Artigo terrorismo

1.755 visualizações

Publicada em

artigo terrorista

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.755
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
185
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo terrorismo

  1. 1. Copa do Mundo de 2014Um estudo sobre o risco de ocorrência de um atentado terrorista Maurício Viegas Pinto E-mail: mauricio.viegas@folha.com.br Servidor do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. Bacharel em Direito. Especialista em Inteligência Estratégica. Instrutor do Instituto de Formação Ministro Luiz Vicente Cernicchiaro (Escola de Administração Judiciária). Mestrando em Direito Penal Internacional pela Universidade de Granada - Espanha. Este artigo é de caráter pessoal e não reflete necessariamente o pensamento das instituições às quais o autor esteja vinculado. 1
  2. 2. ResumoTrata-se de estudo sobre o risco de ocorrência de um atentado terrorista durante arealização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Preliminarmente, faz-se uma breveanálise da conjuntura, apontando características do evento, antecedentes históricos eacontecimentos regionais que ensejam a consideração desta hipótese. A seguir,descreve-se pontos fortes e fracos que permitam identificar a vulnerabilidade em facedesta ocorrência. Tal vulnerabilidade é confrontada com a ameaça de um atentado, nointuito de se classificar e analisar o risco existente. Por fim, os dados obtidos sãoagrupados em um único quadro, com o objetivo de facilitar a sua apresentação aotomador de decisão.Palavras-ChaveAnálise de risco. Terrorismo. Copa do Mundo de 2014. 2
  3. 3. SumárioIntrodução .................................................................................................................................. 4A Copa do Mundo de 2014 ..................................................................................................... 4O Massacre de Munique ......................................................................................................... 4Os atentados terroristas contra alvos judeus na Argentina ..................................... 6Grupos terroristas atuando no Brasil?.............................................................................. 5Uma postura inteligente diante do risco ......................................................................... 6Pontos fortes .............................................................................................................................. 6Pontos fracos ............................................................................................................................. 7Vulnerabilidade ...................................................................................................................... 10Ameaça ...................................................................................................................................... 10Risco ........................................................................................................................................... 10Medidas sugeridas para a correção do risco ............................................................... 11Análise do risco ....................................................................................................................... 11Quadro de análise do risco ................................................................................................. 12Referências bibliográficas .................................................................................................. 13 3
  4. 4. IntroduçãoMesmo com os novos contornos que o mundo vem assumindo recentemente, oterrorismo, enquanto ameaça transnacional, continua a ser um fator de preocupação.Neste contexto, o emprego de metodologias de análise de risco mostra-seimprescindível para o assessoramento do processo decisório, principalmente em facedos grandes eventos esportivos que ocorrerão no Brasil nos próximos anos. A Copa do Mundo de 2014Considerado internacionalmente como o “país do futebol”, o Brasil sediará, entre osdias 12 de junho e 13 de julho de 2014, a vigésima edição da Copa do Mundo deFutebol, um dos maiores eventos esportivos do planeta. Os jogos ocorrerão em dozecidades, dentre elas a Capital Federal.De acordo com a página criada pelo Governo Federal para divulgar dados sobre a Copado Mundo de 2014, um levantamento realizado pela empresa Value Partners Brasil,estimou que o evento agregará 183 bilhões de reais ao PIB do País e mobilizará 33bilhões de reais em investimentos de infra-estrutura, com destaque para a área detransporte e sistemas viários.Segundo esse mesmo levantamento, 3,7 milhões de turistas, entre nacionais eestrangeiros, irão gerar um montante de 9,4 bilhões de reais durante o evento. O Massacre de MuniqueContudo, é preciso considerar que eventos desta magnitude podem se mostrar atrativostambém para grupos terroristas que queiram perpetrar ataques com o objetivo deconferir visibilidade à sua causa, projetando-a em âmbito internacional.O exemplo mais conhecido de uso deste estratagema foi o Massacre ocorrido durante asOlimpíadas de Munique, em cinco de setembro de 1972. Nesta ocasião, terroristas dogrupo palestino Setembro Negro invadiram as acomodações dos atletas israelenses,matando dois deles e fazendo outros nove como reféns (KLEIN, 2006).Como as negociações não foram bem sucedidas, terroristas e reféns foram transportadosem dois helicópteros para o aeroporto militar, de onde poderiam fugir a bordo de umavião. Contudo, uma tentativa desastrosa de libertação resultou na morte de todos osreféns, além de cinco terroristas e um policial alemão (KLEIN, 2006).A tragédia, que ganhou repercussão mundial, revelou o total despreparo da políciaalemã para operações desta natureza, e motivou a criação do GSG-9, a unidade especialde antiterrorismo do governo alemão (KLEIN, 2006).Ainda hoje, quase quarenta anos após o atentado, a imagem mais associada à Olimpíadade Munique é a de um terrorista encapuzado circulando pela varanda do alojamentoonde os atletas israelenses eram mantidos como reféns. 4
  5. 5. Os atentados terroristas contra alvos judeus na ArgentinaDeve-se atentar para o fato de que o terrorismo islâmico também já se manifestou naAmérica do Sul. Nos anos de 1992 e 1994, respectivamente, foram realizados doisgrandes atentados contra alvos judeus na Argentina.De acordo com o governo argentino, o Hezbollah teria planejado e executado osatentados com apoio de pessoas ligadas à Embaixada do Irã (AMARAL, 2010).A seguir, apresenta-se uma retrospectiva dos principais fatos referentes a estes atentadosque, embora distintos, apresentam uma grande similaridade entre si:17 de março de 1992 – a Embaixada de Israel em Buenos Aires foi alvo de um ataquerealizado com um carro-bomba. Como resultado, vinte e nove pessoas morreram eduzentos e quarenta ficaram feridas.18 de julho de 1994 – a Associação Mutual Israelita Argentina foi alvo de um novoataque com carro-bomba. Desta vez o saldo foi de oitenta e cinco mortos e trezentosferidos, no que passou a ser considerado o maior atentado terrorista deste país.25 de outubro de 2006 – promotores argentinos acusam formalmente oficiais ligados àembaixada iraniana de terem participado do planejamento dos atentados.7 de novembro de 2007 – a Interpol ratifica as conclusões da justiça argentina e ordenaa emissão de mandados de prisão para que os suspeitos sejam capturados e levados ajulgamento.Desde então, o governo argentino vem requerendo – sem sucesso – a extradição dosdiplomatas iranianos suspeitos de participação no atentado. Grupos terroristas atuando no Brasil?De acordo com dados repassados pela Interpol, um dos suspeitos de envolvimento comos atentados ocorridos na Argentina, identificado como Mohsen Rabbani, estariatransitando regularmente pelo Brasil, utilizando passaportes falsos.Manifestando-se sobre a potencial existência e atuação de grupos terroristas no Brasil,(WOLOSZYN, 2010, p.74) menciona que “Os órgãos de inteligência brasileiros, entreeles a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Inteligência Militar das ForçasArmadas, afirmam que não há registros de existência de grupos, células ou atividadesterroristas internacionais em território brasileiro.”Contudo, ainda segundo (WOLOSZYN, 2010, p.74) “Há indícios, porém, de que gruposterroristas estejam realizando um intercâmbio ‘técnico’ com organizações criminosasligadas ao narcotráfico, o que é possível visto o modus operandi dessas organizaçõesnos recentes episódios nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro e de materiaisapreendidos em algumas favelas cariocas.” 5
  6. 6. De fato, investigações conduzidas pela Polícia Federal indicam que indivíduos suspeitosde envolvimento com o terrorismo poderiam estar operando no Brasil.De acordo com essas investigações, as atividades desenvolvidas no Brasil estariamrelacionadas com o financiamento de grupos extremistas e o recrutamento de jovenspara treinamento no exterior. Uma postura inteligente diante do riscoOs atentados do 11 de setembro mostraram ao mundo que nenhum país, por mais seguroque seja, está totalmente imune a ocorrência de um ato terrorista.Deste modo, a missão dos profissionais de segurança consiste apenas em dificultar aomáximo a realização dos atentados, aumentando os seus custos no intuito dedesestimular a sua ocorrência.Em síntese, na impossibilidade de se anular completamente o risco, deve-se ao menosprocurar reduzir as vulnerabilidades existentes. Este processo inicia-se com aidentificação dos pontos fortes e fracos relacionados ao evento. Pontos fortesOs seguintes pontos fortes destacam-se no que se refere à Copa do Mundo de 2014:Experiência em eventos esportivos internacionaisEmbora a última Copa do Mundo disputada no Brasil tenha sido em 1950, ocasião naqual o Brasil sagrou-se vice-campeão mundial, perdendo a partida final para a seleçãodo Uruguai no estádio do Maracanã, o país promove grandes eventos esportivos, que lhepermitem reunir experiência sobre o seu planejamento e execução.A título de exemplo, pode-se citar os Jogos Pan-Americanos que ocorreram no Rio deJaneiro em 2007, onde foram testadas medidas de segurança orgânica em grandeseventos; e ainda a Copa das Confederações, que ocorrerá no Brasil em 2013, e serviráde laboratório para a Copa do Mundo de Futebol, que será realizada no ano seguinte.População altamente motivada para a realização da Copa do Mundo no BrasilEste é um importante fator de natureza psicossocial. A alta motivação da população emtorno de um evento esportivo pode ser empregada como meio de mobilização nacionaldiante de uma eventual ameaça terrorista. Pontos fracosA lista dos pontos fracos compreende os seguintes aspectos: 6
  7. 7. Baixa percepção do risco por parte de autoridades governamentaisProvavelmente este seja o aspecto mais grave de todos, justamente porque asautoridades governamentais são as responsáveis pela formulação de Políticas eelaboração de Estratégias que definem a forma como o evento será tratado no que tangea várias questões, dentre elas, as relacionadas com a área de segurança.Apenas para citar um exemplo, em recente declaração à imprensa, realizada em 10 demaio de 2011, o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que não haverá acriação de uma unidade específica para combater o terrorismo no Brasil. Noentendimento do Ministro “o Brasil não está sujeito a práticas terroristas”.Declarações desta natureza, além de revelarem uma baixa percepção do risco por partede autoridades governamentais, expõem vulnerabilidades dos organizadores do evento.Fronteiras extensas e altamente permeáveisO Brasil, país de dimensões continentais, possui aproximadamente 17,5 mil km defronteiras terrestres, e 8,4 mil km de fronteiras marítimas.Cerca de 27% do território nacional está localizado em área de fronteira, onde habitamdez milhões de brasileiros. No total, o Brasil faz fronteira com dez países diferentes.A extensão e permeabilidade das fronteiras brasileiras facilitam a entrada ilegal deestrangeiros no país, e ainda o tráfico de armas, explosivos, e material radioativo,produtos que podem ser empregados em um eventual atentado terrorista.Em uma tentativa de minimizar este problema, o Governo Federal sancionou, em agostode 2010, lei que confere Poder de Polícia às Forças Armadas na faixa de fronteira.Na prática, o diploma legal autoriza as Forças Armadas a realizarem patrulhamento,revistar pessoas, veículos, embarcações e aeronaves, assim como efetuar prisões emflagrante na região de fronteira. Contudo, vale ressaltar que o problema persiste e que secaracteriza, na realidade, como uma das principais vulnerabilidades de nosso País.Grande número de passaportes falsificadosEm virtude de possuirmos uma população altamente miscigenada, onde qualquer umpode se passar por um cidadão brasileiro, o nosso passaporte é um dos mais valorizadosque existem no mercado negro dos falsificadores internacionais, sendo procurado porcriminosos e terroristas de todo o mundo.O Governo Federal vem adotando medidas para diminuir o número de passaportesbrasileiros que são falsificados, visando coibir a entrada e permanência ilegal deestrangeiros no País.A mais recente destas medidas foi a criação de um novo modelo de passaporte, quepassou a ser emitido a partir de dezembro de 2010, e que possui como principalmecanismo de segurança um chip que armazena os dados pessoais e informaçõesbiométricas do portador. 7
  8. 8. Atualmente, países como Estados Unidos, Austrália, África do Sul, Reino Unido,Canadá e Japão, além de todos os membros da União Européia, já expedem passaporteseletrônicos para os seus cidadãos.Contudo, vale dizer que no Brasil a medida ainda encontra-se em fase experimental,sendo que recentemente a Polícia Federal divulgou uma lista com mais de 11.000passaportes que deveriam ser recolhidos por apresentarem problemas em seus chips.Facilidade para a obtenção de dinheiroNão seria difícil para membros de uma organização terrorista a obtenção de dinheiro,tanto de forma lícita quanto ilícita, sem chamar a atenção dos órgãos que fiscalizam amovimentação financeira no Brasil.A institucionalização velada do “jogo do bicho”, contravenção aceita e praticadaabertamente em todo o território nacional, é apenas um dos vários exemplos que podemser citados quanto a este aspecto.Outro ponto que merece destaque é a possibilidade de uso de instrumentos informaispara a transferência de dinheiro, como a hawala. Esta prática, que mesmo sendoinformal é bastante confiável, permite a transferência de dinheiro entre diferentes paísessem nenhuma transação bancária, sendo virtualmente impossível de se detectar.Vale lembrar que, diferentemente das ações do crime organizado, os atentadosterroristas tem custos muito baixos, podendo mesmo ser considerados baratos emrelação ao dano que potencialmente podem provocar. Isto possibilita, inclusive, que astransações financeiras entre agentes de um mesmo grupo ocorram muitas vezes pormeios legais.Deve-se mencionar ainda a questão do financiamento de atividades terroristas por meiode doações (Zakat), mecanismo comum entre os grupos fundamentalistas islâmicos.Facilidade para a obtenção ilegal de armas e explosivosA aquisição de armas de fogo de uso restrito pode ser considerada relativamente fácil noBrasil, principalmente ao se considerar eventuais interações entre grupos terroristas efacções do crime organizado, e ainda a extensão e permeabilidade de nossas fronteiras.Explosivos, granadas e outros dispositivos militares também são encontrados nas mãosde criminosos, quase sempre provenientes de furtos ocorridos nos próprios quartéis.A mídia tem noticiado com freqüência o uso de explosivos em assaltos a caixaseletrônicos em vários estados do Brasil. Em praticamente todos os casos o explosivoutilizado é a dinamite, a qual vem sendo obtida por meio de uma série de furtospraticados contra pedreiras e mineradoras em todo o País.Deste modo, percebe-se que não haverá dificuldade para que agentes terroristasobtenham o material necessário para a realização de um eventual atentado no Brasil. 8
  9. 9. Possibilidade de obtenção ilegal de material radioativoEmbora não consideremos neste estudo a possibilidade de emprego de armas nucleares,não descartamos o uso de material radioativo com o objetivo de aumentar o poder lesivode bombas convencionais, ou seja, das chamadas “bombas sujas”.A Polícia Federal já identificou quadrilhas atuando no norte do Brasil com a extraçãoclandestina e o comércio ilegal de minerais radioativos (entre eles o urânio) queestavam sendo remetidos ilegalmente para fora do País.À época, as investigações apontaram que o minério estaria sendo levado para paísescomo a Rússia e a Coréia do Norte. Havia ainda a suspeita de que o contrabandoestivesse sendo enviado a grupos terroristas islâmicos.As investigações também apontaram para o possível envolvimento de autoridadespúblicas, inclusive parlamentares, com os criminosos que atuavam no tráfico dematerial radioativo.Considerando que a ideologia de determinadas redes terroristas preceitua justamente aeliminação do maior número possível de pessoas em seus atentados, e que o uso dematerial radioativo na confecção de “bombas sujas” permitiria alcançar este objetivo,esta possibilidade não pode ser descartada na elaboração de uma análise de risco em quea ameaça principal consista, precisamente, em um ataque terrorista.Um dos maiores grupos de “infiéis” do mundoNão há como negar que o terrorismo na atualidade possua um forte componentereligioso, o qual se manifesta, do ponto de vista do terrorismo islâmico ou salafista, naforma de uma guerra contra os infiéis.Sob esse aspecto, o fato da Copa do Mundo de 2014 ser realizada no Brasil caracteriza-se como um ponto negativo, posto que – aos olhos de fundamentalistas islâmicos – apopulação brasileira constitui um dos maiores grupos de “infiéis” do mundo.Inexistência de tipificação para o crime de terrorismoUm dos maiores óbices à implementação de um plano de combate ao terrorismo noBrasil passa pela inexistência de uma definição legal para este crime em nosso País.A não tipificação do crime de terrorismo, além de provocar críticas recorrentes por parteda comunidade internacional no que tange à política brasileira de combate aoterrorismo, impede que indivíduos ligados a atividades terroristas sejam condenados daforma adequada. Em determinadas hipóteses, a pena que deveria ser imputada nãopermitiria sequer que o acusado fosse preso ao fim do processo.Embora a Constituição Federal expresse que as relações internacionais do Brasil sebaseiem no repúdio ao terrorismo, e classifique a prática terrorista como crimeinafiançável, não houve, até o presente momento, um esforço legislativo que resultassena tipificação do crime de terrorismo, o que, de forma concreta, faz com que se torneminócuos e inaplicáveis os dispositivos constitucionais mencionados anteriormente. 9
  10. 10. VulnerabilidadeOs dados expostos acima permitem identificar uma alta vulnerabilidade no que tange àocorrência de atentados terroristas no Brasil. AmeaçaConforme mencionado anteriormente, a Copa do Mundo de 2014 será um dos maioreseventos esportivos do planeta, movimentará enormes montantes em dinheiro e atrairá osolhares de todo o mundo para um único país: o Brasil.Essa conjuntura faz aflorar uma grave ameaça: a de que grupos extremistas seaproveitem de um megaevento esportivo para fazer propaganda e projetar a sua causaem âmbito internacional.Não há como calcular, por exemplo, o valor da propaganda que a rede terrorista Al-Qaeda obteve com os atentados do 11 de setembro. Quanto custaria para esse grupopagar vinte e quatro horas de transmissão ao vivo em todas as redes de TV do mundo?De acordo com (WOLOSZYN, 2010) a doutrina preconizada pela Escola deInteligência da Agência Brasileira de Inteligência (Esint/Abin), menciona a propagandae o marketing dentre os objetivos específicos do terrorismo na atualidade.De fato, pensando no uso da propaganda por parte dos grupos terroristas, a ocorrênciade atentados em grandes eventos esportivos, como a Copa do Mundo de Futebol,configura uma ameaça grave que deve ser considerada pelos gestores de risco. RiscoDeste modo, havendo o encontro de uma ameaça grave com uma vulnerabilidade alta,classifica-se como alto o risco de atentados terroristas durante a realização daCopa do Mundo de 2014 no Brasil. Medidas sugeridas para a correção do riscoAlém dos tradicionais procedimentos de segurança orgânica, as seguintes medidas sãorecomendadas no intuito de se reduzir o risco para níveis aceitáveis: 1. Tipificar o crime de terrorismo no Brasil. 2. Instituir unidades especiais de combate ao terrorismo. 3. Intensificar medidas que dificultem a entrada ilegal de estrangeiros no País. 4. Monitorar pessoas suspeitas de ligação com grupos terroristas. 5. Monitorar quadrilhas que comercializem armas e explosivos. 6. Investigar o comércio ilegal de material radioativo no País. 10
  11. 11. Deve-se observar o fato de que um atentado terrorista não se planeja “da noite para odia”. Na realidade, como destaca (WOLOSZYN, 2010) as ações terroristas são sempremeticulosamente planejadas e guardadas sob grande sigilo. Isto significa,concretamente, que se algo estiver sendo planejado para a Copa do Mundo de 2014 noBrasil, o planejamento certamente já está em andamento.Deste modo, faltando pouco mais de trinta meses para o início da Copa do Mundo de2014, talvez já estejamos consideravelmente atrasados para a implementação dealgumas destas medidas.Ressalte-se, por fim, que em virtude das características intrínsecas ao terrorismo, seriafundamental para o êxito das medidas corretivas um adequado assessoramento deInteligência, que permitisse a identificação – em tempo oportuno – de pessoas, gruposou atividades terroristas desenvolvidas em território brasileiro.Lamentavelmente, dados importantes sobre a estrutura, a doutrina, os membros e omodus operandi de organizações terroristas internacionais encontram-se dispersos,geralmente sob a guarda de outros países, mais atentos a essa questão.Em razão disso, não se descarta inclusive a cooperação com Serviços de Inteligênciaestrangeiros, mais experientes no combate ao terrorismo, e, portanto, com maior aptidãopara atuar nesse momento. Análise do riscoDiante do cenário apresentado, as autoridades podem adotar uma das seguintes posturas:Assumir o riscoSignifica aceitar a probabilidade de ocorrência do atentado, e conseqüentemente osdanos que possam resultar de sua realização, os quais incluem:- Danos financeiros elevados decorrentes de inúmeras indenizações.- Implantação do sentimento de terror na população brasileira.- Associação direta do Brasil com o fenômeno do terrorismo internacional.- Eventual intervenção estrangeira no Brasil para apoiar o combate ao terror.- Repercussões negativas para a imagem do País.- Questionamento sobre a realização das Olimpíadas de 2016 no Brasil.Não assumir o riscoSignifica avaliar que os danos resultantes da ocorrência de um atentado são muitoelevados, sendo conveniente, portanto, a adoção das medidas de natureza corretiva.Cabe ressaltar, por fim, que embora a adoção das medidas corretivas implique em umcusto adicional para o evento, elas permanecerão ativas mesmo após o seu término; eserão essenciais, inclusive, aos Jogos Olímpicos de 2016, que também ocorrerão noBrasil. 11
  12. 12. Quadro de análise do riscoHipótese Ocorrência de um atentado terrorista durante a Copa do Mundo.Postura Os profissionais de segurança devem dificultar ao máximo ainteligente realização dos atentados, aumentando os seus custos no intuito dediante do risco desestimular a sua ocorrência. Na impossibilidade de se anular completamente o risco, deve-se ao menos procurar reduzir as vulnerabilidades existentes. Este processo inicia-se com a identificação dos pontos fortes e dos pontos fracos.Pontos fortes Experiência na realização de eventos esportivos internacionais. População motivada para a realização da Copa do Mundo no Brasil.Pontos fracos Baixa percepção do risco por parte de autoridades governamentais. Fronteiras extensas e altamente permeáveis. Grande número de passaportes falsificados. Facilidade para a obtenção de dinheiro. Facilidade para a obtenção ilegal de armas e explosivos. Possibilidade de obtenção ilegal de material radioativo. Um dos maiores grupos de “infiéis” do mundo. Inexistência de tipificação para o crime de terrorismo.Vulnerabilidade País com alta vulnerabilidade contra ataques terroristas.Ameaça Exploração de um megaevento esportivo para dar publicidade a um grupo ou causa terrorista.Risco Alto. Ameaça grave diante de uma vulnerabilidade alta.Medidas Tipificar o crime de terrorismo no País.sugeridas para a Instituir unidades especiais de combate ao terrorismo.correção do Intensificar medidas que dificultem a entrada ilegal no País.risco Monitorar pessoas suspeitas de ligação com grupos terroristas. Monitorar quadrilhas que comercializem armas e explosivos. Investigar o comércio ilegal de material radioativo no País.Importância do Para o êxito das medidas corretivas é fundamental que haja umemprego da adequado assessoramento de Inteligência, que permita a identificaçãoInteligência – em tempo oportuno – de pessoas, grupos ou atividades terroristaspara a correção desenvolvidas em território brasileiro.Análise do a) Assumir o riscorisco Neste caso, deve-se considerar que a ocorrência de um atentado durante o evento poderia implicar em: - Danos financeiros elevados decorrentes de inúmeras indenizações. - Implantação do sentimento de terror na população brasileira. - Associação do Brasil com o fenômeno do terrorismo internacional. - Justificação para uma intervenção estrangeira no Brasil. - Repercussões negativas para a imagem do país. - Questionamento sobre a realização das Olimpíadas no Brasil. b) Não assumir o risco O que implica em arcar com os custos de implementação das medidas corretivas propostas anteriormente. 12
  13. 13. Referências bibliográficasAMARAL, Arthur B. (2010), A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror. Rio deJaneiro, Apicuri.KLEIN, Aaron J. (2006), Contra-ataque. Marilena Moraes e Iva Sofia. Rio de Janeiro,Ediouro.WOLOSZYN, André L. (2010), Terrorismo Global. Rio de Janeiro, Bibliex. 13

×