oscilar em torno de um de “S” (curva sigmóide) valor médio.
  • 19. Ecologia 4) Relações Ecológicas A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações ecológicas, e costumam ser classificadas pelos biólogos em intra-específicas, interespecíficas, harmônicas e desarmônicas. a) Relações intra-específicas: São as que se estabelecem entre indivíduos de uma leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com mesma espécie. b) Relações interespecíficas: São as que se estabelecem entre indivíduos de espécies diferentes. c) Relações harmônicas: Pelo menos uma das espécies se beneficia e não há prejuízo para nenhuma das partes associadas. d) Relações desarmônicas: Uma ou ambas as espécies são prejudicadas.
  • 20. Ecologia 5) Relações Ecológicas Intra-Específica Colônias Sociedades Relações Harmônicas Mutualismo Interespecífica Protocooperação leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Comensalismo Intra-Específica Competição intra-específica Canibalismo Competição interespecífica Relações Desarmônicas Predatismo Interespecífica Parasitismo Amensalismo Esclavagismo
  • 21. Ecologia 5) Relações Ecológicas a) Relações Intra-específicas Harmônicas I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos fisicamente entre si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho. Ex: Corais, bactérias (estreptococos), caravela leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com II) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados de modo cooperativo e não ligados anatomicamente. Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas. Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem definidas, havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias.
  • 22. Ecologia 5) Relações Ecológicas a) Relações Intra-específicas Harmônicas I) Colônia: leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 23. Ecologia 5) Relações Ecológicas a) Relações Intra-específicas Harmônicas II) Sociedade: Abelhas leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 24. Ecologia 5) Relações Ecológicas a) Relações Interespecíficas Harmônicas I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos. Ex: leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com o Líquens (associação entre algas ou cianobactérias e fungos) o Bacteriorriza: Associação formada por bactérias do gênero Rhizobium com raízes de leguminosas, como o feijão. o Herbívoros e Protozoários.
  • 25. Ecologia 5) Relações Ecológicas a) Relações Interespecíficas Harmônicas II) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos se beneficiam, mas a existência não é obrigatória. Ex: leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com o Paguro e anêmonas do mar o Cervo e pássaro anu o Pássaro palito e jacaré o Insetos polinizadores e angiospermas
  • 26. Ecologia 5) Relações Ecológicas a) Relações Interespecíficas Harmônicas III) Comensalismo: É a associação entre espécies diferentes, na qual uma espécie é beneficiada sem causar prejuízo ou benefício a outra. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Comensalismo típico: Relação em que uma espécie se alimenta de restos alimentares de outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que aproveitam restos das presas dos leões. Inquilinismo: Relação ecológica em que uma espécie inquilina vive sobre ou no interior de uma espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos vegetais essa associação recebe o nome de epifitismo. Ex: Bromélias. Forésia: Relação na qual uma espécie usa a outra como meio de transporte. Ex: Tubarão e rêmoras.
  • 27. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Intra-específicas desarmônicas I) Competição Intra-específica: Ocorre entre indivíduos da mesma espécie, e é motivada por disputas por território, alimento e companheiro sexual. Obs.: A competição é um fator que regula o tamanho da população leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com II) Canibalismo: Relação na qual um organismo se alimenta de outro da mesma espécie. Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra.
  • 28. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas I) Competição Interespecífica: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes. Geralmente ocorre quando duas espécies apresentam sobreposição de nichos ecológicos. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Obs.: A disputa pelo mesmo recurso ambiental é um importante fator no controle do tamanho das populações. Obs2.: Quando uma competição é muito severa uma das espécies pode ser eliminada (extinta) ou obrigada a emigrar. Obs3.: A introdução de espécies exóticas têm causado graves impactos ambientais devido ao fato dessas espécies competirem pelos mesmos recurso que espécies nativas.
  • 29. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas I) Competição Interespecífica leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 30. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas II) Predatismo: Ocorre quando organismo predadores matam indivíduos da população de presas para deles se alimentarem. Ex: Leões e girafas. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Obs.: A relação presa-predador pode ser um fator regulador da densidade populacional de ambos. Presa Nº de indivíduos Predador Tempo
  • 31. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas II) Predatismo: leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 32. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas III) Parasitismo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes e moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira. Endoparasitismo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Ex: Protozoários flagelados e cupim. Ectoparasitismo: Quando o parasita vive na superfície do hospedeiro. Ex: Piolho e homem. Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da planta hospedeira. Ex: Cipó-chumbo. Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da planta hospedeira. Ex: Erva de passarinho. Obs.: O parasitismo pode ser um fator regulador do tamanho de uma população. Obs2.: Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para sobreviverem.
  • 33. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas III) Parasitismo leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Pernilongo Erva-de-passarinho Cipó chumbo
  • 34. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas IV) Amensalismo: Também chamado de antibiose, uma espécie denominada inibidora libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de outra denominada amensal. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Ex: Algas pirrófitas e animais marinhos (Maré vermelha). Algas Pirrófitas
  • 35. Ecologia 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas V) Esclavagismo: Uma espécie se beneficia do trabalho de outra. Ex: Chupim. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Essa espécie de pássaro bota seus ovos no ninho de outras espécies, que passa a chocá- los até a eclosão.
  • 36. Ecologia 5) Relações Ecológicas Formas especiais de adaptação • Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por assemelhar-se a outras
  • 37. Ecologia 5) Relações Ecológicas Formas especiais de adaptação b) Mimetismo leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 38. Ecologia 5) Relações Ecológicas Formas especiais de adaptação c) Aposematismo: Forma de adaptação na qual uma espécie exibe cores chamativas para advertir seus possíveis predadores quanto a seu paladar desagradável ou pelo veneno que possui. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 39. Ecologia 6) Sucessão Ecológica Processo que consiste na substituição ordenada e gradual de uma comunidade por outra, até o estabelecimento de uma comunidade relativamente estável, denominada comunidade clímax. Etapas da sucessão: Ecese  Séries  Comunidade clímax leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Estágio Inicial: Constituído pela comunidade pioneira ou (ecese) que modifica o ambiente e é gradualmente substituída por comunidades temporárias (séries) até atingir a comunidade clímax. o Espécies pioneiras: Líquens e briófitas o Séries: são comunidades temporárias que se sucedem após a colonização o Comunidade clímax: É a que encerra a sucessão. É o estágio no qual se encontra grande biodiversidade, não havendo mais substituição de espécies.
  • 40. Ecologia Espécies Pioneiras se estabelecem leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Comunidades temporárias Comunidades permanentes
  • 41. Ecologia 6) Sucessão Ecológica Tipos de sucessão ecológica Sucessão Primária: Ocorre quando o desenvolvimento de uma comunidade inicia-se em uma área estéril, ou seja, onde não existia vida. Ex: Ilhas vulcânicas. leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Sucessão Secundária: Ocorre quando o desenvolvimento de uma comunidade inicia-se em uma área anteriormente ocupada por outras comunidades bem estabelecidas.
  • 43. Ecologia 6) Sucessão Ecológica Característica Eventos ao longo da sucessão Composição em espécies Muda rapidamente no início, depois mais lentamente. Tamanho dos indivíduos Tende a aumentar leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Diversidade de espécies Aumenta, atingindo o máximo na comunidade clímax Biomassa total Aumenta Produtividade primária bruta Aumenta no início depois estabiliza Respiração da comunidade Aumenta Razão Fotossíntese/Respiração F > R, no início, depois F = R Produtividade Líquida Inicialmente grande, depois diminui, igualando no clímax Cadeias alimentares Ficam mais elaboradas Reciclagem de nutrientes Aumenta, tornando-se mais rápida
  • 44. Ciclos Biogeoquímicos Ciclo da água leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 45. Ciclos Biogeoquímicos Ciclo do Carbono leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 46. Ciclos Biogeoquímicos Ciclo do oxigênio leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com
  • 47. Ciclos Biogeoquímicos N2 atmosférico Ciclo do FIXAÇÃO DO NITROGÊNIO DESNITRIFICAÇÃO Nitrogênio ATMOSFÉRICO Assimilação pelos herbívoros leandrocbl@hotmail.com leandrocbl@hotmail.com Absorção pelas raízes Excreção Morte e Bactérias decomposição fixadoras de Bactérias N2 nos desnitrificantes NO3(nitrato) nódulos de Absorção raízes de de NH3 por leguminosas Nitrobacter Decompositores algumas plantas NH3 (amônia) NO2 (nitrito) NITRIFICAÇÃO Bactérias fixadoras de N2 Nitrosomonas no solo
  • 48. leandrocbl@hotmail.com 48 leandrocbl@hotmail.com